PAAI/DI - 01 - Apresentação do curso, aquecimento e situamento teórico

  • 613 views
Uploaded on

Apresentação realizada por Marcello de Campos Cardoso em Agosto de 2011 para a disciplina Análise e Design de Interação, ministrada no curso de especialização em Projeto e Arquitetura de Aplicações …

Apresentação realizada por Marcello de Campos Cardoso em Agosto de 2011 para a disciplina Análise e Design de Interação, ministrada no curso de especialização em Projeto e Arquitetura de Aplicações Internet na Faculdade COTEMIG.

More in: Design
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
613
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
23
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso aula 01/08 Apresentação do curso, aquecimento e situamento teórico Projeto e Arquitetura de Aplicações Internet Análise e Design de Interação Marcello de Campos Cardoso | www.mcardoso.com.br | mcardoso@gmail.comFriday, August 26, 2011
  • 2. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Professor Marcello de Campos Cardoso ‣ 6 anos como gerente de produtos na Studio Sol ‣ Especialista em Design de Interação pela PUC MG ‣ Professor na PUC e UNA e Faculdade Cotemig ‣ Sócio/consultor na Latitude14 ‣ Mentor de Usabilidade na Aceleradora ‣ 10 anos de mercado web (2001 - atual) ‣ Coordenador regional da Interaction Design Association (IxDA) ‣ Organizador do Interaction South America 2011 (ISA’11)Friday, August 26, 2011
  • 3. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Ementa Definições e aplicação de Usabilidade, Design Centrado no Usuário e Design de Interação. Metodologia de design baseado no ciclo de vida do produto, com técnicas para o desenvolvimento de produtos digitais interativos tais como: definição de personas, aplicação de questionários e entrevistas, Análise Heurística, User Story Mapping, Prototipação e Testes de Usabilidade. Objetivos Introduzir conceitos e processos essenciais para integração de equipes de criação e desenvolvimento na elaboração de produtos interativos complexos, através da abordagem do Design Centrado no Usuário (DCU). Carga horária: 30h/a (8 encontros)Friday, August 26, 2011
  • 4. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Plano de curso 1ª Introdução a Usabilidade: conceitos, origem (DCU, IHC), aplicação (IxD), tipos de design, metas de usabilidade, princípios de design. 2ª Conversando com usuários: Questionários e entrevistas 15pts 3ª Técnica de Modelagem: Personas ágeis (workshop) 10pts 4ª Separando releases: User Story Mapping 15pts 5ª Projetando a interface: Task Flow + Prototipação rápida (workshop) 10pts 6ª Perguntando a especialistas: Análise Heurística, As 10 heurísticas de 20pts Nielsen (workshop) 7ª Testes de usabilidade (workshop - roteiro) 15pts 8ª Testes de usabilidade (workshop - aplicação) 15ptsFriday, August 26, 2011
  • 5. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Bibliografia SAFFER, Dan; Designing for interaction. Berkeley, New Riders, 2010. PREECE, Jennifer; ROGERS, Yvone; SHARP, Helen. Design de interação: além da interação homem-computador. Porto Alegre: Bookman, 2005. Kuniavsky, Mike. Observing the User Experience. San Francisco, MKP, 2003. COOPER, Alan. About face 3.0 - the essentials of Interaction Design. Indianapolis: Wiley Publishing, 2009 MEMÓRIA, Felipe. Design para Internet – projetando a experiência perfeita, Rio de Janeiro: Campus/Elsevier, 2005. NORMAN, Donald. The design of everyday things, New York: Basic Books, 1988.Friday, August 26, 2011
  • 6. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Referências online www.useit.com www.acm.org www.interactions.acm.org www.upassoc.org www.cooper.com www.slideshare.net/dansaffer www.slideshare.net/LaneHalleyFriday, August 26, 2011
  • 7. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso A vida é permeada de problemas e desafios.Friday, August 26, 2011
  • 8. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Seu Nicolau tem 76 anos, mas é muito ativo. Gosta de fazer suas coisas sozinho, retirar a pensão no banco, visitar vizinhos... Mas nem sempre dá satisfação pra família, e não gosta de usar celular, pois acha “Muito difícil”. A família se preocupa, pois o velhinho tem pressão alta, e gostaria que o Seu Nicolau usasse um celular. Como este celular poderia ser?Friday, August 26, 2011
  • 9. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Que tal um iPhone pro Nicolau?Friday, August 26, 2011
  • 10. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso melhor ≠ mais sofisticado solução simples = solução eleganteFriday, August 26, 2011
  • 11. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso FOCO na demanda REAL.Friday, August 26, 2011
  • 12. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Dona Lucinha adora um cházinho com bolo de fubá, quando recebe as amigas em casa pra falar de novela. Mas a senhorinha tem artrite e ultimamente reclama muito de usar a chaleira. “É pesada meu filho, e machuca minha mão. Quase não consigo virá-la na xícara, fico com medo de me queimar.” Vamos pensar uma chaleira pra ela?Friday, August 26, 2011
