SEXUALIDADE  E    DOENÇA DE ALZHEIMER Sonia Castelo Branco Fortuna Mestre em Gerontologia (UNICAMP), Neuropsicóloga, Artet...
PERCURSO DE VIDA ADOLESCÊNCIA   FECUNDAÇÃO <ul><ul><ul><ul><li>ADULTO </li></ul></ul></ul></ul>VELHICE <ul><ul><ul><ul><li...
VELHICE -  PROCESSO BIO-PSICO-SOCIAL <ul><li>aspectos biológicos ou funcionais : manifestações  e eventos  </li></ul><ul><...
DEMÊNCIA :   DOENÇA DE ALZHEIMER <ul><li>Síndrome que cursa com: </li></ul><ul><ul><li>declínio cognitivo: memória, lingua...
SEXUALIDADE É  propriedade inerente a cada indivíduo manifestada de maneira própria a cada um e que envolve um conjunto de...
SEXUALIDADE <ul><li>realização pessoal </li></ul><ul><li>auto-estima </li></ul><ul><li>sentimentos  </li></ul><ul><li>emoç...
Redução da Sexualidade    COMPROMETIMENTO DA COGNIÇÃO:   -  autonomia, decisão - descontrole do comportamento sexual  - d...
O QUE FAZER ?  <ul><li>Recursos e atividades     novos interesses </li></ul><ul><li>entender a demonstração da sexualidad...
PSICOTERAPIAS E    PROCEDIMENTOS MÉDICOS <ul><li>utilização de abordagem médico/psicoterapêutico  </li></ul><ul><li>semelh...
PSICOTERAPIAS E    PROCEDIMENTOS MÉDICOS <ul><li>observar e avaliar as relações médico/paciente/familiar (empatia, afetivi...
COMO FAZER ? <ul><li>capacitação de profissionais e familiares para as manifestações da sexualidade dos velhos demenciados...
O que o velho demenciado procura em suas atividades sexuais não é satisfazer somente as suas necessidades físicas, porém u...
ENFIM… <ul><li>que  a nossa capacidade de conviver e entender a sexualidade ultrapasse os limites da compreensão sem deter...
<ul><li>Qual a situação da pessoa com doença de Alzheimer frente  à sua família ? </li></ul><ul><li>Quais as fantasias, ex...
<ul><li>ABDO, CARMITA HELENA NAJJAR.Sexualidade Humana e seus Transtornos. São Paulo: Lemos Editorial,1997.  </li></ul><ul...
Bibliografia <ul><li>LELOUP, Jean- Yves. O corpo e seus símbolos. Petrópolis,R.J, Ed. Vozes, 1998. </li></ul><ul><li>NERI,...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

SEXUALIDADE E DOENÇA DE ALZHEIMER

4,660

Published on

Published in: Education
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
4,660
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "SEXUALIDADE E DOENÇA DE ALZHEIMER"

