MTA2 -  Apresentação do curso, aquecimento e situamento teórico
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

MTA2 - Apresentação do curso, aquecimento e situamento teórico

on

  • 788 views

Este arquivo contém a apresentação realizada por Marcello de Campos Cardoso, em Agosto de 2011, para a disciplina Métodos e Técnicas de Avaliação 2, ministrada no curso de especialização em ...

Este arquivo contém a apresentação realizada por Marcello de Campos Cardoso, em Agosto de 2011, para a disciplina Métodos e Técnicas de Avaliação 2, ministrada no curso de especialização em Design de Interação, no Iinstituto de Educação Continuada (IEC) na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG).

Statistics

Views

Total Views
788
Slideshare-icon Views on SlideShare
788
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
36
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    MTA2 -  Apresentação do curso, aquecimento e situamento teórico MTA2 - Apresentação do curso, aquecimento e situamento teórico Presentation Transcript

    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso aula 01/10 Apresentação do curso, aquecimento e situamento teórico Pós-Graduação em Design de Interação IEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA Métodos e Técnicas de Avaliação II Marcello de Campos Cardoso | www.mcardoso.com.br | mcardoso@gmail.comTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Carga horária: 30h/a Professor Marcello de Campos Cardoso ‣ Especialista em Design de Interação pela PUC MG ‣ Professor na PUC e UNA e Faculdade Cotemig ‣ Sócio/consultor na Latitude14 ‣ Mentor de Usabilidade na Aceleradora ‣ 10 anos de mercado web (2001 - atual) Ementa Definições e aplicação de Usabilidade, Design Centrado no Usuário e Design de Interação. Metodologia para aplicação de questionários, entrevistas, Análise Heurística, Percurso Cognitivo, Método de Avaliação de Comunicabilidade Objetivos Introduzir conceitos e processos essenciais para integração de equipes de criação e desenvolvimento na elaboração de produtos interativos complexos.Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Bibliografia SAFFER, Dan; Designing for interaction. Berkeley, New Riders, 2010. PREECE, Jennifer; ROGERS, Yvone; SHARP, Helen. Design de interação: além da interação homem-computador. Porto Alegre: Bookman, 2005. KUNIAVSKY, Mike. Observing the User Experience. San Francisco, MKP, 2003. COOPER, Alan. About face 3.0 - the essentials of Interaction Design. Indianapolis: Wiley Publishing, 2009Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Referências online www.useit.com www.acm.org www.interactions.acm.org www.upassoc.org www.cooper.com www.slideshare.net/dansaffer www.slideshare.net/LaneHalleyTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Plano de curso 1ª Apresentação do curso, aquecimento e posicionamento teórico - 2ª Questionários e entrevistas 15pts 3ª Separando releases: User Story Mapping 10pts 4ª Definindo a arquitetura da informação - Card Sorting 10pts 5ª Projetando a interface: Task Flow + Prototipação em papel (workshop) 10pts 6ª Análise Heurística: Perguntando a especialistas - 7ª Análise Heurística: Workshop 15pts 8ª Percurso cognitivo: Avaliando tarefas 10pts 9ª Engenharia semiótica - Método de Inspeção Semiótica 10pts 10ª Apresentação final 20ptsTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso A vida é permeada de problemas e desafios.Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Seu Nicolau tem 76 anos, mas é muito ativo. Gosta de fazer suas coisas sozinho, retirar a pensão no banco, visitar vizinhos... Mas nem sempre dá satisfação pra família, e não gosta de usar celular, pois acha “Muito difícil”. A família se preocupa, pois o velhinho tem pressão alta, e gostaria que o Seu Nicolau usasse um celular. Como este celular poderia ser?Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Que tal um iPhone pro Nicolau?Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso melhor ≠ mais sofisticado solução simples = solução eleganteTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Dona Lucinha adora um cházinho com bolo de fubá, quando recebe as amigas em casa pra falar de novela. Mas a senhorinha tem artrite e ultimamente reclama muito de usar a chaleira. “É pesada meu filho, e machuca minha mão. Quase não consigo virá-la na xícara, fico com medo de me queimar.” Vamos pensar uma chaleira pra ela?Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso OXO - Good Grips | ChaleiraTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso OXO - Good Grips | Escovas de limpezaTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Mariana tem 5 anos, e queria aprender a cozinhar com a mãe. Sua mãe gostaria que a filha comesse mais legumes, mas não quer ver a filha usando facas. Quase tudo na cozinha é perigoso! “Eu queria que a menina cortasse os rabanetes, batatas, cenouras, mas é perigoso” Vamos pensar um cortador de legumes seguro?Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Mushroom Chopper boa solução resolve mais de um problema.Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Mário tem 32 anos, trabalha em Betim, mas mora em Belo Horizonte. Todos os dias pega o transporte da empresa às 7 da manhã na Praça da Liberdade e escuta músicas no trajeto. Às vezes divide o fone com sua paquera, Ana Luiza. “Os fios do fone embolam porque são muito separados. Mas se fossem menos separados, também não ia dar pra dividir com a Aninha.” Vamos ajudar o Mário.Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso YI | Sound Invention A solução pode existir em outro lugar!Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Existem várias soluções para um problema.Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Evolution Pillow Algumas são “robustas”.Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Music Branch Headphone Splitter Algumas são mais simples.Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Music Branch Headphone Splitter Algumas são mais simples.Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Luíz mudou há pouco para Belo Horizonte, e achou os preços de imóveis muito caros. Veio com mulher e dois filhos, e teve condições de financiar um pequeno imóvel de 2 quartos com 80 m2. “Precisava, na verdade, de um quarto e um escritório, pois trabalho em casa. E meus filhos também precisam de um lugar pra estudar.” Como resolver o problema do Luíz?Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Resource Furniture (ver vídeo)Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso A solução para espaço pequeno não precisa ser mais espaço. Temos de identificar o problema e usar os recursos que temos.Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Uma solução inserida no projeto é uma Solução de designTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Uma solução inserida no projeto é uma Solução de designTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Uma solução inserida no projeto é uma Solução de designTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Uma solução inserida no projeto é uma Solução de designTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Uma solução inserida no projeto é uma Solução de designTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Uma solução inserida no projeto é uma Solução de designTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Uma solução inserida no projeto é uma Solução de designTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Uma solução inserida no projeto é uma Solução de designTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Uma solução inserida no projeto é uma Solução de designTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso mesmo o que funciona pode melhorar.Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso mesmo o que funciona pode melhorar.Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso mesmo o que funciona pode melhorar.Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso mesmo o que funciona pode melhorar.Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso mesmo o que funciona pode melhorar.Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso mesmo o que funciona pode melhorar.Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso mesmo o que funciona pode melhorar.Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Para resolver bem, precisamos entender o problema... “Se eu perguntasse para as pessoas o que queriam, me diriam cavalos mais rápidos.” -Henry FordTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Para resolver bem, precisamos entender o problema... “Se eu perguntasse para as pessoas o que queriam, me diriam cavalos mais rápidos.” -Henry FordTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Para resolver bem, precisamos entender o problema... “Se eu perguntasse para as pessoas o que queriam, me diriam cavalos mais rápidos.” -Henry FordTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Para resolver bem, precisamos entender o problema... “Se eu perguntasse para as pessoas o que queriam, me diriam cavalos mais rápidos.” -Henry FordTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Para resolver bem, precisamos entender o problema... “Se eu perguntasse para as pessoas o que queriam, me diriam cavalos mais rápidos.” -Henry FordTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Para resolver bem, precisamos entender o problema... “Se eu perguntasse para as pessoas o que queriam, me diriam cavalos mais rápidos.” -Henry FordTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Para resolver bem, precisamos entender o problema... “Se eu perguntasse para as pessoas o