Your SlideShare is downloading. ×
0
Modernismo em portugal
Modernismo em portugal
Modernismo em portugal
Modernismo em portugal
Modernismo em portugal
Modernismo em portugal
Modernismo em portugal
Modernismo em portugal
Modernismo em portugal
Modernismo em portugal
Modernismo em portugal
Modernismo em portugal
Modernismo em portugal
Modernismo em portugal
Modernismo em portugal
Modernismo em portugal
Modernismo em portugal
Modernismo em portugal
Modernismo em portugal
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Modernismo em portugal

11,459

Published on

Desconheço autoria do slide

Desconheço autoria do slide

Published in: Travel, Business
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
11,459
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
224
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. MODERNISMO EM PORTUGAL
  • 2. CONTEXTO HISTÓRICO <ul><li>SURGE EM 1915, COM A PUBLICAÇÃO DA REVISTA ORPHEU; </li></ul><ul><li>PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA EM 1910; o assassinato do rei Carlos X </li></ul><ul><li>FACÇÕES POLÍTICAS: REPUBLICANA (DEFENDIA O GOLPE DE 1910) E A ANTI-REPUBLICANA (ORIGINOU O INTEGRALISMO PORTUGUÊS - MOVIMENTO DE EXTREMA DIREITA) </li></ul>
  • 3. Orpheu(1915) – os revolucionários <ul><li>A revista contou com apenas dois números. </li></ul><ul><li>A revista foi o resultado da convivência de jovens artistas que se reuniam nos cafés de Lisboa. </li></ul><ul><li>A revista revelava os primeiros passos de uma estética da diversidade. </li></ul>
  • 4. Orfeísmo – primeira geração do Modernismo Português (1915-1927) <ul><li>Fernando Pessoa </li></ul><ul><li>Mário de Sá-Carneiro </li></ul><ul><li>Almada Negreiros </li></ul><ul><li>Luís de Montalvor </li></ul><ul><li>Ronald de Carvalho </li></ul><ul><li>*Florbela Espanca </li></ul>
  • 5. <ul><li>Capa da revista Orpheu, nº 1 </li></ul>
  • 6. <ul><li>1928 – Inicia-se o governo de Salazar (ditadura que se estende até 1974) </li></ul><ul><li>A luta contra a expansão comunista. </li></ul>
  • 7.  
  • 8. <ul><li>O levante militar do dia 25 de Abril de 1974 derrubou, num só dia, o regime político que vigorava em Portugal desde 1926, sem grande resistência das forças leais ao governo que cederam perante o movimento popular que rapidamente apoiou os militares. Este levante é conhecido por 25 de Abril ou Revolução dos Cravos. O levante foi conduzido pelos oficiais intermediários da hierarquia militar (o MFA), na sua maior parte capitães, que tinham participado na Guerra Colonial. Considera-se, em termos gerais, que esta revolução devolveu a liberdade ao povo português (denominando-se como &quot;dia da Liberdade&quot; ao feriado instituído em Portugal para comemorar a revolução). </li></ul>
  • 9. FERNANDO PESSOA <ul><li>Para ser grande, sê inteiro; nada </li></ul><ul><li>Teu exagera ou exclui. </li></ul><ul><li>Sê todo em cada coisa. Põe quanto és </li></ul><ul><li>No mínimo que fazes. </li></ul><ul><li>Assim em cada lago a lua toda </li></ul><ul><li>Brilha, porque alta vive. </li></ul>
  • 10. <ul><li>Porta-voz de um movimento de “renascença portuguesa”. </li></ul><ul><li>Revista A Águia , em que Fernando Pessoa e Mário de Sá-Carneiro colaboraram como ensaístas críticos. </li></ul>
  • 11. “ AS PESSOAS QUE EU MAIS ADMIRO SÃO AQUELAS QUE NUNCA ACABAM.” A SOMBRA SOU EU A minha sombra sou eu, ela não me segue, eu estou na minha sombra e não vou em mim. Sombra de mim que recebo luz, sombra atrelada ao que eu nasci, distância imutável de minha sombra a mim, toco-me e não me atinjo, só sei dó que seria se de minha sombra chegasse a mim. Passa-se tudo em seguir-me e finjo que sou eu que sigo, finjo que sou eu que vou e que não me persigo. Faço por confundir a minha sombra comigo: estou sempre às portas da vida, sempre lá, sempre às portas de mim! Almada Negreiros
  • 12. RONALD DE CARVALHO Epigrama Enche o teu copo, bebe o teu vinho, enquanto a taça não cai das tuas mãos... Há salteadores amáveis pelo teu caminho. Repara como é doce o teu vizinho, repara como é suave o olhar do teu vizinho, e como são longas, discretas, as suas mãos...
  • 13. Mário de Sá-Carneiro (1890-1916) Epígrafe A sala do castelo é deserta e espelhada. Tenho medo de Mim. Quem sou? De onde cheguei?... Aqui, tudo já foi... Em sombra estilizada, A cor morreu --- e até o ar é uma ruína... Vem de Outro tempo a luz que me ilumina --- Um som opaco me dilui em Rei...
  • 14. Florbela Espanca (1894-1930) <ul><li>Amar Eu quero amar, amar perdidamente! Amar só por amar: Aqui... além... Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente Amar! Amar! E não amar ninguém! Recordar? Esquecer? Indiferente!... Prender ou desprender? É mal? É bem? Quem disser que se pode amar alguém Durante a vida inteira é porque mente! Há uma Primavera em cada vida: É preciso cantá-la assim florida, Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar! E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada Que seja a minha noite uma alvorada, Que me saiba perder... pra me encontrar... </li></ul>
  • 15. Presencismo – segunda geração do modernismo português (1927-1940) <ul><li>Os objetivos da Revista Presença eram: </li></ul><ul><li>Levar adiante o projeto de modernidade iniciado por Orpheu e varrer resquícios de romantismo, historicismo e decadentismo que ainda perduravam com a geração anterior. Seus membros defendiam uma literatura viva (tudo que é original). </li></ul>
  • 16. Quando eu nasci, ficou tudo como estava, Nem homens cortaram veias, nem o Sol escureceu, nem houve Estrelas a mais... Somente, esquecida das dores, a minha Mãe sorriu e agradeceu. Quando eu nasci, não houve nada de novo senão eu. As nuvens não se espantaram, não enlouqueceu ninguém... P'ra que o dia fosse enorme, bastava toda a ternura que olhava nos olhos de minha Mãe... (José Régio) A análise interior, a introspecção, era o caminho para essa forma de expressão.
  • 17. 3º momento (1940-1947) O neo-realismo <ul><li>Repúdio à literatura de caráter psicológico e intimista; </li></ul><ul><li>Proposta de uma literatura engajada; </li></ul><ul><li>Alves Redol, Vergílio Ferreira, Fernando Namora. </li></ul>
  • 18. BIBLIOGRAFIA <ul><li>CEREJA&MAGALHÃES, William Roberto e Thereza Cochar. Português: Linguagens . Vol. 3. Ed. Atual. </li></ul><ul><li>PASSONI, Célia A. N. Literatura: Fuvest/Unicamp-2008 . Ed. Núcleo </li></ul><ul><li>FARACO&MOURA. Língua e Literatura . Vol.3. Ed. Ática. </li></ul>
  • 19. Imagens: <ul><li>www.camoes.com </li></ul><ul><li>www.jornaldapoesia.com.br </li></ul><ul><li>www.literaturaportuguesa.com.br </li></ul><ul><li>www.fernandopessoa.com </li></ul>

×