4 PPP - Planejamento Estratégico de Produtos

3,112
-1

Published on

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
3,112
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

4 PPP - Planejamento Estratégico de Produtos

  1. 1. CmpuICtoTcoogptmtogouocp:jmtoojtooutoof.McGoto jmtottgcoouto
  2. 2. ocoomtoouto
  3. 3. ocoomtoouto PRÉ-DESENVOLVIMENTO DESENVOLVIMENTO PÓS-DESENVOLVIMENTO Planej. Acompanhar Estrat. de Retirar o Produto e Produtos Produto Processo Gates Planejamento Projeto Projeto Projeto Preparação Lançamento Projeto Informacional Conceitual Detalhado Produção do Produto PROCESSOS GERENCIAMENTO DE MUDANÇAS DE ENGENHARIA DE APOIO MELHORIA DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS
  4. 4. ocoomtoouto PRÉ-DESENVOLVIMENTO DESENVOLVIMENTO PÓS-DESENVOLVIMENTO Planej. Acompanhar Estrat. de Retirar o Produto e Produtos Produto Processo Gates Planejamento Projeto Projeto Projeto Preparação Lançamento Projeto Informacional Conceitual Detalhado Produção do Produto PROCESSOS GERENCIAMENTO DE MUDANÇAS DE ENGENHARIA DE APOIO MELHORIA DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS
  5. 5. ocoomtoouto PRÉ-DESENVOLVIMENTO Planej. Estrat. de Produtos
  6. 6. ocoomtoouto PRÉ-DESENVOLVIMENTO SAÍDA Planej. PORTFÓLIO DE Estrat. de PRODUTOS DA Produtos UNIDADE DE NEGÓCIOS ENTRADA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UNIDADE DE NEGÓCIO
  7. 7. ocoomtoouto PRÉ-DESENVOLVIMENTO SAÍDA Planej. PORTFÓLIO DE Estrat. de PRODUTOS DA Produtos UNIDADE DE NEGÓCIOS ENTRADA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UNIDADE DE NEGÓCIO
  8. 8. ocoomtoouto CORPORAÇÃO – General Electric PRÉ-DESENVOLVIMENTO NEGÓCIOS SAÍDA Planej. PORTFÓLIO DE Estrat. de PRODUTOS DA Produtos UNIDADE DE NEGÓCIOS ENTRADA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UNIDADE DE NEGÓCIO
  9. 9. ocoomtoouto CORPORAÇÃO – General Electric PRÉ-DESENVOLVIMENTO NEGÓCIOS SAÍDA AVIAÇÃO FINANÇAS Planej. PORTFÓLIO DE HEALTHCARE TRANSPORTE Estrat. de PRODUTOS DA Produtos UNIDADE DE ELETRIFICAÇÃO ELETRODOMÉSTICOS NEGÓCIOS ÓLEO E GÁS TRATAMENTO DE ÁGUA GERADORES LÂMPADAS ENTRADA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UNIDADE DE NEGÓCIO
  10. 10. ocoomtoouto CORPORAÇÃO – General Electric PRÉ-DESENVOLVIMENTO NEGÓCIOS SAÍDA AVIAÇÃO FINANÇAS Planej. PORTFÓLIO DE HEALTHCARE TRANSPORTE Estrat. de PRODUTOS DA Produtos UNIDADE DE ELETRIFICAÇÃO ELETRODOMÉSTICOS NEGÓCIOS ÓLEO E GÁS TRATAMENTO DE ÁGUA GERADORES LÂMPADAS ENTRADA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UNIDADE DE NEGÓCIO
  11. 11. ocoomtoouto UNIDADE – General Electric PRÉ-DESENVOLVIMENTO LÂMPADAS SAÍDA Planej. PORTFÓLIO DE Estrat. de PRODUTOS DA Produtos UNIDADE DE NEGÓCIOS ENTRADA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UNIDADE DE NEGÓCIO
  12. 12. ocoomtoouto UNIDADE – General Electric PRÉ-DESENVOLVIMENTO LÂMPADAS SAÍDA AUTOMOTIVAS HOLOFOTES Planej. PORTFÓLIO DE Estrat. de PRODUTOS DA Produtos UNIDADE DE NEGÓCIOS GERAIS FLUORESCENTES DECORATIVAS ESPECIAIS ENTRADA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UNIDADE DE NEGÓCIO EXTERNAS
  13. 13. ocoomtoouto MAIS DETALHES DO PORTFOLIO PRÉ-DESENVOLVIMENTO http://www.ge.com/br/ SAÍDA Planej. PORTFÓLIO DE Estrat. de PRODUTOS DA Produtos UNIDADE DE NEGÓCIOS ENTRADA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UNIDADE DE NEGÓCIO
  14. 14. Ag Revisar Planejamento Estratégico Verificar Pesquisa de Viabilidade mercado Análise do Pesquisa Portfólio Tecnológica
  15. 15. Ag Revisar Planejamento Estratégico Verificar Pesquisa de Viabilidade mercado Análise do Pesquisa Portfólio Tecnológica
  16. 16. jmtottgco
  17. 17. jmtottgcoEstudar criticamente e familiarizar-se com o plano do negócio
  18. 18. jmtottgcoEstudar criticamente e familiarizar-se com o plano do negócioEscopo da RevisãoAtividades da RevisãoObter Consenso
  19. 19. jmtottgcoEstudar criticamente e familiarizar-se com o plano do negócioEscopo da RevisãoAtividades da RevisãoObter Consenso
  20. 20. jmtottgcoEstudar criticamente e familiarizar-se com o plano do negócioEscopo da Revisão Os responsáveis pela fase são os diretores e os gerentes funcionaisAtividades da Revisão Analisar o plano estratégico e definir os assuntos a serem discutidosObter Consenso Identificar as competências do time e definir o método de revisão Documentar o conteúdo esperado da revisão (Escopo de Revisão do PEN)
