CUIDAR DE IDOSOS EM ILPIs - 2º ENCONTRO DE FAMILIARES E CUIDADORES DE IDOSOS DEPENDENTES
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

CUIDAR DE IDOSOS EM ILPIs - 2º ENCONTRO DE FAMILIARES E CUIDADORES DE IDOSOS DEPENDENTES

on

  • 5,565 views

2º ENCONTRO DE FAMILIARES E CUIDADORES DE IDOSOS DEPENDENTES

2º ENCONTRO DE FAMILIARES E CUIDADORES DE IDOSOS DEPENDENTES
05 DE MAIO 2012 - JUIZ DE FORA

Statistics

Views

Total Views
5,565
Views on SlideShare
5,565
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
70
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

CC Attribution-NonCommercial-NoDerivs LicenseCC Attribution-NonCommercial-NoDerivs LicenseCC Attribution-NonCommercial-NoDerivs License

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

CUIDAR DE IDOSOS EM ILPIs - 2º ENCONTRO DE FAMILIARES E CUIDADORES DE IDOSOS DEPENDENTES CUIDAR DE IDOSOS EM ILPIs - 2º ENCONTRO DE FAMILIARES E CUIDADORES DE IDOSOS DEPENDENTES Presentation Transcript

  • II Encontro Regional deFamiliares e Cuidadores de Idosos Dependentes CUIDAR DE IDOSOS EM ILPI Luciana Carneiro Fortuna Freguglia Fisioterapeuta,Gerontóloga e Gestora da Pousada Vida Nova e VemViver Centro de Convivência para a Terceira Idade
  • HISTÓRICOOs asilos constituem a modalidade mais antiga e geralde atendimento ao idoso fora do seu convívio familiar.A História da institucionalização da velhice começoucomo uma prática assistencialista, predominando na sua implantação a caridade cristã. Mais tarde, essa assistência passou a receber influência da medicina social.
  • HISTÓRICO Somente no início do século XX, as instituições tiveram seus espaços ordenados: as crianças em orfanatos, os loucos em hospícios e os idosos em asilos, mas a velhice já era um problema social.A institucionalização era reflexo da pobreza individuale familiar, e o termo asilo cristalizava-se em sinônimo de instituição para idosos pobres. E no Brasil, recorrer a uma ILPI (INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS) ainda é considerada uma atitude polêmica e carregada de preconceito.
  • HISTÓRICO Historicamente as instituições têm sido vistas com resistências e preconceitos, tradicionalmente como “depósitos de velhos”, como lugar de exclusão, dominação e isolamento, ou simplesmente “um lugar para morrer”. E só de estamos vivendo mais... Essa história já começou a mudar em muita coisa...desde a Política Nacional do Idoso em 1994, depois pela Constituição Federal de 1998, Estatuto do Idoso em2003, diversas Leis Federais, RDC283 ANVISA de 2005.
  • Envelhecimento X Transformações Como em diversos países em desenvolvimento,estamos acompanhando além do envelhecimento da população geral, também o envelhecimento da própria população idosa e transformações acentuadas nos arranjos familiares. As perspectivas para um futuro próximo são de crescimento a taxas elevadas da população idosa e“muito idosa”, aparecendo assim, fragilidades físicas e/ou mentais.TEMOS GARANTIA DE ANOS À VIDA, E DE VIDA AOS ANOS?
  • Envelhecimento X Transformações Queda acelerada da fecundidade e mortalidade, Melhora das condições de saúde, Mudança no padrão de nupicialidade,Aumento do número de separações, re casamentos e/ou nunca se casam, Menor número de filhos, Aumento da escolaridade feminina, Inserção maciça das mulheres no mercado de trabalho, mais engajadas, Modificações no sistema de valores.
