Design  gráfico   5a aula
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Design gráfico 5a aula

on

  • 2,455 views

Aula do dia: 15/09/2010

Aula do dia: 15/09/2010
Escola de Chicago

Statistics

Views

Total Views
2,455
Views on SlideShare
2,455
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
84
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Design  gráfico   5a aula Design gráfico 5a aula Presentation Transcript

  • Disciplina: Teorias e Técnicas da Comunicação Profa: Mara Baroni 4a aula- 15/09/2010
  • Escola de Chicago Darwinismo Social Escola de Chicago – Teoria Funcionalista Principais autores Contextualização Algumas pesquisas Objetivo da Sociologia O funcionalismo de Talcot Parsons Ecologia Humana Escola de Chicago entre o qualitativo e o quantitativo Interacionismo simbólico Bibliografia 2
  • Escola de Chicago “ Universidade criada em 1890; Doações de 45 milhões de John D. Rockefeller; Primeira no mundo a oferecer cursos superiores de sociologia; Principais autores: Robert Park, Ernest Burguess e Roderick MacKenzie. 3
  • Principais autores Ernest Burguess Robert Park 4
  • Chicago, Illinois, EUA 3º maior cidade dos EUA 5
  • Chicago hoje 6
  • O. início do século XX é marcado pelo surgimento de uma nova vertente que tem origem na Escola de Chicago (EUA) e que entende a comunicação como base da organização social. Os pesquisadores que buscavam estabelecer as funções dos meios de comunicação no contexto social. 7
  • A Escola de Chicago começa a se formar em torno do ano de 1900, quando John Dewey, considerado um dos pais do pragmatismo americano (corrente filosófica que tem como maior expoente Charles Sanders Pierce) torna-se chefe do departamento de Filosofia da recém fundada Universidade de Chicago. 8
  • John Dewey funda também o departamento de pedagogia, sendo essa sua área de interesse maior, e sua abordagem pragmática determina o tom do que virá a ser Escola Sociológica de Chicago. 9
  • É válido lembrar que no início do século XX as áreas de pesquisa das Ciências Sociais apenas começavam a ser delimitadas, de forma que Filosofia, Sociologia, a recém- nascida Pedagogia e o que não é ainda propriamente uma Ciência da Comunicação são campos na época muito próximos, praticamente indistintos entre si. 10
  • Do espírito pragmático de John Dewey a Escola de Chicago deriva sua principal característica: a abordagem empírica. 11
  • Ao invés de procurar edificar grandes sistemas sociais, preferiu-se realizar pesquisas a partir de “situações concretas, suscetíveis de ajudá-los a forjar ferramentas para a análise das atitudes e dos comportamentos” (Mattelart, 1999, p. 30). Em outras palavras, ao invés de seguirem o caminho da abstração, para a confecção de sistemas gerais, optaram pela pesquisa social empírica, utilizando a metodologia etnográfica, tomando a cidade como laboratório social. 12
  • Contextualização 1900-1920, ‘Inchaço’ populacional - Gangues, criminalidade, desemprego - Sociólogos: entender para fundamentar ações. 13
  • Escola de Chicago -Criada a partir da iniciativa de sociólogos norte- americanos que lecionavam no Departamento . de Sociologia da Universidade de Chicago. - Foco: vida urbana (grandes aglomerados) - Entender a sociedade para intervir nela (ordem). - Sociedade: interação entre indivíduos do grupo. - Comunicação interpessoal 14
  • IMIGRANTES Judeus Alemães Suecos Judeus do Leste Europeu 15
  • O aumento repentino de imigrantes na região Centro e Sul dos Estados Unidos provocaram uma série de problemas, já que as cidades não estavam prontas para abrigar e sustentar o padrão de vida antes existente. 16
  • A cidade de Chicago, vítima deste fluxo migratório e conseqüentemente dos problemas decorrentes – aumento da criminalidade, comunidades segregadas, surgimento de gangues –, passou a ser objeto de estudo por sociólogos. Dessa forma, foram criadas novas teorias sobre os novos fenômenos sociais. 17
  • . Algumas Pesquisas - Distanciamento física entre grupos: índice de distância social. - Mapa: localização dos grupos (etnia, profissão, escolaridade...) - Onde estão os grupos marginalizados? Por quê? - Mudanças no comportamento do grupo X com a chegada do grupo Z. 18
  • A Sociologia Americana Segunda metade do séc. XIX; Busca pela interpretação da realidade social do país – reflexo da industrialização e urbanização aceleradas; Influenciada pela sociologia européia de H. Spencer e E. Durkheim; Inclinação inicial à filantropia e à reforma social; 19
  • O OBJETIVO DA SOCIOLOGIA Analisar e explicar o estágio de progresso de uma sociedade por meio da aplicação de leis da evolução – analogia orgânica: INDIVÍDUO = combinação de orgãos sociedade = combinação de indivíduos a criança cresce até se tornar adulta = a comunidade cresce até se tornar uma metrópole. 20
