Apresentação da Dissertação

2,391 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,391
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
42
Actions
Shares
0
Downloads
82
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apresentação da Dissertação

  1. 1. Utilização do BSC como ferramenta de análise de práticas de gestão do conhecimento: um estudo de caso Marcel de Gois Pinto Orientadora: Maria do Socorro Márcia L. Souto, Drª Universidade Federal da Paraíba Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia de Produção Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção
  2. 2. Estrutura da Apresentação <ul><li>Definição do tema </li></ul><ul><li>Justificativa </li></ul><ul><li>Objetivos </li></ul><ul><li>Revisão Bibliográfica </li></ul><ul><li>Procedimentos Metodológicos </li></ul><ul><li>Resultados da Pesquisa </li></ul><ul><li>Considerações Finais </li></ul>
  3. 3. Estrutura da Apresentação <ul><li>Definição do tema </li></ul><ul><li>Justificativa </li></ul><ul><li>Objetivos </li></ul><ul><li>Revisão Bibliográfica </li></ul><ul><li>Procedimentos Metodológicos </li></ul><ul><li>Resultados da Pesquisa </li></ul><ul><li>Considerações Finais </li></ul>
  4. 4. 1. Definição do Tema <ul><li>O conhecimento tem bastante influência sobre uma organização: procedimentos, rotinas, valor dos produtos, valor da própria empresa. </li></ul>IMPORTÂNCIA DE GERENCIAR O CONHECIMENTO
  5. 5. 1. Definição do Tema <ul><li>Gestão do conhecimento (GC) - identificação, otimização e gerência dos ativos intelectuais , seja conhecimento explícito contido em artefatos ou tácito pertencente aos indivíduos ou comunidades... </li></ul>SNOWDEN (2000) PARA REALIZAR TUDO ISSO É NECESSÁRIO INVESTIMENTOS
  6. 6. 1. Definição do Tema QUANDO SE REALIZA UM INVESTIMENTO, DESEJA-SE SABER QUAL O RESULTADO OBTIDO (GANHO) <ul><li>Entretanto, estabelecer relação entre investimentos em ativos intangíveis e resultados com complexo. </li></ul><ul><li>Existem diversos sistemas de avaliação de desem-penho que levam em consideração os intangíveis: BSC , e.g. </li></ul>
  7. 7. 1. Definição do Tema <ul><li>O BSC é um sistema, que busca estabelecer relações de causa e efeito entre fatores tangíveis e intangíveis </li></ul><ul><li>Nesse sentido, este trabalho busca responder a seguinte pergunta: </li></ul>AS PERSPECTIVAS DO BSC PODEM SER UTILIZADAS COMO FERRAMENTA DE ANÁLISE DE PRÁTICAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO?
  8. 8. Estrutura da Apresentação <ul><li>Definição do tema </li></ul><ul><li>Justificativa </li></ul><ul><li>Objetivos </li></ul><ul><li>Revisão Bibliográfica </li></ul><ul><li>Procedimentos Metodológicos </li></ul><ul><li>Resultados da Pesquisa </li></ul><ul><li>Considerações Finais </li></ul>
  9. 9. 2. Justificativa <ul><li>Relevância da Gestão do Conhecimento </li></ul><ul><li>Desenvolvimento da área </li></ul><ul><ul><li>Aplicação em muitas empresas </li></ul></ul><ul><ul><li>Casos práticos </li></ul></ul><ul><ul><li>Construções de modelos teóricos ( frameworks) </li></ul></ul><ul><ul><li>Busca de interdisciplinaridade (inteligência empresarial e competitiva, gestão de competências, aprendizagem organizacional, gestão ambiental, ferramentas de tecnologia da informação, estratégia empresarial) </li></ul></ul><ul><ul><li>Avaliação do desempenho da GC </li></ul></ul>
  10. 10. 2. Justificativa <ul><li>Relevância do BSC na Gestão do Conhecimento </li></ul><ul><ul><li>Trabalhos que relacionam os dois temas: Fairchild (2002), De Gooijer (2000), Aidemark e Sterner (2002), Hernandes et al. (2000), Martinsons et al. (1999), Bukh et al. (2002), Johanson et al. (2001), Van Grembergen e Van Bruggen (1997), Andréasson e Svartling (1999) e Edenius e Styhre (2006) </li></ul></ul>
  11. 11. Estrutura da Apresentação <ul><li>Definição do tema </li></ul><ul><li>Justificativa </li></ul><ul><li>Objetivos </li></ul><ul><li>Revisão Bibliográfica </li></ul><ul><li>Procedimentos Metodológicos </li></ul><ul><li>Resultados da Pesquisa </li></ul><ul><li>Considerações Finais </li></ul>
