• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Historias Em Quadrinhos
 

Historias Em Quadrinhos

on

  • 26,620 views

A Transposição Genérica - contos e romances em quadrinhos.

A Transposição Genérica - contos e romances em quadrinhos.

Statistics

Views

Total Views
26,620
Views on SlideShare
26,487
Embed Views
133

Actions

Likes
1
Downloads
119
Comments
0

4 Embeds 133

http://www.slideshare.net 74
http://marcosmauricio.zip.net 57
http://redodromo.blogspot.com.br 1
https://pt.coursesites.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Historias Em Quadrinhos Historias Em Quadrinhos Presentation Transcript

    • Marcos Maurício Alves Usos da Linguagem I
      • ...um quadrinho é um texto se for tratado como tal. Há diversas razões para considerar o quadrinho como um texto. Da mesma forma que um romance ou um conto, que são exemplos de texto num sentido mais estrito do conceito, o quadrinho está impresso em papel e fisicamente delimitado. Como um romance ou um conto, o quadrinho pode ser considerado, por convenção uma unidade de sentido na qual a interpretação é regida por esquemas convencionais de narratividade. Se considerarmos o quadrinho como um meio , ele não se restringe apenas a contar uma historia. Numa sequência de vinhetas, estas podem conectar-se entre si baseando-se em outros fatores além de tempo e espaço. Mas a convenção da narratividade vai tão unida ao meio, que quase todos os especialistas em quadrinhos integram a narração na definição do quadrinho.
      MAGNUSSEN, Anne. El comic como texto In: La langue, les signes et les êtres   Por Københavns Universitet. Romansk institut. Colloque (1998 : København) Tradução de Marcos Maurício Alves
      • Até os dias de hoje o quadrinho é considerado como um meio narrativo de comunicação social que compreende gráficos e textos com um desenvolvimento sequêncial e uma narrativa interna. Esteve relacionado com códigos particulares e uma série de convenções expressivas, como os balões .
      • Luzón Fernández, Virginia et adl. (1999): Nuevos lenguajes para nuevas tecnologías. El cómic, una publicación electrónica de entretenimiento. Revista Latina de Comunicación Social, 23. Recuperado el 09 de noviembre de 2008 de:  http://www.ull.es/publicaciones/latina/a1999bno/17VAvir.html
      • Tradução de Marcos Maurício Alves
      • Pode servir como:
      • operação explicativa que um falante realiza no seu próprio discurso;
      • para ilustrar outro aspecto teórico;
      • para esclarecer um conceito;
      • para proporcionar outra interpretação mudando a orientação argumentativa;
      • matriz interpretativa de uma nova história
      • Conto > quadrinhos
      • “ O homem que sabia javanês” (Lima Barreto)
      • Adaptado por Jo Fevereiro
      • Romance > quadrinhos
      • “ El Ingenioso Hidalgo Don Quijote de la Mancha”
      • (Miguel de Cervantes)
      • Adaptado por Caco Galhardo
      • “ A Metamorfose” (Franz Kafka)
      • Adaptado por Peter Kuper
      • Não é de agora que a adaptação de obras clássicas da Literatura para outras linguagens vem se manifestando. O cinema e o teatro há muito procuram resgatar, cada um a seu modo, as maravilhas que povoam as páginas de uma grande obra literária.
      • Foi pensando em apresentar uma forma diferente de releitura que trazemos até você a coleção Literatura brasileira em quadrinhos (...)
      • É importante lembrar que alguns trechos originais – essencialmente os descritivos – foram adaptados para a linguagem dos quadrinhos.
      • Editora Escala Educacional
      • Complemento - Suplemento de atividades
      • Assunto - Vida em sociedade
      • Tema Transversal - Ética e Pluralidade cultural
      • Indicação - a partir de 10 anos
      • Informações fornecidas pelo site
      • da editoria Escala Educacional
    • A ilustração de um conto – Reformulação?
    •  
      • Cartapácio
      • carta ('mensagem') muito grande
      • livro de lembranças ou apontamentos
      • livro grande e antigo; alfarrábio, calhamaço
      • conjunto de folhas manuscritas e papéis avulsos, encadernados em forma de livro
      • Uso: pejorativo.
      • livro grande e fútil; livrório
      • À laia de
      • à maneira de, como, semelhantemente a
      • Vasconço
      • Basco
      • Derivação: sentido figurado.
      • linguagem confusa, ininteligível ou afetada
      • Alfarrábio
      • livro antigo ou velho, de pouca ou nenhuma importância
      • livro velho, ou há muito editado, e que tem valor por ser antigo
      • Derivação: por extensão de sentido.
      • anotação antiga (mais us. no pl.)
      • Diligente
      • que tem ou denota diligência; ativo, aplicado, zeloso, cuidadoso
      • que tem prontidão; rápido, ligeiro
    •  
      • A convite da redação, escrevi, no  Jornal do Comércio  um artigo de quatro colunas sobre a literatura javanesa antiga e moderna...
      • - Como, se tu nada sabias? interrompeu-me o atento Castro.
      • - Muito simplesmente: primeiramente, descrevi a ilha de Java, com o auxílio de dicionários e umas poucas de geografias, e depois citei a mais não poder.
      • - E nunca duvidaram? perguntou-me ainda o meu amigo.
      • - Nunca.
      O Estilo Direto – pequenas mudanças
