RepositoriUM - análise de artigo

1,058 views

Published on

O objecto desta análise é o artigo de investigação “Coordenadores de Comunidades de Respositórios Institucionais: o caso do RepositóriUM”, de Flávia Garcia Rosa (Universidade
Federal da Bahia) e Maria João Gomes (Universidade do Minho), publicado na Revista Electrónica de Biblioteconomia e Ciência da Informação [disponível em
http://hdl.handle.net/1822/11242], tendo sido aceite para publicação em 29/09/2010.

Published in: Education, Technology
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,058
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
8
Actions
Shares
0
Downloads
9
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

RepositoriUM - análise de artigo

  1. 1. “COORDENADORES DE COMUNIDADES DE REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS: O CASO DO REPOSITÓRIUM” Análise da descrição da investigação UNIVERSIDADE ABERTA UNIVERSIDADE ABERTA – MESTRADO EM PEDAGOGIA DO ELEARNING’04 UNIDADE CURRICULAR: METODOLOGIAS DE INVESTIGAÇÃO EM CONTEXTOS ONLINE Docente: Professora Doutora Alda Pereira Aluno: Marco Freitas Fevereiro de 2011
  2. 2. I. Identificação do trabalho de investigação O objecto desta análise é o artigo de investigação “Coordenadores de Comunidades de Respositórios Institucionais: o caso do RepositóriUM”, de Flávia Garcia Rosa (Universidade Federal da Bahia) e Maria João Gomes (Universidade do Minho), publicado na Revista Electrónica de Biblioteconomia e Ciência da Informação [disponível em http://hdl.handle.net/1822/11242], tendo sido aceite para publicação em 29/09/2010. O campo da investigação relaciona-se com as pessoas responsáveis por um serviço da Universidade do Minho e a pesquisa concentrou-se nos meses de Fevereiro e Março de 2010“COORDENADORES DE COMUNIDADES DE REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS: O CASO DO REPOSITÓRIUM” | Fevereiro de 2001 (aplicação da intervenção a todos os sujeitos no mesmo período de tempo): “Este texto reporta-se a um estudo focado nos coordenadores de comunidades do repositório institucional da Universidade do Minho tendo por objectivos a identificação do perfil dos coordenadores e a identificação de práticas de estímulo ao depósito ao nível das diferentes comunidades.” (In Resumo, meu sublinhado.) Tendo em conta que as autoras não indicam nenhuma investigação precedente sobre o mesmo objecto (repositório da Universidade do Minho), podemos considerar que se trata dum estudo original sobre esta temática, em que a Internet foi um recurso para a recolha (survey online) e tratamento de dados (sistema SurveyMonkey9).1 No entanto, as autoras referem a importância que teve para os objectivos deste estudo as conclusões relacionadas com o funcionamento do repositório Institucional SABER-ULA da Universidade dos Andes, em Mérida, Venezuela: “... um dos factores que contribuiu para a promoção do livre acesso ao conhecimento produzido na instituição através do repositório, foram as políticas institucionais desenvolvidas que incentivaram os produtores de conhecimento a realizar o depósito no RI” (p. 103, meu sublinhado). Por sua vez, a revisão da literatura feita pelas investigadoras fundamenta os objectivos definidos e contextualiza os aspectos principais deste estudo: políticas institucionais de incentivo ao depósito de trabalhos e descrição de comunidades relacionadas com repositórios institucionais. II. Contexto da investigação O grupo de sujeitos cuja opinião e comportamento as autoras pretenderam pesquisar está devidamente identificado (33 comunidades activas) – selecção por amostragem casual. Apesar das várias tentativas apelando à participação, houve apenas uma taxa de retorno de 48% ao inquérito, a informação recolhida foi obtida junto de 16 coordenadores, compondo assim o grupo seleccionado para efectuar a investigação (amostra da população a pesquisar). Certamente que as investigadoras são experientes, mas há razões que explicam por que o estudo pode ser desenvolvido nestas condições: “Factors such as expense, time and accessibility frequently prevent researchers from gaining information from the whole 1 Hipótese b) referida nas orientações dadas para a realização desta análise ao artigo. 1
