Papel do Bibliotecário

13,514
-1

Published on

Published in: Education, Technology

Papel do Bibliotecário

  1. 1. O PAPEL DO BIBLIOTECÁRIO COMO MEDIADOR NO DESENVOLVIMENTO DA COMPETÊNCIA EM INFORMAÇÃO NA UNIVERSIDADE Ednéia Silva SANTOS-ROCHA * Margaret Barros MAIA** RESUMO Considera-se que a atividade de educação de usuários já é desenvolvida pelo bibliotecário aos discentes da Universidade. Entretanto, acredita-se que, enquanto condição de melhoria desse processo, seja necessária sua formalização no sentido de contribuir para retratar com maior credibilidade e eficácia todos os serviços oferecidos pela biblioteca, seu potencial e componentes, além de desenvolver a competência em informação que é considerada um diferencial dos cidadãos neste século. Diante do exposto, justifica-se o presente trabalho, pois além de servir de parâmetro para demonstrar o potencial existente na Universidade permite intensificar os serviços disponíveis moldando-os à uma nova estrutura e divulgação. A implantação do Núcleo de Competência em Informação na Universidade tem a finalidade de atualizar os docentes, discentes, funcionários e a comunidade externa, mediante a elaboração de projetos educacionais e pedagógicos, assim como um espaço para as decisões práticas das atividades. Palavras-chave: Competência informacional; Atuação profissional; Bibliotecário; Educação de usuários ABSTRACTS It is considered that the activity of education of users is already developed by the students of the University librarian. However, it is believed that, as a condition for * Mestranda em Ciência, Tecnologia e Sociedade. UFSCar – Universidade Federal de São Carlos. Centro de Educação e Ciências Humanas - Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Sociedade. São Carlos – SP – Brasil. 13565-905. Bibliotecária. USP - Universidade de São Paulo – Campus Ribeirão Preto. Biblioteca Central. 14.040-900 - edneia@usp. ** Pós-graduanda em MBA em Gestão de Unidades de Informação. UNICEP – Centro Universitário Central Paulista – São Carlos – SP – Brasil. Bibliotecária – mgraal@hotmail.com
  2. 2. 2 improvement of this process, its formalization is necessary in order to depict with greater credibility and effectiveness all the services offered by the library, and their potential constituents, and to develop competence in information that is considered as a differential of citizens in this century. Considering the foregoing, it is this work, as well as serve as a parameter to demonstrate the potential at the University can enhance the services available shaping them to a new structure and distribution. The deployment of the Information Center of Competence at the University aims to upgrade teachers, students, staff and external community through the development of educational projects and teaching, as well as a space for the practical decisions of the activities. Keywords: Information literacy, professional performance, Librarian, Education of users INTRODUÇÃO A função do profissional bibliotecário como co-educador trabalhando com os docentes da Universidade no campo da pesquisa, é de suma importância, porque os docentes oferecem aos alunos condições para orientá-los na iniciação científica, planejar projetos, redigir, apresentar relatórios acadêmicos, seminários, preparando- os a viverem em uma sociedade do conhecimento, lidando com a informação. Segundo Mason (1990, p. 125) este profissional deve ter como função básica “disponibilizar a informação certa, da fonte certa, para o usuário certo, no prazo certo, numa forma considerada adequada para o uso e a um custo justificado pelo seu uso”, além disso, o bibliotecário deve estar preparado para buscar, tratar e disponibilizar as informações para seus usuários/clientes de qualquer ambiente informacional. Wormell (1999, p. 8) observa as várias habilidades que o profissional da informação deve possuir, dentre ela destacamos: facilitar o uso da informação; navegar entre sistemas de conhecimento e fontes de informação; oferecer consultoria e aconselhamento para problemas de informação; examinar e oferecer um ótimo gerenciamento de recursos de informação; oferecer serviços de tradução entre várias línguas; traduzir sistemas técnicos e culturais entre si; transformar dados e favorecer o fluxo de dados entre de dados entre sistemas; conectar contextos sociais e culturais; educar/treinar os usuários; prover esclarecimentos sobre
