Evangélico william menzies e stanley horton - doutrinas bíblicas cpad

  • 5,753 views
Uploaded on

evangélico …

evangélico
http://ebookevangelico.blogspot.com.br/

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
5,753
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
485
Comments
0
Likes
7

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Conhecendoasdoutrinas fundamentais da fécristã
  • 2. % Conhecendoasdoutrinas | | fundamentais da fécristã I * * William W. Menzies Stanley M. Horton
  • 3. . c :; :>DireitosReservados. Copyright © 1995 para alínguaportuguesa da Casa Pubücadora das Assembléias de Deus. "P.rolc io original em inglês: 5 ble Doctrines - A Pentecostal Perspective L gi:n Press/Springfield, Missouri Primeira edição em inglês: 1993 Tradução: João Marques Bentes Capa: Alexander Diniz R da Silva 230 - Doutrina Menzies, William W., e Horton Stanley M. MENd Doutrinas Bíblicas.../William W. Menzies e Stanley M. Horton l.ed. - Rio de Janeiro: Casa Publicadora das Assembléias de Deus, 1995. p. 312.cm. 14x21 ISBN 85-263-0055-5 1. Doutrina 2. Teologia Cristã CDD 230 - Doutrina Casa Publicadora das Assembléias de Deus Caixa Postal 331 20001-970, Rio de Janeiro, RJ, Brasil 3aEdição 1999
  • 4. ÍNDICE Prefácio...........................................................................9 Introdução.................................................................11 1. A Inspiração das Escrituras..............................19 A Regra Autorizada.......................................... 19 A Revelação de Deus à Humanidade...............22 A Verbalmente Inspirada Palavra de Deus .... 24 A Regra Infalível.................................................29 O Canon e as Traduções MaisRecentes.........32 2. O Deus Único e Verdadeiro...............................41 A Existência de Deus........................................45 A Natureza de Deus..........................................47 Os Atributos de Deus........................................50 A Trindade.........................................................52 3. A Deidade do Senhor Jesus Cristo...................61 A Pessoa de Cristo..............................................61 Os Ofícios de Cristo.......................................... 66 A Obra de Cristo................................................68 4. A Queda do Homem........................................... 79 A Origem da Humanidade................................79
  • 5. Doutrinas Bíblicas A Natureza da Humanidade..............................84 A Imagem de Deus.............................................87 A Origem do Pecado..........................................89 5. A Salvação do Homem....................................101 O Conceito de Sacrifício.............................. 101 A Expiação.....................................................103 Resultados da Obra de Cristo no Calvário... 105 A Conversão..................................................107 6. As Ordenanças da Igreja...............................117 Batismo em águas..........................................118 A Ceia do Senhor..........................................122 7. O Batismo no Espírito Santo..........................129 A Promessa do Pai......................................... 129 Terminologia Bíblica do Batismo....................131 O Propósito do Batismo no Espírito Santo... 132 Recebendo o Batismo no Espírito Santo.....136 8. Evidência Física Inicial do Batismo no Espírito Santo................................................141 Sinais do Derramamento.................................141 Funções do Falar em Línguas........................ 145 Questões Sobre o Falar em Línguas...............146 9. A Santificação..................................................... 153 Definindo Termos............................................154 Três Faces da Santificação............................ 155 10. A Igreja e Sua Missão.......................................167 Que é a Igreja?..................................................167
  • 6. Como Tomar-se Membro da Igreja.............. 173 A Obra da Igreja............................................. 174 11. O Ministério........................................................189 Organização da Igreja.................................... 187 Funções do Ministério.....................................193 A Chamada para o Ministério...................... 195 12. Cura Divina.......................................................203 O Argumento em Favor das Curas.................203 O Grande Médico............................................205 Cura na Expiação............................................207 Curas Disponíveis Hoje...................................211 Renovação Interior..........................................213 Ajuda à Fé........................................................214 As Enfermidades e os Demônios....................215 As Curas e a Profissão Médica.......................217 O Propósito da Cura Divina...........................218 Por que nem Todos São Curados?..................219 13. A Bendita Esperança........................................223 A Ressurreição dos Crentes.............................223 Jesus Voltará.....................................................225 O Arrebatamento............................................229 A Grande Tribulação.......................................232 O Anticristo......................................................235 O Tempo da Vinda de Cristo.........................235 14. O Reino Milenial de Cristo...............................243 A Revelação de Cristo.....................................243 O Milênio.........................................................245 índice 1
  • 7. 8 Doutrinas Bíblicas Pontos de Vista do Milenismo........................246 Promessas Nacionais de Deus a Israel............251 15. O Julgamento Final...........................................259 O Destino da Raça Humana..........................259 Os Julgamentos................................................262 A Rebelião Final de Satanás...........................264 O Grande Trono Branco.................................265 Lago de Fogo....................................................266 16. Os Novos Céus e a Nova Terra.......................271 O Novo Substitui o Antigo............................ 271 A Nova Jerusalém............................................275 Apêndice: A Declaração Original de 1916 sobre as Verdades Fundamentais..............279 Glossário..................................................................285 Bibliografia......................... ....................................299 índice de Assuntos.................................................305
  • 8. PREFACIO O estudo das doutrinas bíblicas faz-se cada vez mais indispensável, especialmente nestes últimos dias, quando se constata um contínuo aumento de falsos mestres e profetas. Conseqüentemente, um número demasiado grande de cren­ tes acha-se agitado de um lado para outro, “levados em roda por todo vento de doutrina, pelo engano dos homens que, com astúcia, enganam fraudulosamente” (Ef4.14). Como se não bastasse, alguns fiéis (talvez sem saberem que “doutri­ na”é apenas outra palavra para “ensino”) fazem objeção ao estudo das doutrinas, tornando-se vulneráveis aos “ventos de doutrina”.Eis a razão pela qual Deus quer que os crentes cresçam. Mas, para isto, faz-se necessário conhecer os ensi­ nos básicos da Bíblia. Tal conhecimento haverá de prote­ ger-nos dos falsos mestres e profetas. O livro intitulado Understanding Our Doctrine, de au­ toria do Dr. William W. Menzies, foi originalmente escrito paraserutilizadonumcursode treinamentointitulado “Pontos Fundamentais para Obreiros da Escola Dominical”. O Dr. Menzies, atual presidente do Asia Pacific Theological Seminary (anteriormente Far East Advanced School of Theology), em Baguio, república das Filipinas, deu-me sua
  • 9. Doutrinas Bíblicas bondosapermissãopara revisar e ampliar seu excelente livro para uso de todo o povo de Deus. Os capítulos deste livro seguem os 16 artigos da Declara­ ção de Verdades Fundamentais, conforme aceitos pelas As­ sembléias de Deus. Nosso propósito, entretanto, não é pro­ mover as doutrinas das Assembléias de Deus, mas antes, salientar a base e as aplicações dessas verdades bíblicas fundamentais. Este estudo, pois, será útil para aqueles que crêem na Bíblia, semimportar sua denominação. Os crentes precisam saber onde estão no tocante às doutrinas da Bíblia. Este livro será útil para os pastores no treinamento de novosconvertidos. Os professores de EscolaDominical achá- lo-ão útil tanto para o seu enriquecimento pessoal, quanto para ministrar a seus alunos em idade colegial, proporcio- nando-lhes sólida base para estudos mais vastos e profun­ dos no campo da teologia. Enfim, esta obra será útil a todos, quer seminaristas, quer leigos, e obreiros de uma forma geral. Desejo agradecer ao Dr. G. Raymond Carlson, superin­ tendente geral das Assembléias de Deus nos Estados Uni­ dos; à Divisão de Missões Estrangeiras das Assembléias de Deus dos Estados Unidos; e a todos que, mediante sua generosidade, tornaram possível este projeto. Agradecimen­ tos especiais também são devidos aGlen Ellard e sua equipe editorial por sua ajuda técnica. Para facilitar aleitura, aspalavras emhebraico, aramaico e grego foram transliteradas por letras latinas. Stanley M. Horton, Th.D. Emérito Professor de Bíblia e Teologia no Assemblies of God Theological Seminary
  • 10. INTRODUÇÃO As Assembléias de Deus vieram à existência em resulta­ do do reavivamento pentecostal que começou no princípio do século XX. Este reavivamento teve início como a pode­ rosa e sobrenatural resposta de Deus ao modernismo teoló­ gico que já estava tomando conta da maioria das denomina­ ções evangélicas na América doNorte e aoredor domundo. Livros escritos para defender a fé eram ignorados pelos seminários. A possibilidade de milagres operados por Deus era negada. Um vácuo espiritual, por conseguinte, seestava desenvolvendo de forma irremediável e crônica. Essa época foi assim retratada pelo Dr. William Menzies: Os Estados Unidos, nos anos entre a Guerra Civil e o término do século [XIX], estavam em estado de fermentação social e religiosa. A corrupção moral, política e econômica aumentava as tensões ocasionadas pela organização das diversas classes, pela industrialização e pela imigração. As grandes denominações, bem sucedidas na cristianização das fronteiras, tornaram-se compla­ centes e sofisticadas, faltando-lhes a visão e a vitalidade para enfrentarem as necessidades em mutação de uma população aflita. Graus variegados de acomodação à idéias populares, re­ centem ente im portadas da Europa, que assaltavam o
  • 11. Doutrinas Bíblicas evangelicalismo ortodoxo, debilitaram ainda mais as grandes co­ munhões evangélicas. Contra a erosão na Igreja de Cristo surgi­ ram os movimentos Fundamentalista e Holiness. Foi principal­ mente devido às preocupações espirituais geradas por esse seg­ mento que nasceu o anseio por um novo Pentecoste. Antes do ano de 1900, havia manifestações carismáticas, mas isoladas e episódicas em sua natureza. Mas estava sendo armado o cenário para o grande derramamento do Espírito Santo que, em breve, tomaria conta da terra, trazendo-nos o grande refrigério dos Últimos Dias. (William W. Menzies, Anointed to Serve: The Story ofthe Assemblies ofGod, Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1971, pág. 33). O atual movimento pentecostal traça sua origem desde oreavivamento noBethelBibleCollege, emTopeka, Kansas, que teve início a l°dejaneiro de 1901. Estudantes, com base em seus estudos bíblicos, concluíram que o falar em línguas (ver At lAt) é a evidência física e inicial do batismo no Espírito Santo. Uma das estudantes, Agnes Ozman, decla­ rou que sentia “como serios de água viva estivessem saindo de seu ser mais interior”. (Stanley H. Frodsham, With Signs Following, ediçãorevisada, Springfield, Mo.: GospelPublishing Fíouse, 1946, pág. 20). O reavivamento tornou-se umaverdadeira explosãopen­ tecostal quando, em 1906, W. J. Seymour obteve um edifí­ cio de dois andares na rua Azusa, 312, em Los Angeles, Estado da Califórnia. Durante cerca Be três anos, houve cultos quase que continuamente, das dez da manhã à meia- noite. E muitos daqueles que receberam o batismo pente­ costal no Espírito Santo foram espalhados para propagarem a mensagem. Muitas igrejas pentecostais independentes ti­ veram início. E então, Depois que os derramamentos pentecostais começaram, apa­ receram numerosas publicações advogando seus ensinos e ser­ vindo de canais para fornecer informações e sustentar missioná­ rios enviados além-mar. Uma dessas publicações, a Word and Witness, editada por Eudorus N. Bell, publicou um convite, em
  • 12. Introdução 1913, para uma conferência de crentes pentecostais a ser realiza­ da em Hot Springs, Estado do Arkansas, no ano seguinte. Assim foi realizada a reunião de fundação do Concilio Geral das Assem­ bléias de Deus (Gary B. McGee, “A Bried History of the Modern Pentecostal Outpouring”, Paraclete 18, primavera de 1984, pág. 22). Cinco razões básicas foram apresentadas para a convoca­ ção do Concilio Geral, que funcionou entre 2e 12 de abril de 1914. Os convocados “(1) deveriam atingir uma melhor com­ preensão e unidade de doutrina; (2) saber como conservar a obra de Deus na própria pátria e no estrangeiro; (3) consultar os órgãos competentes quanto à proteção de fundos para os esforços missionários; (4) explorar aspossibilidades de unificar asigrejas sobumnome legal; e (5) consideraroestabelecimen­ to de uma escola de treinamento bíblico com uma divisão literária”(In theLastDays:An EarlyHistoryofthe Assemblies ofGod, Springfield, Mo.: Assemblies ofGod, 1962, pág. 11). Mais de trezentas pessoas fizeram-se presentes, e elege­ ram E. N. Bell como o presidente de sua nova comunhão - as Assembléias de Deus. Em 1916, foi preparada uma “De­ claração de Verdades”, primariamente por Daniel Warren Kerr, de Cleveland, Ohio (Carl Brumback, Like a River: The Early Years ofthe Assemblies ofGod, Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1977, pág. 55). Este documento foi adotado com o seguinte preâmbulo: Esta declaração de Verdades Fundamentais não tem por intuito ser um credo da igreja, e nem a base da comunhão entre os cristãos, mas somente o alicerce da unidade para o ministério (ou seja, que todos digamos a mesma coisa, 1 Co 1.10 e At 2.42). A fraseologia empregada em tal declaração não é inspirada e nem a defendemos contenciosamente, mas a verdade nela expos­ ta é considerada essencial para o ministério pleno do Evangelho. Embora não contenha ela toda a verdade da Bíblia, cobre nossas atuais necessidades quanto às questões fundamentais básicas da fé (Concilio Geral das Assembléias de Deus, Atos do Concilio
  • 13. Doutrinas Bíblicas Geral, 2 a 7 de outubro de 1916. A redação foi levemente modificada na atual declaração apresentada em forma de livrete: The General Council of the Assemblies of God Statement of FundamentalTruths, revisado, Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1983). A declaração original serviu às Assembléias de Deus por muitos anos. Havia pouca insatisfação com qualquer dos 16 artigos. (Originalmente havia 17 artigos. A revisão combinou os artigos 2 e 13, adicionou um artigo sobre a deidade de Cristo, e combinou os artigos 10 e 11, restando-assim 16 artigos ao todo.) Visto que algumas das doutrinas haviam sido formuladas de forma muito sucinta, sentiu-se mais tarde a necessidade de se reescrever e ampliar alguns artigos. Em 1960, pois, uma comis­ são pôs-se a trabalhar em cima dessas declarações, surgindo daí uma redação nova e mais detalhada. O trabalho foi aprovado e adotado pelo Concilio Geral, em 1961. A única mudança signifi­ cativa foi o abandono da expressão “inteira santificação”, por­ quanto era compreendida de diferentes maneiras, gerando ambi­ güidades. “O esclarecimento de 1961 especificou a crença de que a justiça imputada, outorgada ao crente, por ocasião de sua justificação, deveria ser evidenciada numa vida de santidade” (Menzies, Anointed, pág. 318). A preocupação com a preservação da integridade doutri­ nária, dentro do movimento, também resultou na promulga­ çãode diversasmanifestações. Eramestas feitasporministros dasAssembléiasde Deus, que sentiam anecessidade demaior ajuda e esclarecimento sobre vários assuntos atinentes ao campo de trabalho. A maior parte desses documentos foi preparada pela Comissão Sobre Pureza Doutrinária, uma co­ missão permanente nomeada pelo Presbitério Executivo das AssembléiasdeDeus.Osmaisdiversospastores,oficiaisdistritais e professores dos colégios bíblicos e seminários já fizeram parte dessa comissão. As declarações daí resultantes foram aprovadaspelo PresbitérioExecutivo epeloPresbitérioGeral, sendo a seguir publicadas. Todos os documentos, impressos
  • 14. Introdução até 1989, eram coligidos e publicados sob o título Where We Stand- Onde Estamos (Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1990). Seguem-seostítulosdessesdocumentos: (1) “A Inerrância das -Escrituras”: (2) “Podem os Crentes RegéneradoíTSer Possuídos pelos. Demônios?”; (3) “Divórcio e Novo Casa- mento”: (4) “O Ministério do Corpo de Cristo”; (5) “Curas Divinas: Uma Parcela Integral do Evangelho”; (6) “0~Mo- vimento do Discipulado e da Submissão”; (7) “Meditação Transcendental”; (8) “Diáconos e Encarregados”; (9) “Pu­ nição Eterna”; (10) “Visão das Assembléias de Deus Sobre a Ordenação”; (11) “A Doutrina da Criação”; (12) “A Segu­ rança do Crente”; (13) “Homossexualismo”; (14) “O Arre- batamento da Igreja”; (15) “O Crente e a Confissão Positi­ va”; (16) “A Evidência Física Inicial do Batismo no Espírito Santo”; (17) “Uma Perspectiva Bíblica Sobre o Jogo”; (18) “A Abstinência”; (19) “Uma Perspectiva Bíblica Sobre o Aborto”; e (20) “O Reino de Deus Conforme Descrito nas Santas Escrituras”. Desde a publicação de Where We Stand, outro docu­ mento que manifesta posição veio a público: “Papel das Mulheres no Ministério,Conforme a Descrição das Santas Escrituras”. Há ainda outros trabalhos que surgiram em decorrência de várias necessidades. Eles são um valioso suplemento para a nossa compreensão acerca da doutrina e da prática das Assembléias de Deus. Sempre que nos pare­ cer apropriado, parte do material constante nesses trabalhos e documentos será discutida neste livro.
  • 15. IBLICAS 1a Verdade Fundamental
  • 16. AREGRAAUTORIZADA As Escrituras Sagradas, tanto o Antigo quanto o Novo Testamento, são inspiradas verbalmente por Deus. Elas são a revelação de Deus à humanidade, e nossa infalível e autorizada regra de fée conduta (1Ts 2.13; 2 Tm 3.15,16; 2 Pe 1.21).
  • 17. AInspiraçãodas Escrituras A REGRA AUTORIZADA Como posso saber qual a verdadeira religião? Eis uma importante pergunta feita com freqüência. Ela merece ser respondida, visto que o bem-estar eterno de quem a faz está em jogo. A questão real é a da autoridade. Há três tipos básicos de autoridade religiosa: (1) a razão humana, (2) a Igreja e (3) a Palavra de Deus. Talvez o tipo mais comum, hoje, seja a razão humana. Não perderemos :empo discutindo acerca das realizações do intelecto huma- no. Elas são realmente admiráveis. Nem poremos de lado a r.ecessidade de se manusear os negócios da vida diária de _mamaneira lógica. O processo de se abordar problemas de ::rma acorresponder aobom senso chama-se racionalidade. Não épecado agircom arazão. A racionalidade, porém, não deve ser confundida com o racionalismo. O racionalismo é aquela crença que coloca a razão humana como a mais elevada das autoridades. Alegamosracionalistas que, com o :empo, o gênio humano desvendará todos os segredos do Lniverso, e conduzirá o planeta a uma vida de paz, saúde e prosperidade para todos.
  • 18. Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 1 A Inspiração das Escrituras Uma forma de racionalismo é o cientismo. Acredita ele que a ciência, com suas metodologias e instrumentos, será capaz de analisar e solucionar todos os problemas que fusti­ gam a raça humana. Entretanto, tal ponto de vista sofre de severas restrições, pois falha em reconhecer a incapacidade da ciência em analisar determinadas coisas. Não pode, por exemplo, trabalhar diretamente com a cor e o som. E vê-se obrigada a expressar tais qualidades mediante termos quan­ titativos. Mas qualidades não são quantidades. Exemplificando: apesar de os cegos de nascença serem ca­ pazes de compreender a ciência e amatemática dos compri­ mentos das ondas da luz, não significa que possam fazer a mínima idéia sobre o pôr-do-sol, a rosavermelha ou o estra­ nho colorido das asas da borboleta. O mesmo se pode dizer dos surdos. Embora possam vir a compreender a ciência e a matemática das ondas sonoras, jamais terão qualquer idéia acerca de uma sinfonia, ou de uma congregação que louva a Deus e glorifica a Jesus, no Espírito Santo. A ciência é incapaz de estudar elementos que não possam ser pesados ou medidos, como a alma humana. E nem pode tratar com ocorrências ímpares, como os milagres, pois estes são uma manifestação distinta e separada da graça e do poder de Deus. Logo, omilagre não pode ser repetido para análise em laboratório. Na realidade, os que tomam o racionalismo como sua autoridade terminam por aceitar aprópria razão como auto­ ridade suprema. Mas, conforme Salomão observou: “Nada há de novo abaixo do sol”, esse mesmo tipo de arrogância também se manifestava nos tempos antigos. No capítulo 11 de Gênesis, lemos sobre aqueles que tentaram desafiar a Deus, edificando uma torre altíssima, em Babel. Os racionalistas de todos os séculos assemelham-se a estes: põem sua confiança final na própria capacidade de racioci­ nar. Nos dias dos juizes, “cada qual fazia o que parecia direito aos seus olhos” (Jz 17.6 e 21.25). O caos e a confu­ são, resultantes dessa atitude, são claramente retratados nas trágicas histórias registradas no livro de Juizes.
  • 19. A Inspiração das Escrituras 21 A segunda crença comum aponta a Igreja como a auto­ ridade suprema. Alguns alegam que, já que o Cristo outor- gou sua autoridade a Pedro, este, ao impor as mãos sobre os bispos que ordenara, conferiu-lhes automaticamente a mes­ ma autoridade. E, assim, surgiu acadeia sucessória de Pedro. Através da “sucessão apostólica”, a autoridade vem sendo transmitida desde Cristo, através dos doze apóstolos, atra­ vessando os séculos. Com base nessa idéia, certas igrejas consideram-se acima das demais, arrogando-se como as úni­ cas representantes autorizadas de Cristo. Seus líderes, por isso, procuram exercer uma autoridade que o Senhor jamais lhes outorgou. Associada ao ponto de vista da sucessão apostólica, acha-se a asserção de que oNovo Testamento éum produto da Igreja, conferindo a esta uma espécie de prioridade sobre a Bíblia. Devemos observar, no entanto, que a teoria da sucessão apostólica não apareceu senão já no segundo sécu­ lo de nossa era. Outrossim, o concilio de Cartago, efetuado em 397 d. C., jamais autorizou o cânon dos livros do Novo Testamento que hoje reconhecemos como inspirados pelo Espírito Santo. Limitou-se, porém, a corroborar o que já era reconhecido por todas as igrejas da época. A morte de Cristo pôs aNova Aliança em vigor (ver Hb 9.15-17). Após a sua ressurreição, Ele e o Espírito Santo trouxeram a Igreja à existência. Ato contínuo, o Espírito Santo inspirou os escritores que nos legaram os livros do Novo Testamento. Atualmente, visto haverem disputas e querelas entre os corpos eclesiásticos, o coração do homem anela por uma autoridade superior a da organização eclesiástica terrena. A terceira alternativa consiste em se confiar explicita­ mente na autoridade da Palavra de Deus. Esse ponto de vista encontra-se baseado na convicção de que Deus, por sua natureza, é auto-revelador. (A diferença-chave entre as outras religiões e o Cristianismo é que elas vêem a humani­ dade no escuro, buscando por alguma coisa dentro de si mesma ou para além de si mesma. O Cristianismo revela o CAPÍTULO 1 A Inspiração das Escrituras
  • 20. 22 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 1 A Inspiração das Escrituras Deus que dissipa as trevas, que intervém na história huma- na e estende seu amor aos que se acham caídos.) Deus é um Deus que fala; Ele deseja comunicar-se com suas criaturas. Hebreus 1.1,2 disserta sobre esta característi' ca do Supremo Ser: “Havendo Deus, antigamente, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos, nestes últimos dias, pelo Filho. . .” Sim, Deus falou. Sua declaração final e plena, conforme nos indica Hebreus 1.1,2, foi feita através da pessoa de seu Filho, Jesus Cristo. Chamamos a essa maneira de falar de encarnação, onde o divino foi revestido pelo humano. Essa é a medida mais completa pela qual Deus pode comunicar' se conosco. Trata-se de uma comunicação de pessoa para pessoa. Jesus Cristo, segundo nos lembra oprimeiro capítulo do evangelho deJoão, é o “Verbo”,o mensageiro e amensa­ gem de Deus. Ora, assim como Jesus Cristo é a Palavra Viva, assimtambém aBíblia é a Palavra escrita de Deus. Na ausência pessoal de Jesus, a Bíblia é a autoridade que o Espírito Santo usa para dirigiroCorpo de Cristo. O apóstolo Paulo, em Romanos 10.8-15, afirmou dramaticamente que, sem a proclamação das Boas Novas - a mensagem da Bíblia - o homem jamais poderá reatar sua comunhão com Deus. Ela é abase da nossa fé. Ela nos leva a confessar que “Jesus é o Senhor”. A REVELAÇÃO DE DEUS À HUMANIDADE Se admitirmos que Deus de fato fala, é a Bíblia o único meio de Ele se comunicar conosco? Deus também torna-se conhecido, até certo ponto, a todas as pessoas (1) mediante a criação e (2) através da consciência. Tal maneira de Deus falar é usualmente chamada de revelação geral ou natural. Os capítulos 1e 2 da epístola aos Romanos esboça a forma pela qual Ele fala conosco. Romanos 1.20 refere-se ao co­ nhecimento divino disponível a todas as pessoas, em todos os lugares; é o conhecimento colhido junto à natureza:
  • 21. A Inspiração das Escrituras 23 “Porque as suas coisas invisíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder como a sua divindade, se enten­ dem e claramente se vêem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem inescusáveis”. Noutras palavras, os seres humanos, sem exceção, têm condições de saber que nenhum deus feito de ouro, prata, bronze, madeira ou barro, poderia ter criado um Universo tão imenso e comple­ xo como o nosso. Enem os muitos deuses pagãos, represen­ tados como quem luta uns contra os outros, poderiam ter criado a consistência, a boa ordem e abeleza que encontra­ mos na natureza. Quem haveria de negar a expressão inspi­ rada do Salmo 19: “Os céus manifestam a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos?” A Bíblia afiança que Deus fala através da consciência do indivíduo: “Porque, quando os gentios, que não têm lei, fazem naturalmente as coisas que são da lei, não tendo eles lei, para si mesmos são lei, os quais mostram a obra da lei escrita no seu coração, testificando juntamente a sua cons­ ciência e os seus pensamentos, quer acusando-os, quer de­ fendendo-os” (Rm 2.14,15). O próprio fato de que as pesso­ as, em todos os lugares, possuem uma consciência, uma idéia de certo eerrado que se coaduna com aBíblia, mostra- nos que há uma autoridade acima do indivíduo e das cir­ cunstâncias. Até aqueles que rejeitam aBíblia retêm a cons­ ciência, embora esta opere àbase daquilo em que se acredita ser o certo e o errado. Externamente, Deus fala através do Universo que Ele criou; e, internamente, por intermédio da consciência de cada indivíduo. Entretanto, a tragédia registrada nos capí­ tulos 1e 2 da epístola aos Romanos pode ser assim resumi­ da: a humanidade, tendo recebido aluz difusa disponível no Universo, amaldiçoou aDeus, erebelou-se contra Ele. Mes­ mo assim, há uma luz suficiente para que ninguém venha a afirmar que Deus é injusto. E, por haverem rejeitado voluntariamente a luz, não serão poucos os condenados à punição eterna. Não é Deus CAPÍTULO 1 A Inspiração das Escrituras
  • 22. Doutrinas Bíblicas quemmanda aspessoaspara oinferno. São elas próprias que exigem que Ele as deixe em paz, para que possam viver de acordo com os seus desejos, luxúrias e concupiscências. E, quando Deus, emmeio à tristeza e àrelutância, permite que os tais se entreguem aos seus próprios caminhos, só lhes pode restar a perversão, a destruição e o inferno. Uma mensagem especial, que somente a Bíblia pode transmitir, é a notícia de que Deus interveio no drama humano para redimir-nos. A natureza e a consciência não poderiam jamais revelar semelhante verdade. Mas o Antigo Testamento discorreu demorada e antecipadamente acerca da vinda do Redentor; e o Novo mostra-nos como se deu a sua vinda e revela-nos a plenitude de seu significado. A VERBALMENTE INSPIRADA PALAVRA DE DEUS O termo grego que mais se aproxima do vocábulo portu­ guês “inspiração” acha-se em 2 Timóteo 3.16. E a palavra theopneustosque, literalmente, significa“sopradoporDeus”. Mediante o hálito eopoder divinos, oEspírito Santo moveu os autores da Bíblia com tal precisão que o que eles deixa­ ram escrito reflete com exatidão o que o próprio Deus quis dizer. Os profetas e apóstolos deixaram bem patente os sinais da inspiração divina em suas respectivas obras. Isso significa que os 66 livros do cânon sagrado, que compõem a Bíblia, na sua expressão original, são inteiramente dignos de confiança, tanto quanto a voz do Espírito Santo (ver 2 Pe 1.17-21). Quanto à inspiração, diversos pontos devem ser levados em conta. A teoria do ditado mecânico afirma que Deus falou de tal forma através dos profetas e apóstolos a ponto de lhes suprimir a personalidade. Esta teoria, porém, é errô­ nea. Personalidades e vocabulários particulares dos vários escritores são facilmente distinguíveis. Entre os aproxima­ damente quarenta autores das Sagradas Escrituras, pode-se observar suas várias ocupações - pastores, estadistas, sacer­
  • 23. A Inspiração das Escrituras 25 dotes, pescadores, os bem-educados e os de pouca cultura. Os escritores não foram manipulados como se fossem robôs, ou como se estivessem em transe. Deus não os apanhou ao acaso, e ordenou-lhes que escrevessem. Mas separou, por exemplo, a Jeremias para ser um profeta; e, para tanto, começou a prepará-lo desde que ele se encontrava no ven­ tre materno (Jr 1.5). Enfim, o Senhor Deus preparou os autores das Escrituras através de experiências, separando-os convenientemente a que trouxessem a lume a verdade exa­ tamente como lhas revelara. Desse modo, a personalidade dos escritores foi cuidadosamente preservada pelo Espírito Santo. O Espírito Santo “impulsionou o pensamento original na escolha das palavras que melhor o expressassem (Ex 4.12,15). E, finalmente, Ele nos ilumina a mente para que compreendamos a sua Palavra^conforme no-la transmitiram os autores sagrados (1 Co 2.12; Tsf 1.17,18). Assim sendo, tanto o pensamento quanto a linguagem são igualmente inspirados e reveladores” (Where We Stand, Springfield, Mo: Gospel Publishing House, 1990, pág. 7). Outro ponto de vista largamente defendido éoda inspi­ ração dinâmica. Esta posição concebe a Bíblia não como a obra que tencionava transmitir “verdades proposicionais”- istoé, informações reais, objetivas eracionais - arespeito do próprio Deus. Os advogados dessa idéia assim a defendem por haverem concluído que Deus semantém irreconhecível. Alegam que Ele é infinitamente diferente dos seres huma­ nos, e, que, por isso mesmo, não pode ser reconhecido na Bíblia. Nesta, complementam, Ele não se dá a conhecer; limita-se a mostrar como devem viver os seres humanos. Essa interpretação é conhecida também como funcio­ nal, pois a Bíblia, conforme dizem, nada pode revelar-nos sobre o que Deus é, mas somente acerca de seu trabalho. Negando o elemento sobrenatural, constitui-se tal posição no âmago dos temas modernistas ou teologicamente libe­ rais. Em síntese: dá a idéia de que a Bíblia não passa, CAPÍTULO 1 A Inspiração das Escrituras
  • 24. 26 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 1 A Inspiração das Escrituras basicamente, de um folclore. De acordo com essa teoria, a ética suplanta a doutrina. Assim, abre a porta para o relativismo moral, levando as pessoas ainterpretarem, por si mesmas, o que julgam ser apropriado aceitar ou rejeitar, como se tudo não passasse de meras tradições (Jz 17.6). Uma variante desse ponto de vista é a ênfase sobre a história da salvação. De acordo com esta postura, há de fato inegáveis indícios de que Deus vem atuando na história da humanidade visando a salvação desta. Semelhante teoria aceita a Bíblia como um registro da atividade salvadora de Deus, mas reivindica ser ela apenas um registro humano; logo, passível de erros, limitada pela experiência e visão dos que a escreveram. O aspecto positivo desse posicionamento é a aceitação da Bíblia como o registro dos eventos sobrena­ turais de Deus em sua obra redentiva. Sua maior falha acha- se em afirmar que até a interpretação dos eventos narrados na Bíblia, tem de ser inspirada pelo Espírito Santo. Visto que os eventos, por simesmos, são prenhes de ambigüidade, não haverá completa revelação enquanto eles não forem autorizadamente revelados. O que a Bíblia realmente ensina acerca da inspiração? Ela enfatiza a inspiração real dos escritores. Em alguns ca­ sos, Deus falou com eles em voz audível. Noutros, deu-lhes revelações por meio de sonhos e visões. Falou-lhes ainda de maneira que lhe viessem a reconhecer a voz. O trecho de Amós 3.8 enfatiza: “Bramiu o leão, quem não temerá? Falou o Senhor Jeová, quem não profetizará?”Jeremias, certa vez, decidiu não mais profetizar; parecia-lhe que ninguém o esta­ va ouvindo. Mas a Palavra de Deus, em seu coração, tor- nou-se como um fogo que lhe ardia nos ossos, e ele viu-se compelido a dar prosseguimento ao seu ministério (Jr 20.9). Não admira, pois, que declarações como “assim diz o Se­ nhor” ocorram 3808 vezes só no Antigo Testamento. O trecho de 2 Pe 1.20,21 mostra-nos que nenhum dos autores das Escrituras jamais dependeu de seu próprio raciocínio ou imaginação no processo da escrita: “Sabendo primeiramen­
  • 25. A Inspiração das Escrituras 27 te isto: que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação; porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo”.A expressão “movi­ dos pelo Espírito Santo”pode soar como se eles estivessem no meio da correnteza do Espírito Santo, efossemimpelidos por Ele. Porém, um exame mais detido das Escrituras mos­ tra-nos que Deus mesmo ensinou-os e guiou-os (Ex 4-15). Voltando a 2 Timóteo 3.16, pode-se ver claramente que a inspiração das Escrituras também se estende às palavras e à inteireza do texto dos documentos originais, ou autógrafos. Jesus aceitou a plena inspiração do Antigo Testamento nesta sua assertiva: “. . .e a Escritura não pode ser anulada” (Jo 10.35; Mt 5.18). A essa abordagem chamamos de inspi­ ração plenária (completa, pois envolve até as próprias pala­ vras). Romanos 3.2 faz eco com essa assertiva quando alude ao Antigo Testamento como “os oráculos de Deus”. Assim também se vê em Hebreus 3.7-11 ao mencionar o Salmo 95.7-11, introduzindo a citação com as palavras “como dizo Espírito Santo. . .” Alguém poderia perguntar: “Quanto ao Antigo Testa­ mento, tudo bem. Mas, e quanto ao Novo?” De aldeia em aldeia, ia Jesus ensinando a Palavra de Deus e ministrando os mistérios concernentes ao Reino de Deus. Conforme as necessidades, repetia Ele muitos de seus ensinos, formando assimum corpo de doutrinas eensinamentos que norteariam avida de sua Igreja. Antes de sua paixão e morte, prometeu aos discípulos que “oEspírito Santo. .. vos ensinará todas as coisas evos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito” (Jo 14.26). As doutrinas e ensinos de Cristo foram transmitidos à Igreja pelos apóstolos (At 2.42). O Espírito Santo também dirigiu os escritores dos evangelhos aselecionarem omateri­ al indispensável acerca da vida, ministério, morte e ressur­ reição de Jesus Cristo. Lucas, por exemplo, informa-nos ter feito uma “acurada investigação de tudo, desde o princípio” Cc 1.3). Ele, sem dúvida alguma, foi movido pelo Espírito ianto para assim proceder. CAPÍTULO 1 A Inspiração das Escrituras
  • 26. 28 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 1 A Inspiração das Escrituras Durante a era apostólica, havia um processo de revela- ção em andamento, sendo Cristo o fiel cumprimento das profecias da Antiga Aliança. Portanto, o registro de seu nascimento virginal, ensinos, morte e ressurreição (como os encontramos nos evangelhos) fez-se indispensável à Igreja. Fizeram-se necessários também anarrativa da instituição da Igreja com os seus padrões e normas, e um vislumbre da consumação da presente era. Que os apóstolos reconheceram a realidade de um novo pacto, ou testamento, constatamo-lo em passagens como 2 Pedro 3.15,16: “... e tende porsalvação alonganimidade de nosso Senhor, como também o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada, falando disto, como em todas as suas epístolas, entre as quais há pontos difíceis de entender, que os indoutos e inconstantes torcem e igualmente as outras Escrituras, para sua própria perdição”. Note o leitor a expressão “as outras Escrituras”. Tão claro testemunho, prestado na sétima década do pri­ meiro século d.C., coloca os escritos de Paulo no mesmo plano das demais Escrituras do Antigo Testamento. Aliás, o próprio Paulo já o declarara ter uma palavra do Senhor para apoiar o que escrevia (1 Co 11.23; 1 Ts 4.1,2,15). Embora nem sempre o afirmasse, isso não significa que o restante de seus escritos fosse menos inspirado pelo Espírito Santo (1 Co 7.12). A própria Bíblia ensina que o Espírito Santo moveu de tal modo os profetas e apóstolos na produção das Sagradas Escrituras, que até as próprias palavras destas, nos docu­ mentos originais, são plenamente autorizadas. Se elas não fossem inspiradas, teríamos então liberdade de alterá-las para que se ajustassem às nossas idéias e conveniências. Por conseguinte, a inspiração das palavras foi necessária a fim de proteger a verdade. Jesus indicou a importância de cada palavra ao declarar: “Porque em verdade vos digo que, até que océu e aterra passem, nem umjota ou um til se omitirá da lei sem que tudo seja cumprido” (Mt 5.18).
  • 27. A Inspiração das Escrituras 29 A REGRA INFALÍVEL CAPÍTULO A origem divina e a autoridade das Escrituras assegu- ram-nos ser a Bíblia também infalível, ou seja: incapaz de AInspiração erro, ou de orientar de maneira enganosa, ludibriadora ou das Escrituras desapontadora a seus leitores. Alguns eruditos estabelecem distinção entre a inerrância (“estar isenta de erro”) e a infalibilidade, mas ambos os termos são sinônimos bem pró­ ximos. “Se existe mesmo alguma diferença de significado entre ambos os termos, a inerrância enfatiza a veracidade das Escrituras, ao passo que a infalibilidade enfatiza quão dignasdeconfiança sãoasEscriturasSagradas.Talinerrância e infalibilidade aplicam-se a toda aPalavra de Deus, e inclui tanto a inerrância das revelações quanto a dos fatos narra­ dos. As Escrituras revelam-nos a verdade (2 Sm 7.28; SI 119.43,160; Jo 17.17,19; Cl 1.5)” (Where We Stand, 7,8). A incredulidade engendrada no humanismo é a real fonte das objeções à autoridade e infalibilidade da Bíblia. Seus argumentos não são nenhuma novidade. Escritores cristãos antigos, como Irineu, Tertuliano eAgostinho, tive­ ram de combater algumas dessas objeções. E, ao fazê-lo, declararam sua plena confiança nas Escrituras. Os reformadores, como Zwínglio, Calvino e Lutero, também aceitaram sem reservas a autoridade das Escrituras (Where We Stand, 9). Através dos séculos, osincrédulos vêm fazendo extensas listas do que consideram discrepâncias da Bíblia. Alguns deles, inclusive, ousaram afirmar que a Bíblia era um erro indisputável e singular. Em 1874, J. W. Haley fez um com­ pleto estudo sobre o assunto, que ainda continua bastante atual (John W. Haley, Alleged Discrepancies of the Bible, Grand Rapids: Baker Book House, 1988). Haley classificou essas alegadas discrepâncias, e desco­ briu que eram causadas por várias causas: 1. A falha em se ler exatamente o que a Bíblia diz. 2. Interpretações falsas, especialmente as que não levam em consideração antigos costumes e modos de falar.
  • 28. 30 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 1 A Inspiração das Escrituras 3. Idéias erradas sobre a Bíblia como um todo, e a falha em reconhecer que ela, em várias circunstâncias, registra palavras até de Satanás e de pessoas por ele usadas. Exemplificando, Deus disse aos amigos deJó: porque vós não falastes de mim oque era reto como o meu servoJó” (Jó 42.8). A Bíblia, entretanto, fornece-nos um minucioso re­ gistro do que eles disseram, embora suas opiniões não fos­ sem corretas. 4- O fracasso em reconhecer que algumas declarações são condensações do que foi dito ou feito. 5. Dificuldades cronológicas devido ao fato de os babilônios, egípcios, gregos e romanos usarem sistemas dife­ rentes para medir o tempo e marcar datas. Até mesmo Israel e Judá diferiam ocasionalmente em seus métodos de contar os anos de reinado de seus respectivos monarcas. (Quanto a uma boa discussão sobre o assunto, ver Edwin R. Thiele, TheMysteríousNumbersoftheHebrewKings, GrandRapids; Zondervan Publishing House, 1983.) 6. Aparentes discrepâncias ocasionadas por passagens que usam números arredondados, ao passo que outras for­ necem cifras mais exatas, dependendo do propósito de cada escritor. 7. Em alguns lugares, os erros dos copistas foram incor­ porados a manuscritos antigos. Uma comparação entre os manuscritos tem ajudado a corrigir a maior parte desses erros. De fato, a maioria dos eruditos concorda quanto ao que era o conteúdo original desses textos (R. K. Harrison e outros, Biblical Criticism: Historiai, Literary and Textual, Grand Rapids: Zondervan Publishing House, 1980, pág. 150). 8. Finalmente, algumas das chamadas discrepâncias são causadas pelas palavras hebraicas e gregas que apresentam mais de um significado, tal como acontece com oportuguês. A palavra“manga”,porexemplo, pode significartanto manga de camisa como fruta. Um após outro, esses alegados equívocos e discre­ pâncias vêm semostrando falsos. Vezes semconta, asdesco­ m
  • 29. A Inspiração das Escrituras 31 bertas feitas pelos arqueólogos e outros eruditos têm de­ monstrado que os aludidos erros apontados pelos críticos não têm quaisquer consistências. Para exemplificar, o Dr. Stanley Horton ouviu um professor de Harvard dizer que não havia lâmpadas com sete ramos nos tempos de Moisés. Por conseguinte, aBíbliaestava equivocada ao registrar que um candeeiro assimfora no tabernáculo - ver Exodo 37.17- 24. Entretanto, numa expedição arqueológica em Dotã, em 1962, com o Dr. Joseph Free, do Wheaton College, o Dr. Horton observou trabalhadores desenterrarem um candeei­ ro com sete lâmpadas datado de 1400 a. C., exatamente da época de Moisés (Stanley M. Horton, “Why the Bible is Reliable”, PentecostalEvangel, 14de janeiro de 1973, págs. 8-11). Alguns dos que negam a infalibilidade das Escrituras, acreditam não obstante ser a Bíblia um livro de real valor. Dizemque não importa se ahistória e aciência da Bíblia são verdadeiras ou não, pois um pecador pode ser salvo sem conhecer toda a Bíblia ou suas reivindicações quanto à inspiração divina. E verdade que o pecador nada precisa saber acerca do nascimento virginal, das curas divinas, da santificação, do batismo no Espírito Santo e da segunda "inda de Cristo a fim de ser salvo. Mas uma vez que o recador se converta, tais ensinos servirão para torná-lo mais maduro na fé (Hb 5.11 e 6.2). Para os que se perturbam com o que consideram impre­ cisões da Bíblia, principalmente quanto à descrição dos renômenosnaturais, recomendamos-lhes quelevememconta : seguinte fato: a terminologia científica somente começou a desenvolver-se a partir do início do século XIX. Além do mais, cada ciência adquiriu o seu próprio vocabulário. A palavra “núcleo”, por exemplo, significa uma coisa para o nólogo e outra bem diferente para o astrofísico. Os cientis­ tas empregam as palavras nos mais variados sentidos. Mas a linguagem da Bíblia não é científica. Ela usa termos como ‘erguer-do-sol”ou “pôr-do-sol”, tal como o fazemos, embo- CAPÍTULO 1 A Inspiração das Escrituras
  • 30. 32 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 1 A Inspiração das Escrituras ra saibamos que é a terra que se movimenta e não o sol. Todavia, quando a Bíblia declara que “Deus criou os céus e a terra”, não há o que se duvidar: a Bíblia realmente é infalível. A Bíblia jamais nos induzirá ao erro. Ela é a admirável revelação de Deus como nosso Criador e Redentor; um Deus pessoal que nos ama e se interessa por nós; um Deus que tem um plano e que enviou a seu Filho a fim de morrer em nosso lugar (1 Co 15.3). Um Deus que continuará a operar até que Satanás sejaesmagado, eestabelecidos novos céus e nova terra. A Bíblia toda mostra-nos que Ele é digno de confiança; podemos depender totalmente dEle. Sua pró' pria natureza garante a autoridade, a infalibilidade e a inerrância de sua Palavra. O CÂNON E AS TRADUÇÕES MAIS RECENTES Embora estejamos convictos de que os autógrafos foram realmente inspirados por Deus, não mais os possuímos. Mui provavelmente hajam sido desgastados devido ao uso e ao trabalho incessante dos copistas. Todavia, como podemos confiar no texto que aparece em nossas Bíblias? A natureza fidedigna das Bíblias atuais está vinculada à história do cânon, à transmissão e às traduções dos livros das Sagradas Escrituras. A palavra “cânon”significa “regra, padrão, vara de me­ dir”.Portanto, canônico é o livro que satisfaz a certos crité­ rios ou padrões. Na época de Jesus, os 39 livros do Antigo Testamento já eramplenamente aceitos pelojudaísmo como divinamente inspirados. O Senhor referiu-se repetidas vezes ao Antigo Testamento, reconhecendo-o como a Palavra de Deus (Mt 19.4 e 22.29). Para se conferir a confiança que os escritores do Novo Testamento tinham no Antigo, basta conferir as centenas de citações da Lei, dos Profetas e dos Escritos feitas por eles. Há apenas uma ocasião em que, talvez, seja citado um livro apócrifo (espúrio ou duvidoso):
  • 31. A Inspiração das Escrituras 33 Judas vs. 14 e 15, onde parece haver uma similaridade com o livro de Enoque 1.9. E, mesmo nesse caso, não é difícil de se atribuir a ocorrência a uma tradição oral, disponível tanto para o escritor do livro de Enoque quanto para Judas. E o que dizer do cânon do Novo Testamento? Eis uma história fascinante e toda própria. Movamo-nos, porém, para a conclusão da história, já no século IV. Em 367 d. C., o mais ortodoxo dos teólogos da época, o grande campeão da verdade bíblica, Atanásio, fez uma seleção de todos os livros que até então circulavam no mundo mediterrâneo, e que se diziam documentos apostólicos. Seu exame concluiu que apenas 27 livros (os mesmos que temos hoje no Novo Testamento) podiam ser considerados de fato como a infa­ lível e inspirada Palavra de Deus (Everett F. Harrison, Introduction to the New Testament, Grand Rapids: Wm. B. Eerdmans Pub. Co., 1982, pág. 108). Trinta anos mais tarde, de formamuito independente de Atanásio, reuniu-se um concilio eclesiástico em Cartago, com o intuito de discutir a genuinidade dos livros tidos como Sagrada Escritura (idem). Nesse concilio, foram aplicados quatro testes aos docu­ mentos que reivindicavam inspiração divina: (1) Apostolicidade: O livro era da lavra de um apóstolo ou de alguémrelacionado com o colégio apostólico? (2) Universa­ lidade: O livro era largamente aceito e usado pelas igrejas? 3) Conteúdo: O assunto do livro parece estar em pé de igualdade com as Escrituras conhecidas? (4) Inspiração: O livro trazia aquela qualidade especial que deixa transparecer a inspiração divina? Note o leitor que dos quatro testes a que os livros foram submetidos, três eram objetivos, e um implicava numá questão de evidência factual. Somente o quarto teste (oda inspiração) poderia serconsiderado subje­ tivo, ou seja: de juízo pessoal. O concilio de Cartago, após ievar em conta todos esses fatos, concluiu que os 27 livros, que atualmente temos em nossoNovo Testamento, eram os únicos que estavam de conformidade com os critérios esta- Á Inspiração das Escrituras CAPÍTULO 1
  • 32. 34 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 1 A Inspiração das Escrituras belecidos. Para todos os propósitos práticos, a questão do cânon estava devidamente encerrada até ser reaberta pelo racionalismo moderno. A outra questão que continuava pendente era quanto à exatidão da transmissão do texto sagrado. A inspiração divina estende-se somente até ao autógrafo; nenhum argu­ mento é apresentado acerca da inspiração das traduções ou versões da Bíblia. Você, então, poderia indagar: Até que ponto minha Bíblia conforma-se aos documentos originais inspirados por Deus? Examinemos primeiramente o Novo Testamento por estar mais próximo de nós do que o texto do Antigo. O fato mais notável é que há mais de 5.300 cópias manuscritas, de respeitável antigüidade, do Novo Testamento no grego ori­ ginal. Algumas dessas cópias são dos séculos III e IV. Há um fragmento do evangelho de João, por exemplo, datado de cerca de 125 d. C., ou seja: apenas trinta anos após ter sido copiado. Que tremendo contraste com as cópias de outros escritos. O mais antigo manuscrito de que dispomos - de Virgílio - é de aproximadamente 350 anos após o seu faleci­ mento. A maior parte dos manuscritos de Platão é de 1.300 anos após a sua morte (Sir Frederic Kenyon, The Story of the Bible, 2aedição, Grand Rapids: Wm. B. Eerdmans Pub. Co., 1964, pág. 26). Sir Frederic Kenyon, notável erudito bíblico, discor­ rendo acerca das descobertas modernas feitas pela arqueo­ logia bíblica, afirmou: “Elas têm estabelecido, com uma riqueza de evidências que nenhuma outra obra da literatura antiga é capaz de apresentar, a autenticidade substancial e a integridade do texto sagrado, conforme o encontramos em nossas Bíblias” (Sir Frederic Kenyon, Our Bible and the Ancient Manuscripts, 5aedição revisada, Londres: Eyre &. Spottiswoode, 1958, págs. 318 e 319). O texto do Antigo Testamento alcançou uma dramática e inesperada vitória neste século. Em 1947, nas cavernas de Cumram, jánas vizinhanças do mar Morto, foramencontra-
  • 33. A Inspiração das Escrituras 35 dos diversos manuscritos dos livros do Antigo Testamento, com exceção do de Ester. Eles eram de 250 a.C., fazendo- nos recuar cerca de mil anos antes dos melhores manuscri­ tos hebraicos até então disponíveis. A mais importante con­ tribuição dos papiros do mar Morto foi a luz lançada sobre o texto do Antigo Testamento, proporcionando-nos inequí­ voca segurança quanto à precisão e autenticidade do texto que aparece em nossas Bíblias. Eles tornaram possível a comparação de um grande número de textos, levando-nos a reconhecer que o texto do Antigo Testamento “permane­ ceu virtualmente sem mudanças durante os últimos dois mil anos” (Geza Vermes, The Dead Sea Scrolls in English, 2a edição, Harmondsworth, Middlesex, Inglaterra: Penguin Books, Ltd., 1975, pág. 12). De fato, há notável conformi­ dade entre os documentos do mar Morto e os textos que atualmente conhecemos. O propósito de Deus, na chamada de Abraão e na esco­ lha de Israel como seu servo (ver Isaías 44-1), foi preparar o caminho para gerar bênção a todas as nações da terra (Gn 12.3; 22.18). Importava, pois, fosse a Bíblia posta nas lín­ guas dasvárias famílias da terra. Todos ospovos precisam da Bíblia por ser esta a espada do Espírito (Ef 6.17). Ela é o único meio de ganharmos vitórias espirituais; é igualmente o martelo de Deus. Eo instrumento que temos para esmiga­ lhar a oposição e construir o edifício da fé (Jr 23.29). Sim, a Palavra de Deus é uma lâmpada para iluminar-nos avereda (SI 119.105). Até mesmo quando as pessoas se acham cegas pelo pecado, e a Bíblia lhes parece loucura, ainda assim Deus usa tal “loucura”para salvar os que confiam em Cristo 1Co 1.18,21). A Bíblia é também necessária para o cresci­ mento dos crentes. Conseqüentemente, assim que a Igreja começou a espalhar-se por países onde não se falavam nem o hebraico nem o grego, os crentes começaram areivindicar fosse a Bíblia traduzida aos seus respectivos idiomas. A história das versões da Bíblia é comovente. (Grande parte da discussão que se segue sobre as traduções foi extra- À Inspiração das Escrituras CAPÍTULO 1
  • 34. 36 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 1 A Inspiração das Escrituras ida do livro de Stanley M. Horton, “Perspective of Those New Translations”, Pentecostal Evangel, 11 de julho de 1971, págs. 6-8.) Na verdade, essa história começou antes da era cristã. Em virtude das conquistas de Alexandre, o Grande, o grego tornou-se alíngua do comércio, dos negóci­ os e da educação no Oriente Próximo e no Médio Oriente. A cidade de Alexandria, no Egito, veio a tornar-se o grande centro da erudição e da cultura gregas. Foi exatamente nesse período, que vai de 250 a 150 a.C., que veio a lume a famosa versão da Septuaginta (Gleason L. Archer, Jr., A Survey of Old Testament Introduction, edição revisada, Chicago: Moody Press, 1981, pág. 44). A Septuaginta era freqüentemente usada pelos cristãos primitivos na pregação do Evangelho, conforme nos indica o uso que dela fazoNovo Testamento. Ao mesmo tempo, o Espírito Santo dirigiu os autores do Novo Testamento a escreverem não no grego clássico, usado pelos grandes filó­ sofos, mas no grego falado pelo povo comum nas ruas e mercados. Deus sempre quis que a sua Palavra fosse pregada na linguagem comum do povo. Moisés, ao escrever a Lei, não se utilizou dos hieroglíficos usados pelos eruditos do Egito, mas lançou mão do hebraico falado nas tendas de Israel. Jesus pregou e ensinou com tal simplicidade que levava a gente humilde a ouvi-lo com deleite (Mc 12.37). Quando o Evangelho se espalhou, os vários povos, naturalmente, co­ meçaram a traduzir a Bíblia para seus próprios idiomas. Quatro séculos depois de Cristo, quando já não era falado nem o grego, nem o antigo latim, Jerônimo encetou nova tradução da Escritura para o latim “vulgar” ou “comum”. Essa versão tornou-se conhecida como a Vulgata Latina (idem, pág. 80). Infelizmente, a Vulgata tornou-se a versão oficial da Europa Ocidental e da Inglaterra. E, assim, as diversas ten­ tativas para se traduzir a Bíblia para outras línguas foram desencorajadas, embora a população européia já não mais
  • 35. A Inspiração das Escrituras 37 falasse o latim. O que faltava realmente era colocar a Pala- vra de Deus nas mãos do povo. Foi o que fez o inglês Wycliffe. Ele traduziu a Vulgata Latina para o inglês. E, como resultado desse seu trabalho pioneiro, muitas pessoas converteram-se a Cristo. Deus, porém, estava trabalhando. A invenção da im­ prensa foi responsável pela grande mudança. Entre 1462 e 1522, apareceram, só em alemão, pelo menos dezessete versões e edições da Bíblia. Tais versões ajudaram a prepa­ rar o caminho para a Reforma Protestante que, sob o co­ mando de Martinho Lutero, levou o povo a compreender melhor a salvação pela graça. O próprio Martinho Lutero apelou para os originais hebraico e grego a fim de preparar uma melhor tradução da Palavra de Deus em alemão. Influ­ enciado por Lutero, William Tyndale elaborou, em 1525, a primeira tradução impressa do Novo Testamento em inglês (idem, págs. 20 e 21). A primeira tradução da Bíblia em português foi iniciati­ va de um pastor evangélico: João Ferreira de Almeida. Ele nasceu em Portugal, nas proximidades de Lisboa, em 1628. Abraçando os ideais da Reforma Protestante, Almeida pas­ sou a freqüentar a Igreja Reformada Holandesa, da qual tornou-se ministro. Um dos maiores anseios deJoão Ferreira de Almeida era traduzir para o português. Mas, para levar adiante o seu trabalho, viu-se obrigado a refugiar-se na Ilha de Java, no Oceano Indico. E, assim, pôs-se a trabalhar. Primeiro, ele traduziu oNovo Testamento, que foipublicado na Holanda em 1681. Quanto aoAntigo Testamento, não opôde tradu­ zir todo. O Senhor o recolheu quando ele completava o livro de Ezequiel. Mas a sua obra não ficaria imcompleta. Seus amigos encarregar-se-iam de traduzir o restante do Antigo Testa­ mento. Hoje, onde quer que sefaleoportuguês,JoãoFerreira de Almeida é lembrado pela bravura e pioneirismo de seu espírito. A Inspiração das Escrituras CAPÍTULO 1
  • 36. 38 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 1 A Inspiração das Escrituras A tradução deJoão Ferreira de Almeidajá foisubmetida a diversas revisões. Em 1951, a Imprensa Bíblica Brasileira publicou a edição revista e corrigida, mais conhecida como ARC. E, em 1958, era lançada, pela Sociedade Bíblica do Brasil a edição revista e atualizada de Almeida - a ARA. Tanto a ARC quanto a ARA foram relançadas, em segun- da edição, em 1995, pela Sociedade Bíblica do Brasil. Eis outras versões da Bíblia em português: IBB- Impren- saBíblica Brasileira; Tradução Brasileira; Figueiredo; Matos Soares e outras traduções usadas pela Igreja Católica. PERGUNTAS PARA ESTUDO 1. Por que o racionalismo é insuficiente como base para a autoridade religiosa? 2. Por que a Bíblia é uma base melhor para se funda­ mentar a autoridade religiosa do que a Igreja? 3. O que a própria Bíblia nos ensina sobre sua inspira­ ção? 4. Como devemos cuidar dos alegados erros e discre- pâncias existentes na Bíblia? 5. Quais as principais bases para se aceitar os 66 livros da Bíblia como canônicos? 6. Quais as principais razões por que novas versões da Bíblia têm sido preparadas? 7. Por que é importante obter a Bíblia traduzida na linguagem que o povo realmente fala? 8. Como podemos receber a iluminação do Espírito Santo nos estudos da Bíblia hoje em dia?
