E-book: desvendando os livros feitos de pixels

7,243 views
7,103 views

Published on

Esta publicação, juntamente com o seu equivalente eBook no formato ePub, exploram as possibilidades de layout entre o formato ePub e o PDF. O conteúdo é o mesmo, mas a forma de apresentação possui algumas variações entre os formatos. O arquivo ePub pode ser baixado em http://www.pagelab.com.br/ebook.zip

Published in: Design
4 Comments
11 Likes
Statistics
Notes
  • Oi @Jane Lucca

    Depende do formato de ebook e do programa de vai gerar esses mapas conceituais.

    O ePUB, por exemplo, é muito limitado em relação à apresentação de qualquer tipo de elemento interativo, simplesmente ainda não está maduro para ter interatividade avançada.

    Geralmente é preciso exportar o conteúdo (no seu caso, o mapa conceitual) em um formato de imagem simples (PNG, JPG) para embutir no livro.

    Mas se o eBook estiver em um formato de aplicativo para iOS ou no formato iBooks, por exemplo, você tem maiores condições de incluir conteúdo com alta interatividade.

    Em qualquer um dos casos, é preciso converter o seu mapa original para qualquer um destes formatos, o que nem sempre é simples. Cada programa tem suas particularidades.

    Abraço!
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Olá Márcio, adorei seu artigo! Esclareceu muitas dúvidas.Sou Enfermeira e estou trabalhando uma dissertação na qual utilizo mapas conceituais (software Cmaptools) para montar um Ebook isso é possível?? Jane
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Eu é que agradeço! Pois é, o Indesign é bem incompleto para livros um pouco mais complexos, trabalhar no código direto ou via Sigil é mais produtivo se o livro já não veio no Indesign.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Ótima publicação, estou aprendendo os conceitos, achando o InDesign muito complicado para epub, pensei que era voltado a paginação impressa, chato igual o PDF, acho o Sigil mais manero para quem domina + ou - Css & Xhtml, Valeu, Nota 1000
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
7,243
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
405
Comments
4
Likes
11
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

E-book: desvendando os livros feitos de pixels

  1. 1. eBook ¶ Desvendando os livros feitos de pixels Márcio Duarte
  2. 2. Biblioteca da Universidade de Princeton
  3. 3. márcio duarteeBook ¶Desvendando os livros feitos de pixelsm10 design // brasília-df, março de 2010
  4. 4. Sumário ¶ 1 Introdução 3 2 ePublishing » virando a página 5 Mais um capítulo 6 O fim do livro? 7 O que é um eBook 8 Formatos 10 3 ePub » visão geral da criação 13 Avaliação editorial 15 Preparando o conteúdo 17 Fluxo único para o documento 18 Aplicação e conferência de estilos 20 Criando o sumário 21 Metadados 22 Exportação 23 Descompactação do ePub 24e p u b l i s h i n g : v i r a n d o a pá g i n a Edição do código 25 Adicionando áudio e vídeo 26 Recompactação 27 Teste e validação 28 4 Referências sobre eBook 30 5 Lista de figuras 31 6 Índice 32 2
  5. 5. Introdução ¶ books não são uma novidade. Desde a década de 70 estaE palavra já era utilizada no contexto que é utilizado hoje.Nascido com o Projeto Gutemberg, iniciativa que há anos digi-taliza e disponibiliza livros de domínio público na internet, otermo vem ganhando cada vez mais atenção, já que algumas dasprincipais barreiras para a popularização dos livros eletrônicosvêm caindo, como a dificuldade de leitura em tela e a viabili-dade comercial do formato para a setor editorial. Além disso,os eReaders e as tablets, dispositivos que permitem a leitura deeBooks, estão cada vez mais baratos, e devem se tornar produtosde consumo massificado em breve. Mas a idéia central deste trabalho não é contar todos os deta-lhes da evolução dos livros eletrônicos. Apesar de oferecer umavisão geral do assunto, sua função principal é exemplificar aspossibilidades técnicas dos eBooks aos profissionais que traba-lham com a produção de livros, na transição do papel para o có-digo. O design desta publicação considera exemplos de diversosrecursos de layout que atestam a flexibilidade do livro eletrônicopara outras aplicações que não apenas texto plano. Assim, podeser usado para entender o relacionamento entre os métodosde trabalho tradicional e digital, inspirando a criação de bonseBooks. Boa e-leitura! introdução m.d. 3
  6. 6. Bodleian Image Library, Universidade de Oxford. eBooks: entre o velho e o novo » Mais uma vez, presenciamos mudanças que prometem alterar as tradicionais noções de editoração. Ao olhar para trás, vemos que mudanças como essa são uma constante no território da publicação de livros e periódicos – mas nunca ocorreram com tanta rapidez.
  7. 7. ePublishing ¶ virando a página Nestes tempos de mídias sociais, blogs e acesso móvel, consolidam-se novas formas de conceber e consumir os produtos de mídia mais tradicionais – livros, revistas e jornais – que sinalizam um novo ciclo de importantes mudanças no mercado editorial, comparáveis até mesmo ao surgimento da editoração eletrônica. É óbvio que ainda há muita discussão sobre o alcance destas mudandas, mas há um consenso: o mercado editorial não é mais o mesmo. ssim que a combinação de computador pessoal, progra- A ma de editoração eletrônica e impressora tornou-se relativamente acessível, em meados da década de 1980, ficou claro para todos os profissionais do mercado editorial que as mídias tradicionais passariam por uma revolução. Surgia uma plataforma de publicação que concentrava em um pequeno espaço, a um valor comparativamente bai- xo, várias etapas do oneroso e complexo e p u b l i s h i n g : v i r a n d o a pá g i n a processo de editoração. Em pouco tempo, termos como Postscript, fonte e disquete se tornaram populares e o paste-up, técnica manual de colagem extremamente traba- Adobe Postscript » lhosa para os padrões atuais e largamente A linguagem de descrição utilizada até então, foi aos poucos caindo de páginas da Adobe foi fundamental para a revolução em desuso. A facilidade e o baixo custo na do desktop publishing. editoração eletrônica de impressos colori- 5
  8. 8. Novas formas de leitura » Aparelhos como a tablet da Apple estão mudando a forma de consumir conteúdo, mas também a forma de se produzí-lo. dos e com alta qualidade gráfica transformou definitivamente o perfil da indústria editorial – popularizando ainda mais a pro- dução de livros, revistas e jornais – e criou um novo perfil de profissional da área, que passou da artesania à tecnologia digi- tal em uma velocidade espantosa. Um acontecimento que deu início a uma nova era na história da comunicação impressa. Mais um capítulo » Hoje, após quase trinta anos do surgimento do desktop publishing, estamos novamente no limiar de uma revolução noe p u b l i s h i n g : v i r a n d o a pá g i n a mercado editorial: a das publicações total- mente digitais. A popularização de dis- positivos móveis como tablets, eReaders e smartphones, aliada ao crescimento do acesso à internet e ao amadurecimento das tecnologias web, criaram as condições para Marca do HTML5 » a alteração do paradigma do consumo de Amadurecimento das mídia, cada vez mais online, interativo, tecnologias web. 6
  9. 9. fragmentado e acessível – e cada vez Saiba mais menos dependente do impresso. Neste cenário, termos tradicionais e tão co-GREP é a sigla de Generalized muns do setor como lombada, autor eRegular Expression Parser. É um editora, adquirem um novo sigificadoaplicativo que utiliza expressões regulares (regular expressions) ou ameaçam até mesmo tornarem-seem diversas manipulações de irrelevantes. Entram em cena novas pa-texto ou código. O Indesign lavras como spine, autoria colaborativaé um dos programas que e self-publishing. Surge também umautilizam o GREP embutido em sua ferramenta de busca nova “sopa de letrinhas tecnológica”,e substituição, para executar fundamental para a produção de pu-diversas operações no texto, blicações eletrônicas, incluindo termoscomo, por exemplo, aplicar estilos automaticamente e padronizar antes pertencentes ao mundo da pro-expressões numéricas ou textuais. gramação e do webdesign como grep, xml, xhtml, css, Javascript, Objective-C,XML significa eXtensible Markup mostrando que o perfil dos profissio-Language, ou linguagem de marcação extensível, e é utilizada nals da área deve mudar. De novo.para criar regras de estruturação e descrição de conteúdo. Ao O fim do livro? » Muito se discutecontrário do HTML, permite estabelecer sua própria estrutura de sobre o fim dos livros, revistas e jornaistags e é uma tecnologia promissora impressos. É provável que o caráternestes tempos de aproveitamento dinâmico dos periódicos torne obsoletade conteúdo para diversas mídias. e p u b l i s h i n g : v i r a n d o a pá g i n a a publicação e a distribuição em papel,CSS é a sigla de Cascading já que é muito mais simples e baratoStyle Sheets, ou folhas de estilo atualizar e veicular informações porem cascata. É responsável meios digitais. Os livros eletrônicos, nopela formatação da informação entanto, não eliminam necessariamenteoferecida pelo HTML. É uma das principais ferramentas do design os livros em papel, cuja presença físicapara web. e o caráter perene são muito mais sig- nificativos. Assim como aconteceu com 7