  3. 3. 3 recursos de informação; oferecer suporte às políticas de informação para as estratégias da organização. Nesse sentido, o bibliotecário, por sua vez, oferece mecanismos que propiciam o acesso e uso inteligente dessa informação, contribuindo para a efetivação da pesquisa, orientando-os em seus trabalhos acadêmicos na utilização de normas e recursos informacionais disponíveis no acervo da biblioteca e na Internet, como livros, periódicos em papel e eletrônicos, bases de dados adquiridas através de parcerias com outras instituições, formando, assim, um ciclo informacional dinâmico que se renova a cada momento. Este profissional enquanto mediador do desenvolvimento da competência em informação é visto como profissional que dirige, organiza e administra a Biblioteca; porém, tem como finalidade circular a informação organizada e armazenada junto à comunidade que atende. Tem como objetivo fornecer aos alunos dos cursos de graduação e pós-graduação da instituição em que trabalha um acervo de documentos impressos e eletrônicos voltados para atender a formação acadêmica e também exercer o papel de mediador entre os usuários e a informação. De acordo com a International Federation of Library (2005, p. 59), a competência informacional está no cerne do aprendizado ao longo da vida. Ela capacita as pessoas em todos os caminhos da vida para buscar, avaliar, usar e criar a informação de forma efetiva para atingir suas metas pessoais, sociais, ocupacionais e educacionais. É um direito humano básico em um mundo digital e promove a inclusão social em todas as nações. Dudziak (2001, p. 131-135), analisando o papel do bibliotecário, constata- se mudanças nas ações do profissional como intermediário da informação, mediador do conhecimento e educador. Como mediador, o bibliotecário ensina o usuário a utilizar determinados recursos e ferramentas informacionais, possibilitando desde a busca até a recuperação dos documentos de interesse. Para Fisher; Mouton e Poccoli (1996, p. 7) “as competências formam a base para a sobrevivência contínua e o crescimento da biblioteca nas diferentes áreas da informação”. Na visão de Belluzzo (2005, p. 82), a competência informacional é compreendida por duas dimensões, sendo a primeira de domínio de saberes e habilidades de diversas naturezas que permite a intervenção prática da realidade, e a segunda, uma visão crítica
  4. 4. 4 do alcance das ações e o compromisso com as necessidades mais concretas que emergem e caracterizam o atual contexto social. Nessa dimensão, cabe ao profissional bibliotecário nas questões das competências informacionais estar atento às necessidades dos usuários, ser um facilitador, um agente educacional, ter a colaboração e cooperação dos docentes da Universidade a que pertence e a participação na inserção dos projetos pedagógicos. A biblioteca como geradora de conhecimento se faz cada vez mais presente na metodologia de ensino denominada como capacitação do usuário, em que assume o papel preponderante no uso de estratégias que venham facilitar o uso de seu acervo, como a adoção de medidas para que o aluno possa obter o material de apoio para a realização de suas pesquisas. O bibliotecário necessita ser entendido como um co-educador que, formando parceria com o professor, busca superar as dificuldades do aluno utilizando-se dos recursos disponíveis em sua área de atuação, procurando transpor as barreiras iniciais e usando uma metodologia que propicia ao acadêmico condições de incorporar as mudanças necessárias para assumir as novas posturas exigidas para sua formação profissional. O uso inteligente da informação constitui um processo de sobrevivência para qualquer indivíduo; saber buscá-la, analisá-la e usá-la com rapidez, representa o grande diferencial na tomada de decisão. Diante do exposto, acredita-se ser de grande importância que o bibliotecário possa estar em contato com os coordenadores e docentes dos diferentes cursos, trabalhando por Módulos Instrucionais por meio de um planejamento voltado para a competência em informação, englobando desde uma simples apresentação da Biblioteca, seu acervo, espaço físico disponível para seus estudos acadêmicos; convênios e parcerias com outras instituições; orientação de levantamentos bibliográficos na Internet e nas diferentes bases de dados, bem como, orientação com relação à padronização dos trabalhos científicos como teses, dissertações e monografias de acordo com as Normas da ABNT. Os recursos informacionais existentes na biblioteca, adicionados aos suportes tecnológicos disponíveis, em que o bibliotecário assume papel de co- educador, criam um diferencial perante aqueles que procuram e utilizam a informação, na busca do saber, cumprindo as funções da Universidade no sentido
