O atraso da agricultura
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

O atraso da agricultura

on

  • 11,701 views

 

Statistics

Views

Total Views
11,701
Views on SlideShare
11,313
Embed Views
388

Actions

Likes
2
Downloads
149
Comments
3

5 Embeds 388

http://caliceforte.blogspot.pt 354
http://caliceforte.blogspot.com 22
http://caliceforte.blogspot.ru 6
http://caliceforte.blogspot.com.br 5
http://caliceforte.blogspot.fr 1

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

O atraso da agricultura Presentation Transcript

  • 1. O caso Português
    Século XIX
  • 2. Assim como em muitos outros países, a industrialização em Portugal foi complicada e tardia, devido ao facto de que durante a primeira metade do século XIX, Portugal passou por uma fase de ausência de elites e um atraso no ensino, também porque o país viveu um período de instabilidade politica causado peças Invasões Francesas, pela independência do Brasil mas também porque houve a Revolução Liberal [1820] e a Guerra Civil que levou a uma situação de elevado descontentamento e revoltas populares, mas também pela crise económica que se fazia sentir no país devido á baixa produtividade, á agricultura de subsistência, á falta de vias de comunicação e transporte, ao défice na balança comercial, entre outros.
    Esta situação duma instabilidade politica e uma crise económica no país, impediu o seu desenvolvimento.
    Introdução
  • 3. O atraso da Agricultura em Portugal
    • Apesar da agricultura ser a principal actividade do país, esta por sua vez, esteve atrasada, até meados do século XIX sendo que muitos dos terrenos eram incultos.
    • 4. Este atraso pode ser explicado pelos seguintes factores:
    Solo pobre e o pouco uso de fertilizantes;
    Uso de utensílios e técnicas agrícolas rudimentares;
    Pouco investimento nas terras por parte dos proprietários;
    Agricultura de subsistência;
    Pouco desenvolvimento no mercado interno;
    Uma grande parte dos camponeses abrangiam a elevada taxa de analfabetismo;
    Dificuldades em escoar a produção agrícola devido ao facto de não existir uma rede de transportes.
  • 5. Utilização do solo em 1875
  • 6. Faz dó percorrer os campos do Minho quando os trabalhos agrícolas são mais intensos: vê-se uma agricultura bárbara em que só um terreno generoso pode compensar as deficientes técnicas utilizadas. Não se dão às terras as lavras prescritas pela ciência; os adubos são maus e empregados em menor quantidade do que requer uma cultura intensiva; o afolhamento é ao acaso […]; os adubo minerais aplicados como correctivos são desconhecidos.
    Cruel ignorância que consome vidas e vidas a mourejar e a cavar a terra ingrata e que deixa os cultivadores a mendigar, no fim da vida, o pão de cada dia.
    J. da Mota Pego, O Estado da Agricultura, 1870
    Agricultura sem modernização
  • 7. Na segunda metade do século XIX os governos liberais começam a tomar medidas, para que a agricultura pudesse desenvolver-se bem:
    Utilização de novas máquinas , como ceifeiras e debulhadoras;
    Uso de novos instrumentos agrícolas;
    Desaparecimento das áreas feudais;
    Alargamento das áreas agrícolas;
    Aplicação de adubos químicos e selecção de sementes;
    Incentivo à criação de gado e produção de forragens;
    Criação de instituições de crédito agrícola.
    As transformações agrícolas
  • 8. Estas transformações e progressos não foram o suficientes para modernizar a agricultura, pois esta continuava a não satisfazer as necessidades do país.
    Estas transformações não contribuíram para que em Portugal se iniciasse uma verdadeira Revolução Agrícola, tal como aconteceu em alguns países.
    Mas na segunda metade do século XIX a agricultura em Portugal consegue modernizar-se.
  • 9. A partir de 1852, a agricultura desenvolveu-se […]. A libertação da terra pela abolição dos morgadios e dos terrenos paroquiais incultos, o estabelecimento de escolas agrícolas, os concursos regionais e as exposições agrícolas […] foram medidas que contribuíram poderosamente para o crescimento da área cultivada, para o desenvolvimento progressivo da agricultura portuguesa.
    Modernização da Agricultura na segunda metade do século XIX
    Gerardo Augusto Pery, Geografia e Estatística de Portugal e Colónias, Lisboa, Imprensa Nacional, 1875
  • 10. Síntese
  • 11. Portugal na Primeira metade do século XIX
    Impedimentos á modernização da Agricultura
    Instabilidade Politica
    Crise económica
    • Agricultura de subsistência
    • 12. Fracos meios de comunicação e transportes
    • 13. Baixa produtividade e pouca mecanização
    • 14. Falta de investimentos
    • 15. Fraco mercado interno
    • 16. Défice na balança comercial
    • 17. Invasões Francesas
    • 18. Revolução Liberal (Guerras entre liberais e absolutistas)
    • 19. Guerra Civil
    • 20. Independência do Brasil
    • 21. Revoltas populares
    ATRASO AGRÍCOLA, INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO
  • 22. Portugal no Inicio da 2ª metade do século XIX
    Tentativas de modernização
    • Utilização de novas alfaias e máquinas agrícolas
    • 23. Desenvolvimento de novas culturas
    • 24. Selecção de sementes
    • 25. Uso de adubos químicos
    • 26. Aumento das áreas de cultivo
    • 27. Incentivo á criação de gado e produção de pasto
    • 28. Criação de instituições de crédito agrícola
    Insuficiência nos progressos para modernizar a agricultura
    REGENERAÇÃO
  • 29. Apesar destes esforços não terem sido suficientes, de certo modo, contribuíram para a modernização da agricultura, que virá a ser realizada mais tarde no período da Regeneração.
    No decorrer deste período serão introduzidas novas técnicas agrícolas, que com o aumento das áreas cultivadas e a melhoria dos hábitos alimentares, levarão a melhores condições na saúde. Como durante esse tempo se produz mais com menos mão de obra , provocará um maior desemprego, que criará um êxodo rural para a cidade e um aumento do operariadoeda indústria.
    Conclusão
  • 30. Joana Catarina Ribeiro Teixeira , nº 11
    Ricardo Manuel Sousa Morais , nº 23
    8º A
    Trabalho realizado pelos alunos: