Literatas                       Não conhecemos o preço da palavra. Envie esta revista a um amigo                          ...
2    BLA BLA BLA   Exero 01, 5555    Terça-feira, 18 de Outubro de 2011                                    https://literat...
Exero 01, 5555   BLA BLA BLA      3 Terça-feira, 18 de Outubro de 2011                                                 htt...
4    BLA BLA BLA     Exero 01, 5555    Terça-feira, 18 de Outubro de 2011                                                 ...
Exero 01, 5555    BLA BLA BLA   5Terça-feira, 18 de Outubro de 2011                                    CRÓNICA / CONTO    ...
6    BLA BLA BLA     Exero 01, 5555    Terça-feira, 18 de Outubro de 2011                                                 ...
Exero 01, 5555     BLA BLA BLA         7    Terça-feira, 18 de Outubro de 2011                                            ...
8   BLA BLA BLA    Exero 01, 5555Terça-feira, 18 de Outubro de 2011                                                   http...
Exero 01, 5555   BLA BLA BLA   9 Terça-feira, 18 de Outubro de 2011                                         https://litera...
10    BLA BLA BLA   Exero 01, 5555 Terça-feira, 18 de Outubro de 2011                                    https://literatas...
Revista literatas   edição 14
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Revista literatas edição 14

611

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
611
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Revista literatas edição 14

  1. 1. Literatas Não conhecemos o preço da palavra. Envie esta revista a um amigo Literatas agora é no SAPOSai às Terças-feiras literatas.blogs.sapo.mz Encontre-nos no facebook Literatas Revista de Literatura Moçambicana e LusófonaDirector editorial: Eduardo Quive * Maputo * 18 de Outubro de 2011 * Ano 01 * Nº 14 * E-Mail: kuphaluxa@sapo.mz pOETA DA VERDADE MIA COUTO Pág. 6 pREMIADO
  2. 2. 2 BLA BLA BLA Exero 01, 5555 Terça-feira, 18 de Outubro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 2Em primEiraMia Couto recebe prémio Eduardo Lourenço FOTO: WEbO escritor moçambicano, Mia Couto foi distinguidocom o Prémio Eduardo Lourenço, atribuído peloCentro de Estudos Ibéricos. Os galardões são dadostodos os anos a personalidades ou instituições cujaintervenção no âmbito da cooperação e da culturaibérica seja relevante.Esta foi a primeira vez que o prémio saiu da Ibéria“indo até ao Índico”, já que o escritor é moçambi-cano. Quem o disse foi João Gabriel Silva, reitorda Universidade de Coimbra, membro do júri queelegeu Mia Couto.O escritor e também biólogo moçambicano foidistinguido graças à sua obra que o torna numa“referência cultural do espaço lusófono, num inter-locutor privilegiado e potenciador do diálogo plurale aberto que importa aprofundar com o mundoibero-americano”, refere o comunicado do CEI.As obras de Mia Couto encontram-se publicadasem cerca de 22 países, dos quais oito são países delíngua portuguesa e latino-americanos (Portugal,Brasil. Angola, Moçambique, Espanha, Argentina,Chile e México). edrática jubilada da Universidade de Coimbra na área algumas obras poéticas.Desta forma, Mia Couto torna-se o “principal da Cultura Greco-Latina, entre outros.mensageiro africano da lusofonia nos espaços de Além do reitor da Universidade de Coimbra, oexpressão ibérica, funcionando a sua obra literária O Prémio será formalmente entregue a Mia Couto no dia júri que hoje decidiu a atribuição do Prémio Edu-como importante estímulo ao diálogo, uma ponte 26 de novembro, na Guarda, por ocasião das comemo- ardo Lourenço 2011 era formado pela vice-reitoraaberta à cooperação cultural entre África, Europa e rações do 11º aniversário do CEI, informa a Lusa. da Universidade de Salamanca (Espanha), NoémiAmérica Latina”, continua o comunicado. Dominguez, pelo presidente da Câmara da Guarda, Joaquim Valente, por José Joaquim Gomes Cano-O Prémio Eduardo Lourenço é uma homenagem ao Mia Couto é especialmente conhe- tilho e Maria de Sousa (Universidade de Coimbra),mentor e diretor honorífico do CEI, o ensaísta Edu- Antonio Colinas e Juan Carlos Mestre (Universidadeardo Lourenço. Atribuído há cinco anos, já nomeou cido pelos seus contos, mas é também de Salamanca), entre outrosa Pianista Maria João Pires, o Poeta espanhol ÁngelCampos Pám e Maria Helena da Rocha Pereira, Cat- autor de romances, crónicas eMaputo capital da poesia em Novembro Entretanto, termina nesta semana o processo de recolha dos poemas que estarão em exposição.A cidade de Maputo, capital politica e económica do da poesia moçambicana e valorizar o legadopaís, passará, a partir de Novembro, a ser a capital da poético nacional; dar ênfase ao papel social dapoesia. Jovens do Movimento Literário Kuphaluxa literatura no que tange à intervenção dos literatosvão “invadir” o território de David Simango, com a na participação para a mitigação de problemassua autorização e vão pendurar nas árvores cerca sociais; chamar a atenção para a valorização dasde 300 poemas seleccionados de escritores inici- artes e cultura e a necessidade do envolvimentoantes e consagrados de Moçambique, num projecto da sociedade para tal.denominado “Poesia nas Acácias”. Ainda no âmbito do mesmo evento, será realizadoO evento, decorre no âmbito da celebração do um show de poesia no correcto do Jardim Tunduro,segundo ano de existência, do referido movimento no dia 12, intitulado “Revivendo o M’saho”, come dos 124 anos da cidade de Maputo. recitação dos poemas em exposição pelos seus“Poesia nas Acácias” terá lugar de 10 a 12 de Novem- autores e convidados, além da música que se farábro próximo e ocupará as árvores da Rua da Rádio e presente no evento.do Jardim Tunduro na cidade de Maputo. Para a realização deste evento, até ao momento,De acordo com os representantes do Movimento o Movimento Kuphaluxa, conta com o apoio doKuphaluxa, este projecto visa, essencialmente, incutir Conselho Municipal da Cidade de Maputo (CMCM)nos jovens os hábitos de leitura, abrindo espaços e do Banco Comercial e de Investimentos (BCI)alternativos para o efeito; promover novos autores
  3. 3. Exero 01, 5555 BLA BLA BLA 3 Terça-feira, 18 de Outubro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 3Em primEira Literatura e Jornalismo em Moçambique* Calane da Silva e Nelson Saúte criaram essa necessidade de se voltar a contar histórias na imprensa como era antigamente.Com “O Olho de Hertzog”, de João Paulo Borges Coelho, No entanto, se até ao início dos anos 90 a imprensa notícia. Nesse item as duas “artes” equiparam-se como diz o autor deque é também historiador, voltámos para uma cidade de serviu como a principal plataforma da literatura, não “Os Habitantes da Memória” e acredita que uma boa literatura retrataLourenço Marques depois da Segunda guerra Mundial. A só emprestando autores como também dando largos o seu tempo.imprensa fervilhava com João Albasini no seu fato bran- espaços nos jornais, agora, segundo Calane da Silva e “Tanto jornalismo como literatura dão notícias. Se é um facto que oco a caminhar pelas ruas da baixa da cidade, depois de Nelson Saúte, ela demitiu-se. jornalismo, objectivamente noticia ou dá a conhecer o que aconteceuescrever mais um editorial “pró -igualdade”. A imprensa “Há muitas lacunas. Infelizmente, havia uma tradição num dado momento, não é uma inverdade de todo que a literaturaera forte e os jornalistas confundiam-se com escritores que devíamos ter continuado, porque nada impede também dá notícia. José Capela dizia, há anos, que não havia melhor(ou era o contrário?). que o façamos. Páginas de cultura tentam colmatar, mas fonte do que a literatura para se ter notícia de uma certa época. A boaNa história da escrita nacional, a literatura e a imprensa páginas de artes e letras foram sempre fundamentais, literatura é aquela que conta sobre a época que retrata e fazer isso ésempre se confundiram como um só. No XXIII Curso de não só para divulgação como também para a motivação fazer notícia desse tempo.”Literatura em Língua Portuguesa, organizado pelo Insti- desta arte nobre”, disse Calane. Alguns géneros jornalísticos, diz o poeta, podem fazer uma inter-tuto Camões e pela Faculdade de Letras e Ciências Soci- Se Calane fez uma caminhada histórica desde o surgi- cessão com a literatura. Um desses géneros é a crónica, que “é poucoais da universidade Eduardo Mondlane, onde se discute mento da imprensa em Moçambique, passando pelo trabalhada hoje na nossa imprensa”. Nos finais dos anos 1980, até os“Literatura e jornalismo: as fronteiras (in)visíveis da es- advento da literatura até esse abandono, mostrando princípios dos anos 1990, o jornal Notícias – conta Saúte - tinha umacrita”, voltou-se a olhar para esses limites. os grandes senhores que estiveram nos dois campos, série de cronistas da última página que eram os escritores mais impor-Fomos ver a apresentação de dois escritores que se con- Nelson Saúte optou por mostrar as diferentes correntes tantes, entre eles Mia Couto, de onde saiu aquele livro “Cronincando”.fundem com jornalistas, Calane da Silva e Nelson Saúte, jornalísticas que se confundem com a literatura. No mesmo jornal tinha também um espaço na terceira página, dedi-que levaram os presentes a espreitarem a história da Nelson Saúte foi buscar uma lista de jornalistas que venceram cado aos mais novos, onde ele surgiu ao lado de outros como Sulei-literatura, ao mesmo tempo que visitavam, comparati- Prémio Nobel de Literatura para fazer essa ligação. Calane mane Cassamo e Hélder Muteia. “No fundo, aquilo que praticamos eravamente, as redacções actuais. Da Silva falava da “Imp- também tinha feito o mesmo, mas preferiu mostrar os que metade jornalismo, metade literatura. Era um pouco na boa tradiçãorensa Moçambicana no Advento da Literatura Moçam- construíram os dois campos e a história não consegue os tirar da crónica literária,” conclui.bicana”. Saúte optou por pedir emprestado a ideia de de um ou de outro lado. O outro género que para Saúte se cruza com a literatura é a reporta-Baptista-Bastos de “jornalismo é uma disciplina superior Porque estamos a falar de Nobel, Saúte apelou à sua gem. “ O Calane (da Silva) e o Ricardo Rangel foram precursores emda literatura”, e apresentou “Jornalismo: escola superior memória para reproduzir uma entrevista que surgiu no Moçambique de um género que é muito importante no jornalismode literatura”. “Paris Review”. e que é muito importante para os escritores, que é a reportagem. ACalane da Silva pegou-se à história para mostrar o con- “O jornalista perguntou a um célebre escritor o seguinte: reportagem é o género dos géneros, permite a discrição, permite aná-tributo da imprensa para o advento da literatura moçam- ‘Sugeria a um escritor jovem que trabalhasse num jor- lise, permite incluir dentro do texto um conjunto de possibilidades. Asbicana. Como escrevemos antes, os precursores da litera- nal? Que importância teve a sua formação no The Kan- reportagens que eles faziam nos anos 1970 sobre a situação da prin-tura moçambicana confundem-se com jornalistas. Mas, sas City Star?’ Esse escritor respondeu: ‘No Star éramos cipalmente chamada cidade de caniço, hoje seriam peças literárias,de acordo com Calane, que não haja dúvidas: a literatura obrigados a aprender a escrever uma frase declarativa porque havia um investimento de escrita muito importante...”vem da imprensa. simples, o que é útil para toda a gente. O trabalho de Nelson Saúte foi olhando para os diferentes cantos para descobrir,Em relação a Moçambique, não há duvidas que foi a imp- jornal não prejudica um jovem escritor e pode mes- nos Estados Unidos dos anos 1960, o surgimento de novo jornalismo.rensa que criou condições para advento de uma literatu- mo ajudá-lo se ele sair de lá a tempo.’ Quem disse isso” “Novo jornalismo alicerçava-se nas técnicas da literatura com dis-ra escrita em língua portuguesa. É claro que a literatura – revela mais tarde Nelson Saúte – “chamava-se Ernest crições pormenorizada de cenas, incorporando diálogos e o ponto demoçambicana tem como origem a nossa literatura oral, Hemingway, prémio Nobel de literatura em 1964, que vista dos personagens na captação da realidade. Eram peças literáriasmas tem uma parte das literaturas portuguesa e outras”. elevou a narrativa mundial com técnica ligada ao jor- fabulosas, mas também eram peças jornalísticas. Eram as duas coisas,A história pode ter tido o seu início em 1854 quando, nalismo. A sua técnica é de frases curtas. É também um justamente, porque permitiam um entendimento aprofundado da re-acredita o autor de “Xicandarinha na Lenha do Mundo”, mestre no diálogo.” alidade”.se montou a imprensa em Moçambique. Alguns escritores moçambicanos, segundo Nelson Saúte, são No entanto, entre os anos 1950 e 1960 surgiu uma outra corrente que“Havia possibilidade imensa de imprensão de livros e influenciados por Ernest Miller Hemingway, “um deles que se confunde, de acordo com Saúte, com o novo jornalismo, que é opublicação de jornais com páginas onde as pessoas iam confessava nos anos 80 a importância de Hamingway, princi- chamado jornalismo literário ou jornalismo de autor, ou ainda reporta-bebendo um bocado da cultura literária. É verdade que palmente no diálogo, é Ungulani Ba Ka Khosa.” gem de ensaio. Este usa também técnicas de literatura na captação,não eram todos os moçambicanos, eram portugueses. Ao entrar para o campo de “comparações” Saúte diz que do redacção, edição de reportagem e ensaio. Para Saúte, este é um jornal-Mas, à medida que o tempo ia passando, mais moçam- jornalismo se pode aprender a contar. A ideia não é nova. ismo que tenta obter uma minuciosa observação da realidade.bicanos aprenderam a ler e a escrever, de tal modo que Muitos autores já definiram o jornalismo como uma arte de “O jornalismo literário permite-nos um grande manejamento da lín-nas duas (primeiras) décadas de século XX já tínhamos contar a história. o jornalismo ensina-nos a narrar, a contar. gua. Um bom jornalista literário ou que pratica um jornalismo de autor“O Brado Africano”, que era um jornal editado por negros “O bom jornalismo é contar uma história, o resto é conversa. é quem domina de forma soberba a língua.”e mestiços.” Enfim, quem não sabe contar uma história não pode ser jor- Ao espreitar para as actuais redacções, Nelson Saúte diz notar um“O Brado Africano” também tinha páginas literárias e nalista. Literatura é justamente a mesma coisa. A divergência prefeito desconhecimento da língua portuguesa, o que torna difícil aassinaram escritores como Noémia de Sousa, Rui de No- que pode haver entre jornalismo e a literatura é que, se cal- prática de jornalismo de autor.ronha e José Craveirinha. har, o jornalismo procura através de alguns protocolos uma “Noto um prefeito desconhecimento da língua portuguesa.“Os meios de comunicação foram um alicerce enorme certa objectividade ao contar essa história. Não é seguro que Uma incrível incompetência linguística. Quem não domina apara a divulgação da literatura. O mais interessante é a consiga, mas persegue. E jornalismo arma-se de algumas língua, quem não sabe manejar as palavras, quem não sabeque se o jornalismo ofereceu grandes nomes para a lit- ferramentas para poder atingir essa objectividade. A litera- trabalhar no universo das palavras não pode praticar este tipoeratura, esta também tem muito a ver com o jornalismo. tura é o reino da subjectividade. Portanto, há aí de facto uma de jornalismo que está na fronteira entre o jornalismo e a lit-Ou seja, a literatura não só por ser cantada, narrada, dec- divergência ou aparente divergência. Mas tanto jornalismo eratura. Quem não domina uma língua, quem não sonha numalamada, também tem um pouco de informação do quo- como literatura contam histórias. E o contar história é uma língua não pode contar. Há histórias fabulosas nos nossos jor-tidiano, tal como os jornais. Ela também apresenta um coisa imanente da condição humana”. nais que são incrivelmente mal contadas.”pouco a alma humana no sentido da sua história, da sua No entanto, o entrar para “o reino da subjectividade” como foi *Título da nossa autoria.subjectividade e objectividade.” definido, não retira de todo a tendência da literatura de dar Texto e Foto: Jornal O País
  4. 4. 4 BLA BLA BLA Exero 01, 5555 Terça-feira, 18 de Outubro de 2011 LITERATURA MOÇAMbICANA 4Nelson Saúte MUNHUANA bLUES NELSON SAúTE Lá nos arrabaldes da minha infância a casa da Munhuana me não resiste apenas também guardo ciosamente na memória NeLsoN sAúTe as histórias da minha avó Angelina esCrITor, jorNALIsTA e comentador político e mantenho o medo moçambicano nascido em 1967, na cidade da ameaçadora visita do Guiguisseca de Maputo. Licenciado em Ciências da Comu- anunciada na varanda da loja do Muchina nicação pela Universidade Nova de Lisboa, enquanto os miúdos do meu bairro foi redactor no jornal Público e no Jornal de todos eles craques Letras. Em Moçambique trabalhou na Rádio desmentiam o talento do Eusébio. Moçambique e na Televisão de Moçambique Ali no Bairro Indígena eu ainda sou - onde é comentarista político - e em algu- aquele rapaz de calção e sapatilhas mas publicações. Exerce também funções de - compradas numa daquelas lojas docente universitário. Como escritor, publicou dos monhés do Xipamanine – várias obras, destacando-se na poesia e em correndo a toda a largura a rua do Zambeze antologias literárias de Moçambique. no dia em que prometeram uma visita ao Jardim Zoológico. eNTre As suas obras destacam-se A Ilha de O baldio que ficava à frente da minha casa Moçambique pela Voz dos Poetas (antologia, foi vítima de urbanização clandestina co-autor com António Sopa, 1992), Antologia e no lugar onde as meninas se despontavam da Nova Poesia Moçambicana (co-autor com para os meus sonhos febris de vate desassumido Fátima Mendonça, 1993), A Cidade Lúbrica e vendiam badjias e matoritoris (poesia, 1998), Os Narradores da Sobrevivência reincide-se na ofensa à memória. (romance, 2000) e As Mãos dos Pretos - Anto- Naquele tempo minha avó reverberava o mito logia do Conto Moçambicano - 2000 (2001). esvoaçando as saias das moças nos bailes Publicou também algumas colectâneas de e as calças bocas de sino dos rapazes do Chaman- entrevistas como A ponte do Afecto (1990) e culo. Os Habitantes da Memória (1998). Foi ali que começou esta minha mania de amar o BrasilMARRAbENTA PARA FANNY MPFUMO TESTAMENTO PARA OS MEUS FILHOS nas vozes do Carnaval da avenida de Angola. O samba da Mafalala também tinha batuques NELSON SAúTE e a folia Índica desta minha Bahia NELSON SAúTE marrabentando os acordes da tua viola. ao Zé Flávio Teixeira Mayisha e Irati: Também cantei e bailei como esta noite este o magro pecúlio que vos deixo neste meu desavisado regresso ao XipamanineFanny Mpfumo cantava I love you so - livros, papéis, sonhos. não só por culpa dos avatares do velho gramofoneeu era menino e nem sabia o que era tindjombo: Poemas para as mulheres e os discos de 45 rotações mas por imposição- ó a va sati valomo! – que amei. Hinos de amor à vossa mãe. da vocação da minha avó Angelinamas já dizia hodi nos quintais contíguos Filhos, só vocês dois. que jamais enfrentou um palco.do meu Bairro Indígena. Depois de mim herdarão o nome Fica para contar aos meus filhos os talentosUnga tlhupheque nkata que ouvia