  5. 5. 5 mais amplo, ou seja, no aprimoramento do saber e no atendimento às necessidades da pesquisa e da divulgação perante a comunidade, dos recursos e acervos da biblioteca, que por meio de um ambiente informatizado torna possível recuperar e disseminar a informação armazenada em unidades de informação, independentemente da sua localização física, possibilitando que seja utilizada de forma interativa e dinâmica. CRIAÇÃO DO NÚCLEO INSTITUCIONAL DE COMPETÊNCIA EM INFORMAÇÃO E CONHECIMENTO Com a proposta da criação de um Núcleo Institucional de Competência em Informação e Conhecimento para atender as necessidades informacionais e de pesquisa da comunidade acadêmica da Universidade temos também algumas características importantes tais como: • Criar uma Learning Library (Competência em Informação) para melhorar a qualidade na prestação dos serviços aos usuários da instituição; • Divulgar e otimizar o potencial dos serviços oferecidos pela biblioteca, possibilitando o acesso às fontes informacionais voltadas ao atendimentos dos programas de ensino/pesquisa e extensão; • Colaborar nos processos de inclusão digital desses clientes, trabalhando com a prática de elaboração de levantamentos bibliográficos, explorando as fontes de sistemas de informações nacionais e internacionais que a instituição adquire por compra e as disponíveis gratuitamente; • Demonstrar ao corpo docente e discente a potencialidade dos serviços de informação como ferramenta que possibilita ao aluno complementar seus apontamentos e posterior abordagens do professor em sala de aula, permitindo ainda que o professor venha aprimorar o material fornecido em classe, criando um ambiente mais adequado para que o aluno possa expandir seus conhecimentos; • Divulgar junto ao corpo docente a relevância dos serviços da Biblioteca em identificar, localizar e obter informações publicadas nas diferentes áreas do conhecimento, para a atualização e preparo do conteúdo programático de suas disciplinas;
  6. 6. 6 • Propagar na comunidade acadêmica, as facilidades oferecidas pela biblioteca, na recuperação da informação, tendo em vista a utilização das diferentes bases de dados, demonstrando sua relevância na produção do conhecimento; • Demonstrar os serviços oferecidos pelo setor no tocante à elaboração de trabalhos científicos e de conclusão de curso de acordo com as orientações da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT); • Transformar e valorizar o aluno como aprendiz emancipando-o como cidadão independente, contribuindo com o seu aprendizado ao longo da vida. A Biblioteca como fonte de informação e trabalhando com os recursos existentes se transforma em um centro cultural que de mãos dadas com a Competência em Informação torna-se um pivô dos processos de aprendizado à comunidade educacional e ao mesmo tempo buscando a marca da inovação (DUDZIAK, 2005). Para tanto, é imprescindível descrever os serviços já realizados e inerentes visando a aprimorá-los e a adequá-los a uma nova orientação. Entre eles, destacam-se a capacitação dos usuários quanto: • Recepção aos calouros, no início de cada semestre, realizada por meio de visitas orientadas sobre o uso da biblioteca e os serviços por ela oferecidos; • Capacitação para o acesso e uso da informação mediante realização de consulta no sistema de informações da biblioteca, o acesso às bases de dados, nas várias áreas do conhecimento, envolvendo todos os alunos dos diferentes cursos existentes na Universidade, enquanto forma de inclusão digital e social; • Uso da comutação bibliográfica nas diversas áreas do conhecimento para obtenção dos artigos de periódicos, teses e capítulos de livros, assim como o acesso em outras fontes de informações; • Serviços de intercâmbio entre para acesso aos livros entre outros materiais necessários às pesquisas realizadas pelos docentes e discentes da Universidade; • Orientação quanto à normalização de trabalhos acadêmicos; • Implantação de um sistema de cadastro online para a elaboração da ficha catalográfica dos trabalhos científicos produzidos pelos docentes e discentes, conforme a AACR2 (Código de Catalogação Anglo- Americano);