  21. 21. jmtottgcoEstudar criticamente e familiarizar-se com o plano do negócioEscopo da RevisãoAtividades da RevisãoObter Consenso
  22. 22. jmtottgcoEstudar criticamente e familiarizar-se com o plano do negócioEscopo da Revisão A meta é obter uma visão consensual da estratégia e do papel do portfólioAtividades da Revisão Definir atividades, prazos e recursos para obter o cronograma de atividades e as agendas de discussõesObter Consenso Programar workshops com temas importantes e especialistas
  23. 23. jmtottgcoEstudar criticamente e familiarizar-se com o plano do negócioEscopo da RevisãoAtividades da RevisãoObter Consenso
  24. 24. jmtottgcoEstudar criticamente e familiarizar-se com o plano do negócioEscopo da Revisão REVISAR Missão e negócio da empresaAtividades da Revisão Posicionamento no mercadoObter Consenso Direcionamento da unidade de negócios Competências das pessoas Revisar recursos disponíveis Metas da unidade de negócios DOCUMENTAR A REVISÃO
  25. 25. Ag Revisar Planejamento Estratégico Verificar Pesquisa de Viabilidade mercado Análise do Pesquisa Portfólio Tecnológica
  26. 26. quMco
  27. 27. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidor
  28. 28. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIARPESQUISAS INDIRETASPESQUISAS DIRETAS
  29. 29. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIARPESQUISAS INDIRETASPESQUISAS DIRETAS
  30. 30. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIAR “Henry Ford disse que, se tivesse questionado seus clientes sobre o que queriam, a resposta seria um cavaloPESQUISAS INDIRETAS mais rápido“ “Não faz parte do trabalho do consumidor descobrir oPESQUISAS DIRETAS que ele quer. Não gastamos um dólar com isso.“
  31. 31. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIAR MITOS SOBRE PESQUISAS DE MERCADOPESQUISAS INDIRETASPESQUISAS DIRETAS
  32. 32. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIAR MITOS SOBRE PESQUISAS DE MERCADO Elas são carasPESQUISAS INDIRETAS Mas existem formas baratas de coletar informaçõesPESQUISAS DIRETAS Elas não funcionam para produtos inovadores Deve-se pesquisar a respeito do hábito ligado ao conceito do produto Significa usar uma prancheta e abordar as pessoas Pesquisa direta é apenas uma das formas de coletar dados
  33. 33. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIAR CASO DO WALKMAN DA SONYPESQUISAS INDIRETASPESQUISAS DIRETAS
  34. 34. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIAR CASO DO WALKMAN DA SONY Sucesso de mercado, sem pesquisa de mercadoPESQUISAS INDIRETASPESQUISAS DIRETAS
  35. 35. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIARPESQUISAS INDIRETASPESQUISAS DIRETAS
  36. 36. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIAR Utiliza dados secundários (produzidos com outros fins)PESQUISAS INDIRETASPESQUISAS DIRETAS
  37. 37. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIAR Utiliza dados secundários (produzidos com outros fins) REGISTROS INTERNOSPESQUISAS INDIRETASPESQUISAS DIRETAS
  38. 38. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIAR Utiliza dados secundários (produzidos com outros fins) REGISTROS INTERNOSPESQUISAS INDIRETAS Dados que a empresa produz em suas operaçõesPESQUISAS DIRETAS rotineiras
  39. 39. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIAR Utiliza dados secundários (produzidos com outros fins) DADOS PUBLICADOS E DE USO COMUMPESQUISAS INDIRETASPESQUISAS DIRETAS
  40. 40. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIAR Utiliza dados secundários (produzidos com outros fins) DADOS PUBLICADOS E DE USO COMUMPESQUISAS INDIRETAS Informações dirigidas ao grande público do setorPESQUISAS DIRETAS (revistas, agências de informação e associações)
  41. 41. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIAR Utiliza dados secundários (produzidos com outros fins) DADOS PADRONIZADOS DE MARKETINGPESQUISAS INDIRETASPESQUISAS DIRETAS
  42. 42. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIAR Utiliza dados secundários (produzidos com outros fins) DADOS PADRONIZADOS DE MARKETINGPESQUISAS INDIRETAS Empresas que vendem a informação especializadaPESQUISAS DIRETAS
  43. 43. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIAR BENEFÍCIOSPESQUISAS INDIRETASPESQUISAS DIRETAS