  12. 12. 3. Objetivos <ul><li>Geral </li></ul><ul><li>Verificar se as perspectivas do balanced scorecard podem ser utilizadas como ferramenta de análise da gestão do conhecimento </li></ul>
  13. 13. 3. Objetivos <ul><li>Específicos </li></ul><ul><li>Identificar as relações entre abordagens teóricas de GC e as perspectivas do BSC; </li></ul><ul><li>Elaborar um arquétipo para a análise da GC a partir das perspectivas do BSC; </li></ul><ul><li>Aplicar o arquétipo elaborado em pesquisa de campo; </li></ul><ul><li>Analisar os resultados da aplicação do modelo destacando suas vantagens e desvantagens </li></ul>
  14. 14. Estrutura da Apresentação <ul><li>Definição do tema </li></ul><ul><li>Justificativa </li></ul><ul><li>Objetivos </li></ul><ul><li>Revisão Bibliográfica </li></ul><ul><li>Procedimentos Metodológicos </li></ul><ul><li>Resultados da Pesquisa </li></ul><ul><li>Considerações Finais </li></ul>
  15. 15. 4. Revisão Bibliográfica <ul><li>Gestão do Conhecimento </li></ul><ul><ul><li>Abordagens Teóricas </li></ul></ul><ul><ul><li>Japonesa </li></ul></ul><ul><ul><li>Americana </li></ul></ul><ul><ul><li>Européia </li></ul></ul><ul><li>Organizacional </li></ul><ul><li>Técnica e Sistêmica </li></ul><ul><li>Orientada aos recursos </li></ul>Takeuchi (1998) Aidemark e Sterner (2003)
  16. 16. 4. Revisão Bibliográfica <ul><li>Gestão do Conhecimento </li></ul><ul><ul><li>Práticas de GC </li></ul></ul><ul><ul><li>“ Espectro da GC” – 6 elementos </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Transacional, analítico, gestão de ativos, baseado em processos, evolucionário e inovativo </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Elemento – aplicações e tecnologias facilitadoras </li></ul></ul><ul><ul><li>BINNEY (2001) </li></ul></ul>
  17. 17. 4. Revisão Bibliográfica <ul><li>Balanced Scorecard </li></ul><ul><ul><li>Consiste em um conjunto balanceado de indicadores </li></ul></ul><ul><ul><li>Desenvolvido como um modelo de avaliação e desempenho empresarial </li></ul></ul><ul><ul><li>Evoluiu, tornando-se uma ferramenta de gestão estratégica </li></ul></ul><ul><ul><li>Utiliza 4 perspectivas de mensuração </li></ul></ul>
  18. 18. 4. Revisão Bibliográfica <ul><li>Balanced Scorecard </li></ul>(KAPLAN E NORTON, 1997) Perspectiva Financeira Perspectiva de Clientes Aprendizado e Crescimento Processos Internos Visão e Estratégia
  19. 19. 4. Revisão Bibliográfica <ul><li>Balanced Scorecard </li></ul>(KAPLAN E NORTON, 1997) Inclinação Estratégica - Produtividade - Crescimento Perspectiva Financeira Perspectiva de Clientes Aprendizado e Crescimento Processos Internos Visão e Estratégia
  20. 20. 4. Revisão Bibliográfica <ul><li>Balanced Scorecard </li></ul>(KAPLAN E NORTON, 1997) Proposição de Valor - Melhor custo - Inovação - Soluções completas - Aprisionamento Perspectiva Financeira Perspectiva de Clientes Aprendizado e Crescimento Processos Internos Visão e Estratégia
  21. 21. 4. Revisão Bibliográfica <ul><li>Balanced Scorecard </li></ul>(KAPLAN E NORTON, 1997) Processos: - Inovação - Operações - Serviços pós-venda Perspectiva Financeira Perspectiva de Clientes Aprendizado e Crescimento Processos Internos Visão e Estratégia
  22. 22. 4. Revisão Bibliográfica <ul><li>Balanced Scorecard </li></ul>(KAPLAN E NORTON, 1997) Aspectos: - Capacidade - Tecnologia - Clima Perspectiva Financeira Perspectiva de Clientes Aprendizado e Crescimento Processos Internos Visão e Estratégia
  23. 23. 4. Revisão Bibliográfica <ul><li>Gestão do Conhecimento e Balanced Scorecard </li></ul><ul><li>Abordagem Utilizada: Aidemark e Sterner (2003) </li></ul>
  24. 24. Estrutura da Apresentação <ul><li>Definição do tema </li></ul><ul><li>Justificativa </li></ul><ul><li>Objetivos </li></ul><ul><li>Revisão Bibliográfica </li></ul><ul><li>Procedimentos Metodológicos </li></ul><ul><li>Resultados da Pesquisa </li></ul><ul><li>Considerações Finais </li></ul>