  7. 7. 7 • Implantação de um repositório de teses disponíveis online defendidas nos diferentes cursos de pós-graduação e especialização da Universidade e a disponibilização de um link contendo os e-books e e-journals conforme a aquisição por compra; IMPLANTAÇÃO E PLANO DE TRABALHO DO NÚCLEO INTITUCIONAL DE COMPETÊNCIA As propostas para a implantação do Núcleo Institucional de Competência na Universidade são: • Contato com os Coordenadores dos cursos da instituição oferecendo essa parceria e criando um plano de trabalho; • Adequação e manutenção de um espaço físico, respeitando as condições oferecidas pela Universidade; • Contato com o Centro de Informática e Tecnologia para a manutenção dos equipamentos instalados na sala de acesso à rede internet; • Contato com o Audiovisual no caso de solicitar material como datashow, aparelhagem de som, entre outras ferramentas necessárias para execução das aulas teóricas e práticas; • Manutenção das assinaturas dos periódicos em papel e eletrônicos com texto completo e as bases de dados referenciais por meio de parcerias com outras instituições. • Contato com as instituições de pesquisa para a manutenção dos convênios; • Contato com fornecedores das revistas eletrônicas, para a liberação de base de dados por um período gratuito com intuito de atender diferentes cursos da Universidade. A biblioteca fará um acompanhamento por meio da utilização dessas bases, visando a maximizar os resultados obtidos durante o tempo de liberação; • Programas de informação e educação de usuário: instruir o usuário visando à adoção de comportamentos adequados em relação ao uso da biblioteca e desenvolvimento de habilidades de informação, auxiliando-o na seleção e busca de documentos, livros e artigos de periódicos que contêm o assunto desejado. Esses
  8. 8. 8 programas serão divididos em categorias que são: calouros, graduandos, pós- graduandos e especialização de todos os cursos da Universidade, os quais serão trabalhados gradativamente de acordo com cronograma semestral; • Recepção dos calouros quanto à orientação sobre o uso da biblioteca. Estabelecer um programa visando informar o aluno quanto à existência dos serviços oferecidos. Esses programas serão direcionados ao vestibulando, a título de informação e instrução, com vistas à adoção de comportamento adequado em relação ao uso da biblioteca, isto é, a maneira adequada de explorar o acervo existente, e desenvolvimento de habilidades de informação, auxiliando-o na seleção e busca de documentos no recinto da biblioteca, que deverão ser programados no início de cada semestre; • Programas de capacitação e uso dos recursos existentes na biblioteca para todos os cursos da Universidade. Trata-se de programas específicos para cada área do conhecimento, visando à utilização das bases de dados como recursos para efetuar levantamentos bibliográficos voltados especificamente a atender às necessidades de pesquisa, adquiridas pela Universidade, bem como aquelas free, disponíveis gratuitamente pela Internet, que muitos alunos desconhecem. Isso será executado por meio de um cronograma elaborado junto à direção da biblioteca e coordenadores dos cursos de graduação, pós-graduação e especialização. Esse programa será dividido em Módulos Instrucionais, apresentados de acordo com as necessidades e uso de cada etapa dos diferentes cursos de graduação, pós- graduação lato sensu e stricto sensu; • Demonstrar o serviço de comutação bibliográfica como instrumento que permite obter artigos científicos, cópias de capítulos de livros e teses não existentes na biblioteca; • Informar sobre os convênios existentes entre a instituição e as melhores Universidades do país; • Prover auxílio bibliográfico, incluindo levantamento da bibliografia necessária à concretização de pesquisas, localização e obtenção do material selecionado; • Orientação sobre a normalização dos trabalhos científicos, colocando à disposição do usuário as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), pertinentes à elaboração de referências bibliográficas, citações e