  • 13. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso OXO - Good GripsFriday, August 26, 2011
  • 14. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso OXO - Good GripsFriday, August 26, 2011
  • 15. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso de ser melhor para TODOS maior acessibilidade poFriday, August 26, 2011
  • 16. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Mariana tem 5 anos, e queria aprender a cozinhar com a mãe. Sua mãe gostaria que a filha comesse mais legumes, mas não quer ver a filha usando facas. Quase tudo na cozinha é perigoso! “Eu queria que a menina cortasse os rabanetes, batatas, cenouras, mas é perigoso” Vamos pensar um cortador de legumes seguro e interessante?Friday, August 26, 2011
  • 17. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Mushroom Chopper boa solução resolve mais de um problema.Friday, August 26, 2011
  • 18. Análise e Design de Interação / Marcello CardosoFriday, August 26, 2011
  • 19. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso pode ser melhor para TODOS maior acessibilidadeFriday, August 26, 2011
  • 20. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Mário tem 32 anos, trabalha em Betim, mas mora em Belo Horizonte. Todos os dias pega o transporte da empresa às 7 da manhã na Praça da Liberdade e escuta músicas no trajeto. Às vezes divide o fone com sua paquera, Ana Luiza. “Os fios do fone embolam porque são muito separados. Mas se fossem menos separados, também não ia dar pra dividir com a Aninha.” Vamos ajudar o Mário.Friday, August 26, 2011
  • 21. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso YI | Sound Invention A solução pode existir em outro lugar!Friday, August 26, 2011
  • 22. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Existem várias soluções para um problema.Friday, August 26, 2011
  • 23. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Evolution Pillow Algumas são “robustas”.Friday, August 26, 2011
  • 24. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Music Branch Headphone Splitter Algumas são mais simples.Friday, August 26, 2011
  • 25. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Luíz mudou há pouco para Belo Horizonte, e achou os preços de imóveis muito caros. Veio com mulher e dois filhos, e teve condições de financiar um pequeno imóvel de 2 quartos com 80 m2. “Precisava, na verdade, de um quarto e um escritório, pois trabalho em casa. E meus filhos também precisam de um lugar pra estudar.” Como resolver o problema do Luíz?Friday, August 26, 2011
  • 26. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Resource Furniture (ver vídeo)Friday, August 26, 2011
  • 27. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso A solução para espaço pequeno não precisa ser mais espaço. Temos de identificar o problema e usar os recursos que temos.Friday, August 26, 2011
  • 28. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Uma solução inserida no projeto é uma Solução de designFriday, August 26, 2011
  • 29. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Uma solução inserida no projeto é uma Solução de designFriday, August 26, 2011
  • 30. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Uma solução inserida no projeto é uma Solução de designFriday, August 26, 2011
  • 31. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Uma solução inserida no projeto é uma Solução de designFriday, August 26, 2011
  • 32. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Uma solução inserida no projeto é uma Solução de designFriday, August 26, 2011
  • 33. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Uma solução inserida no projeto é uma Solução de designFriday, August 26, 2011
  • 34. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Uma solução inserida no projeto é uma Solução de designFriday, August 26, 2011
  • 35. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Uma solução inserida no projeto é uma Solução de designFriday, August 26, 2011
  • 36. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Uma solução inserida no projeto é uma Solução de designFriday, August 26, 2011
  • 37. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso mesmo o que funciona pode melhorar.Friday, August 26, 2011
  • 38. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso mesmo o que funciona pode melhorar.Friday, August 26, 2011
  • 39. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso mesmo o que funciona pode melhorar.Friday, August 26, 2011
  • 40. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso mesmo o que funciona pode melhorar.Friday, August 26, 2011
  • 41. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso mesmo o que funciona pode melhorar.Friday, August 26, 2011