  10. 10. os discos de vinil, as qualidades únicas do livro enquanto su- porte não são sobrepostas pelos equivalentes digitais. O que é um eBook? » A palavra eBook – que às vezes é grafada como e-book ou eBook, sem prejuízo para o significado – é um termo genérico, aplicado a diversos formatos de arquivo que possibilitam a leitura digital do conteúdo. O dicionário Oxford, o define como “a versão eletrônica de um livro impresso”, ainda que a contrapartida impressa nem sempre exista, pois o eBook é cada vez mais autônomo enquanto suporte para conteúdo, consi- derando também vídeo, áudio e interatividade. Há também quem inclua nesta definição uma outra característica do livro tradi- cional: a de que o conteúdo possua um caráter contido, ou seja, começo, meio e fim, como um romance ou um tratado cienfífico. Isso diferenciaria o conteúdo de um eBook daquele produzido para um blog, mas este é um conceito que não se aplica para todos os casos, já que as formas tradicionais de narrativa estão também em transformação por influência da natureza colaborativa da web. Outra característica que vem se solidificando é o caráter flúido do conteúdo, ou seja, nos eBooks texto e imagens se ajus- tam ao formato do dispositivo, indepen-e p u b l i s h i n g : v i r a n d o a pá g i n a dente do tamanho ou da tecnologia de tela, seja de forma plajenada ou auto- mática. Outros denominam eBooks os aparelhos que permitem a leitura destes formatos, como o Kindle, o que é um engano, já que a principal característi- Conteúdo flúido » Leitura em qualquer ca do livro eletrônico é o caráter digi- dispositivo. tal e, consequentemente, imaterial do 8
  11. 11. conteúdo. Os aparelhos que permitem a leitura são, na verdade, eReaders ou eBook Readers. Não há duvida de que todas estas definições revelam muito pouco das várias facetas do fenômeno e são insuficientes para descrevê-lo. Afinal, o livro impresso levou algumas centenas de anos para se transformar no que é hoje.Amazon Kindle » Este é No futuro, espera-se que o livro ele-um eReader: dispositivo trônico seja um suporte digital, aberto,que permite a leitura de eBooks. Não é um eBook. acessível, universal e interativo para o pensamento humano e que possibiliteainda mais a difusão do conhecimento, resolvendo vários pro-blemas inerentes ao livro impresso como, por exemplo, a distri-buição, o custo e a portabilidade. Mas este é um cenário aindadistante, pelo menos aqui no Brasil, por vários motivos: 1 A realidade é que os preços dos eBooks ainda são tão proi- bitivos quanto os preços das versões impressas; 2 A base de eReaders, ou dispositivos leitores, é muito pe- quena, principalmente nos países em desenvolvimento como o Brasil; e p u b l i s h i n g : v i r a n d o a pá g i n a 3 Os padrões da indústria ainda são imaturos e implementa- dos das mais diversas formas, muitas incompatíveis entre si; 4 Há disputas ferrenhas entre os grandes players do mercado de tecnologia para criar padrões proprietários e soluções fechadas de distribuição; 5 Por fim, há também a discussão sobre a própria manuten- ção do hábito da leitura nas gerações futuras, diante gran- de variedade de opções de entretenimento disponíveis. 9
  12. 12. Formatos » Atualmente, os principais formatos de eBook são o ePub, arquivo baseado em padrões abertos como o html, xml e css, originalmente chamado de Open Ebook; o pdf, ou Portable  Document Format, criado pela Adobe e ainda amplamente utiliza- do como sinônimo de eBook, e o Mobi/azw, formatos utilizados somente no ecossistema criado pela Amazon para o seu aparelho dedicado, o Kindle. Há muita discussão se o formato ePub se consolidará como formato de eBook “padrão”. Só o tempo dirá. Formatos como f b 2 e chm também são considerados formatos de eBook, embora apresentem características próprias (veja a Tabela). O padrão de livro eletrônico? » o ePub (também EPUB ou ePUB), abreviação de Eletronic Publication ou Publicação Eletrônica, é um formato livre e aberto de arquivo digital, próprio para eBooks, que foi criado pelo International Digital Publishing Forum – IDPF. Basicamente, é uma serie de arquivos de texto em XHTML e XML, compactados no formato zip. O ePub é projetado para conteúdo flúido, o que significa que várias caracterísitcas do texto podem ser otimizadas de acordo com o dispositivo usado para a leitura. O padrão foi criado para funcionar como um único formato oficial para distribuição e venda de livros digitais, e p u b l i s h i n g : v i r a n d o a pá g i n a e está sendo amplamente adotado pela indústria editorial, apesar da implementação irregular da especificação nos dispositivos e das discussões inflamadas em torno da ineficácia da segurança do conteúdo digital (DRM) suportada pelo formato. Atualmente na versão 2.1, uma nova versão da especificação, chamada de EPUB3, está sendo desenvolvida pelo IDPF, e deve estar pronta no segundo trimestre de 2011. 10
  13. 13. Tabela » Comparação de recursos dos principais formatos de eBook Recursos Conteúdo flúido Padrão aberto Interatividade Marcadores Anotações Extensão Imagens Tabelas Áudio DRM Formato ArghosReader .aeh – – Broadband eBook .lrf | .lrx – – – DjVu .djvu – ePub .epub eReader .pdb – FictionBook .fb2 – – HTML .html 1 2 Kindle .azw Microsoft Reader .lit – – Mobipocket .prc | .mobi Multimedia EBook .exe – Portable Document Format .pdf PostScript .ps – – – e p u b l i s h i n g : v i r a n d o a pá g i n a Repligo .rgo – TealDoc .pdb – – Texto plano .txt Tome Raider .tr2 | .tr3 – – – WOLF .wol – – –Fonte: Wikipedia. Em amarelo, os principais formatos. Notas: 1. Exceto primeira geração do Kindle (nível de suporte assim como no Mobipocket). 2. Suporte apenas no Kindle para iPhone, iPod e iPad. 11
  14. 14. Biblioteca da Universidade de PrincetonUm livro de códigos » Decifrar o sentido do XHTML, do CSS e do Javascript são apenas alguns dos desafios que os designers e diagramadores de livros precisam enfrentar na produção de eBooks.