  3. 3. population. Therefore they often need to be able to obtain data from a smaller group orsubset of the total population in such a way that the knowledge gained is representative ofthe total population (however defined) under study” (Cohen et al., 2003, p. 92). “Foram consideradas para efeito deste estudo 33 comunidades do RepositóriUM que se encontravam activas no período de 10 de Fevereiro a 28 de Março de 2010. (…) a população de sujeitos deste estudo era constituída por 33 Coordenadores de comunidades do RepositóriUM, tendo os mesmos sido contactados no sentido de procederem ao preenchimento do questionário de recolha de dados.” (p. 106, meu sublinhado) “Apesar dos esforços desenvolvidos, e da colaboração directa dos SDUM neste “COORDENADORES DE COMUNIDADES DE REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS: O CASO DO REPOSITÓRIUM” | Fevereiro de 2001 processo, apenas obtivemos 16 respostas, o que corresponde a uma taxa de retorno de 48%.” (idem, meu sublinhado)A adopção desta estratégia não prejudicou a representatividade da amostra: obter informaçãojunto dum grupo mais pequeno da população para que o conhecimento produzido sejarepresentativo do total da população (Anderson et al, 2003). O seu tamanho foisuficientemente grande para apresentar as características da população, sendo assim possíveldemonstrar estatisticamente um grau de confiança sobre os dados recolhidos (não sendo apopulação extensa, o seus interesses são limitados e não se torna assim necessário procurarum respondente para cada combinação dos factores que identificam esses interesses), atravésdo qual as conclusões tiradas da amostra se aplicaram à população. III. Objectivos da investigaçãoEsta investigação não pretendeu abordar uma problemática e sim conhecer com maisprofundidade uma realidade em concreto. Em vez de questões, são apresentados os objectivosque justificam esta investigação, talvez por representarem mais adequadamente as ideiasorientadoras das autoras: conhecimento do perfil e actividades dos coordenadores. Não é feitanenhuma referência a estudos anteriores (a revisão da literatura na parte inicial do texto visacontextualizar e explicar historicamente aspectos relacionados com os RepositóriosInstitucionais), nem são consideradas outras perspectivas que possam existir sobre estatemática (Haverá anteriores abordagens metodológicas sobre esta temática ou similares?). “(...) focamos este estudo no conhecimento do perfil e actividades dos coordenadores tendo em vista um conjunto de objectivos: 1) caracterizar em termos gerais o perfil dos coordenadores de comunidades do RepositóriUM e conhecer os seus conhecimentos sobre o OAM bem como as suas práticas enquanto depositantes; 2) identificar medidas internas adoptadas pela comunidade para incentivar os seus professores/investigadores a procederem ao depósito da sua produção académica e científica; 3) apresentar reflexões e sugestões que permitam repensar o perfil e as funções dos coordenadores das comunidades, quer ao nível do RI da UM quer ao nível de outros RI.” (p. 105, meu sublinhado)Assim, parece ter havido sobretudo o cuidado de os objectivos traduzirem com maior clarezajunto do leitor aquilo que vai ser investigado: O que é ou não conhecido? O que foi ou nãofeito? Que situações precisam de ser exploradas? A intenção não foi problematizar teorias ou 2