  44. 44. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIAR BENEFÍCIOS Tamanho do mercado, posição da empresa e concorrentesPESQUISAS INDIRETAS Fornecer informações sobre os clientes sem investimentosPESQUISAS DIRETAS Pode identificar a necessidade de colher dados primários
  45. 45. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIARPESQUISAS INDIRETASPESQUISAS DIRETAS
  46. 46. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIAR Utiliza dados primários (produzidos sob medida)PESQUISAS INDIRETASPESQUISAS DIRETAS
  47. 47. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIAR Utiliza dados primários (produzidos sob medida) OBSERVAÇÃO DIRETAPESQUISAS INDIRETASPESQUISAS DIRETAS
  48. 48. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIAR Utiliza dados primários (produzidos sob medida) OBSERVAÇÃO DIRETAPESQUISAS INDIRETAS Observar o consumidor comprando ou usando o produtoPESQUISAS DIRETAS
  49. 49. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIAR Utiliza dados primários (produzidos sob medida) ENTREVISTAS INDIVIDUAISPESQUISAS INDIRETASPESQUISAS DIRETAS
  50. 50. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIAR Utiliza dados primários (produzidos sob medida) ENTREVISTAS INDIVIDUAISPESQUISAS INDIRETAS Abordagem individual com perguntas abertas e umPESQUISAS DIRETAS número definido de questões
  51. 51. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIAR Utiliza dados primários (produzidos sob medida) CLÍNICAS (FOCUS GROUPS)PESQUISAS INDIRETASPESQUISAS DIRETAS
  52. 52. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIAR Utiliza dados primários (produzidos sob medida) CLÍNICAS (FOCUS GROUPS)PESQUISAS INDIRETAS Seleciona-se um grupo de consumidores que sãoPESQUISAS DIRETAS estimulados a reagir diante dos produtos
  53. 53. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIAR Utiliza dados primários (produzidos sob medida) ENQUETESPESQUISAS INDIRETASPESQUISAS DIRETAS
  54. 54. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIAR Utiliza dados primários (produzidos sob medida) ENQUETESPESQUISAS INDIRETAS Realizadas com perguntas objetivas, sendo viável paraPESQUISAS DIRETAS amostras grandes e tratada estatisticamente
  55. 55. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIAR Utiliza dados primários (produzidos sob medida) EXPERIMENTOS CONTROLADOSPESQUISAS INDIRETASPESQUISAS DIRETAS
  56. 56. quMcoIdentificar ou conhecer a necessidade do mercado consumidorIDENTIFICAR OU CRIAR Utiliza dados primários (produzidos sob medida) EXPERIMENTOS CONTROLADOSPESQUISAS INDIRETAS Situação controlada para testar hipótesesPESQUISAS DIRETAS
  57. 57. quMcoDESENVOLVIMENTO COLABORATIVO: Caso do Fiat Mio
  58. 58. quMcoDESENVOLVIMENTO COLABORATIVO: Caso do Fiat Miohttp://www.fiatmio.cc/pt/
  59. 59. quMcoINFORMAÇÕES GERAIS DO CONSUMIDOR DO SÉCULO XXI: Ibope
  60. 60. quMcoINFORMAÇÕES GERAIS DO CONSUMIDOR DO SÉCULO XXI: Ibopehttp://www.ibope.com/consumidor/
  61. 61. Ag Revisar Planejamento Estratégico Verificar Pesquisa de Viabilidade mercado Análise do Pesquisa Portfólio Tecnológica
  62. 62. quTcogc
  63. 63. quTcogcTECNOLOGIABASES DE PATENTESPESQUISA CIENTÍFICAPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  64. 64. quTcogcTECNOLOGIABASES DE PATENTESPESQUISA CIENTÍFICAPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  65. 65. quTcogcTECNOLOGIA Conjunto de conhecimentos técnicos, ordenados cientificamenteBASES DE PATENTES Permitem projetar e criar bens e serviços que facilitam nossa adaptação ao meio ambientePESQUISA CIENTÍFICA Visam satisfazer tanto as necessidades essenciais quanto o desejo das pessoasPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  66. 66. quTcogcTECNOLOGIABASES DE PATENTESPESQUISA CIENTÍFICAPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  67. 67. quTcogcTECNOLOGIA Patente é um título de propriedade temporária sobre uma invenção ou modelo de utilidadeBASES DE PATENTES Outorgado pelo Estado aos inventores ou pessoas físicas ou jurídicas que têm direitos sobre a criaçãoPESQUISA CIENTÍFICA O inventor se obriga a revelar detalhadamente todo o conteúdo técnico da matéria protegidaPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  68. 68. quTcogcTECNOLOGIA TIPOS DE PATENTEBASES DE PATENTESPESQUISA CIENTÍFICAPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  69. 