• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content

Loading…

Flash Player 9 (or above) is needed to view presentations.
We have detected that you do not have it on your computer. To install it, go here.

Like this presentation? Why not share!

Centros de Empreendedorismo Academicos no Brasil

on

  • 281 views

Estudo sobre Centros de Empreendedorismo Acadêmicos. Uma comparação entre Brasil e outros países, incluindo melhores práticas para montar um CE Acadêmico.

Estudo sobre Centros de Empreendedorismo Acadêmicos. Uma comparação entre Brasil e outros países, incluindo melhores práticas para montar um CE Acadêmico.

Statistics

Views

Total Views
281
Views on SlideShare
281
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
2
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Centros de Empreendedorismo Academicos no Brasil Centros de Empreendedorismo Academicos no Brasil Presentation Transcript

    • Faculdade Campo Limpo Paulista Programa de Pós-Graduação Mestrado Profissional em Administração de Empresas Centros de Empreendedorismo Acadêmicos no Brasil: Uma análise comparativo-prescritiva http://www.slideshare.net/marcoshashimoto/centros-de- empreendedorismo-academicos-no-brasil Prof. Dr. Marcos Hashimoto Faccamp / Anegepe
    • Contexto • Crescimento da atividade empreendedora no país • Interesse das IES no ensino de empreendedorismo – Universidades americanas que ensinavam empreendedorismo • 1970 – 16 • 2005 – 1.800 • Ensino de empreendedorismo não deve se limitar à sala de aula • Empreendedorismo não é apenas para criação de empresas • Empreendedorismo significa desenvolvimento social
    • Objetivos • Conhecer CEs no mundo • Definir critérios que qualificam um bom CE • Mapear CEs no Brasil • Comparar com principais referências no mundo • Propor um modelo de CE
    • Definição 4 Centro de Empreendedorismo Acadêmico é uma unidade organizacional dentro da IES voltada exclusivamente à formação de competências empreendedoras para contribuir com desenvolvimento social e econômico por meio da criação de novas empresas.
    • Revisão da literatura • Colton & Udell (1976): CEs estabelecem a ponte entre a inovação e o mercado • Carson & Gilmore (2000): CEs devem contribuir para o ensino de empreendedorismo, consultoria e pesquisa • Morris (2010): CEs devem atuar de forma transversal na IES • Menzies (2009): CEs acadêmicos e CEs profissionais • Finkle et al (2006): 94 CEs americanos 5
    • CEs americanos (Finkle et al, 2006, 2012) • Produtos que geram maior receita são cursos, palestras e workshops • Principal fonte de recurso: Endowment (2006) e receitas (2012) • Mais da metade dos CEs oferecem cursos exclusivos de empreendedorismo • Principal foco do CE: Ensino (2006) e Serviços (2012) • 2,8 funcionários e 5,4 professores em média (2006) • 173 alunos em média em disciplinas de empreendedorismo por escola 6
    • Porque os CEs falham (Morris et al, 2004) • Falta de foco (querer fazer tudo ao mesmo tempo); • Limitações de gestão (falta de autopercepção do gestor sobre suas próprias limitações); • Atitudes que afastam os professores (arrogância, trabalho não interessante); • Falta de criatividade na definição de ações que integrem a comunidade com a universidade; • Concentração em resultados imediatos de curto prazo; • Dificuldade de assumir riscos (sobretudo no ambiente tradicional típico de uma universidade) 7
    • CEs Acadêmicos (Menzies, 2009) 8 ENSINO SERVIÇO
    • Abrangência (Morris et al, 2004) 9
    • Segmentação por nicho (Morris et al, 2004) 10
    • Metodologia • CEs externos – 900 questionários enviados – 108 CEs levantados – 19 países representados – 12 entrevistas • CEs brasileiros – 1600 IES levantados – 376 questionários enviados – 33 CEs identificados – 38 entrevistas 11
    • Alguns CEs estudados Brasil Exterior FGV-SP Harvard Business School, EUA Mackenzie Boston University, EUA Senac Uniandes, Colômbia Unifei Babson College, EUA Ibmec-RJ Universidad del Desarollo, Chile Insper Ruppin Academic Center, Israel Cesumar HEC Montreal, Canadá PUC-RS Ryerson University, Canadá Unicamp Illinois State University, EUA Universidade de Pernambuco Queensland University of Technology, Australia 12