  • 37. BBLICAS 2- Verdade Fundamental
  • 38. O DEUS ÚNICO E VERDADEIRO O Deus Único e Verdadeiro revelou-se como o eterno e auto-existente “Eu Sou”, o Criador dos céus e da terra, e o Redentor da humanidade. Ele também se revelou como aquEle que incorpora os princípios de relação e associação como Pai, Filho e Espírito Santo (Dt 6.4; Is 43.10,11; Mt 28.19; Lc 3.22).
  • 39. 0 DeusUnicoe Verdadeiro Em 1913, reuniu-se uma grande multidão em Arroyo Seco, no Estado norte-americano da Califórnia, para ouvir a Sra. MariaWoodworth-Etter, durante arealizaçãodoAcam­ pamento Mundial Pentecostal (William W. Menzies, Annoínted to Serve: The Story of the Assemblies of God, Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1971, pág. 111). Numa noite, John Scheppe despertou a todos ao gritar o nome de Jesus. Esse imigrante alemão acabara de ter uma visão de Jesus, que o fez sentir que o Salvador deveria ser verdadeiramente honrado. Frank J. Ewart, ex-ministro ba­ tista, procurou logo tirar partido da situação, insinuando que a melhor maneira de o crente honrar a Cristo era ser rebatizado na água apenas no nome de Jesus (Menzies, Anointed, págs. 112 e 113). Tanto Scheppe quanto Ewart haviam sidoinfluenciados por um sermão de R. E. McAlister sobre o batismo em água no nome de Jesus Cristo. Não demorou muito, e os mais afoitos já estavam decla­ rando que os que rejeitassem o rebatismo acabariam por perder a salvação. O incidente foi narrado por Myrle M. Fisher, em 1913. Embora tenha sido rebatizada, ela, através de seus próprios estudos das Escrituras, acabou por retornar
  • 40. 4 2 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 2 / 0 Deus Unico e Verdadeiro àposição trinitária. A irmã Myrle M. Fisher casou-se pouco depois com Harry Horton, e tornou-se a mãe de Stanley M. Horton, o qual, por muitas vezes, ouviu-a referir-se ao la­ mentável ocorrido. Os autores do incidente declararam ainda que só existe uma pessoa na deidade: Jesus, o qual sempre cumpriu os papéis e ofícios do Pai, do Filho e do Espírito Santo, confor­ me o tempo ou a ocasião o requeressem. Os promotores dessa heresia tornaram-se logo conhecidos como Nome de Jesus, Jesus Somente ou Unidade. Eles referiam-se à sua doutrina como “A Nova Questão”, mas na realidade não passava de uma antiga heresia reavivada: era defendida pelos sabelianos e monarquianos do terceiro século. Os cristãos da época condenaram-na energicamente. Pouco depois de as Assembléias de Deus serem forma­ das, em 1914, houve ainda quem teimasse em propagar tal doutrina. Para combatê-la, a igreja, em 1916 (quanto à discussão dessa controvérsia ver Thomas F. Harrison, Christology, 2aedição revisada, Springfield, Mo.: págs. 35- 77), incluiu um artigo, em sua Declaração de Verdades Fundamentais, intitulado “A Adorável Deidade”. Essa de­ claração, hoje, traz a seguinte redação: (a) Definição de Termos Os termos “trindade”e “pessoas”, relacionados à deida­ de, apesar de não serem encontrados nas Escrituras, acham- se em plena harmonia com as mesmas Escrituras, mediante as quais podemos transmitir nossa compreensão imediata da doutrina de Cristo com referência ao Ser de Deus, distin- guindo-o dos “muitos deuses e senhores”. Professamos, por conseguinte, ser Deus o Único Deus e Senhor, subsistindo Ele na Trindade. Deus, pois, é um Ser composto por três pessoas. E nem por assim professarmos deixamos de ser absolutamente bíblicos (Mt 28.19; Jo 14.16,17; 2 Co 13. (b) Distinção e Relações Dentro da Deidade Cristo ensinou como se processa as relações entre o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Mas tais distinções e relações
  • 41. O Deus Único e Verdadeiro 4 3 são, em si mesmas, inexcrutáveis e incompreensíveis, por serem inexplicáveis (Mt 11.25-27; 28.19; Lc 1.35; 1 Co 1.24; 2 Co 13.14; 1Jo 1.3,4). (c) Unidade do Ser do Pai, Filho e Espírito Santo De acordo com esse pressuposto, há algo específico no Filho que o identifica de fato como Filho, diferenciando-o do Pai. Ehá, no Espírito Santo, algoque o identifica como o Espírito Santo, diferenciando-o do Pai e do Filho. Portanto, o Pai é o gerador, o Filho é o gerado, e o Espírito Santo é aquele que procede do Pai e do Filho. Visto estarem as três pessoas da Trindade em perfeita unidade, há então um só Senhor Deus Todo-poderoso, e seu nome é um só (Zc 14.9; Jo 1.18; 15.26; 17.11,21). (d) Identidade e Cooperação na Deidade O Pai, o Filho e oEspírito Santo não são idênticoscomo pessoas;e jamais foram confundidos quanto à relação. Não estão divididos no tocante à deidade, nem estão em oposi­ ção no que tange à cooperação. Concernente à relação, o Filho está no Pai e o Pai está no Filho. O Filho está com o Pai, e o Pai está com o Filho, quanto à comunhão. Quanto à autoridade, o Pai não vem do Filho, mas o Filho vem do Pai. O Espírito Santo, por sua vez, vem tanto do Pai quando do Filho, no que tocante ànatureza, à relação, àcooperação e à autoridade. Portanto, nenhuma pessoa da Trindade existe, ou trabalha, separada e independentemente das ou­ tras (Jo 5.17-30,32,37; 8.17,18). (e) O Título, Senhor Jesus Cristo O título “Senhor Jesus Cristo” é um nome próprio. Ja­ mais é aplicado ao Pai ou ao Espírito Santo. Este nome pertence exclusivamente ao Filho de Deus (Rm 1.1-3,7; 2 Jo 3). Quanto à sua natureza divina e eterna, o Senhor Jesus Cristo éoUnigênito do Pai, mas concernente àsuanatureza humana, é Ele o próprio Filho do Homem. Portanto, Jesus é reconhecido tanto como Deus quanto como homem. E por ser Ele verdadeiro homem e verdadeiro Deus, apresenta-se CAPÍTULO 2 0 Deus Único e Verdadeiro
  • 42. 4 4 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 2 0 Deus Único e Verdadeiro como “Emanuel”-“Deus conosco” (Mt 1.23; 1Jo 4.2,10,14; Ap 1.13,17). (g) O Título, Filho de Deus Visto que o nome “Emanuel” abrange a Jesus Cristo tanto como Deus quanto como homem, numa única pessoa, segue-se que o título “Filho de Deus”descreve-lhe a deida- de, enquanto que “Filho do Homem”ressalta-lhe ahumani­ dade. Por isso, o título Filho de Deus pertence à ordem da eternidade, ao passo que Filho do homem acha-se ligado à ordem do tempo (Mt 1.21-23; Hb 1.1-13; 7.3; 1 Jo 3.8; 2 Jo 3). (h) Transgressão Contra a Doutrina de Cristo Constitui-se grave transgressão doutrinária afirmar que Jesus Cristo haja derivado o título “Filho de Deus” de sua encarnação, ou de sua relação com a economia da redenção da raça humana. Negar, pois, que o Pai seja real e eterno Pai, e que oFilho também o seja, significa anular adistinção e relação que existe na divindade. E uma negação tanto do Pai quanto do Filho; é negar que Jesus Cristo tenha vindo em carne (Jo 1.1,2,14,18,29,49; Hb 12.2; 1Jo 2.22,23; 4.1- 5;2Jo 9). (i) Exaltação de Jesus Cristo como Senhor Nosso Senhor Jesus Cristo, o Filho de Deus, tendo, por si mesmo, nos expurgado de nossos pecados, sentou-se à mão direita da Majestade, nas alturas. Tendo em vista sua exaltação, os anjos, principados e poderes se lhe sujeitaram. E, feito tanto Senhor como Cristo, enviou-nos Ele o Espírito Santo para que, no nome de Jesus, ajoelhemo-nos e confes­ semos que Cristo Jesus é o Senhor. Mas, quando da consu­ mação de todas as coisas, opróprio Filho sujeitar-se-á ao Pai para que Deus seja tudo em todos (At 2.32-36; Rm 14-11; 1 Co 15.24-28; Hb 1.3; 1Pe 3.22). (j) Honra Igual ao Pai e ao Filho Visto ter o Pai entregue todo ojulgamento ao Filho, não é somente dever expresso de todos, quer no céu, quer na terra, dobrarem os joelhos, mas, acima de tudo, alegria
  • 43. O Deus Único e Verdadeiro 45 indizível, no Espírito Santo, atribuir ao Filho todos os atri- butos da divindade, e dar-lhe toda a honra e toda a glória contidas em todos os títulos e nomes da divindade, exceto osque servempara individuar as outras pessoas da Trindade (ver os parágrafos b, c e d). Assim agindo, haveremos de honrar tanto ao Pai quanto ao Filho (Jo5.22,23; Fp 2.8,9; 1 Pe 1.8; Ap 4.8-11; 5.6-14; 7.9,10). A EXISTÊNCIA DE DEUS A Bíblia não se preocupa em provar a existência de Deus. O livro de Gênesis começa reconhecendo que Ele é: “No princípio Deus...” EHebreus 11.6 afirma enfaticamen­ te: “... é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe. . .”As Escrituras deixam bem claro que acreditar na existência de Deus constitui a base da experi­ ência humana. Dizer que não existe um Ser Supremo - ou viver como se Ele não existisse - eqüivale a negar o que todos sabem de maneira intuitiva (Jo 1.9; Rm 1.19). A existência de Deus é algo tão fundamental ao pensamento humano que abandonar tal conceito significa embarcar no encapelado mar da irracionalidade, onde nada tem signifi­ cado ou propósito. Embora a Bíblia não apresente argumentos em favor da existência de Deus, há não poucas implicações que apoiam plenamente taisargumentos. Argumentosclássicosvemsendo apresentados desde a era medieval. Apesar de limitados em simesmos, provêem eles, em seu conjunto, o apoio intelec­ tual suficiente para corroborar a verdade da Bíblia. O pri­ meiro desses argumentos é o ontológico. Defende este que umSer Perfeito implica numa existência real. A idéia de um Ser Perfeito que não se manifeste genuinamente na realida- ie, pressupõe que este Ser não seja totalmente perfeito. Por conseguinte, para se conceber um Ser Perfeito, é necessário se acreditar que este Ser Perfeito realmente exista (para uma discussão sobre o valor do argumento ontológico, ver JamesOliverBuswell,A Systematic Theologyofthe Christian CAPÍTULO 2 0 Deus Único e Verdadeiro
  • 44. 46 Doutrinas Bíblicas CAPITULO Religion, v o l. 1 , Grand Rapids: Zondervan PublishingHouse, 1962, págs. 98-100). 0 DeilSÚnico e O segundo argumento clássico é o cosmológico. Segue- Verdadeiro se mane'ra coerente ao ontológico. O universo, como todos o admitimos, não existe por simesmo. Todos os even­ tos que presenciamos dependem de alguma causa além de­ les mesmos. Se você buscar a origem dessas causas primei­ ras, eventualmente chegará àPrimeira Causa: um Ser auto- existente que não depende de qualquer outra coisa, além de si, para existir. O terceiro argumento clássico em prol da existência de Deus é o teleológico, ou argumento do desígnio. O mundo maravilhoso descoberto pela inquirição científica desvenda uma notável e espantosa ordem em toda a natureza. As improbabilidades matemáticas de todas estas maravilhas te­ rem ocorrido por mero acaso, leva-nos a enaltecer aquEle que éoautorde quanto vemos eadmiramos. Comosalmista, juntemos nossas vozes: “Os céus manifestam a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos” (SI 19.1; quanto a uma discussão acerca do Salmo 19 e outras passagens referentes àrevelação geral por meio da natureza, ver Millard J. Erickson, editor, Christian Theology, Grand Rapids: Baker Book House, 1986, págs. 166-171). O quarto argumento clássico é o moral. Ele apresenta-se como o senso inato do que é certo e do que é errado. Que ser humano não o possui? A realidade de um grande Legis­ lador é a evidência mais que lógica da vida moral de nossa consciência. Embora os padrões de moralidade variem lar­ gamente de cultura para cultura, a consciência dos valores morais permanece intacta. Similar ao anterior é o quinto argumento. Acha-se ele alicerçado sobre a estética ou beleza. Que todas as pessoas possuam um conceito de valores relativos acerca da beleza (por mais largamente que variem seus padrões), é algo que aponta na direção de alguém que, em si mesmo, é o doador da beleza. Seu amor não conhece limites.
  • 45. O Deus Único e Verdadeiro 47 A NATUREZA DE DEUS Romanos 1.19,20 indica que a existência de Deus é algo que pode ser apreendido por todos através da revelação geral. Entretanto, para conhecermos a natureza divina, será mistervoltarmo-nos àrevelação especial que o próprio Deus nos proporciona. Em sua Palavra, Ele revela-se de variadas maneiras. Uma das maneiras mais empolgantes de oconhe­ cermos é através de seus diversos nomes. ‘El (no hebraico, “Deus”), que se encontra no singular, ocorre cerca de 250 vezes na Bíblia, e enfatiza a idéia de força (ver Gênesis 14.18-22). Uma outra forma singular, ‘Eloah, ocorre apenas no livro de Jó, 42 vezes. Mas sua forma plural, ‘Elohim, pode ser encontrada mais de 2.000 vezes no Antigo Testamento. Usualmente acha-se vincula­ da ao poder criativo de Deus, e ao cuidado que Ele dispensa ao Universo e à humanidade. Além disso, implica na pluralidade existente no Supremo Ser (ver Gn 1.26; 3.22). Yahweh é outra palavra hebraica. Em muitas versões da Bíblia, foi traduzida por “Senhor” (as consoantes do nome pessoal de Deus: YHWH, foram transliteradas para o latim novo comoJHVH, e, combinando-as com ossinaisvocálicos do substantivo hebraico “Senhor”,deu origem a uma forma não-bíblica: “Jeová”). Trata-se de um nome que manifesta a observância do pacto (Ml 2.5; 3.6). Esse nome ocorre cerca de 7.000 vezes no Antigo Testamento. Eis o seu significado: “Ele continuará [ativamente] a ser”. Subentende que Deus mostrara que tipo de Deus é Ele realmente. Ele o fará através de seus atos que se acham ligados à promessa que diz: “... Eu serei contigo” (Êx 3.12). Nomes especiais, compostos com ‘El e Yahweh, enfatizam a natureza de Deus e seu relacionamento com os vários pactos estabelecidos com o seu povo. Entre estes nomes, podemos citar: ‘EIShaddai, “Deus Todo-poderoso” (Gn 17.1, derivado de uma raiz, shadu, que significa “mon­ tanha”); ‘ElElyon, “Deus Altíssimo” (Gn 14.18); ‘ElRo’i, “o CAPÍTULO 2 0 Deus Único e Verdadeiro
  • 46. 48 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO Deus que me vê” (Gn 1 6 .1 3 );‘El ‘Olam, “o Deus eterno” (Gn 2 1 .3 3 ) ;‘El ‘Elohe Yisra’el, “Deus, o Deus de Israel” 0 Deus Único e (r e a ^Çaa relação especial de Deus com Israel, Gn 3 3 .2 0 ) ; Verdadeiro Yahwehw^ropheka, “o Senhor, teu Médico [pessoal]” (Ex 15.26); Yahweh-nissi, “oSenhorminhaBandeira”(Êx 17.15); "ahwehshalom,“o Senhor é Paz” (Jz6.24); Yahweh-ro’i, “o Senhor é meu Pastor” (SI 23.1). Aquele que perdoa é deno­ tado por Yahweh-tsidkenu, “o Senhor, Justiça Nossa” (Jr 23.6). O nome da Nova Jerusalém será Yahweh-shammah, “o Senhor está ali” (Ez48.35). Eo nome celestial de Deus é Yahweh-sabaoth, “oSenhordosexércitos [incluindoashostes angelicais]” (SI 148.2; cf. Mt 26.53). Existem, ainda, outros termos importantes que descre­ vem a natureza de Deus: ‘Adonai (hebraico), Kuríos (gre­ go), “Senhor”; ‘Attiq Yomin (aramaico), “oAncião de Dias”, um título que se acha em conexão com os juízos divinos na administraçãodosreinosdestemundo (Dn7.9,13,22); Qedosh Yisrael (hebraico), “o Santo de Israel” (usado vinte e nove vezes por Isaías); Tsur (hebraico), “Rocha”; ‘Ab (hebraico; ‘Abba, aramaico; Ho Pater, grego), “Pai” ou “ó Pai” (uma forma de tratamento que demonstrava grande respeito nos tempos bíblicos); Melek (hebraico), “Rei” (Isaías 6.1,5); Go’el (hebraico), “Redentor”; Despotes (grego), “senhor”, “proprietário”; e, finalmente, Rishon wa~'acharon (hebrai­ co; no grego é Ho Protos kai Ho Esxatos), “o Primeiro e o Ultimo” (fala de seu governo sobre o curso da história, Is 44.6; 48.12; Ap 2.8). Passando dos nomes e títulos de Deus usados nas Escri­ turas, e que falam de sua natureza, examinemos, de forma abreviada, alguns conceitos importantes acerca da natureza divina. Deus é, antes de tudo, infinito, nada o pode limitar. E maior do que o Universo; foi Ele quem o criou. Este é um quadro demasiado grande para que as nossas mentes finitas o apreendam, mas é uma descrição imprescindível à nossa compreensão de Deus (1 Rs 8.27). Intimamente relaciona-
  • 47. O Deus Único e Verdadeiro 49 da a essa idéia acha-se o conceito da unidade divina - só existe um Deus (Dt 6.5; Is 44.6,8). Deus é, aomesmo tempo, transcendental (acima, além e maior do que o Universo que Ele criou) e imanente (pre­ sente e ativo nesse mesmo Universo). Somente o ensino cristão sobre Deus une adequadamente ambos os conceitos. A transcendência preserva a distinção entre Deus e o Uni­ verso. Ignorar tal distinção leva-nos a cair no panteísmo, onde Deus e o Universo são irremediavelmente confundi­ dos. A doutrina panteísta ensina que o Universo, com suas forças e leis, é tudo quanto existe; e, ato contínuo, chama o Universo de Deus, eliminando, assim, a possibilidade de um Deus pessoal. A idéia da imanência divina, por sua vez, reconhece ser apresença de Deus, no Universo que Ele criou, sumamente necessária para preservar sua amorável relação com os seres que Ele também criou (Êx 8.22; At 17.24,25,27,28). Eis o que afirmou Paulo a este respeito: “...ainda que não está longe de cada um de nós” (At 17.27). Os que não reconhe­ cem a presença divina, acabam por cair no deísmo, que, embora admita a existência de Deus, considera-o meramen­ te como uma grande Primeira Causa. Euma noção parecida com a do “fabricante de relógios”desinteressado: depois de haver criado o Universo, foi-se embora, e deixou o aparelho a funcionar por conta própria. Deus também é imutável (não sucetível a mudanças) e eterno. A natureza divina não muda, jamais mudará (Ml 3.6). No Antigo Testamento, há duas palavras hebraicas, mui relevantes, para descrever a Deus: chesed (amor fiel, permanente, cumpridor do pacto) e ‘emeth (dependência, permanência, continuação, fidelidade, verdade). Deus é o ‘Elohe ‘emeth, “o verdadeiro Deus” (2 Cr 15.3). Ele será sempre fiel a simesmo. Esses termos, que ocorrem repetidas vezes no Salmo 89, demonstram vividamente que podemos depender inteiramente de Deus. CAPÍTULO 2 / 0 Deus Unico e Verdadeiro
  • 48. 50 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO OS ATRIBUTOS DE DEUS 2«' t -mam Além dos atributos que descrevem anatureza interior de 0 DeilSUnico eDeus, há também os atributos que lhe realçam os relaciona- Verdadeiro mentos especiais com a criação. Tais atributos são chama­ dos comunicáveis, porquanto podem ser encontrados (ain­ da que em menor grau) na natureza humana. Eles são divi­ didos em duas categorias: naturais e morais. Entre os atributos naturais de Deus, encontra-se a oni­ potência (a qualidade que o faz Todo-poderoso). Isto signi­ fica que Deus pode fazer tudo quanto estiver em conformi­ dade com asua natureza santa ejusta. Sua soberania sobre o Universo éincontestável. Isaías 40.15 descreve-lhe amajes­ tade: “Eis que as nações são consideradas por ele como a gota de um balde e como o pó miúdo das balanças; eis que lança por aí asilhas como auma coisa pequeníssima”.Toda­ via, alguém poderia perguntar: “Mas se Deus é soberano, porque há pecado no mundo?”A resposta jazno fato de que Deus é soberano sobre si mesmo, e tem o poder de limitar-- se. Uma das maiores evidências desta sua qualidade é vista na vinda de Jesus como um bebê deitado na manjedoura, e em sua vida, ministério e morte sobre a cruz (Fp 2.6-8). Em sua liberdade e onipotência, Deus optou por criar seres (pessoas e anjos) com a integridade da escolha moral. Ele não invade a liberdade de nosso arbítrio. Finalmente, devemos reconhecer que Deus, embora nos conceda seme­ lhante liberdade, continua Senhor da História. Ele controla o destino das nações e de todo o Universo. O Apocalipse, juntamente com importantes passagens de Daniel (4.34,35; 5.20,21; 7.26,27; 8.19-25) e de Ezequiel (37.24-28; 38.3; 39.1), desvenda claramente o controle que Deus exerce sobre o futuro de tudo quanto criou. Mas, nesse ínterim, Ele tem, por razões que só mesmo Ele conhece, concedido livre arbítrio às suas criaturas morais. Deus é onipresente, ou seja, está presente em todos os lugares ao mesmo tempo (SI 139.7-10). Ele não se acha limitado pelo espaço, mas está presente em todos os lugares.
  • 49. O Deus Único e Verdadeiro 51 Ea todos quantos criou, de maneira maravilhosa e múltipla, dispensa amor e cuidado. Nem mesmo os pardais caem por terra sem que Ele o saiba (Mt 6.25-29). Embora esteja Ele presente em todos os lugares, devemos nos lembrar de que Ele somente habita com aqueles que se humilham, e o admitem no santuário de seus corações (Is 57.15; Ap 3.20). Deus é onisciente. Ele é dotado de conhecimento e discernimento infinitos, universais e completos. Vê a reali­ dade por uma perspectiva diferente da nossa. Vemos as coisas através de uma corrente de consciência. Para nós, seres mortais e limitados, a vida é um fluxo ao longo da linha do tempo. Olhamos à frente, ao futuro, e logo tudo se faz passado. Para Deus, entretanto, toda a realidade lhe é presente. Todos os acontecimentos, quer passados, quer presentesoufuturos, lhe estãomaisquepatentes (Rm8.27,28; 1Co 3.20). Há os que perguntam, por exemplo, como pode Deus saber quem há de se perder, e mesmo assim, permitir que os tais se percam. O conhecimento prévio de Deus, porém, não predetermina as escolhas individuais, porquanto Ele respeita nosso arbítrio. Em Efésios 1.3-14, temos o esboço da história predeterminada do mundo. Mas esse vislumbre da predestinação do Universo não elimina as “ilhas da liber­ dade” que Deus nos reservou, pois Ele nos fez indivíduos e livres. Ele permite que as pessoas escolham o próprio desti­ no: Céu ou inferno. Entre os atributos comunicáveis de Deus, há também os morais. A bondade é um deles. Deus é realmente bom. Ele se dispõe a zelar continuamente pelo bem-estar de sua cria­ ção. Não se inclina por armar-lhe ciladas. O mal é um inimigo tanto da criação quanto de Deus. A Bíblia encon- rra-se repleta de descrições sobre a bondade divina. Seus -ervos atribuem-lhe amor (1Jo 4.8), benignidade e fidelida­ de (SI 89.49), graça (At 20.24) e misericórdia (Ef 2.4). O maior ato do amor de Deus foimostrado no clímax do plano ae redenção na cruz do Calvário. CAPÍTULO 2 0 Deus Unico e Verdadeiro
  • 50. 52 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 2 0 Deus Unico e Verdadeiro Ninguém tem um amor maior que este! Deus é santo. Este é o cerne da mensagem bíblica sobre o caráter de Deus. “Santo”,na Bíblia, significa basicamente “separado”, “dedicado”. Há dois importantes aspectos na santidade de Deus. (1) Ele está separado, e acha-se acima de tudo quanto étransitório, permanente, finito, imperfeito, mau, pecaminoso e errado. (2) Ele também encontra-se separado para dedicar-se inteiramente ao cumprimento do grande plano daredenção, do Reino vindouro edo estabele­ cimento da nova terra e do novo céu. Tal conceito é totalmente necessário à devida adoração do Supremo Ser. Deus evoca admiração porque Ele é santo (Is 6.1-5). Deus é também justo. Ele sempre agirá com justiça (Dt 32.4; Dn 4.37; Ap 15.3). Mais do que isso. Deus é essenci­ almente justo (SI 71.19). E de sua natureza ser justo. Ele jamais será incoerente com a sua natureza (Is 51.4-6). Sem essa característica, a ordem moral do Universo não teria qualquerbase. Deus é a concretização da verdade em toda a sua pureza e transparência. Eis porque a justiça e a verdade apresentam-se juntas sempre que Deus se ira contra o peca­ do (Ap 16.1-5). Todavia, Deus anela por redimir o ser humano (2 Pe 3.9). Isto é amor! Foi na cruz de Cristo que a ira e o amor de Deus conjuntamente fluíram para resgatar a pobre humanidade (Rm 3.22-25). A TRINDADE Um grande mistério está à nossa espreita: há somente um Deus, e uma só Trindade (ou “triunidade”). Para des­ vendar tal mistério, não dispomos de analogias ou compara­ ções adequadas. Mas arealidade da Palavra de Deus aí está: o Supremo Ser subsiste numa unidade de três pessoas igual­ mente divinas e distintas. O Dr. Nathan Wood, ex-presidente do Gordon College e da Gordon Divinity School, acreditava ver a marca da Trindade sobre a natureza. Sugeriu, inclusive, que o espaço tridimensional nos mostra a Trindade. Se as dimensões de
  • 51. O Deus Único e Verdadeiro 53 uma sala fossem tomadas como unidades iguais, verificar- CAPITULO se-ia, segundo Gordon, que o comprimento percorre a sala inteira, o mesmo acontecendo com a sua largura e altura. 0DeilSÚnicoe Mas cada uma dessas três dimensões é distinta. E para se Ygrdadeiro obter o referido espaço, não se adiciona 1 + 1 + 1; mas multiplica-se l x l x l , tendo como resultado: um. A seme­ lhança das outras analogias, essa também fracassa, pois as dimensões não são pessoais. Por mais difícil que nos seja compreender toda essa verdade, temos aí, não obstante, uma doutrina vital e ur­ gente. A história eclesiástica traz dramáticos relatos de gru­ pos cristãos que teimaram em não fazer caso da Trindade. A oração familiar e cotidiana dos judeus, extraída de Deuteronômio 6.4, enfatiza a suprema grandeza da unidade divina: “Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Se­ nhor”.A palavra“único”,aquiusada, correspondeaohebraico, ‘echad, que pode representar uma unidade composta ou complexa. Embora ohebraico possua uma palavra que signi­ fique “somente um” ou “o único”, yachid, esta jamais é usada em relação a Deus. Paralelamente a unidade de Deus, deparamo-nos com o conceito de sua personalidade. A personalidade envolve o conhecimento (ou inteligência), os sentimentos (ou afetos) e a vontade. O Pai, o Filho e o Espírito Santo, cada um de per si, revelam tais características à sua própria maneira. O Espírito Santo, por exemplo, faz coisas que o mostram real­ mente como uma pessoa distinta, e não como mero poder impessoal (At 8.29; 11.12; 13.2,4; 16.6,7; Rm 8.27; 15.30; 1Co 2.11; 12.11). A personalidade também requer comunhão. Todavia, antes da existência do Universo, onde estava apossibilidade de comunhão? A resposta jaz no complexo arranjo dentro da deidade. A unidade de Deus não exclui a possibilidade de nela haver personalidades compostas. Há três personali­ dades distintas, cada qual inteiramente divina, mas encon­ tram-se tão harmonicamente inter-relacionadas que resul-
  • 52. 5 4 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 2 0 DeusUnico e Verdadeiro tam numa única essência. Como se vê, seria totalmente errado afirmar que na Trindade haja três deuses. Uma maneira de se desvendar as distinções das pessoas, na divindade, consiste em se observar as funções atribuídas especificamente a cada uma delas. Exemplificando: Deus Pai érelacionado àobra da criação; Deus Filho é oprincipal agente da obra de redenção da humanidade; e Deus Espírito Santo é a garantia de nossa herança futura. Esta tríplice distinção é esboçada no primeiro capítulo de Efésios. Con­ tudo, não devemos pressionar tais distinções, pois há abun­ dante testemunho bíblico quanto à cooperação do Filho e do Espírito Santo na obra da criação: o Pai criou através do Filho (Jo 1.3); o Espírito Santo pairava gentilmente sobre a terra, preparando-a para os seis dias da criação (Gn 1.2). O Pai enviou o Filho ao mundo para efetuar a redenção (Jo 3.16), e o próprio Filho, em seu ministério, veio “no poder do Espírito” (Lc 4.14). O Pai e o Filho, de igual modo, tomam parte no ministério do Espírito Santo, que consiste em santificar o crente. A Trindade é uma comunhão harmoniosa dentro da deidade. Essa comunhão é amorosa, porque Deus é amor. Mas esse amor é expansivo, e não autocentralizado. Ele requeria que, antes da criação, houvesse mais de uma Pessoa dentro do Divino Ser. Um importante vocábulo para se guardar, no tocante à doutrina da Trindade, é “subordinação”.Há uma espécie de subordinação na ordem das relações das pessoas da Trinda­ de, mas sem qualquer implicação quanto ànatureza de cada uma delas. O Filho e o Espírito são declarados como “pro­ cedentes” do Pai. È uma subordinação, pois, quanto às relações, mas não quanto à essência. O Espírito, por suavez, é declarado procedente do Pai e do Filho. Esta é a declara­ ção ortodoxa da Igreja Ocidental, adotada por ocasião do Concilio de Nicéia, em 325 d.C, e incorporada em diversos credos. Duas notórias heresias opuseram-se à Igreja quanto à doutrina da Trindade: sabelianismo e arianismo. Por volta
  • 53. O Deus Único e Verdadeiro 55 do século III, Sabélio, numa tentativa de evitar a possibili­ dade de que se ensinasse a existência de três deuses, promo­ veu a idéia de que há apenas um Deus. Embora, segundo ele, possua o Ser Supremo uma única personalidade, mani­ festa-se de três diferentes modos. Primeiramente, há o Deus Pai, o Criador, que, posteriormente, manifestou-se como o Filho, o Redentor. E, finalmente, veio Ele a se revelar como o Espírito Santo. Para Sabélio, Deus estava apenas exibin­ do-se sob três “máscaras”diferentes. Uma modalidade dessa heresiairrompeu nos círculos pentecostais porvolta de 1915, assumindo o epíteto de “Jesus Somente” ou de “Unidade”. Usualmente apontam eles para o fato de que a palavra “nome”,em Mateus 28.19, é singular, e arrematam, dizendo que esse “nome”éJesus. Entretanto, nos tempos bíblicos, o substantivo “nome” incluía tanto os nomes pessoais como os títulos (Lc 6.13), e somente era usado no singular quan­ do dado a uma pessoa - como em Rute 1.2, onde “nome” apareceno singularhebraico. Notemos ainda que, emMateus 28.19, o mandamento foi, literalmente, batizar os converti­ dos “no nome”,que era a maneira de se referir à adoração e serviço do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Todavia, em Atos 2.38, há uma forma diferente usada no original grego, e que significa “no nome de Jesus”: era a maneira de se realçar a expressão “sob a autoridade de Jesus”; autoridade esta expressa em Mateus 28.19. Lucas usou igual terminologia para distinguir o batismo de Cristo do batismo de João Batista. Essa espécie de unitarismo simplifica demasiadamente a Trindade. Os defensores dessa posição usam a seguinte ilus­ tração: O Dr. William Jones é tratado por seu título, Dr. Jones, em seu consultório. No bairro, os amigos chamam-no por seu nome pessoal, William. Em casa, seus filhos cha­ mam-no de pai ou papai. O problema com tal ilustração é que William Jones, numa reunião na sede comunitária de seu bairro, não irá ao telefone falar com o pai Jones, em casa, ou para com o Dr. Jones, em seu consultório. E, no CAPÍTULO 2 / 0 Deus Unico e Verdadeiro
  • 54. 56 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 2 0 Deus Único e Verdadeiro entanto, Jesus orou ao Pai, e o Pai declarou: “Tu és o meu Filho amado, em ti me comprazo” (Lc3.22). A simplificação unitarista, pois, arrasta Deus para o nível humano. Ora, no nível humano sóhá uma pessoa para cada ser. Sem importar qual seja a parte de uma pessoa (vontade, emoções etc) que esteja agindo, ela deverá dizer: “Eu fizisso”.No nível divino, porém, há três pessoas para um só Ser. A maioria dos que seguem a doutrina do “Jesus Somen­ te”,ensinam que só pode considerar-se salvo o que ébatiza­ do no Espírito Santo, e fala línguas estranhas. Tal confusão deriva-se de sua falha em não distinguir entre a redenção operada por Cristo e a unção que nos proporciona oEspírito Santo. Outra heresia que tem afligido periodicamente certos segmentos da Igreja é o arianismo. Em 325 d. C., Ário descambou para um outro extremo. Ele enfatizou de tal forma adistinção entre as pessoas da divindade, que acabou por dividi-la em três essências distintas. E o resultado foi a subordinação não sóentre asrelações pessoais, mas também quanto à natureza do Filho e do Espírito Santo. Semelhante arremedo doutrinário esvaziou a divindade tanto de Cristo quanto do Espírito Santo. Ário negava a eterna filiação de Cristo, sugerindo ter Ele começado a existir nalgum ponto do tempo após o Pai. Além disso, declarou que o Espírito Santo teria vindo à existência através da operação do Pai e do Filho, tornando-lhe a deidade inferior à deidade do Fi­ lho. Há vários grupos hoje que negam igualmente adivinda­ de do Filho e do Espírito Santo. Tais grupos consideram-se herdeiros espirituais de Ário. Eis algumas passagens que refutam a tal subordinação: Jo 15.26; 16.13; 17.1,18,23; 1 Co 12.4-6; Ef 4.1-6 e Hb 10.7-17. Embora o termo “trindade” não seja encontrado em nenhum lugar da Bíblia, há numerosas passagens que lhe fazem alusão. Um vivido exemplo é visto de maneira clara nos eventos que cercam o batismo de Jesus no rio Jordão:
  • 55. O Deus Único e Verdadeiro 57 CAPÍTULO 2 / 0 Deus Unico e Verdadeiro PERGUNTAS PARA ESTUDO 1. Embora os incrédulos não aceitem os argumentos clássicos em prol da existência de Deus, em que sentido tais argumentos são úteis para os crentes? 2. Quando a Bíblia refere-se ao grande nome de Deus, a palavra “nome” pode ser coletivo, incluindo tudo quanto éreveladonosváriosnomesdivinosregistrados na Bíblia. O que o Antigo Testamento revela acerca de Deus? E o que o Novo Testamento acrescenta a isso? 3. ComopodeserDeus, aomesmotempo, transcendental e imanente? 4- Como você pode relacionar os atributos divinos à sua experiência com Deus? 5. Quais são osdois mais importantes aspectos da santi­ dade de Deus, e como esses aspectos relacionam-se à santidade que Ele quer ver em nós? 6. Qual é a diferença entre a santidade e a retidão? 7. Por que é importante reconhecer Deus como uma trindade de Pessoas em um Ser, e não como três deuses separados? “BatizadoJesus, saiulogoda água, eeisque selhe abriramos céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba, vindo sobre ele. Eeis umavoz dos céus, que dizia: Este émeu Filho amado, em quem me comprazo” (Mt 3.16,17). Admitimos ser a Trindade um mistério; um mistério mui profundo: não pode ser compreendido pela mente humana. Mas o Espírito da Verdade ajuda-nos em nossa fraqueza e incapacidade (1 Co 2.13-16). Adoramos o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Reconhecemos-lhes suas respectivas personalidades por suas atuações descritas pela Bíblia. Por conseguinte, humilde­ mente reconhecemos serem Eles Um em comunhão, propó­ sito e substância.
  • 56. 58 Doutrinas Bíblicas CAPITULO 8. Quais são algumas das maneiras indicadas pela Bí- blia de que o Pai, o Filho e o Espírito Santo são 0 Deus Único e Pessoas distintas? Verdadeiro 9. Quais as maneiras indicadas pela Bíblia de que real- mente existe uma trindade (“triunidade”)?
  • 57. IBLICAS 3a Verdade Fundamental
  • 58. >o ADEIDADE DO SENHORJESUS CRISTO Senhor Jesus Cristo é o eterno Filho de Deus. Escrituras declaram: (a) Seu nascimento virginal (Mt 1.23; Lc 1.31,35). (b) Sua vida impecável (Hb 7.26; 1Pe 2.22). (c) Seus milagres (At 2.22; 10.38). (d) Sua obra vicária sobre a cruz (1 Co 15.2; 2 Co 5.21). (e) Sua ressurreição corporal dentre os mortos (Mt 28.6; Lc 24.39; 1Co 15.4). (f) Sua exaltação à mão direita de Deus (At 1.9,11; 2.33; Fp 2.941; Hb 1.3).
  • 59. 3 ADeidadedo SenhorJesus Cristo A PESSOA DE CRISTO Jesus é o eterno Filho de Deus. João 1.18 expressa a sua deidade de maneira explícita: “Deus nunca foi visto por alguém. O Filho Unigênito, que está no seio do Pai, este o fez conhecer”. O fato de Cristo ter estado “no seio do Pai” expressanão uma distinção quanto à essência ou no sentido de inferioridade, mas antes uma íntima relação com o Pai, poisJesus partilha de sua autoridade. O versículo de abertu- ra do primeiro capítulo do Evangelho de João identifica o Verbo como quem esteve no começo com o Pai, uma decla­ ração da coexistência do Filho com o Pai, desde a eternida­ de. O mesmo capítulo também declara: “E o Verbo era Deus”, ou seja, era deidade. Embora a palavra “Deus”, no grego, não tenha aqui o artigo, significa claramente que tem o “D” maiúsculo, tal como em João 1.18 e 3.21 e muitos outros lugares onde também não aparece o artigo. Note-se que Tomé chamou Jesus, literalmente, de “o Senhor meu e o Deus meu”- no grego, ho theos mou -, indicando, assim, “Deus”com “D”maiúsculo.
  • 60. 62 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 3 A Deidade do Senhor Jesus Cristo ‘ s O próprio Jesus reconheceu a sua deidade, pelo menos (por implicação, ao declarar: Quem me vê a mim, vê o Pai...” (Jo 14.9). Ele também recebeu adoração (ver Mt 2.2,11; 14-33; 28.9) e exerceu sua autoridade divina, ao perdoar pecados (ver Mc 2.142). Os discípulos reconhece- ram-no como o Filho de Deus (Mt 16.16). Mesmo oduvido­ so Tomé convenceu-se da deidade de Jesus Cristo no en­ contro dramático, no cenáculo (Jo20.28). E, até hoje, aque­ les que se encontram com o Cristo ressurreto prostram-se em adoração diante dEle, exclamando: “Meu Senhor e meu Deus”. A deidade de Cristo inclui sua coexistência no tempo e na eternidade, com o Pai e o Espírito Santo. Conforme indicaoprólogodeJoão, oVerbo éeternamente preexistente. O uso do termo “Verbo” (no grego, Logos) é significativo, visto que Jesus Cristo é a principal expressão da vontade divina. Ele não é somente o único Mediador entre Deus e a humanidade (1 Tm 2.5), mas foi também o Mediador na criação. Deus, falando, trouxe oUniverso àexistência, atra­ vés do Filho, a Palavra Viva. Porquanto, “sem ele nada do que foi feito [na criação] se fez” (Jo 1.3). Colossenses 1.15 diz que Cristo é “a imagem do Deus invisível”.E apassagem de Hebreus 1.1,2 também proclama a grande verdade: Cris­ to é amais completa e melhor revelação de Deus àhumani­ dade. Desde o começo, o Verbo foi a própria expressão de Deus, e continua ademonstrá-lo. Eentão, “vindo aplenitu­ de dos tempos” (G1 4-4), o “Verbo se fez carne e habitou entre nós...” (Jo 1.14). Antes de manifestar-se à humanidade dessa nova ma­ neira, o Verbo esteve eternamente em existência como aquEle que revela a Deus. E bem provável que as teofanias (aparições da deidade) do Antigo Testamento fossem, na realidade, “cristofanias”,vistoque, emseuestadopreexistente, os encontros com várias pessoas, para revelar a vontade de Deus, estaria de pleno acordo com seu ofício de Revelador. Considere o leitor, por exemplo, passagens como Gênesis
  • 61. A Deidade do Senhor Jesus Cristo 63 21.17-20; 48.16 e Êxodo 23.20. Nesses trechos bíblicos, “o anjo do Senhor” é claramente identificado como deidade, embora distinto de Deus Pai. Gênesis 48.16 refere-se ao mensageiro celestial especificamente como “redentor” ou “libertador”.Nas outras passagens, onde o anjo do Senhor é tanto identificado com Deus como dEle distinguido, ou onde recebe adoração (como em Jz 13.16-22), parece óbvio ser uma manifestação de Cristo. Alguns temem que identifi­ car o anjo do Senhor com Cristo diminuiria a natureza única da sua encarnação neotestamentária. Todavia, a encarnação envolve a plena identificação de Cristo com a humanidade através do nascimento, vida, ministério, morte e ressurreição. Nenhuma manifestação pré-encarnada tem­ porária a diminui. As manifestações veterotestamentárias da segunda Pes­ soa da Trindade apontavam para a encarnação, quando Cristo viria para habitar entre os homens. •* Jesus Cristo não somente era pleno Deus, como pleno ser humano. Ele não era em parte Deus e em parte homem. Antes, era cem por cento Deus, e, ao mesmo tempo, cem por cento homem. Em outras palavras, Ele exibia um con­ junto pleno tanto de qualidades divinas quanto de qualida­ des humanas, numa mesma Pessoa, de tal modo que essas qualidades não interferiam uma com a outra. Ele há de retornar como “esse mesmo Jesus” (At 1.11). Numerosas passagens ensinam claramente que Jesus de Nazaré tinha um corpo verdadeiramente humano e uma alma racional. Eram características de seres humanos não-caídos (isto é, Adão e Eva), que nEle podiam ser encontradas. Ele foi, verdadeiramente, o Segundo Adão (1 Co 15.45,47). As narrativas dos evangelhos aceitam automaticamente a hu­ manidade de Cristo. Ele é descrito como um bebê, na man­ jedoura, e sujeito às leis humanas do crescimento (ver Lc 2.40,52). Ele aprendeu, sentia fome, sentia sede e se cansa­ va (ver Mc 2.15; Jo 4-6). Ele também sofreu ansiedade e desapontamentos (Mc 9.19); sofreu dor física e mental, e CAPÍTULO 3 A Deidade do Senhor Jesus Cristo
  • 62. 64 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 3 A Deidade do Senhor Jesus Cristo sucumbiu diante da morte (Mc 14.33,37; 15.33-38). Na epístola aos Hebreus há grande cuidado em se mostrar sua plena identificação com ahumanidade (2.9,17; 4.15; 5.7,8 e 12.2). » A verdade, pois, é que na pessoa única do Senhor Jesus Cristo habitam uma natureza plenamente divina e outra plenamente humana, sem se confundirem. Ele é, verdadei­ ramente, pleno Deus e pleno ser humano, Céu e Terra juntos na mais admirável de todas as pessoas. Antes de deixarmos para trás essa breve discussão sobre apessoade Cristo, examinemos osignificado do título pleno que lhe é conferido pela Bíblia: “Senhor Jesus Cristo”. Este título o descreve e ajuda-nos a ver com mais clareza quem Ele realmente é. O termo “Senhor” representa o vocábulo grego kurios, bem como os vocábulos hebraicos Adonai (que significa “meu Senhor, meu Mestre, aquEle a quem pertenço”) e Yahweh (o nome pessoal de Deus). Para as culturas do Oriente Próximo e do Oriente Médio antigos, “Senhor” atribuíagrande reverência quando aplicado aos governantes. As nações ao redor de Israel usavam o termo para indicar seus reis e deuses, pois amaioria dos reis pagãos afirmavam- se deuses. Esse termo, pois, representava adoração e obedi­ ência. Kuriospodia ser usado no trato com pessoas comuns, como uma forma polida de tratamento. Entretanto, a Bíblia declara que o nome “Senhor” foi dado a Jesus pelo Pai, identificando-o, assim, como divino Senhor (Fp 2.9-11). Os crentes adotaram facilmente esse termo, reconhecendo em Jesus o Senhor divino. Por meio de seu uso, indicavam completa submissão ao Ser supremo. O título que Paulo preferia usar para referir-se a si mesmo era “servo” (no grego, doulos, “escravo”, ou seja, um escravo por amor) de Cristo Jesus (Rm 1.1; Fp 1.1). A rendição absoluta é apro­ priada a um Mestre absoluto. A significação prática desse termo éespantosa quanto às suas implicações na vida diária. A vida inteira deve estar sob a liderança de Cristo. Ele deve
  • 63. A Deidade do Senhor Jesus Cristo 65 ser o Mestre de cada momento da vida de todos quantos nasceram na família de Deus. Isso, contudo, não significa que Cristo seja um tirano, pois Ele mesmo declarou: “Os reis dos gentios dominam sobre eles, e os que têm autoridade sobre eles são chamados benfeitores. Mas não sereis vós assim; antes, o maior entre vós seja como o menor; e quem governa, como quem serve. Pois qual émaior: quem está àmesaou quem serve? Porven­ tura, não é quem está à mesa? Eu, porém, entre vós, sou como aquele que serve” (Lc22.25-27; ver também Mt 20.25- 28). Jesus viveu e ensinou a liderança de servos. O nome pessoal “Jesus” vem do hebraico Josué, que significa “oSenhor [Yahweh] ésalvação”.Éonome dado ao Filho de Deus antes de seu nascimento, por orientação divina (Mt 1.21; Lc 1.31), um lembrete do grande propósito de Deus na encarnação -salvar elivrar ohomem da escravi­ dão do pecado. É importante observar que a Bíblia mostra- se cuidadosa em designar uma pessoa particular, em um tempo particular na História, para incorporar a salvação de Deus. Não se trata de uma pessoa qualquer, mas daquEle a quem chamavam “Jesus deNazaré”,“o carpinteiro”e “filho de Maria”.Uma característica ímpar do Cristianismo é estar vinculado a uma personagem histórica, não relegada a siste­ mas filosóficos, que são apenas produtos do raciocínio e imaginação humanos. O Cristianismo, pois, está ancorado nos eventos históricos de uma pessoa histórica. Deve-se salientar, no entanto, que embora o nome “Je­ sus” retrate a sua humanidade, a Bíblia registra cuidadosa­ mente a maneira de seu nascimento, diferente da mera procriação natural. Ele nasceu de uma virgem. Sua concei­ ção foi miraculosa, obra criativa do Espírito Santo, median­ te o poder do Altíssimo que sombreou a virgem Maria (Lc 1.34,35). Este fato foi profetizado por Isaías mais de 700 anos antes de ocorrer (ver Is 7.14). Em Isaías 7.14, apalavra hebraica para “virgem”é ‘almah, uma palavra sempre usada para virgens em idade de casar; ver Gn 24-16, por exemplo. CAPÍTULO 3 A Deidade do Senhor Jesus Cristo
  • 64. 66 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 3 A Deidade do SeÉor Jesus Cristo A profecia cumpriu-se no devido tempo, de acordo com os registros dos evangelhos (Mt 1.18-25). Jesus difere de nós por esta característica única: duas naturezas numa só pes­ soa. Ele estava isento de pecado, protegido pelo Espírito Santo dos efeitos da queda de Adão. Não obstante, seria submetido aos mesmos testes que temos como seres huma­ nos, e nos representaria diante do tribunal celeste. Ele era vero homem, mas não era mero homem. Zacarias 9.9 apre­ senta-o literalmente como “justo e salvador”. “Cristo” (no grego, Xristos) é o apelativo que vincula Jesus de Nazaré às profecias do Antigo Testamento acerca de sua vinda. E tradução da palavra hebraica Mashiach, “Ungido”. O termo era usado para indicar os reis ungidos por Deus, mas veio a descrever especialmente o profetizado Filho de Davi, que viria (ver The New Testament Greek- English Dicüonary, Sigma-Omega, vol. 16, The Complete Biblical Library, Springfield, Mo.: The Complete Biblical Library, 1991, págs.524-529, quanto a uma excelente des­ crição sobre esse assunto). Jeremias 33 e Isaías 9 e 11 ante­ cipam a vinda do Ungido, que viria para trazer livramento e que reinará. OS OFÍCIOS DE CRISTO Os conceitos dos ofícios divinos de Cristo estão vincula­ dos ao que Ele é e veio fazer. Ele é “Profeta”, “Sacerdote”e “Rei” ungido por Deus. Cada um desses termos enfatiza a mediação de Cristo entre o Pai, no Céu, e as pessoas, na terra. O termo “profeta” deriva-se do termo grego prophetes, “alguém que anuncia”. O Antigo Testamento, mais freqüentemente traduz o termo hebraico navi’, que vem de uma antiga palavra que significa “aquele que fala”.Tornou- se um termo técnico que indica alguém que fala por Deus (ou por um deus ou deusa: o falso deus Baal tinha seus profetas, bem como sua consorte, Aserá, 1 Rs 18.19). En­
  • 65. A Deidade do Senhor Jesus Cristo 67 volve noções de proclamação, pregação e informação. O trecho de Isaías 42.1-7 fala de Cristo como o Servo ungido que iluminaria as nações, ao passo que Isaías 11.2 e 61.1 falam do Espírito do Senhor, que sobre Ele repousaria. O Novo Testamento retrataJesus como um “pregador”e “mes­ tre” (no grego, didaskalos, termo usualmente traduzido por “mestre”, no sentido de mestre-escola), bem como “aquEle que cura” (Mt 9.35). Ele anunciou asalvação aos pobres (Lc 4.18,19). Nos tempos bíblicos, o termo “profeta”não incluía necessariamente a capacidade de olhar para o futuro. Os profetas eram apenas aqueles que falavam por Deus, e se houvesse predição do futuro, seria Deus, e não o profeta, quem via o futuro e o revelava. O profeta era apenas a boca usada por Deus. Os profetas também eram chamados viden­ tes, porque Deus lhes permitia enxergar a mensagem, algu­ mas vezes em suas mentes, outras, em sonhos e visões. Jesus, entretanto, cumpriu o ministério de profeta no sentido mais elevado. Ele disse: “... a palavra que ouvistes não é minha, mas do Pai que me enviou” (Jo 14-24). Parti­ cularmente no ano do encerramento de seu ministério pú­ blico, Jesus muito ensinou a seus discípulos sobre os eventos que ainda aconteceriam. Capítulos inteiros de discurso nos evangelhos - Mateus 24, por exemplo -, são compostos por profecias futuristas. E claro que Jesus cumpriu o ofício de profeta. Nos primeiros dias de seu ministério, chegou pro­ clamando o que os profetas do Antigo Testamento haviam previsto que se cumpriria nEle (Lc 4.16-21). O Reino já estava próximo, na sua pessoa e ministério (Mt 4.17). Sua mensagem profética vinculava-se a uma chamada ao arre­ pendimento, e, tal como se dava no Antigo Testamento, essa convocação fluía de um coração repleto de amor pelas pessoas e desejo de ver as bênçãos celestiais sobre elas. Jesus Cristo também cumpriu o ofício de sacerdote. O sacerdote é um indivíduo especialmente consagrado que representa Deus diante do povo, e o povo diante de Deus. Os sacerdotes do Antigo Testamento ofereciam sacrifícios CAPÍTULO 3 A Deidade do SeÉor Jesus Cristo
  • 66. 68 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 3 A Deidade do Senhor Jesus Cristo por si mesmos e pelo povo, para garantir o perdão e o favor ,divinos, e para celebrar seus relacionamentos com o Senhor (Hb 8.3). Em Cristo, tal como belamente elabora o livro de Hebreus, achamos o Grande Sumo Sacerdote, um perfeito representante do povo. Ademais, Ele não precisava purifi- car-se, conforme os sumos sacerdotes comuns costumavam fazer, e nem precisou oferecer sacrifício por si mesmo. Ele mesmo tornou-se o sacrifício perfeito, puro e impecável. Ofereceu-se a simesmo a Deus Pai como expiação suficien­ te para cobrir, pagar e permitir o perdão dos pecados do mundo inteiro. O ofício de rei também é apropriado a Cristo. Ele é o nosso Sacerdote e anossa Expiação, nosso Senhor e Mestre. Mais do que isso, é aquEle que quebrou as forças da morte, do inferno e do sepulcro - é o Vitorioso. Ele reinará majestaticamente pelas eternidades imutáveis! As profecias do Antigo Testamento previam a vinda de alguém que uniria em simesmo as funções de profeta, sacerdote e rei. A Davi fora prometido um reino sem fim (2 Sm 7.16). Isaías olhou através das lentes da visão profética eviu alguémcom emblemas de autoridade sobre os ombros (Is 9.6), que faria eterno o trono de Davi (Is 9.7). O livro de Apocalipse pinta o Cordeiro de Deus no triunfo final, reinando como Rei dos reis (Ap 5.6-13; 11.15). Agora, Ele está sentado à mão direita do Pai, nas regiões celestes, onde reina como Cabeça da Igreja (Ef 1.22,23). A OBRA DE CRISTO a Jesus Cristo veio ao mundo a fim de viver uma vida impecável, para servir de exemplo de perfeita retidão e para ser um modelo pelo qual seus discípulos poderiam orientar a própria conduta. Não somente Ele nasceu sem pecado, mas também viveu sem pecar (ver Hb 4.15). Um importante termo nessa conexão é “kenosis”, o es­ vaziamento de Jesus. Durante sua jornada terrena, Jesus
  • 67. A Deidade do Senhor Jesus Cristo 69 “esvaziou-se” (no grego, ekenosen), ou despiu-se, da glória CAPITULO que desfrutava com o Pai, na eternidade passada (Fp 2.7). Embora sua glória tivesse rebrilhado em ocasiões fugidias, A Deidade comona espetacular transfiguração, emummontedaGaliléia doSenhor (Mt 17.1-13), grande parte de seu ministério terreno foi Jesus Cristo realizado em e pelo poder do Espírito Santo (At 10.38). Ele orou para que essa glória lhe fosse restaurada (Jo 17.5), e assim aconteceu, após sua ascensão (At 26.13). A grande doutrina da “kenosis” recebe sua mais ampla expressão em Filipenses 2.1-11. Embora Jesus tivesse vindo ao mundo por meio de um milagre e vivido uma vida miraculosa, a razão central da * encarnação era a sua morte. O trecho de 1Coríntios 15.3 o declara de modo sucinto: “Antes de tudo vos entreguei o que também recebi; que Cristo morreu pelos nossos peca­ dos, segundo as Escrituras”. Jesus veio ao mundo primaria­ mente a fim de morrer. A sombra da cruz estava sobre Ele desde o nascimento (ver a profecia de Simeão a Maria, Lc 2.34,35). A cruz é o evento central de toda a História. Ela distingue o Cristianismo dos demais sistemas religiosos. O Cristianismo recebe sua maior significação, não através da vida e ensinamentos de seu fundador, por importantes que sejam tais coisas, mas através de sua morte. Os quatro evangelhos não são biografias, no sentido ordinário do ter­ mo. Eles apressam-se através da vida eensinos deJesus afim de chegarem aos eventos que conduziram à sua morte. Por exemplo, João chegou à última semana, asemana da Paixão (o termo “paixão”vem do baixo latim, passio, que significa “sofrimento”. “Paixão de Cristo” é um termo que aponta para seus sofrimentos, entre a Ultima Ceia e a morte na cruz), no capítulo doze - ainda na metade do livro. Isso nos mostra a importância que o Espírito Santo, através dos escritores dos evangelhos, dá a esse espantoso espetáculo. As epístolas estão saturadas de referências à cruz e ao senti­ do da morte de Cristo. (Um capítulo subseqüente tratará mais especificamente sobre a doutrina da expiação.)
