Camões

4,275 views
4,127 views

Published on

Trabalho realizado por um formando do Curso EFA - B3 (2008/2009) da Escola E.B. 2,3 de Valongo, no âmbito do Tema de Vida 3 ("Somos Consumidores") e das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
4,275
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
181
Actions
Shares
0
Downloads
80
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Camões

  1. 1. Canto I as armas e os barões assInalados Que, da oCIdental praIa lusItana, por mares nunCa dantes navegados passaram aInda além da taprobana, em perIgos e guerras esforçados, maIs do Que prometIa a força humana, e entre gente remota edIfICaram novo reIno, Que tanto sublImaram; e também as memórIas glorIosas daQueles reIs Que foram dIlatando a fé, o ImpérIo, e as terras vICIosas de ÁfrICa e de ÁsIa andaram devastando, e aQueles Que por obras valerosas se vão da leI da morte lIbertando: Cantando espalhareI por toda a parte, se a tanto me ajudar o engenho e arte. luís vaz de Camões – os lusíadas fotos.sapo.pt/76LsJhqpZvjEA7C14f7r
  2. 2. e também as memórIas glorIosas daQueles reIs Que foram dIlatando a fé, o ImpérIo, e as terras vICIosas de ÁfrICa e de ÁsIa andaram devastando, e aQueles Que por obras valorosas se vão da leI da morte lIbertando; Cantando espalhareI por toda a parte, se a tanto me ajudar o engenho e arte . luís vaz de Camões – os lusíadas Olhares .aeio.pt/luis_de_camoes_foto1059537.html - 22k
  3. 3. fonte: http://www.dIaadIa.pr.gov.br/tvpendrIve/arQuIvos/fIle/Imagens/4portugues/897.jpg Cessem do sÁbIo grego e do troIano as navegações grandes Que fIzeram; Cale-se de alexandro e de trajano a fama das vItórIas Que tIveram; Que eu Canto o peIto Ilustre lusItano , a Quem neptuno e marte obedeCeram. Cesse tudo o Que a musa antIga Canta, Que outro valor maIs alto se a levanta. luís vaz de Camões – os lusíadas
  4. 4. muItas são as InCertezas sobre o perCurso de vIda do maIs Célebre dos esCrItores portugueses. Contudo, é possível, Completar o seu esboço bIogrÁfICo reCorrendo a vÁrIos doCumentos esCrItos. Começando pelo loCal e data do seu nasCImento, logo surgem as prImeIras dúvIdas: 1524 ou 1525? a terra natal do poeta terIa sIdo fonte: http://www.nenetteCh.Com/dIghtonroCk/baCkgrounds/palaCIo_dos_Corte_reaIs_-150.jpg lIsboa? CoImbra?
  5. 5. Quando tudo aConteCeu... 1524 ou 1525: datas provÁveIs do nasCImento de luís vaz de Camões, talvez em lIsboa. 1548: desterro no rIbatejo; alIsta-se no ultramar. 1549: embarCa para Ceuta; perde o olho dIreIto numa esCaramuça Contra os mouros. 1551: regressa a lIsboa. 1552: numa brIga, fere um funCIonÁrIo da CavalarIça real e é preso. 1553: é lIbertado; embarCa para o orIente. 1554: parte de goa em perseguIção a navIos merCantes mouros, sob o Comando de fernando de meneses. 1556: é nomeado provedor-mor em maCau; naufraga nas Costas do Camboja. 1562: é preso por dívIdas não pagas e depoIs lIbertado pelo vICe-reI Conde de redondo, de Quem era protegIdo. fonte: http://2.bp.blogspot.Com/_pdtk- 1567: segue para moçambIQue. gYeQoI/r8rtoIurQeI/aaaaaaaaanw/lCu9l k8nlus/s320/selo%2bCam%C3%b5es.jpg 1570: regressa a lIsboa na nau santa Clara. 1572: saI a prImeIra edIção d’os lusíadas. 1579 ou 1580: morre de peste, em lIsboa.