      • Numa manhã, ao despertar de sonhos inquietantes, Gregório Samsa deu por si na cama transformado num gigantesco inseto. Estava deitado sobre o dorso, tão duro que parecia revestido de metal, e, ao levantar um pouco a cabeça, divisou o arredondado ventre castanho dividido em duros segmentos arqueados, sobre o qual a colcha dificilmente mantinha a posição e estava a ponto de escorregar. 
      • Comparadas com o resto do corpo, as inúmeras pernas, que eram miseravelmente finas, agitavam-se desesperadamente diante de seus olhos. 
      • Que me aconteceu? - pensou. Não era nenhum sonho. O quarto, um vulgar quarto humano, apenas bastante acanhado, ali estava, como de costume, entre as quatro paredes que lhe eram familiares. Por cima da mesa, onde estava deitado, desembrulhada e em completa desordem, uma série de amostras de roupas: Samsa era caixeiro-viajante, estava pendurada a fotografia que recentemente recortara de uma revista ilustrada e colocara numa bonita moldura dourada. 
    •  
    • Que trata de la condición y ejercicio del famoso hidalgo don Quijote de la Mancha CAPÍTULO I En un lugar de la Mancha, de cuyo nombre no quiero acordarme, no ha mucho tiempo que vivía un hidalgo de los de lanza en astillero, adarga antigua, rocín flaco y galgo corredor. Una olla de algo más vaca que carnero, salpicón las más noches, duelos y quebrantos los sábados, lentejas los viernes, y algún palomino de añadidura los domingos, consumían las tres partes de su hacienda. El resto della concluían sayo de velarte, calzas de velludo para las fiestas con sus pantuflos de lo mesmo, y los días de entre semana se honraba con su vellorí de lo más fino. Tenía en su casa un ama que pasaba de los cuarenta, y una sobrina que no llegaba a los veinte, y un mozo de campo y plaza, que así ensillaba el rocín corno tomaba la podadera. Frisaba la edad de nuestro hidalgo con los cincuenta años; era de complexión recia, seco de carnes, enjuto de rostro, gran madrugador y amigo de la caza. Quieren decir que tenía el sobrenombre de Quijada o Quesada (que en esto hay alguna diferencia en los autores que deste caso escriben), aunque por conjeturas verosímiles se deja entender que se llamaba Quijana. Pero esto importa poco a nuestro cuento; basta que en la narración dél no se salga un punto de la verdad.
    •  
      • “ O homem que sabia javanês”
      • Aparentemente os “adaptantes” não se dão conta a que público está destionada a obra que estão fazendo. E não percebem o público que eles próprios se propoem a atingir (crianças com pouco mais de 10 anos);
      • O vocabulário inusual, as roupas, os cenários, tentam levar o leitor ao começo do século XX, no entanto isso não é explicado ao leitor em nenhum momento.
      • Mais do que uma adaptação para HQ parece-me a ilustração de um conto, não necessariamente uma releitura.
      • Os romances:
      • O Quixote dirige-se a um “nobre leitor”
      • A metamorfose tanto aos leitores de Kafka como aos de Graphic Novels.
      • As histórias da coleção Literatura Brasileira Em Quadrinhos da Editora Escala Educacional, faz, não uma reformulação ou uma adaptação de um conto clássico para uma HQ, mas a ilustração de uma história.
      • Parece não haver preocupação com o público leitor e sim com a manutenção do texto original, Ipsis litteris .
      • A série Clássicos em HQ que aqui vimos com a história de Dom Quixote parece trazer a tona, não só uma adaptação do clássico cervantino para o mundo dos HQs, mas também uma fuga do gênero em questão.
      • A obra de Cervantes é vista por muitos como uma transgressão ao gênero “novela de caballería” e podemos afirmar que a obra de Caco Galhardo também é uma transgressão ao gênero HQ, quando por exemplo traz várias páginas só de figuras e outras páginas inteiras só de texto. Galhardo assim como Cervantes foge da “normalidade” para criar uma obra de arte.
      • “ O texto do Cervantes é tão perfeito e a tradução de Sérgio Molina tão certeira, que cuidei de transpô-los do jeitinho que estão no livro . (...) Só o primeiro volume é um catatau de mais de 700 páginas, então, na hora de adaptar , escolhi os momentos que mais me tocaram e que julguei mais significativos para compor esta narrativa em quadrinhos. Basicamente é a transformação do fidalgo em cavaleiro andante, suas primeiras aventuras, a relação dele com o Sancho o discurso que ele revela suas razões e o retorno à casa. Obviamente no livro há muito, muito mais; mas acho que consegui fisgar a essência. ”
      • “ Uma brilhante adaptação ilustrada do famoso conto de Franz Kafka. É uma leitura extremamente prazerosa na qual todos serão capazes de reconhecer o drama existencial e o inigualável senso de humor do texto original.”
      • Susan Bernstein – professora de literatura comparada
      • e estudos germânicos da Universidade de Brown.
      • http://www.escalaeducacional.com.br/paradidalitbras02.asp
      • http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=11683&cat=Contos
      • FEVEREIRO, Jo. O Homem que sabia javanês – Adaptação para quadrinhos da obra de Lima Barreto, São Paulo: Escala Educacional.
      • GALHARDO, Caco. Dom Quixote em quadrinhos. São Paulo: Peirópolis, 2005
      • KUPER, Peter. A Metamorfose – Adaptação para quadrinhos do texto de Franz Kafka, Conrad Livros.