69. quTcogcTECNOLOGIA TIPOS DE PATENTE Patente de Invenção (PI)BASES DE PATENTES Produtos ou processos que atendam aos requisitos de atividade inventiva, novidade e aplicação industrialPESQUISA CIENTÍFICA 20 anosPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  70. 70. quTcogcTECNOLOGIA TIPOS DE PATENTE Patente de Invenção (PI)BASES DE PATENTES Produtos ou processos que atendam aos requisitos de atividade inventiva, novidade e aplicação industrialPESQUISA CIENTÍFICA 20 anos Modelo de Utilidade (MU)PROJETOS CONCEITO Objeto de uso prático, ou parte deste, suscetível de aplicação industrial, que apresente nova forma ouVIGÍLIA TECNOLÓGICA disposição, envolvendo ato inventivo, que resulte em melhoria funcional no seu uso ou em sua fabricaçãoCENÁRIOS FUTUROS 15 anos
  71. 71. quTcogcTECNOLOGIA BASES DE DADOSBASES DE PATENTESPESQUISA CIENTÍFICAPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  72. 72. quTcogcTECNOLOGIA BASES DE DADOS INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial)BASES DE PATENTESPESQUISA CIENTÍFICAPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  73. 73. quTcogcTECNOLOGIA BASES DE DADOS INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial)BASES DE PATENTES http://www.inpi.gov.br/index.php/patente/buscaPESQUISA CIENTÍFICAPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  74. 74. quTcogcTECNOLOGIA BASES DE DADOS United States Patent &Trademark Office (USPTO)BASES DE PATENTESPESQUISA CIENTÍFICAPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  75. 75. quTcogcTECNOLOGIA BASES DE DADOS United States Patent &Trademark Office (USPTO)BASES DE PATENTES http://www.uspto.gov/PESQUISA CIENTÍFICAPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  76. 76. quTcogcTECNOLOGIA BASES DE DADOS European Patent Office (EPO)BASES DE PATENTESPESQUISA CIENTÍFICAPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  77. 77. quTcogcTECNOLOGIA BASES DE DADOS European Patent Office (EPO)BASES DE PATENTES http://www.epo.org/PESQUISA CIENTÍFICAPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  78. 78. quTcogcTECNOLOGIA BASES DE DADOS Google PatentsBASES DE PATENTESPESQUISA CIENTÍFICAPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  79. 79. quTcogcTECNOLOGIA BASES DE DADOS Google PatentsBASES DE PATENTES http://www.google.com/patentsPESQUISA CIENTÍFICAPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  80. 80. quTcogcTECNOLOGIABASES DE PATENTESPESQUISA CIENTÍFICAPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  81. 81. quTcogcTECNOLOGIA Identificação das inovações sendo produzidas em diversas fontes possíveis:BASES DE PATENTES Institutos de Pesquisa UniversidadesPESQUISA CIENTÍFICA Centro de P&D da própria empresa A informação pode estar disponibilizada de diversasPROJETOS CONCEITO formas, a mais comum são os artigos científicosVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  82. 82. quTcogcTECNOLOGIA PERIÓDICOS CAPESBASES DE PATENTESPESQUISA CIENTÍFICAPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  83. 83. quTcogcTECNOLOGIA PERIÓDICOS CAPES http://periodicos.capes.gov.br/BASES DE PATENTESPESQUISA CIENTÍFICAPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  84. 84. quTcogcTECNOLOGIABASES DE PATENTESPESQUISA CIENTÍFICAPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  85. 85. quTcogcTECNOLOGIA O uso de projetos conceito é uma forma da empresa saber como está o estado da técnicaBASES DE PATENTES Identifica como os concorrentes estão tecnologica- mente e a aceitação do mercado ao novoPESQUISA CIENTÍFICAPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  86. 86. quTcogcTECNOLOGIA O uso de projetos conceito é uma forma da empresa saber como está o estado da técnicaBASES DE PATENTES Identifica como os concorrentes estão tecnologica- mente e a aceitação do mercado ao novoPESQUISA CIENTÍFICA AUTOMÓVEISPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  87. 87. quTcogcTECNOLOGIA O uso de projetos conceito é uma forma da empresa saber como está o estado da técnicaBASES DE PATENTES Identifica como os concorrentes estão tecnologica- mente e a aceitação do mercado ao novoPESQUISA CIENTÍFICA AUTOMÓVEISPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  88. 