que queriam, me diriam cavalos mais rápidos.” -Henry FordTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Para resolver bem, precisamos entender o problema... “Se eu perguntasse para as pessoas o que queriam, me diriam cavalos mais rápidos.” -Henry FordTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Para resolver bem, precisamos entender o problema... “Se eu perguntasse para as pessoas o que queriam, me diriam cavalos mais rápidos.” -Henry FordTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Para resolver bem, precisamos entender o problema... “Se eu perguntasse para as pessoas o que queriam, me diriam cavalos mais rápidos.” -Henry FordTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Para resolver bem, precisamos entender o problema... “Se eu perguntasse para as pessoas o que queriam, me diriam cavalos mais rápidos.” -Henry FordTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Para resolver bem, precisamos entender o problema... ...pensar simples... ... e pen sar sem limites. “Se eu perguntasse para as pessoas o que queriam, me diriam cavalos mais rápidos.” -Henry FordTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso O que eles têm em comum?Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso ign! desTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso todo mundo é designer!Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Design = ProjetoTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Qual é o melhor ara criar caminho p soluções?Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso sorte...Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso sorte...Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso ...ou tática/metodologiaTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso ...ou tática/metodologiaTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso sorte 0,00001% ... 50% metodologia ...15%, 25%, 40%, 70%...Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Metodologia de design ão ão a aç uis aç tip sq lid oto pe va prTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso O que é usabilidade mesmo? Segundo Jeffrey Rubin (Handbook of Usability Testing): Um conjunto de quatro fatores reunidos em um dispositivo: 1.Capacidade de ser usado com sucesso (utilidade, eficácia); 2.Facilidade de ser usado (objetividade, eficiência); 3.Capacidade de o usuário aprender a usar o dispositivo de forma simples e rápida (fácil compreensão e aprendizado); 4.Provocar satisfação visual ao usuário (experiência);Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso O que é usabilidade mesmo? Segundo Jakob Nielsen (Usability Engineering): Um conjunto de proporiedades de uma interface que reúne os seguintes componentes: 1.Fácil aprendizado; 2.Eficiência; 3.Capacidade de memorização; 4.Baixo índice de erros; 5.Satisfação e prazer ao uso.Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso O que é usabilidade mesmo? “Facilidade de uso e facilidade de aprendizado” -Albert Badre (Shaping Web Usability) “Capacidade, em termos funcionais humanos, de um sistema ser usado com facilidade e de forma eficiente” -Brian Shackel (Usability) “Princípios de design que, quando seguidos, dão respostas aos usuários tornando o uso dos dispositivos mais fácil” -Don Norman (O Design do dia-a-dia)Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso O que é usabilidade mesmo? “Pensar em usabilidade é pensar em produtos fáceis de usar” – Jesse James Garrett (The Elements of User Experience) “Fator que assegura que os produtos sejam fáceis de usar, eficientes e agradáveis” - Preece, Rogers e Sharp (Design de Interação) “A ciência de aplicação de metodologias ao design para a criação de dispositivos fáceis de usar, de fácil aprendizado e que sejam úteis com o menor índice de desconforto possível” - Mark Pearrow (Web Site Usability Handbook)Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso O que é usabilidade mesmo? ISO 9126 - 1991 “Esforço necessário para seu uso e para o julgamento individual de tal uso.” ISO 9241, 11 - 1998 “Capacidade de um produto ser usado por usuários específicos para atingir objetivos específicos com eficácia, eficiência e satisfação em um contexto específico de uso.”Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso O que é usabilidade mesmo? em 10 definições, vezes aparecem as palavras “facilidade” ou “fácil”.Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso O que é usabilidade mesmo? É o atributo que define a facilidade de uso de algo.Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso O que é usabilidade mesmo? quem define o que é “fácil” de ser usado?Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Um pouco de históriaTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso 1960 - 1970 | Inspeção de software Voltado à qualidade do código: encontrar e corrigir bugs. Modelo wartefall: processos ao final do trabalho realizado. Estudos do tipo tempo/erro: caros e pouco informativos.Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso 1980 | IHC e DCU Gradualmente o hardware evoluiu permitindo softwares robustos e interfaces complexas e o uso em novos nichos. Surge o computador pessoal. Para produzir produtos com funcionalidades e interfaces adequadas, nascem dois campos de estudo: Interface Humano-Computador e Design Centrado no usuário.Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso 1982 | Interface Humano-Computador (IHC) Campo de estudos que surgiu em 1982 no congresso “Human Factors in Computing Systems”, realizado por psicólogos cognitivos principalmente. Características: ciência da computação com foco nos aspectos sociais, cognitivos e comportamentais.Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso 1986 | Design Centrado no Usuário (DCU) Design Centrado no Usuário (DCU) é o campo de estudo que reúne metodologias de design nos quais o público-alvo de um produto ou serviço influencia as diretrizes e requisitos do sistema. Termo cunhado por Norman enquanto trabalhava como pesquisador na Universidade California San Diego (UCSD), no artigo User-Centered System Design: New Perspectives on Human-Computer Interaction (Norman & Draper, 1986) e popularizado em 1988 no popular Psychology of everyday things (mais tarde rebatizado como The design of everyday things).Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Design Centrado no Usuário (DCU) “…é uma filosofia baseada nas necessidades e interesses do usuário, com ênfase em fazer produtos usáveis e inteligíveis.” – Donald Norman “A filosofia por trás do Design Centrado no Usuário é simplesmente esta: O usuário sabe mais. Pessoas que utilizarão um produto ou serviço sabem de suas necessidades, metas e preferências, e é papel do designer descobrir isto e projetar para eles.” – Dan Saffer “...é uma abordagem ao design que fundamenta o processo em informações sobre as pessoas que usarão o produto. Processos de UCD focam em usuários através de planejamento, design e desenvolvimento do produto.” – Usability Professionals Association (UPA) “...é um estabelecido processo usado pela IBM e muitas outras organizações para prover produtos que atendam as expectativas dos usuários.” – IBM “...é focar o design no usuário, simples assim.” – Peter J. BogaardsTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Design Centrado no Usuário (DCU) USUÁRIOS devemos perguntá-los como fazer nosso trabalho?Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Design Centrado no Usuário (DCU) a princípio, não.Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Design Centrado no Usuário (DCU) Devemos identificar seus padrões de comportamento e projetarmos soluções adequadas.Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso 1988 | Engenharia de Usabilidade O termo foi cunhado por John Bennett (IBM) e John Whiteside (Digital Equipment Corporation) em alguns artigos em 1988. A princípio era chamado de “Engenharia de Usabilidade”. Abordagem qualitativa e prática de desenvolvimento de produtos, orientada para a qualidade e focada em: definição de tarefas, prototipação e avaliação iterativa (Whiteside, Bennett, & Holtzblatt,1988).Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso 1990 | Design de Interação Bill Morgride, diretor da IDEO, sintetizou no livro Designing for Interactions uma série de metodologias de design + comunicação usadas e aprimoradas na empresa para a elaboração de produtos úteis e usáveis.Tuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Espaço do Design de Interação Este campo multidisciplinar centraliza e integra as diversas áreas de conhecimento relacionadas a interação entre artefato / usuáriosTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso Por que Design de Interação? Projetar dispositivos e interfaces usáveis vai além de evitar erros: um projeto bem pesquisado, planejado, desenvolvido e testado pode agregar valor ao uso, negócio ou mesmo mudar totalmente a natureza do produto/sistema para outra melhor e mais adequada. “...Design de Interação não é apenas sobre corrigir problemas; diz respeito a facilitar interações entre pessoas de uma maneira mais rica, profunda e melhor - ou seja, encontrar novas formas de melhor conectar as pessoas e tornar o mundo um lugar melhor.” -Dan SafferTuesday, August 9, 2011
    • Métodos e Técnicas de Avaliação 2 / Marcello Cardoso igad o! o br Este arquivo contém a apresentação realizada por Marcello de Campos Cardoso, em Agosto de 2011, para a disciplina Métodos e Técnicas de Avaliação 2, ministrada no curso de especialização em Design de Interação, no Iinstituto de Educação Continuada (IEC) na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG).Tuesday, August 9, 2011