na rádio e a tarefa de perpetuar o que progenitor dos que nos precederam. Minha avó agora nãopor sobre o móvel da sala encetou. Fica para trás uma vida. canta.na casa da minha avó Ilusões, cansaços, combates. Na sua casa ex-madeira e zinco de precária alvenarianomeava todas as mulheres que derrubavam Infrutífero desespero de viver ela deita-se no chãoà passagem os meus inocentes e desprevenidos anos num país apátrida. de cimento queimado e conversa com os ancestraisali na varanda do Muchina. Deixo-vos estes desígnios quase todos eles à sua espera em Ressano Garcia.O king ya marrabenta era suposto de coisa nenhuma. Algum pecúlio Tudo isto agora e sempre nesta noite de sábadoconviver conosco todos os dias. um coração, bondade e alguma fé eu filho legítimo das bangas na geração dos anos 80Também ouvíamos Elisa gomara saia doméstica. Amanhã estes homens a dançar até amanhecer quando no dia seguintenos tempos em que os Djambo 70 conjuravam e mulheres que se festejam tinha folga na minha indesmentida profissãoe o destino dos meus pais não era só na algazarra das vozes e na luz de formador de bicha nas lojas do Povoos míticos bailes da cidade de caniço. de artifício nada terão para vos dizer. ou no talho da Eduardo Mondlane que abria asO mufana que eu era também gostava Oiçam então a voz do progenitor portasmaningue do Gonzana e de todo o conjunto João Domin- que não sucumbe às vozes já com a carne do Botswana esgotada.gos nesta madrugada primeira Mesmo assim as nossas festasMassoriana no palato daqueles tempos. do vigésimo primeiro século. com cervejas à pressão e coca-colasAlgumas vezes ouvia o João Wate Estas vozes digo-vos estarão compradas a muito custoe outros que a memória não acautelou. apagadas pela cinza do tempo pelos nossos meticalizados bolsosO Alexandre Langa foi mais tarde e do esquecimento. incompetentes para adquirirem as montras vaziasque me empolgou – Rosa Maria. Vosso pai afagar-vos-á das cooperativas de consumo parecem ficçãoTínhamos atravessado com a mesma ternura enquanto vivia aos olhos desta juventude.para lá do asfalto e alcandorados estávamos e levar-vos-á a passear pelas ruas da memória Não muito longe do largo João Albasinena Polana onde inaugurávamos a nossa condição com a mesma ilusão que vos alberga nestes anos todos de ausência da Munhuanade habitantes de fogos suspensos, nesta pequena casa que também vos deixa. exilado lá para os lados da zona alta da cidadealcançados mais tarde em obscuras escadas Para trás ficará um tempo quem regressa é aquele menino que eu fuidisputadas por bidões de água mas não ficarão os homens que destroçaram muito antes de conhecer o Alto-Maé dos chinasacartados do jardim Tunduro. a minha geração, meus filhos. quando a Polana era só e apenasMinha avó falava naqueles velhos anos Não ficarão os sonhos e ilusões um vago e improvável aceno do futurodo Artur Garrido, conterrâneo lá de Ressano Garcia. nem a lembrança inconsútil da barbárie. e a Sommerchield adjectivava a quimera.Mais tarde vi Fanny Mpfumo no Scala Espero que resista a honra deste homem Agora meu velho João Domingos retorno- não muitos anos depois no Estrela Vermelha – que está por detrás destes versos e que um dia à minha infância entregue ao prodígio desta noitemarrabentando uma guitarra eléctrica curvados sobre a sua tumba de extenuado sábado nesta pista de dançano frémito do seu amor por Georgina waka Nwamba. vocês digam sem vergonha: Pai e no espanto deste incauto duelo com os velhos mitos.FICHA TÉCNICA Propriedade do Movimento Literário Kuphaluxa Sede: Centro Cultural Brasil-Moçambique* AV. 25 de Setembro nº 1728, Maputo, Caixa Postal nº 1167 * Celulares: (+258) 82 27 17 645 e (+258) 84 57 78 117 * Fax: (+258) 21 02 05 84 * E-mail: kuphaluxa@sapo.mzDirector Editorial: Eduardo Quive (eduardoquive@gmail.com)Coordenador: Amosse Mucavele (amosse1987@yahoo.com.br)Editor - Canto da Poesia: Rafael Inguane (inguane.rafael@hotmail.com)Redacção: David Bamo, Nelson Lineu, Mauro Brito, Izidine Jaime, Japone Arijuane.Colaboradores: Maputo: Osório Chembene Júnior * Xai-Xai: Deusa D´África * Tete: Ruth Boane * Nampula: Jessemusse Cacinda * Lichinga: Mukurruza*Brasil:Balneário Camboriú - Pedro Du Bois * Santa Catarina: Samuel da Costa * Nilton Pavin * Marcelo Soriano * Portugal: Victor Eustaquio e Joana Ruas.Design e páginação: Eduardo Quive
  5. 5. Exero 01, 5555 BLA BLA BLA 5Terça-feira, 18 de Outubro de 2011 CRÓNICA / CONTO 5 FiLosoFonias rapsódicas Um mundo improvisório? MARCELO SORIANO - bRASIL m.m.soriano@gmail.com Nota preliminar: Antes de MIA COUTO - O PAíS prosseguir com este artigo, O que pode parecer lembro ao leitor que me dirijo verdade, no calor das grandes à CPLP (Comunidade dosproclamações, não é sentido como autêntico para grande Países de Língua Portuguesa),parte dos destinatários dessas tão eloquentes mensagens. portanto, podemos encontrarO mundo está feito para ser improvisório. Mas não está feito gerúndios, futuros dopara ser tratado com a arrogância e a falsidade pretérito, expressões etnocêntricas, familiares a certos leitores,Os meus amigos dão-me palavras. E é a melhor prenda que me porém, inusitadas a outros. Oxalá, que esta peculiaridade não sejapodem dar. Eles sabem da paixão que tenho, não exactamentepelas palavras em si mesmas, mas pela possibilidade de pretexto para correções, mas para integrações e enriquecimentosas reinventar ao gosto de cada um. Um dos modos mais léxicos e culturais entre nós. Marcelo Soriano. Santa Maria - RSsimples de sermos felizes é termos essa relação criativa com a - BR. 14/07/2011.língua, que nos disseram ser apenas gramática e ferramentautilitária.Algures em Maputo, amigos meus perguntaram onde [V e r - s Ó I s]podiam encontrar um quarto de banho. Um homem, solícito, Introduçãomostrou-lhe uma dependência que, visivelmente, tinha sidoadaptada para fins que, eufemisticamente, podemos chamar Numa noite acordei para o dia. E outro dia. Outro dia. Sol a sol, fui tecendo o manto da vida, enquanto esperava a morte, que não veio...de “sanitários”. O anfitrião, simpático, julgou ter que dar umaexplicação: - Desculpem, mas este é um quarto improvisório.A palavra é um achado. Sobretudo, porque é uma invençãoanónima. 3º [Ver-sÓ]Mais ainda porque a palavra traduz a condição de quase tudono nosso universo quotidiano: improvisado e provisório. AMADA MI’ATalvez o mundo inteiro necessite de palavras que o nomeiemna sua condição transitória e indefinida. Porque o mundo não AMÁLGAMAé um livro. Não está escrito. MI’AEstá sendo feito, desfeito e refeito em cada momento. Não ANAGrAMAse constrói por linhas, uma por uma. Faz-se de movimentos, NA GrAMAde imprevistos tais que necessitaríamos de imprevisionários ÁGATApara prever o futuro. A GATAHá quem insista que aprendeu a ler o mundo na Universidadeou na carreira dessa nova espécie que dá pelo nome de MIA“analista político”.E daí resultam previsões, prognósticos de absoluta certeza. (CoNTINuA NA prÓxIMA eDIção...)Essas antecipações sucederam, por exemplo, aquando dasmanifestações populares do mundo árabe. Todos os que não ...........................................................................tinham sido capazes de prever o sucedido se apressavam, poeMA DA MANHãagora, a praticar o mais arrojado futurismo.Algumas dessas adivinhações sustentavam cenários prováveis O sol levanta.para todo o continente africano. E é aqui que eu quero chegar: O dia acorda.essa África dos discursos e das percepções é a mesma em toda As aves debandam.a África? O orvalho seca.Os mercenários que ajudaram a proteger Kadafi criaram uma A chaleira chia.situação difícil para os africanos negros que trabalhavam naLíbia. Nas agitadas ruas eles eram perseguidos e espancados, A chaminé fumega.confundidos com os tais mercenários a soldo do regime. Os E, ainda assim,populares líbios chamam estes imigrantes de “africanos”. O meu olharque significa que os líbios, de modo geral, não se consideram desfia lonjuras.africanos. .....................................................................................O que é curioso suceder exactamente na pátria daquele que AMIZADe e poesIA são CoIrMãsreclama poder falar em nome dos “africanos”. (Às memórias dos Poetas Prado Veppo, Antonio Carlos Arbo e Mário Quintana)A África do Norte, essa que uns chamam de África Branca, Tenho bons amigos (continuam amigos), que escreviam como loucos.vê-se a si mesma como africana? Não faço nenhum juízo Os melhores, os mais velhos, os mais loucos, os mais luzentes, já sede valor. Talvez para milhões de pessoas do Norte do nosso retiraram. E uma maneira que encontrei de eternizar suas memóriascontinente a sua condição identitária seja outra: eles vêem- foi manter acesa a chama da amizade. Como? Ora, mantendo minhase como árabes. Essa é a sua pátria, esse é o seu universo de mente acordada, vigilante, escrevendo... Escrevendo... Por eles e por mim. A amizade é coirmã da poesia.identificação simbólica. O que não invalida a construção de ....................................................................outras identidades que nos aproximem de um ideal maiscontinental. O que não invalida, sobretudo, a aceitação de uma FrAse CAIxA ALTA:África com identidade múltipla. Mas os discursos “africanistas”necessitam, sim, de se interrogarem a si mesmos e de evitaram FALAr DeMAIs soBre o AMor, eM poesIA, Não É serrecursos simplistas. O que pode parecer verdade, no calor repeTITIVo, É ser MÂNTrICodas grandes proclamações, não é sentido como autênticopara grande parte dos destinatários dessas tão eloquentesmensagens.O mundo está feito para ser improvisório. Mas não está feitopara ser tratado com a arrogância e a falsidade.