  • 68. 7 0 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 3 À Deidade do Senhor Jesus Cristo Quando Jesus disse: “Está consumado!”, e morreu, sua obra pela nossa redenção estava completa. Mas uma coisa ainda precisava fazer: ressuscitar, tendo em vista a nossa ressurreição (Rm 4.25). A ressurreição de Cristo é a ousada proclamação, ao Universo, de que a morte de Cristo foi eficaz; que as forças das trevas haviam sido conquistadas; e que, em triunfo, o vitorioso Cristo ressurgira do sepulcro, garantindo, assim, a nossa própria ressurreição. O grande capítulo da ressurreição - 1Coríntios 15 - encerra-se com o anúncio extático: “...Tragada foi a morte na vitória. Onde está, ó morte, o teu aguilhão? Onde está, ó inferno, a tua vitória? Ora, o aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei. Mas graças a Deus, que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo” (vv. 54-57). Importa-nos enfatizar que a ressurreição de Jesus foi corpórea e genuína, e o fez sair do estado de morte real. Èo milagre cardeal da Bíblia, sobre o qual repousam a fé e a salvação nossas. Aqueles que eliminam categoricamente a possibilidade de milagres no Universo tentam desesperada­ mente uma resposta à ressurreição de Jesus. Alguns negam que Ele tenha realmente morrido: afirmam que Ele simples­ mente desmaiou, recuperando-se na umidade do túmulo. Mas um Jesus meio-morto, a arrastar-se para fora do sepul­ cro, dificilmente teria inspirado os apóstolos a arriscarem suas vidas na proclamação do Evangelho. Outros asseveram que somente o seu espírito foi ressuscitado. Mas os discípu­ los puderam tocar nEle (Jo 20.27). Ele não era apenas um fantasma ou espírito (ver Lc 24.37-39). Ainda outros dizem que Pedro caiu no sono quando estava a bordo, sonhou que Jesus estava na praia, - ainda dormindo pulou para fora da embarcação e, em seu sono, caminhou até à praia. Ao despertar, viu as cinzas de um acampamento do dia anteri­ or, que alguém havia deixado, e tudo lhe pareceu tão real que começou a dizer que tinha visto a Jesus. Isso levou outras pessoas a terem alucinações e pensar que também tinham visto o Cristo ressuscitado. Mas aqueles que concor­
  • 69. A Deidade do Senhor Jesus Cristo 71 dam com essa idéia precisam de uma grande fépara crer que Pedro não acordou ao atirar-se à água, e que sua alucinação foi forte o suficiente para convencer a todos os discípulos e às outras pessoas de ter visto Jesus e as fazer vê-lo também. Ainda outros entendem que os discípulos, em seu entusias­ mo, mentiram sobre os fatos. Mas, novamente, dificilmente se disporiam eles amorrer pelo Evangelho se soubessem, em seus corações, que estavam mentindo. Vários pontos inequívocos que provam a ressurreição de Jesus precisam ser relembrados. Uma pedra foi rolada para a entrada do sepulcro, tapando-a. Mas quem a teria rolado para fora? Os judeus e os romanos haviam deixado ali uma guarda; e não foram essas sentinelas que rolaram a pedra para fora da boca do túmulo. Por certo os soldados estavam cientes de que seriam condenados à morte se o fizessem. Quanto aos discípulos, estavam com medo, escondidos. Eas mulheres que vieram ao sepulcro não tinham forças para removê-la. A resposta da Bíblia, que anjos foram responsá­ veis pela retirada da pedra, é a única explicação sensata (FrankMorrison, Who Moved the Stone?Londres, Faber & Faber, 1930 - o monógrafo inteiro é digno de ser lido). O testemunho de mais de 500 pessoas, cobrindo nada menos de dez aparições do Senhor, serve de poderosa con­ firmação à realidade do evento. Qualquer pessoa da época poderia facilmente rebater o testemunho deles, enquanto os evangelhos eram escritos (1 Co 15.6). No entanto, não há evidência de que alguém tenha podido contestar os discípu­ los. Ademais, àparte de uma genuína ressurreição, ninguém pôde explicar de modo adequado a mudança dramática ocorrida nos discípulos. Teria sido necessário muito mais que alucinações em massa para levá-los a obedecer ao Se­ nhor e permanecer em Jerusalém, a esperar pelo prometido Espírito Santo. Além disso, osjudeus não puderam apresen­ tar o corpo do Senhor - o argumento favorito era que os discípulos o haviam roubado, ànoite. Mas não é fácil livrar- se de um cadáver, e não há a mínima indicação de que os A Deidade do Senhor Jesus Cristo CAPÍTULO 3
  • 70. Doutrinas Bíblicas líderes judeus tenham comissionado quem quer que fosse para dar busca ao corpo de Jesus. Pelo contrário, deram dinheiro aos soldados, para que mentissem sobre o que haviam presenciado (ver Mt 28.1145). Examinando-se os fatos de modo objetivo, conclui-se que não existe explica­ ção adequada para a sobrevivência, o crescimento e o im­ pacto sobre a civilização mundial da minúscula igreja de Jerusalém à parte do túmulo vazio. O corpo ressurreto de Jesus trazia várias características notáveis. Os fatos ocorridos dentro do sepulcro permane­ cem envoltos em mistério. Não quis o Senhor desvendá-los neste lado da eternidade (ver 1 Co 15.35-44). Entretanto, certas coisas nos foram reveladas. Os evangelhos revelam que o corpo ressurreto de Jesus era real, o mesmo que fora sepultado. Ele continuava com a capacidade de ocupar-se em atividades físicas apropriadas ao corpo humano. Por exemplo, ele comeu (ver Lc 24.39-44). Entretanto, em adi­ ção às capacidades humanas, o corpo ressurreto de nosso Senhor fora transformado, e agora possuía algumas proprie­ dades incomuns. Algumas limitações naturais ao corpo hu­ mano haviam desaparecido. Pedro viu amortalha da cabeça enrolada como um turbante (apalavra grega entetuligmenon está no tempo perfeito, o que indica que preservava o mes­ mo formato de quando enrolada na cabeça de Jesus), e que os panos de linho que envolviam o corpo continuavam no túmulo, mas, evidentemente, não compreendeu tudo no começo. Em seguida, João também entrou no sepulcro, “e viu e creu” (Jo 20.8) - em outras palavras, reconheceu que Jesus saiu através dos panos enrolados, e, em conseqüência, acreditou (ver Jo 20.6-8). Jesus também atravessou portas trancadas para estar com os discípulos, e desvaneceu-se diante da vista de dois outros de seus seguidores, que havi­ am andado com Ele na estrada para Emaús. Talvez os rápi­ dos vislumbres do corpo ressurreto de Cristo indiquem o estado de nossos corpos glorificados, no tempo da ressurrei­
  • 71. A Deidade do Senhor Jesus Cristo 73 ção final dos crentes, quando todos formos transformados (1 Co 15.51). Quarenta dias de aparições aos discípulos, após aressur­ reição, terminaram com a ascensão de Jesus aos Céus. Ali, no monte das Oliveiras, diante da cidade de Jerusalém, Jesusfoitomado corporalmente, enquanto uma grande com­ panhia de discípulos contemplava atudo (At 1.9,11). Aquele momento dramático encerrou o período da encarnação, no qual o Deus-Homem, Cristo Jesus, viveu em presença física sobre a terra. Quando anuvem o ocultou dos discípulos, Ele entrou no Céu (Hb 4.14; 1 Pe 3.22), onde assumiu uma nova fase em seu ministério. A obra da redenção fora reali­ zada com sucesso, e Ele deixara aos discípulos cuidadosas instruções quanto ao programa que havia iniciado: a Igreja. Também osmandara esperar pela promessa do Pai, o Espíri­ to Santo, que continuaria a sua obra na terra, através deles. Agora, terminada a fase associada à humilhação e à morte, sua ascensão inaugura o começo de um reino de exaltação. Nós, como crentes, recebemos vários importantes bene­ fícios pela ascensão e exaltação de Cristo. O exaltado Se­ nhor é atualmente nosso amigo e advogado, à mão direita do Pai, engajado no ministério da intercessão em nosso favor (Rm 8.34; Hb 7.25 e 1Jo 2.1) - uma nova fase de seu ministério sacerdotal. Nosso Grande Sumo Sacerdote en­ contra-se agora assentado, oque evidencia otérmino de sua obra expiatória, e pleiteia por nós, no Céu. Temos a certeza de que “se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injusti­ ça” (1Jo 1.9). Acresça-se a esta promessa agarantia de que um lugar está sendo preparado ali para nós, e que Ele cuida­ rá para que haja mansões suficientes para todos os remidos (Jo 14.1-3). A palavra “mansões” vem do grego, monai, e deriva-se do verbo meno, que significa “permanecer”, “fi­ car”, “habitar”, “continuar”, “estar permanentemente”.Isto indica que,diferente de nossa permanência temporária na terra, estaremos com o Senhor para sempre (cf. 1Ts 4.17). A Deidade do Senhor Jesus Cristo CAPÍTULO 3
  • 72. 74 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 3 A Deidade do Senhor Jesus Cristo “Muitas” indica que Deus não estabeleceu um limite ao número de pessoas que irão habitar as mansões celestiais. E, finalmente, sua exaltação fez-se acompanhar pelo envio do Espírito Santo para ser “outro Consolador” ou Ajudador (no grego, parakletos, “ajudador”,“intercessor”; ver Jo 14.16-26). “Outro” significa “outro da mesma es­ pécie”. Alguém como o próprio Cristo. Ver Stanley M. Horton, “Paraclete”, Paraclete 1, inverno de 1967, págs. 5-8. Em conseqüência, atualmente, embora o Senhor esteja separado fisicamente de nós, podemos desfrutar de união genuína com Ele, por meio do ministério do seu Santo Espírito, o qual nos foi dado para que tomasse das realida­ des de Cristo e as aplicasse aos nossos corações. Jesus Cristo, pois, está à nossa disposição, hoje em dia, não mais limitado às restrições físicas, como em seu ministério terreno. Essas são, de fato, maravilhosas bênçãos disponíveis a nós, por causa da ascensão e exaltação de Cristo. PERGUNTAS PARA ESTUDO 1. Cite algumas das maneiras segundo as quais a Bíblia declara, reconhece ou revela a deidade de nosso Senhor Jesus Cristo. 2. Como a Bíblia nos demonstra que Jesus, durante sua vida e ministério na terra, era plenamente humano tanto quanto plenamente divino? 3. Como Jesus podia ser, ao mesmo tempo, Senhor e Servo? 4. Qual a importância do nascimento virginal? 5. Como Jesus cumpriu os ofícios de Profeta ungido, Sacerdote e Reidurante seu ministério? Como Ele os está cumprindo atualmente? E como os cumprirá, quando voltar ao mundo?
  • 73. A Deidade do Senhor Jesus Cristo 75 6. EmquesentidoJesus“esvaziou-seasimesmo”,quando veio à terra para assumir forma humana? 7. Quais as evidências da ressurreição corpórea de Je- sus? 8. Em vista de 1João 3.2, o que nos indica a ressurrei­ ção corpórea de Cristo, acerca da natureza de nossos futuros corpos ressuscitados? 9. Para nós, quais benefícios resultam da ascensão e exaltação de Jesus? A Deidade do Senhor Jesus Cristo CAPÍTULO 3
  • 74. UTRINAS IBLICAS^Lm ^mkdim ja Verdade Fundamental
  • 75. AQUEDADO HOMEM O homem foi criado como um ser bom e reto, pois Deus disse: “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança...” (Gn 1.26). Entretanto, por transgres­ são voluntária, o homem caiu, incorrendo não somente na morte física, mas também na morte espiritual, que é ficar separado de Deus (Gn 1.26,27; 2.17. 3.6; Rm 5.12-19).
  • 76. AQuedadoHomem A ORIGEM DA HUMANIDADE Que somos nós, seres humanos? Esta é a pergunta que vem sendo feita, através dos séculos, por pessoas capazes de pensar. Trata-se de uma importante pergunta, porque sem a resposta apropriada, o significado da vida permanece incer­ to. Um bom ponto de partida para nossa discussão seria o reflexo de duas passagens extraídas do livro de Salmos: “Que é o homem mortal para que te lembres dele? E o filho do homem, para que o visites? Contudo, pouco menor o fizeste do que os anjos e de glória e de honra o coroaste. Fazes com que ele tenha domínio sobre as obras das tuas mãos; tudo puseste debaixo de seus pés” (SI 8.4-6). Nesta passagem, a palavra “Deus” é tradução do termo hebraico ‘Elohim, traduzido geralmente por “Deus”, “deuses”ou “an­ jos”, dependendo do contexto. O autor da epístola aos Hebreus, sob a inspiração do Espírito, incorporou esse texto do Antigo Testamento à obra do Novo Testamento, apli­ cando os versículos do salmista a Jesus, como nosso repre­ sentante, e como aquEle através de quem podemos atingir o
  • 77. 80 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 4 A Queda do Homem destino que fora bloqueado pelo pecado. Ele traduziu o vocábulo hebraico ‘Elohim pelapalavra grega angelous, “an­ jos”, e, desta maneira, proveu um esclarecimento sobre o hebraico original. O ponto importante, entretanto, é que, segundo a perspectiva do salmista, os seres humanos são vindos do alto, em sua relação com o Céu. Uma aguda distinção entre os seres humanos e o resto da criação torna- se evidente aqui. Uma outra passagem de Salmos começa com estas pala­ vras: “Senhor, que é o homem, para que o conheças, e o filho do homem, para que o estimes? O homem é semelhan­ te à vaidade; os seus dias, são como a sombra que passa” (144.3,4). Esta perspectiva desvenda a condição dos seres humanos. Afinal, não passamos de frágeis criaturas. À parte de nosso Criador, corremos perigo. Entre esses dois impor­ tantes pontos de vista- um que nos vê como objeto especial do interesse criativo de Deus e outro que nos coloca como dependentes do poder sustentador de Deus - é projetada a narrativa bíblica realista da humanidade. Todos os pontos de vista não-bíblicos são ou altos demais ou baixos demais. Mas a Bíblia nos retrata como somos na realidade. Qual a origem dos seres humanos? A Bíblia não fornece nenhum quadro detalhado e preciso, como os cientistas modernos gostariam de produzir. A linguagem científica, conforme a conhecemos atualmente, só se desenvolveu nos tempos modernos. A Bíblia usa a linguagem diária, e, neste sentido, é pré-científica em suas classificações e linguagem; mas nem por isso é inverídica ou mitológica. Antes, a Bíblia nos fornece um relato prudente de fatos e eventos, em linguagem apropriada às pessoas do antigo mundo oriental. Etambém énotável que, adespeito da passagemdos milêni­ os e da nossa cultura sofisticada, orientada cientificamente, a linguagem do livro de Gênesis continua transmitindo as informações essenciais de que precisamos. Afinal de contas, a ciência é apenas um sistema de classificação de informa­ ções empíricas. E, embora os cientistas possam especular
  • 78. A Queda do Homem 81 sobre as origens, eles não têm maneira de comprová-las. Temos a certeza de nossa origem através dos fatos que nos foram transmitidas pela revelação da Palavra de Deus. A verdadeira ciência e aBíblia não estão em conflito uma com a outra. Muitosimples,masprofundamenteverdadeiraéaasserção de Gênesis 1.26-28, acerca da origem dos seres humanos: “Edisse Deus: Façamos ohomem ànossaimagem, conforme anossa semelhança; edomine sobre os peixes domar, esobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo réptil que se move sobre a terra. E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; macho e fêmea os criou. E Deus osabençoou eDeus lhes disse: Frutificai, emultiplicai-vos, eenchei aterra, esujeitai-a; edominai sobre ospeixes domar, e sobre as aves dos céus, e sobre todo o animal que se move sobre a terra”. Observe-se que esta passagem não implica na explora­ ção do mundo natural, mas em cuidá-lo e usá-lo de maneira apropriada. Subjugar a terra significa sujeitar seus recursos a controle e uso apropriados. Esse era o ponto de partida de uma ciência que ensinaria as pessoas a usarem a terra apro­ priadamente. Governar o mundo animal incluía o cuidado apropriado e respeito às criaturas. Esta passagem é o impul­ so inicial de uma ciência que ensinaria às pessoas sobre todos os organismos vivos e a maneira de tratá-los. Infeliz­ mente, conforme nos mostra o primeiro capítulo da Epístola aos Romanos, os homens destronaram a Deus, puseram o próprio “eu”no trono e caíram em toda forma de idolatria, pecado eperversão. E, enquanto creram em muitos deuses- nenhum dos quais exercia controle completo, e muitos até >ecombatiam - não puderam acreditar em qualquer consis- :ência na natureza ou nas leis naturais. Foi somente na parte final da Idade Média, quando os :eólogos cristãos anunciaram que Deus tinha um plano eera fiel e coerente, que as pessoas começaram a perceber certa A Queda do Homem CAPÍTULO 4
  • 79. 82 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 4 A Quedado Homem consistência na natureza. Com efeito, foram os teólogos cristãos que deram ímpeto àpesquisa científica, e somente a partir de então a ciência começou a progredir. Várias implicações cruciais e de longo alcance podem ser derivadas dos registros de Gênesis. Em primeiro lugar, Adão e Eva eram produtos da criação especial de Deus. A Bíblia requer explicitamente um ponto de vista criacionista, em forte distinção ao evolucionismo, que ensina um desen­ volvimento orgânico de animais inferiores para se chegar aos seres humanos. Embora o registro bíblico não especifi- que qual o tempo da criação, porquanto diz apenas “no princípio”, ela nos dá uma diferença clara entre a criação especial de Adão e Eva e a dos outros seres vivos. A Bíblia não nos dá o total de anos que se escoaram entre Adão e Abraão. Alguns estudiosos têm procurado somar as genealogias e têm obtido datas para a criação em qualquer ponto entre 3900 a. C. e 9000 a. C., dependendo de como foi feito o cálculo. Eusébio e Agostinho, antigos historiado' res eclesiásticos, aceitavam a data de 5202 a. C. Posterior­ mente, o arcebispo de Dublim propôs de 4004 a.C. Mas a verdade é que, ao examinarmos as genealogias da Bíblia, constatamos não haver intenção de mencionar a descen­ dência completa em nenhuma delas.Mateus 1.8, por exem­ plo, deixa de lado três pessoas que são mencionadas nos livros de 2 Reis e de 2Crônicas. Outras genealogias fazem a mesma coisa. Deus jamais tencionou que fizéssemos cálcu­ los pelas genealogias. As várias teorias de evolução biológica, que turvam a distinção entre seres humanos e animais, requerem das Escrituras uma visão diferente da dos apóstolos. Paulo cria num Adão literal, e estabeleceu um ponto teológico sobre o fato de ter sido Adão o primeiro homem (Rm 5.12-21). E, se houve um Adão literal, então a evolução vê-se pres­ sionada a explicar o modo como Adão poderia ter evoluí­ do em Eva. Usualmente, os evolucionistas propõem a fê­ mea como a primeira na linhagem humana.
  • 80. A Queda do Homem 83 Os pontos de vista evolutivos são de dois tipos funda- mentais: teísta eateísta. Podemos eliminaraevolução ateísta como obviamente fora de definição, embora a maioria dos evolucionistas atuais acreditem que a evolução teve lugar através dos mesmos processos naturais que vemos hoje em dia, e que, por isto, tais processos são explicação suficiente para ofenômeno. Por conseguinte, não têm qualquer neces­ sidade de intervenção divina. Contudo, alguns desses evolucionistas estão encontrando dificuldades para explicar aorigemde muitas das complexas estruturas danatureza. Um certo número de livros que abordam a questão têm sido publicados. Alguns estão expostos nas livrarias evangélicas. Numerosos crentes sinceros, entretanto, sentem neces­ sidade de acomodar o ensino bíblico às várias formas dos chamados fatos científicos, preferindo, assim, uma posição conhecida como “evolução teísta”.Embora os motivos para tal posição sejam elogiáveis, requerem um tipo de hermenêutica bíblica especial que mais levantam perguntas do que resolvem. Pois força uma interpretação mítica, ou pelo menos figurada, do livro de Gênesis. Nenhum desses pontos de vista, entretanto, corresponde ao pensamento do apóstolo Paulo. E também parece que a capitulação dos evolucionistas teístas diante das exigências de certas teorias científicas pode serprematura. A teoria da evolução, devido a recentes pesquisas científicas, está sob pressão muito mai­ orhoje em dia do que na geração passada. A Bíblia não nega uma certa mudança ou um desenvolvimento biológicos. Deus criou um homem e uma mulher, e hoje temos uma grande variedade de raças. Mesmo assim, somos todos, até hoje, seres humanos, muito mais parecidos entre nós do que diferentes. Na criação, pois, Deus deve ter feito provisão para que variedades adicionais se desenvolvessem. Mas es­ sas mudanças são observadas apenas dentro das “espécies” que Deus criou. Os registros fósseis também mostram que todos os grupos principais de animais retrocedem, em linha reta, aos mais antigos fósseis (encontrados no período CAPÍTULO 4 A Queda do Homem
  • 81. 84 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 4 A Queda do Homem cambriano). Para exemplificar, um equinoderma (família ,das estrelas do mar) do período cambriano, continua equinoderma hoje em dia. E um verme flecha do período cambriano continua a ser um verme flecha. A maioria das chamadas provas da evolução têm sido extraídas de mudan­ ças dentro das várias espécies. A palavra “espécie”, no pri­ meiro capítulo do Gênesis, que corresponde ao termo he­ braico min, é um vocábulo amplo, mais amplo do que na língua portuguesa. Ela é usada no capítulo 11 de Levítico para indicar até superfamílias de animais. Na realidade, a teoria da evolução tem-se tornado mais uma filosofia do que uma teoria científica. Os que crêem na Bíblia podem estar seguros de que os fatos realmente se ajustam exatamente às demandas legítimas das Escrituras. Quanto a outras pesquisas nessa área, ver Duane T. Gish, Evolution: The FossilsSay No!, 2aedição, San Diego: ICR Publishing Co., 1973; e Pattle T. T. Pun, Evolution, Nature and Scripture in Conflict?, Grand Rapids; Zondervan Publishing House, 1982. Deus fala através da natureza. Mas a Bíblia é a Palavra eterna de Deus. Tudo o que a ciência descobre é, com freqüência, interpretado de várias maneiras, mas existem milhares de pessoas hoje em dia que trabalham na área científica e acreditam não haver qualquer conflito real entre a ciência e a Bíblia. A pessoa que acredita na Bíblia não precisa temer a verdade. Existem várias organizaçães evan­ gélicas cujos membros recebem treinamento científico. Um exemplo desses é a American Scientific Affiliation, que conta com mais de 2.500 membros. A NATUREZA DA HUMANIDADE Várias importantes implicações acerca da natureza dos seres humanos flui da narrativa de Gênesis sobre a criação especial. Uma dessas implicações é que todas as pessoas têm dois ancestrais em comum: Adão e Eva. Isto testifica da unidade dessacriação. Basicamenteexiste sóumaraça, araça
  • 82. A Queda do Homem 85 humana. O ensino de Romanos 5.12-21, acerca da queda, tem bases firmes na solidariedade, sobre a unidade da raça humana. Por causa dessa unidade, a tendência para o pecado ocasionada pela queda de Adão atingiu araça humana intei­ ra. De modo semelhante, a redenção que é nossa por inter­ médio de Cristo, o segundo Adão, tem um potencial similar (Rm 5.18). Quando Deus criou Adão, primeiramente formou-lhe o corpo com a terra úmida. Ato contínuo, soprou em seunariz o sopro da vida. No hebraico, apalavra sopro, chayyim, está no plural. Alguns vêem aqui a indicação de que Deus colo­ cou em Adão, ao mesmo tempo, tanto a vida espiritual quanto a física. E foi assim que Adão se tornou “alma vivente”. O termo hebraico nephesh é traduzido aqui por “alma”, mas por “seres” em Gênesis 1.24. Ver também Nm 5.6; 31.19; 35.11,15,20; Pv 28.17, e muitas outras passa­ gens. Ver também “vida”,em Gn 9.4,5; 19.17,19; 32.30; Lv 17.14; Jó 2.4 e muitas outras passagens. A-ênfase, em Gn 2.7, é que Adão se tornou uma pessoa real, viva. Mais adiante, aBíblia fala sobre o corpo material, a alma imaterial e o espírito imaterial. Os que enfatizam essas três categorias são chamados tricotomistas. Há justificativa para essa tríplice distinção em passagens como 1Tessalonicenses 5.23: “... e todo o vosso espírito, e alma, e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo”. Outros aceitam as declarações de 2 Coríntios 4 e 5 como indicações de que existem duas categorias básicas: o corpo e a pessoa interior. Aqueles que enfatizam o aspecto duplo, o material e o imaterial, sem fazer distinção entre alma e espírito, são chamados dicotomistas. Alguns dicotomistas vêem a natureza interior como tendo dois aspectos: a alma, relacionada com o mun­ do ao redor, e o espírito, relacionado com Deus. Sem importar o grupo com que a pessoa se identifique, está claro que existem três funções na natureza humana, indicadas pelas três categorias. O corpo é o aspecto consci­ CAPÍTULO 4 A Queda do Homem
  • 83. 86 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 4 A Queda do Homem ente do mundo emnosso ser. O aparelho sensorial que Deus ,nos deu - visão, tato, audição, olfato e paladar - fornece- nos a consciência de nosso ambiente físico. Eprincipalmen­ te através dessa via que noscomunicamos com nosso meio ambiente. Nossos apetites corporais fazem parte de nossa formação fisiológica e psicológica. Em parte alguma da Bíblia os apetites corporais são considerados maus em si mesmos. Isto é importantíssimo. Os gregos, bem como outros pagãos dos primeiros séculos, ■consideravam o corpo uma prisão. Os escritores da Bíblia oferecem uma visão diferente. Deus criou o corpo humano bom, para que servisse de habitação ao Espírito Santo. Al­ gum dia, será ressuscitado. Precisaremos de um corpo para a plena expressão da nossa natureza, mesmo em estado de glorificação, porquanto sempre seremos finitos. Compreen­ der ocorpo humano eovalor que Deus lhe dá éda mais alta significação, para termos um comportamento ético apropri­ ado. Se o corpo fosse em si mesmo mau, então poderíamos argumentar que somos vítimas de circunstâncias contrárias, quando fôssemos guiados pelos nossos apetites ao pecado, e, emdesespero, nosentregássemosàindulgência. Comocrentes, não devemos permitir que os apetites corporais nos gover­ nem o comportamento; antes, mediante o exercício da dis­ ciplina, devemos tornar nossos corpos instrumentos úteis a Deus (Rm 6.13 e 1Co 9.27). As duas facetas de nossa natureza espiritual - alma e espírito - estão intimamente vinculadas e são virtualmente inseparáveis; não obstante, são usadas em caminhos sufici­ entemente distintos para notarmos a diferença. Pode-se di­ zer que o termo “alma” é usado teologicamente para deno­ tar o próprio “eu”,particularmente em relação à vida cons­ ciente, aqui e agora (Ap 6.9). A alma humana provê anossa autoconsciência. Éa alma que torna o indivíduo uma perso­ nalidade genuína, dotada de características ímpares. As fa­ culdades da alma, comumente consideradas, são: intelecto, emoções e vontade. Juntas, essas qualidades compõem a
  • 84. A Queda do Ho?nem 87 pessoa real. Elas dão uma consciência interior da própria pessoa, e ligam oespírito ao corpo. Issogoverna a personali­ dade total. Também temos um espírito. Em sua própria natureza, Deus é espírito (Jo4-24). Por outra parte, a Bíblia fala sobre o espírito do homem como estando “nele” (1 Co 2.11). Em outras palavras, o ser humano não é espírito, mas abriga um espírito. O espírito é o aspecto de nossa pessoa que se relaciona com o mundo espiritual, seja este mau ou bom. Paulo, em Efésios 2.1-10, descreveu o estado dos não-rege- nerados como estando mortos em “delitos e pecados”. Os não-regenerados têm corpo, tal qual os crentes. Também desfrutam da capacidade psicológica de raciocinar, demons­ trar vontade e ter sentimentos. No entanto, estão “mortos” no que concerne a Deus. Estão separados dEle e são espiri­ tualmente inertes. Quando o Espírito Santo revive os não- regenerados, produzindo neles uma vida nova, sua capaci­ dade de relacionar-se com Deus é restaurada. A IMAGEM DE DEUS O trecho de Gênesis 1.26,27 fala sobre o homem (inclu­ indo omacho eafêmea) como criado àimagem e semelhan­ ça de Deus. “Imagem” (no hebraico, tselem) épalavra usada para indicar estátuas e modelos de trabalho. No ser huma­ no, implica num reflexo de algo existente na natureza de Deus. “Semelhança” (no hebraico, demuth) épalavra usada para indicar padrões e formas, que se parecem um tanto com o que retratam. Indica que existe em nós algoparecido com Deus. Ambas as palavras hebraicas subentendem ser possível ao ser humano desenvolver-se. Em outras palavras, Adão e Eva não foram criados conforme poderiam ter-se tornado, embora criados perfeitos. Mas eram perfeitos como o botão, não como a flor ou o fruto. Não obstante, nunca seremos totalmente como Deus, porquanto seremos sempre finitos, dEle dependentes. Jesus declarou, em João 5.26: “Porque, como o Pai tem a vida em si mesmo, assim deu CAPÍTULO 4 A Queda do Homem
  • 85. 88 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 4 A Queda do Homem também ao Filho ter a vida em si mesmo”. Ou seja, por seu ,próprio direito e natureza, Deus nunca fezisso por qualquer criatura humana. Só teremos a vida eterna enquanto a vida de Cristo estiver em nós, através da união viva com Ele (Jo 15.1-6). A imagem de Deus em nós consiste em uma imagem tanto natural quanto moral- enão no sentido físico. Nossos corpos foram feitos de pó. Jesus não tinha a forma externa de um homem, antes da encarnação (Fp 2.5-7). Deus adver­ tiu o povo de Israel a não fabricar imagens, porquanto Ele, pornatureza, nãopossuiumaformaquenospermitavisualizar uma imagem (Dt 4.15-19). Em conseqüência, nenhuma imagem poderá ser como Deus, e adorar uma imagem é adorar algo diferente de Deus. O que Moisés e Israel viram foiaglória divina (Ex33.18,22). A imagem natural inclui os elementos da personalidade ou do próprio “eu” comuns a todas as pessoas, quer humanas quer divinas. Intelecto, sensibilidade, vontade - estas são as categorias que com­ põem a personalidade e formam uma clara linha de separa­ ção entre os seres humanos e os animais irracionais. A vasta capacidade humana, o potencial para o que chamamos de cultura e civilização, jaz nessas qualidades que temos em comum com o nosso Criador. A imagemmoralinclui avontade e aesfera daliberdade, onde podemos exercer nossos poderes de autodetermina­ ção. Ela torna possívelnossa comunhão e comunicação com Deus. Os animais agem principalmente pelo instinto; fazem tudo instintivamente. Por conseguinte, são amorais. Não são capazes de ter comunhão com as pessoas. Um cão pode mostrar-se leal para com seu dono, e até uivar diante do sepulcro de seu proprietário, mas não pode entrar nos so­ nhos, planos e aspirações de seu senhor. Nós, porém, pode­ mos compreender e entrar nos planos e propósitos de Deus, quando exercemos as qualidades de nossa imagem moral. Assim, podemos ter verdadeira comunhão com Ele.
  • 86. A Queda do Homem 89 Deus é amor (1Jo 4.8). Então, somos capazes de amar e responsáveis por esse exercício, primeiramente diante de Deus (Dt 6.5), correspondendo ao seu amor (1 Jo 4.19), e depois diante de nossos semelhantes, incluindo os estran- geiros (Lv 19.18,33,34; Dt 10.19; Mt 5.43,44 e Lc 10.27- 37). Nosso intelecto informa nossa vontade, epor ela somos responsáveis. A imagemmoral é também aqualidade que se relaciona ao que é certo ou errado no uso de nossos poderes. Isso nos empresta uma natureza moral, e fornece tremendo potencial para grandes males ou para a bondade, retidão e santidade verdadeiras. Adão e Eva foram criados com uma real santidade no coração, e não com mera inocência. Eles tinham uma inclinação genuína para Deus, e queriam andar e falar com Ele. Diante da queda, porém, foi arruinada essa inclinação, tornando-se,bempelocontrário, umfortedeclínio. Mas Deus, por intermédio de Cristo, proveu-nos um “novo homem, criado segundo Deus, em justiça e retidão proce­ dentes da verdade” (Ef4.24). Issomostra-nos que Deus está preocupado principalmente com a nossa imagem moral, e quer vê-la restaurada. Sua restauração é necessária se qui­ sermos ter comunhão com Ele. A ORIGEM DO PECADO Uma questão que os filósofos vivem tentando explicar é a entrada do mal neste mundo. Uma selvática variedade de idéias antibíblicas tem sido apresentada através dos séculos. Um desses pontos de vista é o chamado dualismo. Defendi­ do pelos antigos zoroastrianos, e mais tarde pelos gnósticos (que perturbaram a Igreja Primitiva) e heréticos chamados maniqueus, esse ponto de vista tem uma longa história. Os dualistas contendem quanto a um princípio eterno do mal e seu perpétuo conflito com um eterno princípio do bem. Usualmente, tal visão considera a matéria, ou Universo físico, como inerentemente mau. Por isso consideram o corpo mau por natureza, resultando ou na repressão de seus desejos ou na licença para fazer o que quiser, pela simples CAPÍTULO 4 A Queda do Homem
  • 87. 90 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 4 A Queda do Homem resignação. A conseqüência dessa posição para a teologia é também muito severa, porquanto concebe Deus menor do que absoluto e infinito, ou concebe dois deuses, um bom e outro mau. Para exemplificar, alguns dualistas acreditam que foi um deus mau que criou oUniverso, enquanto o deus bom não estava olhando. Alguns deles acreditam que so­ mente o espírito é bom, pelo que supõem que o corpo físico de Jesus era apenas uma ilusão. Outros afirmam que o espírito de Cristo estava muito abaixo de Deus, separado dEle o suficiente para não contaminá-lo, e que o espírito saiu de Jesus, ou por ocasião de seu nascimento, ou por ocasião de seubatismo. Outros ainda afirmam que oespírito de Cristo odeixou imediatamente antes da sua crucificação. Outro conceito acerca da origem do mal é que ele sim­ plesmente faz parte da finitude humana. O pecado seria apenasuma“negaçãodoser”.Essacrençatende aopanteísmo, visto que ser e moralidade são confundidos. Se o fato de alguém ser criatura traz consigo, automaticamente, o con­ ceito de pecar, então os seres humanos não têm qualquer responsabilidade moral. O pecado seria puramente o resul­ tado da ignorância e da fraqueza, e o meio ambiente, o culpado pelos erros do indivíduo. As pessoas, porém, desde a queda vêm tentando mudar a culpa do seu pecado (Gn 3.12,13). Uma variação do ponto de vista acima é que o pecado é, principalmente, senãointeiramente, omaldo corpo. Reinold Niebuhrescreveuumlivrochamado MoralMan andImmoral Society (Reinhold Niebuhr, Nova Iorque: Charles Scribners Sons, 1932), onde tenta mostrar que o mal que um homem não faria, encorajar-se-ia a fazê-lo mediante a participação em um grupo, como uma turba ou uma corporação, onde sua individualidade misturar-se-ia à de outros, que assim compartilhariam corporalmente da responsabilidade. Em­ bora Niebuhr reconhecesse o pecado pessoal, outros têm ido além da posição assumida por ele, porquanto enfatizam o aspecto social do pecado, com total negligência à respon­
  • 88. A Queda do Homem 91 sabilidade pessoal. Por exemplo, em uma geração anterior à deNiebuhr, KarlMarx ensinava que opecadonão émais do que a injustiça social. Um erro comum éconsiderar opecado como substância. Mas se o pecado fosse uma substância ou coisa, então, sem dúvida, teria sido criado por Deus, e, assim sendo, seria essencialmente bom. Mestres cristãos, através dos séculos, em vista do ódio de Deus contra o pecado na Bíblia como um todo, têm rejeitado a idéia de que o pecado tenha sua origem emDeus. Embora opecado não sejauma substância, não significa que seja destituído de realidade. As trevas são a ausência da luz. Embora o pecado e o mal sejam, algumas vezes, comparados com as trevas, eles são mais que a mera ausência do bem. O pecado também é mais que um defeito. E uma força ativa, perniciosa e destruidora. O que ensina a Bíblia sobre esse importante assunto? O ponto de vista bíblico é que o pecado originou-se no abuso da liberdade concedida aos seres criados, os que foram equi­ pados com o uso da vontade. Não foiDeus ocriador do mal. O mal éuma questão de relacionamento, enão algoprovido de substância. Basicamente, desconsidera a glória, a vonta­ de e a Palavra de Deus. Rompe com a relação de obediência para com a fé em Deus, e toma a decisão de falhar diante dEle. Entretanto, por razões que são melhores conhecidas por Ele mesmo, Deus permitiu a possibilidade da falha mo­ ral. Existem certas coisas que Deus não nos revelou. A teologia especulativa procura investigá-las mediante arazão humana. Um exemplo disso é o escolasticismo, que domi­ nou o pensamento da Europa Ocidental entre os séculos IX e XVII. Combinava ensinos religiosos com filosofias huma­ nas, principalmente as idéias de Agostinho e Aristóteles, e rentava dizer mais do que Deus tencionou revelar. A vontade é um importante corolário da personalidade racional. A ação moral é aquilo que determina o caráter. E :sso envolve um tremendo risco, o de fracassar. Deus, ao rrover espaço para a tomada de decisões livres e morais aos anjos e seres humanos que criou, teve de permitir a possibi- CAPÍTULO 4 A Queda do Homem
  • 89. 92 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 4 ^ A Queda do Homem lidade do fracasso em algumas de suas criaturas. Sem essa possibilidade, não haveria liberdade genuína nem verdadei­ ra personalidade. (Ver Clark H. Pinnok, The Grace ofGod and the Will ofMan, Grand Rapids: Zondervan Publishing House, 1989, quanto auma boa discussão do ponto de vista arminiano sobre o pecado e a soberania de Deus). O mais admirável em tudo isso éque Deus, ao mesmo tempo, tenha provido um remédio para os que caíram. O pecado, portanto, originou-se na livre escolha das criaturas de Deus. Quando a serpente (Ap 12.9fala sobre “a antiga serpente, que se chama diabo e Satanás”)tentou a Eva, ela começou com uma pergunta (conforme Satanás de vez em quando faz): “E assim que Deus disse: Não comereis de toda árvore do jardim?” Foi como se tivesse indagado: “Será que um Deus bom impediria alguma coisa que vocês quisessem?” Em seguida, introduziu uma negação: “E certo que não morrereis... Deus sabe que no dia em que dele comerdes se vos abrirão os olhos, e, como Deus, sereis conhecedores do bem e do mal”.Satanás estava insinuando que Deus criara Adão eEva àimagemdEle, epor issoqueria que se tornassem como Ele; no entanto, proibira aos dois aquilo que os faria ser como Ele. Então, Eva, deixando que a atenção caísse sobre a coisa proibida, começou a raciocinar que o fruto poderia ser realmente bom para ela. Satanás, pois, não teve de apanhar o fruto, nem de forçar Eva a fazê- lo. Ela mesma continuou a olhar para o fruto - e fez a escolha. Ela apanhou o fruto, comeu e deu parte dele a seu marido, talvez conduzindo-o pela mesma linha de raciocínio que a levou ao pecado. O pecado de nossos primeiros pais teve diversas conseqüências. Eles entraram em estado de culpa. E não somente se tornaram cônscios de seu ato e da separação de Deus na qual haviam incorrido, mas sabiam que estavam sujeitos à penalidade atrelada ao mandamento de Deus, em caso de desobediência. Alguns, atualmente, confundem sentimento de culpa com a própria culpa. São crentes que aceitaram o perdão outorgado por Cristo, mas
  • 90. A Queda do Homem 93 ainda conservam restos de sentimento de culpa. O senti­ mento de culpa resulta de uma consciência maculada. A própria culpa é a responsabilidade legal pelo erro praticado aos olhos de Deus, o que incorre em penalidade. Deus não poderia ser santo se tolerasse orompimento da lei divina. Por essa razão, olha para o pecado com ira e julgamento (Rm 1.18; Hb 10.31; 12.29; 2 Pe 2.9; 3.7). Adão e Eva, pois, trouxeram contra simesmos as conse­ qüências pessoais do pecado (Gn 3.16-19). O gênero huma­ no inteiro foi infectado pelo pecado. As crianças que nas­ cessem seriamnaturalmente contaminadas. Por causa dessa enfermidade da natureza humana, o indivíduo, ao atingir a idade da responsabilidade moral (a Bíblia não fala numa idade específica de responsabilidade; algumas crianças che­ gam a ter esse entendimento mais cedo na vida do que outras), coloca-se debaixo da ira de Deus. O efeito do pecado de Adão sobre a raça humana é, com freqüência, chamado de “pecado”original. O pecado original, enquanto não é por simesmo a causa de serem os pecadores condena­ dos por Deus, leva-os a pecado pessoal aberto, razão pela qual o apóstolo Paulo pôde dizer com tristeza: “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Rm 3.23). Por causa do pecado de Adão, pois, a inocência se perdeu, a imagem divina na humanidade foi distorcida e debilitada, as pessoas tornaram-se escravas do pecado (Rm 6), e a discórdia e a morte entraram no mundo. Uma conseqüência óbvia do pecado^foi a ruptura das relações que prevaleciam no jardim do Éden. Em primeiro lugar, Adão eEvaforamseparados de Deus. Suas consciênci­ as, em lugar de ajudá-los, levaram-nos a se esconder de Deus entre as árvores do jardim, e tiveram de preparar uma cober­ tura para si mesmos com folhas de figueira. Então, quando Deus os fez enfrentar o pecado que haviam praticado, eles tentaram transferir a culpa (algo que as pessoas vêm fazendo desdeentão).MasDeusnão aceitou. Epôsaresponsabilidade de volta sobre eles. CAPÍTULO 4 A Queda do Homem
  • 91. 94 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 4 A Queda do Homem O pecado, por conseguinte, originou-se da livre escolha das criaturas de Deus. Em lugar de crer e confiar em Deus, e corresponder a seu admirável amor e à sua provisão, destro- naram-no, e entronizaram o próprio “eu”.A incredulidade e o desejo de exaltar o próprio “eu” foram os elementos- chaves do primeiro pecado. Isaías 14 mostra-nos a que ex­ tremos esses elementos podem levar. Na profecia contra Tiglate-Pileser, qué assumira o título de “rei da Babilônia” (ver Jack Finegan, Light from the Ancient Past, 2aedição, Princeton, N. J.: Princeton University Press, 1959, pág. 206), estão registradas as reivindicações extravagantes que ele fez em favor próprio. A semelhança da maioria dos reis antigos, ele procurou exaltar-se acima dos deuses e do ver­ dadeiro Deus. Dois anos mais tarde, aprofecia de Isaías teve cumprimento, e as pessoas que viam o cadáver do rei dizi­ am: “E este o homem que fazia estremecer a terra?” (Is 14.16-20). Aqui, “homem” é o hebraico ha’ish, que indica um homem comum, o ser humano do sexo masculino. Al­ guns estudiosos vêem um paralelo entre a auto-exaltação de Tiglate-Pileser, também conhecido pelo nome de Pul, e ade Satanás, que terminou com a sua queda. Sem dúvida, Sata­ nás esteve por detrás dele, tendo-o encorajado em seu orgu­ lho, como a Senaqueribe, posteriormente (Is 36.18-20; 37.12,13,23,24). A essência do pecado, portanto, é optar pela satisfação do próprio “eu”em lugar do original e mais elevado objetivo na vida - buscar a Deus e à sua justiça. O resultado é todos os tipos de pecados, corrupção eperversão (ver Rm 1.18-32, onde aBíblia mostra quanto sofrimento há neste mundo por causa do pecado, e o quanto, por conseguinte, o mundo precisa do Evangelho). O pecado pode ser descrito como uma transgressão às leis de Deus (1 Jo 3.4). Há uma variedade de termos, tanto no Antigo quanto noNovo Testamento, cada qual suprindo sombras de significado, que têm por centro o conceito de pecado como a exaltação do próprio “eu”e a transgressão às
  • 92. A Quecki do Homem 95 leis divinas. A palavra hebraica mais comum para pecado é chatta’th, que significa basicamente “errar o alvo” - ou por ficar, voluntariamente, aquém da marca, ou por desviar-se para um lado ou para outro (Is 53.6; Rm 3.9-12,23).A mesma palavra é usada em Jz 20.16, para indicar soldados canhotos que podiam atirar uma pedra contra um fio de cabelo, sem “errar”. Uma outra palavra hebraica, resha’, é usada para a ira que se levanta contra Deus (Ez 21.24). Pesha’ é a rebelião deliberada epremeditada contra Deus (Jr5.6). Outras pala­ vras hebraicas falam de um comportamento distorcido e desviado, que é contrário à intenção de Deus para conosco. Mas tudo retrocede basicamente à incredulidade que deixa de confiar e de obedecer a Deus (Hb 3.9 e 4.1). A animosidade que irrompeu entre Caim e Abel é o primeiro exemplo registrado das relações tensas que têm maculado a sociedade desde a queda. Guerras e lutas têm causado indizíveis dores através da longa história de nossa raça decaída - algo que continuará até que Jesus, nosso Príncipe da Paz, volte a este mundo para estabelecer o seu Reino (Mt 24-6-8). Outrossim, todo pecador vive espu­ mando, dentro de si, adiscórdia (Rm 7). O conflito mental que despedaça o homem é conseqüência direta do pecado. “Miserável homem que eu sou! Quem me livrará do corpo desta morte?” clama a pessoa rasgada pela desarmonia interior (Rm 7.24). A própria natureza sofreu devido à queda. Até o solo foi amaldiçoado (Gn 3.14-24). Não somente o mal xnoral se transformou em uma nuvem escura sobre o mundo. A que­ da ocasionou também o mal natural, pelo mesmo caminho. As pestilências, doenças e secas que têm amaldiçoado a humanidade - fazendo com que sualabuta seja, realmente o comer pelo “suor de seu rosto”- resultam da rebeldia inicial do homem contra Deus, no jardim do Éden. Em seguida, o pecado produziu a morte. Deus advertira de que a ingestão do fruto proibido resultaria em morte CAPÍTULO 4 A Queda do Homem
  • 93. 96 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 4 A Queda do Homem certa (Gn 2.17). Na Bíblia, “morte”comfreqüência significa “separação”.Portanto, o primeiro efeito foi amorte espiritu- al; o pecado separou Adão e Eva de Deus. A rebeldia deles produziu amorte físicano mundo. Como resultado, ahuma- nidade está destinada a morrer “uma vez, vindo, depois disso, ojuízo” (Hb 9.27). Mais que isso, porém, ospecadores que não se arrependerem estão sujeitos à segunda morte (Ap 2.11; 20.15), que é a eterna separação entre o indiví­ duo e aquEle que é a fonte da vida, o próprio Deus. O fato de que o salário do pecado é a morte (Rm 6.23) chama a nossa atenção para a grave natureza do pecado. Paulo salientou que o pecado poderia usar até uma coisa boa, como a Lei, para seus maus propósitos. Deus o permite para que o pecado se torne “excessivamente maligno” (Rm 7.13). Não há como minimizarmos o mais leve pecado. Nenhum pecado é pequeno demais para ser negligenciado ou para dispensar o perdão. Tiago também nos lembra que Deus “não pode ser tentado pelo mal e a ninguém tenta. Mas cada um é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência. Depois, havendo a concupis- cência concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, sendo consumado, gera a morte” (Tg 1.13-15). Em outras pala­ vras, se permitirmos que nossa mente se demore sobre algu­ ma tentação ou desejo errado, acabamos praticando um ato pecaminoso, e tornaremos o pecado em um hábito de vida, o que resultará na morte espiritual e eterna, ou seja, sere­ mos eternamente separados de Deus. Não admira, pois, que a Bíblia recomende: “Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que éjusto, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai” (Fp 4-8). Não podemos demorar-nos em maus pensamen­ tos, ou aceitá-los. Em simesmos, os maus pensamentos não sãopecado. Por exemplo, ohomicídio pode serinsuflado em nossa mente pelo ambiente em que vivemos. Mas podemos rejeitar esses pensamentos. Somente quando nos demora­ mos neles e permitimos que incubem é que nos levam ao
  • 94. A Queda do Homem 97 pecado. Por exemplo, quando Jesus disse: “Eu porém, vos digo que qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar já em seu coração cometeu adultério com ela” (Mt 5.28), vemos que a palavra grega para “olhar”é um particípio que significa “continuarolhando”.O pensamento passageironão torna o indivíduo culpado nem o obriga a cometer pecado. Mediante a ajuda do Espírito Santo, esse pecado pode ser rejeitado, e uma vitória ganha para a glória de Deus. Com base em tudo isso, pode parecer que não há peca­ do de gravidade secundária. Entretanto, a Bíblia estabelece distinções ao julgar os pecados; mas a base é diferente - não, por exemplo se o homicídio é pior do que o furto. No Antigo Testamento, a distinção dá-se entre pecados não- intencionais, pelos quais podia-se oferecer uma oferenda (Lv 4.1 a 5.13), e os pecados deliberados, para os quais o castigo prescrito era a pena de morte (Nm 15.30,31). E o Novo Testamento acrescenta: “Porque, se pecarmos volun­ tariamente, depois de termos recebido o conhecimento da verdade, já não resta mais sacrifício pelos pecados, mas uma certa expectação horrível dejuízo e ardor de fogo, que há de devorarosadversários. Quebrantando alguémaleideMoisés, morre sem misericórdia, só pela palavra de duas ou três testemunhas. De quanto maior castigo cuidais vós será jul­ gado merecedor aquele que pisar o Filho de Deus, e tiver por profano o sangue do testamento, com que foi santifica­ do, e fizer agravo ao Espírito da graça?” (Hb 10.26-29). Assim, a Bíblia adverte-nos a nunca tomarmos uma atitude leviana ou descuidada em relação ao pecado. Verdadeira­ mente, o mundo precisa do Evangelho. Todos precisam da salvação provida por Deus. Graças a Deus que podemos andar na luz, comungar com Deus e ter o sangue de Jesus, seu Filho, para purificar-nos de todo pecado (ljo 1.7). PERGUNTAS PARA ESTUDO 1. O primeiro capítulo do Gênesis narra, passo a passo, a criação, com ênfase sobre o Criador. O segundo CAPÍTULO 4 A Queda do Homem
  • 95. 98 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 4 A Queda do Homem capítulo divide o sexto dia e dá detalhes tópicos, em relação à criação da humanidade. Reunindo esses dois capítulos, o que pode ser dito sobre a natureza do homem e da mulher que Deus criou? 2. Tomando à parte apenas os dois primeiros capítulos de Gênesis, o que você pode aprender sobre o Cria­ dor? 3. Como podem ser melhor definidos os termos “cor­ po”, “alma”e “espírito”? 4. O que está incluído da “imagem de Deus”nos seres humanos? 5. O que há de errado com o dualismo e o panteísmo? 6. O que a Bíblia ensina sobre a natureza do pecado e do mal? 7. Quais foram os passos na tentação de Eva? Tem Satanás mudado suas táticas atualmente? Nessecaso, de quais maneiras? Se não, por que não? 8. O que sucedeu a Adão e Eva como resultado do pecado? 9. Quais os efeitos do pecado de Adão e Eva sobre a raça humana? 10. O que se deve entender por morte espiritual?