  25. 25. 5. Procedimentos Metodológicos <ul><li>Classificação da pesquisa e natureza dos dados </li></ul><ul><ul><li>Fins: Exploratória e descritiva </li></ul></ul><ul><ul><li>Meios: Bibliográfica – dados secundários </li></ul></ul><ul><ul><li>Campo e estudo de caso – dados primários </li></ul></ul><ul><li>Operacionalização da coleta </li></ul><ul><ul><li>100 pessoas no perfil escolhido (75 participantes) </li></ul></ul><ul><ul><li>Diretoria adm/financeira: 33 </li></ul></ul><ul><ul><li>Diretoria industrial: 23 </li></ul></ul><ul><ul><li>Diretoria comercial: 19 </li></ul></ul>Autorizada pelo Comitê de Ética CCS
  26. 26. 5. Procedimentos Metodológicos <ul><li>Modelo de análise </li></ul>(QUIVY e CHAMPENHOUDT, 1998) Indicadores Componentes Dimensões Conceito: Análise da GC a partir das Perspectivas do BSC
  27. 27. 5. Procedimentos Metodológicos <ul><li>Modelo de análise </li></ul>Missão, visão, valores Percepção dos gestores Objetivos Estratégia empresarial Indicadores Componentes Dimensões Conceito: Análise da GC a partir das Perspectivas do BSC
  28. 28. 5. Procedimentos Metodológicos <ul><li>Modelo de análise </li></ul>Produtividade Crescimento Orientação estratégica Perspectiva Financeira Missão, visão, valores Percepção dos gestores Objetivos Estratégia empresarial Indicadores Componentes Dimensões Conceito: Análise da GC a partir das Perspectivas do BSC
  29. 29. 5. Procedimentos Metodológicos <ul><li>Modelo de análise </li></ul>Melhor custo – Liderança do produto – Soluções completas Aprisionamento Proposição de valor Perspectiva de Clientes Produtividade Crescimento Orientação estratégica Perspectiva Financeira Missão, visão, valores Percepção dos gestores Objetivos Estratégia empresarial Indicadores Componentes Dimensões Conceito: Análise da GC a partir das Perspectivas do BSC
  30. 30. 5. Procedimentos Metodológicos <ul><li>Modelo de análise </li></ul>Sistemas baseados em casos , help desk , serviços ao cliente, entrada de pedidos, gestão do relacionamento com clientes Pós-venda Benchmarking , gestão da qualidade, melhoria de processos, lições aprendidas colaboração, fóruns de discussão Operações Benchmarking , lições aprendidas, colaboração, rede de relacionamen- tos, times virtuais / multidisciplinares Inovação Processos Internos Indicadores Componentes Dimensões Conceito: Análise da GC a partir das Perspectivas do BSC
  31. 31. 5. Procedimentos Metodológicos <ul><li>Modelo de análise </li></ul>Comunidades de prática, colaboração, rede de relacionamentos, times virtuais, e times multidisciplinares Clima Gestão de Documentos, valoração do conhecimento, repositórios de conhecimento, gestão de conteúdo, mapas do conhecimento Infra-estrutura tecnológica Desenvolvimento de habilidades, competências de staff , aprendizado, ensino e treinamento Capacidade das Pessoas Aprendizado e Crescimento Indicadores Componentes Dimensões Conceito: Análise da GC a partir das Perspectivas do BSC
  32. 32. 5. Procedimentos Metodológicos <ul><li>Instrumentos de coleta e tratamento de dados </li></ul><ul><ul><li>Entrevista semi-estruturada </li></ul></ul><ul><ul><li>Observações Livres </li></ul></ul><ul><ul><li>Questionários </li></ul></ul>
  33. 33. Estrutura da Apresentação <ul><li>Definição do tema </li></ul><ul><li>Justificativa </li></ul><ul><li>Objetivos </li></ul><ul><li>Revisão Bibliográfica </li></ul><ul><li>Procedimentos Metodológicos </li></ul><ul><li>Resultados da Pesquisa </li></ul><ul><li>Considerações Finais </li></ul>
  34. 34. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Identificação da empresa estudada </li></ul><ul><ul><li>Indústria de alimentos </li></ul></ul><ul><ul><li>Mix de aproximadamente 75 diferentes itens </li></ul></ul><ul><ul><li>Missão: “fazer produtos e prestar serviços que satisfaçam à necessidade de nossos clientes e consumidores, através de tecnologias modernas e recursos humanos capacitados” </li></ul></ul><ul><ul><li>Visão: “ser claramente identificada como empresa de alta qualidade” </li></ul></ul>