  4. 4. reformular modelos, antes obter mais informação que permitisse conhecer melhor uma realidade que precisa, porventura, de passar por uma mudança. Assim, estes objectivos revelaram terem sido adequados a esse propósito das autoras, uma vez que o instrumento utilizado na recolha de dados foi eficaz (questionário online). IV. Instrumentos da recolha de dados utilizados Foi realizada uma observação não participante sob a forma de inquérito por questionário ou survey (neste caso, questionário online), tendo os inquiridos sido informados por email, em“COORDENADORES DE COMUNIDADES DE REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS: O CASO DO REPOSITÓRIUM” | Fevereiro de 2001 10/02/2010, sobre o objectivo da investigação e o endereço electrónico que hospedava o survey. “O instrumento de recolha de dados usado neste estudo foi um questionário online desenvolvido no sistema SurveyMonkey9(…).” (p. 107, meu sublinhado) “Os coordenadores foram contactados directamente pelos SDUM no dia 10 de Fevereiro de 2010, através de uma comunicação via correio electrónico, descrevendo o objectivo da investigação, solicitando a colaboração para responderam ao survey e informando o endereço electrónico do instrumento de recolha de dados.” (p. 106) O questionário é um instrumento de recolha de dados que apresenta um conjunto pré- determinado de perguntas à população a fim de obter informações sobre os seus comportamentos, para compreender fenómenos como atitudes, opiniões, preferências e representações. Há vários tipos de perguntas e respostas nos questionários, incluindo, por exemplo, perguntas de resposta múltipla, perguntas abertas, perguntas fechadas, estabelecimento de correspondências. Embora neste caso não esteja disponível ao leitor o questionário, temos conhecimento do conjunto das perguntas que o compuseram, 1. Desde quando está constituída a comunidade pela qual é responsável/coordenador? 2. Há quanto tempo é responsável/coordenador de uma das comunidades do RepositóriUM? 3. Na sua qualidade de professor(a)/investigador(a), procede ao auto-arquivamento da sua produção científica no RepositóriUM? 4. Há quanto tempo procede ao depósito/arquivo de documentos no RepositóriUM? 5. Na sua qualidade de professor(a)/investigador(a), que vantagens percepciona estarem associadas ao facto de disponibilizar a sua produção científica no RepositóriUM? 6. Indica o RepositóriUM aos seus alunos? 7. Tem conhecimento dos princípios do Movimento do Acesso Livre em prol da divulgação a produção científica? 8. Como tomou conhecimento deste movimento? 9. A comunidade do RepositóriUM pela qual é responsável/coordenador tem alguma política específica de estímulo ao depósito? 10. Iniciativas de apoio/estímulo ao depósito: 3
  5. 5. sendo assim possível percebermos que se trata dum questionário fechado com uma ordemfixa de questões e que, mesmo que o respondente possa escolher uma resposta entre várias,não permite que os seus termos sejam alterados ou que sejam feitos comentários. O objectivoé conseguir canalizar as reacções das pessoas interrogadas para as categorias mais fáceis deinterpretar. Por sua vez, este tipo de questionário é rápido de completar e fácil de classificaras respostas (ex: software informático de análise de dados).A ordem em que aparecem as perguntas deve ser uma questão tida em conta como forma degarantir o seu sucesso e para que as perguntas proporcionem respostas efectivas aosproblemas levantados pelo investigador. Antes de elaborarem o questionário definitivo,muitos investigadores realizam um pré-teste ou teste piloto destinado a assegurar a naturezae a complexidade das questões e a sua adequação aos objectivos previamente determinados. “COORDENADORES DE COMUNIDADES DE REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS: O CASO DO REPOSITÓRIUM” | Fevereiro de 2001Esse teste tem várias funções, principalmente aumentar a validade e praticabilidade doquestionário (Oppenheim, 1992): “A rigorous survey, then, formulates clear, specificobjectives and research questions, ensures that the instrumentation, sampling, and datatypes are appropriate to yield answers to the research questions, ensures that as high alevel of sophistication of data analysis is undertaken as the data will sustain (but no more!)”