  6. 6. vão as serenas Águas vão as serenas Águas do mondego desCendo mansamente, Que até o mar não param; por onde mInhas mÁgoas pouCo a pouCo CreCendo, para nunCa aCabar se Começaram. alI se ajuntaram neste lugar ameno, aonde agora mouro, fIg. – CoImbra no séCulo xvI testa de nove e ouro, rIso brando, suave, olhar sereno, um gesto delICado, Que sempre na alma me estarÁ pIntado. luís de Camões fonte: http://ofICIna.CIenCIavIva.pt/~pw020/g7/lat2.htm
  7. 7. fonte: http://www.InfopedIa.pt/mostra_Imagem.jsp?reCId=20855 e vós, tÁgIdes mInhas, poIs CrIado tendes em mI um novo engenho ardente, se sempre, em verso humIlde, Celebrado foI de mI vosso rIo alegremente, daI-me agora um som alto e sublImado, um estIlo grandíloQuo e Corrente, por Que de vossas Águas febo ordene Que não tenham Inveja às de hIpoCrene . luís de Camões
  8. 8. Fonte: pt.trekearth.com/gallery/Europe/Portugal/South/Santarem/Abrantes/photo565758.htm
  9. 9. daI-me uma fúrIa grande e sonorosa, e não de agreste avena ou frauta ruda , mas de tuba Canora e belICosa, Que o peIto aCende e a Cor ao gesto muda. daI-me Igual Canto aos feItos da famosa gente vossa, Que a marte tanto ajuda; Que se espalhe e se Cante no unIverso, se tão sublIme preço Cabe em verso. luís de Camões fonte:http://www.fraternIdaderosaCruz.org/Camoes.jpg
  10. 10. as rImas são a prImeIra edIção da lírICa CamonIana, feIta a partIr de CanCIoneIros manusCrItos, em 1595. fonte: http://www.aCademIa.org.br/abl/medIa/bb_rhYthamas.bmp
  11. 11. fonte: o.CamInho.InvIsIvel.zIp.net
  12. 12. fonte: splIshsplashblog.blogspot.Com o.CamInho.InvIsIvel.zIp.net
  13. 13. fonte: www.prof2000.pt/.../modulo2/webQuest/Index.1.gIf www.fraternidaderosacruz.org/camoes.jpg
  14. 14. amor é um fogo Que arde sem se ver amor é um fogo Que arde sem se ver, é ferIda Que dóI, e não se sente; é um Contentamento desContente, é dor Que desatIna sem doer. é um não Querer maIs Que bem Querer; é um andar solItÁrIo entre a gente; é nunCa Contentar-se de Contente; é um CuIdar Que ganha em se perder. é Querer estar preso por vontade; é servIr a Quem venCe, o venCedor; é ter Com Quem nos mata, lealdade. mas Como Causar pode seu favor nos Corações humanos amIzade, se tão ContrÁrIo a sI é o mesmo amor? fontes: www.nosCafora.be/.../Camoes.jpg
  15. 15. Que vençaIs no orIente tantos reIs, Que de novo nos deIs da índIa o estado, Que esCureçaIs a fama Que ganhado tInham os Que ganharam a InfIéIs; Que do tempo tenhaIs venCIdo as leIs, Que tudo, enfIm, vençaIs C’o tempo armado; Fonte: 3.bp.blogspot.com/.../s400/camoes.bmp maIs é venCer na pÁtrIa, desarmado, os monstros e as QuImeras Que venCeIs. e assI, sobre venCerdes tanto ImIgo, e por armas fazer Que, sem segundo, vosso nome no mundo ouvIdo seja, o Que vos dÁ maIs nome Inda no mundo é venCerdes, senhor, no reIno amIgo, tantas IngratIdões, tão grande enveja!
  16. 16. a d. sImão da sIlveIra, em resposta de outro seu, pelos mesmos Consoantes, mandando-lhe perguntar Quem fora o prImeIro poeta Que fIzera sonetos de um tão felICe engenho, produzIdo de outro, Que o Claro sol não vIu maIor, é trazer Cousas altas no sentIdo, todas dInas de espanto e de louvor. museu foI antIQuíssImo esCrItor, fIlósofo e poeta ConheCIdo, dIsCípulo do músICo amador Que C’o som teve o Inferno suspendIdo. este pôde abalar o monte mudo, Cantando aQuele mal, Que eu jÁ passeI, do manCebo de abIdo mal sIsudo. agora Contam jÁ (segundo aCheI), fontes: http://www.aupper.pt/obras/Images/oslusIadas.jpg tasso, e o nosso bosCão, Que dIsse tudo dos segredos Que move o Cego reI.
