Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
  • Save
Membrana  plasmática
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Membrana plasmática

  • 12,836 views
Published

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
No Downloads

Views

Total Views
12,836
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
1
Likes
5

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Margarida Barbosa Teixeira MEMBRANA PLASMÁTICA
  • 2. Evolução do modelo de Membrana
    • O estudo da membrana plasmática foi evoluindo, nomeadamente, graças à evolução tecnológica.
    • Vários modelos foram propostos para explicar a estrutura da membrana.
    •  
    • OVERTON – 1894
    • Trabalhando com células vegetais, verificou que as substâncias lipossolúveis eram absorvidas mais rapidamente por estas.
    • Propôs que a membrana plasmática seria constituída por lípidos.
  • 3. Evolução do modelo de Membrana
    • GORTER e GRENDEL – 1925
    • Extraíram lípidos das membranas dos glóbulos vermelhos e concluíram que existiam lípidos suficientes para formar uma bicamada lipídica, sendo que:
    • as caudas hidrofóbicas ficariam viradas para o interior,
    • as cabeças hidrofílicas viradas para o exterior. 
    • LANGMUIR – 1917
    • Previu que seria constituída por uma camada de fosfolípidos , com uma extremidade voltada para a água e a outra para o ar.
  • 4. Evolução do modelo de Membrana
    • Os fosfolipídios são moléculas anfipáticas, isto é, possuem:
    • uma cabeça hidrofílica,
    • uma cauda hidrofóbica.
  • 5. Evolução do modelo de Membrana
    • DAVSON E DANIELLI – 1935
    • Propuseram que as duas camadas fosfolipídicas estariam envolvidas por uma camada de proteínas , em que as cadeias polipeptídicas se dispunham perpendicularmente às moléculas lipídicas.
    • DAVSON E DANIELLI – 1954
    • Mais tarde, propuseram que as 2 camadas de proteínas apresentavam espaços, de onde a onde, interrompendo a bicamada lipídica – estes poros encontrar-se-iam rodeados por moléculas proteícas que permitiriam a passagem das diferentes substâncias.
  • 6. Evolução do modelo de Membrana
    • ROBERTIS e ROBERTSON – 1960
    • Após a descoberta do microscópio electrónico propuseram, que as biomembranas teriam uma estrutura única e criaram um modelo designado modelo unitário de membrana, com estrutura trilamelar , (muito semelhante ao de Davson e Danielli), constituído por duas camadas escuras separadas por uma intermédia, mais clara.
  • 7. Modelo de Mosaico Fluido
    • SINGER E NICHOLSON – 1972 - MODELO DE MOSAICO FLUÍDO
    • Propuseram um novo modelo, segundo o qual a membrana seria constituída por:
    • uma bicamada de fosfolípidos,
    • com proteínas periféricas ou extrínsecas , dispersas à superfície e com ligações fracas aos fosfolípidos,
    • com proteínas integradas ou intrínsecas , nela introduzidas de forma mais ou menos profunda,
    • com hidratos de carbono na superfície exterior da membrana, ligados a proteínas ( glicoproteínas ) ou ligados a lípidos ( glicolípidos ).
  • 8. Modelo de Mosaico Fluido
    • SINGER E NICHOLSON – 1972
    • uma bicamada de fosfolípidos,
    • com proteínas periféricas ou extrínsecas , dispersas à superfície e com ligações fracas aos fosfolípidos,
    • com proteínas integradas ou intrínsecas,
    • com glicoproteínas e glicolípidos na superfície exterior da membrana,
    • com colesterol , entre as caudas dos fosfolípidos.
  • 9. Modelo de Mosaico Fluido
    • Actualmente, o modelo mais aceite é o de Singer e Nicolson ou Modelo em mosaico fluido .
  • 10. Modelo de Mosaico Fluido LEGENDA: 1- Glicoproteína; 2- Glicolípido; 3- Proteína integrada ou intrínseca; 4- Colesterol; 5- Proteína periférica ou extrínseca; 6- Fosfolípido.
  • 11. Modelo de Mosaico Fluido
    • A designação mosaico fluido deve-se ao facto de:
    • a superfície das membranas se assemelhar a um conjunto de pequenas peças,
    • a membrana não ser estática , dado que os lípidos e as proteínas embebidas na camada lipídica movem-se, dotando a bicamada de grande fluidez e mobilidade :
    • as moléculas de fosfolípidos movimentam-se através de movimentos laterais e, mais raramente, através de movimentos de flip-flop ou de cambalhota.
    • as proteínas movimentam-se lateralmente, mas nunca fazem o movimento de flip-flop.
  • 12. Modelo de Mosaico Fluido
    • O interior da membrana plasmática é extremamente hidrofóbico devido à presença das caudas dos fosfolipídios.
    • As proteínas integradas possuem aminoácidos hidrofóbicos que penetram no região hidrofóbico da dupla camada de fosfolípidos.
    • A superfície, com a presença de proteínas e hidratos de carbono, forma uma estrutura hidrofílica.
  • 13. Funções dos constituintes da Membrana
    • Os glicolípidos e glicoproteínas são moléculas envolvidas em mecanismos de reconhecimento de substâncias do meio envolvente (toxinas, hormonas, bactérias, vírus, antigenes…).
    • Localizam-se no lado extracelular da membrana plasmática.
    • As proteínas desempenham várias funções, nomeadamente:
    • estrutural,
    • transportadora,
    • enzimática.
    • O colesterol tem um papel estabilizador da membrana, pois evita que os fosfolípidos se agreguem, mantendo a fluidez da membrana.
    • A membrana pode deformar-se, envolver ou rejeitar várias substâncias e partículas, reparar e remover as suas moléculas…
  • 14. Funções da Membrana Plasmática
    • Separa o meio intracelular do meio extracelular, delimitando o conteúdo celular, mantendo a integridade da célula ;
    • Actua como uma superfície de troca de substâncias, de energia e de informação entre o meio intracelular e o meio extracelular.
    • Apresenta permeabilidade selectiva , ou seja, facilita a movimentação de determinadas substâncias e dificulta ou impede a movimentação de outras, de forma a regular a concentração do meio intracelular.