  6. 6. 6 BLA BLA BLA Exero 01, 5555 Terça-feira, 18 de Outubro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 6- discurso dirEctoTudo e mais um pouco sobreValdeck Almeida de Jesus EDUARDO QUIvE - MAPUTOvaldeck Almeida de jesus, um escritor, um jornalista que também serve o estado – funcionário público. Conhecido como exaltador da verdade pelos que tem coragem de viajar pelas suas obras. Falei medo e pode-se pensar que escreve coisas assustadoras, e pode até ser verdade, mas se considerarmos que ele fala de factos verídicos do quotidiano “Heartache poems”, ”Yes, I am gay. so, what? – Alice in Wonderland” obra em que nesta entrevista o escritor chega a dizer que dentre vários assuntos, o autor faz revelações pessoais “Apaixonei-me por muitas pessoas. Desde a professora ao vizinho que nunca soube de minha admiração por ele.”Por outro lado, Valdeck assusta a própria história da sua vida, contada em “Memorial do Inferno. A saga da Família Almeida no jardim do Éden” – “Tanto mostro as coisas boas, quanto as ruins. Nasci em jequié-BA, onde passei muita fome e comi coisa do lixo. Não tive brinquedos, não tive uma casa própria, não tive acesso a uma educação e serviço de saúde mínimos.” pois é, perceba. Se você relaciona minha vida com a publicação deste contra o Feiticeiro”, idem. O título do livro é um cordel, história estamos perante, um escritor de longas livro, pouca coisa mudou. Não sou uma pessoa que se expõe fantástica criada por mim, com uma lição de moral. Este poema fala viagens da vida transmitidas em jeito de pelas ruas, não sou muito de participar de festas e encontros de um casal que procura ficar rico sem trabalhar e faz pacto com o boa literatura. sociais ultimamente, mas na época da publicação eu estava em Satanás para conseguir riqueza. Como nem sempre a riqueza vem todos os cantos, praças, shows musicais. Recebi muitos elogios sem obrigações, o cordel demonstra que enriquecer sem fazereDuArDo QuIVe : Valdeck fale-nos do mistério que norteia o seu e fiquei feliz com o resultado. força também tem consequências. Outros poemas deste livro sãoprimeiro livro o “Heartache Poems. A Brazilian Gay Man Coming CADA LIVro que escrevo é como um capítulo de minha vida. homenagens a pessoas, lugares e parte são reflexões de um jovemOut from the Closet”? trata-se de alguma revelação de alguma Aprendo muito quando estou colocando no papel minhas acerca da incerteza da vida. Esta obra está esgotada, mas é sempreorientação sexual do autor? experiências e falando do que vi e vivi. Sou uma pessoa que muito procurada. Pretendo reeditá-la. Doei alguns exemplares para preserva a tradição, mas ao mesmo tempo eu transgrido regras, a Biblioteca Comunitária do Calabar, bairro pobre de Salvador-BA,VALDeCk ALMeIDA: Bem, os poemas são feitos tanto para homens sem agredir ninguém. Muitas vezes o mais agredido sou eu e a criançada do bairro leu muito meus textos, inclusive teve maisquanto para mulheres e foram criados na minha adolescência, mesmo. O livro foi uma forma de dizer ao mundo o que eu leitores do que Carlos Drummond de Andrade. Fiquei muito feliznuma fase em que muitos jovens estão em busca de respostas para pensava e sentia e isso foi o bastante. No dia a dia, sou pacato, quando Rodrigo Rocha Pita, um dos coordenadores da bibliotecamuitas questões da vida. Apaixonei-me por muitas pessoas. Desde caseiro, saio pouco, a não ser para casa de amigos e encontros me deu a notícia. Fiquei tão feliz que patrocinei dois livros dea professora ao vizinho que nunca soube de minha admiração por literários. O que mudou em minha vida foi a forma de encarar as poesias com crianças do bairro, cujo título é “Abre a boca Calabar”.ele. Todas as reflexões sobre estes sentimentos foram traduzidas situações, os problemas e a tentativa de encontrar soluções. Não Nestas duas obras os poetas mirins falam do bairro, da escola,em poesias, as quais eu paguei para traduzir e publiquei nesta escrevo para chocar ninguém. O que escrevo é o que penso. Se da biblioteca e da vida deles numa cidade rica em cultura e emobra. “Heartache Poems” é um livro-confissão e ao mesmo tempo minha forma de ver a vida escandaliza alguém, o problema não dinheiro e ao mesmo tempo tem bolsões de misérias e bairroscomposto de poemas fantasias, as mesmas fantasias que povoa- está em mim e sim em quem lê e se admira com minha obra. inteiros onde as pessoas passam fome. “Abre a boca Calabar” é umavam minha mente, sobre sexualidade, posicionamentos políticos, forma de denunciar isso. O bairro fica encravado entre prédios deincerteza do futuro, aspirações de trabalho etc. eDuArDo QuIVe: No seu último livro, publicado em 2010, vem vinte e trinta andares, perto de um shopping de luxo e próximo a falar do mesmo assunto referido no primeiro “o ser gay” desta ao circuito do carnaval, por onde circulam milhões de dólares. eDuArDo QuIVe: Como é que o livro foi recebido pela classe vem sendo mais provocador em “Yes, I am gay. So, what? – Alice No entanto, a localidade ficou abandonada desde a fundação, hácrítica literária, social e pelo público em geral? in Wonderland”… mais de trinta anos. sALVADor É tida como a cidade onde tem mais negros fora daVALDeCk ALMeIDA: Uma obra literária sempre carrega muito VALDeCk ALMeIDA: Como disse, eu sou o que sou e não o África. Se nos países africanos a fome e a desigualdade social mas-do seu autor. Este tipo de literatura em que as paixões pessoais faço para escandalizar. Aliás, minha vida é muito discreta, sou sacram muita gente, em Salvador não é diferente. Ali se encontramaparecem muito claras nem sempre são bem vistas, pois muita uma pessoa que paga impostos, cumpre regras, para no sinal pessoas com renda de milhares de dólares e pessoas que vivemgente prefere viver no anonimato, na hipocrisia, vivendo uma coisa vermelho no trânsito, pago minhas contas em dia, respeito a com míseros centavos. A desigualdade é gritante. E o “Abre a bocae dizendo que vive outra. O bom é quando um leitor se identifica vizinhança etc. A literatura em minha vida é uma forma de desa- Calabar” denuncia, de alguma forma, essa injustiça social.com a história, tanto pode valorizar o livro quanto desqualificá-lo. bafar, de transgredir, de gritar para todos que eu sou assim, queComo diz Caetano Veloso, “Narciso acha feio o que não é espelho”. existo. “Alice in Wonderland” é mais um capítulo de minha vida, eDuArDo QuIVe: Em geral, o que o leva a escrever? SempreNesse sentido, para quem gosta de ser exposto ou de aprender algo que passou. Na obra tem muita coisa real, verdadeira, que quis ser escritor? Que influências teve para chegar ao mundo dacom a exposição alheia, o livro é bom; para aqueles que pref- aconteceu comigo, e muita ficção. Há relatos de outras pessoas escrita?erem viver na penumbra, viver de aparências, o livro é péssimo. A que transformei em literatura, e há personagens que nuncacrítica falou muito bem, mas não escrevo para os críticos literários. existiu de verdade. A provocação vem justamente nos relatos de VALDeCk ALMeIDA: O que me leva a escrever é a necessidadeQuando faço uma obra, penso primeiro em mim, em como eu pessoas que nunca teriam coragem de se declarar e me pediram de gritar, de denunciar ao mundo tudo o que vejo. Tanto mostrogostaria de comprar um livro. Depois, penso nos leitores, aqueles para mostrar no livro que elas existem. Outros relatos são de as coisas boas, quanto as ruins. Nasci em Jequié-BA, onde passeique levarão um exemplar para casa. Estes, os leitores, me elogiaram pessoas que vivem vida dupla, de dia são funcionários públicos, muita fome e comi coisa do lixo. Não tive brinquedos, não tive umamuito, principalmente os amigos (risos). Quanto aos inimigos meus advogados, e à noite procuram os prostíbulos, buscam as drogas casa própria, não tive acesso a uma educação e serviço de saúdee da literatura, prefiro que eles se calem e não saibam onde estou. etc... É a literatura