  • 96. IBLICAS 5a Verdade Fundamental
  • 97. ASALVAÇÃODO HOMEM A única esperança de redenção da humanidade encontra-se no sangue de Jesus Cristo, o Filho de Deus, derramado no Calvário. (a) Condições da Salvação A salvação é recebida através do arrependimento dos pecados, diante de Deus, e da fé emJesus Cristo. Pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo, o homem é justificado pela graça, mediante a fé, tornando-se herdeiro de Deus, de conformidade com a esperança da vida eterna (Lc 24-47; Jo 3.3; Rm 10.13-15; Ef 2.8; Tt 2.11; 3.5-7). (b) Evidências da Salvação A evidência interior da salvação é o testemunho direto do Espírito (Rm 8.16). A evidência externa, a todos os homens, é uma vida de retidão e de verda­ deira santidade (Ef 4.24; Tt 2.12).
  • 98. ASalvação do Homem Como parte do programa de Deus, havia, mesmo antes da criação, um arranjo para a redenção da humanidade caída. Noutras palavras: a morte de Cristo, para resgatar- nos de nossos pecados, não era um plano alternativo nem umremendo, mas uma solução definitiva. Jesus éo “Cordei­ ro que foimorto, desde afundação do mundo” (Ap 13.8). A provisão fora decretada pela presciência de Deus, antes mesmo da queda do homem no Éden (Ef 1.4). O Cristianis­ mo não é uma mera religião; foi instituído na mente de Deus antes do alvorecer dos tempos. O CONCEITO DE SACRIFÍCIO Essencial para se compreender a conexão entre a morte de Cristo, na cruz do Calvário, e a nossa salvação, acha-se o conceito de sacrifício. Esta instituição, que apontava sem­ pre para um melhor sacrifício (Hb 10.1-14), foi ordenada por Deus a fim de nos servir de perpétua lição a respeito do pecado, da santidade, da culpa e da pena pela transgressão. O sacrifício é uma prática universal; acha-se presente em quase todas as culturas (John Rogerson e Philip Davies, The
  • 99. Doutrinas Bíblicas Old Testament World, Englewood Cliffs, N. J.: Prentice- Hall, 1989, pág. 255). Até mesmo na sociedade moderna, sente-se anecessida­ de de se fazer expiação pelos pecados. Desde Gênesis 3.21, a prática do sacrifício jamais deixou de estar presente na história humana. Sob a lei de Moisés, Deus providenciou uma maneira de os israelitas obterem o perdão de seus pecados: os sacrifícios cruentos. O sacerdócio levítico é rico em tipos e símbolos que apontam para Cristo. Ao mesmo tempo, proveu uma maneira de se lidar com o pecado e a culpa. Pela fé, Abraão, Moisés e seus descendentes espirituais, aceitaram o que Deus havia provido através de sua graça. Eles ofereceram sacrifícios a Deus, e foram plenamente perdoados (Rm 4). O derramamento de sangue era a parte essencial dos sacrifícios do Antigo Testamento, pois “o salário do pecado é a morte” (Rm 6.23). Além do mais, o sangue representa a vida derramada na morte (Lv 17.11). Por conseguinte, a Lei de Moisés deixava bem claro que “quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e sem derramamen­ to de sangue não há remissão” (Hb 9.22). O grego deste versículo não é tão absoluto quanto a versão portuguesa. Não rejeita a oferta de farinha como oferta pelo pecado apresentada pelos mais pobres, ver Levítico 5.11-13. Pois a graça de Deus não depende de quanto as pessoas possam dar. O sacrifício de touros e bodes, embora fosse uma boa instituição, era temporário; faltava-lhe a perfeição de um sacrifício único e definitivo (Hb 10.11). Pois o sangue dos animais sacrificados jamais poderia tirar-nos ospecados (Hb 10.4). Deus, porém, o aceitava por tipificar o sangue de Cristo que nos purifica de todo o pecado. Mas, vindo a plenitude dos tempos, Jesus ofereceu-se como o sacrifício único, perfeito e insubstituível (Hb 9.11-14).
  • 100. A Salvação do Homem 103 A EXPIAÇÃO CAPm JLO O conceito de sacrifício acha-se alicerçado sobre a ne- cessidade da expiação. “Expiação” é a tradução da palavra ^ Salvação do hebraica kippur, uma forma intensiva que significa “cobrir Homem com um preço”. O pecado aliena o homem do Deus santo; Ele não pode tolerar o pecado. A expiação é o ato divino mediante o qual o pecado é coberto pelo preço do sangue derramado, mostrando que o salário da transgressão já está pago. E, assim, Deus pode olhar-nos, mais uma vez, com favor. No Dia da Expiação, a Lei exigia que dois bodes fossem oferecidos como oferta pelo pecado. O sangue do primeiro era aspergido sobre o Propiciatório - a tampa de ouro batido da arca da aliança. Sob o Propiciatório achavam-se os Dez Mandamentos, escritos nas tábuas de pedra. A Lei, que havia sido quebrada, reivindicavaojulgamento e amorte do transgressor. Todavia, aspergido o sangue, Deus não mais olhava à Lei quebrantada, mas à morte do animal impoluto que o sangue representava. Agora, pois, já havia base para a misericórdia, a graça e o perdão. O segundo bode, o expiatório, que literalmente significa “um bode para remoção”, era enviado para o deserto, indi­ cando que os pecados não somente haviam sido perdoados, mas igualmente desaparecido. Todo esse ritual apontava à morte de Cristo, através de quem recebemos o completo perdão de nossos pecados. Como ocorreu a expiação? Deus não é somente santo; Ele também é amor. Em seu infinito amor, dispôs-se asofrer apena pelos nossos pecados. È por isto que a santidade e o amor de Deus convergem sobre a cruz de Cristo. Aí, a santidade divina é plenamente satisfeita; e o seu amor, exibido aos olhos do Universo. Deus-Filho, o sacrifício perfeito, suportou, em sua própria pessoa, a ira de um Deus ofendido, para que os transgresso­ res não sofressem a punição eterna - o lago de fogo.
  • 101. Doutrinas Bíblicas Na expiação, há diversos termos que precisam ser explo­ rados. Temos, em primeiro lugar, o termo vicário. Este vocábulo significa “no lugar de outrem”.Jesus não morreu pelos próprios pecados, pois era eéo imaculado Cordeiro de Deus (Jo 8.46; 1Pe 2.22). Conforme Isaías já havia profeti­ zado, “...ele foi ferido pelas nossastransgressões...” (Is 53.5). Por isso destacou Paulo: “...Cristo morreu por nossos peca­ dos, segundo asEscrituras” (1 Co 15.3). Êpor essarazão que os evangélicos professamos a morte vicária de Cristo. Ele morreu em nosso lugar, substituindo-nos cabalmente. “Nin­ guém tem maior amor do que este: de dar alguém a sua vida pelos seus amigos” (Jo 15.13). “Mas Deus prova o seu amor para conosco em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores” (Rm 5.8). ,«• A expiação de Cristo sobre a cruz importou em satisfa­ ção, pois atendeu as reivindicações da Lei e da justiça de Deus. Ela proveu-nos um ponto de apoio para que Deus nos olhasse como se fôramos justos, e de fato agora o somos: “A justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos e sobre todos os que crêem; porque não há diferença. Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus, sendo justifi­ cados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus, ao qual Deus propôs para propiciação pela féno seu sangue, [aseu Filho como um sacrifício expiatório. No grego, hilasteríon, “expiatório”, significa “cobriam o propiciatório”, Hb 9.5. Deus o fez] para demonstrar a sua justiça, pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus” (Rm 3.22-25). Ele não leva em conta o tempo da ignorância. Torna-se Ele, assim, justificador da­ queles que têm fé em Jesus. Noutras palavras: os sacrifícios do Antigo Testamento demonstravam aprofunda paciência de Deus, mas não lhe satisfaziam plenamente ajustiça, pois amorte de um animal não pode substituir adequadamente o ser humano. Foi mister o sangue de Jesus para que fosse provido um sacrifício suficiente tanto para os santos do Antigo Testamento quanto para os que, agora, confiam em Jesus, mostrando que Deus é verdadeiramente justo.
  • 102. A Salvação do Homem Noutros termos, o sacrifício de Cristo mostrou-se eficaz para os crentes do Antigo Testamento, por terem eles con­ fiado em Deus. E, quanto a nós, por havermos depositado toda aconfiança emJesus, fica implícito que, tendo a sua ira aplicada, Deus volve a sua face, de maneira mais que favo­ rável, aos que foram perdoados e tiveram os pecados cober­ tos pelo sangue de Cristo. RESULTADOS DA OBRA DE CRISTO NO CALVÁRIO Desenvolvendo-se apartirdoconceitodesacrifíciovicário, encontramos o instituto da reconciliação. Assim como a expiação é a causa, a reconciliação é o efeito. Somos recon­ ciliados com Deus pela cruz de Cristo (Rm 5.10; 2 Co 5.18,19). A expiação provida por Cristo também traz a idéia de redenção. Sua morte é apresentada como o pagamento de um resgate, um preço exigido parase por um escravo em liberdade. Mateus 20.28 e Marcos 10.45 retratam a Cristo como oque veio “dar suavida em resgate de muitos”,isto é: de todos quantos nEle confiam. A obra de Cristo também é referida como redenção (Lc 1.68: 2.38 e Hb 9.12). A quem foi pago esse resgate? Certamente não a Satanás, como pensam alguns teólo­ gos. Nada devemos a Satanás. O resgate (o preço ou a dívida) é para ser apresentado única e exclusivamente ao Deus justo, pois é a Ele que havemos ofendido com nossos pecados e delitos. Mas como não podíamos pagar semelhan­ te resgate, Jesus apresentou-se para quitá-lo em nosso lugar. Ele pagou o preço que o caráter de Deus requeria. Temos uma bela ilustração desse fato em Oséias. Deus 'envia o profeta a resgatar a esposa que o havia abandonado para servir aos falsos, mas que acabara por ser posta à venda como escrava. Elanão podia remir-se a simesma. O profeta, entretanto, deixando de lado não poucas implicações eprer­ rogativas, redimiu-a, restaurando-a de maneira amorosa.
  • 103. Doutrinas Bíblicas O custo que Deus teve de dispender para redimir--nos foi a morte de seu único Filho (Jo 3.16). Quais os resultados da maravilhosa realização de Cristo no Calvário? Perdão das transgressões e dos pecados! Medi­ ante sua obra expiatória, a dívida, que não podíamos pagar, foi plenamente quitada. A mancha do pecado foi para sempre apagada! A lei já não pode apresentar qualquer reivindicação contra nós, porquanto temos recebido a Cris­ to pela fé (Jo 1.29; Ef 1.7; Hb 9.22-28; Ap 1.5). Também há o livramento do domínio do pecado. Além de ter a culpa totalmente removida, como sejamaishouvera pecado em toda a sua vida, o crente é liberto, através da obra expiatória de Cristo, dos grilhões que o prendiam ao império do pecado. Este é o grande tema da Epístola aos Romanos. Embora possamos vir a pecar depois de havermos recebido a Cristo como nosso Salvador e Senhor, pois ainda somos criaturas limitadas e falíveis, podemos contar com a ajuda do Espírito Santo para não mais vivermos na prática do pecado. Paulo estremece diante da possibilidade de alguém, que haja experimentado alibertação através da morte expiatória de Cristo, virar as costas ao Senhor, evoltar a escravidão do pecado (Rm 6.1). Outro grande benefício obtido através da obra expiatória de Cristo é o livramento da morte. Jesus, “por causa da paixão da morte, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todos” (Hb 2.9). Portanto, os quese valem das provisões que Ele fez, não mais precisam temer a morte espiritual. Quanto à morte física, é o último inimigo a ser conquistado e destruído pelo Cristo vitorio­ so (1 Co 15.26). Embora a morte física seja o destino de todos os salvos até ao retorno deJesus (1 Co 15.26; 1Ts 4.16-18), os que se acham ocultos com Cristo, em Deus, não estão mais sujeitos à morte espiritual, ou “segunda morte”: a separação eterna
  • 104. A Salvação do Homem 107 entre a alma e Deus. Esta morte é conhecida também como CAPITULO lago do fogo (Hb 2.14,15; Ap 2.11; 20.14,15). Nossaporção, agora, éodomdavidaeterna (Jo3.16). ^Salvação do A CONVERSÃO H011iem Tudo o que a pessoa precisa fazer para ser salva da ira divina éolhar para Cristo, eviver (cf.Nm 21.4-9; Jo3.14,15; 12.31,32). A salvação não consiste numa série complicada de ritos, ou numa série de passos místicos. Ela ocorre instan­ taneamente na vida do que, de maneira sincera, busca a Deus. Entretanto, mesmo que não haja ordem cronológica nos eventos que cercam a salvação, há uma seqüência lógi­ ca, conforme nos mostra claramente a Bíblia. Vários termos cruciais estão vitalmente relacionados à admirável experiência da salvação. Comecemos, pois, com o ministério da convicção. Disse Jesus: “Ninguém pode vir a mim, seoPai que me enviou onão trouxer; e eu oressuscita­ rei no último dia” 0° 6.44). Esse gracioso ato de Deus, embora atribuído ao Pai, é realizado através do Espírito San­ to. Como o executor da divindade, Ele aplica os métodos da redenção aos que se entregam a Cristo. “E, quando ele [o Conselheiro, o Ajudador, o Espírito Santo] vier, convencerá omundo do pecado, da justiça e do juízo. Do pecado, porque não crêem em mim; da justiça, porque vou para meu Pai, e não me vereis mais; e do juízo, porque já o príncipe deste mundo está julgado” (Jo 16.8-11). O principal instrumento usadopeloEspíritoSanto nessaobraéaPalavrade Deus. “De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Cristo” (Rm 10.17). Embora o Espírito Santo não restrinja a liberda­ de do indivíduo, chama os pecadores a virem a Cristo Jesus. Esse trabalho do Espírito é chamado de “a doutrina da voca­ ção” ou “do chamamento”. Tanto os arminianos quanto os calvinistas concordam de que é realmente Deus quem dá o primeiro passona salvação dos pecadores. EElequem expede o convite.
  • 105. 108 Doutrinas Bíblicas CAPITULO “Conversão” significa “dar meia-volta”. As Escrituras fazem muitos apelos aos pecadores para que se voltem a ASalvação do Deus (^v 1-^3; Is31.6; Ez 14.6; J 12.12; Mt 18.3; At 3.19). A Homem conversão é a resposta do pecador à convicção conferida pelo Espírito Santo. O voltar-se a Deus é composto por dois elementos: arrependimento e fé. O arrependimento pode ser encarado como o lado nega­ tivo da “meia-volta” para Deus. Mostra para o que o peca­ dor arrependido está voltando as costas. Consiste, enfim, no abandono do pecado. Há um elemento intelectual no arre­ pendimento. A palavragregaparaarrependimento (metanoia) significa “mudança de mente”. Não é uma transformação superficial, ou temporária, mas uma mudança fundamental de atitudes, principalmente com relação ao pecado.O peca­ do não é mais negligenciado, desculpado ou chamado de estilo de vida. O pecador arrependido reconhece ser culpa­ do diante de Deus. Há, igualmente, uma mudança de atitude para com Deus. Não se pode esquecer o elemento emocional do arre­ pendimento. A tristeza genuína, causada pelo pecado, fica implícita (SI 51.1; Mt 21.29,30; 2 Co 7.8; Hb 7.21). Há ainda o elemento volitivo - um ato definido da vontade para tomar e receber o que Deus oferece. A palavra grega metanoia sugere, fortemente, que o pecador mergulhe para além da mera consciência intelectu­ al quanto à pecaminosidade. Mas que o faça com tal ímpeto e repulsa, que o leve a rejeitar o mal e a seguir a Cristo, desejando aprender cada vez mais do Salvador (Mt 3.8; At 5.31; 20.21; Rm 2.4; 2"Co 7.9,10; 2 Pe 3.9). Vejamos, agora, o lado positivo da conversão. O peca­ dor deve não somente “voltar-se de” mas “voltar-se para”. Assim, voltamo-nos dopecadoparavoltarmo-nos para Deus. O voltar-se para Deus é um ato de fé. Consiste em se entrar numa relação positiva com Deus. E algo central na experi­ ência cristã; enfatiza a importância da fé. “Ora, sem fé é impossível agradar-lhe; porque é necessário que aquele que
  • 106. A Salvação do Homem 109 seaproximade Deus creia que ele existe, eque égalardoador CAPÍTULO dos que o buscam” (Hb 11.6). Todas as nossas relações com Deus acham-se ancoradas ^ Salvação do l i a Í h • • £ • ur.,,7 À ti j j. HomemMas que significa a te : A semelhança do arrependi­ mento, pode ela ser vista em três níveis. Em primeiro lugar, há oelemento intelectual. A fé é edificada sobre asinforma­ ções recebidas. Não somos solicitados a confiar no nada. Os fatos do Evangelho são apresentados, antes de tudo, ao intelecto (Rm 10.17). Precisamos conhecer os fatos básicos do Evangelho para nele crer. Há também oelemento emoci­ onal. A explicação dada por Jesus acerca da parábola do semeador (Mt 13.20,21) pinta vividamente esse nível da fé. A semente que caiu nos lugares rochosos, e cresceu rapida­ mente, não resistiu ao calordo dia. Assimocorre comosque parecem estar arrependidos, mas não se acham alicerçados na fé. Vindo a adversidade, perdem a fé em Deus. Com certeza, muitos são os desviados que jamais progrediram além desse nível emocional. Entretanto, há um nível de fé que atinge o âmago da personalidade, a sede da vontade. A fé volitiva é mais profunda que o mero assentimento intelectual. Vai além da religiosidade. Ela compunge-nos a uma dedicação exclusiva à graça de Deus. Não podemos aceitar a Jesus como nosso Salvador se não o tomarmos também como nosso Senhor. Exige-se uma completa rendição da vontade ao senhorio de Cristo. Tanto no hebraico quanto no grego, a expressão “crer” transmite a idéia de total submissão, de completa rendição da vontade e de uma obediência fiel e contínua a Deus. No Antigo Testamento, afépoderia ser traduzida por “fidelidade”.No Novo, é traduzida por “fé-obediência”,por­ quanto não há fé sem obediência. “Crer”é um verbo ativo, sempre vinculado a seu objeto. “Abraão creu em Deus”, e não apenas na promessa divina (Gn 15.6). Relacionada à palavra hebraica que significa “crer” ('aman,) há outras que podem ajudar-nos a compre-
  • 107. 110 Doutrinas Bíblicas CAPITULO ender o sentido da raiz desse termo. Uma dessas palavras é ‘omeneth, usada para indicar uma ama fiel em quem pode- A S a f o a ç ã o d omos realmente confiai, pois não deixará que o bebê caia, Homem Porcíue este se encontra firmemente aconchegado em seus braços. Outra palavra é ‘amna. Ela é empregada para des­ crever um alicerce sólido capaz de sustentar indefinidamen­ te todo o edifício. Tais palavras, entretanto, não são usadas na Bíblia, embora o sejam seus correlatos, servindo-nos estes para indicar a perfeita fidelidade de Deus e seu caráter sempre digno de confiança. Os crentes, pois, podem confiar plenamente em Deus: a base desse relacionamento é a fé genuína. Na Bíblia, não existe nada parecido como “fé na fé”,pois o objeto da fé é o mesmo Deus 0° 1-12; 5.24; 6.53,54). Marcos 11.22 tem sido vertido por alguns tradutores como “Tende a fé de Deus”.No entanto, Deus não precisa ter fé. Ele sabe tudo. Como o grego apropriadamente enfoca a fé em Deus, a tradução correta é: “Tende fé em Deus”, conforme o traz a maioria das modernas versões da Bíblia. Um dos vocábulos mais gloriosos da Bíblia é a “justifica­ ção”. Trata-se de um termo judicial que significa “declarar alguém justo”. Esta doutrina descreve a condição do peca­ dor culpado que se põe diante do grande tribunal do Deus Santo e Reto Juiz. A justificação é o anúncio extraordinário de que o pecador já está plenamente justificado. Aos olhos de Deus, seus pecados já não existem mais, pois “quanto está longe o Oriente do Ocidente, assim afasta de nós as nossas transgressões” (SI 103.12). Miquéias expressa linda­ mente esse benefício da graça: “Quem, ó Deus, é semelhan­ te a ti, que perdoas a iniqüidade, e que te esqueces da rebelião do restante da tua herança? O Senhor não retém a sua ira paYa sempre, porque tem prazer na benignidade. Tornará a apiedar-se de nós; subjugará as nossas iniqüida- des, e lançará todos os nossos pecados nas profundezas do mar” (Mq 7.18,19).
  • 108. A Salvação do Homem 111 Trêsbênçãos específicas fluemdajustificação. A primei- CAPITULO ra é aredenção dos pecados, cuja pena é amorte - espiritual e física (Gn 2.16,17; Rm 5.12-14; 6.23). Essa penalidade foi ^Salvação do removida pela morte de Cristo, o qual suportou o castigo Homem que nos estava reservado (Is 53.5,6; 1Pe 2.24). A justifica­ ção implica também na restauração do favor divino. Além de havermos incorrido na penalidade requerida pelas nossas transgressões, havíamos também perdido o favor divino, pois Deus não tem comunhão com o pecado (Jo 3.36; Rm 1.18). No entanto, através da fé em Cristo, fomos restaura­ dos à comunhão com o Pai Celeste (G1 3.26 e 1 Jo 1.3). Finalmente, a justificação traz consigo a imputação da reti­ dão. Assim como a pena pelo pecado fora “debitada em nossa conta”, a retidão de Cristo, no ato da justificação, é creditada em nossa conta (Fp3.9; Gn 15.6). Fomos envolvi­ dos comapurezade Cristo. Ele tornou-se nossaveste nupcial (Mt 22.11,12). Como pode alguém ser justificado diante de Deus? Vezes semconta as Escrituras salientam seristo um dom de Deus; é algo que se obtém pela graça proveniente da fé na morte expiatória de Cristo (Mc 10.17-22; Rm 3.24; 4.1-5; G1 3.24; Ef 2.5,8). A conversão consiste em voltar-se do pecado para Deus; a justificação é a declaração de que o pecador arrependido, agora, é reto aos olhos de Deus; e a regeneração é a real concessão da vida de Cristo ao novo convertido. Deve-se notar que a vida eterna é a vida que nos flui diretamente de Cristo, como se Ele fora a videira e nós os ramos (Jo 15.1-8). “Porque, como o Pai tem a vida em si mesmo, assim deu também ao Filho ter avida em simesmo” (Jo5.26). Ou seja: Jesus tem avida por seu próprio direito e natureza. Logo: só usufruiremos a vida eterna enquanto estivermos ligados em Cristo. Assimcomo aconversão é aresposta humana e inicial, a regeneração é a resposta de Deus, a operação de seu Santo Espírito no coração do novo crente. E a concessão da vida
  • 109. 112 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO espiritual (Jo3.5; 10.10; 1Jo 5.11,12). A regeneração signi- i—^ f i ca nascer de novo, “nascer do alto” (Jo3.3). Éa concessão A Salvação do uma nova natureza (Jr 24-7; 2 Pe 1.4). A regeneração é Homem um at° cr^at^vo Deus (2Co 5.17; Ef2.10; 4-24). Emlugar da depravaçãoque nos escravizava, temos hoje nova nature­ za, somos da família de Deus (Ef 2.19). Essa é a nova vida em Cristo. E “Cristo em vós, esperança da glória” (Cl 1.27). “Adoção” é outro termo judicial similar à justificação; ambos faziam parte do vocabulário dos tribunais. Assim como a regeneração é a concessão real da vida divina ao convertido, a adoção é a maravilhosa declaração de que a “criança”, que já faz parte da família divina, foi plenamente aceita como membro adulto - elegível para todos os privilé­ gios provenientes dessa posição. Naqueles dias, as crianças eram adotadas conforme o são hoje. Todavia, mesmo as pertencentes às famílias ricas e importantes, eram obrigadas aficar sob a tutela de aios até amaioridade. Era-lhes, então, concedida a adoção, facultando-lhes o pleno acesso aos privilégios e direitos oriundos dessa posição legalmente re­ conhecida. “Adotar”significaliteralmente “pôrcomofilho”.A grande passagem que nos desvenda essa verdade é Gálatas 4.1-5, onde Paulo declara que, agora, somos filhos de Deus por intermédio dos méritos de Cristo. O apóstolo explica que, na mente de Deus, a adoção fora provida aos crentes antes da fundação do mundo (Ef 1.5). Mas somente nos apossa­ mos desse privilégio quando recebemos aCristo como nosso Salvador (G13.26). A adoção também é obra do Espírito Santo, porquanto Ele trabalha em nós como o Espírito da adoção, ou seja: nós o possuímos na condição de filhos de Deus, herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo (Rm 8.15), em contraste com o espírito da escravidão. Entretanto, o que recebemos agora é apenas a primeira parcela de nossaherança. QuandoJesus retornar, e formos transformados, receberemos a plenitude de tudo o que se acha incluso em nossa salvação e adoção;
  • 110. A Salvação do Homem 113 receberem os corpos n o v o s , in c o rru p tíve is e im o rta is , n ã o CAPITULO mais sujeitos à decadência, às enfermidades e à morte. Aí, então, receberemos nossaherança completa (Rm 8.23; 1Co ^Salvaçãodo 15.42-44,52-54). Quão maravilhosa é a salvação que Deus flomyu nos proveu através de Cristo! Fomos salvos, estamos sendo salvos eainda seremos salvos. Quão ditosa é avida nova em Cristo! PERGUNTAS PARA ESTUDO 1. O que os sacrifícios da Lei fizeram pelos crentes do Antigo Testamento? O que esses sacrifícios não podi- am fazer? 2. Qual o significado da palavra “expiação”? 3. O que está envolvido na expiação de Cristo sobre a cruz? 4. Por que a expiação envolve a redenção e o resgate? 5. Qual a evidência de que Cristo morreu por todos? 6. O que está envolvido na conversão a Cristo? 7. Que está incluído na fé que salva? 8. Qual a diferença entre a “justificação” e a “adoção”?
  • 111. IBLICAS 6a Verdade Fundamental
  • 112. AS ORDENANÇAS DAIGREJA Batismo em Águas O batismo por imersão é ordenado nas Escrituras. Todos quantos se arrependem e crêem em Cristo como Salvador e Senhor devem ser batizados. Assim fazendo, estarão declarando ao mundo que morreram com Cristo e foram ressuscitados com Ele para andar emnovidadedevida (Mt28.19; Mc 16.16;At 10.47,48; Rm 6.4). Ceia do Senhor A Ceia do Senhor, que consiste no pão e vinho como elementos, é o símbolo que exprime nossa participa- ção na natureza divina de Nosso Senhor Jesus Cristo (2Pe 1.4) eprofetiza sua segunda vinda (1Co 11.26); e isso foi ordenado a todos os crentes “até que Ele venha”.
  • 113. As Ordenanças daIgreja O Cristianismo bíblico não éritualista nem sacramental. O sacramentalismo crê que uma graça divina especial é concedida aosparticipantes de certos rituais prescritos. Usu- almente é asseverado pelas igrejas sacramentalistas que a graça é recebida quer tenham ou não os participantes uma fé ativa - tudo quanto a pessoa precisa fazer é passar pela forma externa. Embora a obediência às duas ordenanças esteja prescrita no Novo Testamento, nenhum método es­ pecial évinculado atal obediência. Conforme o tempo foise passando, a Igreja Romana foi adicionando outros sacra­ mentos. Quanto àdiscussão sobre os sete tradicionais sacra­ mentos da Igreja Romana- a eucaristia, obatismo, a confir­ mação, apenitência (atualmente chamada “reconciliação”), a unção dos enfermos (antiga extrema-unção), as santas ordens ou ordenação e o casamento - conforme atualmente seacredita (verArthur P.Flannery, editorde TheDocuments of Vatican II, rev. ed., Grand Rapids: Wm. B. Eerdmans, 1984). Essas duas cerimônias instituídas ou ordenadas pelo Se­ nhor devem ser compreendidas como ocasiões memoriais.
  • 114. CAPÍTULO 6 As Ordenanças da Igreja Doutrinas Bíblicas Não há poder salvíficona realização mecânica desses atos; o recebimento da bênção depende do estado do coração. BATISMO EM ÁGUAS O batismo em águas simboliza o começo da vida espiri- tual. Trata-se de uma declaração pública de nossa identifi­ cação com Jesus, em sua morte e ressurreição, que tornou possível a nova vida que temos nEle (Rm 6.1-4). Pedro compara o batismo a Noé e sua família, que atravessaram incólumes o dilúvio, estando na arca: “Osquais emoutro tempoforamrebeldes, quando alongani- midade de Deus esperavanos dias deNoé, enquanto seprepara­ va a arca; na qual poucas (isto é, oito) almas se salvaram pela água, que também, como umaverdadeira figura, agoravos salva, o batismo, não do despojamento da imundícia da carne, mas da indagação de uma boa consciência para com Deus, pela ressur­ reição deJesus Cristo” (1 Pe 3.20,21). As águas do dilúvio trouxeram juízo contra um mundo corrupto e cheio de violência (Gn.éJl). Portanto, a água do batismo simboliza o juízo sofrido por Jesus em favor da humanidade, na sua morte. As águas do dilúvio não salva­ ram Noé. Mas o fato de ter atravessado o dilúvio e ser salvo do julgamento, serviu como testemunho da fé que demonstrara antes do dilúvio - fé essa que o levou e à sua família - a crer e obedecer a Deus, construindo a arca. Assim também as águas do batismo. Elas não visam lim­ par-nos, mas servem como testemunho da nossa fé no ressurreto Senhor Jesus Cristo, uma fé que devemos ter antes de entrarmos na água. Portanto, não é a água que nos salva, e sim o que ela representa: a ressurreição de Jesus Cristo, que mostra a aceitação de Deus ao sacrifício de seu Filho, em nosso favor e lugar. O Novo Testamento mostra claramente ser o sangue de Jesus, e não as águas do batismo, que nos purifica e perdoa. Mediante o sangue
  • 115. As Ordenanças da Igreja 119 somos justificados (Rm5.9), nossa consciência épurificada CAPITULO (Hb 9.14) e somos redimidos (1 Pe 1.19). Quando Pedro se refere ao batismo “para perdão de ^ Ordenanças vossos pecados” (At 2.38), usa a mesma construção grega j» empregada porJoão Batista quando disse: “Eu... vos batizo com água, para o arrependimento” (Mt 3.11). Obatismo de João não produzia o arrependimento. Na verdade, o Batista recusou-se a batizar os fariseus e os saduceus en- quanto não exibissem o fruto do arrependimento, ou seja, enquanto não demonstrassem que estavam arrependidos (Mt 3.7,8). Assim, “para arrependimento” significa “por causa do arrependimento”, ou “como testemunho do arre- pendimento”. De igual modo, “para perdão dos pecados” significa “por causa do perdão de pecados”, ou “como testemunho de que os pecados vos foram perdoados”. A menos que uma pessoa tenha crido e sido purificada pelo sangue de Cristo, o batismo em águas nada significa. Mas no caso de quem nasceu de novo, ou seja, foi purificado pelo sangue e justificado, o batismo torna-se não somente um testemunho, mas um compromisso de viver uma nova vida no poder do Cristo ressurreto. Quem, pois, é candidato ao batismo em águas? O Novo Testamento ensina que o batismo em águas é somente para os crentes. Em consonância à ilustração de Pedro, Noé confiou em Deus antes de atravessar o dilúvio (Hb 11.7). Jesus ordenou a seus seguidores que fizessem discípulos e então os batizassem (Mt 28.19). Em Marcos 16.16, o crer antecede ao batismo. Quando o diácono Filipe percorreu Samaria, sua pregação e os milagres produziram “grande alegria naquela cidade” (At 8.8). “Mas, como cressem em Filipe, que lhes pregava acerca do Reino de Deus e do nome de Jesus Cristo, se batizavam, tanto homens como mulhe- res” (At 8.12). O batismo dessas pessoas ocorreu depois de terem crido. E, na casa de Cornélio, não somente creram todos, mas foram batizados no Espírito Santo, falaram em línguas e louvaram a Deus antes de serem batizados em
  • 116. 120 Doutrinas Bíblicas CAPITULO águas. Em Filipos, Paulo disse ao carcereiro: “Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e tua casa” (At 16.31). Então, As Ordenanças o u v ir a mtodos a Palavra do Senhor, e foram batizados; e o da Isreia carcereiro “na sua crença em Deus, alegrou-se com toda a sua casa” (At 16.34). Portanto, claro está que o batismo na água tem por intenção ser uma cerimônia pública, na qual testemunhamos abertamente à comunidade que aceitamos aJesus Cristo como Salvador e Senhor. O que acabamos de ver não dá margem ao batismo infantil. No entanto, aqueles que argumentam em prol do batismo infantil dizem ser o batismo o substituto da circun­ cisão, que era feita quando osmeninos israelitas tinham oito dias de idade. Entretanto, quando oNovoTestamento abor­ da a questão, não diz: “Pois nem a circuncisão é cousa alguma, nem a incircuncisão, mas o que vale é o batismo em águas”, e sim “o ser nova criatura” (Cl 6.15). Quando, mediante a fé, estamos em Cristo, então somos novas cria­ turas (2 Co 5.17). Visto que a promessa “diz respeito a vós e a vossos filhos” (At 2.39), eporque Paulo batizou acasa de Estéfanas (1 Co 1.16), há quem veja nestas passagens justificativa para obatismo infantil. Mas, naqueles dias, os filhos peque­ nos não eram considerados membros plenos da família se­ não já no tempo de sua “adoção” (tratamos deste assunto no capítulo 5). Ademais, Pedro ordenou ao povo: “Arrependei- vos, e cada um de vós seja batizado” (At 2.38). O infantes sãoincapazes de arrependimento, féou testemunho público da salvação recebida. De fato, eles não têm pecados dos qjiais seçossam.&TOçewdsx-s,e..Is&o%v^fvcà ■as, que morrem antes da idade da responsabilidade são salvas através da redenção por Cristo: “Mas Jesus, chamando-as para si, disse: Deixai vir a mim os pequeninos e não os impeçais, porque dos tais é o Reino de Deus” (Lc 18.16). Por esse motivo, cremos que adedicação de crianças a Deus não está fora dessa ordem. Entretanto, é responsabilidade dos pais e da igreja local providenciar o treinamento espia-
  • 117. As Ordenanças da Igreja 1 2 1 As Ordenanças da Igreja tual da criança afimde que, ao atingirem aidade da respon- CAPÍTULO sabilidade, esteja preparada para aceitar a Jesus como seu Salvador e Senhor. A imersão transmite o pleno significado de passagens como Romanos 6.1-4, onde a descida às águas simboliza a morte para o pecado, e o sair da água, a nova vida em Cristo. Algumas denominações tomam Ezequiel 36.25, que mostra Deus aspergindo água limpa sobre a restaurada na­ ção de Israel, como fundamento para o batismo por asper- são. Entretanto, apalavra grega baptizosignifica claramente “mergulhar”, “imergir”. Era usada na antiga literatura não- cristã para indicar “mergulhar”, “afundar” “empapar”, “avassalar”. Outrossim, note-se o seguinte: João Batista es­ tava batizando em Enom, porque “havia ali muitas águas” (Jo3.23). Quando Jesus foi batizado, lemos: “Logo que saiu da água” (Mc 1.10). Quando Filipebatizou o eunuco etíope, “desceram ambos à água”. Ato contínuo, “saíram da água” (At 8.38,39). Todos estes detalhes apontam conclusiva­ mente para a imersão como o verdadeiro modo de batismo. Recentemente, arqueólogos encontraram nos mais antigos edifícios que serviram de igrejas - pertencentes ao século II - tanques batismais para imersão. Em Jerusalém também havia vários poços onde seria fácil para os 120 batizarem os 3000 novos convertidos do dia de Pentecoste. A fórmula batismal aparece em Mateus 28.19: “Portan­ to, ide, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo”. No grego, a palavra “nome”também significa “título” (Walter Bauer, William F. Arndt e F. Wilbur Gingrich, editores, A Greek Lexicon of the New Testament, trad. Frederick W. Danker. Chicago: The University ofChicago Press, 1971, pág. 576). “Em nome”, aqui, é uma expressão no singular, porque usada distributivamente, e há somente um “nome”ou títu­ lo. O mesmo uso distributivo, ou não-coletivo, é visto tam­ bém em Rute 1.2, onde o “nome”-no hebraico um singular -dos dois filhos eram Malom e Quiliom. Se “nome”estives-
  • 118. 1 2 2 Doutrinas Bíblicas CAPITULO se no plural, aBíblia teria dado mais de um nome a cada um deles. As palavras “em nome” querem dizer literalmente ÁSOrdenanças UPara dentro do nome”, frase comumente usada, na época, j t : que significava “para a adoração e o culto de”. Em Atos 2.38, onde lemos sobre o batismo “no nome de Jesus Cris- to”, aexpressão altera-se ligeiramente, significando “sobre o nome de Jesus Cristo”. “Sobre o nome”era a maneira grega de dizer: “Segundo a autoridade de”. Pedro, na verdade, estava apelando à Grande Comissão, na qual Jesus, com base em sua autoridade, dissera aos discípulos como deveri- am batizar (Mt 28.19). Em outras palavras, aqueles que figuram no livro de Atos, com base na autoridade de Jesus Cristo, batizavam “no nome [visando a adoração e o culto] do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo”.A história eclesiás' tica confirma que o batismo continuou a ser efetuado no nome triúno de Deus. A CEIA DO SENHOR A Ceia do Senhor foi instituída por Jesus Cristo por ocasião de sua última refeição de Páscoa, na companhia dos discípulos (com freqüência chamada de “Ultima Ceia”), apenas horas antes de ser crucificado (Mt 26.26-29; Mc 14.22-25; Lc 22.15-20; 1Co 11.23-26). Para nós, a Ceia do Senhor tomou o lugar da Páscoa do Antigo Testamento, “porque Cristo,nossa páscoa, foi sacrificado por nós” (1 Co 5.7). Ordenou Jesus que a Ceia do Senhor fosse repetida a intervalos freqüentes, até sua segunda vinda. Algumas igre­ jas observam aCeia do Senhor acada culto; outras, uma vez por semana; mas a maioria das Assembléias de Deus obser- vam-na uma vezpor mês. Tudo que Jesus disse foi: “Porque, todas as vezes que comerdes este pão e beberdes o cálice, anunciais a morte do Senhor, até que venha” (1 Co 11.26). A Ceia do Senhor tem diversos valores em relação ao passa­ do, presente e futuro. Ela é comemorativa, instrutiva e inspiradora; promove ação de graças e comunhão; proclama o novo pacto, e envolve uma certa responsabilidade.
  • 119. A í Ordenanças da Igreja 123 Em primeiro lugar, ela é comemorativa: “Fazei isso em me­ mória de mim” (Lc 22.19). Trata-se de uma ocasião solene para ponderarmos profundamente o significado da morte expiatória de Cristo, oponto crítico de toda aHistória. Nela nos defronta­ mos denovo comocustodaredenção dopecadoesuapenalida­ de. Também é instrutiva, representando por meio de uma lição objetivaesagradaaencarnação de Cristo eaexpiação (aconsu­ maçãodoselementos físicos).Sobreoselementosfísicos (opãoe o vinho), há boas evidências de que o vinho, o suco da uva, usado na Ceia não era fermentado (“Wine in New Testament Times”em The FullLife StudyBible, Donald C. Stamps, editor, Grand Rapids; Zondervan Bible Publishers, 1990, pág. 126). Quando Jesus disse: “Isto é o meu corpo”,e: “Este cálice é a nova aliança em meu sangue”,deu a entender que o pão e o vinho representavam seu corpo, oferecido na morte, e o seu sangue, derramado em sacrifício sobre a cruz. Os católi­ cos romanos ensinam a transubstanciação, a crença de que o pão e o vinho, mediante um milagre, tornam-se literal­ mente no corpo e no sangue de Jesus, mantendo somente a aparência de pão e vinho, o que os leva a adorar estes elementos. Os luteranos e muitos anglicanos (ou episco­ pais) ensinam a consubstanciação, a crença de que Jesus se faz presente, de maneira substancial, no pão e no vinho. Entretanto, as palavras “isto é meu corpo” e “meu sangue” são apenas metáforas, pois Jesus estava em pessoa com os discípulos ao distribuir o pão e o vinho (1 Co 5.8, onde Paulo fala sobre o pão “da sinceridade e da verdade”). Finalmente, a Ceia do Senhor também é inspiradora, porque nos lembra que, por meioda fé, podemos alcançar os benefícios de sua morte e ressurreição. Participando dela de forma regular, estaremos nos identificando repetidamente com Jesus em sua morte, lembrando que Ele morreu e res­ suscitou para que pudéssemos ter vitória sobre o pecado e evitar toda espécie de mal (1 Ts 5.22). A Ceia do Senhor requer ação de graças, que éo aspecto de euxaristia, no grego (1 Co 10.16). Esta é a origem do CAPÍTULO 6 As Ordenanças da Igreja
  • 120. 124 Doutrinas Bíblicas CAPITULO termo “eucaristia”, usado por algumas igrejas. Trata-se de uma oportunidade de agradecer a Deus por todas as bên- As Ordenanças ç ã ° s > CIUCsão nossas, visto que Jesus morreu na cruz (Mt dalgreja 26.27,28; Mc 14.23,24; Lc 22.19,20; 1Co 11.24-26). E, igualmente, uma oportunidade de ter comunhão (no grego, koinonia), primeiramente com o Pai e seu Filho (1Jo 1.3), e, em segundo lugar, com outros crentes que conosco compartilham fé (Tg 1.4; Jd v. 3), a graça de Deus (Fp 1.7; Cl 1.6) e apresença do EspíritoSanto (Rm 8.9,11). Jesus era um convidado, na ocasião da Ultima Ceia. Na qualidade de nosso Senhor ressurrecto, Ele está presente, porquanto pro- meteu: “Porque onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, ali estou no meio deles” (Mt 18.20).Portanto, Ele é o convidado invisível de cada celebração da Ceia do Senhor. A Ceia do Senhor reconhece e proclama a Nova Alian­ ça (no grego, he kaine diatheke). Ao participarmos da Ceia do Senhor, declaramos nosso propósito de fazer de Jesus o nosso Senhor, de fazer a sua vontade, de tomar a nossa cruz diariamente e de cumprir a Grande Comissão. A Ceia do Senhor também olha para o futuro Reino de Deus, onde Jesus prometeu beber de novo do fruto da videira (Mc 14.25). E muito provável que este versículo se refira à “bo­ das do Cordeiro” (cf. Mt 8.11; 22.1-14; Lc 13.29; Ap 19.7). Por último, a Ceia do Senhor envolve responsabilidade. Lembra-nos Paulo, em 1 Co 11.27-34, que devemos nos guardar de participar da Ceia do Senhor “indignamente”. Que significa participar da Ceia do Senhor de maneira indigna? Por certo isso não significa que tenhamos de ser dignos como pessoas, visto que nenhum de nós é capaz de relacionar-se com Deus à parte de Cristo. O que está em pauta é a indignidade de atitude e conduta. Todos somos pecadores, mas os que se têm renovado na atitude mental e revestido “do novo homem, que, segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade” (Ef 4.23-25),estão na posi­ ção de candidatos à mesa do Senhor. Mas os que abrigam
  • 121. As Ordenanças da Igreja 1 2 5 As Ordenanças da Igreja pecados, quer grosseiros e carnais, quer pessoais e sutis, CAPÍTULO precisam, primeiramente, de purificação (1 Jo 1.7,9). Diante de tão forte advertência (1 Co 11.27, 29,30), é importante que examinemos a nós mesmos antes de comer o pão e beber do cálice (1 Co 11.28). Mas, ao comermos e bebermos, devemos reconhecer “o corpo do Senhor”. O “corpo” que devemos reconhecer ou “discernir” é o corpo espiritual de Cristo, a assembléia dos crentes: “Porventura, o cálice da bênção que abençoamos, não é a comunhão do sangue de Cristo? O pão que partimos, não é, porventura, a comunhão do corpo de Cristo? Porque nós, sendo muitos, somos um só pão e um só corpo; porque todos participamos do mesmo pão” (1 Co 10.16,17). O contexto mostra-nos que os crentes de Corinto estavam permitindo que divisões e querelas surgissem entre eles: “Eu sou de Paulo, e eu, de Apoio, e eu, de Cefas, e eu, de Cristo” (1 Co 1.12). O espírito de partidarismo derramara-se sobre a Ceia do Se­ nhor (que originalmente era celebradajunto com uma refei­ ção).Os coríntios não demonstravam amor uns pelos outros nem se reconheciam como membros de um mesmo corpo espiritual. Em conseqüência, não reconheciam o Corpo uns nos outros (1 Co 12.12,13). Pelo contrário, cultivavam um espírito de egocentrismo que tornava cada um indiferente aos demais irmãos. Notemos, entretanto, que a Bíblia não diz quem estava tomando a Ceia do Senhor de maneira indigna, para que parassem de fazê-lo. Antes, devemos examinar “a nós mes­ mos”, “julgando-nos a nós mesmos”e esperando “uns pelos outros” (1 Co 11.28,31,33). Em outras palavras, devemos esperar até que possamos reconhecer o Corpo de Cristo nos outos e participar da Ceia do Senhor na unidade do amor e da fé, honrando a Cristo e à Palavra de Deus. Na realidade, é pior para o crente recusar-se a tomar do que participar da Ceia do Senhor de maneira indigna. Ao recusar-se apartici­ par, uma pessoa estará dizendo: “Recuso arrepender-me e a crer que o corpo e o sangue de Cristo foram o sacrifício
  • 122. 126 Doutrinas Bíblicas CAPITULO eficaz de que preciso para a purificação dos meus pecados. —^^^^^N ão acredito que sua obra na cruz tenha sido suficiente. As Ordenanças R-e c u s 0 ' m ea dar graças e a continuar aceitando o Novo Pacto. Também me recuso a aceitar os irmãos e as irmãs da igreja como membros do Corpo de Cristo”. E também não precisamos esperar muito: “Mas, se an­ darmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo pecado. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” (1 Jo 1.7,9). No momento em que os confessarmos, o sangue de Cristo cobrirá todos os nossos pecados. Visto que a Ceia do Senhor é uma ocasião solene, em que lembramos o ponto máximo da obra de Cristo em nosso favor, ela pode tornar-se num momento de grande bênção espiritual, contanto que os participantes cheguem com a atitude mental apropriada. Devemos permitir que a Ceia do Senhor se transforme numa oportunidade de adoração e de comunhão com o Cristo ressurreto e com os irmãos. PERGUNTAS PARA ESTUDO 1. Por que amaior parte dos protestantes aceita somente duas ordenanças, ao invés de observarem sete sacra­ mentos? 2. O que faz o batismo em águas e o que ele não faz? 3. Qual é a evidência bíblica de que o batismo em águas destina-se exclusivamente aos crentes? 4. Porqueéimportantequesejamosbatizadosporimersão? 5. Em qual sentido aCeia do Senhor olha para trás, para cima e para a frente? Explique. 6. Quais atitudes a Ceia do Senhor requer da nossa parte? 7. O que significa participar de maneira digna?
