Apresentação da disciplina

2,197 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,197
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
64
Actions
Shares
0
Downloads
55
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apresentação da disciplina

  1. 1. Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Juazeiro – BA Colegiado de Engenharia de Produção Professor Marcel de Gois Pinto, MSc.
  2. 2. CONTEÚDO esta apresentação Programa da disciplina Apresentação do curso A t ã  d   Sistema de avaliação da aprendizagem ç p g Evolução da economia Teorias econômicas clássicas da tecnologia T i   ô i   lá i  d   l i Conjuntura da revolução industrial j ç Tecnologia e capitalismo Tecnologia no pensamento neoclássico
  3. 3. EMENTA Inovação tecnológica: definição e perspectivas Conceitos e propriedades da tecnologia C it     i d d  d  t l i O processo de inovação tecnológica ‐ conceito,  p ç g , fases e gerenciamento Criação e disseminação de tecnologia Adoção, implementação e disseminação da  tecnologia
  4. 4. EMENTA Trabalho criativo, contexto da mudança,  processos decisórios Formulação de estratégias Influências da globalização na Tecnologia e na  Inovação ç
  5. 5. OBJETIVO Pretende‐se que, ao final da disciplina, o aluno  compreenda as teorias econômicas relacionadas  com a tecnologia e inovação, a influência dos  fatores meso‐econômicos (setor, localização e  fatores meso econômicos (setor  localização e  porte da empresa) na inovação e os aspectos  microeconômicos envolvidos na gestão da  i ô i l id     tã  d   inovação e da tecnologia
  6. 6. MEIOS DE ENSINO Aulas Expositivas Discussão de Textos Di ã  d  T t Seminários
  7. 7. SISTEMA DE AVALIAÇÃO Fichamentos – peso 2 Prova Parcial – peso 4 P  P i l    Seminários – peso 4 p
  8. 8. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Teorias econômicas clássicas da tecnologia A tecnologia nas visões marxista e neoclássica A t l i     i õ   i t     lá i A era fordista e a concorrência oligopolista g p O pós‐fordismo e as novas teorias da firma e da  tecnologia Inovação e difusão tecnológica Fontes de inovação na empresa
  9. 9. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Setor de atividade, tamanho da firma e  localização geográfica Inovação e competitividade internacional Inovação e estratégia competitiva Estratégia e capacitação tecnológica Inovações organizacionais e redes de empresas Gestão da inovação na economia do  conhecimento
  10. 10. INTRODUÇÃO Gestão da tecnologia e da inovação Atuamente a tecnologia nos permite muitas  coisas: de um banho quente a viagens espaciais Mas qual a função da tecnologia? VAMOS ENTENDER UM POUCO O que você entende por gestão da tecnologia? DA EVOLUÇÃO DA ECONOMIA O que significa gerenciar inovações? Por que isso é importante para um engenheiro  de produção?
  11. 11. EVOLUÇÃO DA ECONOMIA
  12. 12. EVOLUÇÃO DA ECONOMIA Sociedade sem classes sociais Subsistem a partir da natureza Artefatos simples – baixa tecnologia N di Nomadismo Pedra lascada – polida – uso dos metais
  13. 13. EVOLUÇÃO DA ECONOMIA Domínio da agricultura Fixação do homem em uma região Surge o excedente e a acumulação T   t i     d   i Troca: metais e pedras preciosas Conquista e escravização
  14. 14. EVOLUÇÃO DA ECONOMIA Sem monarquias estabelicidas Feudalismo e servidão Avanços na tecnologia de cultivo Posse da t P  d terra e não d       ã das pessoas
  15. 15. EVOLUÇÃO DA ECONOMIA Iluminismo e mercantilismo Grandes navegações Cresce o papel da distribuição E i i  t id   i   t i Especiarias, tecidos, riquezas naturais Surge a burguesia
  16. 16. EVOLUÇÃO DA ECONOMIA Revolução industrial Produção industrial, menos agrícola VAMOS ENTENDER UM POUCO Exploração do homem pelo homem SOBRE A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Ç Di i ã d  t b lh Divisão do trabalho Perda da posse dos meios e dos frutos p do trabalho
  17. 17. REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Papel da Tecnologia Período entre séc. XVIII e início do XIX Grandes transformações tecnológicas Mudança na forma de produzir Novos materiais Novas fontes de energia
