Teorias Da Motivao774

5,794 views
5,702 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
5,794
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
34
Actions
Shares
0
Downloads
158
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Teorias Da Motivao774

  1. 1. DIRECÇÃO Motivação – Liderança – Comunicação Fig. 6.1 Introdução à Gestão
  2. 2. DIRECÇÃO M otivação <ul><li>O que é a motivação (do Latim movere) ? </li></ul><ul><li>É o processo psicológico que determina a intenção (predisposição), a direcção e a persistência do comportamento. </li></ul><ul><li>Caracterização da motivação: </li></ul><ul><li>é um fenómeno individual </li></ul><ul><li>tem um “carácter intencional” </li></ul><ul><li>é multifacetada (necessidades, motivos e incentivos) </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Teoria de campo (Kurt Lewin) </li></ul><ul><li>comportamento das pessoas resulta do conjunto de factores que coexistem no ambiente </li></ul><ul><li>esse conjunto de factores constitui uma relação dinâmica e de interdependência, a que KL chama “campo psicológico” </li></ul><ul><li>O “campo psicológico” de cada pessoa é o seu espaço de vida e define a forma como essa pessoa percebe e define o ambiente externo que a rodeia </li></ul><ul><li>C = f (P, A) </li></ul>DIRECÇÃO Motivação/Filosofias sobre a natureza humana fig. 6.2
  4. 4. <ul><li>Teoria da dissonância cognitiva (Leon Festinger) </li></ul><ul><li>As pessoas procuram actuar de forma a criar um clima de consonância ou consistência entre as suas convicções e os seus actos. </li></ul><ul><li>Se um indivíduo acredita em determinados valores, (ou seja tem determinadas cognições), e age em sentido contrário, dizemos que existe uma dissonância cognitiva (inconsistência de comportamento que não é tolerada pela própria pessoa); quando tal acontece, a pessoa está motivada para reduzir o conflito existente. </li></ul>DIRECÇÃO Motivação/Filosofias sobre a natureza Humana
  5. 5. <ul><li>Teoria X e Y (Douglas McGregor) </li></ul><ul><li>Os gestores tendem a desenvolver um conjunto de assunções, crenças ou ideias sobre os empregados que podem ser divididas em dois grupos (X e Y). </li></ul>DIRECÇÃO Motivação/Filosofias sobre a natureza humana
  6. 6. <ul><li>Teoria da maturidade (Chris Argyris) </li></ul><ul><li>O desenvolvimento de uma pessoa processa-se ao longo de um intervalo contínuo de uma situação de imaturidade para uma situação de maturidade. </li></ul><ul><li>Uma pessoa madura é activa, independente, autoconfiante e autocontrolada. </li></ul><ul><li>Uma pessoa imatura é passiva, dependente, com falta de confiança e necessita de controlo exterior. </li></ul>DIRECÇÃO Motivação/Filosofias sobre a natureza humana <ul><li>Subordinação – controlo – perspectiva de curto prazo – falhanço psicológico </li></ul><ul><li>Reacções: </li></ul><ul><li>Fuga </li></ul><ul><li>Luta </li></ul><ul><li>Adaptação </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Teoria das necessidades </li></ul><ul><li>Maslow (ênfase nas características individuais) </li></ul><ul><li>Herzberg (ênfase no ambiente) </li></ul><ul><li>Alderfer (ênfase nas características individuais) </li></ul><ul><li>McClelland (ênfase nas necessidades adquiridas) </li></ul>DIRECÇÃO fig 6.3/6.4 Motivação/Teorias sobre a motivação <ul><li>Teoria da equidade </li></ul><ul><li>Goodman </li></ul>Teoria do reforço <ul><li>Teorias das expectativas </li></ul><ul><li>Teoria de Vroom </li></ul><ul><li>Modelo de Porter e Lawler </li></ul>
  8. 8. DIRECÇÃO Motivação/Teorias sobre a motivação <ul><li>Teoria das necessidades </li></ul><ul><li>A. Maslow (ênfase nas características individuais) fig 6.6 </li></ul><ul><li>as necessidades insatisfeitas motivam ou influenciam o comportamento; </li></ul><ul><li>enquanto uma necessidade básica não for satisfeita, as outras, não exercem influência no comportamento do indivíduo. É o denominado princípio da dominância ; </li></ul><ul><li>as necessidades estão hierarquizadas; </li></ul><ul><li>as necessidades sucedem-se quando as necessidades inferiores estão satisfeitas. É o denominado princípio da emergência . Fig 6.5 </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Teoria das necessidades </li></ul><ul><li>Frederick Herzberg (ênfase no ambiente) fig 6.7 </li></ul><ul><li>Estudo de 200 engenheiros e contabilistas nos anos 50; utilização do método investigação “incidente crítico”; </li></ul><ul><li>Identificação de 2 classes distintas de factores considerados importantes para o comportamento das pessoas no trabalho: </li></ul>DIRECÇÃO Motivação/Teorias sobre a motivação FACTORES HIGIÉNICOS FACTORES MOTIVACIONAIS Herzberg considera que os FH são capazes de reduzir ou anular a insatisfação, mas não conseguem conduzir à motivação; têm somente um carácter preventivo. Os FM é que podem conduzir a elevados níveis de satisfação e motivar. Os FM estão relacionados com o conteúdo do trabalho; os FH com o contexto.