  • 123. ya Verdade Fundamental
  • 124. OBATISMONOESPÍRITO SANTO Todos os crentes têm o direito a promessa do Pai, a qual deveriam esperar ardente e intensamente: o batismo no Espírito Santo e no fogo, de acordo com o mandamento de nosso Senhor Jesus Cristo. Essa era a experiência normal de toda a Igreja Primitiva. Com ela chega a concessão de poder para a vida e o serviço, a doação dos dons e seu uso no ministério (Lc 24-49; At 1.4,8; 1Co 12.1-31). Essa experiência é distinta e subseqüente à experiência do novo nascimento (At 8.12-17; 10.44-46; 11.14-16; 15.7-9). O batismo no Espírito Santo nos permite experimentar uma plenitude espiritual (Jo 7.37-39; At 4.8), uma reverência mais profunda por Deus (At 2.43; Hb 12.28) uma intensa consagração a Ele e dedicação à sua obra (At 2.42) e um amor mais ativo por Cristo, por sua Palavra e pelos perdidos (Mc 16.20).
  • 125. 0 Batismo noEspírito Santo A PROMESSA DO PAI O ministério do Espírito Santo na vida do crente é rico e diversificado. Embora profundamente pessoal e interna, a obra do Espírito preocupa-se, primariamente, com a expres­ são da vida cristã. E, pois, externa em seu propósito. O batismo no Espírito Santo não visa em primeiro lugar o desenvolvimento da santidade no indivíduo - embora isto possa e deva ser intensificado, como conseqüência - mas visa dotá-lo para o serviço cristão. Jesus disse aos crentes reunidos no cenáculo: “Eeisque sobre vós envio apromessa de meu Pai; ficai, porém, na cidade deJerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder” (Lc 24-49). Em outra opor­ tunidade, “estando com eles, determinou-lhes que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, que (disse ele) de mim ouvistes. Porque, na verdade, João batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias” (At 1-4,5). Então, imediatamente antes de ascender ao Céu, Jesus dis­ se: “Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de
  • 126. 130 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 7 0 Batismo no Espírito Santo vir sobre vós, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusa­ lém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra” (At 1.8). Notemos que a promessa foi dada aos discípulos que já desfrutavam de comunhão íntima com Cristo. Seus nomes já estavam escritos nos Céus (Lc 10.20). “Estavam purifica­ dos diante de Deus, tendo recebido já um banho espiritual mediante aPalavra de Cristo (Jo 13.10; 15.3; ver Stanley M. Horton, O que a Bíblia Diz Sobre o Espírito Santo, CPAD, 1993, pág. 144). Desde a ressurreição de Cristo, eles eram um corpo, a Igreja, pois a antiga aliança fora abolida de modo absoluto no Calvário (Ef2.15). De conformidade com Hebreus 9.15- 17, a morte de Cristo pôs o Novo Pacto em vigor. A ênfase de Atos 1.8 é poder para servir, e não regeneração ou santificação. Assim, concluímos que uma pessoa pode ser regenerada, e até santa, e, no entanto, não desfrutar do batismo no Espírito e da unção para servir, queJesus prome­ teu aos crentes. Alguns têm tratado obatismo no Espírito Santo como se fora santificação. Outros, têm feito do auto-aperfeiçoamen- to o principal objetivo da vida cristã. Devemos evitar essa idéia. Na verdade, atingimos maior crescimento enquanto servimos a nosso Senhor. O santo, isto é, a pessoa dedicada e consagrada à adoração e ao serviço do Senhor, não é aquele que passa todo o seu tempo no estudo, oração e meditação, por importantes que sejam estas coisas. O santo é aquele que não somente se separa do mal, mas é separado e ungido para o serviço do Senhor. A unção é simbolizada no Antigo Testamento pelo ritual da purificação, no qual o sangue era aplicado primeiro, e depois o azeite sobre o sangue (Lv 14.14,17). Em outras palavras, a purificação era seguida pela unção simbólica, representando o trabalho do Espírito na preparação ao serviço. Portanto, somos também ungidos, tal como sucedia aos profetas, reis e sacerdotes de antigamente (2 Co 1.21 e 1Jo 2.20).
  • 127. O Batismo no Espírito Santo 1 3 1 Os meios e o poder para servir vêm através dos dons do Espírito. Mas os dons do Espírito precisam ser distinguidos do dom do Espírito. O batismo no Espírito Santo era necessário antes de os primeiros discípulos deixarem Jerusalém e antes de começarem a cumprir a Grande Comissão. Eles precisavam de poder, eopróprionome, EspíritoSanto, estávinculado aopoder. Ele veio como o dom e poder. Ele mesmo é as primícias da colheita final, que veio para iniciar uma obra que levará alguns, vindos de todas as raças, línguas, povos e nações, a reunirem-se em torno do Trono (Ap 5.9). O mesmo batismo no Espírito foi experimentado em pelo menos quatro outras ocasiões, no livro de Atos... bem como por outros, posteriormente, de acordo com Tito 3.5. (E. W. Bullinger, The Giver and His Gifts, Londres; The Lamp Press, 1953, págs. 26,27). TERMINOLOGIA BÍBLICA DO BATISMO O batismo no Espírito Santo também é conhecido por outros termos. Devemos nos lembrar que o Espírito Santo é uma pessoa. O batismo descreve apenas um aspecto da experiência com essa Pessoa da deidade. E também chama­ do de “enchimento”: “E todos foram cheios do Espírito Santo” (At 2.4). Conforme Joel profetizara Q1 2.28,29), o Espírito foi “derramado” sobre eles (At 2.33; 10.45). Eles “receberam” (tomaram ativamente) o dom (At 2.38; 8.17). O Espírito”desceu sobre” eles (At 10.44; 11.15; 19.16). Alguns escritores modernos supõem que o batismo no Espí­ rito refere-se a algo diferente do enchimento, ou que a experiência Pentecostal limitou-se ao dia de Pentecoste. Mas, com o uso de todos esses termos na Bíblia, é claro que o acontecimento do Pentecoste teve repetições. Pedro também viu que os “últimos dias”trazemoportunida­ des para tempos de refrigério. Atos 3.19 poderia ser traduzido como: “Arrependei-vos, pois, e voltai-vos para Deus, tendo em vistaoapagardevossospecados, afimdequevenhamtempos de refrigério, ou reavivamento, da presença do Senhor, e que Ele CAPÍTULO 7 0 Batismo no Espírito Santo
  • 128. 1 3 2 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 7 0 Batismo no Espírito Santo envie aJesus Cristo, que vos foi nomeado (ou apontado como o vosso Messias)”. O modo como Pedro considerou a profecia de Joel mostra que ele esperava um cumprimento contínuo até o fimdos “últi­ mos dias”.Istosignificaqueoderramamento profetizadoporJoel estará disponível até ao fim da era presente. Enquanto Deus continuar chamando pessoas à salvação, desejará derramar o Espíritosobreeles: “Apromessa [queaparecenaprofeciadeJoel, no Antigo Testamento] vos dizrespeito avós, avossos filhos e a todos os que estão longe: a tantos quantos Deus, nosso Senhor, chamar” (At 2.39). Com isso, vemos que a obra do Espírito continua, e que está disponível a profecia de Joel - o batismo - a que Jesus também chamou “promessa do Pai”. O mesmo se observa em Atos 19.1-7. Os doze homens,sem dúvida, professavam- se seguidores de Jesus, mas Paulo sentiu que algo estava em falta, pelo que lhes perguntou: “Recebestes vós já o Espírito Santo quando crestes (no grego, pisteusantes, que é particí- pio aoristo, umaforma que normalmente indica ação anteri­ or à do verbo principal; neste caso, antes do recebimento). As construções gramaticais ocorrem em passagens como estas (traduzidas literalmente): “Tendo casado, morreu” (Mt 22.25). “E a [Safira] sepultaram” (At 5.10). “Sacudindo... contra eles o pó dospés, partiram para Icônio” (Atos 13.51). “O qual, tendo recebido tal ordem, os lançou no cárcere interior e lhes segurou os pés no tronco” (At 16.24). Claro está, igualmente, que Paulo batizou os crentes em água, antes que lhes impusesse as mãos para que o Espírito viesse sobre eles” (Horton, O que a Bíblia Diz Sobre o Espírito Santo, págs. 172-175). O PROPÓSITO DO BATISMO NO ESPÍRITO SANTO Em adição ao poder para servir, através do qual o indiví­ duo se torna um canal de testemunho para o mundo, o batismo no Espírito transforma-se na entrada para um tipo de adoração que abençoa os santos reunidos de Deus. O
  • 129. O Batismo no Espírito Santo 133 batismo é a porta de entrada dos vários ministérios espiritu- ais, chamados dons do Espírito. Visto que tais dons visam a edificação da igrejalocal, eles serão discutidos mais detalha- damente no capítulo 10, que aborda a questão da Igreja. Os que se converteram foram batizados em águas e no Espírito Santo, no dia de Pentecoste. Mostraram novas evi­ dências da obra do Espírito em suas vidas, conforme Atos 2.42,46,47: “Eperseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão e nas orações. E, perseverando unânimes todos os dias no templo e partindo o pão em casa, comiamjuntos com alegriaesingelezade coração, louvando a Deus e caindo na graça de todo o povo. E todos os dias acrescentava o Senhor aqueles que se haviam de salvar”. Temos aqui a descrição de uma obra contínua do Espírito, que aprofundou a experiência dos crentes e seu amor a Deus e à sua Palavra, uns pelos outros e pelos perdidos. De fato, deveriam ter sempre em mente que o batismo no Espírito não é uma experiência climática. Assimcomo opróprio Pentecoste foi apenas o começo da colheita, tendo trazido ho­ mensemulheres aumacomunhãodeadoração, ensinoeserviço, assim também o batismo no Espírito Santo é apenas uma porta para uma relação crescente entre Ele mesmo e os crentes. Essa relação leva a uma vida de serviço, onde os dons do Espírito provêem poder e sabedoria para a divulgação do Evangelho e o crescimento da Igreja, como evidenciado pela sua rápida propa­ gaçãoemmuitas áreas domundo atual. Novospreenchimentos e orientações relativas ao serviço devem ser esperadas conforme surgiremnovas necessidades, e conforme Deus, em sua vontade soberana, cumprir oseuplano (Horton, Oque aBíbliaDizSobre oEspírito Santo, pág. 284). Alguns estudiosos têm salientado que as epístolas de Paulo não dizem muita coisa sobre o batismo no Espírito Santo. Há boas razões para isso: o batismo no Espírito Santo era a experiência normal de todos os crentes do primeiro século da Era Cristã. Todas as pessoas às quais Paulo escrevia já estavam cheias do Espírito Santo. Por­ CAPÍTULO 7 0 Batismo no Espírito Santo
  • 130. 134 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 7 0 Batismo no Espírito Santo tanto, não havia questionamentos. Entretanto, certas coi­ sas que ele disse são importantes. Por exemplo: “Mas o que nos confirma convosco em Cristo e o que nos ungiu é Deus, o qual também nos selou e deu o penhor do Espírito em nossos corações” (2 Co 1.21,22; 5.5). O trecho de Efésios 1.13 é ainda mais enfático: “Em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evange­ lho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa”. Efésios 4.30 acrescenta: “Enão entristeçais o Espírito de Deus, no qual estais selados para o dia da redenção”. A palavra “penhor” (2 Co 1.22) significa a primeira prestação. As primícias também fazem parte da colheita (Rm 8.23). Exatamente do mesmo modo, o Espírito Santo, como “penhor”, é uma parte real da nossa herança e a garantia de que receberemos, posteriormente, a parte maior (René Pache, The Person and Work ofthe Holy Spirit, rev. ed. Chicago: Moody Bible Institute, 1966, pág. 25). Nossa herança é mais do algo que se espera. Agora, em meio à corrupção, decadência emorte da presente era, desfrutamos em e através do Espírito Santo da primeira parte denossa herança (George EldonLadd, ThePattern ofNew Testament Truth, Grand Rapids: Wm. B. Eerdmans Publ, Co., 1968, págs. 101 e 102). Alguns pensam que a palavra “selo” tem a ver com nossa proteção ou segurança. Mas oseloé umreconhecimento de que somos do Senhor, eistonão significaque não possamos perder a nossa salvação. Enem ooriginal gregosubentende otipo de selo usado emgarrafas ou embalagens de alimentos para proteger da contaminação. [Nós, de fato, estamos guardados “mediante a fé... navirtude de Deus, para asalvaçãojáprestes paraserevelar no último tempo” (1 Pel.5)], mas isto não ocorre automatica­ mente. A féprecisa ser conservada ... O selo, no Novo Testamento, também apresenta a idéia de propriedade, amarca que indica sermos obras das mãos de Deus
  • 131. O Batismo no Espírito Santo 1 3 5 (Ef2.10; William Barclay, The Promise ofthe Spirit. Filadélfia: CAPÍTULO The Westminster Press, 1960, pág. 15). Efésios 1 .1 3também mostra que somos selados após o 0 Batismo 110 ato de fé, o que não significa ser a propriedade divina Espirito Santo dependente do selo. Pois fomos feitos dEle através do san- gue deJesus e de nossa reação de fé à graça de Deus. O selo é, pois, o reconhecimento da propriedade, mas não a pro- duz. Assim, visto que o selo é algo tangível que outros podem reconhecer, o batismo no Espírito Santo, com a evidência externa do falar em línguas ajusta-se à idéia neo- testamentária. “A maior parte dos comentadores esquece que o batis­ mo no Espírito Santo era a experiência normal de todos os crentes, nos tempos do Novo Testamento. Por isso, Paulo não está traçando, em suas epístolas, uma linha entre os crentes selados e os que não possuem esse privilégio. Ele vê todos os crentes como incuídos na mesma experiência. Outra importante passagem é 1 Coríntios 12.13: “Pois todos nós fomos batizados em um Espírito, formando um corpo, quer judeus, quer gregos, quer servos, quer livres, e todos temos bebido de um Espírito”.A preposição “em” (no grego, en), significa claramente “por” em todos os outros versículos onde aparece vinculada ao Espírito Santo, neste capítulo. João Batista declara que Jesus é aquEle que batiza no Espírito Santo (Mt 3.11; Mc 1.8; Lc 3.16; Jo 1.33). Paulo deixa claro que Jesus é o único que batiza no Espírito Santo, ou seja, no Corpo de Cristo (1 Co 12.13; G13.27). Os dois batismos são claramente distintos. O Espírito Santo primei­ ramente nos batiza no Corpo de Cristo; em seguida, Jesus nos batiza no Espírito Santo (Anthony D. Palma, “Baptism by the Spirit”, Advance, junho de 1980, pág. 16; ver tam­ bém Fíorton, What the Bible Says, págs. 214-216). Paulo também enfatiza a importância de vivermos no Espírito. Significa que devemos cuidar em não entristecer o Espírito Santo, mediante coisas como ira, raiva, brigas, calú-
  • 132. 1 3 6 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 7 0 Batismo no Espírito Santo nias ou qualquer tipo de malícia. Pelo contrário, sejamos bondosos e compassivos uns com os outros, perdoando-nos mutuamente, tal como Deus, em Cristo, nos perdoou (Ef 4.30-32). Nada temos a ver com os feitos infrutíferos das trevas (Ef5.11), e nem devemos nos embebedar com vinho, mas nos encher (no grego, significa “continuai sendo chei­ os”) com o Espírito (Ef5.18). O Espírito é a fonte do amor, do zelo e do estado de coração que nos capacita a servir aceitavelmente ao Se­ nhor, “fervorosos no espirito” (Rm 12.11), um fervor que está queimando com o Espírito Santo. De fato, devemos ser cuidadosos, para não apagarmos o fogo do Espírito, ao rejeitar ou abafar suas manifestações (1 Ts 5.19,20). O fogo do zelo está vinculado ao Espírito Santo, em contraste ao fogo do julgamento. Quanto à discussão do significado do “batismo com o Espírito Santo e com fogo”, onde João Batista pode estar oferecendo uma escolha entre o batismo no Espírito e um batismo no fogo do julgamento (ver O que a Bíblia Diz Sobre o Espírito Santo). RECEBENDO O BATISMO NO ESPÍRITO SANTO Uma última pergunta merece especial atenção: Como receberobatismo no Espírito Santo? A experiência édescri­ ta como um dom (At 10.45), pelo que de forma alguma é merecida. O batismo no Espírito Santo é recebido mediante a fé ativa e obediente. Deus prometeu derramar o seu santo Espírito sobre aqueles que, famintos, o buscam e pedem, abrindo-lhe o coração: “Pois, se vós, sendo maus, sabeis dar boasdádivas aosvossosfilhos, quanto maisdaráoPaicelestial o Espírito Santo àqueles que lho pedirem?” (Lc 11.13). Lemos, igualmente, que os 120 receberam o Espírito Santo no dia de Pentecoste, adoraram a Jesus e passaram muito tempo louvando a Deus (Lc 24-52,53). O louvor alegre e a expectação preparam os nossos corações para receber o Espírito Santo. Notamos, igualmente, que quando eles fo­
  • 133. O Batismo no Espírito Santo 137 ram cheios com o Espírito, “começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito lhes concedia que falassem” (At 2.4). Em outras palavras, não retrocederam, mas em fé obediente, usaram suas línguas, lábios e vozes para falar aquilo que o Espírito Santo lhes concedia. PERGUNTAS PARA ESTUDO 1. Qual a evidência de que os discípulos já estavam salvos e eram membros da Igreja antes de serem batizados no Espírito Santo, no dia de Pentecoste? 2. Qual o propósito primário do batismo no Espírito Santo? 3. Alguns dizem hoje, que após o dia de Pentecoste, pessoas eram cheias do Espírito Santo, mas não batizadas. Qual aevidência bíblica de que aexpressão “batismo no Espírito Santo”não se limita à experiên- cia dos que foram batizados no dia de Pentecoste? 4. Que efeitos seguiram-se ao segundo capítulo de Atos, depois que os 120 foram batizados no Espírito Santo? 5. Qual o significado da palavra “selo” em relação ao batismo no Espírito Santo? 6. Qual o sentido da palavra “penhor”, em relação ao batismo no Espírito Santo? 7. Quais as evidências de que o batismo no Espírito Santo é uma experiência distinta que deveria seguir- se à conversão? CAPÍTULO 7 0 Batismo no Espírito Santo
  • 134. UMNÂS ffiLICASllm %^mjwdrn %^mlmdoí Verdade Fundamental
  • 135. EVIDENCIAFISICAINICIALDO BATISMO NOESPÍRITO SANTO O batismo dos crentes no Espírito Santo é testemunhado pelo sinal físico inicial do falar em outras línguas, conforme o próprio Espírito lhes conceder (At 2.4). O falar em lín­ guas, nessa instância, pertence àmesma essência que o dom das línguas (1 Co 12.4-10,28), mas é diferente quanto a seu propósito e uso.
  • 136. Evidência Física InicialdoBatismono Espírito Santo Uma importante questão ésaber se apessoafoirealmen­ te batizada no Espírito Santo. Seria ideal que que o crente cheio do Espírito Santo apresentasse muitas evidências de sua condição. Entretanto, não estamos discutindo os resul­ tados a longo prazo do batismo no Espírito, mas o testemu­ nho imediato da própria experiência. Tem Deus provido tal indicador? Se o livro de Atos não é somente descritivo, mas possui um propósito teológico, e se a experiência da Igreja Primitiva, com seus registros, é realmente normativa (ver Roger Stronstad, The Charismatic Theology of St. Luke, Peabody, Mass.: Hendrickson Publishers, 1984) para a Igre­ ja de todos os séculos, então a resposta é um retumbante “SIM!” SINAIS DO DERRAMAMENTO No dia de Pentecoste, dois sinais antecederam o derra­ mamento do Espírito Santo. Ouviu-se “um som, como de um vento veemente e impetuoso” e “foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles” (At 2.2,3). Esses sinais particulares não se repetiram em experiências posteriores de batismo no
  • 137. 142 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO Espírito Santo. Um sinal, entretanto, fazia parte real do batismo pentecostal: todos quantos foram cheios com o Evidência FísicaEspírito Santo “começaram a falar em outras línguas, con- Inicial do f ° r m e° Espírito Santo lhes concedia que falassem” (At 2 .4 ) . Batismo no Essas “línguas”eram idiomas que eles nunca tinham apren- Esüírito Santo ^ o , distribuídas individualmente, à parte da compreensão de cada um. Alguns dos presentes, que compreendiam os idiomas, reconheceram que eles estavam declarando “as grandezas de Deus” (At 2 .1 1 ) .Esse sinal foi o mais espeta­ cular dos fenômenos do dia de Pentecoste, e repetiu-se por várias vezes, duas das quais são registradas no livro de Atos ( 1 0 .4 6e 1 9 .6 ) . Ede especial importância o episódio ocorrido na casa de um centurião romano, Cornélio. Ali, por causa dos entra- nhados preconceitos dos judeus contra os gentios, fazia-se necessária uma evidência convincente. Esomente uma evi­ dência demonstrou que aqueles gentios haviam recebido “o dom do Espírito Santo”:os espantados crentes judeus ouvi- ram-nos “falar em línguas e magnificar a Deus” (At 10.46), exatamente como acontecera no dia de Pentecoste (At 2.4,11). Mais tarde, ao ser criticado por haver entrado na casa de um gentio e comido com eles, tendo comunhão em tomo da mesa, Pedro explicou: “E, quando comecei afalar, caiu sobre eles o Espírito Santo, como também sobre nós ao princípio. E lembrei-me do dito do Senhor quando disse: João certamente batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo. Portanto, se Deus lhes deu o mesmo dom que a nós, quando cremos no Senhor Jesus Cristo, quem era, então, eu, para que pudesse resistir a Deus?” (At 11.15-17). O versículo seguinte mostra-nos que os apósto­ los e outros crentes judeus aceitavam o falar em línguas como evidência convincente do batismo no Espírito Santo: “E, ouvindo estas coisas, apaziguaram-se e glorificaram a Deus, dizendo: Na verdade, até aos gentios deu Deus o arrependimento para a vida” (At 11.18). Por certo, numa época em que muitos pensam, esperam, acreditam e se
  • 138. Evidência Física Inicial do Batismo no Espírito Santo 143 maravilham com obatismo no Espírito, uma evidência con- CAPITULO vincente continua sendo necessária. Alguns anos mais tarde, em Efeso, os gentios receberam Evidência Física aexperiência pentecostal, e “falavam em línguas eprofetiza- JnjcjalJq vam” (At 1 9 .6 ) .Reperte-se, mais umavez, acompleta expe- Batismo no riência dobatismo no Espírito Santo. O grego normalmente Espírito Santo subentende que eles continuaram a falar em línguas e a profetizar. “O falarem línguas... continua atrazer enriqueci­ mento ao crente individualmente, em suas devoções pesso­ ais, e à congregação, quando acompanhado pela interpreta­ ção de línguas” (Where We Stand, Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1 9 9 0 ,pág. 1 4 7 ). Com a morte de Estêvão, iniciou-se aperseguição, espa­ lhando os crentes (excetuando os apóstolos) e as chamas do Evangelho em muitas direções (At 8 .1 ) .Um bom exemplo do avanço do Evangelho é a pregação de Filipe em Samaria, às pessoas que tinham estado sob a influência de Simão, o mágico. Elas creram e foram batizadas em águas, mas o Espírito Santo não desceu sobre nenhum deles. Talvez por­ que tivessem percebido que estavam errados acerca de Si­ mão, bem como sobre muitas de suas doutrinas samaritanas, e acharam difícil dar o próximo passo de fé para receber o batismo no Espírito Santo (Stanley Horton, O que a Bíblia Diz Sobre o Espírito Santo, Rio de Janeiro, CPAD, 1 9 9 3 , pág. 1 6 6 ). Dias depois, Pedro e João foram enviados a Samaria, oraram por eles e impuseram-lhes as mãos; então, recebe­ ram o Espírito Santo (At 8.15-17). Simão, omágico, sentin­ do remorso por seus antigos caminhos, ofereceu-lhes di­ nheiro pela autoridade de impor asmãos para que aspessoas recebessem o Espírito Santo. Como era óbvio, havia algo evidentemente sobrenatural no recebimento do Espírito. Simão já vira os milagres de Filipe. Obviamente, Simão deve ter ouvido a profecia em seu próprio idioma, mas com certeza foino falarem línguas que reconheceu algosobrena-
  • 139. 144 Doutrinas Bíblicas CAPITULO tural. Lucas, entretanto, concentra sua atenção sobre a atitude do mágico, e assim não menciona as línguas. Evidência Física Há ainda um outro episódio no livro de Atos que certa- Inicial do mente implica em línguas. Paulo, ao ser surpreendido por Batismo no Je s u s >na estradapara Damasco, ficoucegoporcausadaglória Espírito Santo divina. levado aDamasco, àcasa deJudas, na rua Direita, onde recebeu a visão de que um homem chamado Ananias colocaria as mãos sobre ele eo faria tornar aver. Aquele bom discípulo, ato contínuo, veio e disse que o Senhor lhe havia enviado afimde que Paulopudesseenxergarnovamente eser cheio do Espírito Santo (At 9.17). As línguas não sãomenci­ onadas especificamente nessa ocasião; porém, mais tarde, Paulo testifica: “Dou graças ao meu Deus, porque falo mais línguas do que vós todos” (1 Co 14.18). Pelo que aconteceu nas outras ocasiões emquepessoas erambatizadasnoEspírito Santo, podemos inferir que a experiência inicial de Paulo em falar noutras línguas ocorreu naquele seu encontro com Ananias. Se todas as referências à concessão pentecostal, no livro de Atos, forem reunidas em um único bloco, não haverá mais dúvidas de que as línguas são a evidência inicial efísica do batismo no Espírito Santo. Visto que reconhecemos nas descrições históricas do livro de Atos um propósito teológi­ co e aintenção de serexemplo para aIgrejahoje, temos nele um forte fundamento para acreditar que os crentes que eram cheios do Espírito Santo esperavam a evidência do falarem línguas. Alguns escritores afirmam que as doutrinas devem estar baseadas sobre claras afirmações das epístolas, e não na história, no livro de Atos. Entretanto, o Espírito Santo inspirou Paulo a escrever: “Toda Escritura divina­ mente inspirada é proveitosa” (2 Tm 3.16). Outrossim, “tudo quanto dantes foi escrito para nosso ensino foi escri­ to” (Rm l5.4). A Bíblia, ao desenvolver a doutrina da justificação pela fé, em Romanos 4, volta à passagem histó­ rica de Gênesis sobre Abraão; ao demonstrar a origem da graça d,ivina, retrocede à outra passagem histórica, sobre Davi. “A palavra traduzida por ‘línguas’,no livro de Atos, é
  • 140. Evidência Física Inicial do Batismo no Espírito Santo 145 amesma usada em 1Coríntios, erefere-se aidiomas reais de CAPÍTULO homens e anjos (1 Co 13.1). Não há justificativa para inter- 8 pretar a palavra como ‘sons estranhos ou próprios de êxta­ se’. Nos tempos do Novo Testamento, tal como em nosso tempo, havia pessoas que ouviam e compreendiam o falar em línguas” (Where We Stand, pág. 147). Evidência Física Inicial do Batismo no Espírito Santo FUNÇÕES DO FALAR EM LÍNGUAS Pode-se indagar se o falar em línguas serve apenas como evidência do batismo no Espírito Santo. A resposta é não, pois o fenômeno das línguas tem pelo menos duas outras importantes funções. Antes de citá-las, éválido lembrar que uma pessoa pode receber as línguas como a evidência do batismo no Espírito Santo e sómais tarde receber o dom das línguas, que pode manifestar-se nas devoções pessoais ou nos cultos públicos (Smith Wigglesworth, Ever Increasing Faith, rev. ed. Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1971, pág. 114; e Frank M. Boyd, The Spirít Works Today. Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1970, págs. 83- 86). As línguas pessoais, ou seja, o dom de falar em línguas desconhecidas, têm, nas devoções particulares, o valor de edificar quem estiver ocupado na oração. Orar em uma língua desconhecida é forma exaltada de adoração (1 Co 14.4). Orar em línguas é uma prática útil, e deveria ser cultivada na vida diária do crente, pois assim a pessoa é edificada em sua fé e na vida espiritual. Paulo parece tomar como automático, emsuasepístolas, ofato de que oscrentes eram normalmente batizados no Espírito Santo e que as línguas eram parte comum de sua experiência diária. Ele mesmo falava em línguas mais do que os crentes coríntios, embora o fizesse em particular (1 Co 14-18,19). Há também outro uso para as línguas. Embora seja o mesmo em essência, o dom de línguas empregado nos cultos públicos visa um propósito distinto. As línguas mencionadas no livro de Atos são evidenciais e privadas; as mencionadas nas epístolas são públicas, e visam a edificação geral. As
  • 141. 146 Doutrinas Bíblicas CAPITULO línguas particulares não precisam ser interpretadas, visto que o indivíduo é edificado mesmo à parte de seu entendi- Evidência Físicamento-N ã °obstante, as disciplinas acerca do emprego das Inicial do línguas em reuniões públicas enfatizam a necessidade de Batismo no interpretação, para que o culto seja abençoado (1 Co 14.2- Espírito Santo QUESTÕES SOBRE O FALAR EM LÍNGUAS Um certo número de perguntas têm surgido no tocante ao falar em línguas. Algumas bem podemos considerar aqui (o material seguinte é adaptado de Where We Stand, págs. 150-154): 1. Pode uma doutrina estar baseada sobre menos do que afirmações declarativas? Embora uma doutrina não deva estar baseada, sobre fragmentos isolados das Escrituras, pode basear-se numa verdade substancial, implícita. A doutrina da Trindade não está alicerçada sobre uma afirmação declarativa, mas numa comparação de passagens bíblicas relativas à deidade. Se­ melhantemente, a doutrina das línguas como evidência do batismo no Espírito Santo está baseada em porções substan­ ciais das Escrituras. 2. O falar em línguas é um fenômeno pertencente so­ mente ao período apostólico? Nada, nas Escrituras, indica que ofalarem línguas tenha vigorado apenas durante o período apostólico, ou até o cânon do Novo Testamento estar completo. Paulo, ao declararar que as línguas cessariam (1 Co 13.8), indica o tempo em que tal iria acontecer: “Mas, quando vier o que é perfeito, então, o que é em parte será aniquilado” (1 Co 13.10) - “perfeição”talvez seja uma referência ao tempo da volta de Cristo (cf. 1Jo 3.2). Paulo indica também que, no tempo em que as línguas cessassem, o conhecimento e as profecias também cessariam (1 Co 13.8). O contexto deixa
  • 142. Evidência Física Inicial do Batismo no Espírito Santo 1 4 7 claro que o tempo de cessarem as línguas ainda é futuro, e que outras coisas como o conhecimento e a profecia muda- rão, simultaneamente e de modo significativo. Até esse tempo, as palavras de Jesus terão plena aplicação: “E estes sinais seguirão aos que crerem: em meu nome expulsarão demônios; falarão novas línguas...” (Mc 16.17; ver Donald F. Stamps, editor, Full Life Study Bible. Grand Rapids: Zondervan Bible Publishers, 1990, págs. 106 e 232). 3. Quando Paulo escreveu: “Falam todos diversas [em outras] línguas?” (1 Co 12.30), não estaria fazendo uma pergunta retórica, que requeria uma resposta negativa? Para compreendermos a pergunta de Paulo, é necessário reconhecer as várias funções do dom de línguas: falar em línguas serve de evidência inicial do batismo no Espírito Santo (At 10.46; 11.15); falar ou orar em línguas, em parti­ cular, visa a edificação pessoal (1 Co 14.2,4); e falar em línguas na igreja - acompanhadas de interpretação - visa a edificação do corpo local (1 Co 14-5). Não há contradição entre o desejo de Paulo - de que todos falassem em línguas (1 Co 14.5) - e a sua pergunta. Todos os crentes, por ocasião do batismo no Espírito Santo, começam a falar em línguas e podem prosseguir falando nas orações pessoais comvistas àedificação pessoal. Entretanto, nem todos servem de agentes do Espírito Santo na congre­ gação, onde o Espírito Santo distribui as manifestações con­ forme sua própria determinação (1 Co 12.11). Longe de haver contradição, o desejo e a pergunta de Paulo se complementam. 4- Por que houve três períodos, na história da Igreja, em que o fenômeno das línguas parecia ausente? Existe a possibilidade de uma doutrina bíblica ser negli­ genciada. De fato, grandes renovações espirituais são acom­ panhados, com freqüência, de reavivamentos doutrinários. Para exemplificar, a doutrina da justificação havia se perdi­ do quase completamente até a Reforma protestante, quan- CAPÍTULO 8 Evidência Física Inicial do Batismo no Espírito Santo
  • 143. 148 Doutrinas Bíblicas CAPITULO do Martinho Lutero eoutros areenfatizaram. A doutrina da ^ ,8 ^ ^ santificação fora negligenciada até o reavivamento dirigido Evidência Físicap°r I°ã° Wesley, quando, uma vez mais, foi trazida à aten- Inicial do çã° da Igreja. Embora a verdade do batismo no Espírito Batismo no Santo e do falar em línguas tenha aparecido, através da Espírito Santo h is tó r iaeclesiástica, em certo número de reavivamentos, parece nunca ter recebido uma ênfase como a do presente reavivamento (R. P. Spittler, “Glossolalia”, em Dictionary of Pentecostal and CharismaticMovements. Regency Reference Library, S. M. Burgess eG. B. McGee, editores, Grand Rapids: Zondervan Publishing House, 1988, págs. 339 e 340). 5. Haverá perigo de as pessoas procurarem as línguas, em lugar do batismo real no Espírito Santo? Infelizmente, essa é uma possibilidade, mas o abuso con­ tra uma doutrina não a invalida. Os abusos e falsificações, longe de desaprovarem uma doutrina, ajudam a estabelecer as genuínas (a Bíblia de Estudo Pentecostal faz uma boa abordagem sobre o falso falar em línguas e testes quanto ao genuíno batismo no Espírito Santo). 6. As pessoas que falam em línguas não são tentadas ao orgulho espiritual? A compreensão verdadeira dobatismo no Espírito Santo resulta em humildade, não em orgulho. Os crentes são batizados no Espírito Santo, não por causa de seu valor pessoal, mas para que sejam dotados para um serviço humil­ de e uma vida mais significativa. 7. Que dizer das pessoas verdadeiramente nascidas de novo que têm realizado grandes coisas para o Senhor, e, no entanto, não falam em línguas? Não há que se duvidar de crentes dedicados que não falam em línguas mas são habitados pelo Espírito e têm realizado grandes coisas para Deus. Ao considerar a ques­ tão, entretanto, todo estudante da Bíblia deve determinar
  • 144. se baseará suas doutrinas sobre a Palavra de Deus ou nas experiências dos crentes, mesmo os mais devotos. Visto que a Bíblia indica que todos os crentes podem falar em línguas, na suas devoções pessoais e na congregação, é preciso que cada um decida se deve aceitar ou rejeitar a provisão de Deus. As Escrituras deixam claro que os crentes devem reconhecer-se responsáveis diante de Deus ao invés de ava­ liar suas experiências cristãs à base de comparações entre seres humanos. Escreveu o apóstolo: “Porque não ousamos classificar-nos ou comparar-nos com alguns que se louvam a simesmos; mas esses que semedem asimesmos e se compa­ ram consigo mesmos estão sementendimento” (2Co 10.12). PERGUNTAS PARA ESTUDO 1. Certa versão da Bíblia refere-se às línguas como “sons estranhos”. Por que essa tradução é inadequada? 2. O que demonstra ser o falar em línguas a evidência física inicial e externa do batismo no Espírito Santo? 3. Por que é provável que os que foram batizados no Espírito Santo, em Samaria, falaram em outras lín­ guas? 4. Por que podemos inferir que o apóstolo Paulo falou em outras línguas ao ser batizado no Espírito Santo? 5. Qual o valor de continuar a falar em línguas, confor­ me o Espírito nos capacitar? 6. Cite algumas razões pelas quais devemos esperar que o batismo no Espírito Santo, com a evidência do falar em línguas, seja a experiência normal dos crentes, hoje em dia? 7.Qualinformaçãovocêconsideraútil,na seçãointitulada “Perguntas Sobre o Falar em Línguas”? 8. Que outras perguntas sobre aevidência dobatismo no Espírito Santo você tem ouvido? Como responderia a elas? Evidência Física Inicial do Batismo no Espírito Santo 149 CAPÍTULO 8 Evidência Física Inicial do Batismo no Espírito Santo
  • 145. Ça Verdade Fundamental
  • 146. A SANTIFICAÇÃO A santificação éo ato de separar-se do que éruim ededicar- se a Deus (Rm 12.1,2; 1Ts 5.23; Hb 13.12). As Escrituras ensinam uma vida de “santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor” (Hb 12.14). Através do poder do Espírito Santo, somos capazes de obedecer ao mandamento: “Sede santos, porque eu sou santo” (1 Pe 1.15,16). A santificação é realizada no crente pelo reconhecimento da identificação com Cristo em sua morte e ressurreição e, pela fé, por considerar-se diariamente no fato dessa união e por oferecer toda faculdade continuamente ao domínio do Espírito Santo (Rm 6.1-11,13; 8.1,2,13; G1 2.20; Fp 2.12,13 e 1Pe 1.5).
  • 147. ASantificação Quando nos convertemos e nascemos de novo, somos libertados da tirania do pecado. Mas, que dizerda vida cristã após esses eventos críticos? Pode um crente pecar? Quais as possibilidades de um viver genuinamente vitorioso? Essas perguntas intensamente práticas aparecem sobotópico dou­ trinário da santificação (no grego, hagiasmos).Examinemos esse tópico estratégico com cuidado, pois é preocupação de Deus que seu povo seja santo (no grego, hagios). Portanto, cingindo os lombos do vosso entendimento, sede sóbrios e esperai inteiramente na graça que se vos ofereceu na revelação de Jesus Cristo, como filhos obedientes, não vos con­ formando com as concupiscências que antes havia em vossa ignorância; mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver, porquanto escrito está: Sede santos, porque eu sou santo (1 Pe 1.13-16; cf. Lv 20.7). A Bíblia mostra que a santificação é posicionai e instan­ tânea, mas é também prática e progressiva (Stanley M. Horton, “The PentecostalPerspective”,in MelvinE. Dieter, Five Views On Santification. Grand Rapids: Zondervan Publishing House, 1987, pág. 113).
  • 148. Doutrinas Bíblicas O principal aspecto, entretanto, é a obra progressiva do Espírito Santo na vida do crente. Assim como a regeneração é a concessão de nova vida ao novo convertido, a santificação é o desenvolvimento dessa nova vida espiritual. DEFININDO TERMOS Antes de nos ocuparmos da análise do tríplice aspecto da doutrina da santificação (posicionai, real e final), vários termos devem ser cuidadosam ente observados. As palavras hebraicas e gregas para “santificação”, “san­ to”, “dedicação”, “consagração” e “santidade” estão todas relacionadas à idéia de separação. De fato, o conceito central do term o “santificação” é separação. Assim, santi­ ficar-se é separar-se - separar-se do pecado a fim de sepa- rar-se para Deus e para a adoração e serviço reverentes e jubilosos. Rica tipologia temos no sacerdócio levítico do Antigo Testam ento, bem como nas cerimônias associadas ao Tabernáculo e, mais tarde, ao Tem plo. Tudo o que era oferecido a Deus deveria ser separado de modo especial, enfatizando a santidade daquEle que recebia a adoração. Essa dedicação positiva a Deus é sempre a ênfase principal. Para exemplificar, os vasos santos usados no Tabernáculo e no Tem plo eram separados do uso comum, ordinário. N ão podiam ser usados noutro lugar. Porém, não era isso que os tornava santos. Só se tornavam santos ao serem levados ao Tabernáculo, ou ao Templo, e usados na adora­ ção ao Senhor. Através dos séculos, Deus tem separado para si mesmo aqueles que deseja que sejam seus. Ele quer usá-los todos no seu serviço. E sua intenção que os remidos sejam um povo parecido com Ele. Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens, ensinando-nos que, renunciando a impiedade e as concupiscências mundanas, vivamos neste presente século sóbria, justa e piamente, aguardando a bem-aventurada esperan-
  • 149. A Santificação 155 ça e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Senhor CAPÍTULO Jesus Cristo, o qual se deu a si mesmo por nós, para nos remir de toda iniqüidade e purificar para si um povo seu especial, zeloso de ^ Santificacão boas obras (Tt 2.11-14). Portanto, há nesse conceito uma forte ênfase à dedica­ ção, que é a separação a Deus, bem como à sua adoração e serviço. Retidão é a conformação à lei divina, usualmente vista no Pacto. Santidade é a conformação' à natureza divina. Os termos “purificação” e “consagração” relacionam-se à nature­ za divina. Deus preocupa-se não somente com a obediência externa à sua vontade, mas também com a obediência interi­ or da motivação pura (Mc 7.6; Lc 6.45). Quando o crente se submete ao gracioso ministério do Espírito Santo e da Palavra de Deus, seu coração é progressivamente lavado e renovado (1 Pe 1.22; 2.5); quando a luz do Espírito de Deus e da Palavra inunda o coração e a m ente de alguém, espera-se dele, como resposta, que coopere com Deus no remover de toda contaminação (2 Co 7.1; Hb 12.13-15); e, quando res­ pondemos aos desafios de Deus, podemos participar do pro­ cesso de purificação e consagrar-nos. Entretanto, devemos lembrar que nossa atitude de separação do mal e dedicação a Deus são sempre uma resposta ao amor divino. Lembremo- nos, por igual modo, que negligenciar a santificação é cortejar o desastre. Hebreus 12.14 lembra-nos: “Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor”. “A santificação, pois, não é algo opcional para os crentes em Cristo” (idem, pág. 526). TRÊS FACES DA SANTIFICAÇÃO Visto que a santificação não é opcional, vamos examiná- la cuidadosamente, notando três de seus aspectos. Com ece­ mos pela santidade posicionai. Em outras palavras, para sermos santos, comecemos pela santidade. Logo no começo de nossa vida cristã, devemos ser declarados santos. Essa
  • 150. 156 Doutrinas Bíblicas CAPITULO declaração, feitaporDeus, é chamada “santidade posicionai”. ^Jhhbhhh É um modo de expressar a grande doutrina da justificação A Santificação ou>Pel° menos, junto com ela (Myer Pearlman, Knowing theDoctrínesoftheBible. Springfield, Mo.: GospelPublishing House, 1945, pág. 220). Através da obra coroadora da expi- ação, Cristo tornou possível que o Deus santo nos visse - não conforme somos, mas envolvidos nas vestes da retidão de Cristo (Fp 3.9). Esse aspecto da santificação ocorre pela fé em Cristo, e é instantânea - acontece no momento da conversão (Ralph W. Harris, Our Faith and Fellowship. Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1963; revision by G. Raymond Carlson, 1977, pág. 74). Desse modo, somos santificados desde o momento em que somos salvos. Por essa razão, Paulo podia dirigir-se aos crentes das várias igrejas para as quais escreveu, algumas das quais precisavam desesperadamente de correção, cha- mando-os de “santos” - no grego, hagioi, “santos” (Horton, “PentecostalPerspective”,115). Todos começamos emCristo: como santos, portanto. A palavra “santo”tem sido deturpa­ da por algumas igrejas, que a reservam a pessoas que põem num pedestal, às quais atribuem méritos extras, que outros podem aproveitar. Na verdade, Cristo é o único cujos méri­ tos nos são disponíveis. Ninguém mais os possui. “Temos sido santificados pela oblação do corpo deJesus Cristo, feita uma vez” (Hb 10.10). “Dessa maneira, tornamo- nos partícipes dos frutos de sua obediência. Fomos libertados para fazer a vontade de Deus” (Horton, “Pentecostal Perspective”, pág. 116). Temos voltado nossas costas para o pecado e o mal, e nos dedicado a seguir a Cristo. Somos santos, não por sermos superiores, ou termos atingido a per­ feição final, mas por estarmos na direção certa. Entretanto, o que é declarado instantânea e legalmente acerca dos crentes, não se traduz imediatamente por santi­ dade real, sendo este o segundo aspecto da santificação, que dura por algum tempo, isto é, por toda a nossa vida física. Eis uma grande verdade bíblica: Deus começa conosco por
  • 151. A Santificação onde nos encontramos. Quão maravilhoso seria se crentes mais antigos, maduros, fossem tão pacientes com os novos convertidos como Deus foi com eles. O que assinala a per- feição de um filho de Deus não é o alcançá-la de modo impecável, mas o aspirá-la. O apóstolo Paulo não se consi­ derava como quem houvesse “chegado” à perfeição, mas reconhecia estar aspirando por ela, motivado pelo intenso desejo de tornar-se mais agradável a Deus (Fp 3.13,14). O que era bom o bastante para ontem já não é adequado para hoje, na vida do crente, porquanto o crescimento amplia- lhe a capacidade para as realidades de Deus. Embora possa­ mos começar com o “leite”, espera-se que cresçamos até o ponto de podermos digerir “alimento sólido” (Hb 5.12-14; 1 Pe 2.1-3). Isso é conseguido através da renovação diária de nossa consagração e dedicação a Deus. Devemos buscar tornar-nos “cadavezmais conformados à imagemde Cristo” (idem, pág. 114). Mediante a oração, e através da Palavra e do Espírito Santo, aproximamo-nos deJesus e experimenta­ mos o seu amor: “Mas todos nós, com cara descoberta, refletindo, como um espelho, a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória, na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor” (2 Co 3.18). Importantíssimo para esse estágio de crescimento da san­ tidade é o ministério do Espírito Santo (Zenas Bicket, “The Holy Spirit - Our Sanctifier”,Paraclete 2, 1968, págs. 4 e 5). Romanos 7retrata a “mente dividida”daquele que é apanha­ do na luta interna entre o bem e o mal (J. Dalton Utsey, “Romanos 7and Sanctification”,Paraclete 18, 1984, pág. 4). Paulo declara que sabe fazer o bem, mas acha-se incapaz de fazê-lopor suas próprias forças. Qual afonte davitória cristã? Romanos 8 e Gálatas 5 respondem. Romanos 8.13 mostra que, pelo Espírito Santo, podemos mortificar “as obras do corpo”,eoversículo37 dizque “somos mais do que vencedo­ res, por aquele que nos amou”. Gálatas 5.16-18, por sua vez, salienta que, se “vivermos no Espírito”, não iremos satisfazer os desejos de nossa natureza pecaminosa (ou “carne”), “por-
  • 152. 158 Doutrinas Bíblicas CAPITULO que a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito, contra a ^ c a r n e ; e estes opõem-se um ao outro”. Estamos numa luta A Santificação contra a tentação, a qual vive a solicitar que pequemos. Mas essa luta, para os crentes, não é um confronto entre a “natu­ reza superior”e a “natureza inferior”.Antes, trata-se de uma poderosa competição entre oEspíritode Deus, que veiohabi­ tar em nós, e a antiga natureza pecaminosa, que ainda sobre­ vive e deseja sobressair-se. A velha natureza não está “desarraigada”, como afirma a doutrina wesleyana da “erradicação”.Essa doutrina entende o pecado como “algo”, e não como um relacionamento. Uma relação não é uma “coisa”, sujeita desarraigar-se, ou, conforme alguns dizem, a ser “cortada pelas raízes e pelos ramos”.Porém, na proporção emque cedermos, pelafé,lugarao trabalho doEspíritoSanto, certamente obteremos vitória contínua sobre as tentações (1 Co 10.13). E nossa a responsabilidade de agir na batalha contra o pecado e no lado ativo da santificação. Entretanto, a res­ ponsabilidade pela santificação progressiva não está em nós, porquanto Deus tem seu papel a desempenhar, e o Espírito Santo nos capacita, purificando-nos a alma, na obediência à verdade (1 Pe 1.2,22). Nosso papel consiste em fazer morrer - agindo pela fé - a nossa natureza terrena: “aprostituição, a impureza, o apetite desordenado, a vil concupiscência e a avareza, que é idolatria” (Cl 3.5). Dirigindo-se aos crentes de Colossos, Paulo observou, e nós concordamos: Nasquaistambém, emoutro tempo, andastes, quandovivíeis nelas. Mas, agora, despojai-vos também de tudo: da ira, da cóle­ ra, da malícia, da maledicência, das palavras torpes da vossa boca. Não mintais uns aos outros, pois que já vos despistes do velho homem com os seus feitos e vos vestistes do novo, que se renova para o conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou; ondenãohágregonemjudeu, circuncisãonemincircunci- são, bárbaro, cita, servo ou livre; mas Cristo é tudo e em todos. Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de entranhas de misericórdia, de benignidade, humildade, mansi-
  • 153. A Santificação 159 dão, longanimidade, suportando-vos uns aos outros e perdoan- CAPÍTULO do-vos uns aos outros, se algumtiver queixa contra outro; assim 9 como Cristovos perdoou, assimfazeivóstambém. E, sobre tudo . n ,.<» « isto, revesti-vosdecaridade, que éovínculodaperfeição (Cl3.7- 14). Há vitória na vida cristã. Nenhum crente precisa viver continuamente derrotado. Embora jamais venhamos a atin­ gir, nesta vida, um estágio que não nos permita pecar, pode­ mos receber capacidade para evitar o pecado. Não somente precisamos da contínua purificação pelo sangue (1 Jo 1.7) como jamais chegaremos ao ponto de não precisarmos dela, enquanto vivermos aqui. Esse é o ponto referido em 1João 1.10: “Se dissermos que não pecamos, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós”. A expressão “que não pecamos” está no tempo perfeito, no original grego, que normalmente define uma ação cometida no passado, com resultados presentes contínuos. Portanto, seria melhor tra­ duzido como: “Se dissermos que chegamos a um ponto em que não podemos mais pecar...” Assim, faríamos de Deus ummentiroso, porquanto Ele proveu apurificação contínua mediante o sangue (clara indicação de que nos é necessá­ ria), e estaríamos dizendo que não precisamos dela. A solução jaz em darmos lugar ao Espírito Santo. E, conforme formos vivendo no Espírito, no dia-a-dia, nossa capacidade espiritual desenvolver-se-á, e cresceremos na graça. Há fracassos ao longo do caminho, mas quando tro­ peçamos e cometemos pecado, nem por isso somos rejeita­ dos. Temos um Advogado junto ao Pai, um Amigo no tribunal, asaber, Jesus Cristo (1Jo 1.9 e2.1). Há purificação ao longo do caminho, porquanto “se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo peca­ do” (1 Jo 1.7). Todavia, cumpre-nos confessar os nossos pecados. Faz-se urgente a nossa reação, quando somos im­ pedidos ou convencidos pelo Espírito Santo. Se houver ar­ rependimento imediato, podemos erguer-nos comuma cons-
  • 154. Doutrinas Bíblicas ciência purificada, na certeza de ter recebido o perdão da parte de Deus; pelo que também não precisamos agonizar diante de nossas falhas. Entretanto, solenes advertências caracterizam a Carta aos Hebreus. Elas apontam para uma rejeição persistente e determinada à convicção dada pelo Espírito Santo - um desvio que, eventualmente, poderá levar-nos a um estado de rebelião contra Deus e resultar na perda definitiva da própria salvação (cf. G1 5.21; Hb 6 e 10). Isso é apostasia. Mas Paulo, em Romanos 6.1,2, grita: “Que diremos, pois? Permaneceremos no pecado, para que a graça seja mais abundante? De modo nenhum! Nós, que estamos mortos para o pecado, como viveremos ainda nele?”Paulo admira- se de que alguém, tendo provado a alegria dos pecados perdoados, queira voltar ao lamaçal do pecado - embora a possibilidade seja clara e inequívoca. No momento da conversão, somos santificados em Cris- to Jesus. Durante o decurso de nossas vidas, recebemos os meios para “crescer na graça”, até nos tornarmos realmente naquilo que somos declarados de forma posicionai, até nos tornarmos maduros na santidade (Ef4-7-13). Ainda há um terceiro aspecto na santificação. Em Filipenses 3.11, Paulo expressa o desejo saudoso dos solda­ dos da cruz, que esperam pelo tempo em que terminará nossa provação e haverá um estado definitivo de santidade. A essa perfeição antecipada chamamos “doutrina da glori­ ficação”. Após esta vida, os verdadeiros crentes em Cristo viverão para sempre com Deus; não mais estarão sujeitos a fracassos. Teremos, então, um caráter definitivo de santida­ de. E, por ocasião da segunda vinda de Cristo, “todos seremos transformados, num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos trans­ formados” (1 Co 15.51,52). Que maravilhosa esperança está reservada para o crente! “Porque para mim tenho por certo que as aflições deste tempo presente não são para
  • 155. A Santificação 161 comparar com a glória que em nós há de ser revelada” (Rm CAPÍTULO 8.18). 9 Em face dessa esperança, que possamos nos manter “até ^ Santificação que todos cheguemos à unidade da fée ao conhecimento do Filho de Deus, a varão perfeito, à medida da estatura com- pleta de Cristo” (Ef 4.13; Albert L. Hoy, “Sanctification” Paraclete. 15, 1981, pág. 7). PERGUNTAS PARA ESTUDO 1. Qual o sentido básico da santificação? 2. Em que sentido a santificação toma lugar, no mo­ mento da nossa conversão? 3. Qual a relação entre a santificação e ajustificação? 4. O que está envolvido na obra constante do Espírito Santo, na santificação? 5. Como podemos nos “conformar mais e mais à ima­ gem de Cristo”? 6. Como obter vitória diária sobre a nossa velha natu­ reza pecaminosa? 7. Que passos são necessários para mortificarmos tudo quanto pertence à nossa natureza terrena? 8. Que fazer quando fracassarmos? 9. Quais as causas e resultados da apostasia? 10. Que está incluídoemnossafutura glorificação?