  • Envelhecimento X Transformações Teremos um perfil diferenciado das idosas atuais:pois fazem parte de uma população que participou da revolução sexual e familiar ocorrida a partir de meados da década de 1960.Enfraquecimento dos laços de solidariedade e formas de apoio à pessoa idosa, acompanhado da oferta de cuidadores familiares reduzida. Dificuldades: famílias desestruturadas, responsabilidade para um só.
  • Quem oferecerá cuidados para esse grupo populacional? FAMÍLIA? INSTITUIÇÕES?
  • Norma social reforçada pelo amparo da lei O Cuidado com a geração mais velha tem sido atribuído aos descendentes , e o papel de cuidar seja uma especificidade feminina: as jovens cuidam dos filhos, e na meia idade ou velhice, dos maridos doentes, pais, sogros idosos fragilizados. A PNI 1994, na CF1998 e no Estatuto do Idoso de 2003, preconizao atendimento aos idosos em seus domicílios como preferencial,recomendando que ambientes familiares são mais adequado para o bem- estar. Em geral, encontra o público alvo dessa modalidade sem estabelecidas políticas públicas, pois denúncias dos diversos tipos de violência contra idosos são mais frequentes quando diferentes gerações convivem na mesma unidade doméstica.
  • As políticas públicas, em especial as de saúde, que se preocupam em desafogar os leitos hospitalares, têmprivilegiado o envelhecimento saudável , tentado deixar de lado a velhice frágil e dependente. Defendem a liberdade individual e a autonomia, e pergunta-se : Quem atenderá às demandas dos idosos frágeis e dependentes?
  • Em 2003 no Brasil, existiam 2 milhões de idosos, com dificuldades para realizar AVD´s e 100 mil residiam em ILPIs, sendo que nem todos tinham sua autonomia comprometida. Isso significa, que 1,9 milhões de idosos frágeisestavam sendo cuidados ou “descuidados” pelas famílias.Mostrando que a opção de internar oidoso em ILPI´s, ocorre apenas “no limite da capacidade familiar emoferecer os cuidados necessários”.
  • É necessário repensar as ILPI´s A institucionalização não deve ser vista como um abandono do idoso, mas sim um meio de assistênciaadequada aos idosos e uma alternativa para as famílias onde o cuidado pode se tornar impossível. Existe todo um debate atual sobre a utilização decuidados de longa duração institucionais, seus custose qualidade, resultado importante disso é a Resoluçãoda Diretoria Colegiada da ANVISA nº 283 de 26/09/2005,que regulamenta o funcionamento técnico das ILPI´s.
  • É necessário repensar as ILPI´sA implementação da rede intermediária de cuidados aparece como os centros dias, centros de convivência e serviços domiciliares formais e específicos crescente.E a nova percepção sobre as ILPI´s começa a surgir entre os mais jovens, por se tornar mais comum o conhecimento sobre sua existência e funcionamento. Juntamenteaparecendo as justificativas e motivos que levariam estes a morar em uma ILPI: Falta de moradia prórpia, Ausência de famílias, Não depender nem incomodar “ninguém”, Para ter companhia Para ter serviços e atividades adequadas à idade.
  • Realidade das ILPI´s Contam com padrão mínimo de funcionamento segundo a RDC 283 – ANVISA. Nova forma de atender e acolher o idoso,responsável pela atenção, direitos e garantias do idoso, propiciando os direitos humanos em âmbitos civis, políticos, religiosos, econômicos, culturais e individuais:Um exemplo prático que vem dando certo há 25 anos na Pousada Vida Nova...
  • A Pousada Vida Nova começou suas atividades em setembro de 1987, com o nome de ‘CASA DE REPOUSO VIDA NOVA’, e devido às normatizações eregulamentações ocorridas optou por mudar para ‘Pousada Vida Nova’ em 2001. Tem como slogan: “Nosso dia-dia faz adiferença!”, o que procura cumprir fielmente!