(Cohen et al, 2003, p. 173).As autoras tiveram esta preocupação ao realizarem um pré-teste com o intuito de, certamenteaveriguarem, entre outros aspectos, se os respondentes entendiam o objectivo do inquérito,se o tempo definido estava adequado, se o questionário era longo, se as opções de respostaeram compatíveis com a experiência dos inquiridos. Acabou por ser preciso reformular asperguntas. “Foi realizado durante o mês de Janeiro um teste ao questionário desenvolvido através do pedido de análise e preenchimento do mesmo por parte de técnicos e investigadores da UM envolvidos no desenvolvimento do RepositóriUM. De acordo com as observações efectuadas pelos mesmos procedeu-se a reajustes no questionário tendo em vista e elaboração da versão final. A disponibilização do questionário para os coordenadores foi feita online e e os contactos com os mesmos efectuados por correio electrónicos e mediados pelos SDUM.” (p. 107) V. Metodologia aplicada e descrição sobre o método de análise de dadosNeste estudo, o método de investigação adoptado foi o levantamento (survey) que, comoreferem as autoras, “… é um método amplamente utilizado nas investigações em ciências sociais aplicadas. Este método permite atingir uma população ou amostra de população valendo-se de questionário ou entrevista, com o fim de levantar as informações necessárias para esclarecer fenómenos ou factos relacionados com a investigação. Envolve a recolha e a quantificação de dados, os quais se tornam fontes permanentes de informação. É uma técnica de grande utilidade em função de sua ampla aplicabilidade.” (p. 106) 4
  6. 6. Foi igualmente feito o enquadramento teórico em que a técnica seleccionada foi inserida, “Segundo Babbie (2005) são três os objetivos gerais que definem o interesse de se utilizar esta técnica de investigação: descrição, explicação e exploração, este último, significando mecanismo de busca, quando se investiga algum tema.” (idem) mas não sabemos como foi feita a codificação das respostas ao questionário. Terá sido uma pesquisa exploratória só para saber que objecto há? Por essa razão, as investigadoras concentraram-se essencialmente na explicação dos resultados? Nos quadros de análise dos resultados apenas estão indicados o número de respondentes (frequência absoluta) e as percentagens (frequência relativa), dados absolutos que podem“COORDENADORES DE COMUNIDADES DE REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS: O CASO DO REPOSITÓRIUM” | Fevereiro de 2001 servir-nos para julgar o significado alcançado pelas observações. Foi com base nesta correspondência que as autoras procederam ao tratamento dos dados e explicação dos resultados (análises frequencial e quantitativa), operações estatísticas simples (percentagens) que permitiram estabelecer quadros de resultados que evidenciaram as informações fornecidas pela análise. Através das explicações rigorosas, percebemos que as investigadoras, enquanto analistas, tiveram à sua disposição resultados significativos e fiéis sobre os quais construíram não só interpretações relacionadas com os objectivos previstos no estudo, como também inferências relativas a descobertas inesperadas. O questionário foi estruturado por diferentes tipos de perguntas que, não oferecendo dificuldades de compreensão por parte dos inquiridos, não foi preciso a presença dos investigadores. Sobretudo depois de o mesmo ter sido reajustado. Há as perguntas de escolha múltipla: são apresentadas várias hipóteses, devendo ser escolhida uma resposta [Vide Quadros 2, 3, 7 e 5 (ponto 5.3)], dicotómicas com respostas “sim/não”- Estas perguntas são úteis porque “it compels respondents to „come off the fence‟ on an issue. Further, it is possible to code responses quickly, there being only two categories of response” (Cohen et al, 2000, p. 250) - [Vide Quadros 6, 9, 10 (pontos 5.1. e 5.2) , e 4 (ponto 5.3)] e, por fim, resposta mista: escolha múltipla /livre, em que uma das opções a escolher é “Outro” [Vide Quadros 8 e 11]. As perguntas de escolha múltipla permitem apresentar respostas mais complexas que possam corresponder com a informação que a própria pergunta