Climatologia – aula 6

620 views

Published on

Climatologia para o curso de Engenharia de Minas da FINOM. Material extraído de SENTELHAS e ANGELOCCI. Meteorologia Agrícola. Piracicaba :ESALQ; e de TORRES e MACHADO. Introdução à Climatologia, São Paulo :Cencage Learning, 2011.

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
620
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
23
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Climatologia – aula 6

  1. 1. Climatologia – Aula 6 Geologia - FINOMGeologia - FINOM Márcio Santos professormarciosantos2.blogspot.com.br
  2. 2. Ventos de vale e de montanha • O aquecimento diferenciado é responsável pelos gradientes de pressão que forçam os movimentos. • Durante o dia, algumas vertentes montanhosas são mais aquecidas que os fundos dos vales, formando uma área de baixa pressão receptora de ventos, nas partes mais elevadas.ventos, nas partes mais elevadas. • Os ventos deslocam-se vertente acima, muitas vezes acompanhados pela formação de nuvens cúmulos sobre as montanhas. • À noite, ocorre o inverso. • A circulação vale-montanha é mais intensa em dias claros de verão, quando o vento predominante é calmo.
  3. 3. Consequências da brisa vale-montanha • O movimento do ar para cima durante o dia leva à formação de nuvens e precipitação. • O escoamento• O escoamento ascendente do ar pode conduzir poluentes das cidades para as regiões elevadas.
  4. 4. Resumo • Brisa marinha, vento suave que, durante o dia, sopra do mar para a terra. • Brisa de montanha, vento suave que, ao crepúsculo, sopra das montanhas para oscrepúsculo, sopra das montanhas para os vales. • Brisa terrestre, a que sopra de noite, da terra para o mar. • Brisa do vale, a que sopra, de manhã, dos vales para as montanhas.
  5. 5. Ventos Alísios • Os alísios são ventos constantes que provêm das regiões subtropicais (N e S), áreas de alta pressão e dispersoras de ventos, para a faixa equatorial (zona de convergência), área quente, de baixa pressão e receptora de ventos. • São massas de ar tépidas (menos quentes) que viajam a velocidades baixas (<5m/s) pelasviajam a velocidades baixas (<5m/s) pelas camadas inferiores da troposfera, pois são travados pela fricção com a superfície. • Provocam chuvas na região equatorial, se aquecem, sobem e voltam para as regiões de origem, circulando pelas regiões mais altas (contra-alísios).
  6. 6. • Devido à rotação da Terra, os alísios, no HN sopram de NE para SE; • No HS, sopram de SE• No HS, sopram de SE para NW.
  7. 7. Massas de Ar que atuam no Brasil Massas de Ar Características Massa Equatorial Atlântica (mEa) Quente e úmida, dominando a parte litorânea da Amazônia, e do Nordeste em alguns momentos do ano. Tem centro de origem no Oceano Atlântico. Massa Equatorial Continental (mEc) Quente e úmica, com centro de origem na parte ocidental da Amazônia, domina a porção noroeste da Amazônia, durante quase todo o ano.Continental (mEc) quase todo o ano. Massa Tropical Atlântica (mTa) Quente e úmida, originária do Oceano Atlântico, nas imediações do Trópico de Capricórnio. Exerce enorme influência sobre a parte litorânea do Brasil. Massa Tropical Continental (mTc) Quente e seca, origina-se na depressão do Chaco e abrange uma área de atuação muito limitada, permanecendo em sua região de origem durante quase todo o ano. Massa Polar Atlântica (mPa) Fria e úmida, forma-se nas porções do Oceano Atlântico próximas à Patagônia. Atua mais no inverno, quando entra no Brasil como uma frente fria, provocando chuvas e queda de temperatura.
  8. 8. Em virtude de sua posição geográfica tropical, o território brasileiro está sob a influência da ZCIT, com exceção da parte localizada ao sul do trópico de Capricórnio, onde a massa polar atlântica tem papel de destaque nos meses mais frios.
  9. 9. Nebulosidade • Nuvem: conjunto visível de partículas de água líquida e/ou gelo, em suspensão na atmosfera. • A condensação do vapor de água inicia-se quando a massa de ar atinge a saturação, que pode ocorrer por esfriamento ou adição de vapor de água. As bolhas de ar quente sobem• As bolhas de ar quente sobem impulsionadas pelo ar mais denso e mas frio em volta delas. Quando encontram um pressão atmosférica mais baixa, as bolhas se expandem e se esfriam, e o vapor se condensa em gotículas. • Cada gotícula fica sujeita à força gravitacional, ao empuxo e à ação das correntes ascendentes de ar.
  10. 10. • Quando a componente gravitacional predomina sobre as forças ascendentes, as gotículas descem, dando origem à precipitação. • Milhares de gotículas invisíveis são necessárias para formar uma única gota de chuva. • Dissolução da nuvem: quando desce na atmosfera, o ar sofredesce na atmosfera, o ar sofre aumento da temperatura, com consequente aumento da capacidade de retenção de vapor, diminuindo a umidade relativa. • A dissipação das nuvens ocorrem com o reaquecimento do ar após as precipitações ou pelo encontro com uma massa de ar mais seco.

×