  15. 15. ePub ¶ visão geral da criaçãoÉ possível criar um ePub somente com a ajuda deum software editor de texto e de um utilitário decompactação, mas a verdade é que o fluxo de trabalhode grande parte dos profissionais editoriais inclui oIndesign, que felizmente possui suporte ao formato,ainda que primitivo. Neste tutorial, será apresentado avisão geral da criação de um eBook no formato ePubutilizando a ferramenta da Adobe. programa Adobe Indesign é um dos mais avançadosO softwares de editoração eletrônica no mercado. Com seuspoderosos recursos tipográficos e de automação, é a ferramentade trabalho de grande parte dos profissionais da área editorial.É extremamente eficaz para a criação de materiais destinadosà impressão gráfica profissional. Infelizmente, seu suporte aoformato ePub ainda é muito básico. Sendo um programa intei-ramente baseado no modelo de página impressa, não é surpresa epub: visão geral da criação que houvessem dificuldades na transição para documentos cuja base são o xhtml e o css. Estas duas linguagens vêm de um mundo muito diferente, onde conceitos como código semântico e separação entre estrutura e formatação são fundamentais.Adobe Indesign »Suporte (ainda) Apesar das deficiências do programa, éincompleto ao ePub possível utilizá-lo para boa parte do de- 13
  16. 16. Indesign CS4 x Indesign CS5 » Há algumas melhorias na versão CS5 do Indesign em relação à exportação para o formato ePub. Infelizmente, um novo e incômodo problema também foi introduzido: links entre as publicações ligadas pelo recurso de livro do Indesign não funcionam. Para a lista oficial das mudanças, veja o whitepaper da Adobe.epub: visão geral da criação Melhorias, mas novos problemas » Janelas de exportação para ePub das versões CS5 e CS4, respectivamente. 14
  17. 17. senvolvimento de ePubs, mantendo o fluxo de trabalho de cos-tume – ainda que com vários desafios. Espera-se, no entanto,que as próximas versões sejam capazes de reduzir as etapasnecessárias à criação de eBooks nesse formato. O objetivo deste tutorial é apresentar uma visão geral dospassos a serem seguidos para transformar o conteúdo de umlivro, originalmente construído em Indesign, em um ePub, deforma o mais objetiva possível, sem abordar os pormenores decada fase, para facilitar o entendimento das variáveis envolvi-das no processo. O passo-a-passo considera que o leitor possuaalguma experiência anterior com o Indesign. 1 Avaliação editorial » Como aproveitar os diversos recur- sos disponíveis e a tecnologia de um ePub para apresentar a informação de maneira mais eficiente? O formato é mes- mo o mais adequado para a publicação? É possível alterar o projeto gráfico sem prejudicar o entendimento do conteú- do? As possibilidades são muitas, mas os desafios técnicos e editoriais também. Antes de iniciar a produção do livro no padrão ePub, é fundamental planejar como o conteúdo em questão pode ser melhor adaptado, levando em consi- deração as possibilidades e limitações do formato, princi- epub: visão geral da criação palmente em publicações com layout mais complexo. Há várias questões a serem consideradas, como a adequação ao estilo mais linear do ePub, a performance da leitura do arquivo nos eReaders, a adequação das imagens às tecnolo- gias de tela (lcd ou e-Ink), o tratamento dado às referências cruzadas e notas de rodapé, além das demais limitações do projeto gráfico neste novo contexto. Estes são apenas alguns exemplos de decisões que precisam ser tomadas 15
  18. 18. com base nos dispositivos e plataformas de software para onde serão destinados, cada um com suas especificidades. Sendo o padrão para eBooks, o ePub deve possibilitar uma experiência de leitura o mais homogênea possível, apro- veitando os recursos mais avançados sem prejudicar a apresentação do conteúdo em outros dispositivos menos capazes. Essa prática de incrementar a experiência sem prejuízo da funcionalidade básica é conhecida no mundo do desenvolvimento web como progressive enhancement (aperfeiçoamento progressivo). A apresentação e o suporte da informação são diferentes nos eBooks, e merecem uma nova abordagem, ou ao menos uma revisão dela, nessa nova “casa”. É importante frisar outra diferença importante entre o design de livros impressos e o design de eBooks, que é familiar a quem trabalha com os padrões web: a separação entre apresentação e estrutura da informação. A criação de publicações para o meio impresso não impõe limites ao layout e considera que a apresentação gráfica está in- timamente ligada à estrutura da publicação. O mesmo não acontece com o ePub. Nele, a estrutura da informação deve ser separada da sua apresentação gráfica, pois é exa-epub: visão geral da criação tamente essa característica que oferece flexibilidade e uni- versalidade ao formato e permite que o conteúdo possa ser apreciado em qualquer dispositivo ou programa, inclusive por pessoas com deficiência visual. Esta característica ain- da é muito útil no reaproveitamento ou na atualização do conteúdo, entre outras vantagens. 1 16