  18. 18. BASES TECNOLÓGICAS Início: emprego da maquinaria na indústria têxtil Máquina de fiar rotativa  Má i  d  fi   t ti   Teares automáticos  (roda d`água) g Buscava‐se reduzir o tempo e aumentar a  produção Coordenando máquinas Evitando gargalos Máquina  a vapor Acelerando o ritmo
  19. 19. BASES TECNOLÓGICAS Máquina a vapor Permitiu o aumento da força motriz e redução  P iti     t  d  f   ti     d ã   do trabalho humano Seu desenvolvimento foi lento devido a baixa  q qualidade do Ferro e baixo rendimento
  20. 20. BASES TECNOLÓGICAS Máquina a vapor ‐ Thomas Newcomen (~1700) Rendimento de 1% R di t  d   % Utilização nas minas de carvão ç Permitiu dobrar a produção de carvão mineral  inglês em 50 anos (1700 ‐1750) inglês em 50 anos (1700  1750)
  21. 21. BASES TECNOLÓGICAS Máquina a vapor ‐ Thomas Watt (1769) Criação do sistema de condensamento C i ã  d   i t  d   d t Aumento da eficiência Viabiliza o vapor como força motriz
  22. 22. BASES TECNOLÓGICAS Uma melhoria puxa outra A abundancia de carvão levou à melhoria da   A  b d i  d   ã  l  à  lh i  d qualidade do Ferro Isso aumentou a eficiência da máquina térmica Aumentando suas possibilidades: Bondes Máquina a vapor Trem
  23. 23. BASES TECNOLÓGICAS Outras inovações Transportes para o escoamento da produção   T t       t  d   d ã (locomotiva movida a vapor, primeira via  aquática artificial ‐ Bridgewater, ponte em ferro  á f l d f fundido) Comunicações (telégrafo, telefone, fonógrafo,  radiotelegrafia)
  24. 24. BASES TECNOLÓGICAS A difusão deste processo foi lenta Tal revolução se concentrou na Inglaterra T l  l ã     t    I l t Havia uma separação entre ciência e tecnologia p ç g Por volta de 1600 a Europa possuia a vanguarda  da ciência, mas isso não significava riqueza da ciência  mas isso não significava riqueza Essa aproximação ocorreu de forma gradual, ao  final do século XIX, com o surgimento dos  laboratórios empresariais (Ex: Tomas Edson)
  25. 25. BASES TECNOLÓGICAS A difusão deste processo foi lenta Deste modo, é importante que reconhecer   D t   d  é i t t     h outros fatores, além dos tecnológicos, como  propulsorem da revolução industrial l d l ã d l
  26. 26. BASES SOCIAIS E ECONÔMICAS Algumas características da sociedade inglesa  foram fundamentais para a revolução industrial: Sociedade liberal – abertura ao capitalismo Investimentos em transportes (fluviais) Transparência e estabilidade política Alto poder de compra da população Boa distribuição de renda Redução dos privilégios dos nobres
  27. 27. REVOLUÇÃO INDUSTRIAL: INOVAÇÕES Podem ser resumidas em três tipos: Substituição do esforço humano pelas máquinas S b tit i ã  d   f  h   l   á i Utilização de novas fontes de energia ç g Utilização de matérias‐primas novas e mais  abundantes  (Vegetal pelo mineral) Núcleo da revolução industrial Maquinaria Divisão do trabalho
  28. 28. TECNOLOGIA E CAPITALISMO A máquina a vapor permitiu o avanço do  capitalismo O capital encontrou na tecnologia uma maneira  de multiplicar‐se
  29. 29. TECNOLOGIA E CAPITALISMO Por outro lado, é inegável que o capitalismo já  existia antes da revolução industrial Sistema putting out – Século XVIII – facção Ainda assim, a história mostra, que novas  tecnologias e ativos produtivos levam ao  g p desenvolvimento econômico Importância deste assunto  para a engenharia de produção
  30. 30. TECNOLOGIA  E ECONOMIA Autores Clássicos Tal revolução na economia não iria passar ao  lango dos economistas Maquinaria Adam Smith Produtividade Divisão do  Trabalho David  Emprego e  Tecnologia T l i Ricardo renda
  31. 31. TECNOLOGIA E ECONOMIA Adam Smith buscou explicar “A riqueza das  nações  através de 3 razões: nações” através de 3 razões: Especialização do trabalho Menor deslocamento dos trabalhadores na  fábrica Facilitação do trabalho a partir das máquinas
  32. 32. TECNOLOGIA E ECONOMIA David Ricardo: Máquinas levam ao desemprego e a queda dos  Má i  l    d       d  d   salários Ludismo e Cartismo Segundo ele, com o aumento da produção há  Segundo ele  com o aumento da produção há  uma redução dos preços dos produtos Preços mais baixos beneficiam aqueles que  tiveram queda nos seus salários
  33. 33. Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Juazeiro – BA Colegiado de Engenharia de Produção Professor Marcel de Gois Pinto, MSc.

×