88. quTcogcTECNOLOGIA O uso de projetos conceito é uma forma da empresa saber como está o estado da técnicaBASES DE PATENTES Identifica como os concorrentes estão tecnologica- mente e a aceitação do mercado ao novoPESQUISA CIENTÍFICA AUTOMÓVEISPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  89. 89. quTcogcTECNOLOGIA O uso de projetos conceito é uma forma da empresa saber como está o estado da técnicaBASES DE PATENTES Identifica como os concorrentes estão tecnologica- mente e a aceitação do mercado ao novoPESQUISA CIENTÍFICA AUTOMÓVEISPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  90. 90. quTcogcTECNOLOGIA O uso de projetos conceito é uma forma da empresa saber como está o estado da técnicaBASES DE PATENTES Identifica como os concorrentes estão tecnologica- mente e a aceitação do mercado ao novoPESQUISA CIENTÍFICA CELULARES FUTURISTASPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  91. 91. quTcogcTECNOLOGIA O uso de projetos conceito é uma forma da empresa saber como está o estado da técnicaBASES DE PATENTES Identifica como os concorrentes estão tecnologica- mente e a aceitação do mercado ao novoPESQUISA CIENTÍFICA CELULARES FUTURISTASPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  92. 92. quTcogcTECNOLOGIABASES DE PATENTESPESQUISA CIENTÍFICAPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  93. 93. quTcogcTECNOLOGIA ESTABELECIMENTO DO SISTEMABASES DE PATENTESPESQUISA CIENTÍFICAPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  94. 94. quTcogcTECNOLOGIA ESTABELECIMENTO DO SISTEMA Definir pessoas, procedimentos, equipamentosBASES DE PATENTES Bases de dados de patentes e revistas científicasPESQUISA CIENTÍFICA Mapeamento de competência (pessoa e instituição)PROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  95. 95. quTcogcTECNOLOGIA COLETA DE DADOSBASES DE PATENTESPESQUISA CIENTÍFICAPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  96. 96. quTcogcTECNOLOGIA COLETA DE DADOS Coleta e organização contínua dos dados de modo aBASES DE PATENTES serem acessadosPESQUISA CIENTÍFICAPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  97. 97. quTcogcTECNOLOGIA AVALIAÇÃO E ANÁLISE DOS DADOSBASES DE PATENTESPESQUISA CIENTÍFICAPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  98. 98. quTcogcTECNOLOGIA AVALIAÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS Realizadas por especialistas de tecnologia e projetoBASES DE PATENTES de produtos Identificação do grau de maturidade da tecnologiaPESQUISA CIENTÍFICAPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  99. 99. quTcogcTECNOLOGIA AVALIAÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS Realizadas por especialistas de tecnologia e projetoBASES DE PATENTES de produtos Identificação do grau de maturidade da tecnologiaPESQUISA CIENTÍFICA Exemplo: HD-DVD vs. BLU-RAYPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  100. 100. quTcogcTECNOLOGIA DISSEMINAÇÃO DAS INFORMAÇÕESBASES DE PATENTESPESQUISA CIENTÍFICAPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  101. 101. quTcogcTECNOLOGIA DISSEMINAÇÃO DAS INFORMAÇÕES Sumarização divulgada na forma de políticas,BASES DE PATENTES sugestões de ação Inspiração para novos projetos ou novas pesquisasPESQUISA CIENTÍFICAPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  102. 102. quTcogcTECNOLOGIABASES DE PATENTESPESQUISA CIENTÍFICAPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  103. 103. quTcogcTECNOLOGIA Criar cenário atual e futuro de tendências tecnológicas e de mercadoBASES DE PATENTES Eles são a síntese das informações existentes e balizarão a tomada de decisão de portfólioPESQUISA CIENTÍFICA Devem ser confidenciais, pois evidenciam a estratégia da empresaPROJETOS CONCEITOVIGÍLIA TECNOLÓGICACENÁRIOS FUTUROS
  104. 104. CotuoCoO
  105. 105. CotuoCooVISÃO“O computadordeve tornar-se um HUB digitaltotalmente integrado”
  106. 106. CotuoCooVISÃO“O computadordeve tornar-se um DISPOSITIVOS HUB digitaltotalmente integrado” GERENCIADOR DIGITAL
  107. 107. CotuoCooCONCORRENTESSistema Operacional | Hardwares | Aplicativos Adobe se recusa a desenvolver para Mac
  108. 108. CotuoCooCONCORRENTES Apple – Know how para tudo isso Sistema Operacional – OS X Hardwares – MAC...Sistema Operacional | Hardwares | Aplicativos Aplicativos - iTunes... Adobe se recusa a desenvolver para Mac