retratando a vida real. Minha função é como mínimos. A luta foi grande mas consegui vencer, graças à educa-É mais seguro para todos... daqueles fotógrafos que viajavam pelas cidades do interior, ção que minha mãe me deu. Acredito que tenho compromisso fotografando pessoas onde não existiam esse serviço. com os outros cidadãos, pois não dá para se sentar à mesa paraeDuArDo QuIVe: Na altura em que publica esta obra (2004) comer tranquilamente, enquanto outros irmãos passam fome. Ajá era conhecido na esfera literária da Baia e até do Brasil. Algo eDuArDo QuIVe: Mas logo depois destes temas, vem um injustiça me incomoda muito e escrever é uma forma de estimularmudou drasticamente na sua vida? Valdeck Almeida de Jesus com outra face “Feitiço Contra o Feiti- as pessoas a pensar e a tentar mudar a realidade da vida. Na minha ceiro”, mas escrevendo poesia. E como pode o feitiço virar contra opinião educação é a arma principal que um cidadão tem direito.VALDeCk ALMeIDA: Eu sempre fui uma pessoa muito trans- o feiticeiro? A que nos direccionam os poemas nesta obra? Depois de educado cada um pode escolher alternativas para modi-parente. Quando gosto de algo ou de alguém, eu demonstro ficar a realidade, influenciar para o bem ou para o mal. Não é à toafacilmente. Quando simpatizo, também faço com que a pessoa VALDeCk ALMeIDA: Este livro também é composto de poemas que muitos governantes se “esquecem” de investir em educação da minha adolescência. Eu disse anteriormente que o livro “Heartache Poems” era composto de obras diversas. O “Feitiço
  7. 7. Exero 01, 5555 BLA BLA BLA 7 Terça-feira, 18 de Outubro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 7de qualidade. Com um povo desinformado fica mais fácil controlar o uma nova forma de ver, de fazer política, de conquistar direitos, canos, ampliando as fronteiras do Brasil e aproximando povos depoder e impedir que as pessoas evoluam. Meus escritos lutam contra sem guerras, sem sangue. A arte é uma arma poderosa e se o língua comum.esta tirania que mata muito mais que tiros de canhões. artista souber usá-la, faz uma revolução no mundo. O mundo As INFLuêNCIAs primárias que tive para escrever foram as estórias só existe porque o homem existe e o homem tem direito de eDuArDo QuIVe: Uma das questões a que sempre se dedicou,que minha mãe me contava. Paula Almeida de Jesus era uma mulher modificar o seu habitat. Eu não vou fazer uma obra literária é a divulgação da Literatura Baiana e promoção de novos autores.aleijada das pernas, analfabeta e filha única. Mas apesar de não saber apenas para divertir. Ela (a obra), vai divertir, mas também vai Na sua opinião em que estágio está a Literatura Baiana e, no seuler nem escrever ela tinha uma visão de mundo e uma ética muito ensinar alguma coisa. entender, quais são os que se podem chamar os autores do futurofortes. Sempre me ensinou a respeitar o espaço dos outros, não nessa região?invadir a privacidade alheia, evitar atrapalhar qualquer um. Eu me eDuArDo QuIVe: Que condições considera necessárias para se serrecordo que uma vez, por causa da fome, eu peguei um coco que escritor? VALDeCk ALMeIDA: Eu citei alguns autores baianos numa per-encontrei num quintal aberto. Quando cheguei em casa ela mandou gunta anterior. Há muitos outros. A Baia é um celeiro de cultura.que eu voltasse e deixasse o coco no local onde encontrei. VALDeCk ALMeIDA: Para ser escritor é necessário ser leitor. Eu Aqui florescem poetas, poetisas, cronistas, contistas, romancistas. leio de tudo. Leio jornais, revistas, rótulos de xampus, receita Seria leviano de minha parte dizer que este é melhor que aqueleeDuArDo QuIVe: Ter a poesia como o seu género, foi por opção de remédio e de bolo, embalagens de qualquer coisa. Sou um e que aquele outro vai se sobressair. Quem pode dizer isso são osprópria? Qual é o seu percurso nos géneros literários? consumidor de livros e de revistas e jornais. Um escritor não leitores. Mas nem sempre o valor de um escritor pode ser medido pode ser alheio ao seu meio social, não pode ser isolado do pela quantidade de leitores. Alguns escritores baianos conseguemVALDeCk ALMeIDA: A poesia veio com os cordéis, que são livretos vendidos contexto em que vive. E para isso ele deve participar da vida da patrocínio privado, outros são apoiados pelo Estado, e muitos vãoem feiras livres e expostos em cordas nas praças das cidades do interior do comunidade, mesmo que observando. Deve opinar, denunciar, ficar anónimos porque não concordam com as políticas partidáriasBrasil. Minha mãe nasceu em Amargosa-BA, Recôncavo Baiano. Meu pai nas- criticar, divertir, ser cidadão pleno. Afinal, ele é dotado do poder ou culturais. Posso falar de minha simpatia por Jean Wyllys, Leo Drag-ceuem Santo Antôniode Jesus-BA, na mesma região, onde a cultura popular da palavra e deve se valer disso. one, Renata Rimet, Leandro de Assis todos os que citei na perguntaé muito valorizada. Mamãe foi muito influenciada pela cultura local e passava anterior, pois são pessoas com as quais eu convivo e sei que escrevempara mim muitas das experiências de vida dela, me contava casos e estórias eDuArDo QuIVe: O que considera bom escritor? Que livros você sobre a realidade e eles escrevem com a alma.fantásticas. A poesia veio daí. Veio também de livretos de poesia que eu lê?comprava na escola. A linguagem cadenciada, as rimas e a forma de escrever eDuArDo QuIVe: Quais são os seus planos futuros: na vida pessoalme encantavam. Comecei a querer escrever também do mesmo jeito e fui me VALDeCk ALMeIDA: Leio Jean Wyllys, Carlos Drummond de Andrade, e no âmbito literário?tornando poeta desde os doze anos de idade. Agualusa, Guimarães Rosa, Cora Coralina, João Ubaldo Ribeiro, JorgeDepoIs FuI enveredando pelos contos, durante os anos de estudos na escola. Amado, Renata Rimet, Leandro de Assis, Cymar Gaivota, Miriam de VALDeCk ALMeIDA: Pretendo encontrar um amor para a vida toda,Somente aos quarenta e três anos de idade comecei a escrever romances. Sales, Domingos Ailton, Lima Trindade, José Inácio Vieira de Melo, para compartilhar minha vida e ser minha fonte de inspiração (risos).Comecei descrevendo a história de minha família e depois disso já escrevi Carlos Souza, Roberto Leal, Carlos Antônio Barreto, José da Boa Morte, Sou funcionário público e pretendo continuar, para ter dinheiro paraquatro livros, ainda inéditos. Agora já tenho muitas crónicas e artigos, influên- Leo Dragone, Leandro Flores, Vanise Vergasta, Aline Vitória, Clara Maciel, investir em literatura, sem precisar pedir a governo ou a empresários.cia do curso de jornalismo que fiz. Varenka de Fátima, Aurélio Schommer, Antônio Cedraz, Deomídio Tenho um sonho de fundar uma editora baiana que valorize o autor Macedo, Carlos Ventura, Carlos Conrado, Dé Barrense, Adolf Huxley, baiano, sem deixar de dar espaço a africanos, argentinos etc.eDuArDo QuIVe: Mas logo a seguir vem-nos com prosa em “Memorial do Saramago, Pablo Neruda, Gabriel García Marquez, dentre outros.Inferno. A Saga da Família Almeida no Jardim do Éden”, mas como sempre, eDuArDo QuIVe: Embora vencedor de vários prémios, pensa emdespertando atenção com mais uma história dramática – fome e a miséria eDuArDo QuIVe: O que sabe da literatura de outros países lusófonos, batalhar por mais algum? Qual?por mais de vinte anos na sua família. Fale-me desses vinte anos de fome em particular de Moçambique? Conhece ou admira algum escritor epor si vividos? uma obra moçambicana? VALDeCk ALMeIDA: Meu maior prémio é quando recebo comentáriosVALDeCk ALMeIDA: Este romance foi escrito durante quatro anos. Eu sempre VALDeCk ALMeIDA: Eu conheço Mia Couto, de ouvir falar, mas ainda de leitores. Seja para criticar, seja para elogiar.tive vontade de registar as memórias de minha mãe, os remédios caseiros que não tive oportunidade de ler obras dele. Agora estou conhecendo Escrevo para amigos e inimigos. Quando umaela sabia. Mas nunca