  • 42. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso mesmo o que funciona pode melhorar.Friday, August 26, 2011
  • 43. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso mesmo o que funciona pode melhorar.Friday, August 26, 2011
  • 44. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Para resolver bem, precisamos entender o problema... “Se eu perguntasse para as pessoas o que queriam, me diriam cavalos mais rápidos.” -Henry FordFriday, August 26, 2011
  • 45. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Para resolver bem, precisamos entender o problema... “Se eu perguntasse para as pessoas o que queriam, me diriam cavalos mais rápidos.” -Henry FordFriday, August 26, 2011
  • 46. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Para resolver bem, precisamos entender o problema... “Se eu perguntasse para as pessoas o que queriam, me diriam cavalos mais rápidos.” -Henry FordFriday, August 26, 2011
  • 47. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Para resolver bem, precisamos entender o problema... “Se eu perguntasse para as pessoas o que queriam, me diriam cavalos mais rápidos.” -Henry FordFriday, August 26, 2011
  • 48. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Para resolver bem, precisamos entender o problema... “Se eu perguntasse para as pessoas o que queriam, me diriam cavalos mais rápidos.” -Henry FordFriday, August 26, 2011
  • 49. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Para resolver bem, precisamos entender o problema... “Se eu perguntasse para as pessoas o que queriam, me diriam cavalos mais rápidos.” -Henry FordFriday, August 26, 2011
  • 50. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Para resolver bem, precisamos entender o problema... “Se eu perguntasse para as pessoas o que queriam, me diriam cavalos mais rápidos.” -Henry FordFriday, August 26, 2011
  • 51. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Para resolver bem, precisamos entender o problema... “Se eu perguntasse para as pessoas o que queriam, me diriam cavalos mais rápidos.” -Henry FordFriday, August 26, 2011
  • 52. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Para resolver bem, precisamos entender o problema... “Se eu perguntasse para as pessoas o que queriam, me diriam cavalos mais rápidos.” -Henry FordFriday, August 26, 2011
  • 53. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Para resolver bem, precisamos entender o problema... “Se eu perguntasse para as pessoas o que queriam, me diriam cavalos mais rápidos.” -Henry FordFriday, August 26, 2011
  • 54. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Para resolver bem, precisamos entender o problema... “Se eu perguntasse para as pessoas o que queriam, me diriam cavalos mais rápidos.” -Henry FordFriday, August 26, 2011
  • 55. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Para resolver bem, precisamos entender o problema... ...pensar simples... ... e pen sar sem limites. “Se eu perguntasse para as pessoas o que queriam, me diriam cavalos mais rápidos.” -Henry FordFriday, August 26, 2011
  • 56. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso mples a princípio Pensar si regra de Paretto, MVPFriday, August 26, 2011
  • 57. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso aior valor de USO entrar onde há m conc começar pela espinha e IT ERARFriday, August 26, 2011
  • 58. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso r em tecnologia... não foca ...mas em comportamentoFriday, August 26, 2011
  • 59. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso têm em comum? O que elesFriday, August 26, 2011
  • 60. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso ign! desFriday, August 26, 2011
  • 61. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso todo mundo é designer!Friday, August 26, 2011
  • 62. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Design = ProjetoFriday, August 26, 2011
  • 63. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso negócio pessoas tecnologiaFriday, August 26, 2011
  • 64. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Qual é o melhor ara criar caminho p soluções?Friday, August 26, 2011
  • 65. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso sorte...Friday, August 26, 2011
  • 66. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso sorte...Friday, August 26, 2011
  • 67. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso ...ou tática/metodologiaFriday, August 26, 2011
  • 68. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso ...ou tática/metodologiaFriday, August 26, 2011
  • 69. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso sorte 0,00001% ... 50% metodologia ...15%, 25%, 40%, 70%...Friday, August 26, 2011
  • 70. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso METODOLOGIA DE DESIGN ão ão a aç uis aç tip sq lid oto pe va prFriday, August 26, 2011