  • O Funcionalismo de Talcott Parsons Fundou as bases para os conceitos da Escola de Chicago; 3 postulados: a sociedade é formada por partes diferentes interdependentes; cada parte age em direção ao equilíbrio do organismo; sugere-se que existe um equilíbrio do organismo-sociedade 21
  • É na Escola de Chicago que desenvolve- se a idéia primeira de ecologia humana e a possibilidade de compreensão da sociedade como um ecossistema, com sua desorganização organizativa, seus conflitos e sua complexidade. 22
  • As contribuições de Parks e Burgess criam um sistema teórico que envolve os conceitos da ecologia animal e vegetal na análise das comunidades humanas e definem os três elementos essenciais que vão nortear a definição de comunidade: 23
  • . Uma população organizada em um território, em maior ou menor medida nele enraizado, cujos membros vivem numa relação de interdependência mútua de caráter simbiótico. Para os dois pesquisadores, é a luta pelo espaço que vai reger as relações e esta competição é um princípio de organização. 24
  • Ecologia Humana Robert Ezra Park e E. W. Burgess tomaram o termo ecologia emprestado da biologia, pois, em seu sentido mais amplo, se refere a todas as condições de existência que um organismo possui em relação ao ambiente em que vive. 25
  • A ecologia humana concebe toda a mudança que afeta uma divisão do trabalho existente ou as relações entre a população e o solo no âmbito de um pensamento do equilíbrio, da crise e do retorno ao equilíbrio: 26
  • ela estuda os processos pelos quais a ‘ balança biológica’ e o ‘ equilíbrio social’ mantêm-se uma vez conquistados, assim como aqueles pelos quais, desde que um ou outro se ache perturbado, se opera a transição de uma ordem relativamente estável a outra (PARK, 1936, in MATTELART, 1999:32-33). 27
  • O método etnográfico pretende uma concepção do processo de individualização, onde o indivíduo é capaz de uma experiência singular, única, traduzida em sua história de vida, sendo ao mesmo tempo submetido às forças de nivelamento e homogeneização do comportamento social. Etnografia é definida por Marshall como " os actos de observar directamente o comportamento de um grupo social e de produzir 28 uma descrição escrita disso. " (Marshall, 1994, 158).
  • Essa concepção ressurge na Escola de Chicago junto com a idéia de que o indivíduo é um ser ambivalente e de que a comunicação só existe em função da diversidade individual, fator que pode levar à desintegração político-organizativa, nesta concepção. A comunicação e o consenso (ordem moral) formam esse nível, permitindo que os indivíduos partilhem experiências em comum e vincularem-se à sociedade. 29
  • A Escola de Chicago entre o qualitativo e o quantitativo A primeira coisa a ser compreendida a respeito da Escola de Chicago é a de que se trata de uma escola reunida muito mais em torno de uma abordagem metodológica do que em volta de uma unidade teórica. 30
  • . O empirismo da Escola de Chicago surge em contraposição ao tipo de estudo sociológico conduzido na época por maior parte das escolas européias: enquanto estas baseavam-se muito mais na reflexão teórico-filosófica e, de certa forma, ainda com certas doses de Idealismo Hegeliano, a Escola de Chicago buscava uma abordagem não totalizante, que considerasse o homem em seu meio social. 31
  • É a partir dos princípios do pragmatismo e do empirismo que surge a abordagem metodológica que vem a caracterizar a Escola de Chicago: pesquisas qualitativas e quantitativas que buscavam compreender as interações simbólicas dentro do contexto social. 32
  • Interacionismo simbólico Nesse cenário, talvez a herança teórica que possa ser destacada dentro da Escola seja a noção de 'interacionismo simbólico', cunhada nos anos 30 pelo psicólogo Herbert Blumer a partir da obra do sociólogo Georg Hebert Mead, ambos da Escola de Chicago. Blumer estabelece três premissas para o interacionismo simbólico: 33
  • O modo como um indivíduo interpreta os fatos e age perante outros indivíduos ou coisas depende do significado que ele atribui a esses outros indivíduos e coisas. Este significado é resultado dos processos de interação social. * Os significados dos objetos podem mudar com o passar do tempo. 34
  • Blumer divulgou com base na sua noção de 'interacionismo simbólico' dois estudos relacionados à área de Comunicação: “Filmes e Conduta” (Movies and Conduct) e “Cinema, delinqüência e crime” (Movies, Delinquency, and Crime), ambos em 1933. Em “Filmes e Conduta”, Blumer inclui relatos de mais de centro e quinze estudantes secundaristas e universitários sobre suas experiências com o cinema. 35