  • Fazendo a diferença no dia-dia... A Pousada Vida Nova oferece assistência à terceira idade,atendendo homens e mulheres acima dos 60 anos, que podem se acomodar em quartos individuais, duplos e triplos.Essa acomodação tende a ser um lugar agradável, o mais familiar possível, deixando o idoso num ambiente acolhedor eacessibilidade adequada. Onde a adaptação se tornará prazerosa.
  • Fazendo a diferença no dia-dia... Contamos com um refeitório espaçoso e convidamos a todos para refeições conjuntas e participativas, assimproporcionamos o convívio, a utilidade das habilidades de cada um, a troca de experiências e união dos idosos ali hospedados.
  • Fazendo a diferença no dia-dia...Desta forma, eles aprendem a conviver uns com os outros e sair do quarto, onde muitas vezes é o refúgio de muitos idosos institucionalizados. Ter uma adaptação é fundamental para o idoso e para a família que começa a conviver com a ILPI. Ter uma acolhida por toda a equipe e dar tempo para esta compreender a família e o idoso é fundamental.
  • Fazendo a diferença no dia-dia... Principalmente o idoso dependente, na maioria das vezes está precisando de apoio tanto físico, quanto emocional.É preciso estratégias terapêuticas e que a equipe esteja preparada para atender todas as demandas que estes idosos e suas famílias apresentam. Visando proporcionar bem estar, assistência,transparência e acolhimento num ambiente familiar e de confiança.
  • Fazendo a diferença no dia-dia... Adaptação feita o idoso constará com hospedagem completa, contando com assistência: Apoio médico com acompanhamento e atendimento de urgência do Dr. Waltencir Freguglia, que é o proprietário da casa e cobertura da SOS UNIMED; Fisioterapia com profissionais (Luciana Fortuna eCláudia Soares), em grupo 2X semana e individualizada quando for o caso,
  • Fazendo a diferença no dia-dia... Fonoaudiologia especializada (Thiara Santos) 2Xsemana, acompanhando e atendendo os idosos além de capacitar continuamente os cuidadores; Nutrição (Myrian Fortuna) com a alimentaçãocompleta de 8 refeições/ dia em uma dieta balanceada e principalmente em acompanhamentos específicos (como controle da diabetes e HAS através da alimentação, onde costuma-se reduzir a dosagem medicamentosa, perda de massa óssea acentuada, cicatrização de úlcueras de decúbitos, etc.);
  • Fazendo a diferença no dia-dia... Cuidadores 24h, treinados e humanizados para atuar com pessoas idosas; O serviço de Psicologia (Priscylla Peracci),proporciona uma escuta qualificada e o acolhimento ao idoso e a família à instituição, promove atividades preventivas e remediativas diretamente ligadas aos funcionários/cuidadores da instituição, favorecendo uma forma de “cuidar de quem cuida”.ACREDITA-SE QUE A FORMAÇÃO E A EXPERIÊNCIA É INDISPENSÁVEL PARA UMA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL AO ATUAR COM A 3ª IDADE.
  • Fazendo a diferença no dia-dia...Serviço completo de lavanderia, limpeza, roupas de cama e banho. Além de parcerias com Curso de Cuidadores de Idosos, Plano Funerário, Centro de Convivência, Escolas, Creches, Igrejas e Projetos Sociais. ISSO TRAZ O IDOSO A UMA REALIDADE E INSERÇÃO NA VIDA COMUNITÁRIA, CONVIVENDO COM DIVERSAS: CLASSES SOCIAIS, GERAÇÕES E CREDOS, RESPEITANDO SUA INDIVIDUALIDADE, HISTÓRIA E LIMITAÇÕES.