  109. 109. CotuoCooCONCORRENTES Apple – Know how para tudo isso Sistema Operacional – OS X Hardwares – MAC...Sistema Operacional | Hardwares | Aplicativos Aplicativos - iTunes... Adobe se recusa a desenvolver para MacMERCADO Surgem os primeiros mp3 players, gravadores de CD, baixadores de música, ripadores... Todos ruins, na opinião de Jobs
  110. 110. CotuoCooCONCORRENTES Apple – Know how para tudo isso Sistema Operacional – OS X Hardwares – MAC...Sistema Operacional | Hardwares | Aplicativos Aplicativos - iTunes... Adobe se recusa a desenvolver para MacMERCADO Surgem os primeiros mp3 players, gravadores de CD, baixadores de música, ripadores... Todos ruins, na opinião de Jobs
  111. 111. CotuoCooPROBLEMA TECNOLÓGICOOs componentes necessários ainda não estavam disponíveis (2000)
  112. 112. CotuoCoo PROBLEMA TECNOLÓGICO Os componentes necessários ainda não estavam disponíveis (2000)PRIMEIRO PASSODesenvolver uma tela de LCDpequena ligada a uma bateriade polímero de lítio
  113. 113. CotuoCoo PROBLEMA TECNOLÓGICO Os componentes necessários ainda não estavam disponíveis (2000)PRIMEIRO PASSODesenvolver uma tela de LCDpequena ligada a uma bateriade polímero de lítioDRIVEDescoberto em uma visita derotina - 5GB em 4,5 cm
  114. 114. CotuoCoo PROBLEMA TECNOLÓGICO Os componentes necessários ainda não estavam disponíveis (2000)PRIMEIRO PASSO iTunesDesenvolver uma tela de LCD Conexão do dispositivopequena ligada a uma bateria em projeto ao iTunesde polímero de lítioDRIVEDescoberto em uma visita derotina - 5GB em 4,5 cm
  115. 115. CotuoCoo PROBLEMA TECNOLÓGICO Os componentes necessários ainda não estavam disponíveis (2000)PRIMEIRO PASSO iTunesDesenvolver uma tela de LCD Conexão do dispositivopequena ligada a uma bateria em projeto ao iTunesde polímero de lítio PRIMEIRAS OPÇÕESDRIVE - Com cartão de memóriaDescoberto em uma visita de - Com memória RAM dinâmicarotina - 5GB em 4,5 cm - Modelo de disco rígido
  116. 116. CotuoCoo PROBLEMA TECNOLÓGICO Os componentes necessários ainda não estavam disponíveis (2000)PRIMEIRO PASSO iTunesDesenvolver uma tela de LCD Conexão do dispositivopequena ligada a uma bateria em projeto ao iTunesde polímero de lítio PRIMEIRAS OPÇÕESDRIVE - Com cartão de memóriaDescoberto em uma visita de - Com memória RAM dinâmicarotina - 5GB em 4,5 cm - Modelo de disco rígido TRACKWHEEL Ideia de navegação simples
  117. 117. CotuoCoo PROBLEMA TECNOLÓGICO Os componentes necessários ainda não estavam disponíveis (2000)PRIMEIRO PASSO iTunes SIMPLIFIQUEMDesenvolver uma tela de LCD Conexão do dispositivo - Complexo deve ficar no MACpequena ligada a uma bateria em projeto ao iTunes - Sem botão on|off (adormecer)de polímero de lítio - Branco puro, fones brancos... PRIMEIRAS OPÇÕESDRIVE - Com cartão de memóriaDescoberto em uma visita de - Com memória RAM dinâmicarotina - 5GB em 4,5 cm - Modelo de disco rígido TRACKWHEEL Ideia de navegação simples
  118. 118. CotuoCooOIIAMAMICA PIRATARIARespeitando os direitos autorais eevitando processos:Músicas são transferidas somente doMAC para iPodInscrição “não roube música“ no iPodAcordo com as gravadoras para vendermúsicas na iTunes Store
  119. 119. CotuoCooOIIAMAMICA LTAO Produto que atendia ao mercado PIRATARIA Inovador tecnologicamente Transformação da indústria fonográficaRespeitando os direitos autorais eevitando processos:Músicas são transferidas somente doMAC para iPodInscrição “não roube música“ no iPodAcordo com as gravadoras para vendermúsicas na iTunes Store
  120. 120. Ag Revisar Planejamento Estratégico Verificar Pesquisa de Viabilidade mercado Análise do Pesquisa Portfólio Tecnológica
  121. 121. Aootfo
  122. 122. AootfoAçõesObjetivosAnálise do Valor EsperadoModelos Baseados em NotasGráfico de Bolhas
  123. 123. AootfoAçõesObjetivosAnálise do Valor EsperadoModelos Baseados em NotasGráfico de Bolhas
  124. 124. AootfoAções O portfólio é composto pelas ideias, projetos e produtos atuais da empresa As ideias geradas através das pesquisas devem serObjetivos registradas MINUTA DE PROJETOAnálise do Valor Esperado Descrição mínima do projeto, do produto que será desenvolvido e do responsável pelo seu PDP Contém a primeira definição do produto, que seráModelos Baseados em Notas refinada continuadamente até o projeto finalGráfico de Bolhas