  17. 17. ah, mInha dInamene assI deIxaste Quem não deIxara nunCa de Querer-te! ah, nInfa mInha, jÁ não posso ver-te, tão asInha esta vIda desprezaste! Como jÁ para sempre te apartaste de Quem tão longe estava de perder-te? puderam estas ondas defender-te Que não vIsses Quem tanto magoaste? nem falar-te somente a dura morte me deIxou, Que tão Cedo o negro manto em teus olhos deItado ConsentIste! ó mar! ó Céu! ó mInha esCura sorte! Qual pena sentIreI, Que valha tanto, Que aInda tenho por pouCo o vIver trIste? Fonte: www.templodeapolo.net/.../big/ninfas03.jpg
  18. 18. apartava-se nIse de montano, em Cuja alma partIndo-se fICava; Que o pastor na memórIa a debuxava, por poder sustentar-se deste engano. pelas praIas do índICo oCeano sobre o Curvo Cajado se enCostava, e os olhos pelas Águas alongava, Que pouCo se doíam de seu dano. «poIs Com tamanha mÁgoa e saudade — dezIa – QuIs deIxar-me a Que eu adoro, por testemunhas tomo Céu e estrelas. mas se em vós, ondas, mora pIedade, levaI também as lÁgrImas Que Choro, poIs assI me levaIs a Causa delas! www.malhatlantica.pt
  19. 19. «deIxo, deuses, atrÁs a fama antIga, Que Coma gente de rômulo alCançaram, Quando Com vIrIato, na InImIga guerra romana, tanto se afamaram; também deIxo a memórIa Que os obrIga a grande nome, Quando levantaram um por seu CapItão, Que, peregrIno, fIngIu na Cerva espírIto dIvIno. fonte: members.fortuneCItY.Com
  20. 20. verdes são os Campos verdes são os Campos da Cor do lImão: assI são os olhos do meu Coração. Campo, Que te estendes Com verdura bela; ovelhas, Que nela vosso pasto tendes; d’ervas vos mantendes Que traz o verão, e eu das lembranças do meu Coração. gado, Que paCeIs, Co Contentamento vosso mantImento fonte: http://3.bp.blogspot.Com/_Itd- não o entendeIs: lsb8Qmu/sr30h2zu37I/aaaaaaaaaem/waz2dpbtngg/s400/paIsagem_olh os_verdes.jpg Isso Que ComeIs não são ervas, não: são graças dos olhos do meu Coração luís vaz de Camões
  21. 21. oh, Como se me alonga, de ano em ano oh, Como se me alonga, de ano em ano, a peregrInação Cansada mInha! Como se enCurta, e Como ao fIm CamInha este meu breve e vão dIsCurso humano! vaI-se gastando a Idade e CresCe o dano; perde-se-me um remédIo, Que Inda tInha; se por experIênCIa se adIvInha, QualQuer grande esperança é grande engano. Corro após este bem Que não se alCança; no meIo do CamInho me faleCe, mIl vezes CaIo, e perCo a ConfIança. Quando ele foge, eu tardo; e, na tardança, se os olhos ergo a ver se Inda pareCe, da vIsta se me perde e da esperança. fonte:http://InCondICIonalmentevasCo.fIles.wordpress.Com/2008/03/Caravela2.jpg
  22. 22. Que me QuereIs perpétuas saudades? Que me QuereIs perpétuas saudades? Com Que esperanças aInda me enganaIs? Que o tempo Que se vaI não torna maIs, e se torna, não tornam as Idades. razão é jÁ, ó anos!, Que vos vades, porQue estes tão lIgeIros Que passaIs, nem todos para um gosto são IguaIs, nem sempre são Conforme as vontades. aQuIlo Que jÁ QuIs é tão mudado Que Quase é outra Cousa; porQue os dIas têm o prImeIro gosto jÁ danado. esperanças de novas alegrIas não mas deIxa a fortuna e o tempo errado, Que do Contentamento são espIas. fonte: http://farm4.statIC.flICkr.Com/3171/2738307582_14fa89C897.jpg?v=0
  23. 23. a luís de Camões sem lÁstIma e sem Ira o tempo arromba as heróICas espadas. pobre e trIste Á tua pÁtrIa nostÁlgICa voltaste, ó CapItão, para nela morrer e Com ela. no magICo deserto tInha-se a flor de portugal perdIdo e o Áspero espanhol, antes venCIdo, ameaçava o seu Costado aberto. Quero saber se aQuém da rIbeIra últIma Compreendeste humIldemente Que tudo o perdIdo, o oCIdente e o orIente, o aço e a bandeIra, fonte: perdurarIa (alheIo a toda a humana http://3.bp.blogspot.Com/_rj2bl4kmmae/se0m_7CIrII/aaaaaaaad_C/Qd lmnxvjkeg/s400/Cam%C3%b5es.bmp mutaçao) na tua eneIda lusItana. jorge luís borges