  1. 1. SEXUALIDADE E DOENÇA DE ALZHEIMER Sonia Castelo Branco Fortuna Mestre em Gerontologia (UNICAMP), Neuropsicóloga, Arteterapeuta [email_address]
  2. 2. PERCURSO DE VIDA ADOLESCÊNCIA FECUNDAÇÃO <ul><ul><ul><ul><li>ADULTO </li></ul></ul></ul></ul>VELHICE <ul><ul><ul><ul><li>INFÂNCIA </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>MORTE </li></ul></ul></ul></ul>
  3. 3. VELHICE - PROCESSO BIO-PSICO-SOCIAL <ul><li>aspectos biológicos ou funcionais : manifestações e eventos </li></ul><ul><li>que ocorrem no percurso de vida; </li></ul><ul><li>aspectos cronológicos : certidão de nascimento; </li></ul><ul><li>aspectos mentais ou neurológicos: doença de Alzheimer </li></ul><ul><li>aspectos físicos : aparência, limitações; </li></ul><ul><li>aspectos emocionais : afeto, segurança; </li></ul><ul><li>aspectos intelectuais : grau de instrução; </li></ul><ul><li>aspectos espirituais : temor, pecado, morte; </li></ul><ul><li>aspectos sociais : leis, ética, moral </li></ul>- A PARTIR DOS 60-65 ANOS
  4. 4. DEMÊNCIA : DOENÇA DE ALZHEIMER <ul><li>Síndrome que cursa com: </li></ul><ul><ul><li>declínio cognitivo: memória, linguagem,noção espacial, raciocínio,compreensão </li></ul></ul><ul><ul><li>distúrbios de comportamento com mudanças de humor e desinibição; </li></ul></ul><ul><ul><li>perda da autonomia e independência </li></ul></ul><ul><ul><li>dificuldades da execução das funções de vida diária e das funções executivas. </li></ul></ul>
  5. 5. SEXUALIDADE É propriedade inerente a cada indivíduo manifestada de maneira própria a cada um e que envolve um conjunto de detalhes, onde o cérebro é o órgão mais importante e o sexo é apenas um componente.  ligada à identidade ao nascer: - homem -------------- o poder - mulher -------------- a procriação
  6. 6. SEXUALIDADE <ul><li>realização pessoal </li></ul><ul><li>auto-estima </li></ul><ul><li>sentimentos </li></ul><ul><li>emoções </li></ul><ul><li>atos diários </li></ul><ul><li>conduta,comportamento </li></ul><ul><li>mecanismos de defesa </li></ul> equilíbrio entre o impulsivo e o psíquico
  7. 7. Redução da Sexualidade  COMPROMETIMENTO DA COGNIÇÃO: - autonomia, decisão - descontrole do comportamento sexual - dificuldade na comunicação  ALTERAÇÕES DO COMPORTAMENTO -  instintos (sexualidade, criatividade) -  necessidades básicas (amor, fome, fisiológicas, sexo, segurança) - dependência - falta de planejamento - estímulo X repressão  agressividade - labilidade emocional  MUDANÇAS NA AUTO-IMAGEM
  8. 8. O QUE FAZER ? <ul><li>Recursos e atividades  novos interesses </li></ul><ul><li>entender a demonstração da sexualidade do velho demenciado; </li></ul><ul><li>desenvolvimento das habilidades e capacidades e funcionalidade; </li></ul><ul><li>buscar formas adequadas para lidar com a </li></ul><ul><li>existência de tabus, dos sentimentos de culpa; </li></ul><ul><li>controlar os comportamentos inadequados. </li></ul><ul><li>procurar assistência médico/psicoterapêutica </li></ul><ul><li>respeito à ética individual, profissional e familiar </li></ul>
  9. 9. PSICOTERAPIAS E PROCEDIMENTOS MÉDICOS <ul><li>utilização de abordagem médico/psicoterapêutico </li></ul><ul><li>semelhantes no tratamento; </li></ul><ul><li>individualidade do tratamento; </li></ul><ul><li>troca e informações adequadas a cada fase do processo da doença e suas particularidades; </li></ul><ul><li>considerar o ambiente/ indivíduo e suas percepções; </li></ul><ul><li>identificar as dificuldades e mudanças biopsicossociais do indivíduo; </li></ul><ul><li>observar as indicações e conduções do tratamento, evitando agravamento dos mecanismos patológicos. </li></ul>
  10. 10. PSICOTERAPIAS E PROCEDIMENTOS MÉDICOS <ul><li>observar e avaliar as relações médico/paciente/familiar (empatia, afetividade, aprendizado cognitivo) </li></ul><ul><li>priorizar a personalidade e os processos mentais e comportamentais do indivíduo demenciado; </li></ul><ul><li>observar os referenciais simbólicos do indivíduo demenciado por meio das manifestações comportamentais; </li></ul><ul><li>considerar o contexto pessoal/familiar/social do indivíduo </li></ul><ul><li>estabelecer um relacionamento com objetivos,métodos e avaliação . </li></ul>
