Educação e Cibercultura:  tempos de redes sociais, mobilidade, jogos eletrônicos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Educação e Cibercultura: tempos de redes sociais, mobilidade, jogos eletrônicos

on

  • 759 views

Apresentação sobre Educação em tempos de monilidade na Cibercultura

Apresentação sobre Educação em tempos de monilidade na Cibercultura

Statistics

Views

Total Views
759
Views on SlideShare
759
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
13
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Educação e Cibercultura:  tempos de redes sociais, mobilidade, jogos eletrônicos Educação e Cibercultura: tempos de redes sociais, mobilidade, jogos eletrônicos Presentation Transcript

  • Jogos eletrônicos, Mobilidade e currículo Edméa Santos PROPED/UERJ Líder do GPDOC – Grupo de Pesquisa Docência e Cibercultura www.docenciaonline.pro.br Email: edmeabaiana@gmail.com (21) 9139-3437
  • De mobilidade estamos falando hoje?
  • By Bento Silva- uMinho-PT
  • Portabilidade ! Portabilidade Conectividade Ubiquidade Convergência Plasticidade Memória Redes dentrofora da escola, nas cidades e no ciberespaço.
  • Mobilidade A evolução dos computadores, dos dispositivos e das conexões móveis que se comunicam em rede e a convergência de mídias, o cérebro movimenta-se juntamente com a atividade corporal em movimento nas cidades (Santaella, 2007). Mobilidade é uma das palavras-chave da cibercultura atual. Por outro lado, não é uma noção nova. Lemos (2008) nos apresenta pelo menos três tipos de mobilidade: 1. a mobilidade física/espacial (locomoção, transportes); 2. a mobilidade cognitiva/imaginária (pensamentos, sonhos, religião); 3. a mobilidade virtual/informacional (dispositivos móveis, mídias locativas).
  • “Além de testemunhas do efêmero, essas imagens são voláteis, líquidas, pois, enviadas pelas redes, cruzam os ares, ubíquas, ocupando muitos lugares ao mesmo tempo. O observador já não se locomove para ir à foto. Pelo contrário, ela viaja até o observador” (SANTAELLA, 2007, p. 392)
  • Linguagens e mediações [...] o conhecimento materializado no aparato permite que este seja capaz não apenas de estender habilidades sensoriais (isso é óbvio), mas o habilita a estender a capacidade humana de produzir linguagens. [... ]. A mediação é mérito da linguagem e não estritamente do equipamento (SANTAELLA, 2008, p. 206). Desenvolvimento das linguagens Web 1.0 X Web 2.0 Softwares e redes sociais da internet Mobilidade e ubiquidade Interconexões e laços sociais Hipertexto, interatividade, simulação Potenciais para formação de professores e as práticas pedagógicas
  • "A internet pingando nas coisas"
  • Mídias locativas! Fonte: http://www.mobilicidade.com.br/ Podemos definir as mídias locativas como dispositivos, sensores e redes digitais sem fio e seus respectivos bancos de dados “atentos” a lugares e contextos. Dizer que as mídias são atentas a lugares e a contextos significa dizer que elas reagem informacionalmente aos mesmos, sendo eles compostos por pessoas, objetos e/ou informação, fixos ou e movimento. (LEMOS, 2009, pg. 91).
  • Mídias Sociais Mídias sociais são interfaces ou conjuntos de interfaces integradas que estruturam a comunicação síncrona e assíncrona entre praticantes geograficamente dispersos. “Interface” é um termo que, na informática e na cibercultura, ganha o sentido de dispositivo para encontro de duas ou mais faces em atitude comunicacional, dialógica ou polifônica. A interface está para a cibercultura como espaço online de encontro e de comunicação entre duas ou mais faces. Forma-se assim um híbrido entre objetos técnicos e seres humanos em processos de comunicação e de construção de conhecimentos. Com isso, os praticantes se encontram não só para compartilhar suas autorias, como, também – e, sobretudo –, para criar vínculos sociais e afetivos pelas mais diferentes razões objetivas e subjetivas. (Santos, 2011).
  • Conhecimento Tácito Conhecimento Explícito Sentido SINGULAR Significado COLETIVO Tecnologias da Inteligência Significantes REGISTRO E SIGNIFICAÇÃO SOCIAL
  • De que currículo precisamos?
  • Idéias sobre currículo, caminhos e descaminhos de um labirinto. “Conjunto de normas que caracterizam a organização de uma proposta pedagógica. São os objetivos, as metas, a direção do processo ensino- aprendizagem”. “Currículo é um ‘documento’ onde a escola expressa a sua proposta educativa.É a grade curricular com as suas ementas.” “São um conjunto de disciplinas. As instituições seguem orientações do MEC procurando adaptar a sua realidade local”. “Conjunto de habilidade que devem ser adquiridas através de disciplinas teórico-prática”.