  35. 35. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Identificação da empresa estudada </li></ul><ul><ul><li>Valores: ética, eficiência, qualidade e respeito com os recursos humanos, clientes e fornecedores. </li></ul></ul><ul><ul><li>Estrutura organizacional: presidência, superintendência e de diretorias adm/financeira, industrial e comercial </li></ul></ul>
  36. 36. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Perspectiva Financeira </li></ul>(a) (b) (c) (d)
  37. 37. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Perspectiva Financeira </li></ul><ul><ul><li>As respostas mais voltadas à estratégia de crescimento estavam ligadas a produtos (variedade ou aos tipos de inovações buscadas, muitos lançamentos) </li></ul></ul>
  38. 38. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Perspectiva de Clientes </li></ul>
  39. 39. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Perspectiva de Clientes </li></ul><ul><ul><li>Consumidor: sensível a preço e exigente </li></ul></ul><ul><ul><li>Concorrência: alta competição (marketshare pulverizado) , tecnologia (domínio comum) </li></ul></ul><ul><ul><li>Busca ampliar relacionamento com clientes atuais e conquistar novos ( excelência operacional e liderança do produto ) </li></ul></ul>
  40. 40. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Perspectiva de Processos Internos </li></ul><ul><li>Inovação </li></ul><ul><ul><li>Iniciativas testadas: benchmarking , lições aprendidas, colaboração, rede de relacionamentos, times virtuais, e times multidisciplinares </li></ul></ul><ul><ul><li>Setores pesquisados: departamentos de marketing , (diretoria comercial) e pelos departamentos de desenvolvimento e laboratório (diretoria industrial). </li></ul></ul>
  41. 41. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Perspectiva de Processos Internos </li></ul><ul><li>Inovação – percepção diretores </li></ul>
  42. 42. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Perspectiva de Processos Internos </li></ul><ul><li>Inovação – setores responsáveis </li></ul>
  43. 43. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Perspectiva de Processos Internos </li></ul><ul><li>Inovação </li></ul><ul><ul><li>Benchmarking </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Valorizado o B. Externo - Engenharia Reversa </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Foco externo (estratégia seguidora) </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Times multidisciplinares </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Reflete a natureza do processo de desenvolvimento </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Lições aprendidas </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Know-how - tolerância a erros - discussões a cada projeto </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ausência de registros </li></ul></ul></ul>
  44. 44. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Perspectiva de Processos Internos </li></ul><ul><li>Operações </li></ul><ul><ul><li>Iniciativas testadas: benchmarking , colaboração, fóruns de discussão, gestão da qualidade, lições aprendidas, melhoria de processos e times multidisciplinares </li></ul></ul><ul><ul><li>Setores pesquisados: todas as diretorias </li></ul></ul>
  45. 45. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Perspectiva de Processos Internos </li></ul><ul><li>Operações – percepção diretores </li></ul>
  46. 46. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Perspectiva de Processos Internos </li></ul><ul><li>Operações – percepção diretores </li></ul><ul><ul><li>Colaboração </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Parcerias com fornecedores </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Lições aprendidas </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Tolerância a erros </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ausência de registros </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Times multidisciplinares </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Utilizados para algumas atividades </li></ul></ul></ul>