  125. 125. AootfoAções CRIAR NOVO PRODUTO Vislumbra-se um novo projetoObjetivos APROVAR Ratifica-se um projeto em elaboraçãoAnálise do Valor Esperado REDIRECIONAR Manter um projeto perante modificaçõesModelos Baseados em Notas CONGELAR Suspender momentaneamente um projetoGráfico de Bolhas CANCELAR Evitar um fracasso anunciado
  126. 126. AootfoAçõesObjetivosAnálise do Valor EsperadoModelos Baseados em NotasGráfico de Bolhas
  127. 127. AootfoAções MAXIMIZAR RETORNO Encontrar o portfólio que maximize as potencias receitas futurasObjetivos ALINHAMENTO Vinculação do portfólio com metas estratégicas daAnálise do Valor Esperado empresa e seus objetivos futuros BALANCEAMENTOModelos Baseados em Notas Objetiva-se um portfólio que seja equilibrado em termos de risco sofrido, inovação e lucros potenciaisGráfico de Bolhas
  128. 128. AootfoAçõesObjetivosAnálise do Valor EsperadoModelos Baseados em NotasGráfico de Bolhas
  129. 129. AootfoAções Métodos de análise de portfólio que utilizam matemática financeira e visam maximizar o retornoObjetivosAnálise do Valor EsperadoModelos Baseados em NotasGráfico de Bolhas
  130. 130. AootfoAções Métodos de análise de portfólio que utilizam matemática financeira e visam maximizar o retorno VE = (VPL x Psc – L) x (Pst – D)Objetivos Sucesso $ VPL Comercial? Vendas Sucesso LANÇAMENTO Psc Técnico?Análise do Valor Esperado DESENVOLVIMENTO Pst FALHA FALHAModelos Baseados em Notas Pst – Probabilidade de Sucesso Técnico Psc – Probabilidade de Sucesso Comercial L – custo do lançamentoGráfico de Bolhas D – custo do desenvolvimento
  131. 131. AootfoAçõesObjetivosAnálise do Valor EsperadoModelos Baseados em NotasGráfico de Bolhas
  132. 132. AootfoAções Métodos de análise que visa a geração de um portfólio alinhado com a estratégia da empresaObjetivosAnálise do Valor EsperadoModelos Baseados em NotasGráfico de Bolhas
  133. 133. AootfoAções Métodos de análise que visa a geração de um portfólio alinhado com a estratégia da empresa DEFINIR CRITÉRIOS DE ACEITAÇÃO DE UMAObjetivos IDEIA PARA UM NOVO PRODUTOAnálise do Valor EsperadoModelos Baseados em NotasGráfico de Bolhas
  134. 134. AootfoAções Métodos de análise que visa a geração de um portfólio alinhado com a estratégia da empresa DEFINIR CRITÉRIOS DE ACEITAÇÃO DE UMAObjetivos IDEIA PARA UM NOVO PRODUTO Os critérios devem alinhar-se com a estratégia daAnálise do Valor Esperado empresaModelos Baseados em NotasGráfico de Bolhas
  135. 135. AootfoAções Métodos de análise que visa a geração de um portfólio alinhado com a estratégia da empresa DEFINIR CRITÉRIOS DE ACEITAÇÃO DE UMAObjetivos IDEIA PARA UM NOVO PRODUTO Os critérios devem alinhar-se com a estratégia daAnálise do Valor Esperado empresa Exemplo: Nicho de MercadoModelos Baseados em Notas Custo de Operação Flexibilidade de ExpansãoGráfico de Bolhas
  136. 136. AootfoAções Métodos de análise que visa a geração de um portfólio alinhado com a estratégia da empresa PRIORIZANDO OS CRITÉRIOSObjetivosAnálise do Valor EsperadoModelos Baseados em NotasGráfico de Bolhas
  137. 137. AootfoAções Métodos de análise que visa a geração de um portfólio alinhado com a estratégia da empresa PRIORIZANDO OS CRITÉRIOSObjetivos Comparação dos critérios entre si, onde: 2 – mais importanteAnálise do Valor Esperado 1 – igual importância 0 – menos importanteModelos Baseados em NotasGráfico de Bolhas
  138. 138. AootfoAções Métodos de análise que visa a geração de um portfólio alinhado com a estratégia da empresa PRIORIZANDO OS CRITÉRIOSObjetivos Nicho de Custo de Flexibilidade Síntese Mercado Operação de Expansão Nicho de - MercadoAnálise do Valor Esperado Custo de - Operação Flexibilidade - de ExpansãoModelos Baseados em NotasGráfico de Bolhas
  139. 139. AootfoAções Métodos de análise que visa a geração de um portfólio alinhado com a estratégia da empresa PRIORIZANDO OS CRITÉRIOSObjetivos Nicho de Custo de Flexibilidade Síntese Mercado Operação de Expansão Nicho de - 1 2 3 MercadoAnálise do Valor Esperado Custo de 1 - 0 1 Operação Flexibilidade 0 2 - 2 de ExpansãoModelos Baseados em NotasGráfico de Bolhas
  140. 140. AootfoAções Métodos de análise que visa a geração de um portfólio alinhado com a estratégia da empresa PRIORIZANDO OS CRITÉRIOSObjetivos Nicho de Custo de Flexibilidade Síntese Mercado Operação de Expansão Nicho de - 1 2 3 MercadoAnálise do Valor Esperado Custo de 1 - 0 1 Operação Flexibilidade 0 2 - 2 de ExpansãoModelos Baseados em Notas PESO DOS CRITÉRIOSGráfico de Bolhas
