• Like
Mané Garrincha é o mais lucrativos dos novos estádios
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

Mané Garrincha é o mais lucrativos dos novos estádios

  • 88 views
Published

Reportagem dos Correio Braziliense mostra a média de ocupação do Mané Garrincha é de 86,1% dos assentos, contra 60,2% do Maracanã.

Reportagem dos Correio Braziliense mostra a média de ocupação do Mané Garrincha é de 86,1% dos assentos, contra 60,2% do Maracanã.

Published in News & Politics
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
88
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
1
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. 2/3 • Super Esportes • Brasília,terça-feira,23dejulhode2013 • CORREIO BRAZILIENSE EXPEDIENTE: DiretordeRedação:Josemar Gimenez (josemargimenez.df@dabr.com.br), Editora-chefe:Ana Dubeux (anadubeux.df@dabr.com.br), Editorexecutivo:Carlos Alexandre (carlosalexandre.df@dabr.com.br), EditordeEsportes: Alexandre Botão (alexandrebotao.df@dabr.com.br), EditordeFotografia:Luís Tajes (luistajes.df@dabr.com.br), E-mail:esportes.df@dabr.com.br — Tel.: 3214-1176 / Fax: 3214-1155 FUTEBOL BRASILEIRO Casa cheia BrasiliensesenchemoManéGarrinchaefazemdoestádio omaisrentáveldopaís.NenhumadasarenasdaCopadas Confederaçõesteveíndicedeocupaçãotãograndenoano » BRAITNER MOREIRA E s t á cercado por 288 colunas, no centro de Brasília, o estádio brasi- leiro mais bem-sucedido entre aqueles construídos para a Copa das Confederações. Dos seis, o Mané Gar- rincha tem o maior índice de ocupação em 2013. A arena candanga sediou, até agora, quatro partidas pelos campeonatos Brasiliense e Brasileiro. Nesses jogos, em média 86,1% dos assentos disponíveis fo- ram comprados pelo torcedor. O levantamento do Correio leva em con- sideração os jogos desde a inauguração dos estádios de Belo Horizonte, Brasília, Forta- leza, Recife, Rio de Janeiro e Salvador. Os números afastam uma hipótese alastrada pelos detratores do Mané Garrincha: de que o estádio se tornaria um elefante branco tão logo fosse inaugurado. Mais do que isso, mostram que o torcedor do Distrito Federal gosta de comparecer a gran- des eventos esportivos. O Mané Garrincha apresen- ta um índice de ocupação su- perior mesmo vendendo in- gressos mais caros do que nas praças acostumadas a ter jo- gos da elite do futebol brasilei- ro. Em Santos x Flamengo, 549 pessoas pagaram R$ 400 pelo bilhete mais salgado, na área VIP do estádio. Para Flamengo x Coritiba, esse setor caiu a R$ 200, mas o preço voltou a subir em Vasco x Flamengo, atingin- do os R$ 260. Só mesmo na inauguração do estádio é que as entradas eram realmente acessíveis: os cerca de 3 mil ingressos colocados à venda para Brasiliense x Brasília custaram R$ 10, cada — os outros 17 mil foram distribuídos. Nos outros estádios usados na Copa das Confederações, praticamente todos os jogos têm preços acessíveis ao grande público. Na Arena Pernambuco, os tíque- tes de Náutico x Ponte Preta, pelo Brasi- leirão, iam de R$ 18 a R$ 50. Em Fortaleza, o Ferroviário — primeiro time a assinar contrato com o Castelão — vende seus in- gressos mais baratos a R$ 15, mas assim mesmo teve os quatro piores públicos do ano. Contra o Guarany de Sobral, pelo Campeonato Cearense, apenas 200 pes- soas estiveram no estádio. Dessas, 81 re- ceberam bilhetes de cortesia da equipe. Primeiro estádio do ciclo das copas das Confederações e do Mundo inaugurado, o Castelão recebeu 22 partidas até agora. Em apenas quatro oportunidades o está- dio preencheu mais de metade dos 64.846 lugares. Os jogos do Ferroviário ajudaram a derrubar os índices de ocupação do es- tádio: a equipe coral teve cinco partidas como mandante. Na mais “popular” de- las, levou 2.948 torcedores às arquibanca- das, contra o Ceará. Dos seis palcos da Copa das Confedera- ções, apenas dois ignoraram a recomenda- ção da Fifa de não vender todos os assentos no primeiro evento teste: o Maracanã e o Mineirão. Nestes dois, o maior público foi registrado logo na inauguração. No Rio, 57.820 torcedores pagaram ingresso para assistir ao amistoso Brasil x Inglaterra. Só mais um jogo foi disputado desde então. Em Belo Horizonte, o clássico Cruzeiro x Atlético-MG abriu o Campeonato Mineiro com 52.989 pagantes, marca ainda não superada pelas 10 partidas seguintes. O sucesso de público do Mané Garrincha contrasta com os demais estádios de Brasília. Nos quatro jogos da Série C que mandou no Sere- jão, em Taguatinga, o Brasi- liense levou em média 915 pagantes. Disputado no pri- meiro turno, o Candangão terminou com 1.176 torcedo- res por partida. Lucro certo O Estádio Nacional de Bra- sília Mané Garrincha tornou- se uma espécie de galinha dos ovos de ouro no Campeonato Brasileiro. A arena recebeu três jogos da competição e arrecadou R$ 13.724.530. Flamengo x San- tos, pela primeira rodada, levantou R$ 6,9 milhões e se tornou a partida entre clubes de maior renda da história do futebol brasi- leiro. Para efeito comparativo, o Pacaembu foi o palco mais rentável do Nacional em 2012. Em 19 jogos, o Corinthians faturou R$ 14.108.082, apenas 2,8% a mais. A perspectiva de tanto lucro no DF faz com que os grandes times cariocas mante- nham negociações abertas para jogar no Mané Garrincha nos próximos meses. Ape- nas o Fluminense encerrou as conversas. O Flamengo, enquanto isso, assinou com o Maracanã um contrato sem exclusividade. O acordo, assim, permite à equipe rubro- negra engordar o caixa com mais partidas na capital do país, até o fim do ano. Origemasiática Atualmente utilizado para se referir a obras públicas mais caras do que úteis, o termo “elefante branco” surgiu no Sudeste Asiático, por volta do século 16. O animal era considerado sagrado em países como Tailândia e Laos. Apesar de representar uma bênção ganhá-lo, também se convertia em uma certa maldição: custava caro cuidar do animal, que não tinha qualquer uso prático.