  47. 47. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Perspectiva de Processos Internos </li></ul><ul><li>Operações – diretoria adm/financeira </li></ul>
  48. 48. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Perspectiva de Processos Internos </li></ul><ul><li>Operações – diretoria adm/financeira </li></ul><ul><ul><li>Benchmarking </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>B. Interno (compartilhamento de conhecimento) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Equipes solícitas </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ausência de registros e de B. Externo </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Colaboração </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Relacionamento com fornecedores (Setor de informática) </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Melhoria de processos </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Melhoria contínua e incrementais </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ausência de mecanismos formais de captação de idéias </li></ul></ul></ul>
  49. 49. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Perspectiva de Processos Internos </li></ul><ul><li>Operações – diretoria industrial </li></ul>
  50. 50. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Perspectiva de Processos Internos </li></ul><ul><li>Operações – diretoria industrial </li></ul><ul><ul><li>Colaboração </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Parcerias com fornecedores (desenvolvimento de MP) </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Gestão da qualidade </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Documentação e padronização de processos </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Auditorias internas / PDCA / Planos de Ação </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Melhoria de processos e lições aprendidas </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Desempenho fraco – resultado inesperado </li></ul></ul></ul>
  51. 51. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Perspectiva de Processos Internos </li></ul><ul><li>Operações – diretoria comercial </li></ul>
  52. 52. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Perspectiva de Processos Internos </li></ul><ul><li>Operações – diretoria comercial </li></ul><ul><ul><li>Colaboração </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Parcerias com setores internos (produção e mkt) </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Lições aprendidas </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Tolerância a erros nas vendas </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ausência de registros </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Times Multidisciplinares </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Utilizados para ações nos PDVs, fluxo de vendas, conhecimento técnico dos produtos </li></ul></ul></ul>
  53. 53. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Perspectiva de Processos Internos </li></ul><ul><li>Serviços pós-venda </li></ul><ul><ul><li>Iniciativas testadas: entrada de pedidos, gestão do relacionamento com clientes, help desk , serviços ao cliente e sistemas baseados em casos </li></ul></ul><ul><ul><li>Setores pesquisados: departamento de marketing , (diretoria comercial) </li></ul></ul>
  54. 54. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Perspectiva de Processos Internos </li></ul><ul><li>Serviços pós-venda </li></ul>DIVERGÊNCIA NA VISÃO DOS DIRETORES E DO SETOR RESPONSÁVEL