  • 71. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso O que é usabilidade mesmo? Segundo Jeffrey Rubin (Handbook of Usability Testing): Um conjunto de quatro fatores reunidos em um dispositivo: 1.Capacidade de ser usado com sucesso (utilidade, eficácia); 2.Facilidade de ser usado (objetividade, eficiência); 3.Capacidade de o usuário aprender a usar o dispositivo de forma simples e rápida (fácil compreensão e aprendizado); 4.Provocar satisfação visual ao usuário (experiência);Friday, August 26, 2011
  • 72. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso O que é usabilidade mesmo? Segundo Jakob Nielsen (Usability Engineering): Um conjunto de proporiedades de uma interface que reúne os seguintes componentes: 1.Fácil aprendizado; 2.Eficiência; 3.Capacidade de memorização; 4.Baixo índice de erros; 5.Satisfação e prazer ao uso.Friday, August 26, 2011
  • 73. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso O que é usabilidade mesmo? “Facilidade de uso e facilidade de aprendizado” -Albert Badre (Shaping Web Usability) “Capacidade, em termos funcionais humanos, de um sistema ser usado com facilidade e de forma eficiente” -Brian Shackel (Usability) “Princípios de design que, quando seguidos, dão respostas aos usuários tornando o uso dos dispositivos mais fácil” -Don Norman (O Design do dia-a-dia)Friday, August 26, 2011
  • 74. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso O que é usabilidade mesmo? “Pensar em usabilidade é pensar em produtos fáceis de usar” – Jesse James Garrett (The Elements of User Experience) “Fator que assegura que os produtos sejam fáceis de usar, eficientes e agradáveis” - Preece, Rogers e Sharp (Design de Interação) “A ciência de aplicação de metodologias ao design para a criação de dispositivos fáceis de usar, de fácil aprendizado e que sejam úteis com o menor índice de desconforto possível” - Mark Pearrow (Web Site Usability Handbook)Friday, August 26, 2011
  • 75. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso O que é usabilidade mesmo? ISO 9126 - 1991 “Esforço necessário para seu uso e para o julgamento individual de tal uso.” ISO 9241, 11 - 1998 “Capacidade de um produto ser usado por usuários específicos para atingir objetivos específicos com eficácia, eficiência e satisfação em um contexto específico de uso.”Friday, August 26, 2011
  • 76. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso O que é usabilidade mesmo? em 10 definições, vezes aparecem as palavras “facilidade” ou “fácil”.Friday, August 26, 2011
  • 77. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso O que é usabilidade mesmo? É o atributo que define a facilidade de uso de algo.Friday, August 26, 2011
  • 78. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso O que é usabilidade mesmo? Quem define o que é “fácil” de ser usado?Friday, August 26, 2011
  • 79. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso UM POUCO DE HISTÓRIAFriday, August 26, 2011
  • 80. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso 1960 - 1970 | Inspeção de software Voltado à qualidade do código: encontrar e corrigir bugs. Modelo wartefall: processos ao final do trabalho realizado. Estudos do tipo tempo/erro: caros e pouco informativos.Friday, August 26, 2011
  • 81. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso 1980 | IHC e DCU Gradualmente o hardware evoluiu permitindo softwares robustos e interfaces complexas e o uso em novos nichos. Surge o computador pessoal. Para produzir produtos com funcionalidades e interfaces adequadas, nascem dois campos de estudo: Interface Humano-Computador e Design Centrado no usuário.Friday, August 26, 2011
  • 82. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso 1982 | Interface Humano-Computador (IHC) Campo de estudos que surgiu em 1982 no congresso “Human Factors in Computing Systems”, realizado por psicólogos cognitivos principalmente. Características: ciência da computação com foco nos aspectos sociais, cognitivos e comportamentais.Friday, August 26, 2011
  • 83. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso 1986 | Design Centrado no Usuário (DCU) Design Centrado no Usuário (DCU) é o campo de estudo que reúne metodologias de design nos quais o público-alvo de um produto ou serviço influencia as diretrizes e requisitos do sistema. Termo cunhado por Norman enquanto trabalhava como pesquisador na Universidade California San Diego (UCSD), no artigo User-Centered System Design: New Perspectives on Human-Computer Interaction (Norman & Draper, 1986) e popularizado em 1988 no popular Psychology of everyday things (mais tarde rebatizado como The design of everyday things).Friday, August 26, 2011