  • 156. IBLICAS 10a Verdade Fundamental
  • 157. A IGREJAE SUAMISSÃO A Igreja éoCorpo de Cristo, ahabitação de Deus através do Espírito, com divinas nomeações para cumprimento de sua Grande Comissão. Cada crente, nascido do Espírito, é parte integrante da Assembléia Universal e da Igreja dos Primogênitos, que estão inscritos no Céu (Ef 1.22,23; 2.22; Hb 12.23). Visto que o propósito de Deus acerca do homem é buscar e salvar os perdidos, ser adorado pelo homem e edificar um corpo de crentes segundo a imagem de seu Filho, a razão prioritária para a existência das Assembléias de Deus, como parte da Igreja, é: a. Ser uma agência de Deus para a evangelizacão do mundo (Mt 28.19,20; Mc 16.15,16; At 1.8). b. Ser um corpo coletivo no qual o homem possa adorar a Deus (1 Co 12.13). c. Ser canal do propósito divino de edificar um corpo de santos aperfeiçoados segundo a imagem de seu Filho (1 Co 12.28; 14.12; Ef4.11-16).
  • 158. As Assembléias de Deus existem expressamente com o fim de dar ênfase continuada aessa razão para existir, de acordo com o padrão apostólico do Novo Testamento, ensinando e encorajando os crentes ao batismo no Espírito Santo. Essa experiência: a. Capacita-os a evangelizar no poder do Espírito, com o acompanhamento de sinais sobrenaturais (Mc 16.15- 20; At 4.29-31; Hb 2.3,4). b. Adiciona uma dimensão necessária a uma relação de adoração com Deus (1 Co 2.10-16; 12 - 14). c. Capacita-os a responder à plena operação do Espírito Santo, ao expressar ofruto, osdons eoministério que se viam nos tempos neotestamentários, para a edificação do Corpo de Cristo (1 Co 12.28; 14.12; Gl 5.22-26; Ef4.11,12; Cl 1.29).
  • 159. 10 AIgreja eSuaMissão QUE É A IGREJA? A palavra “igreja”traduz o vocábulo grego ekklesia, que se deriva de ek„ “para fora”, e de kaleo, “chamar”. Entre­ tanto, na Bíblia, é usada para indicar qualquer assembléia. O uso, e não a derivação, lhe determina o sentido. O uso bíblico mostra que se havia perdido o sentido de “chama­ dos”. “Assembléia”é amelhor tradução. Ekklesia era comu- mente usada no Oriente Próximo e Médio antigos para descrever uma assembléia de cidadãos - uma reunião oficial ou um ajuntamento precipitado, como o de uma turba (At 19.32,39,41). Na versão grega da Septuaginta (Antigo Tes­ tamento), a palavra grega foi usada para indicar a assem­ bléia ou congregação de Israel, particularmente quando o povo estava reunido perante o Senhor, nas ocasiões religio­ sas (por exemplo, Dt 9.10; 18.16; 23.1,3). Nos tempos do Novo Testamento, entretanto, os judeus preferiam o termo “sinagoga”para designar tanto oedifício quanto acongrega­ ção que nele se reunia. Por conseguinte, para distinguirem- se dos judeus e se declararem o verdadeiro povo de Deus, tanto Jesus quanto os primitivos cristãos usavam o termo ekklesia (The New Testament Greek-English Dictionary,
  • 160. 168 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 10 AIgreja e Sua Missão Dekã'Epsilon, Springfield, Mo.: The Complete Biblical Library, 1990, pág. 336). A Igreja é, portanto, a família espiritual de Deus, uma comunidade criada pelo Espírito Santo, baseada na obra expiatória de Cristo. A palavra “igreja”é usada variegadamente, hoje em dia, àsvezespara denotar uma estrutura física, um èdifício usado por uma congregação local. Outras vezes é usada para indi­ car uma denominação. Entretanto, só existem dois usos bíblicos válidos para o termo “igreja” (assembléia). Há igre­ jas locais (assembléias), que não indicam a edificação, e, sim, os santos reunidos em assembléia, que adoram juntos em certo lugar. Num sentido bem real, todos os atributos da Igreja universal, segundo se espera, também devem caracte­ rizar a assembléia local; é o Corpo de Cristo localizado. Em conseqüência, Paulo podia referir-se àigreja (assembléia) de Deus em Corinto (1 Co 1.2). Ao mesmo tempo, há um uso mais amplo desse termo. Com base no contexto, “igreja” pode referir-se a todos os santos, através da História, bem como do mundo. E, somente na situação em que se compo­ nham de crentes genuínos, podemos dizer que as denominaçães fazem parte da Igreja universal. Há figuras de linguagem altamente descritivas, que os escritores da Bíblia usam para ajudar-nos a compreender o mistério da Igreja. Talvez a mais importante seja “Corpo de Cristo”. Cristo estava presente de forma visível na terra, durante o tempo de sua encarnação. Quando se preparava para partir, Ele tomou cuidados especiais para treinar um grupo de discípulos a quem havia comissionado para fundar eseraIgreja, aassembléiadoscidadãos doCéu (Mt 16.18,19; 18.17-20; Ef 2.19; Fp 3.20). Após sua ressurreição, Jesus soprou sobre osdiscípulos eoutros que estavam no cenáculo, concedendo-lhes certa medida do Espírito Santo. Os nomes deles já estavam escritos no Céu (Lc 10.20); eles já estavam limpos diante de Deus, tendo tomado um banho espiritual através da Palavra de Cristo (Jo 13.10; 15.3). A Antiga
  • 161. A Igreja e Sua Missão 169 Aliança fora abolida no Calvário (Ef2.15); amorte deJesus pôs em efeito aNova Aliança (Hb 9.15-17). Em conseqüên­ cia, eles já formavam um novo corpo em pacto com Deus, e Jesus lhes proporcionou a vida do Novo Pacto, através da concessão do Espírito Santo - a mesma vida que todos os crentes recebem, quando confiam que Deus levantou a Jesus de entre os mortos, através do novo nascimento (Rm 10.9,10; Stanley M. Horton, O que a Bíblia Diz Sobre o Espírito Santo, RiodeJaneiro, CPAD, 1993, Págs 140-145). Ao mesmo tempo, Jesus comissionou os discípulos e lhes conferiu autoridade. Assim, desde o dia da ressurreição, eles estavam em uma nova relação com Ele: já eram a Igreja, a ekklesia.Jesus instituiu, não uma organização, mas um orga­ nismo. Momentos antes da ascensão, Cristo exortou os dis­ cípulos a permanecerem na cidade de Jerusalém, até que fossem revestidos com poder do alto (Lc 24.49; At 1.4). No dia de Pentecoste, os 120crentes que, reunidos, louvavam a Deus (Lc 24.53), receberam individualmente a promessa do Pai, o batismo no Espírito Santo. O Espírito Santo desceu para “energizar” a comunidade dos crentes, para tornar o Cristo ressurreto disponível em toda parte, através de cren­ tes cheios do Espírito. A fim de enfatizar e visualizar a relação viva dos crentes com Cristo, a Bíblia o apresenta como o “cabeça”da Igreja, e a Igreja como seu “corpo” (1 Co 12.27; Ef 1.22,23; Cl 1.18). Há várias razões para esta analogia. A Igreja é a manifestação física - visível - de Cristo no mundo, a fazer seu trabalho, tal como chamar os pecadores ao arrependi­ mento, proclamando a verdade de Deus às nações e prepa­ rando-se para as eras vindouras. A Igreja também é um corpo, composta de um arranjo complexo de diversas par­ tes, cada qual discreta, cada qual recebendo do Cabeça, cada qual com seus próprios dons e ministérios, contudo, todos necessários à obra de Deus por vir (Rm 12.4-8; 1Co 6.15; 10.16,17; 12.12-27; Ef4.15,16). CAPÍTULO 10 AIgreja e Sua Missão
  • 162. 170 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 10 ÀIgreja e Sua Missão Outra significativametáfora usadapara descrever aIgreja é “o templo de Deus” e do Espírito Santo (1 Co 3.16,17; 2 Co 6.14 - 7.1; Ef2.11-22; 1Pe 2.4-10). “Templo” (no grego, naos), refere-se ao santuário interior, o Lugar Santíssimo, onde Deus manifestava a sua glória de maneira especial e localizada - o grego tem ainda outra palavra, hieron, que indica o completo recinto do templo, com todas as suas edificações e átrios. Deus é onipresente, mas em um sentido especial, a Igreja é sua habitação no meio do seu povo (Ex 25.8; 1Rs 8.27). A palavra “templo”é usada em 1Coríntios 3.16 para indicar a assembléia inteira. Juntas, cada assem­ bléia é o templo, porquanto Deus Pai, Cristo e o Espírito Santo estão nelas. Ademais, em 1Coríntios 6.19 lemos que o corpo do crente individual é, igualmente, o templo do Espírito Santo. Até mesmo nos tempos do Antigo Testa­ mento, embora aglória (que os rabinos posteriormente cha­ maram shekinah, termo derivado do hebraico shakan - “ha­ bitar”, “permanecer”) se manifestasse no Santo dos santos - a parte mais interior do templo - apresença de Deus não se limitava, em suasmanifestações, aoseu povo. “Porque assim diz o Alto e o Sublime, que habita na eternidade e cujo nome é Santo: Em um alto e santo lugar habito e também com o contrito e abatido de espírito, para vivificar oespírito dos abatidos e para vivificar o coracão dos contritos” (Is 57.15). Em Efésios 2.20-22, Paulo amplia a figura do tempo, a fim de incluir todos os crentes de todos os tempos: “Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina; no qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para templo santo no Senhor, no qual também vós juntamente estais, sois edificados para morada de Deus no Espírito”. Pedro, por sua vez, combinou as figuras do templo e do sacerdócio levítico: “E, chegando-vos para ele, apedra viva [note que Cristo é aquEle a quem recorremos. Ele, e não Pedro, é a “Rocha”
  • 163. A Igreja e Sua Missão 171 sobre a qual a Igreja está edificada (Mt 16.18). Note-se, também que em 1 Pedro 2.8, a palavra “pedra”, lithos, no grego, éparalela à“rocha” (no grego, petra), apalavra usada em Mateus 16.18], reprovada, na verdade, pelos homens, mas para com Deus eleita e preciosa, vós também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo, para oferecerdes sacrifícios espirituais, agradáveis a Deus, por Jesus Cristo... Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz” (1 Pe 2.4,5,9). Somos, pois, não somente otemplo, mas também oferece­ mos um ministério espiritual, entre nós mesmos, como sacer­ dotes de Deus, nesse santuário (Pedro pôde misturar essas duas metáforas porque, na Bíblia, a Igreja é sempre composta por “pessoas”). Outra vivida figura de linguagem para descrever a Igreja é “a Noiva de Cristo”. Ela enfatiza a união e a comunhão dos santos com Cristo. E usada particularmente no tocante à ansiedade da noiva a preparar-se para o casamento, pelo que também se reveste de um forte tom de esperança quan­ to ao futuro (2 Co 11.2; Ef 5.25-27; Ap 19.7; 21.2; 22.17). A figura da esposa é também usada para indicar a Igreja, pois, embora estejamos esperando uma relação mais íntima com Cristo, quando Ele voltar à terra, temos uma relação íntima com Ele desde agora (Ef5.25-32). O relacionamento do matrimônio é usado para ilustrar o amor e o cuidado de Cristo pela Igreja, bem como a devoção e a fidelidade da Igreja a Cristo. Outros termos e frases usados para a Igreja incluem “... casa de Deus, que é aigreja do Deus vivo, acoluna efirmeza da verdade” (1 Tm 3.15). A Igreja, pois, é a casa ou família de Deus (Ef 2.19), e ela sustenta e defende a verdade. E o “campo” de Deus, bem como a “edificação”, onde Ele não somente habita, mas de onde Ele espera fruto (1 Co 3.9). Ela é, por igual modo, um “exército”,equipado com “toda a CAPÍTULO 10 A Igreja e Sua Missão
  • 164. 172 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 10 AIgreja e Sua Missão armadura de Deus”,de modo aresistir aos esquemas astutos do diabo, mediante o uso da espada do Espírito, que é a Palavra de Deus, e protegida pelo escudo da fé e o capacete da salvação (Ef 6.10-17). É uma “comunhão” ou “socieda­ de” espiritual, que trabalha com o Senhor, no poder do Espírito, em amor e cuidado uns para com-os outros e em favor dos perdidos (2 Co 13.14; Fp 2.1; 1Jo 1.3). Todos nós somos “ministros”-literalmente “servos”-afazer o trabalho de Deus, edificando-nos uns aos outros através dos dons e ministérios do Espírito (Rm 12.6; 1Co 1.7; 12.4-11,28-31; Ef 4.11). Dentro da Igreja também há uma presente manifes­ tação do “Reino de Deus”. Observe que onde Marcos e Lucas dizem “o reino de Deus”, Mateus, que escreveu aos judeus, usa a expressão “o reino dos céus”. Portanto, são expressões sinônimas. Os judeus, nos tempos do Novo Tes­ tamento, preferiam evitar o nome de Deus, por temerem o estar tomando em vão. O próprio termo (nogrego, basileia), refere-se.à autoridade ou governo de um rei, e não ao território ou aos súditos. Embora a participação humana seja voluntária, o Reino de Deus está presente, sem importar se as pessoas o reco­ nhecem ou não. Só existe um Reino (regra, autoridade) de Deus, variegadamente descrito nas Escrituras como o “reino dos céus”,o “reino de Deus”,o “reino do Filho do Homem” (Mt 13.41), “meu Reino” (dos lábios de Jesus, Lc 22.30); o “Reino de Cristo e de Deus” (Ef 5.5), e “reino de nosso Senhor e do seu Cristo” (Ap 11.15). Com base nos vários contextos onde aparece a pala­ vra reino, nos evangelhos, o governo de Deus é visto como: (a) um reino, ou esfera presente, no qual as pessoas estão ingressando; e (2) uma futura ordem apocalíptica na qual os justos entrarão, terminada a era presente. Na qualidade de pentecostais, reconhecemos o papel do Espírito Santo na inauguração e ministério contínuo do
  • 165. A Igreja e Sua Missão 1 7 3 Reino. As operações do Espírito, no ministério de Jesus, provaram a presença do Reino. Jesus descreveu ogoverno do Espírito Santo no Reino de Deus. O poder do Reino, manifesto na cruz, na ressurreição ena ascensão de Cristo, transferiu-se atodos quantos foram cheios com o Espírito. A era do Espírito é a era da Igreja, a comunidade do Espírito. Através da Igreja, o Espírito conti­ nua o ministério do Reino, do próprio Jesus. O Reino de Deus, contudo, não é a Igreja. No entanto, há uma relação inseparável entre ambos. O Reino de Deus existia antes do começo da Igreja, e continuará depois que a obra da Igreja tiver se completado. A Igreja íaz, por conseguinte, parte do Reino, mas não é todo o Reino. Na era presente, o Reino [governo, regra] de Deus está em operação através da Igreja (Where We Stand, Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1990, págs. 185- 187,189,190). COMO TORNAR-SE MEMBRO DA IGREJA Através da morte expiatória deJesus Cristo, as muralhas humanas de divisão foram quebradas, e todos quantos crêem nEle tornam-se membros do Corpo de Cristo. “E, vindo, ele evangelizou a paz a vós que estáveis longe, e aos que estavam perto; porque, por ele, ambos temos acesso ao Pai em um mesmo Espírito.Assim que já não sois estrangeiros, nem forasteiros, mas concidadãos dos santos e da família de Deus; edificados sobre o funda­ mento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina; no qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para templo santo no Senhor, no qual também vós juntamente sois edificados para morada de Deus no Espírito” (Ef 2.17-22). Claramente a Bíblia nos diz: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso não vem de vós; é dom de CAPÍTULO 10 AIgreja e Sua Missão
  • 166. 174 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 10 A Igreja e Sua Missão Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie” (Ef 2.8,9). O trecho de Atos 16.31 expressa a simples verdade: “Crê no Senhor Jesus, e serás salvo, tu e tua casa”. É o Senhor quem adiciona diariamente à Igreja “aqueles que se haviam de salvar” (At 2.47). A OBRA DA IGREJA A Igreja tem tríplice objetivo. Todas as funções de um corpo local de crentes deveria relacionar-se, de maneira significativa, a um ou mais desses objetivos cardeais. Se ao examinarmos um corpo local descobrirmos que suas energi' as estão sendo consumidas por atividades que não se ajus­ tam a esses objetivos, tal igreja faria bem em reacessar suas prioridades. Há uma outra nota a ser introduzida aqui, por igual modo: é intenção de Deus trabalhar através da Igreja entre o primeiro e o segundo advento de Cristo. Estamos vivendo na era da Igreja. Um axioma digno de ser pondera­ do é o que mostra que qualquer atividade que não alimenta a Igreja, sem importar quão bem intencionado seja, não é a maneira de Deus fazer coisas nesta era. Ele escolheu a Igreja para ser a sua agência e cumprir seus propósitos no mundo atual. O primeiro objetivo da Igreja é a evangelização do mun­ do. Da mesma maneira que Jesus Cristo veio para buscar e salvar o perdido, assim também a extensão de seu corpo nesta era, a Igreja, deve compartilhar desse interesse (Mt 18.11). Pouco antes de sua ascensão, Jesus lançou um sole­ ne desafio aos discípulos: que evangelizassem o mundo, fazendodiscípulos (“aprendizes”,“pessoas ansiosasporapren­ der”), em todas as nações, batizando-os e “ensinando-os a observar todas as coisas” que Ele lhes havia ordenado (Mt 28.19,20). Uma das características da primitiva igreja de Jerusalém é que ela continuou a crescer. O Senhor acrescentava diari­ amente, à igreja, aqueles que iam sendo salvos (At 2.47).
  • 167. A Igreja e Sua Missão 175 Mesmo sobperseguição, aIgreja Primitiva espalhava amen­ sagem do Evangelho, por onde quer que seus membros fossemdispersos (At 8.4). O livro de Atos aborda o tema do crescimento, tanto espiritual quanto numérico, mostrando um número cada vez maior de centros estabelecidos, en­ quanto os crentes, dotados do poder do Espírito, continua­ vam a propalar as boas novas (Stanley M. Horton, The Book ofActs, Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1981, pág. 13). A Igreja primitiva também era caracterizada pela ênfase à Palavra falada. Paulo reconheceu que “aprouve a Deus salvar os crentes pela loucura da pregação” (1 Co 1.21). E assim, a obra da Grande Comissão continua a ser realizada. A experiência pentecostal é dada aos crentes, tendo o evangelismo como seu principal objetivo (At 1.8). O poder do Espírito Santo, ao descer sobre os crentes, expressa-se não somente no falar em línguas como a evidência física inicial ou externa, mas em poderosos atos sobrenaturais, que confirmam o testemunho verbal dos fiéis (Mc 16.15,16; Hb 2.4). Os dons do Espírito, tal como a profecia, também são meios pelos quais o Espírito Santo costuma convencer os pecadores (1 Co 14.24,25). O segundo objetivo da Igreja é ministrar a Deus, como dizocatecismo de uma grande denominação: “A principal e mais elevada finalidade do homem consiste em glorificar a Deusedesfrutar dElepara sempre” (The WestminsterLarger Catechism, Richmond: PresbyteriaiiComittee ofPublication, 1939, pág. 162). Uma frase repetida com freqüência na epístola aos Efésios, especialmente em seu primeiro capítu­ lo, acerca do propósito dos seres humanos dentro do univer­ so divino, é que sejamos para o “louvor de sua [de Deus] glória”.Agostinho, bispo de Hipona, no Norte da África, de 396 a 430 d.C., declarou que todos os seres humanos são desassossegados enquanto não encontram descansoemDeus. Os seres humanos, à parte de um relacionamento de adora­ CAPÍTULO 10 AIgreja e Sua Missão
  • 168. 176 CAPÍTULO 10 A Igreja e Sua Missão Doutrinas Bíblicas ção com o Criador, vivem desorientados e fora de tom. Fomos criados para adorar. E verdade que a adoração tem muitas avenidas de expressão. Em um sentido bem real, a wVa inteira poàe ser um granàe Yúno àe louvor aDeus. Os atos normais da vida, incluindo o arrancar a erva daninha, lavar o carro e limpar a casa, podem tornar-se um instru­ mento de adoração e louvor a Deus. Myer Pearlman, amado mestre e escritor, costumava dizer: “Se você tiver de limpar o soalho, tome o rodo e diga: ‘Não te deixarei ir enquanto não me abençoares’”. A vida inteira, pois, deveria ser uma expressão de ação de graças e de louvor. Entretanto, Deus proveu a Igreja, o corpo coletivo dos crentes, como instru­ mento especial de adoração. Não é possível ler passagens como os capítulos 11 a 14 de 1Coríntios sem reconhecer que o ministério do Espírito Santo é especialmente significativo na adoração da Igreja. Há, na Igreja, diversas operações do Espírito, que tanto edificamos adoradores como enriquecem aadoração aDeus. A adoração dos crentes émaravilhosamente abençoada pela presença manifesta do Espírito Santo. Essas manifestações geralmente são chamadas dons do Espírito. No entanto, no texto original de 1Coríntios 12.1, a palavra “dom”não está presente, apenas o termo “espirituais”. Esta palavra “por si mesmo inclui outras coisas direcionadas pelo Espírito Santo e expressas através de crentes cheios do Espírito. Mas, nesta passagem, Paulo está claramente limitando a palavra para significar os dons ou carisma graciosos” (Horton, O que a Bíblia Diz Sobre o Espírito Santo, pág. 225). A palavra grega, xarísmata, é usada realmente em 1 Coríntios 12.4,9,28,30,31; 14-1. Os escritores cristãos primitivos tomavam a palavra “es­ pirituais” como os dons espirituais. E assim reconheciam- nos como os dons sobrenaturais, cuja fonte imediata é o Espírito Santo (John Owen, The Holy Spirit, Grand Rapids: Sovereign Grace Publishers, 1971, pág. 16; idem, págs. 208 e 209).
  • 169. A Igreja e Sua Missão 177 Está implícito que Deus, através do Espírito Santo, dis­ tribui as diversas manifestações necessárias à comunidade adoradora, conforme preferir. Os dons são outorgados como um todo. É verdade que os indivíduos, na congregação, podem desenvolver um ministério que exiba um ou mais dons, mas nenhum deve ser considerado propriedade parti­ cular do crente, porquanto o Espírito dispensa suas ministrações para benefício da igreja, “conforme Ele deter­ minar” (1 Co 12.11; 14.12,32). Há diversas listas de dons do Espírito Santo: 1Coríntios 12.8-10,28; Efésios 4.11; Romanos 12.6-8. A primeira lista, em 1Coríntios 12.8-10, é o mais completo catálogo de ministérios espirituais concedido pelo Espírito ao cor­ po adorador. Essa lista é, com freqüência, chamada de “os nove dons do Espírito”. Incluem três dons de revela­ ção (a palavra de sabedoria, a palavra de conhecimento e o discernimento de espíritos), três de poder (fé, milagres e dons de curas) e três de declaração (línguas, interpreta­ ção de línguas e profecia). Todos esses dons ocupam-se com a manifestação do caráter, caminhos e propósitos eternos de Deus. Por conse­ guinte, toda palavra ou mensagem de sabedoria dada pelo Espírito “refletirá os planos, os propósitos e os caminhos de Deus para realizar coisas” (David Lim, Spirítual Gifts: A Fresh Look, Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1991, pag. 71). Isso proporcionará discernimento divino para atender necessidades e solucionar problemas (At 6.1- 7; 10.47; 15.13-21; 16.35-40, por exemplo). A palavra de conhecimento preocupa-se, especialmen­ te, com “a luz [iluminação] do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo” (2 Co 4.6), bem como sobre “o cheiro do seu conhecimento” (2 Co 2.14). Esse dom revela aplicações do Evangelho à vida cristã e, ocasional­ mente, revela fatos que somente Deus conhece. Donald Gee descreveu-o como “relâmpagos de discernimento quan­ to à verdade”, que penetram além da operação de nosso CAPÍTULO 10 AIgreja e Sua Missão
  • 170. 178 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 10 A Igreja e Sua Missão intelecto desassistido (Donald Gee, Spiritual Gifts in the Work of the Ministry Today, Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1963, pág. 29). O dom da fé não destaca a fé ordinária, nem é a fé salvífica. “O crente ativo e vibrante inclina-se mais por ver esse dom em ação, quando reivindica o poder de Deus para as necessidades presentes. Oração fervorosa, alegria extra- ordinária e ousadia incomum acompanham o dom da fé. Pode incluir a capacidade especial de inspirar fé em outros, conforme fez Paulo a bordo do navio, durante o temporal” (Lim, Spiritual Gifts, págs. 74 e 75; ver At 27.25). No original grego, em 1Coríntios 12.9,10, há três con­ juntos de plurais: dons de curas, operações de maravilhas e discernimentosde espíritos. Essesplurais apontam para uma certa variedade de manifestações desses dons. Também po­ dem indicar um dom específico para acura de uma enfermi­ dade particular, sendo o que ministra o dom o agente através do qual o Espírito Santo opera. Operações miraculosas são descargas de energia divina em uma categoria mais ampla do que as curas. No livro de Atos, tais operações encorajavam a missão da Igreja. Exem­ plos talvez incluam o julgamento de Ananias e Safira, o julgamento de Elimas, o livramento de Pedro da prisão e a preservação de Paulo das picadas de uma serpente. Profetizar significa apenas “falar em lugar de Deus”, em linguagem conhecida, revelando o progresso do Reino de Deus. O pecador é convencido ao ver revelados os segredos do seu coração (1 Co 14-24,25). O dom da profecia produz edificação e encorajamento aos crentes (At 15.32). Com as “distinções entre espíritos”, seu uso no plural indica tambem uma variedade de expressões do dom. Não devemos crer em todo espírito, mas submetê-los a teste (1 Jo 4-1). Dentro da batalha espiritual que ocorre neste mun­ do, precisamos distinguir quem é o inimigo. Mas o espírito humano também pode ser um ofensor.
  • 171. A Igreja e Sua Missão 179 O dom de línguas inclui tipos ou famílias de idiomas. Na assembléia, uma mensagem em línguas precisa ser interpre­ tada a fim de produzir edificação. Mesmo quando a língua importa em oração ou louvor, deveria haver interpretação. A interpretação, no entanto, não é necessariamente uma tradução estrita; antes, dá o sentido ou conteúdo essencial Jaquilo que é dito em línguas (Horton, O que a Bíblia Diz Sobre o Espírito Santo, págs. 301-303). A igreja espiritual, que adora, é um poderoso arsenal de poder que Deus emprega em suaguerra contra as hostes das trevas. De fato, “qualquer que seja anecessidade da igreja, o Espírito tem algum dom para satisfazê-la” (idem, pág. 209). Mediante acombinaçãodasquatrolistasdeRomanos, Efésios e 1Coríntios, “de diversas maneiras, é possível chegarmos a um total de entre 18 a 20 dons” (idem, pág. 210), que incluem “dons para o estabelecimento ematuridade da igre­ ja, onde todos os membros podem receber dons e contribuir para a edificação do corpo local. Em segundo lugar, são concedidos os dons para a edificação do corpo local, através de membros individuais. Em terceiro lugar, dons para servir e evangelizar” (idem, págs. 278-280). O último grupo inclui os seguintes dons: 1. Dons administrativos (1 Co 12.28) - uma variedade de expressões que ajudam os que estão em posição de lide­ rança. 2. Dons de ajuda ou feitos de ajuda - inspiram os crentes a ajudarem uns aos outros ou a tomar o papel de alguém numa situação difícil. 3. Dons de ministério (serviço, diaconato) - vários tipos de serviço espiritual e prático, incluindo a distribuição de ajuda aos pobres, inspirando a generosidade. 4. Dons de governo (orientação, cuidados, prestação de ajuda) - auxiliam os líderes a cuidar das almas e levam a 'igreja a preocupar-se em ajudar a outros sob a liderança estabelecida por Deus. CAPÍTULO 10 A Igreja e Sua Missão
  • 172. 180 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 10 ÀIgreja e Sua Missão 5. O dom da demonstração de misericórdia (Rm 12.8) - inspira um cuidado gracioso e compassivo pelos necessita­ dos em geral, enfermos, famintos, indigentes e prisioneiros. E o último na lista de Romanos 12, mas não é o menor dos dons (Mt 25.31-46). Todos esses dons são necessários. O Espírito Santo os distribui de acordo com a necessidade, mas devemos estar dispostos a responder em fé e obediência. Assim, a assem­ bléia local será edificada tanto espiritual quanto numerica­ mente. De fato, se há uma resposta adequada do corpo adorador, mediante afé, todos esses dons deveriam estar em operação na igreja. Tais operações são um privilégio dos crentes, e mais que isto, pois, conforme as nuvens de trevas cobrirem a face da terra, a Igreja precisará de todos os recursos espirituais disponíveis para resistir ao assédio do secularismo, materialismo, ocultismo, filosofias da Nova Era e outros artifícios sutis de Satanás, cujo propósito é enfra­ quecer o nosso testemunho. A história da Igreja tem mostrado sua dependência de recursos humanos. Enquanto fundos, equipamentos, ho­ mens emulheres, materiais ehabilidades técnicas estiverem em disponibilidade, os projetos poderão ser levados com toda a expectação de sucesso. Não obstante, falham a despeito de todas as coisas. Por outra parte, alguns tem começado com quase nada, mas com uma tremenda confi­ ança em Deus e adependência dos dons edoEspírito Santo, e até o impossível tem sido feito. Egrande coisa aprendermos a usar os recursos humanos disponíveis, ao mesmo tempo em que defendemos do Espí­ rito Santo. Os dons do Espírito ainda são os meios primários de edificar a Igreja espiritual e numericamente. Nada mais pode fazê-lo (idem, pág. 307). Há um terceiro objetivo da Igrejaneotestamentária: edi­ ficar um corpo de santos (crentes dedicados),nutrindo-os a fimde que seconformem àimagemde Cristo. O evangelismo é a conquista de novos convertidos; a adoração é a Igreja
  • 173. A Igreja e Sua Missão 181 voltada para Deus; a nutrição é o desenvolvimento dos novos convertidos em santos maduros. Deus preocupa-se grandemente em que osrecém-nascidos cresçam na graça (à base de Ef 4.11-16; cf. 1 Co 12.28; 14.12). Paulo enfatiza repetidamente o anelo de Deus pela maturidade espiritual dos crentes (1 Co 14.12; Ef4.11-13; Cl 1.28,29). Como pode alguém saber que está crescendo à imagem de Cristo? Como pode uma igreja medir seu sucesso ao produzir a maturidade cristã em seus membros? Gálatas 5.22-26 oferece um belo conjunto de virtudes chamado “o fruto do Espírito”: amor, alegria, paz, paciência, bondade, benignidade, fidelidade, mansidão e domínio próprio (ver “The Acts ofthe Sinful Nature and the Fruit ofthe Spirit”, em The Full Life Study Bible, Grand Rapids: Zondervan Bible Publishers, 1990, pág. 395). Os que exibem tais carac­ terísticas de caráter são declarados como quem está cum­ prindo a lei ou instrução de Cristo. Precisamos tomar parte ativa nisso. Lemos em 2 Pedro 1.5-11: Porissomesmo,vós,reunindotodaavossadiligência, associai comavossaféavirtude; comavirtude, oconhecimento; como conhecimento, o domínio próprio; com o domínio próprio a perseverança, com a perseverança, a piedade; com a piedade, a fraternidade; com a fraternidade, o amor. Porque estas coisas, existindo em vós e em vós aumentando, fazem com que não sejais nem inativos, nem infrutuosos no pleno conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo. Pois aquele a quem estas coisas não estão presentes é cego, vendo só o que está perto, esquecido da purificaçãodosseuspecadosdeoutrora. Porisso,irmãos,procurai, com diligência cada vez maior, confirmar a vossa vocação e eleição; porquanto, procedendo assim, não tropeçareisemtempo algum. Pois, dessamaneira é que vos será amplamente suprida a entradanoreinoeterno denossoSenhoreSalvadorJesusCristo. A tareia da Igreja não terminará enquanto não ajudar seus membros a crescerem espiritualmente, a fim de que os vários dons do Espírito equilibrem-se à exibição dos vários aspectos do fruto do Espírito (1 Co 13). CAPÍTULO 10 A Igreja e Sua Missão
  • 174. 182 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 10 A Igreja e Sua Missão A Igreja tem uma vocação que se dirige para o alto. Disse Paulo: “Prossigo para o alvo, pelo prêmio da sobera­ na vocação de Deus em Cristo Jesus” (Fp 3.14). Hebreus 3.1 lembra que somos santos irmãos, “participantes da vocação celestial”. Efésios 1.3,4 declara: “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo, como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis di­ ante dele em caridade”. A Bíblia não está se referindo à predestinação, mas dizendo que aIgreja foi escolhida como um corpo predestinado a ser santo. Todos os que preferem crer tornam-se parte da Igreja e compartilham de seu des­ tino. Na Igreja, “a posição do crente e suas bênçãos são espirituais, celestiais e eternas” (Ernest Swing William, Systematic Theology, vol. 3, Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1953, pág. 107). PERGUNTAS PARA ESTUDO 1. Como era usada a palavra “igreja” (ekklesia) nos tem­ pos bíblicos, e em que isso se compara à maneira usada hoje em dia? 2. Qual é a evidência de que a Igreja existia já antes do dia de Pentecoste? 3. As epístolas aos Efésios e aos Colossenses chamam Cristo de Cabeça, enquanto que a Igreja é chamada seu Corpo. Na epístola aos Efésios, é a Cabeça ou o Corpo que recebe maior destaque? e na epístola aos Colossenses? 4- Quais são as três maneiras em que a figura do tempo é usada em relação à Igreja?
  • 175. A Igreja e Sua Missão 183 5. Alguns, hoje em dia, tratam a Noiva de Cristo como uma companhia especial de supercrentes. Onde nos levará esse ensino, e quais as razões para crermos que o Corpo é a totalidade da Igreja verdadeira? 6. Qual a relação entre a Igreja e o Reino de Deus? 7. Quais as condições para alguém tornar-se membro da Igreja, segundo o Novo Testamento? Como isso se compara às condições para alguém ser membro da assembléia local? 8. Quais prioridades nos dá o Novo Testamento quanto ao trabalho da Igreja? O que está a sua própria assem­ bléia local a fazer, para pôr essas prioridades em efei­ to? 9. Qual é o propósito primário do Espírito Santo, no ministério de seus dons, na assembléia local? 10. Quando devemos esperar que o Espírito Santo nos dê seus dons? 11. Que dons são mais freqüentemente negligenciados na assembléia local, hoje em dia? 12. Que dons são mais necessários à sua própria assem­ bléia local, hoje em dia? 13. Por que é importante que desejemos ou busquemos os dons do Espírito? 14- Como crescermos eesperar que outros cresçam espiri­ tualmente? CAPÍTULO 10 A Igreja e Sua Missão
  • 176. IBLICAS 11a Verdade Fundamental
  • 177. OMINISTÉRIO Um ministério divinamente designado e biblicamente ordenado foi provido por nosso Senhor Jesus Cristo com o tríplice propósito de liderar a Igreja na: (1) evangelização do mundo (Mc 16.15-20; (2) adoração a Deus (Jo4.23,24); (3) edificação de um corpo de santos que está sendo aperfei­ çoado segundo a imagem do Filho de Deus (Ef 4-11,16).
  • 178. n o Ministério ORGANIZAÇÃO DA IGREJA A Igreja é mais do que uma organização; é um organis­ mo vivo. O cabeça da Igreja éJesus Cristo (Ef 1.22,23). Ele a nutre, proporcionando-lhe vida espiritual. Um organismo vivo, porém, deve ter estrutura. Nada é mais organizado no reino natural do que as células vivas. No Antigo Testamen­ to, as tribos eram organizadas tanto para estar em marcha, como acampadas (Nm 2-4). Semelhantemente, aIgreja tam­ bém é um arranjo ordeiro e estruturado de partes, cujo padrão é a igreja apostólica. A estrutura adotada no Novo Testamento era bastante simples. Tudo era feito de acordo com as necessidades emergentes. Por exemplo, eles só ado­ taram o diaconato quando este tornou-se realmente neces­ sário. Um princípio geral, no desenvolvimento da Igreja, era quecadaassembléialocalconstituíaumgrupoautogovernante semconexões hierárquicas além de simesma. A exceção era a autoridade especial conferida aos apóstolos, que a exerci­ am sobre várias igrejas. Dava-se isto em virtude do relacio­ namento especial que eles tinham com Cristo. Após a morte dos apóstolos, tal autoridade deixou de ser exercida.
  • 179. 188 Doutrinas Bíblicas CAPITULO Em suas viagens missionárias, por exemplo, Paulo con- :.iduzia as eleições'para os anciãos das diversas igrejas. Era ele 0 Ministério respeitado, em todas elas, como alguém dotado de autorida­ de especial. Em Atos 14.23, a palavra “eleição” (em grego xeirotonesantes) significaliteralmente “conduzindo uma elei­ ção pelo soerguimento de mãos”. Havia dois tipos básicos de ministérios na igreja apostó­ lica. Um deles era itinerante e carismático; o outro era local e eleito. O primeiro envolvia ministérios e não apenas fun­ ções no sentido moderno do termo, e era igualmente itinerante: os que o exerciam viajavam por toda a parte, confirmando as igrejas locais. Era ainda um ministério carismático: consistia em administrar as manifestações so­ brenaturais do Espírito, visando a edificação dos santos (Ef 4.8,11-14). O outro tipo de ministério era local. Os que o exerciam permaneciam numa localidade específica. Eram estes eleitos pela congregação local de acordo com qualifi­ cações prescritas pelos apóstolos (At 6.3; 1Tm 3.1-13; Tt 1.6-9). Tanto oslíderes itinerantes quanto os carismáticos eram separados e recebiam o ministério por orientação divina. Paulo qualificou tais ministérios como dons de Cristo, citan­ do Salmos 68.18: “Tu subiste ao alto, levaste cativo o cati­ veiro; recebeste dons para os homens e até para os rebeldes, para que o SENHOR Deus habitasse entre eles” (Ef 4.8). Semelhante imagem foi tirada ao antigo costume dos con­ quistadores que, após tomarem uma cidade, levavam os seus habitantes cativos, transformando-os em escravos, e dando- os de presentes aos amigos. Assunto ao céu, Jesus toma os cativos para si mesmo, e entrega-os como dons à Igreja. Notemos como Paulo chamou a sipróprio de servo de Jesus Cristo, literalmente doulos - escravo, no grego (Rm 1.1: Fp 1.1). Efésios 4.9,10 é um parênteses que identifica Jesus como aquele que ascendeu ao alto. Em seguida, Paulo mos­ tra que os dons entregues aos homens são os ministérios: apóstolos, profetas, evangelistas e pastores-mestres.
  • 180. O Ministério 189 O colégio apostólico original era formado por doze ho- CAPITULO r.iens, que exerceram o ministério quando do estabeleci- mento da Igreja (At 1.20,25,26). Mas as suas atividades não q iy[jnjsfprjn :oram encerradas com a sua morte. Quando Jesus assentar- >e no seu glorioso trono, durante o reino milenial, eles também assentar-se-ão “sobre doze tronos, para julgar as doze tribos de Israel” (Mt 19.28). Tal prerrogativa mostra os 12 apóstolos como um grupo limitado. Entretanto, o NovoTestamento indica que havia outros apóstolos (no grego, apostoloi, “embaixadores”, “enviados com uma mis­ são”) que também haviam sido dados como dons à Igreja. Entre estes acham-se Paulo e Barnabé (At 14-4,14), bem como os parentes de Paulo, Andrônico e Júnias (Rm 16.7). Entretanto, Paulo falou daqueles que eram apóstolos antes dele (G1 1.17). Também falou de como Jesus havia aparecido a todos os apóstolos, e, “em último lugar” a ele como “um nascido fora de tempo” (1 Co 15.7,8; cf. 9.1). “Tem-se a impressão de que o restante dos apóstolos, além dos doze, mencionados no Novo Testamento, também pertenciam a um grupo limitado, do qual Paulo foi o último (Stanley M. Horton, What the Bible Says About the Holy Spirit, Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1976, pág. 265). O ministério apostólico tinha três características bási­ cas. Primeiramente, os apóstolos foram comissionados pelo Senhor Jesus, já ressurrecto (At 1.2), fazendo-se as primei­ ras testemunhas deste fato histórico. Notemos como Paulo defendeu seu apostolado em 1Coríntios 15.8-10; 2Coríntios 12.12; Gálatas 1.1,12,16; 2.8. Em segundo lugar, os apósto­ los tinham como única missão estabelecer a Igreja e produ­ zir as Escrituras do Novo Testamento. Semelhante tarefa não poderia estar inacabada após a sua morte, pois teria de ser executada por aqueles que haviam estado com Jesus, ou que houvessem travado contato direto com os membros do colégio originário (ver as qualificações exigidas para se ocu­ par o lugar deixado vago por Judas, At 1.21,22).
  • 181. 190 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO A terceira característica é um ministério (não ofício) de ^ sinais e maravilhas aplicáveis a todas as eras (2 Co 12.12). 0Ministério ^ste mmist^no estava envolvido no plantio de igrejas. Tal função é similar à tarefa do missionário pioneiro de hoje em dia (2 Co 10.16). As jornadas de Paulo fornecem-nos um padrão vivido e prático para o empreendimento missioná­ rio. Os profetas pertenciam à Igreja apostólica, e tinham um ministério específico de declarações inspiradas. Enquanto os apóstolos e evangelistas levavam o Evangelho ao mundo não-regenerado, os profetas tinham como missão consolar, edificar e exortar as várias igrejas: “Judas e Silas, que tam­ bém eram profetas, exortaram e confirmaram os irmãos com muitas palavras” (At 15.32). Sua mensagem, porém, não deveria ser tomada como infalível, mas julgada e avaliada por outros profetas da igreja local (1 Co 14-29-33; 1Jo 4.1). O ministério dos evangelistas, num certo sentido, sobre­ põe-se aos ministérios dos apóstolos e pastores no Novo Testamento. Sua função era levar, em primeira mão, o Evangelho aos pecadores. Estando já o terreno trabalhado pelos evangelistas, vinham os apóstolos com a tarefa de estabelecer igrejas. O evangelizar, todavia, não era obriga­ ção apenas do evangelista. Eis a exortação que Paulo faz ao pastor Timóteo: “... faze a obra de um evangelista...” (2 Tm 4-5). Esse qualificativo era aplicável também aos leigos. Veja, por exemplo, o caso de Filipe (At 21.8). Sua pregação das boas-novas era acompanhada por milagres, curas e ex­ pulsão de demônios. Seus ouvintes eram salvos, batizados em água e demonstravam estar cheios de alegria (At 8.6-8). “Pastores” é uma tradução do grego: poimenas. Jesus chamou a simesmo de o Bom Pastor, pois reune o rebanho, cuida das ovelhas, conhece-as, busca-as quando se perdem e, por elas, deu a sua vida (Jo 10.2-16). Os pastores e subpastores, por terem aresponsabilidade de cuidar do reba­ nho de Deus e de protegê-lo, são instados a imitar o Sumo Pastor (1 Pe 5.2,3).
  • 182. O Ministério 191 Os mestres recebiam capacitação sobrenatural para ex- CAPÍTULO rlicar e interpretar a verdade da revelação divina (Mt I 3.19,20; Ef4.11; 2Jo 10). Alguns eram itinerantes; iam de q]^jnjs^n'n igreja a igreja. Entretanto, Efésios 4.11 parece vincular os pastores e mestres num único ministério. Afinal, cabe ao pastor alimentar o rebanho com a Palavra de Deus. O próprio vocábulo “pastor”, no Antigo Testamento (em he­ braico, ro’eh), é um particípio ativo que significa literalmen­ te “alguém que alimenta”. 1 Timóteo 3.1-13 fornece detalhada instrução quanto à seleção de oficiais locais, eleitos pela congregação. O pri­ meiro desses ofícios era o “ancião” (no grego, preshuteros). Termo este que indica não somente idade, mas principal­ mente maturidade. Esse vocábulo também era usado pelos judeus para designar o “chefe da sinagoga” (Mc 5.35-38). No mundo de fala grega, nos dias do Novo Testamento, o termo “bispo” era usado como equivalente de “ancião” (At 20.17 e 20.28). Vejamos outro título que serve para designar o ancião. “Bispo” (no grego, episkopos) significa “superintendente” ou “supervisor”. Atos 20.28 indica que deles se esperava ainda que exercessem o ministério pastoral. Os deveres do ofício eram similares aos dos pastores, conforme os vemos hoje. O ancião, ou bispo, em certo sentido, era eleito pela congregação para ser o seu presidente, tendo a responsa­ bilidade de supervisionar a manutenção da pregação e do ensino. Acerca destes obreiros fez Paulo a seguinte reco­ mendação a seu respeito: “Os presbíteros que governam bem sejam estimados por dignos de duplicada honra, principalmente os que trabalham na palavra e na doutri­ na” (1 Tm 5.17). O plural “anciãos” talvez indique que os anciãos da cidade se reunissem para orientar os negócios das igrejas ali reunidas. Diz a história que o líder da igreja principal even­ tualmente tomava o título de bispo, e deixava o de ancião
  • 183. 192 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO (no grego, presbuteros) para seus assistentes. O título de 11 “pastor”ficava reservado aos líderes das igrejas menores. 0 Ministério Mais tarde a palavra “ancião” (presbuteros) foi corrom­ pida no vocábulo “priest” (em português, “sacerdote”). O uso antibíblico da palavra “sacerdote” ou “padre” remete- nos a um vocabulário estranho ao Novo Testamento, pois a Bíblia ensina a validade do sacerdócio de todos os crentes. Nenhum padre, ou pastor, deve interpor-se entre nós e Cristo, pois temos liberdade de nos dirigir diretamente ao Pai Celeste. Jesus é o único Mediador entre Deus e ahuma­ nidade. Quanto aos nossos pastores, servem eles de mestres, inspiradores e modelos à assembléia. A ordenação não os torna ministros; limita-se a reconhecer-lhes o ministério que Deus já lhes deu (ver “The Assemblies of God View of Ordination”,em Where We Stand, Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1990, págs. 87-99). Outro grupo de oficiais eleitos, na Igreja Primitiva, eram os “diáconos” (no grego, diakonos) que, originalmente, sig­ nificava “serviçal que mantinha as taças de vinho cheias”. Em seguida, veio a indicar o servo responsável por vários encargos. Entre os cristãos, os diáconos seguiam o padrão estabelecido por Jesus (Mt 20.26-28; 23.11; Jo 12.26). Em­ bora tenha sido usado inicialmente para indicar os minis­ tros, veio a designar com o tempo os obreiros eleitos pela congregação local. Os diáconos serviam como ajudantes dos anciãos, principalmente nas questões materiais como, por exemplo, o cuidado do dinheiro visando atender as viúvas (At 6.1-4; F1 1.1; 1 Tm 3.8-13). A história eclesiástica mostra-nos que eles ocupavam-se dos pobres, dos enfermos e dos fracos. As mulheres parecem ter recebido um papel nesse ministério, pois são mencionadas diaconisas em Ro­ manos 16.1 e Filipenses 4-3, bem como em 1Timóteo 3.8- 11. Em 1Timóteo3.11, apalavra“mulher”,no gregogunaikas, “mulheres”, constitui um parênteses que reforça as qualifi­ cações às diaconisas. Os diáconos, embora tivessem um ministério mais secu­ lar, deveriam também ministrar espiritualmente. Por isto,
  • 184. O Ministério 193 esperava-se que estivessem eles à altura de um elevado CAPITULO conjunto de qualificações espirituais e morais (ver “Diacons ^ and Trustees”, em Where We Stand, págs. 77-82). q FUNÇÕES DO MINISTÉRIO Os vários ministérios, quer apóstolos, quer profetas, evangelistas ou pastores-mestres, são considerados dons de Deus à Igreja (Ef4.11). Suas várias tarefas podem ser suma­ riadas da seguinte maneira: Em primeiro lugar, o ministério na Igreja Primitiva era visto como o órgão cuja função principal era levar a Igreja à evangelização do mundo. Os oficiais, quer itinerantes ou eleitos, não deveriam realizar sozinhos a obra de divulgação dasBoasNovas. Suatarefaera equiparoscrentes edirecioná- los neste sentido. Efésios 4.12 declara enfaticamente essa verdade. Quando a perseguição atingiu a igreja em Jerusa­ lém, os leigos, por haverem sido bem instruídos, e agora inspirados pelo Espírito Santo, por onde quer que fossem cumpriam esse ministério. Embora houvesse concentrações evangelísticas, o evangelismo pessoal era o principal meio de se expandir a Igreja Primitiva. Esperava-se que os con­ vertidos fossem gerados no curso normal dos encontros diários. Em seguida, eram eles encaminhados às assembléi­ as. Os ministros, noutras palavras, deveriam conduzir toda a igreja na tarefa do evangelismo mundial. Se a evangelização fosse executada apenas pelos ministros, o mundo jamais tomaria conhecido do Evangelho de Cristo. A liderança da Igreja era também responsável pelo culti­ vo de um clima de adoração e serviço (Jo 4.23,24; At 13.1,2). A disciplina da assembléia local, no que tange à adoração e ao uso dos dons espirituais, ocupa os capítulos 11 a 14 da Primeira Epístola de Paulo aos Coríntios. Nesta passagem, a Bíblia requer moderação, e não um moderador. A congregação como um todo, bem como os seus membros individuais, deveriam exercer a autodisciplina. Referências à liderança espiritual aparecem em muitas passagens doNovoTestamento. Osprincípiosquenorteavam
  • 185. 194 Doutrinas Bíblicas CAPITULO a adoração parecem servir de edificação à assembléia e à liberdade de expressão, semporém limitar a ação do Espírito 0 Ministério (1 5 .1 9 ) .Naturalmente, há fortes indícios de que as assembléiasdaIgrejaPrimitivaachavam-serepletasdecrentes batizados no Espírito Santo. A instrução quanto àadoração espiritual incluía abeleza das expressões espontâneas de louvor, sugerindo que, na Igreja primitiva, havia plena liberdade espiritual (Ef 5.18' 20). Entretanto, tudo era feito com ordem e decência (1Tm 4*13). Esta passagem sugere que havia leitura regular das Escrituras, com a pregação e o ensino da Palavra de Deus ocupando o ponto central da adoração pública. A liderança do Novo Testamento era encarregada ainda de edificar os crentes para que estes fossem transformados em santos maduros. Aliás, a razão dos vários ministérios da Igreja é exatamente “a edificação do corpo de Cristo” (Ef 4.12). A expressão “querendo o aperfeiçoamento dos san­ tos”, no início desse versículo (no grego, kattartismon) é a mesma usada para “equipar”, “fornecer completamente”, “treinar com vistas a levar a um nível de maturidade ou de plena fruição”. No versículo seguinte (Ef 4.13), o objetivo do minis­ tério está mais do que explícito: “Até que todos chegue­ mos à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, à perfeita varonilidade, à medida da estatura da plenitude de Cristo”. Nesta passagem, a expressão “per­ feita varonilidade” (no grego, teleion) enfatiza a idéia de se “permitir a alguém cumprir um destino tencionado”. Ou seja: observar a Palavra de Deus. Esse versículo des­ creve o nível de maturidade que o crente deve atingir: a “medida da estatura da plenitude de Cristo”. Sim, nosso modelo e padrão quanto à plena obediência à vontade de Deus é a vida do próprio Cristo. Efésios 4.14,15 mostra- nos o resultado desse processo de maturação que a Igreja deve produzir nos crentes através dos vários ministérios a ela confiados.