  19. 19. 2 Preparando o conteúdo » Com uma estratégia editorial definida, o próximo passo é certificar-se que os arquivos estejam adaptados para o formato ePub. É importante, por exemplo, que as cores na imagens, gráficos e demais ele- mentos do projeto gráfico não percam o significado quando convertidos para tons de cinza, já que boa parte dos eRea- ders é monocromática e utiliza a tecnologia e-Ink. A otimi- zação do contraste também deve ser levada em conta, já que nos dispositivos há variações neste aspecto. Resolução e modo de cor das imagens também devem ser compatíveis com as características suportadas pelos aparelhos, que ge- ralmente utilizam o modo de cor rgb e resolução de tela (72 ppi). As imagens originais podem ser mantidas no arquivo do Indesign, mas o ideal é substituí-las pelas versões adapta- das para ePub, já que a conversão automática do programa não tão eficaz e não oferece a flexibilidade necessária para solucionar os problemas citados anteriormente. Neste que- sito, um programa de edição de imagens é mais eficiente. A capa é outro elemento que precisa de atenção. Apesar de manter sua importância no território dos eBooks, o espa- ço dedicado à sua apresentação é, de forma geral, extrema- mente reduzido, tanto nos programas de leitura quanto nas epub: visão geral da criação livrarias e bibliotecas online. Muitas vezes um layout adap- tado para o ePub é necessário para manter o entendimento. O Indesign não oferece suporte nativo ao recurso de capa do ePub, que precisa ser adicionado diretamente no códi- go, após a exportação para o formato. É necessário ainda cogitar o tratamento dado a fórmu- las matemáticas e outros caracteres de outros idiomas, 17
  20. 20. como grego ou hebráico, caso a publicação os possua, já que alguns leitores não oferecem suporte a caracteres des- te tipo. A conversão para um formato de imagem suporta- do (.gif ou .png) geralmente é a solução mais compatível, embora longe da ideal, pois perde-se a capacidade de en- contrar este conteúdo com o recurso de busca. No futuro, espera-se um suporte melhor dos dispositivos a caracteres especiais e ao formato .svg (Scalable Vector Graphics), um padrão web que é capaz de manter informações vetoriais. Também é preciso verificar se nenhum elemento es- sencial está localizado nas páginas mestras. O Indesign ignora estes elementos na exportação para ePub. 3 Fluxo único para o documento » Para a criação de um ePub, é necessário considerar o conteúdo sob o paradigma do fluxo linear. Texto, imagens, tabelas, gráficos e demais elementos precisam estar conectados em uma ordem se- quencial. Todos os itens que não seguirem esta regra serão posicionados ao fim do fluxo principal, fora da sua ordem na publicação original, quando exportados para o ePub. Há basicamente duas formas de se estabelecer este fluxo no arquivo:epub: visão geral da criação 1. inserindo todos os elementos manualmente dentro de uma só matéria – ou story, na versão em inglês do programa –, o que pode implicar na alteração do projeto original ou na criação de uma versão do arquivo exclusiva para ePub para que esse efeito seja alcançado, embora a maioria dos casos possa ser resolvido com a ancoragem dos elemen- tos. O Indesign oferece opções para o correto posiciona- mento de objetos ancorados, ou anchored objects. 18
  21. 21. Um único fluxo » opções para posicionamento de objetos ancorados2. Criando uma estrutura xml para o documento, com a ajuda da paleta "Tags". As tags são utilizadas, entre outras funções, para marcar os elementos da publicação na sua sequên- cia correta, que é então apresentada no painel “Estrutura” (ctrl+alt+1, no Windows, ou command+option+1, no Mac). epub: visão geral da criação Painel estrutura » aplicação de tags XML ao conteúdo 19
  22. 22. Dentro do fluxo, a separação em capítulos é criada ao dividir o conteúdo de cada capítulo em arquivos indepen- dentes do Indesign e agregá-los com o recurso de livro. Du- rante o processo de exportação, cada um dos arquivos será então convertido em seu próprio xhtml. Na versão cs5, há um recurso para transformar o conteúdo em capítulos, com arquivos xhtml independentes, com base no estilo de sumário criado, mas ele invalida links retroativos dentro da publicação. Essa divisão em capítulos não tem um papel apenas organizacional: há um limite de 300kb para o tama- nho de cada um dos arquivos xhtml no ePub. Paleta Livro » Cada documento é convertido em um arquivo XHTML.epub: visão geral da criação 4 Aplicação e conferência de estilos » Além de garantir um fluxo único dos elementos, é fundamental que exista consistência na aplicação e na escolha de estilos de pará- grafo e caractere, pois eles facilitarão a edição do código mais à frente no processo. Durante a exportação para ePub, o Indesign aplica à cada parágrafo de texto uma tag “p” (paragrafo) com classe correpondente ao nome do estilo e20