  • Idéias sobre currículo, caminhos e descaminhos de um labirinto. “O currículo é uma construção de atores e atrizes educativos de natureza ideológica, plural e encarnada. Dessa forma é histórico e contextualizado. Constitui um processo identitário das práticas educativas de uma instituição, em meio a diversidade das suas relações. É um processo de socialização dialógica e dialética, constituísse, portanto, na interação. Em sendo uma construção sócio-cultural e histórica, o currículo nutre- se da sua irremediável natureza mutável. O currículo possibilita a formação: técnica – construção/apreensão de conteúdos/saberes; ética – âmbito dos valores; política – campo das opções, dos interesses e luta e do poder nas suas diversas manifestações”. (Macedo, 2000: 43) “Processo social que se realiza no espaço concreto da escola, cujo papel principal é o de contribuir para o acesso, daqueles sujeitos que aí interagem, a diferentes referenciais de leitura de mundo e de relacionamento com este mesmo mundo, proporciando-lhes não apenas um lastro de conhecimentos e de outras vivências que contribuam para a sua inserção no processo da história, como sujeito do fazer dessa história, mas também para a construção como sujeito (quiçá autônomo) que participa ativamente do processo de produção e de socialização do conhecimento e, assim, da instituição histórico-social de sua sociedade”. (Burnham, 1998: 37). Idéias sobre currículo, caminhos e descaminhos de um labirinto.
  • crise crise crise crise Dimensões do Currículo OFICIAL Leis, decretos Diretrizes, propostas: LDB, Diretrizes, PCNs, RCNs. AÇÃO Relação entre sujeitos e o conhecimento. OCULTO Ideologia manifestada em rituais, práticas, gestos corporais, organização espacial, a distribuição do tempo, padrões de recompensa e castigo.
  • Teorias do Currículo Tomaz Tadeu Teorias Tradicionais Ensino, aprendizagem, avaliação, metodologia, didática, organização, planejamento, eficiência, objetivos. Teorias Críticas Ideologia, reprodução cultural e social, poder, classe social, capitalismo, conscientização, emancipação, currículo oculto, resistência. Teorias Pós-criticas Identidade, diferença, subjetividade, significação e discurso, saber-poder, representação, cultura, gênero, etnia, raça, sexualidade, multiculturalismo.
  • Multidisciplinaridade Pluridisciplinaridade Interdisciplinaridade produção coletiva!!
  • espaço A espaço B espaço C espaço D espaço E espaço A espaço B espaço C espaço D espaço E espaço A espaço B espaço C espaço D espaço E espaço A espaço B espaço C espaço D espaço E espaço A espaço B espaço C espaço D espaço E espaço A espaço B espaço C espaço D espaço E MULTIRREFERENCIALIDADE REDES EDUCATIVAS Ciência e TecnologiaDiversidade Sociedade Cidadania
  • currículo hipertextualcurrículo hipertextual © gec.faced mas.. pode copiar tudo currículo se faz na escola!currículo se faz na escola!
  • Que currículo praticamos?
  • PESQUISA-FORMAÇÃO Sujeitos em seus contextos form ativos…
  • DILEMAS DA PESQUISA • Estudantes possuem dispositivos móveis; • Habitam pouco, ou não habitam, suas cidades e a própria universidade; • Não exporam, ou exploram pouco, os equipamentos e artefatos culturais das cidades e da universidade; • Compreender a formação como ações “formais”de processos de ensino-aprendizagem' • A universidade articula pouco suas práticas curriculares com as artes, práticas culturais e as tecnologias; • Curriculos de formação de professores ainda são centrados em práticas escolares.
  • PROBLEMA SOLUÇÃO CONHECIMENTO “Conhecer é negociar, trabalhar, discutir, debater- se com o desconhecido que se reconstitui incessantemente, porque toda solução produz nova questão”. Edgar Morin Tecnologia: tecn(o) do grego techno – do téchné ‘arte ou habilidade’. Arte do fazer; logia – log(o) derivado do grego, palavra, estudo, tratado, conhecimento. ( Fonte: Dicionário Etimológico Nova Fronteira da Língua Portuguesa – Antônio Geraldo da Cunha, Editora Nova Fronteira). TECNOLOGIA Se a solução mostra-se eficaz, para um número significativo de caso semelhantes, então estamos diante de uma tecnologia!
  • Formação On-line Mediação Pedagógica Encontros presenciais
  • Eixo1: Trata das vivências, das diversas práticas formativas na UERJ e nos diversos ambientes onlineEDUCAÇÃO E CIBERCULTURA: EDUCANDO EM TEMPOS DE MOBILIDADE UBÍQUA WWW.DOCENCIAONLINE.PRO.BR
  • Universidade/cidade/ciberespaço
  • Espaçostempos de aprendizagemensino dentrofora da escola
  • Ambiente Moodle ( Ambiente Virtual de Aprendizagem)
  • Facebook CidadeEduca UERJ
  • DISPOSITIVOS e ATOS DE CURRÍCULO
  • FORMAÇÃOEXPERIÊNCIA
  • ACHADOS
  • ACHADOS DA PESQUISA • Dispositivos móveis e suas tecnologias são interfaces de visibilidade e controle; • São interfaces de autorias colaborativas e de múltiplas linguagens; • Espaçostempos multirreferenciais; • Gestoras e incubadoras de gêneros textuais diversos • Narrativas e imagens como expressões da experiência formativa e “personagens conceituais”; • Memória coletiva em rede.
  • Criando Atos de Currículo Criação do QR Code do CidadeEduca UERJ
  • Depoimento: Lívia- Aluna de Didática
  • DESAFIOS PARA A PESQUISA E PARA O GPDOC • COMPREENDER A CULTURA CONTEMPORÂNEA EM COMPLEXIDADE; • ATUALIZAR E CONSOLIDAR O MÉTODO DA PESQUISA-FORMAÇÃO; • HABITAR AS REDES COM AUTORIA; • FORMAR (E SE FORMAR) PROFESSORES E PESQUSIADORES NESTE CONTEXTO; • CONTRIBUIR COM A CRIAÇÃO DE MAIS E MELHORES DISPOSITIVOS DE PESQUISA E ATOS DE CURRÍCULOS NA INTERFACE CIBERESPAÇO-CIDADESCIBERESPAÇOS
  • E os jogos eletrônicos? Como integrá-los ao currículo em tempos de mobilidade? Edméa Santos PROPED/UERJ Líder do GPDOC – Grupo de Pesquisa Docência e Cibercultura www.docenciaonline.pro.br Email: edmeabaiana@gmail.com (21) 9139-3437