  55. 55. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Perspectiva de Processos Internos </li></ul><ul><li>Serviços pós-venda </li></ul><ul><ul><li>Entrada de pedidos </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Telemarketing , internet (SAC) - suficientes </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Gestão do relacionamento com clientes </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Solução das solicitações </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Indicadores: nº queixas (e repetição), sondagem nos PDVs </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Help desk e sistemas baseados em casos </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ausência de atendimento automatizado e BD de problemas </li></ul></ul></ul>
  56. 56. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Aprendizado e Crescimento </li></ul><ul><li>Capacidade das Pessoas </li></ul><ul><ul><li>Iniciativas testadas: aprendizado, competência de staff , desenvolvimento de habilidades, ensino e treinamento. </li></ul></ul><ul><ul><li>Setores pesquisados: Recursos Humanos e de Capacitação e Qualidade (diretoria adm/financeira). </li></ul></ul>
  57. 57. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Aprendizado e Crescimento </li></ul><ul><li>Capacidade das Pessoas </li></ul>
  58. 58. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Aprendizado e Crescimento </li></ul><ul><li>Capacidade das Pessoas </li></ul><ul><li>Aprendizado </li></ul><ul><ul><li>Estímulo ao intercâmbio (alianças, parcerias, consultorias) </li></ul></ul><ul><ul><li>Ponto fraco: avaliação de desempenho (exceção: comercial) </li></ul></ul><ul><li>Competência de staff </li></ul><ul><ul><li>Pessoas de diferentes perfis, experientes e colaborativas </li></ul></ul><ul><ul><li>Ênfase nos talentos externos </li></ul></ul>
  59. 59. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Aprendizado e Crescimento </li></ul><ul><li>Capacidade das Pessoas </li></ul><ul><li>Desenvolvimento de habilidades </li></ul><ul><ul><li>Ações diferentes entre as diretorias </li></ul></ul><ul><ul><li>Baixo desempenho na busca e no estímulo à capacitação </li></ul></ul><ul><li>Treinamento </li></ul><ul><ul><li>Técnicos, comportamentais e gerenciais </li></ul></ul><ul><ul><li>Baixo desempenho dado pelo setor responsável </li></ul></ul><ul><li>Ensino </li></ul><ul><ul><li>Inexiste formalmente (sucessão) </li></ul></ul>
  60. 60. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Aprendizado e Crescimento </li></ul><ul><li>Infra-estrutura tecnológica </li></ul><ul><ul><li>Iniciativas testadas: gestão de conteúdo, gestão de documentos, mapas do conhecimento e repositórios de conhecimento </li></ul></ul><ul><ul><li>Setores pesquisados: todas as diretorias </li></ul></ul>
  61. 61. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Aprendizado e Crescimento </li></ul><ul><li>Infra-estrutura tecnológica – percepção dos diretores </li></ul>
  62. 62. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Aprendizado e Crescimento </li></ul><ul><li>Infra-estrutura tecnológica – diretorias </li></ul>
  63. 63. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Aprendizado e Crescimento </li></ul><ul><li>Clima </li></ul><ul><ul><li>Iniciativas testadas: colaboração, comunidades de prática, rede de relacionamentos, times multidisciplinares e times virtuais </li></ul></ul><ul><ul><li>Setores pesquisados: todas as diretorias </li></ul></ul>
  64. 64. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Aprendizado e Crescimento </li></ul><ul><li>Clima – percepção dos diretores </li></ul>
  65. 65. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Aprendizado e Crescimento </li></ul><ul><li>Clima – diretorias </li></ul>