  23. 23. cria uma regra css com os atributos do texto1. No caso dos estilos de caractere, o programa aplica uma tag “span” no texto e também cria uma regra css correspondente. Caso o texto não possua um estilo aplicado, mas configurações manuais estejam presentes (overrides), o programa cria um nome genérico para a classe, tornando muito comple- xa a edição de código que precisa ser feita posteriormente. Mesmo os parágrafos que abrigam fotos, tabelas e gráficos precisam de um estilo apropriado. Os nomes dos estilos também são importantes. É preciso evitar caracteres espe- ciais nos nomes dos estilos, como acentos. Espaços também podem causar problemas, pois há um significado próprio para eles no css. O código gerado pelo Indesign durante a conversão para xhtml e css está longe do ideal – ignora a estrutura do conteúdo e insere diversos atributos que não são neces- sários –, mas ao menos há consistência nos tipos de erros, o que torna os ajustes mais simples se utilizamos os pode- rosos recursos de busca e substituição do grep na etapa de edição de código, com a ajuda dos editores de texto.5 Criando o sumário » O sumário de um ePub é criado com epub: visão geral da criação a ajuda do recurso de estilos de sumário do Indesign, mas o texto do sumário em si não deve – a princípio – fazer parte do texto do documento, já que os eReaders oferecem supor- te nativo à navegação dos tópicos. Durante a exportação, escolha a opção de incluir o estilo de sumário criado e o In- 1 Apenas alguns dos recursos de formatação de texto do Indesign são aproveitados no arquivo CSS do ePub. Estilos aninhados (nested styles), fios acima ou abaixo e estilos GREP, por exemplo, não são exportados. 21
  24. 24. design criará o arquivo de navegação do ePub (.ncx) com as indicações dos diversos níveis dentro do sumário, para que os leitores possam apresentá-lo com seus recursos de nave- gação internos. Se ainda assim o sumário se fizer necessá- rio como parte integrante do texto, é necessário utilizar o recurso de referências cruzadas do programa para indicar a localização dos níveis, já que o texto de sumário gerado automaticamente pelo Indesign não funcionará como na- vegação dentro do ePub. O Indesign criará então links para os locais correspondentes. 1 Sumário » O conteúdo do arquivo .ncx é retirado do estilo criado aqui.epub: visão geral da criação 6 Metadados » Metadados são parte fundamental do ePub. São informações acerca do conteúdo – como nome da edito- ra, autor, data de publicação e colaboradores – fundamen- tais para que sistemas de indexação e catalogação, como os mecanismos de busca e os sistemas de bibliotecas digitais, possam organizá-los e encontrá-los. É possível adicionar alguns destes metadados dentro do próprio Indesign, mas a complementação precisa ser feita no código, após a exporta-22
  25. 25. ção, pois o programa não oferece suporte a alguns metada- dos fundamentais, como a data de publicação2. Se a publicação estiver dividida em diversos docu- mentos, o arquivo com a fonte de estilos, que aparece marcado na paleta Livro, é o arquivo a partir do qual estes metadados deverão ser inseridos. A interface para edição de metadados fica localizada no menu Arquivo > Informa- ções do arquivo. Outros metadados fundamentais, como o uuid (Universally Unique Identifier, ou Identificador Único Universal) e o nome da editora (Publisher), são gerados na própria janela de exportação para ePub. Metadados » Alguns dos metadados são inseridos nesta paleta. epub: visão geral da criação7 Exportação » Na versão cs4 o comando de exportação está localizado no menu Arquivo > Exportar para o Digital Editions. Na versão cs5, está em Arquivo > Exportar para > EPUB. É importante certificar-se que o arquivo base para os estilos e metadados esteja selecionado corretamente na 2 Sem este metadado, o ePub não pode será lido nos eReaders e também não será validado. 23
  26. 26. paleta Livro. Dele serão retirados os estilos, sumário e me- tadados para criação dos arquivos do ePub. Um recurso interessante da exportação na versão cs5 é a possibilidade de aproveitar um arquivo css utilizado an- teriormente, o que facilita a criação de ePubs que comparti- lham o mesmo projeto gráfico. Em coleções, por exemplo, é possível aproveitar os estilos para todos os volumes, redu- zindo significativamente o tempo de criação de eBooks. Para que a exportação ocorra sem erros, verifique se há algum link na publicação que utiliza o caractere “&”. A exportação para ePub do Indesign não lida bem com eles. Para manter o link sem causar problemas, utilize algum ser- viço de redução de urls como o migre.me ou o tinyurl.com. 8 Descompactação do ePub » Um ePub é basicamente uma série de arquivos de texto compactados sob o formato zip. Pode ser descompactado como um zip comum, após alterar sua extensão de .epub para .zip, mas a compactação merece mais cuidados, como veremos adiante. Há algumas ferramentas para facilitar este processo e para permitir, por exemplo, trabalhar no arquivo sem descompactá-los, como o programa Oxygen (pago, apenas para Mac) ou oepub: visão geral da criação Sigil (gratuito e multiplataforma). No entanto, a maneira mais confiável, flexível e eficiente de ser trabalhar com os arquivos é descompactando o ePub é editando o código diretamente. Essa prática evita uma série de novos proble- mas criados pelos programas, seja de performance, curva de aprendizado ou alterações indesejadas no código. 1 24
