Uploaded on

O ano litúrgico A tem como evangelista principal, nos domingos e nas festas, São Mateus. Na Semana de Formação bíblica foi objecto de reflexão, seguindo um texto de Herculano Alves.

O ano litúrgico A tem como evangelista principal, nos domingos e nas festas, São Mateus. Na Semana de Formação bíblica foi objecto de reflexão, seguindo um texto de Herculano Alves.

More in: Spiritual
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
6,329
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6

Actions

Shares
Downloads
183
Comments
0
Likes
5

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Semana de Formação Bíblica
    13 a 18 de Fevereiro de 2011
    A ignorância das Escrituras
    é ignorância de Cristo
  • 2. Ano A
    Evangelho de
    Nosso Senhor Jesus Cristo
    segundo São Mateus
  • 3. Vocação de Mateus
    Mt 9,9-13
    Evangelho de São Mateus
  • 4. Vocação de Mateus
    Partindo dali, Jesus viu um homem chamado Mateus, sentado no posto de cobrança, e disse-lhe: «Segue-me!» E ele levantou-se e seguiu-o. Encontrando-se Jesus à mesa em sua casa, numerosos cobradores de impostos e outros pecadores vieram e sentaram-se com Ele e seus discípulos. Os fariseus, vendo isto, diziam aos discípulos: «Porque é que o vosso Mestre come com os cobradores de impostos e os pecadores?» Jesus ouviu-os e respondeu-lhes: «Não são os que têm saúde que precisam de médico, mas sim os doentes. Ide aprender o que significa: Prefiro a misericórdia ao sacrifício. Porque Eu não vim chamar os justos, mas os pecadores.»
    Evangelho de São Mateus
  • 5. Evangelista do ANO A
    A Liturgia da Igreja, para melhor e mais profundamente reflectir os textos da Sagrada Escritura, enquadra um ciclo de três anos (A,B,C) e em cada ano litúrgico propõe a leitura de um evangelista, nos Domingos e e nas principais Festas.
    No ano A, que está a decorrer, seguimos mais de perto o evangelista e apóstolo São Mateus. No ano B, São Marcos, e no Ano C, São Lucas. O evangelho de São João é proclamado sobretudo no tempo do Natal e da Páscoa.
    Evangelho de São Mateus
  • 6. Evangelho para uma comunidade concreta
    Jesus anunciou o Evangelho original, a Boa-Nova de Deus para os homens de todos os tempos. Adaptou-a às pessoas, falando uma linguagem compreensível: parábolas, comparações, imagens da vida campestre ou da cidade e do templo de Jerusalém. Os mestres da Lei ao povo de modo semelhante. Por isso, a Boa-Nova de Jesusnão está nas palavras ou na linguagem que Ele utilizou, mas no seu conteúdo e significado.
    Evangelho de São Mateus
  • 7. Evangelho “judaico”
    Cada evangelista adaptou a mensagem original de Jesus às pessoas a quem se dirigia. Crê-se que o Evangelho de Mateus foi pregado na cidade de Antioquia, na Síria, onde havia uma grande comunidade judaica. Foi pregado a judeus conhecedores e cumpridores da Lei. Por isso, Mateus fala tanto da Lei, utiliza vocabulário e temas judaicos e faz referências permanentes à Bíblia do Antigo Testamento; e diz "Reino do Céu" em vez "Reino de Deus", como São Lucas, pois o Nome era inefável para os judeus.
    Evangelho de São Mateus
  • 8. Evangelho “judaico”
    Mateus cita com muita frequência os Profetas, muito estimados pelos judeus, mostrando que as profecias se cumprem em Jesus:
    «Tudo isto aconteceu para se cumprir o que diz o profeta...».
    Evangelho de São Mateus
  • 9. Optar por Cristo mas ser fiel a Moisés
    O mais grave problema que se colocou aos primeiros cristãos foi o seguinte: em que medida teriam de seguir a Cristo e deixar de lado Moisés ou a Lei antiga? Ao seguir o Evangelho de Jesus, que partes da Lei ainda seriam obrigados a cumprir?
    Evangelho de São Mateus
  • 10. O Antigo e o Novo Testamento
    • Para este problema encontraram diferentes soluções, mas todas coincidiam no fundamental: o Antigo Testamento continua em vigor, mas deve ser lido e vivido à luz da mensagem e da pessoa de Jesus.
    • 11. Significa que muitas prescrições perdiam valor normativo, não eram para cumprir à letra, mas continuavam na Bíblia como memória da caminhada que o povo de Deus tinha feito até chegar a Cristo e da pedagogia que Deus utilizara para isso.
    Evangelho de São Mateus
  • 12. Fidelidade a Cristo e a Moisés
    • Quem seguir Jesus é verdadeiramente fiel a Moisés e à sua Lei, pois esta referia-se continuamente ao Messias que havia de vir.
    • 13. Mas, ser fiel a Cristo não implica ser infiel a Moisés; pelo contrário: só pode ser fiel a Moisés e à Lei quem for fiel a Cristo, pois Moisés e a Lei dizem para seguir a Cristo.
    Evangelho de São Mateus
  • 14. Mateus, o Evangelho da Igreja
    • Evangelho da Igreja por excelência.
    • 15. É dirigido a uma comunidade cristã judaica, a qual, precisamente porque era de origem judaica, tinha na ideia de comunidade um dos valores mais importantes da sua existência concreta.
    • 16. O judaísmo e o povo da Bíblia em geral tinham uma organização comunitária muito profunda. Por isso é que Mateus é o único evangelista que utiliza o termo Igreja.