  141. 141. AootfoAções Métodos de análise que visa a geração de um portfólio alinhado com a estratégia da empresa ANALISANDO O PROJETOObjetivosAnálise do Valor EsperadoModelos Baseados em NotasGráfico de Bolhas
  142. 142. AootfoAções Métodos de análise que visa a geração de um portfólio alinhado com a estratégia da empresa ANALISANDO O PROJETOObjetivos Peso Analista 1 Analista 2 Analista 3 Média Nicho de 3 MercadoAnálise do Valor Esperado Custo de 1 Operação Flexibilida de de 2 ExpansãoModelos Baseados em NotasGráfico de Bolhas
  143. 143. AootfoAções Métodos de análise que visa a geração de um portfólio alinhado com a estratégia da empresa ANALISANDO O PROJETOObjetivos Peso Analista 1 Analista 2 Analista 3 Média Nicho de 3 5 4 3 MercadoAnálise do Valor Esperado Custo de 1 3 4 4 Operação Flexibilida de de 2 4 4 3 ExpansãoModelos Baseados em NotasGráfico de Bolhas
  144. 144. AootfoAções Métodos de análise que visa a geração de um portfólio alinhado com a estratégia da empresa ANALISANDO O PROJETOObjetivos Peso Analista 1 Analista 2 Analista 3 Média Nicho de 3 5 4 3 4,0 MercadoAnálise do Valor Esperado Custo de 1 3 4 4 3,7 Operação Flexibilida de de 2 4 4 3 4,3 ExpansãoModelos Baseados em Notas Média do Projeto = 4,06Gráfico de Bolhas
  145. 145. AootfoAções Métodos de análise que visa a geração de um portfólio alinhado com a estratégia da empresa COMPARAR COM OS DEMAIS PROJETOSObjetivos CONCORRENTESAnálise do Valor EsperadoModelos Baseados em NotasGráfico de Bolhas
  146. 146. AootfoAções Métodos de análise que visa a geração de um portfólio alinhado com a estratégia da empresa COMPARAR COM OS DEMAIS PROJETOSObjetivos CONCORRENTES Analisar todos os projetos pelos mesmos critérios eAnálise do Valor Esperado investir naqueles que têm as notas mais altas Levar em conta o limite de investimento, a capacidade das equipes de projeto e da produçãoModelos Baseados em NotasGráfico de Bolhas
  147. 147. AootfoAçõesObjetivosAnálise do Valor EsperadoModelos Baseados em NotasGráfico de Bolhas
  148. 148. AootfoAções Métodos de análise de portfólio que visa a geração de um portfólio balanceado, equilibradoObjetivosAnálise do Valor EsperadoModelos Baseados em NotasGráfico de Bolhas
  149. 149. AootfoAções Métodos de análise de portfólio que visa a geração de um portfólio balanceado, equilibrado O gráfico é tridimensional, com o seguinte sentido:Objetivos Eixo x – retorno financeiro Eixo y – probabilidade de sucesso técnicoAnálise do Valor Esperado Raio dos círculos – quantidade de investimento necessária para o projetoModelos Baseados em Notas Geralmente são atribuídos nomes aos quadrantesGráfico de Bolhas
  150. 150. AootfoAções Pst – Probabilidade de Sucesso Técnico PÉROLAS PÃO COM MANTEIGAObjetivosAnálise do Valor Esperado Retorno (VPL)Modelos Baseados em NotasGráfico de Bolhas OSTRAS ELEFANTES BRANCOS
  151. 151. AootfoAções EXEMPLO: FÁBRICA DE CAMINHÕESObjetivosAnálise do Valor EsperadoModelos Baseados em NotasGráfico de Bolhas
  152. 152. AootfoAções EXEMPLO: FÁBRICA DE CAMINHÕES Pst – Probabilidade de Sucesso Técnico PÉROLAS PÃO COM MANTEIGAObjetivosAnálise do Valor Esperado Retorno (VPL)Modelos Baseados em NotasGráfico de Bolhas OSTRAS ELEFANTES BRANCOS
  153. 153. AootfoAções EXEMPLO: FÁBRICA DE CAMINHÕES Pst – Probabilidade de Sucesso Técnico PÉROLAS PÃO COM MANTEIGAObjetivos Nova plataforma de Caminhões Pesados Novo modelo para cana-de-açúcar Releitura de uma linhaAnálise do Valor Esperado de caminhões Retorno (VPL) Caminhão Caminhão ecológico BicombustívelModelos Baseados em NotasGráfico de Bolhas OSTRAS ELEFANTES BRANCOS
  154. 154. Ag Revisar Planejamento Estratégico Verificar Pesquisa de Viabilidade mercado Análise do Pesquisa Portfólio Tecnológica
  155. 155. fcc
  156. 156. fccA partir de todas as informações reunidas, verificar a viabilidade dasdecisões de portfólio tomadas
  157. 157. fccA partir de todas as informações reunidas, verificar a viabilidade dasdecisões de portfólio tomadas Disponibilidade de Recursos Avaliar Financeira Viabilidade competências Consenso
  158. 158. Ag Revisar Planejamento Estratégico Verificar Pesquisa de Viabilidade mercado Análise do Pesquisa Portfólio Tecnológica

×