  9. 9. 9 apresentação formal do trabalho científico; • Participação ativa do profissional bibliotecário com os Coordenadores e docentes da disciplina Metodologia Científica, inclusive no planejamento e definição conjuntos de plano de trabalho; • Parcerias com outras instituições para a vinda de cursos e palestras para os docentes, discentes, funcionários da Universidade extensivo também à comunidade externa. • Descrição dos recursos e fases do trabalho a ser desenvolvido SISTEMA DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO Para a avaliação desse serviço é necessário relatórios periódicos e acompanhamento dos serviços. Os instrumentos e modelos propostos para a obtenção das informações, indispensáveis para medir e avaliar, encontram-se em anexo; os mesmos poderão sofrer modificações, pois serão analisados pela equipe responsável, testando-se assim a veracidade das informações por eles fornecidas. Gerar estatísticas de uso, que servirão de base para as decisões administrativas e gerencias do setor, tais como: • Horários de pico: escalonar pessoal treinado para atendimento nesses horários; • Identificar tipos de usuários por categorias, alunos de graduação, pós- graduação, mestrado e especialização, professores, corpo administrativo e pessoal da comunidade em geral; • Identificar áreas e cursos que utilizam as informações do Núcleo de Competência em Informação. Neste item, definir prioridades na aquisição das bases de dados, livros e periódicos, identificando aquelas mais procuradas e relevantes para atender à demanda, e intensificar os serviços de intercâmbio com instituições congêneres. O trabalho será avaliado durante seis meses, período considerado favorável para que a Universidade possa definir quanto à continuidade, ou seja, serão consideradas as estatísticas propostas para avaliação, identificando se o mesmo atingiu os objetivos propostos; caso contrário, deverá sofrer alterações, pautadas na avaliação feita no final do semestre letivo.
  10. 10. 10 CONSIDERAÇÕES FINAIS Trata-se de um trabalho de ação, no qual os principais elementos envolvidos são os recursos informacionais existentes na biblioteca e a atuação do bibliotecário com a utilização das tecnologias da informação e comunicação disponíveis. Nesse contexto, o bibliotecário assume papel de co-educador, criando um diferencial perante usuários que necessitam e utilizam a informação no ambiente acadêmico. Este profissional por meio de um ambiente informatizado tornará possível a recuperação e disseminação da informação armazenada nas unidades de informação das universidades, independentemente da sua localização física, possibilitando assim a plena utilização das informações de forma interativa e dinâmica proporcionando o aprimoramento do saber e a otimização das necessidades informacionais dos usuários, contribuindo plenamente para que a Universidade cumpra suas três funções regimentais : ensino, pesquisa e extenção. REFERÊNCIAS ALENCAR, M. de C. F. Serviço de referência: atitudes relevadas. Transinformação, Campinas, v. 8, n. 2, p. 65-82, maio/ago. 1996. ARELLANO, M. Á. M.. Serviço de referência virtual. Ciência da Informação, Brasília, v. 30, n. 2, p. 7-15, maio/ago. 2001. ARRUDA, M. C. C. et al. Educação, trabalho e o delineamento de novos perfis profissionais: o bibliotecário em questão. Ciência da Informação, Brasília, v. 29, n. 3, p. 14-24, set./dez. 2000. BELLUZZO, R. C. B. Da capacitação de recursos humanos à gestão da qualidade em bibliotecas universitárias: paradigma teórico-prático para ambiente de serviço de referência e informação. 1995. 259 f. Dissertação (Doutorado em Ciência da Comunicação – Biblioteconomia e Documentação) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995. BELLUZZO, R. C. B. O uso de mapas conceituais e mentais como tecnologia de apoio à gestão da informação e da comunicação: uma área interdisciplinar da competência em informação. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 78-89, dez. 2006. BELLUZO, R. C. B.; MACEDO, N. D. Da educação de usuários ao treinamento do bibliotecário. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, São Paulo, v. 23, n. 1/4, p. 78-111, jan./dez. 1990.