  66. 66. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Aprendizado e Crescimento </li></ul><ul><li>Clima </li></ul><ul><li>Colaboração </li></ul><ul><ul><li>Abertura ao conhecimento acadêmico </li></ul></ul><ul><ul><li>Postura colaborativa </li></ul></ul><ul><ul><li>Divergências no que tange ao reconhecimento e confiança </li></ul></ul><ul><li>Comunidades de prática </li></ul><ul><ul><li>Existem, mas são pouco desenvolvidas e estimuladas </li></ul></ul><ul><li>Redes de relacionamento </li></ul><ul><ul><li>Feiras, congressos, workshops </li></ul></ul><ul><ul><li>Ausência de mecanismos de compartilhamento </li></ul></ul>
  67. 67. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Mapa estratégico </li></ul><ul><ul><li>Representações visuais da </li></ul></ul><ul><ul><li>estratégia </li></ul></ul><ul><ul><li>Processo: desenvolvimento </li></ul></ul><ul><ul><li>de produtos </li></ul></ul>(KAPLAN E NORTON, 2004)
  68. 68. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Mapa estratégico </li></ul>
  69. 69. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Mapa estratégico </li></ul>
  70. 70. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Mapa estratégico </li></ul>
  71. 71. 6. Resultados da Pesquisa <ul><li>Mapa estratégico </li></ul>
  72. 72. Estrutura da Apresentação <ul><li>Definição do tema </li></ul><ul><li>Justificativa </li></ul><ul><li>Objetivos </li></ul><ul><li>Revisão Bibliográfica </li></ul><ul><li>Procedimentos Metodológicos </li></ul><ul><li>Resultados da Pesquisa </li></ul><ul><li>Considerações Finais </li></ul>
  73. 73. 7. Considerações Finais <ul><li>Conclusões </li></ul><ul><ul><li>De acordo com o que foi apresentado, as perspectivas do BSC podem ser utilizadas como ferramenta para análise de práticas de GC </li></ul></ul><ul><ul><li>Através do arquétipo elaborado, foi possível: verificar inclinação estratégica, proposição de valor aos clientes, iniciativas de GC, processos estratégicos e elaborar um mapa estratégico da empresa </li></ul></ul><ul><ul><li>Arquétipo elaborado se presta a todas as etapas da gestão estratégica do BSC </li></ul></ul>
  74. 74. 7. Considerações Finais <ul><li>Conclusões </li></ul><ul><ul><li>Pouca alteração foi feita do BSC ou na GC para coligar os dois temas </li></ul></ul><ul><ul><li>Implantar a GC desta forma, torna-a integrada às atividades rotineiras da empresa </li></ul></ul><ul><ul><li>Flexibilidade do arquétipo (iniciativas, perspectivas) </li></ul></ul><ul><ul><li>Dependência das respostas de questionários </li></ul></ul><ul><ul><li>Os objetivos foram alcançados </li></ul></ul>
  75. 75. 7. Considerações Finais <ul><li>Conclusões </li></ul>Capítulo 5: Seção 5.1 Analisar os resultados da aplicação do modelo destacando suas vantagens e desvantagens Capítulo 4: Seções 4.1 a 4.6 Aplicar o arquétipo elaborado em pesquisa de campo Capítulo 3: Seção 3.3 Elaborar um arquétipo para a análise da gestão do conhecimento a partir das perspectivas do balanced scorecard Capítulo 2: Seção 2.3 Identificar as relações entre abordagens teóricas de gestão do conhecimento e as perspectivas do balanced scorecard Capítulo e Seção Objetivos Específicos
  76. 76. 7. Considerações Finais <ul><li>Recomendações </li></ul><ul><li>Pesquisas </li></ul><ul><ul><li>Comparar o BSC com outros sistemas de gestão aplicados à GC </li></ul></ul><ul><ul><li>Incorporar a GC ao cotidiano da empresa </li></ul></ul><ul><ul><li>Determinar graus de evolução da implantação da GC </li></ul></ul><ul><ul><li>Incluir as demais perspectivas na análise </li></ul></ul>
  77. 77. 7. Considerações Finais <ul><li>Recomendações </li></ul><ul><li>Empresa </li></ul><ul><ul><li>Desenvolver uma cultura de utilização de índices de desempenho </li></ul></ul><ul><ul><li>Desenvolver o planejamento estratégico e incorporar BSC-GC </li></ul></ul><ul><ul><li>Formalização dos processos de GC </li></ul></ul>
  78. 78. Utilização do BSC como ferramenta de análise de práticas de gestão do conhecimento: um estudo de caso Marcel de Gois Pinto Orientadora: Maria do Socorro Márcia L. Souto, Drª Universidade Federal da Paraíba Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia de Produção Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção

×