  • 84. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Design Centrado no Usuário (DCU) “…é uma filosofia baseada nas necessidades e interesses do usuário, com ênfase em fazer produtos usáveis e inteligíveis.” – Donald Norman “A filosofia por trás do Design Centrado no Usuário é simplesmente esta: O usuário sabe mais. Pessoas que utilizarão um produto ou serviço sabem de suas necessidades, metas e preferências, e é papel do designer descobrir isto e projetar para eles.” – Dan Saffer “...é uma abordagem ao design que fundamenta o processo em informações sobre as pessoas que usarão o produto. Processos de UCD focam em usuários através de planejamento, design e desenvolvimento do produto.” – Usability Professionals Association (UPA) “...é um estabelecido processo usado pela IBM e muitas outras organizações para prover produtos que atendam as expectativas dos usuários.” – IBM “...é focar o design no usuário, simples assim.” – Peter J. BogaardsFriday, August 26, 2011
  • 85. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Design Centrado no Usuário (DCU) USUÁRIOS devemos perguntá-los como fazer nosso trabalho?Friday, August 26, 2011
  • 86. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Design Centrado no Usuário (DCU) a princípio, NÃOFriday, August 26, 2011
  • 87. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Design Centrado no Usuário (DCU) Devemos identificar seus padrões de comportamento e projetarmos soluções adequadas.Friday, August 26, 2011
  • 88. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso 1988 | Engenharia de Usabilidade O termo foi cunhado por John Bennett (IBM) e John Whiteside (Digital Equipment Corporation) em alguns artigos em 1988. A princípio era chamado de “Engenharia de Usabilidade”. Abordagem qualitativa e prática de desenvolvimento de produtos, orientada para a qualidade e focada em: definição de tarefas, prototipação e avaliação iterativa (Whiteside, Bennett, & Holtzblatt,1988).Friday, August 26, 2011
  • 89. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso 1990 | Design de Interação Bill Morgride, diretor da IDEO, sintetizou no livro Designing for Interactions uma série de metodologias de design + comunicação usadas e aprimoradas na empresa para a elaboração de produtos úteis e usáveis.Friday, August 26, 2011
  • 90. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Espaço do Design de Interação Este campo multidisciplinar centraliza e integra as diversas áreas de conhecimento relacionadas a interação entre artefato / usuáriosFriday, August 26, 2011
  • 91. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Por que Design de Interação? Projetar dispositivos e interfaces usáveis vai além de evitar erros: um projeto bem pesquisado, planejado, desenvolvido e testado pode agregar valor ao uso, negócio ou mesmo mudar totalmente a natureza do produto/sistema para outra melhor e mais adequada. “...Design de Interação não é apenas sobre corrigir problemas; diz respeito a facilitar interações entre pessoas de uma maneira mais rica, profunda e melhor - ou seja, encontrar novas formas de melhor conectar as pessoas e tornar o mundo um lugar melhor.” -Dan SafferFriday, August 26, 2011
  • 92. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Uma interface bem projetada deve ser guiada por METAS DE USABILIDADE + METAS DE EXPERIÊNCIA DO USUÁRIOFriday, August 26, 2011
  • 93. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Metas de Usabilidade Servem para guiar o desenvolvimento de produtos fáceis de usar, eficientes e agradáveis. São elas (Preece, Rogers, Sharp): 1. Utilidade 2. Eficácia 3. Eficiência 4. Segurança 5. Facilidade de aprendizado 6. Facilidade de lembrar como se usa Eficácia: O quanto um produto é bom em se fazer o que se espera dele Eficiência: Como um produto auxilia a execução de suas tarefas com o mínimo de recursosFriday, August 26, 2011
  • 94. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Metas de Usabilidade | Utilidade A medida que o sistema propicia a funcionalidade adequada para o objetivo específico do usuário.Friday, August 26, 2011
  • 95. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Metas de Usabilidade | Utilidade Ferramenta de nichoFriday, August 26, 2011
  • 96. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Metas de Usabilidade | Utilidade Ferramenta sem foco Pra que serve? Elevator pitch, Twitter pitch!Friday, August 26, 2011
  • 97. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Metas de Usabilidade | Eficácia Eficácia se refere a quão bem uma ferramenta auxilia na realização de uma atividade proposta, em um contexto de uso. É uma característica analógica, em escala.Friday, August 26, 2011
  • 98. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Metas de Usabilidade | Eficácia Qual é mais eficaz?Friday, August 26, 2011
  • 99. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Metas de Usabilidade | Eficácia Depende, pra que, para quem?Friday, August 26, 2011
  • 100. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Metas de Usabilidade | Eficiência Quanto uma ferramenta auxilia na economia de recursos para a realização de uma atividade proposta, em um contexto de uso.Friday, August 26, 2011