consegui parar para ouvi-la, escrever tudo aquilo em Eduardo Quive e mais alguns poetas contemporâneos. Pretendo me pessoa que nunca gostou de leitura pega umpapel e transformarem livro. Eume achava incapaz de fazê-lo. Um belo dia, aproximar mais dos países lusófonos e dos seus autores. Por muitos livro meu, lê e comenta eu fico feliz. Meu maiorvoltando da faculdade, no meio do trânsito, me veio à mente todo o resumo anos o Brasil ficou isolado desses irmãos africanos, não pela distância prémio é este. E é por isto que distribuo livrosdo livro. Quando cheguei em casa fiz um rascunho de umas dez folhas e daí mas pela falta de políticas públicas no sentido de incentivar inter- impressos nos eventos que participo; e é por esteem diante eu escrevia umas cinco páginas por dia. Infelizmente minha mãe câmbios. Não sou de esperar por iniciativas de governos e já estou motivo que coloco minhas obras disponíveisnão viveu para ter o prazer de ver o livro pronto. Mas sei que onde ela estiver me propondo a conhecer Moçambique, Angola, Cabo Verde e outros em PDF, gratuitamente, na internet, para queestá feliz com a obra. países de língua portuguesa. muitos tenham acesso.os VINTe anos de fome me deixaram marcas profundas. Tanto em mimquanto em meus sete irmãos. A gente comia carne podre, catava peixe no eDuArDo QuIVe: Compara-se com algum escritor no mundo? Vejo Que para além de escritor tem outra profissão. Será escrita aesgoto, pegava comida estragada no lixo e dormia com fome muitas vezes. sua profissão principal?Minha família não tinha dinheiro para comprar uma casa nem móveis. Vivía- VALDeCk ALMeIDA: Acho que cada escritor tem seu estilo, sua marcamos de aluguer e quase todo mês o dono da casa nos expulsava por falta de pessoal. Eu não gosto de me comparar, mas ficaria muito feliz se minhas MINHA proFIssão principal é no serviço público. Sou funcionáriopagamento. Era um sofrimento sem fim. Meu pai logo adoeceu e ficou maluco, obras pudessem ser lidas e comentadas pelo mundo todo. Já publiquei do governo federal brasileiro. Gostaria muito de poder viver de lit-foi internado por vários anos em clínicas para loucos. Minha mãe, paralítica, três livros em inglês, justamente para tentar chegar a vários países, eratura, mas isto ainda é um sonho.é que cuidava de tudo. A gente vivia de porta em porta pedindo um pedaço já que a língua inglesa é universal. Tenho meu estilo contestador ede pão, um pouco de feijão ou arroz. Morávamos perto de pessoas também denunciador. Em minhas obras sou irônico e sarcástico. Não sei de o Que você mudaria no mundo se lhe fosse dada a presidênciamuito pobres, que não tinham como nos ajudar. Quase sempre voltávamos outro autor que tenha estas mesmas características nem quero imitar mundial por um dia?para casa sem nada e passávamos o dia com muita fome. À noite, minha mãe ninguém. Se os leitores gostarem do que escrevo, vai ser ótimo. Se nãonos consolava dizendo que no dia seguinte Jesus viria trazer comida. A gente gostarem, infelizmente não vou mudar o meu jeito de ser e escrever A prIMeIrA coisa que eu faria era investir em educação na Áfricaacreditava, mas no dia seguinte ninguém aparecia na porta trazendo algo para agradar ou para vender livros. inteira. Abriria milhares de universidades e cursos de literatura,para saciar nossa fome. A revolta era grande, mas minha mãe sempre estava arteem geral. Aarte liberta.ao nosso lado, nos consolando. Eram dias e noites de tristeza. Muitas vezes eDuArDo QuIVe: Olhando para seu curriculum noto que é “muitaeu ia trabalhar em troca de um prato de comida. E outras vezes, quando eu coisa”, mas em que área específica você se formou? ACHA Que os escritores dos países da CPLP interagem entre si?chegava da escola, tarde da noite, tinha que ir dormir e sonhar com comida,pois não havia nada para comer. VALDeCk ALMeIDA: Sou jornalista por formação concluída em Fever- Não TeNHo informações suficientes para afirmar isso. Mas acho queTuDo Isso eu conto neste livro que faz rir e faz chorar. Muita gente se eiro de 2011. Apesar de ter iniciado vários outros cursos, os abandonei podemos, todos, agir de forma coordenada, a fim de aproximar maisemociona muito com os relatos, pois são verdadeiros e carregam uma carga por problemas de saúde ou porque não me identifiquei com nada os países de língua portuguesa, especialmente os de África.muito forte de emoção. Felizmente este tempo passou e hoje posso ir à padaria daquilo. Coincidência ou não, eu fundei, juntamente com Domingoscomprar pão, ao mercado comprar carne. Agradeço muito a minha mãe, que Ailton e outros colegas de escola, em 1987, o Grémio Livre Dinaelza San- e os livros será que tem espaço de circulação nesses países? O quemuitas vezes se humilhou pelas ruas de Jequié pedindo esmolas para nos tana Coqueiro, primeira entidade estudantil de Jequié após a Ditadura acha que deve ser feito?sustentar e nos manter na escola, o que foi decisivo para que todos os filhos Militar. Neste grémio eu fui também fundador e director de imprensapudessem vencer na vida. do Jornada Estudantil, jornal que denunciava a falta de compromisso ACHo Que o livro deve circular livremente entre os países de fala da escola com a educação. Vinte e quatro anos depois eu me formeiem portuguesa, sem impostos. Talvez até de graça para os países queeDuArDo QuIVe: O que o levou a contar esta história ao mundo? Comunicação Social. Achoque meu destino era ser jornalista. não possam comprar. Mas circular nos bairros, nas praças, não nosSerá pelo facto de ter vencido? gabinetes e palácios. Falar de literatura e de arte é fácil, quando se eDuArDo QuIVe: Notei também que se destaca na colaboração está sentado num trono, numa sala com ar condicionado. O que éVALDeCk ALMeIDA: Eu conto minha história de vida para denunciar na imprensa baiana e brasileira no geral. Qual é a sua relação com o necessário é levar o livro ao leitor, onde ele estiver.a desigualdade social e incentivar aos cidadãos a cobrar dos gover- jornalismo?nantes uma postura respeitosa em relação à população. Escrevo para A propÓsITo, à que país da CPLP você já viajou? E quando é quemostrar que se pode vencer com honestidade, sem envolvimento VALDeCk ALMeIDA: No jornalismo eu tenho compromisso teremos o Valdeck e os seus livros em Moçambique?com drogas ou com armas de fogo. Escrevo para que meu filho e com a ética, com a justiça social, com a defesa dos direitossobrinhos possam se orgulhar da família que tem e para valorizar humanos, com as minorias e com a liberdade de expressão. sÓ CoNHeço Portugal, mas mesmo assim só os pontos turísticos.cada conquista. Escrevo para demonstrar que, se eu não tivesse tido Estas são minhas bandeiras. Quero viajar a Cabo Verde, Moçambique, Angola, São Tomé e Príncipea educação familiar que minha mãe me deu, hoje eu seria um assal- e Timor-leste. Eu desejo ser lido nesses países todos. Moçambiquetante, um assassino, um político corrupto ou um vagabundo a viver às eDuArDo QuIVe: Tem promovido vários concursos literários. está nos planos de minha próxima viagem. Se alguma editora quisercustas da sociedade. Escrevo para mostrar que é possível salvar uma Qual é o objectivo das suas acções? investir, eu abro mão dos direitos autorais por vinte anos, para quegeração da fome, da miséria e da falta de inclusão social. os livros cheguem baratos ou de graça aos leitores. Se você quiser, já VALDeCk ALMeIDA: Meu objectivo é dar oportunidade a posso enviar alguns exemplares para a biblioteca e para o MovimentoeDuArDo QuIVe: Estamos perante um Valdeck Almeida de Jesus que nas muitos poetas que nunca seriam publicados por editoras com- Literário Kuphaluxasuas obras fala-nos de factos reais e da sua vida quotidiana? erciais. Os poetas são malditos porque falam da realidade, sITe Do autor: denunciam injustiças. Ao lado deles estou sempre. E o concurso WWW.GALINHApuLANDo.CoMVALDeCk ALMeIDA: Exactamente. Eu não acredito em arte pura, em abre portas e caminhos para estas pessoas que precisam decoisas sem sentido e sem provocações. Creio que um artista deve ser apoio e divulgação. Desde 2005 os concursos que realizo jámais que um escritor, actor, dançarino. Ele deve mostrar ao mundo publicou mais de 900 textos de poetas brasileiros, portugueses, moçambicanos e angolanos, argentinos, espanhóis, ameri-