  27. 27. 1 Estrutura do ePub » Basicamente arquivos de texto e imagem.9 Edição do código » Enquando não surgirem ferramentas mais maduras para a criação de ePubs, trabalhar com o código é inevitável e talvez seja sempre uma necessidade. Ferramentas totalmente wysiwyg não são totalmente com- patíveis com a produção de layouts por meio de código css. Um exemplo disso é o desenvolvimento profissional de websites, que até hoje, mais de duas décadas após o boom da web, se baseia fortemente na codificação manual e no conhecimento dos padrões web das particularidades dos navegadores para ser bem sucedido. Para o designer edito- rial tradicional, a melhor estratégia é entrar de vez no mun- epub: visão geral da criação do dos webstandards, e não evitá-lo. Linguagens de mar- cação como html e css não são muito complexas, se comparadas com outras como php e Ruby, e há farto mate- rial disponível para aprendê-las, muitas vezes gratuito. Voltando ao exemplo específico do código gerado pelo Indesign, há uma grande quantidade de problemas que precisam se resolvidos. Neste ponto, um bom editor de tex- to, como o Notepad++ (gratuito, apenas para windows) ou 25
  28. 28. o TextWrangler (para mac, também gratuito), é ferramenta obrigatória. A exportação do Indesign deve ser considerada apenas o ponto de partida, um facilitador na geração bá- sica da estrutura de arquivos e do código do ePub, pois é muito deficiente em relação a diversos recursos fundamen- tais, como a inserção de capa e a formatação de tabelas. Ao lidar diretamente com código para resolver estas questões, o grep torna-se o melhor amigo do designer de eBooks. Como não há muita variação nos tipos de problemas pro- vocados pelo Indesign no código, é possível criar regras de busca e substituição para a limpeza e correção do código para resolvê-los com maior rapidez. 10 Adicionando áudio e vídeo » O suporte à multimídia no ePub ainda é irregular e não é obrigatório na versão atu- al da especificação, atualmente na versão 2.1. A próxima versão (epub3), que deve ficar pronta no primeiro semestre de 2011, promete resolver estas questões, especificando um método padrão para inserir este tipo de mídia em um ePub. Até lá, há duas formas específicas de se inserir vídeo ou áudio, mas elas são reconhecidas apenas por poucos dispositivos e programas. A primeira, baseada em Flash,epub: visão geral da criação funciona apenas no Adobe Digital Editions. Nesta opção, as arquivos de áudio ou vídeo são embutidos dentro de um arquivo swf e referenciados no código xhtml. A segun- da forma, baseada na tag “video“ do html5, funciona no iBooks da Apple, para iPhone, iPad e iPod Touch, e deve ser a tornar a forma padrão de inserção de vídeo, segundo o rascunho da especificação epub3. Nas duas opções, vídeo e áudio devem ser compactados juntamente com os demais26
  29. 29. arquivos do ePub, e precisam ser referenciados no arquivo content.opf.1 Código para vídeo em Flash » Apenas para o Adobe Digital Editions Código para vídeo em HTML » Provavelmente o novo padrão 11 Recompactação » A operação de recompactação merece alguns cuidados. Compactar todos os arquivos de uma só vez causará problemas na interpretação do arquivo, pois um dos arquivos – mimetype, que declara que o arquivo em questão é um ePub e não outro zip qualquer – precisa ser o primeiro da fila de arquivos dentro do ePub. O procedi- mento consiste em criar um arquivo zip vazio e inserir pri- meiro o arquivo mimetype e só depois os demais arquivos, epub: visão geral da criação trocando a extensão de .zip para .epub. Há alguns aplicati- vos, como o ePubPack (Windows) e o ePub Zip (Mac), que facilitam o processo de compactação, facilitando o processo.12 Teste e validação » Todo arquivo ePub deve ser valida- do para checar a conformidade em relação à especifica- ção ePub. Essa etapa é fundamental para garantir que os arquivos sejam ao menos abertos corretamente nos mais 27
  30. 30. diversos aparelhos e programas que suportam o formato, mas não evita as discrepâncias na interpretação do códi- go por parte dos eReaders. Atualmente, há uma miríade de abordagens quanto à intepretação do código ePub por parte dos programas de leitura. Alguns deles, como o Stanza desktop, chegam a remover toda a formatação do texto, enquanto outros, como o iBooks da Apple, permitem até mesmo adicionar interatividade com Javascript. Para minimizar as ocorrências de problemas de visualização, é necessário testar o arquivo ePub em vários eReaders dife- rentes, ajustando o código para criar um padrão de apre- sentação do ePub minimamente aceitável nos eReaders. É inviável, no entanto, ter acessso a todos os aparelhos e programas disponíveis, seja pelo alto custo ou pelo fato de que alguns não estão disponíveis em todos os mercados. Com tantas variações, como ter certeza de que o conteúdo será apresentado sem problemas nestes disposi- tivos? A melhor estratégia é testá-los sob o ponto de vista do motor de renderização (rendering engine), que é a parte do programa de leitura que confere uma interpretação vi- sual ao código, ou seja, aquilo que é efetivamente apresen- tado nas telas dos aparelhos. Os principais atualmente sãoepub: visão geral da criação o Adobe Reader Mobile sdk (que não tem relação direta com o Adobe Reader, para leitura de pdfs), utilizado no programa Adobe Digital Editions e em vários eReaders com tecnologia e-Ink, como o Positivo Alfa e o Cool-ER; e o Webkit, utilizado no iBooks da Apple, no Ibis Reader e nos navegadores Safari e Google Chrome. Ao escolher alguns representantes destes dois mecanismos de ren- derização, reduz-se muito a quantidade de dispositivos28