  • 101. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Metas de Usabilidade | Eficiência Eficiência = economia de recursosFriday, August 26, 2011
  • 102. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Metas de Usabilidade | Eficiência recursos podem ser medidos em tempo, cliques... se traduzem em trabalho/custoFriday, August 26, 2011
  • 103. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Metas de Usabilidade | Eficiência O dilema do AJAX.Friday, August 26, 2011
  • 104. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Metas de Usabilidade | Eficácia x Eficiência eficácia - fazer melhor eficiência - produtividadeFriday, August 26, 2011
  • 105. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Metas de Usabilidade | Segurança Segurança se refere a prevenção e recuperação de erros. Deve ser perceptível, transparente.Friday, August 26, 2011
  • 106. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Metas de Usabilidade | Segurança FísicaFriday, August 26, 2011
  • 107. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Metas de Usabilidade | Segurança InterfaceFriday, August 26, 2011
  • 108. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Metas de Usabilidade | Segurança Prevenção de errosFriday, August 26, 2011
  • 109. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Metas de Usabilidade | Segurança Prevenção de erros, transparente.Friday, August 26, 2011
  • 110. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Metas de Usabilidade | Segurança Segurança percebidaFriday, August 26, 2011
  • 111. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Metas de Usabilidade | Facilidade de aprendizado Clareza na interface, compreensão das funcionalidades metáforas e modelos mentaisFriday, August 26, 2011
  • 112. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Metas de Usabilidade | Facilidade de lembrar como se usa Interface profissional, especialistaFriday, August 26, 2011
  • 113. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Princípios de Design O que são os princípios de design? “...são derivados de uma mistura de conhecimento baseado em teoria, experiência e senso comum [...] conjunto de items que devem ser assegurados” (PREECE, 2005)Friday, August 26, 2011
  • 114. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Princípios de Design Quais são os princípios que norteiam o design de interação? 1. Visibilidade 2. Feedback 3. Restrições 4. Mapeamento 5. Consistência 6. Affordance (PREECE) Desgin de Interação Cap. 1 - pag 42 a 53 (NORMAN) Design do dia-a-dia Cap.7 - pag 221 a 255Friday, August 26, 2011
  • 115. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Princípios de Design Visibilidade “...O sistema deve fornecer indicações do estado do sistema, que sejam prontamente perceptíveis e interpretáveis e correspondam às intenções e às expectativas.” (NORMAN, 2006) (PREECE) Desgin de Interação Cap. 1 - pag 42 a 53 (NORMAN) Design do dia-a-dia Cap.7 - pag 221 a 255Friday, August 26, 2011
  • 116. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Princípios de Design Visibilidade Quanto mais visíveis forem as funções, mais os usuários saberão como proceder.Friday, August 26, 2011
  • 117. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Princípios de Design Visibilidade Quanto mais visíveis forem as funções, mais os usuários saberão como proceder.Friday, August 26, 2011
  • 118. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Princípios de Design Feedback “O feedback se refere ao retorno de informações a respeito da ação que foi feita e do que foi realizado, permitindo a pessoa continuar a atividade.” (PREECE, 2005) (PREECE) Desgin de Interação Cap. 1 - pag 42 a 53 (NORMAN) Design do dia-a-dia Cap.7 - pag 221 a 255Friday, August 26, 2011
  • 119. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Princípios de Design Feedback Fornecer ao usuário informações sobre a ação realizadaFriday, August 26, 2011
  • 120. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Princípios de Design Feedback pode ser Visual Tátil Verbal Auditivo CombinadoFriday, August 26, 2011
  • 121. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Princípios de Design Restrições “... refere-se às formas de delimitar o tipo de interação que pode ocorrer [...] para impedir o usuário de selecionar a opção incorreta e reduzir as chances de erro...” (PREECE, 2005)Friday, August 26, 2011
  • 122. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Princípios de Design Restrições lógicas Exploram o bom senso das pessoas a respeito de como o mundo funciona.Friday, August 26, 2011
  • 123. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Princípios de Design Restrições físicas Se referem à maneira como os objetos restringem mecanicamente.Friday, August 26, 2011
  • 124. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Princípios de Design Restrições culturais Convenções aprendidas – universais ou específicas de culturas diferentes.Friday, August 26, 2011
