Your SlideShare is downloading. ×
Uma poderosa reconstrução
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Uma poderosa reconstrução

87
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
87
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Uma Poderosa Reconstrução Texto: Ne 1 e 2
  • 2. Introdução: O Salmo 126 retrata o retorno do povo de Deus para a sua terra após o cativeiro por setenta anos na Babilônia. O salmista retrata a alegria pela liberdade, porém retrata também a grande tristeza pela destruição e o grande desafio para reconstruir, quando ele diz que ao levarmos a preciosa semente, mesmo que chorando, traremos com alegria os feixes da colheita. Abaixo princípios usados por Neemias para a reconstrução dos muros, onde podemos tirar preciosos ensinamentos:
  • 3. 1. Saber a situação do que vai reconstruir. “veio Hanani, um de meus irmãos, com alguns de Judá; então, lhes perguntei pelos judeus que escaparam e que não foram levados para o exílio e acerca de Jerusalém. Disseram-me: Os restantes, que não foram levados para o exílio e se acham lá na província, estão em grande miséria e desprezo; os muros de Jerusalém estão derribados, e as suas portas, queimadas” (Ne 1.2,3).
  • 4. 2. Se quebrantar, chorar, indicando valor. “Tendo eu ouvido estas palavras, assentei-me, e chorei, e lamentei por alguns dias; e estive jejuando e orando perante o Deus dos céus” (Ne 1.4). Neemias chorou por causa do valor de sua família, cidade, nação.
  • 5. 3. Conhecer a nossa estrutura. “No mês de nisã, no ano vigésimo do rei Artaxerxes, uma vez posto o vinho diante dele, eu o tomei para oferecer e lho dei; ora, eu nunca antes estivera triste diante dele” (Ne 2.1). Somos carne, temos os nossos limites. Neemias nunca estivera triste diante do rei. Ele recebeu uma notícia que o entristeceu.
  • 6. 4. Precisamos falar para o Rei de nossas limitações, das nossas Tristezas. “e lhe respondi: viva o rei para sempre! Como não me estaria triste o rosto se a cidade, onde estão os sepulcros de meus pais, está assolada e tem as portas consumidas pelo fogo?” (Ne 2.3).
  • 7. 5. Saber com quem conversar acerca de nossas necessidades. Neemias falou com a pessoa certa. Preciso falar com Deus acerca de minhas necessidades
  • 8. 6. Saber que independente da situação, exaltar o Rei. “Viva o rei para sempre” (Ne 2.3). Glorificar, adorar o Senhor em qualquer situação.
  • 9. 7. Saber que o Rei pode suprir todas as necessidades. “Disse-me o rei: Que me pedes agora? Então, orei ao Deus dos céus 5e disse ao rei: se é do agrado do rei, e se o teu servo acha mercê em tua presença, peço-te que me envies a Judá, à cidade dos sepulcros de meus pais, para que eu a reedifique” (Ne 2.4,5). Neemias orou ao Senhor.
  • 10. 8. O Rei se preocupa com o nosso tempo. “Então, o rei, estando a rainha assentada junto dele, me disse: Quanto durará a tua ausência? Quando voltarás? Aprouve ao rei enviar-me, e marquei certo prazo” (Ne 2.6). O meu tempo tem valor par o Rei. O Rei se preocupa com o tempo da reconstrução da minha vida. A minha vida, a minha presença é importante para ele.
  • 11. 9. Podemos pedir ajuda ao nosso Rei. “E ainda disse ao rei: Se ao rei parece bem, dêem-se- me cartas para os governadores dalém do Eufrates, para que me permitam passar e entrar em Judá, como também carta para Asafe, guarda das matas do rei, para que me dê madeira para as vigas das portas da cidadela do templo, para os muros da cidade e para a casa em que deverei alojar-me. E o rei mas deu, porque a boa mão do meu Deus era comigo” (Ne 2.7,8). É ele que nos dá o respaldo, as cartas, o salvo conduta, os recursos para a jornada. Quem anda contigo? Os anjos do Senhor? O pedido tem sido específico?
  • 12. 10. O Rei quer atender o nosso pedido. “E o rei mas deu, porque a boa mão do meu Deus era comigo” (Ne 2.8b). Deus quer nos abençoar e usar aqueles que têm os recursos. “Porque Deus dá sabedoria, conhecimento e prazer ao homem que lhe agrada; mas ao pecador dá trabalho, para que ele ajunte e amontoe, a fim de dar àquele que agrada a Deus” (Ec 2.26).
  • 13. Conclusão: Uma grande alegria pela obra realizada – “No mesmo dia, ofereceram grandes sacrifícios e se alegraram; pois Deus os alegrara com grande alegria; também as mulheres e os meninos se alegraram, de modo que o júbilo de Jerusalém se ouviu até de longe” (Ne 12.43). O Espírito de Deus nos dá alegria ao invés de tristeza.