  • 186. OMinistério 195 O resultado eficaz do ministério espiritual, na casa de CAPITULO Erus, será uma assembléia de santos cujos pés acham-se :.idamente implantados; santos cujas vidas não sejam per- QMinistério :urbadas por “todo vento de doutrina” (Ef4.14). Épara uma sólida comunhão dessas que se espera sejam os novos con- ertidos conduzidos, e que os quebrantados vejam nessa -leleitosa união uma atrativa qualidade de vida (1Jo 1.3,4). .A CHAMADA PARA O MINISTÉRIO Paulo salientou, com muito critério, uma importante erdade concernente àdiversidade de ministérios (Rm 12.3- 8; 1Co 12.1-30). Dentro da admirável unidade do Corpo de Cristo, produzida pela obra do Espírito Santo, há uma rica diversidade. Nem todos osministérios têm amesma função, o mesmo dom ou o mesmo ofício. Assim como o corpo humano tem uma grande variedade de órgãos a fim de rjncionar apropriadamente, oCorpo de Cristo requer diver­ sidade de ministérios para que a Igreja possa cumprir com eficiência as ordens de Cristo. Na “diversidade da unidade”, brilha o interesse de Deus pelo indivíduo. A despeito de tunção, dom ou ofício: a despeito de quão atraente, ou oculta, seja a tarefa confiada a alguém, todos, aos olhos de Deus, são importantes. Cada crente será recompensado de acordo com a sua fidelidade. A ênfase bíblica sobre o valor e a integridade do indiví­ duotem tremendas implicações quanto àcompreensão apro- :riada das pessoas eda sociedade: milita contra o totalitaris­ mo e o coletivismo que vem caracterizando os regimes tota­ litários. Deus produz a variedade de que a Igreja precisa? A resposta jaz na chamada de Deus, algumas vezes designada como adoutrina da vocação. O campo de trabalho, a obra a rxecutar, não é uma questão de escolha pessoal. E, acima de rudo, a resposta obediente à chamada de um Deus sobera­ no. O chamamento de Deus não visaapenas asalvação, mas :ambém o serviço dos santos.
  • 187. Doutrinas Bíblicas Nos evangelhos, Jesus é descrito com freqüência a cha­ mar pessoas. Sua chamada era ao discipulado, ou seja: para que os chamados se tornassem aprendizes, alunos. Seguir a Jesus, para dEle aprender, significa deixar o passado e ren­ der cada aspecto da vida ao grande Mestre. Incluía não somente livramento do pecado, mas um programa inteira­ mente inédito para a vida diária. Disse o Senhor: “Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens” (Mt 4-19). Juntamente com a salvação, há a chamada para o servi­ ço. Somos salvos, num sentido bem real, para servir. A salvação é mais do que escapar do inferno; é um portão à plenitude de vida e à utilidade no Reino de Deus. Em sentido amplo, todos são chamados a servir. Todos quantos conhecem a Jesus como Salvador, jamais devem abandonar a condição de discípulos. São “aprendizes”;dese­ jam intensamente conhecê-lo e servi-lo cada vez melhor. Nesse particular, devemos estar atentos ao conceito de que todos os crentes foram chamados para serem sacerdotes e reis (1 Pe 2.5,9; Ap 1.5,6). Visto que Cristo preparou um novo e vivo caminho para o Santo dos Santos (no Céu), todos temos acesso ao trono de Deus (Hb 10.18-22). É um privilégio pertencer à família de Deus. A poderosa implica­ ção dessaverdade éque nenhum intermediário humano faz- se necessário para pleitear-nos as questões diante de Deus: Jesus Cristo é o nosso Grande Mediador - o único Media­ dor. Ele abriu-nos o caminho para que comparecêssemos diante do trono da graça. Nesse sentido, cada crente é um sacerdote de Deus; cada crente é um ministro de Deus. A doutrina do sacerdócio universal deita por terra o dogma medieval de que a salvação deve ser dispensada através de alguns poucos indivíduos especiais: a hierarquia da Igreja. A injustificável divisão surgida entre o clero e o corpo laico, durante a longa noite da história eclesiástica, foi interrompida pela Reforma Protestante no século XVI. Com os reformadores, a doutrina neotestamentária do sa­ cerdócio de todos os crentes foi ressuscitada a partir do
  • 188. OMinistério 197 ensino apostólico que jazia no esquecimento. Devemos to- CAPÍTULO mar muito cuidado para que nós, pastores, não caiamos na mesma armadilha. Não podemos estabelecer outro sacerdó- q|y|jnjsfprin cio entre os crentes e Deus, pois através de Cristo todos remos acesso ao trono da graça. Não resta dúvida de que a doutrina do sacerdócio uni- versai dá a todos os crentes igual posição perante Deus, tomando desnecessário um sistema sacramental terreno, com seus rituais e sacerdotes. Todavia, Deus continua a chamar os seus servos a exercerem funções particulares e específicas em sua Igreja. Embora não haja diferença quali­ tativa no valor do ministro em relação ao leigo, há diferen­ ças quanto às funções. E apesar de não querermos diminuir demaneira alguma a chamada do corpo laico- que também é usado pelo Espírito Santo para proclamar o Evangelho de Cristo - a Bíblia dispensa atenção toda especial à chamada dos que foram encarregados da supervisão espiritual da Igre- ia. Com a ordenação dos ministros, a Igreja reconhece de que Deus, realmente, conferiu-lhes um ministério, epor isto ãaverãodecumprirfielmenteàsuachamada (ver“Assemblies ofGod View”, em Where We Stand, págs. 87-99). Paulo achava-se plenamente consciente quanto à ori­ gem divina de seu apostolado. Ele sabia que, na presciência de Deus, fora encarregado de uma tremenda responsabilida­ de. O Senhor o havia chamado para ser apóstolo, tornando- o “servo” (nogrego, doulos, “escravo”) de Cristo e da Igreja. Ele fora separado para o ministério especial da Palavra de Deus (Rm 1.1). Ao escrever aos Gálatas, Paulo sublinhou o rato de que não assumira por simesmo o ministério, porque lhe fora este conferido pelo próprio Deus (G1 1.1). A ênfase de Paulo sobre a liderança de servo está em consonância com o exemplo e os mandamentos de Cristo. Certa feita, Jesus chamou uma criancinha, e pô-la de pé entre os seus discípulos, observando-lhes: “Em verdade vos iigo que, se não vos converterdes e não vos fizerdes como rrianças, de modo algum entrareis no Reino dos céus” (Mt
  • 189. 198 Doutrinas Bíblicas CAPITULO 18.3). Passados alguns, referendou-lhes o mesmo ensino: ^ „“Bem sabeis que pelos príncipes dos gentios são estes dcmi- 0 Ministério n a c lo s eC1LICos grandes exercem autoridade sobre eles. Não será assim entre vós; mas todo aquele que quiser, entre vós, fazer-se grande, que seja vosso serviçal; e qualquer que, entre vós, quiser ser o primeiro, que seja vosso servo, bem como oFilho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e para dar a sua vida em resgate de muitos” (Mt 20.25-28; ver também Lc 22.25,26). Os que são chamados para algum ministério especial, não devem se preocupar em chegar ao topo, nem buscar fama, poder ou privilégios espe­ ciais. Mas que se entreguem ao Senhor e ao próximo num serviço amoroso, fiel e humilde. Quanto ao seu avanço, Deus cuidará de tudo de acordo com a sua soberana vonta­ de. Que aproclamação do Evangelho, incluindo sua prédica e ensino, requer uma chamada especial da parte de Deus, é evidente pelo relato do livro de Atos. A liderança da igreja em Jerusalém viu-se de repente envolvida noutras ocupa­ ções, deixando de lado sua chamada primária: o ministério da Palavra e da oração. Mas os apóstolos foram despertados a tempo, nascendo dessa conscientização a instituição do diaconato. Coisa alguma deveria impedir o pleno exercício do ministério da Palavra: “Mas nós perseveraremos na ora­ ção e no ministério da palavra” (At 6.1-4). Uma palavra final deve ser acrescentada acerca da cha­ mada para o ministério. De fato, é Deus quem determina a chamada de seus servos para a execução de trabalhos espe­ cíficos no ministério cristão. Entretanto, isso não exclui a aspiração de jovens capazes e dinâmicos de se envolverem na Seara do Mestre. Neste caso, há uma evidente coopera­ ção divino-humana. “Esta é uma palavra fiel: Se alguém deseja o episcopado, excelente obra deseja” (1 Tm 3.1). Nem todos os que desejam - e nem todos os que se preparam para o ministério -serão realmente chamados por Deus: Mas é recomendável que jovens capazes, enérgicos, e
  • 190. OMinistério sadios moral e espiritualmente apresentem-se ao Senhor, exercitando-se para o serviço cristão, e esperando aorienta­ ção divina. Na época em que vivemos, há um grande perigo ne osjovens fecharem os ouvidos à chamada específica para : ministério. Por isto, não podemos nos equivocar com avoz -e Deus. Não podemos também visar apenas ao nosso bem- estar pessoal, pois ao nosso redor há um mundo que suspira por ouvir a mensagem do Evangelho. Que o nosso serviço contribua para a maior glória de Deus. PERGUNTAS PARA ESTUDO 1. Por que a organização da Igreja é importante? 2. Por que os ministérios itinerantes e carismáticos deveriamserconsideradosprimariamente comomi­ nistérios? 3. Quais eram as atribuições do ministério apostólico nos tempos neotestamentários, e como esse minis­ tério difere do apostolado de nossos dias? 4. Qual era o ministério básico dos profetas na Igreja do Novo Testamento? 5. Como se relacionam entre si os ministérios de evangelismo, pastor e mestre? 6. Qual era a função do ancião-bispo nos tempos do Novo Testamento, e qual a sua relação com o ministério pastoral nos dias de hoje? 7. Qual a função do diácono nos tempos do Novo Testamento, e como este ministério é desenvolvi­ do em sua igreja? 8. O que você tem aprendido acerca da natureza dos cultos de adoração no Novo Testamento?
  • 191. 200 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 11 9. Como podemos ajudar-nos uns aos outros a nos tornarmos crentes maduros e estáveis? 0 Ministério 10. Qual a essência da chamada para o ministério de tempo integral? 11. Em que sentido todos os crentes são ministros? 12. Será errado desejar uma chamada para um minis­ tério por tempo integral? Explique.
  • 192. E8LICAS 12- Verdade Fundamenta!
  • 193. o> CURADIVINA s curas divinas são parte integral do Evangelho, livramento das enfermidades nos éprovido na expiação, e é privilégio de todos os crentes (Is 53.4,5; Mt 8.16,17; Tg 5.14-16).
  • 194. CuraDivina OARGUMENTO EMFAVORDAS CURAS As enfermidades e a morte entraram à experiência hu­ mana por causa do pecado. Através da queda, no jardim do Eden, o pecado e a morte passaram a todos os seres huma­ nos (Rm5.12). Parte da maldição ocasionada pela queda foi a sujeição do corpo humano às enfermidades e à morte física. A morte é considerada maldição, conceito este clara­ mente ensinado nas Escrituras (Gn3.19; Pv 11.19; Tg 1.15). Deus, porém, prometeu livrar o seu povo da maldição das enfermidades do Egito, se eles o servissem (Ex 15.26; Dt 28.15-68). Paulo ensinou que “o último inimigo que há de ser aniquilado é a morte” (1 Co 15.26). As enfermidades e sua conseqüência eventual - amorte - sem dúvida são uma penalidade por causa do pecado (Gn 2.17), mas devemos evitar supor que todas as enfermidades e morte sejam conseqüência direta de um pecado imediato. A enfermidade está no mundo por causa do pecado, mas Jesus reconheceu que a maldição é geral e aflige as pessoas independente de retidão pessoal ou de pecado (Lc 13.1-4).
  • 195. 204 Doutrinas Bíblicas CAPITULO O pecado pode estar envolvido, como no caso do homem a Quem Jesus curara no poço de Betesda, que foi advertido a Clira Divina Parar Pecar (J °5.14). Por outro lado, Jesus deixou bem claro que nem o homem que nascera cego, nem seus pais tinham pecado. Explicou também que, em tais casos, a cura era simplesmente uma oportunidade de mostrar a obra de Deus (Jo 9.1-3; Mc 2.12). Até ao término da ordem atual, porém, faz parte da vida humana o sofrer enfermidades e doenças que estão no mundo como penalidade por causa da queda (Ap 21.4; 22.2,3). Mas chegará o dia em que não haverá mais maldição. O próprio diabo é o autor da enfermidade e da morte (Hugh Jeter, By His Strípes, Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1977, pág. 25). Deus não deveria ser acusado pela tragédia e miséria humanas. Pois essas coisas são produzidas por obra do diabo (Tg 1.17). Jesus saiu por toda a parte fazendo o bem e “curando a todos os oprimidos do diabo” (At 10.38). Que Satanás, o adversário, é o res­ ponsável pela escravidão -tanto física quanto espiritual -na qual as pessoas se encontram, há forte apoio na Bíblia (Lc 13.11-17; Hb 2.14,16 e ljo 3.8). Existe ainda outro aspecto na questão das curas. Sem importar se alguém considera o ser humano constituído de três partes (corpo, alma eespírito) ou duas (aparte material e a parte imaterial), há uma verdade que carece de ser enfatizada: osseres humanos seriamincompletos como espí­ ritosdesincorporados. Precisamdeumcorpofísico.Oshebreus estavam tão cônscios desse fato que concebiam cada ser humano como uma unidade. O próprio Deus soprou a vida na poeira úmida a qual dera a forma de homem (Gn 2.7). O sepulcro era considerado lugar de terror, e os videntes do Antigo Testamento olhavam para o futuro na esperança de um tempo de ressurreição, em que alma e corpo seriam outra vezreunidos (Gn 47.30; Dt 31.16; 1Rs 1.21; Jó 14-13- 15; Dn 12.2; Hb 11.19,35). No Novo Testamento, a grande ênfase paulina à ressur­ reição está alicerçada na crença de que estamos incomple-
  • 196. Cura Divina 205 tos quando sem corpo, como implícito em 2 Coríntios 5.3. CAPITULO Todo o capítulo 15 de 1Coríntios está ancorado na grande ^ — esperança que se tornou possível para o crente por meio da pjvjna ressurreição de Cristo, como as primícias dos mortos. O que supõe, do ponto de vista bíblico, um papel importantíssimo para o corpo humano. Os antigos gregos e outros povos pagãos consideravam o corpo a prisão da alma. Platão recordava Sócrates ao falar em estar “sepultado naquilo que trazemos conosco, ao que chamamos de corpo, dentro do qual estamos aprisionados como uma ostra em sua carapaça” (Phoedrus, 250c. Platão, vol. 1, tradução de Harold N. Fowler. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1914, pág. 485). Mas não era assim que pensavam os escritores da Bíblia. Para eles, o corpo é o templo do Espírito Santo, habitação de Deus. E ao crente foi garantido, pela ressurreição de Cristo, que seu corpo será ressuscitado, não em sua frágil forma atual, mas numa forma glorificada e imorredoura (1 Co 15.42). A grande ênfase das Escrituras à ressurreição física sublinha a importância do corpo humano aos olhos de Deus. O corpo é um veículo que expressa a vontade de Deus nesta vida. Por esta razão, não devemos abusar dele. Deus está interessado no bem-estar de nossos corpos. O GRANDE MÉDICO A questão seguinte, pois, é se Deus está disposto a curar nossos corpos, enquanto vivemos neste mundo tão marcado pela queda. Faz parte da natureza divina o curar. O grande título veterotestamentário para descrever esse aspecto da nature­ za de Deus acha-se em Êxodo 15.26: “Eu sou o Senhor que te sara”.O hebraico diz ‘Ani Yahweh roph’eka, que também poderia ser traduzido por: “Eu souoSenhor, teu Médico” (Jr 8.22). A forma do verbo é um particípio ativo, usado para enfatizar que essa é, de fato, a natureza de Deus. A palavra hebraica ka é um singular, e chama a atenção para um
  • 197. 206 Doutrinas Bíblicas CAPITULO relacionamento pessoal, individual. Por certo, se era de sua natureza ocurar, até hoje assimpermanece. Deus não muda. Cura Divina Salmos 103.3 fala daquEle que “sara todas as tuas enfermi­ dades”. Entretanto, uma vez mais, particípios ativos são usados, pelo que o trecho diz, literalmente: “O Perdoador de todos os teus pecados [feitos errados, injustiças, causas de dano, tribulação ou falsidade], o Médico para todas as tuas doenças”.Não existe doença que Deus não possa curar. Faz parte de sua natureza mover-se contra tudo que aflige ou atormenta os que se chegam a Ele confiantes. A propensão de Deus em curarpode serentendida ainda de outra maneira. Deus é o Doador da vida. No Antigo Testamento, episódios de cura sobrenatural trazem com freqüência a expressão “vive”para descrever a recuperação física. Muito apropriado, porquanto Deus é o Criador, a própria Fonte da Vida e, como tal, a verdadeira Fonte de cura. O diabo destrói; o Senhor Deus livra. Ele torna vivo. O Pai enviou o Filho para que pudéssemos ter a vida, evida com abundância (Jo 10.10). Deus é amor (1 Jo 4-8). Sua natureza é amar. Ele cura porque curar constitui um ato de amor. A razão pela qual Deus livrou a Israel não foi por serem eles um povo assim tão grande emaravilhoso, mas por causa de seu amor. Ele havia prometido ser fiel aos descendentes de Abraão, Isaque e Jacó, e seu caráter, que o levava a observar o pecado do povo, foi assim conhecido (Dt 7.7,8). Profunda­ mente entretecido na relação que Deus mantinha com Isra­ el estava o seu amor, de modo que uma boa tradução para o termo “fidelidade”, no Antigo Testamento, é “amor cons­ tante”. Deus, ogrande Médico, é nosso Curador, por ser Ele o Senhor do Universo. Ele é soberano sobre a sua criação, tem o poder de ferir ede curar (Dt 32.39) e pode empregar as enfermidades para atingir propósitos seus, embora sem­ pre devamos ter em mente que Ele não é o autor das enfermidades. Miriã ficou doente e foi curada como uma
  • 198. Cura Divina 207 :ção objetiva no julgamento do povo de Israel (Nm 12.10- CAPITULO 15). Deus permitiu que o reiJeorão sofresse uma enfermida- defatalcomojuízo,contra opecado (2Cr 21.18,19). AJó foi Cura Divina :ermitido passar por severo teste físico, embora seja claro, no registro bíblico, que a enfermidade e a tribulação que o atacaram foram trazidas por Satanás. Deus, o soberano do Céu e da terra, meramente permitiu que a atividade satâni­ ca prescrevesse limites para um propósito mais elevado, e, realmente, usou esse teste para obter uma vitória sobre Satanás (Jó 1.20-22; 19.25). Eimportante ter em mente que Deus se eleva acima e para além das obras do adversário, exibindo, ao final, seu poder libertador. CURA NA EXPIAÇÃO O pecado trouxe consigo aenfermidade eamorte. Deus, por sua natureza, é contra o pecado, as enfermidades e a morte. Sua graça e seu amor livram-nos da pena do pecado. Através da expiação efetuada por Cristo, no Calvário, não somente foi quebrada a maldição do pecado, mas também foi providenciado o livramento das enfermidades por ele trazidas. As curas faziam parte dos planos de Deus desde antes do alvorecer do tempo. Vistoque Deus éogrande Médico, Yahwehroph’eka, não é de se estranhar que, sob a Lei, houvesse provisão para perdão e a restauração espiritual e física. A Lei de Moisés aá atenção especial aos sacerdotes, cujo ministério aponta rara nosso grande Sumo Sacerdote, que se deixa tocar pelo sentimento de nossas fraquezas, enfatizando, assim, nossas iebilidades (Hb 4.14,15). Os sacerdotes, através da aspersão do sangue dos sacrifícios, faziamexpiação pelos pecados do povo. Um exa­ me da expiação, na Bíblia hebraica, mostra que na maioria ros casos a expiação refere-se a um resgate, apontando para a redenção através de Cristo, o derramamento de seu san­ gue em nosso favor e lugar, “ao qual Deus propôs para rropiciação pela fé no seu sangue” (Rm 3.25). Seria Ele
  • 199. 208 Doutrinas Bíblicas CAPITULO quem nos protegeria da ira de Deus, ao tirar os nossos pecados. Cura Divina A palavra “propiciação” traduz o grego hislasterion, ou seja, “um meio de fazer expiação, a fim de remover a culpa do pecado”. A mesma palavra grega também é empregada para indicar o local da propiciação ou expiação, como em Hebreus 9.5 e, na versão da Septuaginta, em Êxodo 25.17, para indicar o propiciatório, de onde a misericórdia era estendida. O propiciatório era a tampa de ouro puro coloca­ da sobre a arca da aliança. A referência ao propiciatório, tem base no capítulo 16 de Levítico, que trata do Dia da Expiação, previsto na Lei. Nesse dia, osumo sacerdote aspergiaosangue da oferta pelo pecado sobre a tampa de ouro. Dentro da arca estavam as duas tábuas de pedra inscritas com os Dez Mandamentos, o coração do pacto de Deus com Israel, aos quais opovo havia transgredido. A Lei quebrada exigia julgamento e morte. Masquandoosanguede um cordeiro semdefeito (ohebraico usa a palavra “cordeiro” para indicar tanto um jovem car­ neiro quanto um jovem bode. A oferta pelo pecado, nesse caso, requeria o sacrifício de um bode) era aspergido, estava sendo representado o oferecimento da vida impecável de Cristo, e Deus via esta vida ao invés da Lei quebrada, o que o levava à misericórdia, à bênção, à restauração e à cura. O propósito primário da expiação era purificar do peca­ do (Lv 16.30). Em Romanos 5.11, “reconciliação” é a mes­ ma palavra usada em Romanos 11.15 e 2 Coríntios 5.18,19. Fica evidente, porém, que a expiação trazia livramento da pena e das conseqüências do pecado afimde trazer arestau­ ração das bênçãos e favor divinos. Quando o povo se queixou, após o julgamento que se seguiu àrebelião encabeçada por Coré, Datã eAbirão, Deus enviou uma praga contra o povo de Israel. Moisés então ordenou que Aarão saísse do meio da congregação a fim de fazer expiação por eles, e a praga cessou (Nm 16.46-48). Lemos também que quando os homens de Israel foram
  • 200. Cura Divina 209 numerados, tiveram de dar meio siclo por sua redenção^e CAPITULO como garantia de impedimento a pragas contra eles (Êx 30.12,15). A expiação, pois, prevenia as conseqüências do ÇyraDivina recado, incluindo as enfermidades. A Bíblia deixa claro que aão há maneira de um indivíduo pagar sua própria reden- ção. Por isso Deus, em seu amor e para a glória de seu rróprio nome, proveu a expiação (Rm 3.25,26; cf. SI 65.3; 78.38; 79.9; Rm 3.21-28). Portanto, a expiação provia não somente pelo pecado, mas também por suas conseqüências, estas retratadas por Oséias, ao comprar sua esposa de volta, a grande custo para si mesmo, depois de ela o haver abandonado para seguir a deuses falsos e acabara por ser colocada àvenda no mercado de escravos (Os 3.1-5; 13.4,14; 14.4). A expiação foi tam­ bém ilustrada pela serpente de metal, pendurada em um poste no deserto, quando o julgamento divino fez com que serpentes venenosas mordessem aos israelitas. Tudo quanto o povo de Israel precisava fazer, a fim de viver, era olhar para a serpente de bronze (Nm 21.9). Ora, tudo isso teve seu cumprimento em Cristo, na cruz do Calvário (Jo 3.14- 16), onde sefezplena expiação, pela pessoa inteira. O Novo Testamento refere-se à expiação como “redenção”,que tem essencialmente, omesmo sentido. Por intermédio de Cristo, pois, temos recebido a redenção e o perdão de nossos peca­ dos (Rm 3.24; Ef 1.7; Cl 1.14; Hb 9.15). Uma vez mais, a expiação provê acerca das conseqüências do pecado. Até mesmo onde a enfermidade não aparece como resultado direto dopecado, ainda assimestá no mundo por causa dele. Por conseguinte, está entre as obras do diabo as quais Jesus veio destruir (1 Jo 3.8) e incluído na provisão divina. Porém a Bíblia indica que, até Jesus voltar, nós e o resto da criação afetada pelos resultados da queda gemeremos, porquanto ainda não recebemos a redenção de nossos cor­ pos (Rm 8.22,23). Somente quando os mortos em Cristo ressuscitarem, enósformostransformados,receberemosnovos corpos, que serão como o seu corpo glorioso (1 Co 15.42- 44,51-54).
  • 201. 210 Doutrinas Bíblicas CAPITULO 12 No paralelo entre redenção e expiação, vemos que a provisão para os nossos corpos é a redenção referida em Cura Divina R ° m a n o s8.23. Temos agora recebido operdão dos pecados, junto com a redenção de nossas almas. Mas receberemos a redenção de nossos corpos somente quando fomos arrebata­ dos ao encontro do Senhor. Então, seremos transformados segundo a imagem de Cristo (1 Co 15.51-54; 2 Co 5.1-4; 1 Jo 3.2). As curas divinas, pois, antecipam aalegria da reden­ ção do corpo e, como todas as bênçãos do Evangelho, fluem da expiação (omaterial anterior foiadaptado dolivro Where We Stand, Springfield, Mo.: Gospel PublishingHouse, 1990, págs. 47-50). O livro de Isaías, chamado por alguns de “evangelho do Antigo Testamento”, prediz claramente que os benefícios da expiação incluiriam as curas físicas. No grande capítulo 53 desse maravilhoso livro, Cristo é apresentado como o Servo Sofredor, o qual torna-se a oferta pela pena do peca­ do, fazendo expiação até mesmo pelos que o desprezariam e rejeitariam. O versículo cinco faz este admirável anúncio profético: “Pelas suas pisaduras fomos sarados”. O contexto não permite que oversículo seja espiritualizado, ou seja, que se considere apenas a cura das enfermidades da alma, por­ que os versículos anteriores falamvividamente de sofrimen­ tos físicos. “Enfermidades” é a mesma palavra usada para indicar asdoenças físicas, em 2Crônicas 16.12; 21.15,18,19; Isaías 38.9. “Dores”é a palavra que indica dores físicas, em Jó 33.19. Mateus fornece-nos uma tradução mais literal de Isaías 53.4: “... Ele tomou sobre si as nossas enfermidades e levou as nossas doenças” (Mt 8.17). “Enfermidades”, pois, inclui toda forma de doença. Para Isaías, Ele curaria não somente enfermidades da alma, mas também enfermidades do corpo. E a passagem de Mateus é um elo bem definido entre a profecia do Antigo Testamento e o ministério de nosso Senhor Jesus. Mateus registra que, durante o ministério de Jesus na Galiléia, curas ocorriam “para que se cumprisse o
  • 202. Cura Divina 211 que fora dito pelo profeta Isaías”. Como é evidente, o Espí- CAPITULO rito Santo inspirou o escritor do evangelho a declarar que o ^ ministério de Jesus era uma antecipação dos benefícios da purapjvjna cruz e a realização da promessa dada cerca de 70 0 anos intes. O apóstoloPaulovianamortedeCristoumfatomarcante. Cristo foi feito maldição por nós a fim de sermos libertos da maldição do pecado, de acordo com a Lei (G13.10-14). As implicações desta verdade são espantosas! Aqueles que, rela fé, estendem a mão para se apropriar da salvação em -ua plenitude podem receber em seus próprios corpos livra­ mento da maldição. A morte será o último inimigo a ser destruído, sendo o destino comum dos crentes até o arreba- ramento e a ressurreição, quando seremos transformados, e nossos corpos tornar-se-ão imortais - não mais sujeitos à morte, às enfermidades e à decadência (1 Co 15.53,54). Mas o livramento dos males que atacam o corpo presente >ão um aspecto da maldição que Deus sujeitou à fé dos crentes. As curas divinas, portanto, sãoparte integrante doEvan- ceiho. Elas fluem da expiação. Quando Jesus disse: “Está consumado!” (Jo 19.30), a obra necessária para a redenção dapessoa inteira - espírito, alma e corpo - se completou. O ministério de Cristo foi um ministério de curas, porquanto Ele curou tanto almas quanto corpos alquebrados. As curas divinas não foram um aspecto superficial de seu ministério, mas um testemunho importante quanto àsuaidentidade (Jo ’ 37,38; Where We Stand, pág. 45). Jesus, pois, saiu pre- gando, ensinando e curando. A provisão para todos nesse t .mistério e seus benefícios foi tornada possível mediante o Calvário (Mt 10.7,8; Mc 16.15-20; Lc 4.18,19; 10.9). CURAS DISPONÍVEIS HOJE É vontade de Deus que os crentes usufruam dos :.nefícios das curas divinas hoje em dia. Durante oministé- nc terreno de Jesus, Ele e seus discípulos curaram a todos
  • 203. 212 Doutrinas Bíblicas CAPITULO quantos vieram a eles (Mt 8.16; At 5.12,16). Jesus selecio n°u cuidadosamente um grupo de seguidores, aos quais Cura Divina confi°u a tarefa de levar avante o seu ministério, porquanto desejava que obras maiores (mais numerosas) que as suas lhes assinalassem a vida e ministério (Jo 14.12,13). Imedia­ tamente antes de subir aos Céus, Jesus prometeu aos discí­ pulos: “E Estes sinais seguirão aos que crerem: em meu nome, expulsarão demônios; falarão novas línguas; pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e imporão as mãos sobre os enfermos e os curarão” (Mc 16.17,18). A igreja apostólica praticava as curas divinas, conforme o desejo de Jesus. A autoridade do trecho de Mateus 10.1 nunca foi rescindida. Esperava-se que o livramento sobre­ natural de desordens físicas caracterizasse a assembléia cris­ tã normal do primeiro século. O livro de Atos mostra que assim acontecia. As curas divinas só desapareceram cerca de dois séculos após seu surgimento. Foi um dos últimos vestígios de poder sobrenatural na Igreja em decadência (Jeter, Strípes, págs. 57-59; Joseph Pohle, The Sacraments, vol. 4, editor Arthur Preuss, St. Louis: B. Herder Book, Co., 1945, págs. 1,2,44,45). Eventualmente, a igreja medieval distorceu a prática recomendada em Tiago 5.14, ao fazer da provisão bíblica da cura um sacramento de ritos finais a que chamaram “extre­ ma unção”. Em lugar de encorajar a fé quanto às curas, supunha-se que esse sacramento ajudaria o moribundo a passar pelas dores da morte. O concilio Vaticano II mudou o nome “extrema unção”para “unção dos enfermos”. Tiago estabeleceu princípios, a serem observados pelos crentes de todas as eras, afim de que recebam a cura divina (Tg 5.14). E importante notar que as curas deveriam ocor­ rer no seio da assembléia local -não era mister viajar até um grande santuário ou para onde houvesse algum grande curador. A “oração da fé” fala das condições necessárias para sereceber acura. Emediante agraça, através da fé, que
  • 204. Cura Divina todos os dons e bênçãos de Deus são recebidos. A oração é a avenida de comunicação entre os Céus e a Terra, a chave que libera os recursos de Deus na hora da necessidade. O enfermo deve tomar a iniciativa, chamando os anciãos da igreja para orar com ele e por ele. Outra condição para a cura é suprida nessa importantíssima passagem. Embora a Bíblia não diga que toda enfermidade seja causada pelo pecado, algumas delas o são. Por conseguinte, a provisão é feita: se o candidato à cura tiver cometido pecado, deve confessá-lo. Se necessário, o caminho da cura ou das bên­ çãos de Deus deve ser aclarado pela confissão dos pecados. Nosso relacionamento com o Senhor não é mecânico, mas pessoal. Qualquer coisa que impeça a comunhão pessoal com Deus coloca em perigo o recebimento dos frutos da expiação de Cristo em nossas vidas. Também é importante observar que ninguém, no Novo Testamento, exigia cura. As pessoas vinham a Jesus pedir- lhe que as curasse. Não olhavam a cura como direito, mas um gracioso privilégio a elas estendido. Claro está, porém, que o privilégio da cura não elimina o sofrimento pela causa de Cristo. E, sempre que tais sofrimentos tornam-se neces­ sários, devemos estar preparados para seguir o exemplo do Mestre (Hb 5.8; 1 Pe 2.19,21; 4.12-14,19). Também não devemos considerar a cura divina um substituto às práticas de boa saúde física e mental. Jesus reconheceu a necessida­ de de afastar os discípulos das multidões para que pudessem descansar por algum tempo (Mc 6.31). Jetro percebeu que se Moisés não delegasse algumas de suas responsabilidades, logo se desgastaria (Ex 18.18). RENOVAÇÃO INTERIOR As curas divinas não visam evitar o processo de enve­ lhecimento. Embora seja verdade que Moisés reteve suas forças naturais e a vista perfeita até o dia de sua morte (Dt 34-7), o mesmo privilégio não foi concedido a Davi ou a Elias (1 Rs 1.1-4; 2 Rs 13.14). O envelhecimento
  • 205. 2 1 4 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 12 Cura Divina AJUDA À FÉ Jesus, entretanto, não evitou encontrar-se com os que tinham fé pouca ou fraca. Os que se acham freqüentemente enfermos têm dificuldade em expressar sua fé. EJesus sem­ pre fezmuito por ajudá-los. As vezes tocava neles (Mc 5.23; 6.5; 8.22,23; Lc 4-40; 13.13). Certa vezJesus fezuma mistu­ ra de barro e saliva e aplicou-a nos olhos de um cego, dando-lhe a oportunidade de expressar uma fé obediente, indo lavar-se no poço de Siloé (Jo 9.6-15). Em outras ocasi­ ões as pessoas expressavam sua fé tocando nEle ou em suas vestes (Mt 9.21; 14.36; Mc 3.10; 5.28; 6.56; Lc 6.19). No livro de Atos, Pedro toma um aleijado pela sua mão direita, no Templo, àporta Formosa, para ajudá-lo a levantar-se, “e logo os seus pés e tornozelos se firmaram. E, saltando ele, pôs-se em pé, e andou, e entrou com eles no templo, andan­ do, e saltando, e louvando a Deus” (At 3.7,8). Posterior­ gradual, pintado de forma tão pungente em Eclesiastes 12.1-7, é experiência comum a todos os crentes, bem como aos incrédulos. E, embora a cura continue disponí­ vel aos idosos, a parte curada continua a envelhecer, tal como o resto do corpo. Um homem curado aos oitenta anos de idade, continua tendo oitenta anos. Ainda não recebemos a redenção do corpo. Porém, não é intenção da Bíblia desencorajar-nos com essa revelação, mas in­ centivar-nos a cultivar a vida no Espírito, porquanto Ele concede vida aos nossos corpos mortais, e o fará também na ressurreição. E a ressurreição é a nossa esperança real (Rm 8.11). De fato, embora “o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia” (2 Co 4.16). Na verdade, é essa renovação interior que nos torna mais capazes de ter fé para reivindicar o privi­ légio das curas divinas. À mulher curada de hemorragia, Jesus disse: “Filha, a tua fé te salvou; vai em paz, e sê curada deste teu mal” (Mc 5.34). Uma grande fé, pois, recebe a cura através da simples palavra do Senhor.
  • 206. Cura Divina mente, houve tempo em que as pessoas eram curadas quan­ do a sombra de Pedro incidia sobre elas (At 5.15,16). Em Efeso, Deus “pelas mãos de Paulo, fazia maravilhas extraor­ dinárias, de sorte que até os lenços e aventais se levavam do ?eucorpo aos enfermos, e as enfermidades fugiamdeles, e os espíritos malignos saíam” (At 19.11,12). No entanto, não havia mágica nem virtude nos meios usados para encorajar a fé. As pessoas tinham de crer no Senhor, enão no barro, na sombra, nos aventais de trabalho ou na prática da imposição de mãos. Esta parece ser a razão para a grande variedade de meios usados, para que as pesso­ as não fixassem os olhos em algum meio particular que não rosse o próprio Deus. AS ENFERMIDADES E OS DEMÔNIOS Problemas têm ocorrido quando pessoas ensinam que toda enfermidade écausada pelos demônios. O Novo Testa­ mento reconhece que os demônios podem causar enfermi­ dades às pessoas, e atormentá-las cruelmente (Mt 9.32,33; 12.22; 17.14-16; Mc 9.20-22; Lc 13.11,16). Os demônios podem apossar-se dos corpos dos incrédulos e até usar suas vozes para falar (Mc 5.15; Lc 4-41; 8.27,28; At 16.18). Mas Jesus não tratava as enfermidades como resultado de posses­ são ou atividade demoníacas. Os possuídos por demônios eram distinguidos numa classe em separado, diferente dos que “padeciam, acometidos de várias enfermidades e tor­ mentos” (Mt 4.24). Também é óbvio que, ao tocarJesus no leproso e dizer: “Quero! sê limpo”,nenhum demônio estava envolvido na lepra (Lc 5.12,13). O paralítico trazido pelos amigos até Jesus precisava ter seus pecados perdoados. Mes­ mo assim, o perdão não trouxe cura automática. O homem sófoicuradoquandoJesusomandou levantar-se (Lc5.24,25). Não havia qualquer indício de poder demoníaco envolvido em sua paralisia. “Muitas passagens estabelecem uma clara distinção entre as enfermidades não causadas por demônios e aquelas causadas pelos demônios (Mt 4.24; 8.16; 9.32,33;
  • 207. 216 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 1 0 . 1 ; Mc 1 . 32 ; 3 . 1 5 ; Lc 6 . 1 7 , 1 8 ; 9. 1 etc.). Em nenhum desses exemplos há a menor indicação de que qualquer Cura Divina dessas enfermidades fosse causada por demônios, em pesso- as que estavam em correta relação com Deus. Também devemos lembrar-nos de que todos esses exemplos tiveram lugar antes do dia de Pentecoste” (Where We Stand, págs. 19 e 20). Observe-se que, embora os demônios possam tentar e atacar os crentes habitados pelo Espírito Santo, não podem ler suas mentes e nem possuí-los, habitá-los ou “demonizá- los”.Nosso corpo é o templo do Espírito Santo (2 Co 6.15). Quanto à discussão bíblica sobre atividade e possessão de­ moníaca, ver Opal L. Reddin, editor, Power Encounter: A Pentecostal Perspective, Springfield, Mo.: Central Bible College Press, 1989; “Can Born-Again Believers Be Demon Possessed?”, em Where We Stand, págs. 15-23; e “Poder Over Satan and Demons”, em The FulI Life Study Bible, Donald C. Stamps, editor, Grand Rapids: Zondervan Bible Publishers, 1992, pág. 80). Antes, quando os demônios nos atacam, não somos ensinados a expeli-los. Pelo contrário, devemos revestir-nos de nossa armadura e resistir. Nosso escudo da fé haverá de apagar todos os dardos inflamados atirados pelo inimigo, tudo o que vem de fora (Ef 6.10-16). Temos o poder de resistir ao diabo, oqual, em vista de nossa resistência, fugirá de nós (Tg 4.7; 1 Pe 5.8,9). Fomos armados com o poder divino para demolir fortalezas (2 Co 10.4). Jesus derrotou Satanás com a Palavra (Mt 4-4,7,10). Também podemos obter vitórias com a Palavra, a espada do Espírito (Ef6.17). Finalmente, observamos que “os inimigos de Cristo acusa- ram-no de ter demônio. E um truque sutil do diabo que faz pessoas sinceras acusarem crentes de serem possuídos por demônios. Como éevidente, há livramentos, mas chamá-los de livramentosdapossessãodemoníaca éantibíblico” (Where We Stand, pág. 23).
  • 208. Cura Divina 217 AS CURAS E A PROFISSÃO MÉDICA CAPÍTULO Pessoas têm tentado pôr a cura divina em oposição ou _ mpetindo com aprofissão médica. Mas isso é desnecessá- Cura Divina rio. Os médicos; através de suas habilidades, têm trazido ajuda a muitos. Everdade que o Senhor é o grande Médico. .tmbém é verdade que a Bíblia condena o rei Asa porque 'na sua enfermidade, não buscou ao SENHOR, mas, antes, aos médicos” (2 Cr 16.12). Asa já havia buscado ajuda da 7arte da Síria, num ato de incredulidade e desobediência, recusando-se a depender do Senhor (v. 7). Em outras pala- vras, a ênfase não recai tanto sobre o fato de ter ele consul­ tado a médicos (os quais, neste caso, podem ter sido médi- ::s pagãos), mas na sua recusa em buscar ajuda do Senhor. Eevidente que os médicos desfrutavam de uma posição de honra em Israel (Jr 8.22). Jesus também mencionou o uso medicinal de azeite e vinho, por parte do bom samaritano, sob uma luz favorável (Lc 10.34). Lucas, o médico, era um querido amigo do apóstolo Paulo (Cl 4.14). Sobre a mulher curada de hemorragia, informa-nos a Bíblia que ela “havia padecido muito com muitos médicos, e dispendido tudo quanto tinha, nada lhe aproveitando isso, antes indo apior” Mc 5.26). Se ela tivesse errado emir aos médicos, esta seria aoportunidade perfeita paraJesus reprovar tal atitude. Mas -le não ofez. Pelo contrário, aceitou afé que ela expressara, elogiando-a por isso. Até hoje, Deus realiza muitos milagres emfavor das pessoas, através dos médicos (Gordon Wright, .n Quest of Healing, Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1984, págs. 88-98). Jesus também enviou os dez leprosos a se mostrarem aos ;acerdotes (Lc 17.14). No regime da Lei, os sacerdotes eram :s encarregados de fazer o diagnóstico, recomendar a qua­ rentena e declarar limpo o leproso (Lv 14.2ss; Mt 8.4). Com efeito, Jesus reconheceu que os diagnosticadores humanos têm seu devido lugar. Os sacerdotes, entretanto, eram agen­ tes do Senhor, e nesse sentido é possível tomar toda cura como feito divino, sem importar se instantâneo ou gradual
  • 209. 218 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 12 Cura Divina O PROPÓSITO DA CURA DIVINA Na realidade, há dois propósitos principais para que curas divinas sejam exercidas na Igreja de hoje, tal como acontecia na Igreja Primitiva. Em primeiro lugar, as curas divinas atestam o poder de Deus. Jesus curou em muitas ocasiões para chamar a atenção das pessoas e autenticar sua mensagem. Na verdade, esperava-se na época que as curas divinas fossemcredenciais próprias do Messias (Lc 5.23,24). A Igreja Primitiva também estabeleceu suas credenciais mediante repetidas demonstrações do poder de Deus, o que, com freqüência, era demonstrado através de livramentos físicos (1 Co 2.4). Sinais e maravilhas (que incluíam curas) eram marcas da bênção de Deus, que geralmente acompa- nham apregação do Evangelho, no primeiro século de nossa era, confirmando a Palavra (Hb 2.3,4). Em segundo lugar, as curas divinas confirmam o amor de Deus. Cristo, para dizer a verdade, curava a fim de autenticar sua mensagem, mas também por causa de sua grande compaixão pelos sofrimentos da humanidade (Mt 9.36; Mc 1.41). Faz parte da natureza de Deus amar. As (Lc 5.14; 17.14). Por outra parte, aqueles curados na Bíblia não testificavam de ter recebido cura divina enquanto esta não fosse concretizada. Reconhecemos que têm havido abusos quanto à doutri- na e prática da cura divina em nossos dias. Mas não deve­ mos permitir que isso nos leve a rejeitar a proclamação positiva da verdade das Escrituras. Os apóstolos foram capa­ zes de dizer ao homem aleijado: “O que tenho, isso te dou” (At 3.6. Grande parte do material antecedente foi adaptado de Where We Stand, págs. 50-54). E interessante observar que as curas são parte da provi­ são de Deus à Igreja, alistadas como uma das manifestações do Espírito Santo (1 Co 12.28). Espera-se que cada igreja apresente essa manifestação do poder de Deus. E um dom divino, conferido à Igreja.
  • 210. Cura Divina 219 CAPÍTULO 12 Cura Divina POR QUE NEM TODOS SÃO CURADOS? Conforme se tem observado, é importante desenvolver doutrinas (ensinos) com base nas Escrituras e não na expe­ riência humana. Alguns dos que davam de ombros nos anos de abertura do século XX, negando que as manifestações rentecostais estivessem sendo experimentadas, argumenta­ vam que tais manifestações não eram para os dias presentes. Graças a Deus, há pessoas firmes, cheias de fé ede profunda crença na Palavra de Deus, que têm ousado acreditar que a prática da Igreja não deve ser o fator determinante para o desenvolvimento da doutrina ou na decisão do que é a verdade. Assim, o simples fato de que alguns não estão sendo curados não deve ser o fator para se determinar a nutrina (quanto à discussão sobre esse tópico, ver Wright, In Quest, págs. 115-136). Mistérios há que transcendem r.?ssa compreensão. Alguns respondem que devemos deixar aquestão nas mãos de Deus. Mas sabemos que édanatureza de Deus curar; que curas foram providas na expiação de Cristo; que Cristo entregou à sua Igreja não somente o ministério da reconciliação, mas também o das curas. A fé é a chave que destranca a porta das bênçãos divi- nas. Feita anossa parte, deixemos oresto com Deus. Ecomo alguém sabiamente afirmou: “Onde houver uma maior at­ mosferade fé, aíhaverá mais curas”.O próprio SenhorJesus não realizou muitos milagres numa atmosfera de increduli­ :iras divinas são um irrompimento do amor divino em um inundo preso pela maldição do pecado. Mas Jesus venceu a m:rte através da ressurreição. Por outro lado, seu efeito não p:jduzirá ofimda morte para os crentes, senão ao tempo de nossa ressurreição, ou - se ainda estivermos vivos naquele :zmpo - por sermos arrebatados ao encontro do Senhor nos ires. Desta maneira, a vitória sobre a morte nos terá sido assegurada, e as correntes das enfermidades podem ser atu­ almente partidas. O amor de Deus é exibido ao prover à -zreja o livramento dos males físicos.
  • 211. 220 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 12 Cura Divina PERGUNTAS PARA ESTUDO 1. Qual a relação entre as enfermidades e o pecado? 2. Qual a responsabilidade de Satanás em termos de enfermidade? 3. Qual o significado donome Yahweh roph’eka epor que ele é significativo em nossos dias? 4. Deus usa alguma vez as enfermidades como puni­ ção? Explique. 5. Qual o significado do propiciatório em rela ção às curas divinas? 6. O que está incluído na expiação realizada porJesus no Calvário? 7. Que parte tiveram as curas no ministério de Jesus sobre a terra? e no ministério dos discípulos? 8. Qual é o significado do azeite, em Tiago 5.14? 9. Que há de errado em “exigir” curas da parte do Senhor? 10. Quando receberemos a redenção do corpo e o que estará incluído nessa redenção? 11. Qual o valor de coisas tais como lenços e aventais ungidos? 12. Quais os dois propósitos principais das curas divi­ nas? Como podem afetar nossos pedidos de cura? dade (Mt 13.58), mas eles estão ao nosso dispor. A pregação e o ensino positivos encorajam afé. A Igreja precisa estar na fé, a fim de poder experimentar o sobrenatural. Admitimos humildemente não ter respostas a todos os casossobreaspessoasquenão alcançaramacura. Massabemos e temos passado pela experiência da verdade bíblica de que Deus cura em nossos dias (ver “Hindrances to Healing” e “Earnestly Contend for the Faith”,em Jeter, ByHis Stripes, págs. 92-99 e 189-195; e “Divine Healing”,em Study Bible, págs. 20 e 21 e Wright, In Quest, págs. 137-159).
  • 212. LTRINASIBLICASHlma 1& Verdade Fundamental
  • 213. ABENDITAESPERANÇA A ressurreição e o arrebatamento dos que dormem em Cris­ to, juntamente com os santos que estiverem vivos, é a iminente e bendita esperança da Igreja (Rm 8.23; 1 Co 15.51,52; 1Ts 4.16,17; Tt 2.13).
  • 214. ABendita Esperança A RESSURREIÇÃO DOS CRENTES Até a vitória de Jesus, no Calvário, toda a raça humana [achava-se sob a servidão devido ao temor da morte (Hb 2-14,15). Mas Ele, através de sua morte vicária, derrotou o «Sabo, e afastou a ira divina que pairava sobre nós em : r.seqüência de nossos muitos pecados. Em seguida, Cristo •essuscitou visando a nossa justificação (Rm 4-25). Visto já :zrmos sido justificados, vivemos em comunhão com Ele. Agora, podemos dizer juntamente com o apóstolo Paulo: ‘Porque para mim o viver é Cristo, e omorrer é ganho” (Fp 1.21). Noutras palavras, morrer é ter um lucro certo em Cristo; é ter mais de Cristo; é “habitar com oSenhor” (2 Co 5.3). No entanto, a verdadeira esperança de Paulo achava-se r.a ressurreição dos santos por ocasião da segunda vinda do -enhor. Eis como o apóstolo elogia os crentes de Tessalôni- ca: “... e como dos ídolos vos convertestes a Deus, para servir ao Deus vivo e verdadeiro e esperar dos céus a seu -_:.ho, aquem ressuscitou dos mortos, asaber, Jesus, que nos -iTa da ira futura” (1 Ts 1.9,10).
  • 215. 224 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 13 A Bendita Esperança A ressurreição de Cristo era o tema central da pregação da Igreja Primitiva. Devemos tê-la também como o centro de nossa mensagem, porquanto ela é agarantia de nossa própria ressurreição. A ressurreição de Cristo é a base de nossa fé e esperança. Uma das grandes afirmações do Novo Testamento encontra-se nestas palavras de Jesus: “... por­ que eu vivo, e vós vivereis” (Jo 14-19). Paulo classifica a ressurreição de mistério; algo que não havia sido revelado nos tempos do Antigo Testamento, mas que agora é-nos descoberto: “Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados, num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscita­ rão incorruptíveis, e nós seremos transformados. Porque convém que isto que écorruptível serevista da incorruptibi­ lidade e que isto que é mortal se revista da imortalidade. E, quando isto que é corruptível se revestir de incorruptibili­ dade, e isto que é mortal se revestir de imortalidade, então, cumprir-se-á a palavra que está escrita: Tragada foi a morte na vitória” (1 Co 15.51-54). “Todos”,na passagem acima citada, inclui todos quantos estamos “em Cristo”.Neste mesmo capítulo, Paulo compa­ rou o presente corpo a um mero grão que, para brotar e frutificar, deve primeiro ser sepultado (1 Co 15.37). No entanto, ele ressalta que nem todos dormiremos. O apóstolo não queria dizer com isso que estaria vivo quando da volta de Jesus. O que ele faz questão de enfatizar é que todos os crentes, tanto vivos quanto mortos, serão transformados por ocasião do arrebatamento da Igreja. Tal como o corpo de Jesus, o corpo ressurreto, do qual Ele é a vida animadora, não será nem este corpo mortal que hoje possuímos, nem o espírito desencarnado, mas um cor­ po espiritual. Um corpo real e espiritual. Realidade não significa necessariamente tangibilidade. Será o ar menos real do que o chumbo, ou o som menos real do que um gramado, ou a luzmenos real do que uma pedra? Há a carne de um bebê, tão suave que você a toca com cuidado para
  • 216. A Bendita Esperança 225 ~ão machucá-la, e há a carne de um rinoceronte, que você r.ão consegue atravessar nem com bala de rifle. Assim é o corpo ressurrecto - real, mas uma realidade gloriosa jamais lantes conhecida. Trata-se de um corpo espiritual de vida :.umanaimortalizada pelavida ressurrecta deJesus. (Nathan R.Wood, de umapreleçãofeita na Gordon DivinitySchool, Boston, Mass., 1944). A Bíblia declara que seremos como Jesus quando o vir­ mos por ocasião de suavinda (1Jo3.2). Nossos corpos serão gloriosos e dotados de esplendor e beleza; serão corpos po­ derosos e apropriados às regiões celestiais. Essa mudança será repentina e sobrenatural. Isto acontecerá ao soar da última trombeta. Então, encontrar-nos-emos com o Senhor nos ares; e, com Ele estaremos para sempre (1 Ts 4.17). Não são poucos os que, amedrontados com as guerras e a poluição ambiental, dizem que já não nos resta qualquer esperança. Mas Deus não permitirá que as circunstâncias lhe prejudiquem os planos, nem que lhe frustrem os decre­ tos. O certo é que Jesus voltará, e porá fim à corrupção, à miséria e às artimanhas. Ele instaurará o seu reino glorioso. JESUS VOLTARÁ Pormaisde trezentas vezes- numa médiade umversículo acadavinte e seis- oNovo Testamento refere-se à segunda vinda de Jesus Cristo. Por conseguinte, não corremos qual­ quer risco em depositar toda a nossa confiança nesta verda­ de. O que não podemos fazer é marcar a data de sua volta. Este é um assunto que compete única e exclusivamente a Deus. A Igreja Primitiva vivia em meio à expectação do retor­ no de seu amado Senhor. Esperança esta que só começou a diminuir no século III d.C. Apesar dos séculos de negligên­ cia em torno do assunto, o século XIX foi reavivado para se voltar a esta realidade da Palavra de Deus. Entre os evangélicos, hoje, há um consenso generalizado sobre o fato de que Jesus Cristo realmente está prestes a CAPÍTULO 13 A Bendita Esperança
  • 217. 226 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 1 3 A Bendita Esperança voltar. Até mesmo entre os teólogos modernos, aquela con- versa sobre a morte de Deus já é coisa passada. Hoje, eles já se voltam à doutrina das últimas coisas. Entretanto, a des- peito dos modismos teológicos, precisamos estabelecer nos­ sas convicções sobre averdade reveladana Palavra de Deus. Afinal, o próprio Jesus, durante o seu ministério terreno, já afirmara categoricamente: “Eu voltarei”. Por que esta doutrina é tão estratégica eimportante? Por um grande motivo: é a chave para a história da humanida- de. Estamos nos movendo inexoravelmente para a consu­ mação de todas as coisas. A maioria das religiões e filosofias não-cristãs têm um ponto de vista cíclico da história. Os hindus, por exemplo, vêem-na como se fora uma roda da vida, girando sem parar, sem começo nem fim. Mas a visão bíblica da história é linear. Houve um começo, um evento central -a cruz. Quando Jesus bradou: “Está consumado!” (Jo 19.30), assegurava-nos Ele, por intermédio de sua paixão e morte, a nossa reden­ ção. Mas ainda não possuímos aplenitude de nossa salvação e da herança que Cristo nos conquistou. Estas tornar-se-ão plenas quando Ele retornar para levar a sua Igreja (Rm 13.11; 8.23; Hb 9.28). Não obstante, já estamos usufruindo de muitas bênçãos provenientes da cruz. Os eventos do mundo não continuarão num processo interminável. Virá o momento em que a presente ordem de coisas, ou dispensação, haverá de chegar ao fim. As tristezas de um mundo amaldiçoado pelo pecado, manchado pela guerra, esmagado pela inimizade, haverão de terminar por ocasião do advento do Príncipe da Paz. Quando as nações tiverem cumprido seu papel, dentro do panorama que Deus traçou à história, o Senhor ordenará: “Basta!”. E Jesus, então, invadirá pessoalmente a ordem mundial. Todas as coisas apontam à volta iminente de Cristo. Ele é o ponto central da história. Sem Ele, nossa existência, não tem qualquer significado (Cl 1.16,17).