  • 125. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Princípios de Design Mapeamento “... refere-se a relação entre controles e seus efeitos no artefato” (PREECE, 2005)Friday, August 26, 2011
  • 126. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Princípios de Design Mapeamento “... refere-se a relação entre controles e seus efeitos no artefato” (PREECE, 2005)Friday, August 26, 2011
  • 127. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Princípios de Design Mapeamento “... refere-se a relação entre controles e seus efeitos no artefato” (PREECE, 2005)Friday, August 26, 2011
  • 128. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Princípios de Design Mapeamento “... refere-se a relação entre controles e seus efeitos no artefato” (PREECE, 2005)Friday, August 26, 2011
  • 129. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Princípios de Design Consistência “Refere-se a projetar interfaces de modo que tenham operações semelhantes e que utilizem elementos semelhantes para a realização de tarefas similares” (PREECE, 2005)Friday, August 26, 2011
  • 130. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Princípios de Design Consistência No mesmo dispositivoFriday, August 26, 2011
  • 131. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Princípios de Design Consistência Entre dispositivos diferentesFriday, August 26, 2011
  • 132. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Princípios de Design Affordance “É um atributo do objeto que permite ao usuário saber como utilizá-lo” (PREECE, 2005) “É uma ‘dica’ de como devemos interagir com o objeto.” (Karine e Leandro, 2010)Friday, August 26, 2011
  • 133. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Princípios de Design Affordance “É um atributo do objeto que permite ao usuário saber como utilizá-lo” (PREECE, 2005)Friday, August 26, 2011
  • 134. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Princípios de Design Affordance “É um atributo do objeto que permite ao usuário saber como utilizá-lo” (PREECE, 2005)Friday, August 26, 2011
  • 135. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Princípios de Design AparênciaFriday, August 26, 2011
  • 136. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Princípios de Design AparênciaFriday, August 26, 2011
  • 137. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Princípios de Design AparênciaFriday, August 26, 2011
  • 138. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Princípios de Design AparênciaFriday, August 26, 2011
  • 139. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Leis do Design de Interação Lei de Fitts O tempo gasto para se mover de um ponto inicial para outro é proporcional ao tamanho do alvo e sua distância. Significa que... Elementos de uma interface devem possuir um tamanho adequado a sua importância. Elementos relacionados devem se posicionar em um contexto de uso coerente. Paul Fitts, psicólogo - 1954Friday, August 26, 2011
  • 140. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Leis do Design de Interação Lei de Hicks O tempo que leva para uma pessoa tomar uma decisão é proporcional ao número das escolhas possíveis. Significa que... Usuários encontram a informação separando-as em blocos e eliminando a metade a cada etapa do processo. Desconsiderando outras decisões de design, seria mais simples encontrar um atalho em um grupo de 10 do que em dois de 5. Devemos ser criteriosos na categorização de conteúdos. William Edmund Hick, psicólogo - 1983Friday, August 26, 2011
  • 141. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Leis do Design de Interação Lei de Miller (complementar à lei de Hicks) A memória de curta duração humana registra 7 informações em média, variando em torno de 2 para cima ou para baixo. Significa que... Não é uma regra rígida, mas uma orientação. Interfaces devem ser projetadas no intuito de minimizar a sobrecarga cognitiva. Por exemplo, não devemos criar interações que forcem usuários a memorizar elementos estranhos em telas diferentes. George Miller, psicólogo - 1956Friday, August 26, 2011
  • 142. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso Leis do Design de Interação Lei de Moore O tempo gasto por usuários para tomarem decisões é proporcional ao número de opções. Significa que... Devemos nos adequar a mudança de paradigmas tecnológicos. Novos dispositivos, novas formas de interagir, novas possibilidades! Gordon Moore, co-fundador da Intel - 1965Friday, August 26, 2011
  • 143. Análise e Design de Interação / Marcello Cardoso igad o! o br Este arquivo contém a apresentação realizada por Marcello de Campos Cardoso, em Agosto de 2011, para a disciplina Análise e Design de Interação, ministrada no curso de especialização em Projeto e Arquitetura de Aplicações Internet na Faculdade COTEMIG.Friday, August 26, 2011