  11. 11. 11 CHAGAS, J.; ARRUDA, S.; BLATTMANN, U. Interação do usuário na busca de informações. Disponível em: <http:www.ced.ufsc.br~ursula/papers/interação.html>. Acesso em: 25 jan. 2008. CUENCA, A. M. B. O usuário final da busca informatizada: avaliação da capacitação no acesso à base de dados em biblioteca acadêmica. Ciência da Informação, Brasília, v. 28, n. 3, p. 293- 301, set./dez. 1999. DIAS, M. M. K. et al. Capacitação do bibliotecário como mediador do aprendizado no uso de fontes de informação. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, v. 2, n. 1, p. 1-16, jul./dez. 2004. DUDZIAK, E. A. Competência em informação: melhores práticas educacionais voltadas para a Information Literacy. In: CONGRESSSO BRASILEIRO DE BIBLIOTECONOMIA, DOCUMENTAÇÃO E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 21., 2005, Curitiba. Proceedings... Curitiba, 2005. ______. A information literacy e o papel educacional das bibliotecas. 2001. 187 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) - Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001. ______. Information literacy: princípios, filosofia e prática. Ciência da Informação, Brasília, v. 32, n. 1, p. 23-35, jan./abr. 2003. FERREIRA, M. I. G. de M. High tech/high touch: serviço de referência e mediação humana. Campo Grande: Biblioteca Nacional, 2001. FIGUEIREDO, N. M. Aspectos especiais de estudos de usuários. Ciência da Informação, Brasília, v. 12, n. 2, p. 43–57, jul./dez. 1983. _______. Serviços de referência & informação. São Paulo: Polis, 1992. FISHER, B.; MOULTON, L.; PICCOLI, R. Competências para bibliotecários especializa-dos do século XXI. Disponível em: <http://www.sla.org/Professional/comp.html>. Acesso em: 20 jan. 2008. LINGUANOTO, A. R. J.; GRANDI, M. E. G. de; SAMPAIO, M. I. C. Indicadores de qualidade para o serviço de referência: uma proposta de aplicação às bibliotecas do SIBI/USP. São Paulo: USP, 2001. MASON, R.O. What is an information professional? Journal of education for library and information science. v.31, n.2, p.122-138, 1990. PASSOS, R.; SANTOS, G. C.dos (Org.) Competência em informação na sociedade de aprendizagem. 2. ed. Bauru: Kayrós, 2006. SANTOS, A. S. O desenvolvimento de competências dos bibliotecários e a implantação de tecnologias da informação em bibliotecas universitárias. 2004.
  12. 12. 12 93 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Curso de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2004. VALENTIM, M. L. P. Atuação profissional na área de informação. São Paulo: Polis, 2004. ______. Formação do profissional da informação. São Paulo: Polis, 2002. VITORINO, E. V. Competência informacional do profissional da informação bibliotecário: construção social da realidade. Ciência da Informação, Brasília, n. 24, p. 59-71, 2007. WORMELL, I. Habilidades de gerenciamento e de empreendimento na profissão de bibliotecário e cientista da informação. Informação e Informação, Londrina, v.4, n.1, p. 7-16, jan./jun. 1999.

×