Loading…

Flash Player 9 (or above) is needed to view presentations.
We have detected that you do not have it on your computer. To install it, go here.

Like this presentation? Why not share!

Características estáticas e dinâmicas da oclusão normal

on

  • 19,131 views

ortodontia

ortodontia

Statistics

Views

Total Views
19,131
Views on SlideShare
18,919
Embed Views
212

Actions

Likes
4
Downloads
482
Comments
2

6 Embeds 212

http://ortodontico.blogspot.com.br 149
http://ortodontico.blogspot.com 52
http://ortodontico.blogspot.mx 4
http://www.ortodontico.blogspot.com.br 4
http://ortodontico.blogspot.pt 2
http://www.ortodontico.blogspot.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

12 of 2

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Oclusão.É preciso levá-la a sério na odontologia, assim muitas pessoas poderão ter uma mastigação digna em sua 3ª idade, inclusive ...Eu mesma.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • aos meus colegas especialistas em ortodontia, uma breve e atual opinião sobre os miniimplantes.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Características estáticas e dinâmicas da oclusão normal Características estáticas e dinâmicas da oclusão normal Presentation Transcript

    • Características Estáticas e Dinâmicas da Oclusão Normal
      Aula Teórica 12/11/2010
      ProfªRahelle Simões Reis
    • Introdução
      Características estáticas e dinâmicas da oclusão ideal
      DIAGNOSTICO
      VISAO COMPLETA DE UMA OCLUSAO NORMAL
      DENTADURA DECIDUA E PERMANENTE
      CIENCIAS BIOLÓGICAS  CONCEITO DE NORMALIDADE?
      (avaliar o que é normal ou não dentro dos conceitos de normalidade, analisar variações anatômicas aceitáveis!)
    • HISTÓRICO
      ANGLE 1899  classificou as más oclusões, abordagens estáticas
      LICHER 1912  classificou os dentes individualmente (linguoversao, vestibuloversao, etc...)
      LAIROTZEM 1974  dividiu as más oclusões em morfológicas e funcionais.
      (paciente com boca fechada não aparenta a má ocluão presente, ou seja a má oclusão só pode ser detectada quando submetida a movimentos mandibulares funcionais.)
      DTM
      • Origem multifatorial
      • Principal = stress
      MÁ OCLUSAO MORFOLÓGICA
       Não pode ser tratada com a finalidade de prevenir ou curar as DTM´s.
    • Entretanto, iniciando um tratamento ortodôntico, independente do motivo , é imprescindível que os conceitos de oclusão funcional e estática sejam respeitados.
      OCLUSAO FUNCIONAL E ESTÁTICA IDEAIS
      MCLAUGHLIN 1976;
      Contribuem para a função equilibrada do sistema estomatognatico durante os movimentos mandibulares.
      A integração dos conceitos de oclusão funcional a especialidade ortodôntica acrescentou nova dimensão a este campo e propiciou aos pacientes uma qualidade mais elevada nos tratamentos.
    • OCLUSAO FISIOLÓGICA ESTÁTICA
      Posição fisiológica de repouso
      Posição fisiológica da mandíbula na qual ela esta separada da maxila por uma distancia mínima (2-3 mm), dependente da contração muscular necessária para resistir a ação da gravidade.
      Pacientes Verticais  forçam a boca para ocluir os dentes, então, há uma perda da estabilidade oclusão.
      Nestes pacientes com padrão muscular alterado, que não querem fazer cirurgia, a possibilidade de recidiva é muito grande.
      OCLUSÃO DINÂMICA
      Corresponde as varias posições da mandíbula em movimento, sem contato dentário. (protrusão, retrusão e lateralidade)
      OCLUSAO = FECHAR PARA CIMA
      OC = PARA CIMA
      CLUEDERE = FECHAR
    • OCLUSAO CÊNTRICA ou MIH
      Máxima intercuspidação dentaria, estando a mandíbula ESTATICA
      RELAÇÃO CENTRICA
      Posição da mandibula mais retruida, relação onde o condilo mandibular se relaciona com a fossa mandibular, onde há a possibilidade de se realizar todos os movimentos mandibulares sem exigir força pelo paciente.
      OCLUSAO IDEAL X OCLUSÃO NORMAL
      O conceito de normalidade em um sistema biológico pressupõe um intervalo fisiológico de adaptação, em torno de valores considerados normais, com ausência de seqüela patológica. (RAMFJORD e ASH; 1984)