pretende alcançar. O enunciado deve ser claro mas tem de abranger completamente o leque diversificado das respostas. Como as dicotómicas, estas questões podem ser rapidamente codificadas (reduzir a informação) e agregadas para darem frequências de resposta (Cohen et al, 2000). Este elemento (frequência) revelou-se um instrumento útil às investigadoras para a interpretação dos dados recolhidos, em que são confirmadas as hipóteses iniciais do estudo ou feitas descobertas inesperadas. [Vide Quadros 8, 11 e 5]. Como exemplo duma inferência inesperada, temos a pergunta “Como tomou conhecimento desse movimento?” (Vide Quadro 11) que serve de complemento à pergunta anterior, pois pretende averiguar quais são as fontes de informação sobre o Movimento de Acesso Livre junto de quem respondeu “sim” (que conhece este movimento). No entanto, a interpretação das investigadoras não incidiu apenas na identificação dessas fontes. Retiraram daqui outra conclusão: os coordenadores têm conhecimento do movimento mas não conhecem os respectivos princípios e objectivos. Foi um facto incompreensível para as investigadoras (cujo esclarecimento não foi possível obter, naturalmente, junto dos respondentes, como poderia acontecer na situação de entrevista com a presença simultânea dos dois intervenientes). 5
  7. 7. As ferramentas disponíveis na Internet para realizar questionários tornaram-se numaalternativa aos questionários em papel e o investigador pode decidir que esta nova via é amais adequada para realizar o seu trabalho. Mesmo com uma população pouco numerosa (33coordenadores), as autoras da presente investigação seleccionaram o sistema Survey Monkey[http://pt.surveymonkey.com/] como técnica eficaz para obter as informações necessárias.Embora isso não seja mencionado no texto, reconhecem certamente os seus benefícios: apesquisa online é de execução muito rápida; facilidade com que se interroga um elevadonúmero de pessoas, num espaço de tempo relativamente curto e sem distâncias geográficas,tornando mais económica a aplicação deste método; quando o questionário está pronto, umconvite de e-mail pode ser enviado para os participantes em poucos minutos: o software doquestionário online trata os resultados, incluindo no formato de gráficos, sem ser necessário “COORDENADORES DE COMUNIDADES DE REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS: O CASO DO REPOSITÓRIUM” | Fevereiro de 2001o investigador reservar tempo para a sua recolha e contagem. Pelo contrário, realizar umlevantamento telefónico ou entregar inquéritos em papel requer um tempo considerável paracompletar todos os recursos.A análise de conteúdo surge como um conjunto de técnicas de análise das comunicações,que utiliza procedimentos sistemáticos e objectivos de descrição do conteúdo dasmensagens (Bardin, 1997). E o analista tem sempre qualquer coisa por descobrir ouinterpretar sobre a fonte da informação (indivíduo; objecto) ou o seu meio envolvente.Talvez as autoras tenham considerado que o seu trabalho foi uma primeira etapa noconhecimento desta comunidade de coordenadores. Por isso, sugerem que a investigaçãoseja continuada através de outra técnica (qualitativa), nomeadamente a entrevista, a fimde analisar o modo como os coordenadores vivem a sua relação regular com o objectoestudado. “No caso concreto do estudo que apresentamos, consideramos que o mesmo deverá ser complementado através de um conjunto de entrevistas que enriqueçam a informação recolhida.” (p. 113, meu sublinhado)Como ficou por saber, por exemplo, que sentido os coordenadores atribuíram à sua relaçãocom os Repositórios Institucionais, a técnica qualitativa seria talvez o instrumento maisadequado para evidenciar estes aspectos subjectivos do comportamento humano. Para otratamento dos dados recolhidos através duma entrevista, o investigador poderia adoptar atécnica da análise temática ou categorial, baseando-se em operações de desmembramento dotexto em unidades, ou seja, descobrir os diferentes núcleos de sentido