  8. 8. 8 BLA BLA BLA Exero 01, 5555Terça-feira, 18 de Outubro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 8no rEcanto dE apoLo... Finalizar O cão raivoso, autor PEDRO DU bOIS - bRASIL material de um crime Recupero a palavra com que finalizo o dito: dos baús entorpecidos em cantos obscuros dos depósitos - vão, desvão, porão, sótão desacordado - retiro a frase reparada no excesso, voo DANY WAMbIRE - bEIRA em ares desconsolados, sei do viver Ouviu-se por todos os cantos da velha palhota, desabitada por alguns tempos, contendas de palavreados pesando acusa- pleno dos enganos: boa tarde,ções abomináveis. Acenou-se um episódio tristonho, naquela tarde fervilhante com árvores adormecidas, mansas, a sono meu senhor, em que posso ajudá-lo;profundo. Ergueu-se uma voz estridente, com sabor amargo, que imobilizava o sangue trilhando veia-a-veia daqueles humanos acoco- reafirmo a crença no gritorados na palhota adentro: da criança: indefeso avançar ao efêmero da idade e refazer ― «Tu mataste o teu enteado» jardins no extremo das flores Ouviu-se assim, com enorme desagrado, na madrasta, a voz da sentença da nhamussoro. O proferido pela nhamussoro veio,de forma categórica, consumar o que se apregoava nos bastidores. no final da sentença cumprida no interregno A Celeste, a madrasta, era a primeira das cinco mulheres de que o Saquene dispunha. As que vieram depois, eram as que a sei estar afunilado o espaço fechadoodiavam por ser primeira e a mais querida. Era uma mulher trabalhadora e dispunha de enorme fecundidade para brotar muitasfilhas. O Saquene honrava em demasia as filhas, pois, obtinha bastante lucro com o lobolo delas. Não se entendia, todavia, o das entradas - meu senhor, sinto muito,intento a ser alcançado pela madrasta ao encomendar um feitiço para o filho da rival. Ademais, a rival da celeste estava divorciadado Saquene, e vivia com outro marido na Beira, deixando o seu filho com a ex-rival. Acusaram a Celeste, mas não a condenaram. a venda de ingressos está cancelada.Tinha que ser feiticeira, porém, apenas pela força do diagnóstico. Tentaram os defensores da Celeste, a acusada, em mudar o rumo dos acontecimentos: intentaram encontrar outra feiticeira para Chama Negraalém da celeste, visto que, ela não tinha razões para cometer aquela propalada barbaridade. Intentaram contrapor o diagnósticoda nhamussoro, mas a mesma nhamussoro insistiu com o mesmo diagnóstico. Não queria ludibriar as pedras divinatórias: eraessa crença que apresentava a nhamussoro. Ligaram, ao fim da tarde, comunicando a mãe do recém-falecido Stinde que viesse da Beira para acompanhar o funeral doseu único filho com o Saquene. O carro para o regulado saía da Beira às cinco horas da manhã, todos os dias. JOSé LUIz GRANDO - ITAJAí No dia viagem, foi a mãe do Stinde apanhar o carro na terminal. Coube ao motorista César, o motorista mais veloz, levar a mãe A chama negrado Stinde para a fazer chegar, a tempo, ao funeral do filho. Alastra-se outra vez e... No início da tarde, a mãe do finado desceu maleavelmente do carro de César. Encontrou na paragem, à sua espera, as vizinhas corpos queimados aparecemdo Saquene para lhe incitar o choro ― as mulheres em falecimento, choram em demasia se forem consoladas durante o choro deixados de lado.natural. Todavia, a encaminharam para casa, o local do início de procissão de funeral do filho Stinde. Escarnece pobre, padece Na hora seguinte, presenciou a mãe do Stinde, a mãe do finado, no quarto em que filho descansava aparentemente. Tencionava pobre.ver-lhe pela última vez. Recordou-se logo, do momento do parto complicado tido com o miúdo, das suas primeiras brincadeiras Engole o vômito dos barbase de outras peripécias marcantes. Informaram-lhe, depois, o sucedido: brancas. Branca depressão onde ― O teu filho Stinde, o teu único filho querido, foi enfeitiçado pela Celeste, a primeira esposa do Saquene, a madrasta de tudo termina no coração.Stinde, porque não queria viver com ele. Delinqüentes, tão jovens, Facultava assim uma das esposas secundárias do Saquene, o identificado e deliberado pela nhamussoro. e ainda inocentes, A hora do funeral chegou, a Celeste não só ficou liberta, por algumas horas, daqueles olhares desconfiados, assim como dos Vendendo seus corpos comopotes de lágrimas, outrora por ela jorradas. eternos Tomaram a esteira velha, agasalharam o pequeno cadáver e prosseguiram com a procissão. Presenciaram na procissão, homens Prisioneiros sem saída.comentando jornadas de bebedeira, de futebol e outras, entretendo-se na multidão. Algumas mulheres acompanhavam o Nada mais inebria, nem acomentário dos homens em farra, e outras expiavam escrupulosamente, a dimensão do choro da madrasta do malogrado. Neblina disfarça a vergonha Chegados ao cemitério, procederam o kuphacha antes de cavar o local da sepultura. Mendigaram, primeiro, a admissão do espalhada como lixomorto na casa dos imóveis para não violarem as margens invioláveis. Se não o fizessem encontrariam, no dia ulterior, o cadáver pelo mundo capitalista.fora da cova da sepultura. Terminado o funeral, já em casa, encontraram alguns técnicos da saúde. Os técnicos de Saúde indagaram se naquela casa Somos Diamanteshabitara um jovem de nome Stinde. Após um diminuto silencio, para se entender a questão, irrompeu uma voz replicando aquestão: ― É este que acabámos de sepultar. A equipa de saúde que obviamente, soubera da saída daquela multidão em algum funeral, soltou duma vez a informação: MUkURRUzA - LICHINGA ― Este jovem foi vitimado pelo cão raivoso que também atacou outras três pessoas anteontem aqui, no regulado. Afinal de contas: o enteado da celeste não foi por ela enfeitiçada, mas sim, empeçonhado com a raiva de um cão vadio. Maseste argumento não convenceu a maioria. É que no regulado se justificava mortes com causas naturais. Até um espectadorchegou a sentenciar: Perdidos, ______________________________ ― Se este cão foi mordido por cão raivoso, então foi a madrasta que mandou este cão. Alegres choramos Somos diamantes. Dany Wambire (pseudónimo de Danito Gimo da Graça Avelino). Nasceu em 1 de Junho de 1989, no distrito de Gostados pelas rosasManica, província de Manica (os seus pais são todos da província de Sofala). Tornou-se órfão bastante cedo, de pai Pelas flores,aos 10 anos, e de mãe aos 12 anos. Desde então cresceu sob custódia da sua tia (Cristina Oliveira Garanhe Massora, Somos a belezairmã mais velha da sua mãe). Em 2008 tornou-se professor no distrito de Machanga, sul da província de Sofala, Nos pulsos lisosdepois de formado pelo Instituto Nacional de Educação de Adultos – Beira (2006-2007). E foi lá onde começou Nos pescoços macios,a escrever, como forma de divertimento e para amparar-se dos vícios. Portanto, escreveu lá o seu primeiro livro Somos diamantes.(inédito), intitulado sugestivamente “Peripécias do Regulado de Esteve”, que tem alguns textos publicados pelojornal O País e O País Online, desde Março de 2011. Este nosso ser Actualmente é professor numa escola primária completa, algures na cidade da Beira, e estudante no 2º ano do curso de Apenas diamantesHistória, na UP-Beira. Somos nós, Diamantes. ERRATA Na edição anterior, esta coluna estava erradamente assinada com o nome de Humberto João e o títuloestava igualmente, erradamente escrito. Portanto, em vez de Humberto João de Lichinga, devia ser, DanyWambire, da Beira e em vez de “O Bebé que nasceu do Abordo” tinha que ser “O Bebé que nasceu deAborto”. Pelo facto, apresentamos as nossas sinceras desculpas ao autor da coluna e aos leitores.