      O conceito de OCLUSAO IDEAL estabelece critérios onde não há necessidade de adaptação neuromuscular, e a saúde do sistema estomatognatico é perpetuada por meio da função IDEAL.
      (QUASE UTOPIA, nesta vida existem poucas coisas perfeitas, com exceção das criações do Senhor).
    • OCLUSAO CENTRICA X DENTADURA PERMANENTE
      Os dentes em oclusão central devem ser observados por suas faces vestibular, proximal e oclusal.
      ASPECTO VESTIBULAR
      Todos os dentes de um arco ocluem com dois do arco oposto, exceto os incisivos centrais inferiores e os terceiros molares superiores
      A distancia mesiodistal dos dentes superiores é maior que a dos dentes correspondentes inferiores, ate o segundo premolar a partir do primeiro molar esta relação se inverte.
      Os dentes superiores sobrepassam os inferiores por vestibular.
      ASPECTO PROXIMAL
      Trespasse horizontal da borda incisal dos dentes superiores sobre os inferiores e das cúspides vestibulares dos posteriores em relação aos inferiores
      Normalmente há um aumento do trespasse horizontal e uma diminuição do vertical quanto mais distal é a posição observada no arco.
    • ASPECTO OCLUSAL
      • Relação de contato entre os dentes superiores e inferiores
       Local onde as pontas de cúspides descansam nos dentes antagonistas
      RELAÇÃO CÊNTRICA NA DENTADURA DECÍDUA
      Os dentes superiores ultrapassam vestibularmente os inferiores.
      Possuem uma inclinação axial muito pequena, praticamente vertical.
      Os incisivos e caninos com uma dimensão mesiodistal maior que a dos inferiores, apesar disto, a face distal dos segundos molares superiores terminam em um mesmo plano vertical: dimensões dos molares inferiores são maiores.
      Os primeiros molares permanentes ao irromperem tomam contato cúspide com cúspide, seu correto contato ocorrera quando houver queda dos segundos molares decíduos.
    • RELAÇÃO DISTAL DOS SEGUNDOS MOLARES DECIDUOS
      Degrau distal = classe II sempre
      Plano terminal reto = CLASSE II ou CLASSE I
      Degrau medial = CLASSE III
      Espaço disponível de NANCE = LEE WAY PACE
      Arco sup. 0,9mm
      Arco inf. 1,7mm
      Espaço mesiodistal presente entre 1 e 2 molares decíduos que antecede e servirá para acomodar os premolares.
    • FASES DA DENTADURA MISTA
      PRIMEIRO PERIODO TRANSITORIO
      PERÍODO INTETRANSITORIO
      SEGUNDO PERIODO TRANSITORIO
    • FATORES QUE PODEM ALTERAR O ESTABELECIMENTO DA RELAÇÃO MOLAR NORMAL
      1) O crescimento da maxila e da mandíbula nos sentidos vertical e horizontal
      2) Padrão e seqüência de erupção
      3) Presença de hábitos bucais deletérios
      4) Perda precoce de dentes decíduos
      5) Quantidade de espaço disponível de NANCE
    • OCLUSAO NORMAL
      Dentes corretamente ordenados no arco
      2) Harmonia com todas as forças estáticas e dinamicas
      3) Gengivas saudáveis
      4) Oclusão cúspide e fossa ideais
      5) Contatos proximais justos e coordenados.
      6 CHAVES DE OCLUSAO DE ANDREWS
      Relação INTERARCOS: relação molar,pre-molares e caninos. (vertente distal da cúspide distovestibular do primeiro molar superior com a superfície mesial da cúspide mesiovestibular do segundo molar inferior); COLOCAR DESENHO ILUSTRANDO OCLUSAL LATERAL DA BOCA...
      Angulação coronária
      linha que passa pela coroa e raiz dentaria, o que configura uma curva de convexidade anterior necessária a estabilização de cada dente, e, da arcada em conjunto.
      raízes estão distalmente às coroas;
      paralelismo das raízes;
      guias de desoclusão;
    • PERGUNTA DE PROVA
      Em quais pacientes podemos alterar as angulações (descritas como normais) para obtermos uma engrenação entre os dentes aceitável?
      R: pacientes submetidos a tratamentos COMPENSATÓRIOS em que necessitariam de CIRURGIA ORTOGNÁTICA.
      3. CHAVE INCLINAÇÃO DAS COROAS
      Torque, vestibular ou lingual das coroas.
      4. AUSENCIA DE ROTAÇÕES
      Um dente girado ocupa maior espaço no arco, sendo assim simulando um resultado falso positivo para DISCREPANCIA DE BOLTON
      5. AUSENCIA DE DIASTEMAS