  31. 31. necessários para o teste. Ainda assim, é importante ter emmente que cada eReader, mesmo utilizando sistemas se-melhantes, possui pequenas variações que podem interfe-rir na apresentação visual final do conteúdo. A validação do arquivo ePub pode ser feita com a ajudado programa ePubCheck, que funciona online ou a partirda linha de comando – certamente um método pouco intui-tivo, principalmente para os designers de livro tradicionais,acostumados à edição wysiwyg. Uma opção mais intuiti-va é contat com a ajuda de aplicativos que oferecem umainterface gráfica ao ePubCheck, contribuindo para localizaros erros com maior facilidade, como o FlightCrew ou oePubChecker. Geralmente são necessárias várias iteraçõesde validação e correção de código para que o arquivo passe“limpo” pelo processo e possa ser, finalmente, distribuído. epub: visão geral da criação 29
  32. 32. Referências sobre eBook ¶ 1 Programas Sigil ePubPack iPhone Folders Oxygen XML Calibre iPhone Explorer PDFXML TextWrangler Springy FlightCrew Notepad++ Adobe Digital Editions 2 Sites pigsgourdsandwikis.com » Liz Castro threepress.org » Liza Daly mobileread.com/forums digitalbookworld.com 3 Livros EPUB Straight to the point » Liz Castro Kindle formating » Joshua Talent How to create an ebook with Indesign » Rufus Deuchler GREP in InDesign CS3/CS4 » Peter Kahrel 4 Podcasts eBook Ninjas Indesign Secretsreferências 5 Mídias sociais #eprdctn » Twitter Revolução eBook » Google Groups30
  33. 33. Lista de figuras ¶ Detalhe da encadernação de um livro raro » Título do livro: Zadig, ou, La destinée, por Voltaire. Publicado em Paris, em 1893. Fonte: Princeton University Library. Capa e primeira capa Montagem sobre página de livro raro » Manuscrito em papel, publicado em Veneza, em 1476. Fonte: Bodleian Image Library, University of Oxford. Terceira capa Montagem sobre capa de livro raro » Título: The discoveries of John Lederer, publicado em Londres, em 1672. Fonte: Princeton University Library. pág 6 Alfabeto baseado em formas humanas » Título: MS. Ashmole 1504, The Tudor Pattern Book. publicado entre 1520 e 1530. Fonte: Bodleian Image Library, University of Oxford. pág 6 l i s ta d e f i g u r a s 31
  34. 34. Índice ¶ A F Amazon 11, 12 FB2 12, 13 B Fim do livro 9 Bibliotecas online 19 Flúido 10, 12 Brasil 11 Formatos 10, 12, 13 C Fórmulas matemáticas 19 CHM 12 G CSS 9, 12, 15, 22, 24, 25 9, 14, 22 Gráficos 19, 20, 22 D GREP 9, 22, 26 Design 3, 5, 9, 18 H Desktop publishing 7, 8 HTML 9, 13 DRM 12, 13 I E IDPF 12 eBook ,4, 5 10, 11, 12, 13, 15 Imagens 10, 17, 19, 20 eBook Readers 11 Indesign 9, 15, 16, 17, 19, 20, 21, Editoração eletrônica 7 22, 23, 24, 26 Editor de texto 26 J e-Ink 17, 19, 28 Javascript 9, 14, 27 ePub 4, 12, 13, 15, 16, 17, 18, 19, K 20, 21, 22, 23, 24, 25, 26, 27, 28 Kindle 10, 11, 12, 13 eReaders 5, 8, 11, 13, 28 17, 19, L 23, 27, 28 LCD 17 Leitura 5, 8, 10, 11, 12, 17, 18, 19, índice 27, 28 Linguagens de marcação 2532
  35. 35. M SMac 21, 25, 27 Self-publishing 9Metadados 4, 23 Sigil 25Mídias sociais 7 Smartphones 8Mobi 12 SVG 20Motor de renderização 28 T O Tabelas 20, 22, 26Objective-C 9 Tablets 5, 8Objetos ancorados 20 Tags 9, 21, 26Oxygen 25 Texto 13, 20 P UPadrões web 18 UUID 24Páginas mestras 20 VPaste-up 7 Validação 4, 27, 28, 29PDF 12, 13 WPHP 25 Windows 21, 27Postscript 7 WySIWyG 25, 28Progressive enhancement 18 XProjeto gráfico 17 XHTML 9, 15, 21, 22, 26Projeto Gutemberg 5 XML 9, 12, 21 R ZReferências cruzadas 23 zIP 12, 25, 27Resolução 19 índiceRGB 19 33
  36. 36. eBook ¶ desvendando os livros feitos de pixels Redação, design, editoração Márcio Duarte www.m10.com.br Copyright© 2011 » m10 design Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste livro pode ser reproduzida ou transmitida em qualquer forma, por qualquer meio, seja eletrônico, impresso, mecânico, fotocopiado, gravado ou de outra maneira, sem o consentimento prévio do autor. Todas as imagens utilizadas são propriedade de seus respectivos autores/ detentores de copyright, conforme descrito nos créditos junto às figuras, e não podem ser utilizadas comercialmente. Para mais informações, contacte marcio@m10.com.br. Documento registrado na Biblioteca Nacional. ¶ Colofão » A versão em pdf desta publicação foi produzida com o Adobe Indesign cs4 e utilizou as fontes Palatino (14 / 23 pt) e Didot (29 pt), para o texto e títulos principais, e a Helvetica Neue (12/ 23 pt), para subtítulos, quadros e listas. A versão em ePub utilizou como base a versão em Indesign, mas teve seu código fortemente editado com a ajuda do editores de código bbedit e cssedit. A escolha da fonte principal de texto foi deixada a cargo do leitor, mas as fontes de título, quadros e listas foramreferências foram especificadas (mas não embutidas) para os eReaders que possuem acesso às fontes utilizadas. Para a validação e a depuração do arquivo, foi utilizado o programa FlightCrew.34
  37. 37. Bodleian Image Library, Universidade de Oxford.
  38. 38. pagelab: um blog com experimentos, notícias e referências sobre design de livros, e-books e digital publishing twitter.com/page_lab www.pagelab.com.brdesign e produção: m10 design // www.m10.com.br

×