• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Antropologia econômica
 

Antropologia econômica

on

  • 2,567 views

Plano de Ensino da disciplina Antropologia Econômica, do curso de graduação em Antropologia na Pontifícia Universidade Católica de Goiás (Goiânia, GO).

Plano de Ensino da disciplina Antropologia Econômica, do curso de graduação em Antropologia na Pontifícia Universidade Católica de Goiás (Goiânia, GO).

Statistics

Views

Total Views
2,567
Views on SlideShare
2,374
Embed Views
193

Actions

Likes
0
Downloads
8
Comments
0

1 Embed 193

http://incinerrante.com 193

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Antropologia econômica Antropologia econômica Document Transcript

    • Universidade Católica de Goiás Instituto Goiano de Pré-História e AntropologiaDisciplina: Período: 2009-1 Número de créditos: 04 Carga horária: 68 horas-aulaAntropologia Professor: Marcelo Rodrigues Souza RibeiroEconômica À maneira de uma epígrafe: O que é a economia? Entre seus predicados ou seus valores semânticos irredutíveis, a economia comporta sem dúvida os valores de lei (nomos) e de casa (oikos, é a casa, a propriedade, a família, a lareira., o fogo de dentro). Nomos não significa apenas a lei em geral, mas também a lei de distribuição (nemein), a lei da partilha, a lei como partilha (moira), a parte dada ou atribuída, a participação. Um outro tipo de tautologia implica desde já o econômico no nômico como tal. Desde que há lei, há partilha: desde que há nomia, há economia. Além dos valores de lei e de casa, de distribuição e de partilha, a economia implica a idéia de troca, de circulação, de retorno. A figura do círculo está evidentemente no centro, se se pode ainda dizê-lo de um círculo. Ela se mantém no centro de toda problemática da oikonomia, como de todo o campo econômico: troca circular, circulação de bens, de produtos, de signos monetários ou de mercadorias, amortização de despesas, rendas, substituição de valores de uso e de valores de troca. Esse motivo da circulação pode dar a pensar que a lei da economia é o retorno – circular – ao ponto de partida, à origem, à casa também. Ter-se-ia que seguir a estrutura odisséica do relato econômico. A oikonomia emprestaria sempre o caminho de Ulisses. Jacques Derrida – Donner les temps (1991, p. 17-18 – Tradução minha [MRSR])Ementa: Discussão das sociedades ditas sem mercado. Formas primitivas de dinheiro. O Escambo. Análise de sistemas econômicos das chamadas sociedades arcaicas: indígena e camponesa.Objetivos: Traçar um panorama de algumas das principais abordagens e teorias antropológicas do econômico. Numa perspectiva transversal, a partir de uma perspectiva antropológica e do diálogo entre diferentes formas de abordagem, construir marcos para a compreensão e a análise de diferentes economias ou sistemas econômicos.Conteúdo programático: O conceito de economia A etimologia e suas leituras: oikos + nomos Introdução à antropologia econômica Histórico da formação do campo: do evolucionismo à antropologia moderna Formações sociais e sistemas econômicos Sociedades de caçadores/coletores Economias tribais e os sistemas econômicos pré-coloniais Economias coloniais e a escravidão transatlântica
    • Economias camponesas Capitalismo, aquém e além: a questão dos modos de produção A cultura do consumo e a condição pós-moderna no capitalismo tardio Teorias etnográficas e problemas conceituais Economia e ideologia Utilitarismo, materialismo histórico e a cultura como organização simbólica da experiência humana A dádiva como paradigma teórico e o M.A.U.S.S. A moeda e sua história, a moeda falsa e a economiaBibliografia básica: CARVALHO, Edgard Assis (org.). Antropologia Econômica. São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas, 1978. ______ (org.). Godelier: antropologia. São Paulo: Ática, 1981. DOUGLAS, Mary; ISHERWOOD, Baron. O mundo dos bens: para uma antropologia do consumo. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2006. GODELIER, Maurice. Antropología y economía. Barcelona: Editorial Anagrama, 1976. ______. O enigma do dom. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001. HERSKOVITS, Melville. Economic anthropology: a study in comparative economics. New York: Alfred A. Knoph, 1960.* MALINOWSKI, Bronislaw. Argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo: Abril Cultural, 1976. MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003. SAHLINS, Marshall. Cultura e razão prática. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003. WOLF, Eric. Sociedades camponesas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1976.Bibliografia complementar: BAPTISTA, José Renato de Carvalho. Os deuses vendem quando dão: os sentidos do dinheiro nas relações de troca no camdomblé. Mana, v. 13, n. 1, p. 7-40, Rio de Janeiro, abr., 2007. ______. Não é meu, nem é seu, mas tudo faz parte do axé: algumas considerações preliminares sobre o tema da propriedade de terreiros de candomblé. Religião e Sociedade,
    • v. 28, n. 2, p. 138-155, Rio de Janeiro, 2008.BATAILLE, Georges. A parte maldita: precedida de "A noção de despesa". Rio de Janeiro:Imago, 1975.BENVENISTE, Émile. O vocabulário das instituições indo-européias: I. Economia,parentesco, sociedade. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1995.BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas, SP: Papirus, 1996.CAILLÉ, Alain. Nem holismo nem individualismo metodológicos: Marcelo Mauss e oparadigma da dádiva. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 13, n. 38, São Paulo, out.1998.CANCLINI, Néstor García. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais daglobalização. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1996.CARRIER, James G. (ed.). A Handbook of Economic Anthropology. Cheltenham, UK;Northampton, MA, USA: Edward Elgar Publishing, 2005.DERRIDA, Jacques. Donner les temps: 1. La fausse monnaie. Paris: Éditions Galilée,1991.*DOUGLAS, Mary. O mundo dos bens, vinte anos depois. Horizontes Antropológicos, ano13, n. 28, p. 17-32, Porto Alegre, jul./dez., 2007.GENOVESE, Eugene. A economia política da escravidão. Rio de Janeiro: Pallas, 1976.GREGORY, C. A. Savage money: the anthropology and politics of commodity exchange.Harwood Academic Publishers, 1997.HARVEY, David. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudançacultural. São Paulo: Loyola, 1994.JAMESON, Fredric. O pós-modernismo e o mercado. In: ______. Pós-modernismo: alógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática, 2002.MARX, Karl. O Capital. São Paulo: Nova Cultural, 1988.MAUSS, Marcel. Ensaios de sociologia. São Paulo: Perspectiva, 2001.MILLER, Daniel. Consumo como cultura material. Horizontes Antropológicos, ano 13, n.28, p. 33-63, Porto Alegre, jul./dez., 2007.NEIBURG, Federico. As moedas doentes, os números públicos e a antropologia do dinheiro.Mana, v. 13, n. 1, p. 119-151, Rio de Janeiro, abr., 2007.POLANYI, Karl. A grande transformação. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1980.
    • SOUZA, José Otávio Catafesto de. O sistema econômico nas sociedades indígenas Guarani pré-coloniais. Horizontes Antropológicos, ano 8, n. 18, p. 211-253, Porto Alegre, dez., 2002. STRATHERN, Marilyn. O gênero da dádiva: problemas com as mulheres e problemas com a sociedade na Melanésia. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2006. THÉRET, Bruno. Os três estados da moeda: abordagem interdisciplinar do fato monetário. Economia e sociedade, v. 17, n. 1 (32), p. 1-28, Campinas, abr., 2008. THORNTON, John. A África e os africanos na formação do mundo atlântico. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004. WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Pioneira, 1994. *Edições em espanhol disponíveis: HERSKOVITS, Melville. Antropología económica. Ciudad de México: Fondo de Cultura Económica, 1954. DERRIDA, Jacques. Dar (el) tiempo: 1. La moneda falsa. Barcelona: Ediciones Paidos Iberica, 1995.Filme utilizado: The Corporation Direção: Mark Achbar, Jennifer Abbott e Joel Bakan País: Estados Unidos Ano: 2003