  10. 10. <ul><li>Teoria das necessidades </li></ul><ul><li>Clayton Alderfer (ênfase nas caract. individuais) fig 6.9 </li></ul><ul><li>concordância com Maslow – a motivação pode ser explicada em função da satisfação das necessidades; </li></ul><ul><li>discordância no número de níveis; para Alderfer existem somente três níveis (existência – relacionamento – crescimento); </li></ul><ul><li>há casos em que as necessidades de nível mais elevado podem surgir sem que as necessidades de nível inferior tenham sido satisfeitas; </li></ul><ul><li>quando as necessidades de nível superior são frustradas, as necessidades de nível inferior retornam, mesmo já tendo sido satisfeitas. </li></ul>DIRECÇÃO Motivação/Teorias sobre a motivação
  11. 11. <ul><li>Teoria das necessidades </li></ul><ul><li>David McClelland (ênfase nas necessidades adquiridas) </li></ul><ul><li>McClelland destacou as necessidades que as pessoas desenvolvem através da sua experiência, ao longo da vida, as necessidades adquiridas através da socialização à medida que interagem com o seu ambiente. </li></ul>DIRECÇÃO Motivação/Teorias sobre a motivação Necessidades de REALIZAÇÃO (que traduz o desejo de atingir objectivos que signifiquem um desafio); Necessidades de PODER (desejo de controlar, influenciar ser responsável pelo desempenho de outros); Necessidades de AFILIAÇÃO (desejo de manter relações pessoais estreitas).
  12. 12. <ul><li>Teoria da Equidade (Stacy Adams) </li></ul><ul><li>Destaca a percepção pessoal de cada um sobre a razoabilidade ou justiça relativa numa situação laboral, comparando o seu desempenho e os correspondentes benefícios com o desempenho e benefícios dos outros em situações análogas. </li></ul>DIRECÇÃO Motivação/Teorias sobre a motivação A teoria da equidade não renega as teorias das necessidades na explicação da motivação. A teoria da equidade acrescenta uma outra perspectiva, ao introduzir a problemática da comparabilidade entre desempenhos e benefícios. A teoria da equidade revela-nos como uma pequena inequidade aos olhos do Gestor pode ser muito importante no espírito dos que por ela são afectados.
  13. 13. <ul><li>Teoria do Reforço (Harvard Skinner) </li></ul><ul><li>Baseia-se na ideia de que o comportamento humano pode ser explicado em termos de previsão, positiva ou negativa, das consequências desse mesmo comportamento. </li></ul><ul><li>o comportamento que é recompensado tende a ser repetido </li></ul><ul><li>o comportamento que é punido tende a ser eliminado </li></ul><ul><li>Segundo H. Skinner o comportamento pode ser controlado e enformado, recompensando (“reforçando”) os comportamentos desejados e ignorando os indesejáveis. </li></ul>DIRECÇÃO Motivação/Teorias sobre a motivação Controlo comportamental 1 – identificar o desempenho desejado 2 – identificar as recompensas 3 – a recompensa seja uma consequência directa do comportamento 4 – escolher o programa de reforço óptimo <ul><li>abordagem manipulativa </li></ul><ul><li>modificações comportamentais dissonantes </li></ul><ul><li>com as teorias (necessidades) </li></ul><ul><li>as causas da modificação de comportamento </li></ul><ul><li>são externas aos indivíduos </li></ul>
  14. 14. <ul><li>Teoria das Expectativas </li></ul>DIRECÇÃO Motivação/Teorias sobre a motivação TEORIA DE VROOM O processo de motivação deve ser explicado em função dos objectivos e das escolhas de cada pessoa e das expectativas de atingir esses objectivos. M = V E força da motivação = valência x expectativa Valência = intensidade da preferência individual Expectativa = a probabilidade de uma determinada acção conduzir a um resultado desejado MODELO DE PORTER E LAWLER fiq. 6.10 A motivação não é uma simples questão de causa e feito; tem de ser analisada numa óptica global, tendo por objectivo a integração harmoniosa do sistema Esforço – Desempenho – Recompensa – Satisfação no sistema global de Gestão
  15. 15. <ul><li>Sistema de remuneração </li></ul><ul><li>Definição, enriquecimento e alargamento de cargos </li></ul><ul><li>Participação </li></ul><ul><li>Horário flexível </li></ul><ul><li>Horário comprimido </li></ul><ul><li>Trabalho repartido </li></ul><ul><li>Círculos de qualidade e teoria Z </li></ul>DIRECÇÃO Motivação na prática

×