  9. 9. Exero 01, 5555 BLA BLA BLA 9 Terça-feira, 18 de Outubro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 9outras margEns brincanças IzIDINE JAIME - MAPUTO Silêncio SILAS CORREIA LEITE – SãO PAULO Quem são eles? YAO FENG-MACAU Quem somos nós? Onde vamos? Ao cabo Os endereços são estercos Porquê temer a nós mesmos? pusemos o silêncio no centro, como se põe a mesa, Técnica de aproximação comigo mesmo: lesmo ... Olha só como falam do mundo! para a qual nada foi servido. A terra é deles? A morte é uma desaceleração de partículas De quem é terra? O banquete tinha já acabado A quem pertencemos? E, nunca mais, a mesa, A civilização hum ana às vezes é um pé no sacro Porquê viver? deixaremos florir a língua. Porquê nascemos? Fui atropelado pela existência Silêncio. Apenas o canto eventual Somos um projecto? o desperta. Quem nasce morto não nasce Fazemos parte dos seus rituais? O que murmuram os pássaros Porquê questionar? nos ramos do sonho? A terra é o aterro sanitário do espaço, Porquê não questionar? Não sonhamos de novo, onde estão depositados todos os vermes Porquê ver e calar? nesta noite menos nossa. Porquê a realidade e não a verdade? Ainda o silêncio. O vento sopra Sou estrangeiro em meu próprio corpo Porquê nos fazemos ser? a abundância do teu cabelo― o grito, o uivo Silêncios cúmplices têm gerador próprio Dúvidas matam? Não contribuimos para nossa desgraça? Quando o mundo acabar eu volto para Itararé Não morremos no nosso medo? Porque eles e não nós? QUANDO TUDO Porquê nós e não eles? Porquê não eles e nós? COMEÇOU Pagamos pela vida Recebem pela morte bISSAU NãO QUIS LUA E ALMA É para isso que existimos? ACREDITAR Nas pétalas há mãos, dançando ao som dos grilos Decepção ODETE COSTA SEMEDO - bISSAU o silêncio desperta a noite, OCTávIO DINALA - LICHINGA e bem no centro da flor, a vulva... Bissau não quis acreditar beijando a lua num jeito de anunciação, chamamen- Ate quando navegarei neste marto... Com barcos a vela e as vezes ter que remar no que via e ramificam-se gente neste sonho... Não saber para aonde o vento vai-me levar gente que grita alma... mas donde vem esta alma??? Perder as coordenadas por vezes ter que acidentar no que estava a sentir Ate quando navegarei neste mar Tentando ser forte para não chorar Rezando sempre que não ouves o meu grito Bissau despediu-se de seus filhos Como se estivesse sozinho nua deitou-se de bruços Ate quando navegarei neste mar Que já não me mais me quer para receber chicotadas Que quando me olha sorri o meu sofrer Que me olha mas não me vê para receber açoite Leonor Ate quando navegarei neste mar com ramos espinhosos Que me quer naufragar CELSO FOLAGE - MAPUTO Para me matar de nhára-sikidu Ate quando navegarei neste mar Que me quer levar? Bissau não quis acreditar Leonor, bela moça do meu ser Faz-me conhecer a beleza de mulher Faz-me sentir o sentimento interno Faz-me sair a rua a toa Auto-conhecimento MANUSSE JOSé - LUANDA Para ver-te andar de capulana, Leonor Para ver-te sorrir enquanto espalhas o perfume MIGUEL ALMEIDA - PORTUGAL Ao calor do estio rolam-se-me os imp- O perfume exclusivamente seu, apenas a ti pertencen- iedosos pensamentos,te São imprincipiados e infinitos, O perfume natural temperado de doçura Sei o que sou. Doem-me à cabeça, Que quando inalado leva a loucura Sei? Vomito-os, Sei talvez o bastante, Poucos suportam-nos, Loucura que cria em meu coração uma brancura Para não aceitar, ou recusar Quem me ajuda? Disposta a receber as manchas benéficas do seu amor Perante o destino, De certo! que nenhuma criatura. Fixe o seu olhar nos translúcidos olhos meus Que tenho ideias minhas, Infecta-me com a única doença realmente sem cura Pensamentos próprios, que ofereço Galopo montanhas,Leonor Como frutos puros, da minha liberdade. Miro os céus, Doença de te venerar e consequentemente te amar Sei o que sou? Tudo aparenta-se um azul fingido. Sei. Doença de poder sempre te alegrar Sei talvez o bastante, Finjo não pensar, Ao seu lado deixarei de ser apenas sonhador Para perceber, ou entender Rouba-se-me a existência. Deixarei de viver em comunidade com essa dor Perante o acaso, Dor de não poder fazer parte do seu ser Leonor Que estando só, de mim para mim Ah! são eles a minha, As palavras, as minhas escassas palavras São prova do meu existir Vem, vem… Leonor, transformemos sonhos em reali- Exprimem a incerteza, daquilo que poderei vir a ser.dade Expulso-os, Vivamos algo por muitos conhecido, até por poetas Expulsado sou eu,escrito Pois sou existência do meu pensar. O verdadeiro amor Leonor. Espaço para divulgação de poetas dos países LUSÓFONOS. Envie os seus textos para: kuphaluxa@sapo.mz
  10. 10. 10 BLA BLA BLA Exero 01, 5555 Terça-feira, 18 de Outubro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 10 Noites d ´álma Em outras paLavras https://noitesdalma.blogspot.com VII Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus – CRÔNICAS eDIção eM HoMeNAGeM A esCrITores BAIANosManuelito! 1 - O Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus visa estimular novas produções literárias e é dirigido a candidatos de qualquer nacionalidade, residentes no Brasil ou no exterior, desde que seus trabalhos sejam escritos em língua portuguesa. 2 – As inscrições acontecem de 01 de janeiro a até 30 de novembro, através do e-mail valdeck2007@ XIGUIANA DA LUz gmail.com (CRÔNICAS de até 20 linhas, minibiografia de até cinco, endereço completo, com CEP e fone de contato, com DDD). Os textos devem vir DENTRO do corpo do e-mail. Inscrições incompletas serão Passa fome e passa frio. Não tem vizinho. Vive desclassificadas. Vale a data de postagem no e-mail. Não serão aceitas inscrições pelos correios.só. Sem tom nem voz. Ao relento – nas esquinas 3 - A crônica deve ser inédita, versando sobre qualquer tema (exceto apologia ao uso de drogas, conteúdo racista, preconceituoso, propaganda política ou intolerância religiosa ou de culto). Terão do Patrice – como esqueleto. Quando quer é preferências os textos sobre escritores baianos da contemporaneidade. Entende-se como escritores contemporâneos aqueles cuja obra ainda não foi lançada por grandes editoras e que não são con- alegre, mas sempre se entristece. Geme de frio hecidos do grande público. Cada autor responderá perante a lei por plágio, cópia indevida ou outro crime relacionado ao direito autoral. A inscrição implica concordância com o regulamento e cessãolambido pela fome. Anda. Fala. Mas não sente, dos direitos autorais apenas para a primeira edição do livro.nem ouve. Apenas vê. E só vê o que vê. Vê o que 4 - Uma equipe de escritores faz a seleção de apenas um texto por autor. A premiação é a publica- ção do texto selecionado em livro, em até seis meses do encerramento das inscrições. Os escritores quer. Brinca com quem quiser, mas ninguém selecionados devem criar um blog gratuito, após a divulgação do resultado do concurso, para dar visibilidade ao trabalho de todos os participantes. Os casos omissos serão decididos soberanamente é seu amigo. Todos o conhecem, mas ele, a pela equipe promotora. ninguém reconhece. Ás vezes canta, mas não 5 - O autor que desejar adquirir exemplares do livro deverá fazê-lo diretamente com a editora ou com o organizador do prêmio. Os primeiros dez classificados receberão um exemplar gratuitamente. entoa hino nenhum. Os demais podem receber, a critério da organização do evento e da disponibilidade de recursos financeiros. MoDeLo De FICHA De INsCrIção: Manuelito é ninho sem passarinho. Caminho Paulo Pereira dos Santos sem gente. Ngalanga¹ sem dança, terra sem Rua Santo André, 40 – Edf. Pedra – Apt. 201 35985-999 – Portão nação. Vive sem noção. Belo Horizonte-MG (31) 3366-9988, 8877-8999 MoDeLo De MINIBIoGrAFIA: Manuelito não tem razão. Vive sem protecção. Paulo Pereira dos Santos é natural de Santana-PB. Escritor, poeta e jornalista, tem dois livros Mas é gente. Sofre com o que não sente. Chora publicados: “Antes de tudo” e “Até amanhã”. Paticipa de cinco antologias de poesias. Graduado em comunicação social. Menção honrosa em diversos concursos de poesia, tem dois livros no prelo e por quem não conhece. Seu dia não amanhece. pretende lançá-los em 2012. Todos o conhecem, mas a ele, ninguém recon- projeTo puBLICADo No sITe Do pNLL Do MINIsTÉrIo DA CuLTurA hece. Por isso que enlouquece. MAIs INForMAçÕes: Valdeck Almeida de Jesus Manuelito é louco no meu bairro e lúcido em Tel: (71) 8805-4708 E-mail: valdeck2007@gmail.com qualquer lugar! Site do Organizador: www.galinhapulando.com NOTA: NESTE CONCURSO PODEM TAMbéM PARTICIPAR PESSOAS DE OUTROS PAíSES DE LíNGUA PORTUGUESA, INCLUINDO MOÇAMbIQUE, SENDO QUE NA 1. Ngalanga – tipo de ritmo e dança tradicionais. IMPOSSíbILIDADE DESTES EM FALAR DE ESCRITORES bAIANOS, PODEM FALAR DOS CONTEMPORâNIOS DOS SEUS PAíSES.

×