Fratura de metacarpo

53,754 views
53,160 views

Published on

Aula de fratura de metacarpo com dados retirados do livro fraturas em aduktos - rockwood and green 6 edição

0 Comments
6 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
53,754
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
9
Actions
Shares
0
Downloads
224
Comments
0
Likes
6
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Fratura de metacarpo

  1. 1. Fraturas Metacarpianas Dr. Marcus Hideki Murata Hospital IFOR/09
  2. 2. Epidemiologia <ul><li>As fraturas dos metacarpais representam 36% de todas as fraturas da mão. </li></ul><ul><li>Faixa etária: Inicio da faixa dos 30 anos (lesões esportivas) e ao redor dos 50 anos (lesões relacionada ao trabalho). </li></ul><ul><li>Ocorrem mais em homens que mulheres. </li></ul><ul><li>Em 98,6% dos casos são fraturas isoladas. </li></ul>
  3. 3. Anatomia <ul><li>Os metarcarpais constituem os principais elementos ósseos que participam na formação dos três arcos da mão. </li></ul><ul><li>Cortical volar mais espessa. </li></ul><ul><li>Interligados por ligamentos interósseos proximais e ligamentos intermetacarpais transversos profundos. </li></ul><ul><li>Principais deformantes no plano sagital são os músculos intrínsecos. </li></ul>
  4. 4. Diagnóstico <ul><li>As fraturas de colo e diáfise dos metacarpais apresentam angulação com ápice dorsal. </li></ul><ul><li>Avaliação da rotação é um dos aspectos mais importantes no exame físico (10 graus). </li></ul><ul><li>Pseudogarra: deformidade em hiperextensão da articulação MTCF, compensada pela angulação com ápice dorsal (colo) </li></ul><ul><li>Radiografias AP + L + O </li></ul>
  5. 5. Classificação <ul><li>OTA – 2.5. </li></ul><ul><li>Cabeça do metacarpal, extra articular (25-A1.) </li></ul><ul><ul><li>1-Simples </li></ul></ul><ul><ul><li>2-Metafisária em cunha </li></ul></ul><ul><ul><li>3-Metafisária complexa </li></ul></ul><ul><li>Cabeça do metacarpal, articular (25-B1.) </li></ul><ul><ul><li>1-Obliqua/espiral </li></ul></ul><ul><ul><li>2-Sagital </li></ul></ul><ul><ul><li>3-Coronal </li></ul></ul>
  6. 6. <ul><li>Cabeça do metacarpal, articular/extra-articular (25-C1.) </li></ul><ul><ul><li>1-Articular simples/metafisária simples </li></ul></ul><ul><ul><li>2-Articular simples/metafisária multifragmentada </li></ul></ul><ul><ul><li>3-Articular multifragmentar/metafisária simples </li></ul></ul><ul><ul><li>4-Articular e metafisária multifragmentar </li></ul></ul>
  7. 7. <ul><li>Metacarpal diafisária (25-B2.) </li></ul><ul><ul><li>1-Em espiral/obliqua </li></ul></ul><ul><ul><li>2-Transversa </li></ul></ul><ul><ul><li>3-Em cunha simples </li></ul></ul><ul><ul><li>4-Complexa </li></ul></ul>
  8. 8. <ul><li>Base do metacarpal, extra-articular(25-A3.) </li></ul><ul><ul><li>1-Simples </li></ul></ul><ul><ul><li>2-Multifisária multifragmentada </li></ul></ul><ul><li>Base do metacarpal, articular(25-B3.) </li></ul><ul><ul><li>1-Avulsão </li></ul></ul><ul><ul><li>2-Depressão </li></ul></ul><ul><ul><li>3-Depressão com divisão </li></ul></ul>
  9. 9. <ul><li>Base do metacarpal, articular/extra-articular (25-C3.) </li></ul><ul><ul><li>1-Articular simples/metafisária simples </li></ul></ul><ul><ul><li>2-Articular simples/metafisária multifragmentada </li></ul></ul><ul><ul><li>3-Articular multifragmentar/metafisária simples </li></ul></ul><ul><ul><li>4-Articular e metafisária multifragmentar </li></ul></ul>
  10. 10. Biomecânica <ul><li>Rigidez não é o fator mais importante, e sim a resistência a fadigas dos implantes, em resposta as solicitações cíclicas. </li></ul><ul><li>Parafusos interfragmentários com ou sem placa são biomecânicamente um dos recursos mais eficientes em comparação com outras formas de fixação interna. </li></ul>
  11. 11. Tratamento <ul><li>Tratamento conservador </li></ul><ul><ul><li>Fraturas não deslocadas </li></ul></ul><ul><ul><li>Fraturas redutíveis estáveis </li></ul></ul><ul><li>Redução fechada e fixação interna </li></ul><ul><ul><li>Fraturas redutíveis instáveis </li></ul></ul><ul><ul><li>Fraturas da base </li></ul></ul><ul><li>Redução cirurgica e fixação interna </li></ul><ul><ul><li>Fraturas múltiplas </li></ul></ul><ul><ul><li>Fraturas expostas (lesão de partes moles) </li></ul></ul><ul><ul><li>Fraturas irredutíveis </li></ul></ul><ul><ul><li>Fraturas intra articulares deslocadas </li></ul></ul>