    • 17. Ser cristão é viver a Palavra de Cristo em comunidade, é ter um coração comunitário.
    Evangelho de São Mateus
  • 18. Uma Igreja bem organizada
    • Antes da reforma litúrgica levada a cabo depois do Concílio Vaticano II, o Evangelho de Mateus era praticamente o único a ser lido aos domingos. Isto porque, ao apresentar-se dividido em grandes discursos ou catequeses, espelha uma Igreja bem organizada.
    • 19. Esta organização da Igreja aparece também ao nível das suas estruturas externas e internas, isto é, dos sacramentos e da liturgia.
    Evangelho de São Mateus
  • 20. Igreja bem organizada:
    • a existência do baptismo: Mt 28,19;
    • 21. a Eucaristia: Mt 26,26-29;
    • 22. o sacramento do perdão dos pecados: Mt 18,15-18;
    • 23. a autoridade de Pedro: Mt 16,16-19;
    • 24. a liturgia: Mt 18,19-20;
    • 25. o espírito do perdão: Mt 18,6-11;
    • 26. os profetas e os escribas,os que, no Antigo Testamento, se dedicavam à Palavra de Deus, são também indispensáveis nesta Igreja (Mt 23,34; ver 10,40-41; 13,52).
    Evangelho de São Mateus
  • 27. Fundamento da Igreja: a palavra de Jesus
    • Mateus é um Evangelho cheio de discursos e catequeses bem estruturadas, por ser um Evangelho pregado para e numa comunidade judaica, onde a Palavra de Deus ressoava várias vezes ao dia ao ouvido das pessoas: «Escuta Israel, o Senhor, nosso Deus é o único Senhor...» (Dt 6,4-9).
    • 28. De facto, o povo do Antigo Testamento poderia ser definido como a comunidade da Palavra. E o Evangelho de Mateus apresenta-nos a relação íntima com esse povo da Palavra de Deus, dizendo-nos ser essa também a vontade de Deus para o seu novo povo, que é a Igreja.
    Evangelho de São Mateus
  • 29. Fundamento da Igreja: a palavra de Jesus
    • Na perspectiva de Mateus, a Igreja deveria ser essencialmente a comunidade da Palavra e não a comunidade do culto.
    • 30. O Evangelho de Mateus ajuda-nos a encontrar na Palavra de Jesus a nossa verdadeira obrigação, considerando tantas outras coisas e palavras como devoções, isto é, de menor importância.
    Evangelho de São Mateus
  • 31. Fundamento da Igreja: a palavra de Jesus
    Para levar a cabo esta sua tarefa de autêntica evangelização, a Igreja precisa, antes de mais, de aceitar a exortação do Concilio Vaticano II:
    «o Concílio exorta com veemência e interesse todos os cristãos… a que aprendam o supremo conhecimento de Jesus Cristo, com a leitura frequente das divinas Escrituras. Porque desconhecer as Escrituras é desconhecer a Cristo.»
    (Dei Verbum, 25)
    Evangelho de São Mateus
  • 32. A Igreja: comunidade do Deus-connosco
    No Evangelho de Mateus, Jesus é apresentado, sobretudo, como Mestre da Palavra de Deus. A sua principal característica, na ordem da acção, é o anúncio da Palavra. Mas, na ordem do ser, Jesus é apresentado sobretudo como Emanuel, isto é, Deus-connosco: «Eis que a Virgem conceberá e dará à luz um filho; e chamá-lo-ão Emanuel, que quer dizer Deus-connosco» (Mt 1,23).
    Evangelho de São Mateus
  • 33. A Igreja: comunidade do Deus-connosco
    No remate do Evangelho, como se quisesse confirmar aquela frase do início, Jesus diz: «E Eu estarei sempre convosco até ao fim dos tempos» (Mt 28,20). Assim, afirma que vai agir em relação aos discípulos conforme aquilo que Ele é no mais profundo do seu ser divino: o Deus-connosco estará sempre com os seus.
    Evangelho de São Mateus
  • 34. A Igreja: comunidade do Deus-connosco
    Mateus está a ser fiel aos seus destinatários, ao falar-lhes de um assunto que eles compreendiam muito bem. Desde o Êxodo que pairava no ar a teologia do Deus-connosco. Assim, este Evangelho vem dar-nos a certeza de que, aceitando Jesus como Filho de Deus, estamos em boas mãos, porque Ele está no meio de nós: no meio dos nossos problemas materiais e espirituais, para nos dar uma nova visão das coisas e das pessoas.
    Evangelho de São Mateus
  • 35. A Igreja: comunidade do Deus-connosco
    A nossa atitude terá de ser sempre a dos ouvidos atentos para escutar a sua Palavra e os olhos do coração abertos, para o podermos contemplar onde os olhos do corpo não conseguem atingi-lo. Ele veio trazer a mensagem de Deus e, para a proclamar em todo o mundo, escolheu o grupo dos Apóstolos como viveiro de missionários.
    Evangelho de São Mateus
  • 36. Estrutura interna do Evangelho
    Evangelho Infância de Jesus
    Anúncio do Reino de Deus
    Ministério na Galileia
    Sermão da Montanha
    Dinamismo do Reino
    Mistério do Reino
    As Parábolas do Reino
    Discurso Eclesial
    Subida a Jerusalém
    Ministério em Jerusalém
    Paixão e Ressurreição de Jesus
    Ceia Pascal
    O processo de Jesus
    A boa-nova da ressurreição
    Evangelho de São Mateus
  • 37.  Texto adaptado de:
    HERCULANO ALVES, Para compreender o Evangelho de S. Mateus, in Revista Bíblica, n.º 312, outubro: 2007
    Evangelho de São Mateus