    • Atividades oferecidas (ordem de frequencia) Brasil Exterior Seminários e Workshops Palestrantes convidados Palestrantes convidados Mentoria e Counseling Competições de plano de negócio Seminários e workshops Oportunidades de estágio Entidades estudantis Mentoria e Counseling Competições de plano de negócio Educação executiva Oportunidades de estágio Feiras de Negócios Competições de pitching Incubadora Incubadora Jornal interno Jornal interno Ensino à distância Prêmios de empreendedorismo 13
    • Comparação Brasil x exterior Item Brasil Exterior # CEs 33 +400 (EUA) Ênfase Ensino Serviços Equipe 6 (3 professores) 20 (11 professores) Organograma Escola de Negócio Universidade Experiência diretor CE Acadêmica Empreendedora # cursos Empreend 0 8 # Disciplinas Empr; 2 4 # alunos/disciplina 200 102 # artigos publicados 1,9 14,6 Orçamento anual US$ 201 mil US$ 1.350 mil # eventos por ano 25,6 17,6 # menções na mídia 44,6 16,6 14
    • 15
    • 16
    • 17
    • Programas nos EUA Universidade Programa Arizona State Univ Alunos de pós-graduação, orientados por professores de diversas Faculdades, desenvolvem produtos únicos que contribuem com uma sociedade melhor e os apresentam ao setor privado para comercialização. Purdue Univ A cada ano 10 professores são selecionados para uma série de workshops, encontros, almoços e jantares com empreendedores para discutir seus conteúdos curriculares. Ao final do programa, os participantes apresentam uma proposta de projeto de alto impacto de ensino de empreendedorismo. Stanford University Oferecido pelo Stanford Technology Venture Program, o curso ajuda o aluno a descobrir o que inibe e incentiva a criatividade. Através de workshops, casos, visitas a empresas, palestras e trabalhos em grupo, os alunos precisam propor soluções criativas a empresas reais. Washington University in St. Louis Oferece ao aluno a oportunidade de criar um negócio real no mercado aberto. O aluno assume a total responsabilidade de operações, marketing e resultados financeiros de suas empresas. Antes do final do curso, precisam vender suas ações para outros alunos. 18
    • Iniciativas nos EUA Universidade Programa Okhlahoma State University Clínica de formação de professores de empreendedorismo com abordagem essencialmente experiencial, com cases, palestras, dinâmicas e jogos. Rice University Maior e mais rica competição de planos de negócios da atualidade. 42 times de qualquer parte do mundo, com mais de 1.200 candidatos, mais de 130 patrocinadores garantem os US$ 1,3 milhões em prêmios University of Baltimore Entidade formada e conduzida por alunos que atua como uma pré- incubadora no processo de geração de ideias, teste de conceitos, mentoria e networking. Berea College Experiência prática na qual cada aluno deve promover alguma melhoria significativa para a comunidade rural dos Montes Apalaches. Massachusetts Institute of Technology Incubadora que já fundou mais de 80 empresas nas áreas de biotecnologia, I/T, Materiais e energia. Seu diferencial são os catalisadores, time experiente na transferência de tecnologia dos laboratórios para o mercado. University of Texas in Austin Competição de inovação em negócios que tenham algum impacto social/ambiental, aberto para alunos de qualquer universidade no mundo, dividido em 6 categorias com prêmios que totalizam US$ 350 mil. 19
    • Iniciativas no Brasil Universidade Programa Universidade Newton Paiva Capacitar alunos para atuarem junto às comunidades carentes da região, iniciando e conduzindo projetos de impacto social. PUC-RS Sessões de cinema no qual filmes do circuito nacional são apresentados e posteriormente os aspectos relacionados com empreendedorismo são discutidos com o público. Universidade Federal de Itajubá Programa de 14 semanas em parceria com Schlumberger do Brasil com estagiários de engenharia, no qual os alunos desenvolvem uma ideia intraempreendedora sob a tutoria de professores e gerentes. Insper Competição de inovação no qual alunos de MBA de todo o país propõem soluções inovadoras para dilemas reais propostos por empresas de grande porte. FGV-SP Parceria com a Goldman Sachs para capacitar mulheres para empre- enderem em suas comunidades carentes por meio de cursos e tutoria. Universidade de Pernambuco Incentivo à criação espontânea de grupos de alunos dedicados para certos temas relacionados com empreendedorismo, com auto-gestão e orientação dos professores. 20