  12. 12. Tratamento conservador <ul><li>Manobra de redução: Flexão em 90 graus da articulação MTCF, falanges em extensão, aplicar uma força orientada dorsalmente e aplicar contra pressão na porção proximal da fratura do metacarpo. </li></ul><ul><li>Geralmente aplicado em fraturas de colo e diáfise </li></ul><ul><li>Fraturas estáveis: <50% deslocamento, <40 graus angulação, <60 graus de obliquidade </li></ul>
  13. 13. Fixação intramedular da fratura <ul><li>Fios de Steinmann </li></ul><ul><ul><li>Controle rotacional obtido pelo entrosamento dos fragmentos. </li></ul></ul><ul><ul><li>Fixação rápida para fratura altamente expostas. </li></ul></ul><ul><li>Inserção de fios-K previamente curvados em feixes: </li></ul><ul><ul><li>Método mais aceito devida a pequena lesão partes moles. </li></ul></ul><ul><ul><li>Os fios deverão ter contatos em três pontos: apoio dorsal nas extremidades proximal e distal, e apoio volar no terço médio da diáfise. </li></ul></ul>
  14. 14. Redução fechada e fixação interna <ul><li>Fraturas extra e intra-articulares anatomicamente redutíveis e que se mantenham estáveis. </li></ul><ul><li>Tratamento mínimo nas fraturas de base. </li></ul><ul><li>Fios-K cruzados: biomecanicamente frágil </li></ul><ul><li>Pinagem transversal: utiliza o osso intacto como fixador externo. </li></ul><ul><li>Complicações: Distenção dos tecidos moles e infecção através dos fios. </li></ul>
  15. 15. Redução Cirúrgica e fixação interna <ul><li>Tratamento de escolha para as fraturas intra articulares, múltiplas instáveis e com lesão de partes moles. </li></ul><ul><li>Pode ser feita através de amarração intra óssea, amarração composta, somente parafusos e placas e parafusos. </li></ul><ul><li>Quando existe cominuição recomenda-se utilizar placa e parafusos </li></ul><ul><li>Posição da placa: dorso-lateral. </li></ul><ul><li>Fraturas da cabeça do metatarso: </li></ul><ul><ul><li>Tipo B(OTA) - utilizar 2 parafusos (2,0 mm) </li></ul></ul><ul><ul><li>Tipo C(OTA) – Placa condilar (Observar o ângulo do orifício perfurado) </li></ul></ul>
  16. 16. Vias de acesso
  17. 23. Limites de deformidades aceitáveis <ul><li>Nenhuma deformidade rotacional causada pela flexão dos dedos. </li></ul><ul><li>Nenhum deslocamento articular. </li></ul><ul><li>Nenhuma pseudogarra. </li></ul><ul><li>Angulação no plano coronal < 10 graus </li></ul><ul><li>Angulação do dedo indicador/médio no plano sagital < 10 graus </li></ul><ul><li>Angulação do dedo anular no plano sagital < 20 graus </li></ul><ul><li>Angulação do dedo mínimo no plano sagital < 30 graus </li></ul>
  18. 24. Cuidados Pós Operatórios <ul><li>Movimentação precoce </li></ul><ul><li>Quanto maior a lesão de partes moles mais agressivo o programa de reabilitação. </li></ul>
  19. 25. Complicações <ul><li>Pseudoartrose: </li></ul><ul><ul><li>Tratamento inicial inadequado </li></ul></ul><ul><ul><li>Lesões de alto impacto com perdas ósseas </li></ul></ul><ul><li>Deformidade angular: </li></ul><ul><ul><li>Geralmente no plano sagital dorsal </li></ul></ul><ul><ul><li>Avaliar a indicação de osteotomia (encurtamento de 2 mm altera 7 graus na extensão das art. MTCF) </li></ul></ul><ul><li>Deformidade rotacional : </li></ul><ul><ul><li>Observar a superposição dos dedos </li></ul></ul><ul><ul><li>Osteotomia pode corrigir de 25 a 30 graus </li></ul></ul>
  20. 26. <ul><li>Deformidade intra-articular </li></ul><ul><ul><li>Osteotomia raramente indicadas </li></ul></ul><ul><ul><li>Osteoartrose(65%), dificuldade preênsil(49%), dores(38%) </li></ul></ul><ul><ul><li>Indicada artrodese </li></ul></ul><ul><li>Rigidez </li></ul><ul><ul><li>Em lesões de alto impacto geralmente ocorre, em lesões de baixo impacto falha no tratamento. </li></ul></ul><ul><ul><li>Indicado tratamento fisioterápico </li></ul></ul><ul><ul><li>Se seqüela for muito grande indicar capsulotomia ou tenólise </li></ul></ul><ul><ul><li>Retirar placas após sólida consolidação </li></ul></ul>
  21. 27. <ul><li>Bibliografia: </li></ul><ul><ul><li>Rockwood and Green : fraturas em adultos – Volume 1 / editores Robert W Bucholz, James D. Heckman – 6. edição </li></ul></ul>
  22. 28. Obrigado.

×