  24. 24. -"ó glórIa de mandar! ó vã CobIça desta vaIdade a Quem Chamamos fama! ó fraudulento gosto Que se atIça Cua aura popular Que honra se Chama! Que CastIgo tamanho e Que justIça fazes no peIto vão Que muIto te ama! Que mortes, Que perIgos, Que tormentas, Que Crueldade neles experImentas! fonte: http://purl.pt/1229/1/d-394- v_jpg/d-394-v_jpg_24-C-r0072/d-394- v_t24-C-r0072.jpg
  25. 25. a lamentÁvel CatÁstrofe de d. Inês de Castro da trIste, bela Inês, Inda os Clamores andas, eCo Chorosa, repetIndo; Inda aos pIedosos Céus andas pedIndo justIça Contra os ímpIos matadores; ouvem-se Inda na fonte dos amores de Quando em Quando as nÁIades CarpIndo; e o mondego, no Caso refleCtIndo, rompe Irado a barreIra, alaga as flores: Inda altos hInos o unIverso entoa a pedro, Que da morte formosura ConvosCo, amores, ao sepulCro voa: mIlagre da beleza e da ternura! abre, desCe, olha, geme, abraça e C'roa a malfadada Inês na sepultura. boCage fonte: www.mulheresddInIs.blogspot.Com
  26. 26. "(...) CÁ, onde o mal se afIna e o bem se dana, e pode maIs Que a honra a tIranIa; CÁ, onde a errada e Cega monarQuIa CuIda Que um nome vão a deus engana; (...) CÁ neste esCuro Caos de Confusão, CumprIndo o Curso estou da natureza. vê se me esQueCereI de tI, sIão!" fonte: http://2.bp.blogspot.Com/_w3epfneC69Y/roujump4CxI/a aaaaaaaafe/nmtkrYwl6Cg/s200/Camoes.jpg
  27. 27. Cantava a bela deusa Que vIrIam do tejo, pelo mar Que o gama abrIra, armadas Que as rIbeIras venCerIam por onde o oCeano índICo suspIra; e Que os gentIos reIs Que não darIam a CervIz sua ao jugo, o ferro e Ira provarIam do braço duro e forte, até render-se a ele ou logo à morte. fonte:http://www.Iep.umInho.pt/aaC/lIC/te/ate04/wQpI/wQCamonIana/Images/Caravela%201.jpg
  28. 28. transforma-se o amador na Cousa amada transforma-se o amador na Cousa amada, por vIrtude do muIto ImagInar; não tenho logo maIs Que desejar, poIs em mIm tenho a parte desejada. se nela estÁ mInha alma transformada, Que maIs deseja o Corpo de alCançar? em sI sómente pode desCansar, poIs ConsIgo tal alma estÁ lIada. mas esta lInda e pura semIdeIa, Que, Como o aCIdente em seu sujeIto, assIm Co'a alma mInha se Conforma, fonte: http://mCebraga.fIles.wordpress.Com/2008/03/ponte.jpg estÁ no pensamento Como IdeIa; [e] o vIvo e puro amor de Que sou feIto, Como matérIa sImples busCa a forma.
  29. 29. oh! Que famIntos beIjos na floresta, e Que mImoso Choro Que soava Que afagos tão suaves, Que Ira honesta! Que em rIsInhos alegre se tornava! o Que maIs passam na manhã e na sesta, Que vénus Com prazeres Inflamava, melhor é experImentÁ-lo Que julgÁ-lo; mas julgue-o Quem não pode experImentÁ-lo fontes: http://mulher50a60.weblog.Com.pt/arQuIvo/bottICellI_the_bIrth_of_venus_detaIl.jpg
  30. 30. erros meus, mÁ fortuna, amor ardente erros meus, mÁ fortuna, amor ardente em mInha perdIção se Conjuraram; os erros e a fortuna sobejaram, Que pera mIm bastava amor somente. tudo passeI; mas tenho tão presente a grande dor das Cousas Que passaram, Que as magoadas Iras me ensInaram a não Querer jÁ nunCa ser Contente. erreI todo o dIsCurso de meus anos; fonte: deI Causa [a] Que a fortuna CastIgasse http://3.bp.blogspot.Com/_IIrQw6elhdw/rtjenh9kopI/aaaaaaaaaIs/Ix astflzduo/s1600-h/thoughts.bmp as mInhas mal fundadas esperanças. de amor não vI senão breves enganos. oh! Quem tanto pudesse, Que fartasse este meu duro génIo de vInganças! luís de Camões trabalho realIzado por sIdónIo vIeIra , Curso efa - b3 (2008/2009)

×