  • A partir destes relatos, Blumer demonstra a influência do cinema sobre questões do cotidiano dos jovens, tais como estilo de vida, penteados, modo de beijar, chegando até mesmo ao tema de como bater carteiras. É válido lembrar que já existiam estudos europeus que falavam da influência do cinema sobre as massas, mas devido aos seus métodos empíricos, Blumer é o primeiro a demonstrar tal influência a partir de dados coletados. 36
  • A Escola de Chicago teve seu ápice nas décadas de 20 e 30. O método das pesquisas desenvolvidas era muito mais o de uma mistura entre pesquisa qualitativa e quantitativa do que apenas uma profusão de números, como é de costume supor. Fora as pesquisas de Blumer, citadas acima, as pesquisas desenvolvidas pela Escola de Chicago focavam principalmente as formas de relacionamento dos grupos sociais dentro dos incipientes centros urbanos, que na época cresciam de forma acelerada. 37
  • A 'paisagem' da cidade, ou sua 'ecologia', com a distribuição dos grupos sociais pelos territórios e rápida mudança de costumes e tradições era o cenário preferencial das pesquisas da Escola Sociológica de Chicago. Após a II Guerra Mundial, os pesquisadores da Escola de Chicago viram mudar rapidamente o cenário de suas pesquisas. Com a influência dos interesses de empresas e do Estado, o próprio departamento de pesquisas de Chicago viu-se voltado cada vez mais para pesquisas do tipo survey, ou seja, pesquisas de caráter puramente quantitativo. 38
  • O departamento tornou-se assim menos aberto às pesquisas sociais de teor antropológico, o que atingiu diretamente as pesquisas de sociologia desenvolvidas pela maior parte dos pesquisadores da Escola. 39
  • Assim, do empirismo e pragmatismo subtraiu-se o que havia de interesse em relação às interações simbólicas e às particularidades dos indivíduos em sociedade para que restassem apenas os números e dados que interessavam à funcionalidade social, conforme esta era vista tanto por setores do Estado quanto do mercado. 40
  • O interacionismo simbólico foi um recurso metodológico muito empregado nas décadas de 1930 e 1940 pelos cientistas sociais da Escola Sociológica de Chicago nos estudos sobre os variados grupos sociais urbanos, principalmente aqueles que tinham tendências a se constituírem como subculturas (gangues de rua, bandos de delinquentes juvenis, grupos étnicos e até mesmo movimentos sociais). 41
  • Apesar do conceito de interacionismo simbólico servir aos estudos de Comunicação Social, como o próprio trabalho de Blumer depõe, a noção foi pouco utilizada posteriormente nos estudos sobre Comunicação nos Estados Unidos. 42
  • A pesquisa em comunicação passou a tomar um viés muito mais funcionalista, fundado em um modelo de comunicação específico e voltada principalmente a estudos quantitativos sobre efeitos. 43
  • O interacionismo simbólico seguiu influenciando a escola americana de sociologia e é de certa forma considerado um antecessor das etnometodologias, justamente por seu enfoque no comportamento e na interação social de pequenos grupos. 44
  • A Escola de Chicago deixou à área da Comunicação Social - ao invés de um viés possivelmente mais humanista do interacionismo simbólico - isto se deve principalmente às condições históricas que se seguiram, em especial ao belicismo que tomou conta da mentalidade americana após a II Guerra Mundial e à influência decisiva do Estado e das corporações sobre o desenvolvimento das pesquisas em Comunicação. 45
  • Os rumos da ciência e de suas teorias são afinal também uma questão de política. A supermacia da Escola de Chicago dura até os anos de 1940, quando surge outra corrente de pensamento sobre a comunicação: a Mass Communication Research. Segundo Mattelart (1999:37) a primeira idéia sobre o conceito da Mass Communication Research data de 1927 e foi postulada por Harold D. Laswell (1902- 1978), em seus estudos sobre a propaganda na Primeira Guerra Mundial. “ 46
  • BIBLIOGRAFIA Disponível em: http://olhares-inquietos.blogspot.com/2010/03/teoria-da-comunicacao-escola-de- chicago.html Disponível em : http://www.scribd.com/doc/29101309/TECO-Escola-de-Chicago Disponível em : http://cartografiasdacomunicacao.wikidot.com/escola-de-chicago Disponível em: http://www.louiselage.com.br/artigos/O%20processo%20da%20comunicacao%20como%2 0possibilidade%20de%20pratica%20social.pdf Disponível em: http://educacao.uol.com.br/sociologia/interacionismo-simbolico-aplicabilidade.jhtm Disponível em: http://www.cybersociology.com/files/1_1_hamman_portugese.html 47 Google Imagens