  • Fazendo a diferença no dia-dia... As visitas são diárias, com horários flexíveis, e buscando inserir a família na participação e parceria em cuidar do idoso. São eles responsáveis por fornecimento de medicações, fraldas geriátricas, quando for necessário, produtos de higiene e roupas individuais A FAMÍLIA É INCENTIVADA E CONVIDADA A PARTICIPAR DOCALENDÁRIO DE ATIVIDADES FIXAS E DE COMEMORAÇÕES: DE ANIVERSÁRIOS, CONFRATERNIZAÇÕES DE CARNAVAL, PÁSCOA, DIA DAS MÃES, DIA DOS PAIS, DIA DO IDOSO, NATAL, FIM DE ANO E OUTRAS QUE ACONTECEM NO DECORRER DO ANO.
  • FAMÍLIA PARCERIA ILPI
  • Fazendo a diferença no dia-dia...Pelo menos uma vez ao mês, uma escola ou projeto da comunidade apresenta-se à ILPI, trazendo uma apresentação cultural, oficina recreativa, assim comoos idosos vão à festividades da região (como no CRASNordeste, à Praça do bairro), passeios e/ou participaçãojunto aos parceiros da casa (como VemViver Centro de Convivência ). ISSO PROPORCIONA A RESOCIALIZAÇÃO: LAZER, CONVIVÊNCIA INTERGERACIONAL E INTEGRAÇÃO DOS IDOSOS.
  • Entender a ILPI faz parte do envelhecimentoPara entender o papel da ILPI é essencial compreender o envelhecimento. Ele não é um processo que se inicia aos 60 anos.É biológico, psicológico e sociológico que sua velocidade e efeitos variam em cada pessoa.Assim, devemos saber lidar com o nosso envelhecimento e que significado tem o envelhecimento para nós. Com isso, saberemos lidar com a institucionalização de maneira positiva e como uma solução, podendoproporcionar ruptura de diversos elos preconceituosos enormas institucionais que por muitas vezes tole direitos, desconsidera o discurso do idoso e o exclui .
  • As diferenças precisam ser dia-dia...Diante desta exposição convido a todos a conhecer de perto a realidade das ILPIs e ajudar nos avanços baseados em novos modelos: Sabendo que ILPI é um domicílio DOS idosos;Até que ponto ele deve participar da construção de regras, propostas, rotinas e programas da gestão da ILPI;Cuidados e aprimoramentos são constantes, empenha-se em oferecer um serviço de qualidade, criar um ambiente familiar , estimulante e participativo. NÃO SÓ NO AMBIENTE INTERNO DA ILPI, MAS ESTE VINCULADO COM O EXTERIOR .
  • Principais Tópicos da RDC 283: Respeitar a liberdade;Preservar a identidade e a privacidade do idoso;Promover ambiente acolhedor, convivência mista e entre os diversos graus de dependência; Integração nas atividades coletivas, desenvolvidas pela comunidade local; Favorecer o desenvolvimento de atividades conjuntas e de outras gerações;
  • Incentivar e promover a participação da família e da comunidade na ILPI junto ao idoso residente; Desenvolver atividades que estimulem a autonomia dos idosos, tais como apoio multidisciplinar (fonoaudiologia, fisioterapia, psicologia, recreação)e manutenção das funções;Promover condições de lazer, como atividades físicas, lúdicas, recreativas e culturais;Desenvolver atividades e rotinas para prevenir e coibir qualquer tipo de violência e discriminação contra residentes;Possuir um Responsável Técnico que responderá pela ILPI junto à autoridade sanitária local, sendo este de formação de nível superior;
  • Pessoal totalmente capacitado para funções, realizando atividades de educação permanente na área de gerontologia ; Celebrar contrato formal com residente e/ou seu responsável;Organizar e manter atualizados as rotinas de trabalho e planos de atenção à saúde referentes ao cuidado do idoso; Inscrição e participação junto o Conselho do Idoso;Prestar serviços que garantem as seguintes atividades: alimentação, lavanderia, limpeza, lazer, saúde .Instalações físicas em condições e habilidade, higiene, salubridade, segurança e acessibilidade a todas as pessoas com dificuldade de locomoção.
  • Vídeo