  11. 11. COMO FAZER ? <ul><li>capacitação de profissionais e familiares para as manifestações da sexualidade dos velhos demenciados </li></ul> <ul><li>desviar a atenção do foco da sexualidade </li></ul><ul><li>adequação e disponibilidade do parceiro (a) </li></ul><ul><li>adequação e disponibilidade dos familiares e dos profissionais; </li></ul>
  12. 12. O que o velho demenciado procura em suas atividades sexuais não é satisfazer somente as suas necessidades físicas, porém uma maneira de conservar as lembranças de experiências vividas e que construíram o universo erótico ao qual gostaria de continuar ligado.
  13. 13. ENFIM… <ul><li>que a nossa capacidade de conviver e entender a sexualidade ultrapasse os limites da compreensão sem deter-se, apenas, em um simples olhar para aqueles que só conseguem mostrar uma pequena parte do que são. </li></ul>
  14. 14. <ul><li>Qual a situação da pessoa com doença de Alzheimer frente à sua família ? </li></ul><ul><li>Quais as fantasias, expectativas familiares quanto a doença? </li></ul><ul><li>Quais as soluções para os conflitos, ressentimentos, dificuldades de comunicação ? </li></ul><ul><li>Quais as possibilidades de expressar sentimentos, acolhimento e solidariedade diante de enfrentamentos? </li></ul><ul><li>Como conviver com as inadequações comportamentais da pessoa com demência? </li></ul><ul><li>O que fazer para entender e minimizar ocorrências que perturbam o ambiente familiar? </li></ul><ul><li>Como resolver questões que envolvem sexualidade e prática sexual do velho demenciado? </li></ul><ul><li>Como nos capacitarmos para resolver situações que nem sequer aprendemos a vivenciar? </li></ul>REFLEXÕES:
  15. 15. <ul><li>ABDO, CARMITA HELENA NAJJAR.Sexualidade Humana e seus Transtornos. São Paulo: Lemos Editorial,1997. </li></ul><ul><li>-------------------. O desejo sexual e novos conceitos e técnicas da terapia do sexo. Ed. Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 1983. </li></ul><ul><li>-------------------. Qualidade de vida e Idade moderna. Campinas, S.P., Ed. Papirus, 1993. </li></ul><ul><li>-------------------. The sexual desire desorders. N.Y., Brunner/ Mazel Publishers, 1990 </li></ul><ul><li>BAKER, Elsuvorth. O Labirinto Humano, Summus. 1980 </li></ul><ul><li>BEAUVOIR, Simone. A velhice, R.J.,Ed. Nova Fronteira, 1990. </li></ul><ul><li>FOUCAULT, M. A História da Sexualidade. Rio de Janeiro, Graal. 1984 </li></ul><ul><li>FRITZEN, S.J. Exercícios Práticos de Dinâmica de Grupo. R.J, Ed. Vozes. </li></ul><ul><li>GAIARSA, José Angelo. Como enfrentar a velhice. Ed. Ícone, 1986. </li></ul><ul><li>GOMES, F.A. O homem de cinquenta anos: envelhecimento sexual. In Moreira, A.(org). Porto,1994 </li></ul><ul><li>KAPLAN, H. S. A Nova Terapia do Sexo. Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 1997 </li></ul>Bibliografia
  16. 16. Bibliografia <ul><li>LELOUP, Jean- Yves. O corpo e seus símbolos. Petrópolis,R.J, Ed. Vozes, 1998. </li></ul><ul><li>NERI, Anita Liberalesso. Psicologia do Envelhecimento: Temas Selecionados na perspectiva de curso de vida. Campinas, S.P, Ed. Papirus, 1995. </li></ul><ul><li>HAYFLICK, Leonardo. Como e por que envelhecemos. R.J., Ed. Campus, 1996. </li></ul><ul><li>REVISTA, A Terceira Idade. Sesc, Ano VI – nº 11, Março / 1996. </li></ul><ul><li>RIBEIRO, Alda. O Idoso e sua Sexualidade. II Curso Básico de Gerontologia HSPM. 1993 . </li></ul><ul><li>RODRIGUES, Oswaldo Jr. Psicologia e Sexualidade. S.P., Ed. Medsi, 1996. </li></ul><ul><li>----------------------------------.. Sexualidade e Terceira Idade: O Envelhecimento Sexual. Curso Básico de Gerontologia. 1996. </li></ul><ul><li>SALGADO, Marcelo Antonio. Velhice, uma nova questão social. 2.ed., S.P., SESC-CETI, 1982. </li></ul><ul><li>VIEIRA, Eliane Brandão. Manual de Gerontologia, Rio de Janeiro, Revinter, 1996 </li></ul>

×