      Incisivos  contato proximal proximo a borda incisal
      Posteriores  contato proximal proximo as cristas marginais
      6. CURVA DE SPEE (superior e inferior com angulação suave ou ausente.)
    • DISCREPANCIA DE BOLTON
      Diferença entre o volume de massa entre os dentes superiores e inferiores;
      Podemos nos deparar com:
      • Sobremordida
      • Classe I de molar e classe II ou III de canino
      • Mordida cruzada em um único segmento ou dente
      • Mordida de topo
      • Para não nos depararmos com tais problemas necessitamos de aumentar os dentes (REANATOMIZAR ) ou realizar DESGASTES compensatórios com discos diamantados onde houver o excesso.
    • GUIA ANTERIOR
      Guia de desoclusão anterior onde em MIH não há nenhum contato anterior, servindo de guia para deslize entre protrusão e retrusao. Há uma desoclusao em média de 2mm na região posterior.
      Guia canino a desoclusao é feita durante a lateralidade pelo canino, ou na ausencia deste, é feita em grupo, pelos prés-molares ou até molares, dependendo do caso.
      • O guia anterior desfavorável, contribui para a perda óssea alveolar e mobilidade dentária quando existem forças excessivas e susceptibilidade periodontal. (ROSS, 1974).
      • SOBREMORDIDA = desoclusões posteriores exageradas, impondo maiores esforços musculares durante o movimento protrusivo gerando oclusão inadequada.
    • OCLUSAO ESTÁTICA
      6 chaves da oclusão
      OCLUSAO DINÂMICA
      Posição estática dos dentes
      Posição condilar
      Movimentos mandibulares
      Oclusão mutuamente protegida (anteriores protegem os posteriores durantes movimentos protrusivos e os posteriores protegem os anteriores durante o fechamento.
      Ausência de contatos prematuros
    • A ORTODONTIA E OS PRINCIPIOS DA OCLUSAO
      A RC é uma posição que permite o ortodontista relacionar a oclusão, as articulações temporomandibulares e o sistema neuromuscular
      A RC forçada é uma posição terminal, portanto pequenos desvios de RC para MIH podem ser aceitáveis na finalização ortodôntica.
      OCLUSAO IDEAL = oclusão aceitável
      Desgaste seletivo
      Função em grupo
      MAS....
       NÃO BASTA UMA OCLUSÃO ESTÁTICA E FUNCIONAL ADEQUADAS...
    • ESTABILIDADE POS TRATAMENTO ORTODONTICO
      • Tipo de ma oclusão tratada
      • Presença de rotações
      • Realização ou não de cirurgia ortognatica
      • Padrao de crescimento do indivíduo
      • Alteração da forma do arco ( grau de expansão)
      • Crescimento facial pós tratamento
      • Remoção gradativa de mecânicas de retração ou elásticos intermaxilares
      • O equilíbrio entre as forças exercidas pelas bochechas , língua e lábios durante a deglutição, mastigação e fala determina a posição dentaria final e define a estabilidade de qualquer tratamento.
    • Pacientes que apresentam doenças degenerativas de condilo ou de articulação temporomandibular possuem maior possibilidade de REICIDIVA.
      REALIZAR a manipulação da mandibula para detecção de DTM antes da finalização.
      Diferença aceitável entre RC e MIH é de apenas 2mm
      OBTENÇÃO DA RC NO TRATAMENTO?????
      • Dentes em suas devidas e respectivas posições para obter a RC.
      • FILOSOFIA ROTH
      Estabelecimento das 6 chaves de oclusao com mandibula em RC
      RC=MIH é um dos principais objetivos da correção ortodôntica.
      A posição do eixo terminal deve ser encontrada antes de iniciar o tratamento ortodôntico, sendo essencial para a finalização dos casos em RC
      Colocação de uma placa desprogramadora, registros em articulador para se saber se realmente a oclusao ideal foi obtida e coincidente com RC.
    • OCLUSAO IDEAL
      Aspectos morfológicos, funcionais, estéticos e estabilidade do tratamento.
      RESPEITAR
      Variações oclusais
      Capacidade adaptativa
      TERAPIA OCLUSAL
      Mais individual
      Não é pré-concebida para todos os pacientes, mas sim individual para aqueles casos com sintomatologia de DTM.
      AJUSTE OCLUSAL
      Nunca finalizar com contato prematuro ou interferência oclusal, sempre realizar o ajuste com carbono e verificação da oclusão funcional.
      fim