que constituem acomunicação e, posteriormente, realizar o seu reagrupamento em classes ou categorias(Bardin, 1997).Por exemplo, seria interessante recolher mais perspectivas ou opiniões dos coordenadoressobre as vantagens relativas à disponibilização dos seus trabalhos no RepositóriUM, as quaisnão ficaram esgotadas nas respostas à pergunta “Na sua qualidade deprofessor/investigador que vantagens percepciona estarem associadas ao facto dedisponibilizar a sua produção científica no RepositóriUM?” (Vide Quadro 8) Isto é, estapergunta realça aspectos importantes que uma entrevista poderia dar um seguimento maisprofundo e completo. Que opinião têm sobre a divulgação da actividade de investigação ou,mesmo, sobre o reconhecimento pessoal? Mas será que os coordenadores entendem serem defacto vantagens? 6
  8. 8. VI. Principais conclusões do estudo O interesse por atitudes e comportamentos tem vindo a formar uma área recorrente na investigação e uma das técnicas mais utilizadas para conduzir estes estudos tem sido a recolha de dados por questionário. Os resultados obtidos neste estudo ajudaram as investigadoras a descobrir quais eram os limites dos objectivos definidos e, consequentemente, construir conclusões que visam fomentar um conhecimento mais próximo e aprofundado do Movimento de Acesso Livre por quem tem à sua responsabilidade acervos bibliográficos de cariz científico. As investigadoras consideram que não é suficiente os coordenadores reconhecerem o Repositório Institucional como grande divulgador de“COORDENADORES DE COMUNIDADES DE REPOSITÓRIOS INSTITUCIONAIS: O CASO DO REPOSITÓRIUM” | Fevereiro de 2001 produções académicas e científicas, incluindo junto dos alunos, e que devem conhecer sem falta os princípios desse movimento, devido à importância que encerram em si mesmos. Aliás, entendem que este comportamento condiciona a dinamização das comunidades e que há necessidade de o perfil dos coordenadores ser repensado para que assumam funções que defendam este tipo de depósito. Por outro lado, as conclusões mostraram ainda que iniciativas que incentivam o depósito de trabalhos junto dos produtores contribuem muito para a prática do auto-arquivamento (apenas 6 comunidades promoveram políticas de estímulo ao auto-arquivamento). A análise de resultados levaram, por fim, as investigadoras a pensar em iniciativas futuras que podem reforçar e promover o papel dos coordenadores das comunidades aqui em questão: “a) Definir um perfil de competências e motivações para potenciais coordenadores/dinami- zadores de comunidades; b) Clarificar explicitamente, eventualmente ao nível global da Universidade, as funções a desempenhar pelos Coordenadores; c) Reconhecer e valorizar institucionalmente o papel que os Coordenadores podem desempenhar na dinamização das Comunidades e do RepositoriUM; d) Promover a formação inicial e periódica de coordenadores/dinamizadores de comunidades, nomeadamente no que se refere: 1) às funcionalidades disponíveis no repositório, 2) aos princípios do Open Acess e aos 3) objectivos dos repositórios institucionais; e) Promover encontros de coordenadores/responsáveis por comunidades de modo a partilharem experiências de motivação/incentivo ao depósito.” (pp. 112-113) VII. Referências bibliográficas Anderson, T., Kanuka, H. (2003): e-Research, Methods, Strategies and Issues. USA: Pearson Education. Bardin, L. (1997): Análise de Conteúdo (L. A. Reto, & A. Pinheiro, Trad.), Lisboa: Edições 70. Cohen,L., Manion, L., Morrison, K. (2000): Research Methods in Education. London: Routledge. Oppenheim, A.N. (1992): Questionnaire Design, Interviewingand Attitude Measurement. London: Pinter Publishers Ltd. Rosa, F. G.; Gomes, M. J.: “Coordenadores de comunidades de repositórios institucionais: o caso do repositórium”. Enc. Bibli: R. Eletr. Bibliotecon. Ci. Inf., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, n.º esp., p. 100-115, 2.º sem. 2010. Disponível em http://hdl.handle.net/1822/11242 (acedido em 30 jan. 2011). 7

×