    • Preocupações dos gestores (por prioridade) Externo Brasil Apoio Institucional Melhorar a infraestrutura do Centro Demonstrar resultados relevantes Desenvolver uma rede de apoio local Divulgação do Centro Maior apoio institucional Envolvimento dos alunos Estar atento às demandas do mercado empresarial Maior autonomia para o Centro Atender demandas de carreira dos alunos Falta de espaço Criar empreendimentos inovadores e de futuro Conseguir atender as demandas dos alunos Divulgação do Centro Atrair investidores para os projetos Envolvimento dos alunos Transferir conhecimento para a comunidade Incentivos para funcionários do Centro Gerar mais iniciativas ‘cross-campus’ Inovar nos programas educacionais Ter mais clientes Sustentabilidade do Centro para o futuro 21
    • Objetivos de curto prazo (por prioridade) Externo Brasil Sustentabilidade financeira Estabelecer e reforçar parcerias Programa para acelerar negócios de alunos Atrair mais alunos para as atividades do Centro Gerar mais estudos em empreendedorismo Obter auto sustentabilidade financeira Tornar-se referência em inovação e empreendedorismo Criar/aprimorar a infraestrutura física Ter mais projetos atraentes para investidores Aumentar o número de publicações acadêmicas Promover mais iniciativas cross campus Promover mais iniciativas Cross campus Prover experiências práticas de empreendedorismo aos alunos Criar e fortalecer clubes de alunos Aumentar o envolvimento de ex-alunos Criar ou fortalecer uma incubadora de negócios Aumentar parceria com a comunidade Se tornar referência em orientação empresarial para micro e pequenas empresas Ampliar a internacionalização do Centro Captar projetos de tecnologia de ponta Ter mais projetos de natureza social Gerar mais negócios pelos alunos 22
    • Etapas de implantação de um CE Workshops e cursos de extensão Criação de disciplinas Elaboração de casos Objetivos de produção Participação em congressos Iniciação científica Palestras e debates Competições Levantamento capital Programa de mentoria Professores da casa Integração de disciplinas Alinhamento interno Professores pesquisadores Equipes de pesquisa Busca de referências Alunos voluntários Palestras com empreendedores Rede de contatos fora Trilhas de especialização Programas de intercâmbio Formação de professores Bacharelado em empreendedorismo Equipes transnacionais Realização congressos Produção A1 Projetos nacionais Incubadora e aceleradora Assessoria e consultoria Fundos de anjos Exposição na mídia Etapa 1: Concepção e início formal Etapa 2: Implantação definitiva e estruturação Etapa 3: Estabilização e crescimento
    • Ecossistema Empreendedor 24 NEGÓCI OS POLITIC AS PES SOAS SERVIÇ OS CULTUR A CAPI TAL Venture capital, anjos, microfinanciamento, Private equity, mercado capitais, cap. público Instituições, legislação, infraestrutura, impostos, institutos de pesquisa, marco regulatório Qualificação de mão de obra, educação e treinamento, formação básica Contadores, advogados, prestadores serviços, internet, comunicações Casos de sucesso, família, tolerância a risco, status, criação de valor Mercado, fornecedores, concorrentes, parcerias, redes contato Adaptado de Eisenberg (2009)
    • Ecossistema empreendedor (CE) 25 Reitoria e diretoria CE Departamentos Professores AlunosFaculdades Alumni UNIVERSIDADE Entidades estudantis Governo (Municipal, Estadual e Federal) Universidades nacionais e internacionais Comunidade de empreendedores Incubadoras e Aceleradoras de negócios Entidades de fomento e apoio Institutos de pesquisa Membros da comunidade local Imprensa Serviços profissionais (contadores, advogados, etc) Investidores e canais de crédito Patrocinadores Ambiente de negócio
    • Estrutura de um CE 26
    • CE de sucesso • Constante esforço de captação de recursos • Responsabilidade pelo currículo • Equilíbrio pesquisa/ensino/prática • Infraestrutura para incubar/acelerar • Planejamento estratégico • Indicadores de desempenho • Boa liderança/equipe engajada 27
    • Conclusões • Melhorar produção acadêmica • Não existe critério único de avaliação • Este é o momento de falar do assunto • Nós somos os EUA de 20 anos atrás • Gestor tem que ser empreendedor • Criar cursos de empreendedorismo • Capacidade de atrair docentes e alunos • Falta de orçamento não é problema • CE tem um papel social • Empreendedorismo não se aprende em sala de aula 28
    • Obrigado Marcos Hashimoto Download do sumário do estudo Para o relatório completo, envie um email para: hashi.marcos@gmail.com www.marcoshashimoto.com