  • 218. A Bendita Esperança 227 Este ensino também é importante, porque a volta de Cristo é a esperança da Igreja. A morte jamais poderia ser a nossa esperança, nem jamais levaria o pecador à conversão (Mt 13.18-30,36-43). Nossa esperança, como Igreja, é o aparecimento do Noivo. Pois o conceito da firme esperança na ressurreição acha-se inseparavelmente vinculado aoqua­ dro da Igreja como aNoiva de Cristo (At 23.6; Rm 8.20-25; 1Co 15.19; Tt 2.13; 1Pe 1.3 e 2 Pe 3.9-13). Há outro ponto significativo na doutrina da segunda vinda de Cristo: é o incentivo a uma vida santa. A certeza de que o Senhor pode vir a qualquer momento, desperta- nos da letargia, reacendendo-nos as chamas do primeiro amor. Se temos esta esperança, purifiquemo-nos a nós mes­ mos, pois, para tanto foram-nos concedidos abundantes re­ cursos espirituais. Sim, é possível viver de maneira agradá­ vel ao Senhor (Mt 25.6,7; 2Pe 3.11; 1Jo 3.3). A vigilância é a atitude apropriada do crente fiel. Estejamos alertas, esperando continuamente pela vinda de Cristo (Mt 24-44; Mc 13.35,36; lTs 5.8 e 1Jo 2.28). O ensino sobre a segunda vinda de Cristo também esti­ mula o serviço cristão. Os crentes que ardentemente aguar­ dam a volta de Cristo, reavaliam constantemente as priori­ dades que lhes governam a maneira de viver. Sempre colo­ cam, em primeiro lugar, o Reino de Deus e a sua justiça. Não querem ser surpreendidos tendo as mãos vazias. Eles sabem que, um dia, todos teremos de comparecer ante o Tribunal de Cristo. Por isso alertam constantemente seus parentes, amigos, conhecidos e os demais pecadores, a que estejam preparados à vinda do Senhor (Mt 24-45,46; Lc 19.13 e 2 Co 5.10,11). Mas como Jesus voltará? Ele voltará pessoalmente (Jo 14-3; 21.20-23; At 1.11) e de forma inesperada (Mt 24-32- 51; Mc 13.33-37). Ele voltará em glória (Mt 16.27; 19.28 e Lc 19.11-27) ede maneira visível como o anunciou o anjo à multidão no monte da Ascensão: “Esse Jesus, que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir assim como para CAPÍTULO 13 A Bendita Esperança
  • 219. 228 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 13 A Bendita Esperança o céu o vistes ir” (At 1.11). O retomo real, visível e literal do Senhor Jesus Cristo a esta terra, exclui qualquer inter­ pretação espiritualizada, como se a sua vinda tivesse ocorri­ do quando da descida do Espírito no Pentecoste, ou quando da conversão de alguém, ou ainda por ocasião da morte do crente. Por que Jesus voltará? Ele voltará para receber os seus para si mesmo (Jo 14.3). Já com os novos corpos, e já semelhantes aos anjos, estaremos para sempre com o Se­ nhor (1 Co 15.34-54; 2 Co 5.1-5; 1 Ts 4.17).Os que morreram em Cristo, ressuscitarão; os que estiverem vivos, serão transformados “num momento, num abrir e fechar de olhos” (1 Co 15.52; 1Ts 4.17). Elevoltará parajulgar erecompensar. Julgará os crentes, distribuindo recompensas pelas obras de justiça aqui prati­ cadas, levando sempre em conta os motivos destas (Mt 25.14-30; Lc 19.11-27; 1 Co 13.3; 2 Pe 1.11). Também julgará o uso dos talentos e das oportunidades. Esse será o julgamento dos crentes, conhecido também como o Tribu­ nal de Cristo, ou ojulgamento do bema. Esta é uma palavra grega encontrada em 2 Coríntios 5.10; usam-na os teólogos para distinguir o julgamento dos crentes do Juízo Final (Ap 20.11). Não seremos julgados com respeito aos pecados, pois estes já foram julgados e abolidos no Calvário (Is 53.5,6; Jo 5.24; 2 Co 5.21). Nosso julgamento será quanto à nossa atuação no Reino de Deus. A segunda vinda de Cristo também removerá a força que restringe a ação plena do mal neste mundo. Alguns eruditos acham que 2 Tessalonicenses 2.6-8 refere-se ao Espírito Santo; outros supõem que seja o poder da lei e da ordem; eoutros, ainda, pensam na Igreja. Talvez esta última seja a melhor interpretação. A Igreja, de fato, é a agência por meio da qual o Espírito Santo opera como a influência restringidora do mal. Certamente o Espírito Santo continu­ ará a operar na terra após o arrebatamento da Igreja, pois
  • 220. A Bendita Esperança 229 sem a sua presença o mundo simplesmente desa- pareceria.(Quanto amaioresdiscussões arespeitoverDonald C. Stamps, editor, The FullLife Study Bible, Grand Rapids: Zondervan Bible Publishers, 1990, pág. 448). O ARREBATAMENTO A definição da “segunda vinda de Cristo” é bastante ampla; é vista pelo menos de duas maneiras diferentes. É localizada, às vezes, para indicar o drama dos tempos do fim, abrangendo tanto o arrebatamento da Igreja quanto a reve­ lação de Cristo em glória no monte das Oliveiras (Zc 14-4). Outras vezes, é enfocada especificamente para diferençar a revelação de Cristo do arrebatamento da Igreja que a ante­ cederá. A primeira fase da segunda vinda de Cristo, tomada em sentido mais amplo, refere-se ao arrebatamento da Igreja. Abruptamente, e sem aviso prévio, Jesus levará os que se acharem reparados à sua vinda (1 Ts 4.16-18; 2Ts 2.1). Os que estiverem “em Cristo”, tanto os ressuscitados quanto os que se encontrarem vivos, serão conjuntamente “arrebata­ dos”.O vocábulo grego harpagesometha significa “arrebata­ dos poderosamente” às nuvens (possivelmente nuvens de glória) para se encontrarem com Ele nos ares. Em harpazo, há um tempo verbal futuro passivo usado para descrever a ação dos ladrões edas águias: ambos, furtivamente, apropri- am-se de seus despojos. E o caso de Paulo que foi levado de repente e com grande poder ao terceiro céu (2 Co 12.2). O latim traduziu esse termo por raptus, que é a raiz da palavra portuguesa “arrebatamento”, mostrando que essa palavra torna-se um termo legítimo para designar este tão maravi­ lhoso evento previsto tantas vezes pela Bíblia. (Ver Stanley M. Horton, It’s Getting Late, Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1975, pág., 49). Visto que, em Mateus 24-30,31, encontramos os anjos a recolher os eleitos, logo após ser proferida a lamentação por todas as nações, alguns são levados apensar que aIgreja não CAPÍTULO 13 A Bendita Esperança
  • 221. 2 3 0 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 1 3 A Bendita Esperança será arrebatada até Cristo haver destruído os exércitos do Anticristo. Ora, devemos considerar, porém, que o capítulo 24 de Mateus não apresenta os eventos em ordem cronoló- gica. Jesus não tinha qualquer intenção em revelar o dia ou ahora de sua vinda (Mt 24.36). A palavra “então”,no início de Mateus 24-30, traduz um vocábulo grego de sentido muito geral (tote), dando aentender que os acontecimentos ocorrerão todos dentro do mesmo período de tempo, mas não necessariamente na ordem apresentada. Jesus também enfatiza que, quando do arrebatamento, o mundo estará seguindo normalmente o seu curso. Nos dias do Novo Testamento, como a economia era essencialmente agrícola, os homens iam diariamente aos seus campos. Não havendo vasos herméticos que mantivessem os insetos afas- tados da farinha de trigo, as mulheres tinham como tarefa cotidiana limpar os grãos e moer o trigo novo em moinhos manuais. Caso contrário: não haveria pão na manhã seguin­ te. Portanto, quando Jesus afirmou: “Então, estando dois no campo, será levado um, e deixado o outro; estando duas moendo no moinho, será levada uma, e deixada outra” (Mt 24-40,41), Ele quis dizer que as pessoas estariam envolvidas em suas lides diárias, quando de sua vinda. Tudo parecerá estar ocorrendo normalmente. E, então, sem qualquer avi­ so, um será arrebatado para o encontro com o Senhor nos ares, ao passo que o outro será deixado para sofrer a ira de Deus (ver Stanley M. Horton, One Is Taken; One Is Lcft”, Pentecostal Evangel, 15 de setembro de 1973, pág. 6). Não há qualquer indicação de que o mundo estará dominado pelo Anticristo por ocasião do arrebata­ mento da Igreja, pois esta será tirada da terra antes da Grande Tribulação. (Ver Stanley M. Horton, “I Believe in the Pre-Tribulation Rapture”, Pentecostal Evangel, 2 de julho de 1989; Stanley M. Horton, “Counted Worthy to Escape”, Pentecostal Evangel, 15 de agosto de 1976, págs. 6 e 7).
  • 222. A Bendita Esperança 231 Paulo mostra-se mui enfático aoprofetizar que osmortos em Cristo unir-se-ão aos santos que estiverem vivos, e que ambos serão arrebatados conjuntamente, formando um só corpo. E, assim, estarão para sempre com o Senhor. Ensi­ nam alguns teólogos que haverá múltiplos arrebatamentos. Mencionando as parábolas de Jesus, dividem a Igreja em vários grupos: o noivo, os amigos do noivo, as virgens, os convidados e os servos. Mas issonão é interpretar a Escritu­ ra; é forçar a analogia. Devemos ter cuidado para que não nos tornemos como Nicodemos que, em seu diálogo com o Mestre, chegou a perguntar como poderia alguém voltar ao ventre materno e nascer de novo (Jo 3.4). Se examinarmos as párábolas das bodas, veremos que todas elas se centralizam em Cristo. Quando a noiva é mencionada, outros grupos não se fazem presentes, e vice- versa. Vemos, igualmente, que tanto os judeus quanto os gentios são referidos como convidados. Os doze apóstolos são mencionados como amigos, ou convidados do noivo (Mt 9.15). Na verdade, Jesus estava usando diferentes as­ pectos de uma festa de casamento judaica para explicitar as várias facetas de nosso relacionamento com Ele. A “noiva” é um desses aspectos, e representa a totalidade da verdadei­ ra Igreja, numa íntima relação com Jesus, que encontrará seu completo cumprimento nas bodas do Cordeiro (Ap 19.7,8). Outro ensino comum éque o arrebatamento serálimita­ do a um grupo especial constituído de “vencedores”.Quan­ to ao restante da Igreja, ficará para trás para atravessar a Grande Tribulação, sendo eventualmente arrebatado. Mas se examinarmos o que a Bíblia tem para dizer acerca dos vencedores, constataremos que somente os que vencerem é que comerão do fruto da árvore da vida, e não serão atingi­ dos pela segunda morte, nem terão os nomes riscados do Livro da Vida (Ap 2.7,11; 3.5). Vencer significa conquistar, ganhar. E, se não ganharmos, perderemos. Esses versículos, CAPÍTULO 13 A Bendita Esperança
  • 223. 232 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 13 A Bendita Esperança no Apocalipse, indicam claramente: os que não vencerem, perderão o direito de entrar na Nova Jerusalém. Quem, pois, serão esses vencedores? 1 João 5.4 assim nos responde: “... e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé”. Tudo quanto um crente rege­ nerado tem a fazer para alcançar plena vitória é acreditar, e continuar a crer, que Jesus é o Filho de Deus. Dessa manei­ ra, obterá vitória infalível através de nosso Senhor Jesus Cristo (1 Co 15.57). Somente Ele pode fazer-nos mais que vencedores. (Grande parte do material usado neste tópico é adaptação de Horton, Getting Late, págs. 50 a 54). A GRANDE TRIBULAÇÃO Após o arrebatamento, haverá um tempo de terrível tribulação e angústia predito pelos profetas do Antigo Tes­ tamento. Daniel refere-se a uma tribulação jamais dantes experimentada (Dn 12.1). Mateus 24.21-29 descreve-acomo a Grande Tribulação. EApocalipse 3.10 descreve-a como a “hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitamna terra”. Jeremias, por sua vez, pre­ disse que essas trevas seriam o “tempo de angústia para Jacó” (Jr30.4-7). Tanto Isaías quanto Zacarias falaram acer­ ca desta indignação de Deus contra os habitantes da terra (Is 24.17-21 eZc 14.1-3). Quando terá início a Grande Tribulação? Mateus 24.30 localiza a Grande Tribulação como tendo lugar por ocasião do glorioso retorno de Cristo. Eevidente, pois, que a tribulação ocorra entre o arrebatamento e a revelação de Cristo. Temos outras garantias de que o arre­ batamento, realmente, ocorrerá antes da tribulação. Eis o que diz 1 Tessalonicenses 5.9-11: “Porque Deus não nos destinou para a ira, mas para a aquisição da salvação, por nosso Senhor Jesus Cristo, que morreu por nós, para que, quer vigiemos, quer durmamos, vivamos juntamente com ele. Pelo que exortai-vos uns aos outros e edificai-vos uns aos outros, como também o fazeis”.
  • 224. A Bendita Esperança 233 Jesus, pois, é nosso libertador e preservador. Somente Ele nos resgata da ira vindoura. Seu sangue é mais do que suficiente para salvar-nos da ira (Rm 5.9). Durante a Grande Tribulação, Deus descarregará a sua ira sobre este mundo. As palavras “quer vigiemos, quer durmamos”,de 1Tessalonicenses 5.9-11, referem-se àpreo­ cupação dos crentes de Tessalônica quanto ao destino dos mortos em Cristo. Estes ressuscitarão primeiro, e então nós, os que estivermos vivos, seremos arrebatados ao encontro do Senhor nos ares. “... e assim estaremos para sempre com 0Senhor” (1Ts 4-17). Noutras palavras: seremos guardados da ira vindoura sendo arrebatados para vivermos eterna­ mente com o SenhorJesus (1Ts 1.9,10; 5.9). O contexto de 1Tessalonicenses 5.9 mostra-nos que a ira divina virá, de fato, após o arrebatamento, isto é: durante a Grande Tribu­ lação. Fica mais que evidente, pois, que nenhuma parte da Igreja de Cristo será deixada na terra para sofrer os julga­ mentos de Deus durante a tribulação. Esses julgamentos serão a plena manifestação da ira de Deus (Ap 6.16,17; 11.18; 14-10,19; 15.1,7; 16.1,19; 19.15). E conforme João salienta: “E os outros homens, que não foram mortos por estas pragas, não se arrependeram das obras de suas mãos...” (Ap 9.20). Isso exclui a presença dos crentes sobre a terra nesse período. (Horton, “Pre-Tribulation Rapture”, págs. 8 e 9). No capítulo 16 de Apocalipse, os juízos são tais que ninguém poderá esconder-se em parte alguma; não haverá abrigo contra a ira de Deus. “Muitas outras passagens tam­ bém falam sobre o dia da ira que revelará os justos julga­ mentos de Deus sobre os corações impenitentes e rebeldes (Rm 2.5; Ef5.6; Cl 3.6). Mas nós, os crentes, não estamos destinados à ira” (Horton, Getting Late, pág. 69). Mui freqüentemente, os que afirmam que a Igreja passa­ rá pela Grande Tribulação, salientam: Deus não prometeu que a Igreja escapará da tribulação e do sofrimento. O que eles não sabem é que a Bíblia usa a palavra “tribulação” (no CAPÍTULO 13 A Bendita Esperança
  • 225. 234 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 13 A Bendita Esperança grego, thlipsis) de duas maneiras diferentes. Algumas vezes, ela refere-se à aflição, à perseguição, à pressão e à angústia que nos são causadas por um mundo ímpio. Ela também é traduzida por “aflições”quando Paulo fala de nossas tribu- lações diárias que, se comparadas à eternidade, duram ape­ nas um momento: “Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente” (2 Co 4.17). Mas os julgamentos da tribulação, referidos em Apocalipse, não pertencem à mesma classe; representam antes a ira de Deus. Mas não estamos esperan­ do a ira; quer vivamos ou morramos, aguardamos o arreba- tamento para estarmos para sempre com o Senhor (1 Ts 5.10). Tendo isso em mente, Paulo encoraja os irmãos de Tessalônica para se edificarem mutuamente, como já vi­ nham eles fazendo. Obviamente, o apóstolo referia-se ao arrebatamento (idem, págs. 69 e 70). Quanto tempo durará a Grande Tribulação? Embora não haja uma resposta clara, há diversas referências que poderão ajudar-nos a examinar a questão. Elas parecem indicar um período de sete anos. A chave, aqui, é o desvendamento do mistério das setenta semanas de Daniel (Dn 9.24-27). As primeiras sessenta e nove semanas termi­ naram com a crucificação do Messias (Dn 9.26). Muitos acreditam num interlúdio entre a 69ae a 70asemana, como se esta estivesse indefinidamente adiada. Esse interlúdio é a era da graça. Quando a influência restringidora da operação do Espírito Santo em, e através da Igreja, for removida, por ocasião do arrebatamento, então terá início a última e terrí­ vel semana. Uma “semana”parece ter a significação de sete anos. Apoiando esse ponto de vista, temos as seguintes referências: Dn 7.25; 12.7 e Ap 12.14. Nestas, a última metade da septuagésima semana é assimdesignada: “tempo, tempos emetade de um tempo”,ou seja: três anos emeio ou quarenta e dois meses (Ap 11.2 e 13.5), ou mesmo mil duzentos e sessenta dias (Ap 11.3 e 12.6).
  • 226. A Bendita Esperança 235 O ANTICRISTO O líder terreno durante operíodo da Grande Tribulação será o arquiinimigo do SenhorJesus: o Anticristo. A palavra “anti”tem este sentido básico no grego: “em lugar de”e não “contra”. Ele não dirá ser o Anticristo. Antes, reivindicará ser o verdadeiro Cristo. Embora haja alusões e caracteriza­ ções por todo o Antigo e o Novo Testamento, a mais clara representação desse adversário de Deus aparece em 2 Tessalonicenses 2.3-9. Ele é retratado como a incorporação da própria iniqüidade (Dn 7.24,25; 2 Ts 2.3,8,9). Ele dirá ser o próprio Deus (2 Ts 2.9,10). E provável que a besta, referida no capítulo treze deApocalipse, sejaoutro nome do Anticristo. Este, porém, há de revelar sua verdadeira natu­ reza, principalmente ao povo judeu ao cometer o sacrilégio conhecido em Daniel como “aabominação desoladora” (Dn 11.31; 12.11; Mt 24.15 e Mc 13.14). A contaminação do templo de Jerusalém por Antíoco Epifânio em 168 a.C., constituiu-se no cumprimento imedi­ ato dessa profecia de Daniel. No entanto, ela tem um signi­ ficado escatológico a longo prazo. Jesus a viu como um acontecimento ainda futuro. O destino do Anticristo será um rápido e inexorável julgamento por parte do Senhor Jesus, quando de sua reve­ lação e intervenção como o Rei dos reis e Senhor dos senhores (Ap 19.11-16). A batalha do Armagedom, o últi­ mo grande conflito das nações, instigado pelo Anticristo, culminará no triunfo de nosso Senhor. Quanto ao Anticris­ to e aos seus aliados, serão todos lançados lago do fogo. O TEMPO DA VINDA DE CRISTO O Senhor advertiu-nos quanto ao tempo de sua vinda: “Mas, daquele Dia e hora, ninguém sabe, nem os anjos que estão no céu, nem o Filho, senão o Pai. Olhai, vigai e orai, porque não sabeis quando chegará otempo” (Mc 13.32,33). CAPÍTULO 13 A Bendita Esperança
  • 227. 236 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 1 3 A Bendita Esperança Jesus também disse aos discípulos, momentos antes de subir aos céus, que não lhes pertencia “saber os tempos ou as estações que o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder” (At 1.7). A data do retorno de Cristo não é prerrogativa nossa. Contudo, há algumas linhas mestras que deveríamos obser- var para que não sejamos surpreendidos. Em vista da necessidade de nos mantermos sempre aler­ tas, podemos falar da bendita esperança como algoque fosse acontecer a qualquer momento. Não queremos dizer com isso que o SenhorJesus poderia ter retornado imediatamen­ te após a sua ascensão. Todavia, atentemos para a parábola na qual Jesus pintou um “homem nobre” que “partiu para uma terra remota, a fim de tomar para si um reino e voltar depois. E, chamando dez servos seus, deu-lhes dez minas e disse-lhes: Negociai até que eu venha” (Lc 19.11-27). Esta comparação dá a entender que haveria uma ausência consi­ derável. Haja vista o dinheiro confiado aos servos. Era sinal de que estes deveriam cumprir suas tarefas com fidelidade. Como eles não sabiam o tempo exato do retorno de seu senhor, não podiam mostrar-se negligentes: teriam de cui­ dar com o máximo zelo dos negócios do mestre. Os crentes, no primeiro século da era cristã, esperavam que Jesus retornasse por aqueles dias. Porém, à semelhança do apóstolo Paulo, não ficaram desapontados ao percebe­ rem que ainda haveria um tempo de espera (2 Tm 4.8). De igual modo, devemos nos manter sempre em obediência à Grande Comissão(Mt 28.19,20; At 1.8), pois “este evange­ lho do Reino será pregado em todo o mundo, em testemu­ nho a todas as gentes, e então virá o fim” (Mt 24.14). Seja como for, jamais nos esqueçamos de que Jesus breve virá. Eis o que Ele mesmo enfatizou: “Por isso, estai vós apercebidos também, porque o Filho do Homem há de vir à hora em que não penseis. Quem é, pois, o servo fiel e prudente, que o senhor constituiu sobre a sua casa, para dar o sustento a seu tempo? Bem-aventurado aquele servo
  • 228. A Bendita Esperança 731 que o Senhor, quando vier, achar servindo assim. Em verdade "os digo que o porá sobre todos os seus bens. Porém, se aquele mau servo disser consigo: O meu senhor tarde virá, e começar a espancarosseusconservos, eacomer, eabebercomosbêbados, ’.irá o senhor daquele servo num dia em que o não espera e à hora em que ele não sabe, e separá-lo-á, e destinará a sua parte com os hipócritas; ali haverá pranto e ranger de dentes” (Mt 24.44-51). João também enfatizou quão importante é conservar a esperança na volta do Senhor Jesus: “E qualquer que nele tem esta esperança purifica-se a si mesmo, como também ele é puro” (1 Jo 3.3). Portanto, devemos estar sempre atentos: esperando a Jesus e proclamando o Evangelho en­ quanto Ele não vem. Com a volta de Cristo, tomaremos completa posse do Reino de Deus. Pedro adverte-nos contra osfalsos mestres e zombadores que não cessavam de perguntar: “Onde está a promessa da suavinda?” (2 Pe 3.4). Responde o apóstolo: “Mas, amados, não ignoreis uma coisa: que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos, como um dia. O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para convosco, não querendo que alguns se per­ cam, senão que todos venham a arrepender-se” (2Pe 3.8,9). Noutras palavras: Deus não vê o tempo da maneira como o fazemos, nem se acha limitado pelo tempo. (Ver Stanley M. Horton, ReadyAlways, Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1974, págs. 111-113). Vemos as coisas através da ótica de nossas limitações. Mas Deus as vê do ponto de vista da eternidade. Como Ele sepreocupa com o cumprimento da Grande Comissão, con­ cede-nos tempo para que proclamemos o Evangelho a todas =snações. Estejamos certos, porém, de uma coisa: no devido tempo, Deus haverá de dizer: “Basta”. E o dia de Cristo, então, virá como o ladrão de noite (2 Pe 3.10). Visto estar Pedro preocupado com o julgamento dos falsosmestres, deixa por um instante o arrebatamento, evai CAPÍTULO 13 A Bendita Esperança
  • 229. 238 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 13 A Bendita Esperança direto ao julgamento final. Ele explica que tudo acontecerá no “dia do Senhor”que, logicamente, não pode ser confun­ dido com um mero período de 24 horas. Paulo também fez severas advertências contra os falsos mestres por estarem perturbando os tessalonicenses, que haviam sido encorajados quanto à esperança do arrebata­ mento. Através de falsas profecias e epístolas forjadas, afir­ mavam eles: “... como se o Dia de Cristo estivesse já perto” (2 Ts 2.1,2). Paulo, então, apareceu em cena para refutar semelhante ensino: “Ninguém, de maneira alguma, vos en­ gane, porque não será assimsemque antes venha aapostasia e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição” (2 Ts 2.3). Neste versículo, Paulo indicou que, por não terem tais coisas ocorrido, o dia do Senhor ainda não havia chega­ do. MasJesus já não tarda em vir arrebatar-nos (idem, págs. 94-101. Ver também Study Bible, págs. 445 e 446). A iminência da volta de Cristo também é evidenciada pelos sinais. As “guerras e rumores de guerras” e demais coisas mencionadas por Jesus em Mateus 24 caracterizam muito bem apresente hora. E, assim, Jesus deixou bem claro que não podemos esperar por condições perfeitas para espalhar o Evangelho, mas aproveitar todas as oportunida­ des independentemente das circunstâncias. Há também ou­ tros “sinais”específicos referentes à segunda vinda de Jesus emglóriaparajulgaraterraeestabeleceroseureino milenar. Ele mesmo o diz: “Ora, ao começarem estas cousas a suce­ der, exultai e erguei as vossas cabeças; porque a vossa re­ denção se aproxima” (Lc 21.28). Isso significa que devemos enfocar a nossa atenção sobre o Senhor, e não sobre os sinais. Por conseguinte, não há sinais que nos permitam datar oarrebatamento. A despeito das especulações e tenta­ tivas de se datar este maravilhoso evento, a vinda de Cristo não serápreviamente anunciada (Mt24.36; 25.13; Mc 13.32; 1 Ts 4.16,17 e Tt 2.13). O Senhor quer que estejamos sempre de prontidão.
  • 230. A Bendita Esperança De uma coisa, porém, estamos certos: o arrebatamento ia Igreja ocorrerá antes da Grande Tribulação, pois o Se­ nhor Deus livrar-nos-á dessa angústia (Lc 21.34-36; 1 Ts 5.9,10; 2 Ts 1.4-10 e Ap 3.10). (Ver “The Rapture of the Church” em Where Wc Stand, Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1990, págs. 125-130). PERGUNTAS PARA ESTUDO 1. Por que aressurreição deJesus era um tema central na prédica da Igreja Primitiva? 2. Como serão nossos novos corpos por ocasião da volta de Cristo? 3. Por que a ressurreição dos crentes e a segunda vinda de Cristo são a “bendita esperança”da Igre­ ja? 4. Por que devemos ver a presente era não como um fim mas como uma consumação? 5. De que maneira a esperança da Segunda Vinda afetará nossa vida diária? 6. Quais são as razões para a expectação quanto ao retorno literal e pessoal de Jesus à terra? 7. Qual o sentido etimológico do verbo “arrebatar”? 8. O arrebatamento e o encontro com o Senhor nos ares serão reais para todos os crentes, ou apenas para um determinado grupo? Explique. 9. Quem são os vencedores? 10. Qual é a evidência de que o arrebatamentot e r á lugar antes da Grande Tribulação? 11. Como será o Anticristo? 12. Qual éoperigode setentar estabelecerdatas para o retorno do Senhor? CAPÍTULO 13 A Bendita Esperança
  • 231. l£ Verdade Fundamental
  • 232. OREINO MILENIALDE CRISTO A segunda vinda de Cristo inclui o arrebatamento dos san­ tos, nossa bendita esperança. E seguida pela volta visível de Cristo com seus santos, para reinar sobre a terra por mil anos (Zc 14-5; Mt 24.27,30; Ap 1.7; 19.11-14; 20.1-6). Esse reino trará a salvação a Israel (Ez 37.21,22; Sf3.19,20; Rm 11.26,27) e oestabelecimento dapaz universal (SI 72.3-8; Is 11.6-9; Mq 4.3,4).
  • 233. 0 Reino Milenialde Cristo O arrebatamento foi discutido no capítulo anterior. Mas vale considerar novamente o trecho de Tito 2.11-14: “Por­ que a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens, ensinando-nos que, renunciando à impie­ dade e às concupiscências mundanas, vivamos neste pre­ sente século sóbria, justa e piamente, aguardando a bem- aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Senhor Jesus Cristo, o qual se deu a si mesmo pornós, para nos remir de toda iniqüidade epurificar para si um povo seu especial, zeloso de boas obras” (ver Stanley M. Horton, “I Believe in the Pre-Tribulation Rapture”, Pente- costal Evangel, 2 de julho de 1989, págs. 8 e 9; Stanley M. Horton, “Counted Worthy to Escape”,PentecostalEvangel, 15 de agosto de 1976, págs. 6 e 7). A REVELAÇÃO DE CRISTO A revelação de Cristo é a segunda fase da segunda vinda; ocorrerá algum tempo após o arrebatamento, que terá sido a primeira fase. Nessa maravilhosa ocasião, os pés de Jesus estarão “sobre o monte das Oliveiras, que está defronte de Jerusalém para o oriente; e o monte das Olivei-
  • 234. 244 Doutrinas Bíblicas CAPITULO ras será fendido pelo meio, para o oriente e para o ocidente, ehaverá umvale muito grande; metade do monte seaparta- 0 Reino Milenialra Para ° n o r t e ,e aoutra metade dele para osul... Então virá de Cristo 0 Senhor meu Deus, e todos os santos contigo, ó Senhor” (Zc 14-4,5). A promessa de uma descida literal à terra foi corroborada pelos mensageiros angelicais que anunciaram à multidão espantada, na ascensão de Cristo: Ele retornaria, “assimcomo para o céu ovistes subir” (At 1.11). Tendo Ele partido do monte das Oliveiras à vista de todos, pode-se concluir que retornará de forma visível ao mesmo local. Apocalipse 1.7 aponta para essa vinda pública de Cristo: “Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até os mesmos que os traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Sim. Amém”.Quando Cristo retornar ao mundo em poder e glória, na fase da revelação de sua segunda vinda, trará com Ele os seus santos (J13.11; 1 Ts 3.13 ;Jd 14). Há vários propósitos na revelação. Jesus virá para reve­ lar-se emostrar os seus santos. O arrebatamento ocorrerá de súbito, aparentemente oculto àvisão das pessoas do mundo, que não têm discernimento. A revelação, porém, serápúbli­ ca. Pessoas que não o quiseram reconhecer durante a era da Igreja e que preferiram ignorar o desaparecimento de mi­ lhares de pessoas -o arrebatamento - serão forçadas a reco­ nhecer o Rei dos reis quando este revelar-se (J13.11,12; Zc 14.5; Mt 16.27; 24.29-31; Cl 3.4; 1Ts 3.13; 1Jo 3.2). Ele virá em poder e glória para julgar os seus inimigos. A besta, o Falso Profeta e os exércitos que deram apoio aos adversários de Deus sofrerão a ira do Juiz. Forças terríveis, atuantes, mm. temço de tribulaqão sem çrecedentessserão derrubadas e destruídas (2 Ts 2.8,9). Os maus espíritos que sairão da besta, do Falso Profeta e dodragão (Satanás) dirigir-se-ão aJerusalémpara conquistá- la, no fim Grande Tribulação (Zc 12.1-9; 13.8,9; 14.12; Ap 16.12-16). E, quando a vitória do mal parecer iminente, o Senhor Jesus descerá do Céu com seus exércitos de valen-
  • 235. O Reino Milenial de Cristo 245 tes, provavelmente incluindo tanto os santos quanto os CAPITULO anjos (Ap 19.11-16). Cristo, o Rei, triunfará maravilhosa- mente nesse momento crítico, e os líderes das hostes ímpiasn Mj]Ênja| serão lançados no lago do fogo (SI 2.3-9; 2 Ts 2.8; Ap JeCristo 19.19,20). Dessa maneira abrir-se-á o caminho para o go­ verno terreno de Cristo, a inauguração de um novo regime conhecido como o Milênio. “Milênio” vem do latim mille, “mil”, e annus, “ano”. A revelação de Cristo, porocasião de sua segunda vinda, não somente esmagará o poder do maligno, ou seja, o Falso Profeta e a besta, mas também amarrará o próprio Satanás (Rm 16.20; Ap 20.1,2). Por 1000 anos ele permanecerá amarrado, antes de sua eventual libertação e confinamento ao lago do fogo, com o restante de seus emissários. O MILÊNIO O retorno de Jesus, com poder e grande glória, é vivida- mente descrito em Apocalipse 19.11-16: Evi o céu aberto, e eis um cavalo branco; e o que estava assentado sobre ele chama-se Fiel e Verdadeiro; e julga e peleja com justiça. E os seus olhos eram como chama de fogo; e sobre a sua cabeça havia muitos diademas; e tinha um nome escrito, que ninguém sabia senão ele mesmo. E estava vestido de uma veste salpicada de sangue; e o nome pelo qual se chama é a Palavra de Deus. E seguiam-no os exércitos no céu em cavalos brancos e vestidos de linho fino, branco e puro. E da sua boca saía uma aguda espada, para ferir com ela as nações; e ele as regerá com cetro de ferro, eele mesmo éo que pisaolagardo vinho do furor e da ira do Deus Todo-poderoso. E na veste e na sua coxa tem escrito este nome: REI DOS REIS E SENHOR DOS SE­ NHORES. O cavalo branco indica que Cristo virá como poderoso conquistador. “Fiel e Verdadeiro”significa que Ele é genuí­ no e real: o mesmo Jesus (a Palavra Viva) que nasceu em uma manjedoura. Suas vestes tintas de sangue apontam
  • 236. 246 Doutrinas Bíblicas CAPITULO para o fato que £le é o mesmo que morreu na cruz. “As regerá com um cetro de ferro”significa, literalmente, “fazer 0 Reino Milenial° PaPel de pastor com um cetro de ferro”. Isto, juntamente de Cristo com ° ^a z era 8uerra>empunhando uma aguda espada, será cumprimento de Daniel 2.34,35,44,45, onde a “pedra”des- truirá os reinos deste mundo e se tornará um reino que encherá a terra inteira. As vestiduras de “linho finíssimo” dos exércitos que oseguirão identificam-se com aIgreja (Ap 17.14; 19.8), a qual desde o tempo do arrebatamento estará com o Senhor para sempre (1 Ts 4.17; ver Stanley M. Horton, The Ultimate Victory: An Exposition of the Book ofRevelation, Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1991, págs. 281-284). PONTOS DE VISTA DO MILENISMO A Igreja Primitiva acreditava que Cristo retornaria para estabelecer o seu Reino e reinar em Jerusalém como o verdadeiro e final Herdeiro do trono de Davi. Aceitava-se como literal a promessa de Jesus de que os 12 apóstolos sentar-se-iam sobre 12 tronos, para julgar e governar as 12 tribos do Israel já restaurado (Mt 19.28). Paulo elogiou os crentes de Tessalônica porque, deixan- do os ídolos, “vos convertestes a Deus, para servir ao Deus vivo e verdadeiro, e esperar dos céus a seu Filho, a quem ressuscitou dos mortos, a saber, Jesus, que nos livra da ira futura” (1 Ts 1.9,10). Eles podiam identificar-se com aque­ les que cantarão o novo cântico de Apocalipse 5.9,10, que celebra não somente a redenção pelo sangue do Cordeiro, mas também o fato de que Cristo os tornará reis e sacerdo­ tes, e que reinarão sobre a terra. Conforme o tempo se foi passando, a esperança de al­ guns crentes se esfriava. Mas houve quem continuasse, nos primeiros séculos doCristianismo, aenfatizaroreino milenial de Cristo sobre a terra. Eles eram às vezes chamados pelo apelidode “quiliastas”,derivado dapalavragregaxilia, “mil”.
  • 237. O Reino Milenial de Cristo Então, após ter sido o Cristianismo proclamado religião oficial do império romano, começou a mudança. Os pasto­ res das igrejas não mais assumiam o papel de líderes-servos. Pelo contrário, seguiam o padrão de governo do Império romano, constituindo uma hierarquia própria. Quando a capital do império romano mudou-se de Roma para Constantinopla, criou-se um vácuo político em Roma; mas então o bispo de Roma entrou nesse vazio para assumir a liderança política, fazendo da sé um trono. Os demais bispos começaram a olhar para suas igrejas como bases de poder, pois sua atenção desviara-se da bendita esperança, preferindo opoder ea autoridade terrenos. Como resultado, o pós-milenismo (“pós” significa “depois” - em outras palavras, acreditavam que oretorno de Cristo dar-se- iadepois do “atual”Milênio) surgiu em cena, ensinando que o reino milenar, iniciado na ressurreição de Cristo, termina­ rá com sua segunda vinda. Com isso estavam afirmando que não haveria um futuro Reino de Deus sobre a terra. Agosti­ nho, bispo de Hipona, no Norte da África (396 -430 d. C.), provavelmente foi um dos principais promotores desse tipo de pós-milenismo, embora seja também considerado um dos vultos entre os amilenistas. O único reino com que os advo­ gados desse ensino se preocupavam era o que podiam edifi- car para si mesmos, usando as pessoas como servos. Posteriormente, apareceu em cena o amilenismo, ensi­ nando que não haveria milênio algum na terra (o “a”inicial significa “não”). Esses pontos de vista foram transportados para as igrejas protestantes da Reforma. Visto que negavam o Milênio, não tinham espaço em seus sistemas teológicos para a restauração terrena de Israel. Por conseguinte, as profecias veterotestamentárias respeito desse reino e de Is­ rael eram espiritualizadas e aplicadas à Igreja. Declarou-se que Israel, por ter rejeitado a Jesus como o Cristo, perdera todas as promessas que Deus lhe fizera. Também o livro de Apocalipse foi espiritualizado. Afirmava-se que Satanás es­ tava amarrado à cruz, pelo que o Evangelho poderia ser CAPÍTULO 14 0 Reino Milenial de Cristo
  • 238. 248 Doutrinas Bíblicas CAPITULO propagado de maneira maravilhosa, sem os empecilhos lan- r. çadospelodiabo. Ensinava-se tambémque, retomando Cristo, 0 Reino Milenialhaveria um julgamento geral e simultâneo de justos e injus- de Cristo tos' entao estabeleceria imediatamente o seu Reino eterno, semnenhum milênio. Mais tarde ainda, osamilenistas passaram a ensinar que qualquer milênio que possa haver, está acontecendo agora (ou espiritual, sobre a terra, ou então, no Céu). Algumas vezes é difícil distinguir os pós- milenistas dos amilenistas. Eles compartilham grande parte de seus ensinos; ambos espiritualizampesadamente as Escri­ turas. Admitimos que o livro de Apocalipse usa figuras de linguagem. Mas elas representam realidades. O Anticristo é retratado como uma fera, mas será uma pessoa real, confor­ me 2 Tessalonicenses 2. Também há declarações indubitavelmente literais emApocalipse, especialmente nos capítulos iniciais e finais. Os 1000 anos são mencionados seis vezes no capítulo 20. Repetição, na Bíblia, indica ênfa­ se, o que nos dá motivo para tomá-los literalmente. E, embora o tipo de corrente que amarrará Satanás não seja especificado, não há dúvidas de que ele estará acorrentado durante o Milênio. Também está claro, nas Escrituras, que Satanás não foi amarrado à cruz. Cristo realmente ressuscitou, vitorioso. A cruz e aressurreição de Cristo são agarantia da derrota final de Satanás. Não obstante, a Bíblia declara que o inimigo do crente “anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar”, e que a nós compete resistir-lhe “fir­ mes na fé” (1 Pe 5.8,9). Continuamos na necessidade de nos revestir de toda a armadura de Deus, pois continuamos em uma batalha espiritual e precisamos usar o escudo da fé, “com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno” (Ef6.10-18). Entretanto, Apocalipse 20.2,3 revela que Satanás será amarrado e lançado no abismo, o qual será fechado e selado sobre ele, “para que não mais engane as nações até que os mil anos se acabem”. Por conseguinte, a
  • 239. O Reino Milenial de Cristo 249 prisão de Satanás só terá lugar quando Cristo voltar glorio- samente. Em tempos mais recentes, surgiu outra forma de pós- milenismo. Seus advogados fazem do milênio uma extensão da era da Igreja, ensinando que nesse tempo haverá uma grande propagação do Cristianismo sobre a face da terra. E então, quando a Igreja converter o mundo todo, Jesus retornará para julgar justos e injustos, ao mesmo tempo. Os que defendem esse ponto de vista usualmente afirmam que, a menos que se acredite na conversão do mundo antes da volta de Jesus, a crença no Evangelho não é verdadeira. Outra moderna corrente pós-milenista tem capturado a imaginação de muitos (entre os quais incluem-se os defen­ sores de idéias como “Reino Agora”, “Restauracionismo” e “Teologia do Domínio”; ver L. Thomas Holdcroft, “Is the KingdomNow?” The PentecostalMinister, outono de 1988, págs. 15-19). Chegam ao extremo de dizer que devemos nos reconhecer como pequenos deuses e tomar os reinos deste mundo. E, quando isso for feito, Jesus virá, e lhe entregare­ mos esses reinos. Á semelhança dos outros pós-milenistas e amilenistas, os defensores dessa corrente espiritualizam as claras profecias da Bíblia e distorcem-nas, para que se ajus­ tem à sua doutrina. A idéia de que omundo deve converter-se e os reinos do mundo conquistados pela Igreja antes da volta de Jesus é produto não das Escrituras, mas de pensamentos humanos. Qualquer teoria pode parecer lógica, se forem deixados de lado alguns fatos. Mas quando buscamos as Escrituras, ve­ mos Jesus alertando a seus discípulos de que parte da se­ mente do Evangelho cairia à beira do caminho, outra parte sobre terreno pedregoso e outra ainda entre ervas daninhas. Uma quarta parte cairia em bom terreno, mas também haveria muita oposição (Mt 13.1-23). Em Mateus 24, Jesus adverte sobre os mestres e profetas falsos que se levantari­ am. Alertou também que, perto do fim, eles se tornariam piores. O livro de Atos mostra-nos como aIgreja cresceu em CAPÍTULO 14 0 Reino Milenial de Cristo
  • 240. 250 Doutrinas Bíblicas CAPITULO n ú m e ro e c o m o a oposição ta m b é m cresceu e c o n tin u o u . Não há conclusão formal no livro de Atos, pelo que pode- 0Reino Milenialmos esPerar que amesma situação prossiga por toda aera da de Cristo Igreja. Tanto Paulo quanto Pedro anunciam que, conforme nos aproximarmos do fim desta era, haverá “tempos traba- lhosos”, difíceis para os cristãos viverem (2 Tm 3.1-5; 1 Pe 4.12-19; 2 Pe 3.3). Tudo indica que o Reino de Deus virá através de julga­ mento. A grande imagem vista por Nabucodonosor, no segundo capítulo de Daniel, é uma representação do siste­ ma do mundo, incluindo sua seqüência de impérios, segui­ dos pelos pés de ferro e barro: uma mistura de estados nacionalistas, alguns fortes, outros quebradiços, que se sub­ dividem repetidamente. Embora Babilônia tenha cedido lu­ gar à Média-Pérsia, que cedeu lugar à Grécia, que cedeu lugar a Roma, que cedeu lugar à variedade de estados, a imagemdeNabucodonosorpermanece depé. Temosconosco a astrologia babilônica, a ética da Média-Pérsia, a filosofia grega e as idéias romanas (isto é, de que opoder éodireito). Nunca houve, realmente, uma nova ordem mundial. Entre­ tanto, surgirá em cena a pedra, representando Cristo e seu reino. Ela não penetrará na imagem e nem a transformará. Antes, atingir-lhe-á os pés - o presente sistema mundial e aimagem inteira será reduzida apó, eopó será soprado pelo vento. Somente então apedra tornar-se-á uma grande mon­ tanha, representando o reino milenial de Cristo a encher a terra. Até mesmo o que chamamos de coisas boas, no pre­ sente sistema mundial, terá de ser destruído, para abrir caminho às coisas melhores do Milênio, conforme Salmos 2.8,9; 2 Tessalonicenses 1.7,8; Apocalipse 12.5; 19.11-21. Apocalipse 2.26-29 indica ainda que todos os crentes fiéis - os vencedores - estarão com Cristo e compartilharão de seu triunfo, tomando parte na ação, com vara de ferro, a esmi­ galhar as nações, como se fossem “feitas de argila”. Por conseguinte, a vara de ferro e o ato de despedaçar devem anteceder o estabelecimento do reino milenial, e não ser o próprio Milênio.
  • 241. O Reino Milenial de Cristo 251 A posição pré-milenista é a única que toma a Bíblia tão literalmente quanto ela o requer (os pré-milenistas acredi- tam que Jesus retornará antes do Milênio). Acredita no cumprimento das profecias tanto para a Igreja quanto para Israel, e espera pela vinda de Jesus, para que Ele cumpra a promessa de assentar-se no trono de Davi e estabelecer o seu Reino na face da terra. PROMESSAS NACIONAIS DE DEUS A ISRAEL Deus prometeu a Abraão bênçãos pessoais, à sua nume­ rosa descendência (Israel) e à todas as famílias da terra (Gn 12.3; 17.5,7; 22.17,18). Colocando-se de outra maneira, a promessa feita a Abraão inclui a sua descendência, a terra e as nações. A descendência incluía tanto uma numerosa descendência - Israel - quando um descendente único - Jesus Cristo - por meio de quem viriam as futuras bênçãos da redenção e o Espírito Santo. A terra também estava incluída na promessa feita a Abraão e a Israel (Deus prometeu-lhe a terra entre o rio Eufrates eorio do Egito, Gn 15.18,19). Ezequielviu afutura restauração do território, especialmente nos capítulos 36 e 37 de seu livro. O profeta enfatiza a importância do nome do Senhor, que representa sua natureza e caráter. Ele viverá à altura de seu nome, e será sempre o Deus fiel que afirma ser. Deus restaurará Israel tanto material quando espiritual­ mente, embora tenha ele profanado o seu santo nome. Mas o fará para honrar o seu nome, ou seja, demonstrar sua natureza e caráter santos. Essa é a santidade de Deus, medi­ ante a qual Ele se dedicou a levar avante sua vontade e seu plano. Em conseqüência, não há maneira de espiritualizar a profecia de Ezequiel, e aplicá-la à Igreja. Ezequiel 36.24-27 mostra-nos que Deus trará os judeus de todos os países e os levará de volta à sua terra. Em seguida, os purificará, restaurá-los-á espiritualmente e porá seu Espírito dentro deles. Em outras palavras, eles voltarão à CAPÍTULO 14 0 Reino Milenial de Cristo
  • 242. 252 Doutrinas Bíblicas CAPITULO sua terra na incredulidade. O capítulo 3 7 de Ezequiel diz a m ,, mesma coisa por meio de uma visão simbólica, onde, pelo 0 Reino Milenialpoder da palavra profética, ossos secos se ajuntaram (carne, de Cristo músculos e pele os cobrem), mas eles não estão respirando. Então, é ordenado a Ezequiel que profetize de novo. Assim, por uma ação posterior à palavra profética, a vida entra naqueles cadáveres. Os ossos secos retratam Israel espalha­ do entre as nações, sua esperança completamente seca. Isso não aconteceu durante os 70 anos do exílio babilônico, porquanto Jeremias profetizara o retorno após setenta anos. Mas, depois que as 12 tribos foram novamente espalhadas, entre os anos 70 e 135 da nossa era, os judeus atravessaram os séculos sem nenhuma esperança de voltar à Terra Pro­ metida. Por conseguinte, Ezequiel olha para uma futura restauração de Israel. Mas Deus não revelou quanto tempo passaria até a restauração espiritual. Com base nesta passa­ gem, entretanto, torna-se claro que a terra continua sendo parte importante da promessa de Deus. A Lei de Moisés foi adicionada à promessa (G13.19) - sem desfazer-se dela ou de parte dela. Quando o trabalho da Lei foi encerrado, a promessa continuou de pé, e até hoje é importante porção da Palavra de Deus. A fidelidade de Deus garante, assim, que Israel será restaurado à sua terra. O trecho de Isaías 65.17 fala de Deus a criar novos céus e nova terra, no futuro. O versículo 18 começa com um forte pronome adversativo (no hebraico, ki-’im), traduzido por “mas” em nossa versão portuguesa (ver William L. Holladay, A Concise Hebrew and Aramaic Lexicon of the Old Testament, Grand Rapids; Wm. B. Eerdmans Pub. Co., 1971, pág. 156). Em outras palavras, embora haja novos céus e nova terra, as profecias sobre Jerusalém terão seu cumprimento. O resto do capítulo refere-se às condições do Milênio, pois não se ajusta à descrição dos novos céus e da nova terra de Apocalipse. Antes, é paralelo às descrições do reino milenial, em Isaías 11.4-10.
  • 243. O Reino Milenial de Cristo 2 5 3 O apóstolo Paulo tinha um grande amor pelo povo de Israel, que então rejeitara o Evangelho. Estava disposto a desistir da própria salvação eterna, seisto garantisse asalva- ção deles (Rm 9.1-5). Ele sabia que isso seria impossível, mas demonstra o quanto os amava. E pergunta, em Roma­ nos 11.1: “Porventura, rejeitxou Deus o seu povo?” Ele mesmo responde: “De modo nenhum!” (no grego, me genoitó). Deus jamais permitirá que isso aconteça. Está claro que Deus não rejeitou o seu povo! E o contexto mostra que a Bíblia está falando de um Israel literal, e que Deus não alterou suas promessas. Lembremo-nos, ainda, que os 12 apóstolos julgarão, ou governarão, as 12 tribos de Israel (Mt 19.28; Lc 22.30). Isso requer uma restauração literal de Israel. Não há como a Igreja possa vir a ser dividida em 12 tribos. Assim, a visão pré-milenista é a única que permite a restauração de Israel como nação e o cumprimento literal das profecias de paz e bênção que Isaías e outros profetas previram: 1. Haverá paz universal: “E ele exercerá o seu juízo sobre as nações e repreenderá a muitos povos; e estes con­ verterão as suas espadas em enxadões e as suas lanças, em foices; não levantará espada nação contra outra nação, nem aprenderão mais a guerra” (Is 2.4). 2. A glória do Senhor descansará num templo reconstruído. Ezequielviu aglória partindo (Ez9.3; 10.4,18; 11.23). Mais tarde, ele aviu voltando: “E eis que aglória do Deus de israel vinha do caminho do oriente... e eis que a glória do Senhor encheu o templo” (Ez 43.2,5). 3. Jesus restabelecerá o trono de Davi: “Eis que vêm dias, diz o Senhor, em que levantarei a Davi um Renovo justo; sendo rei, reinará, e prosperará, e praticará ojuízo e a justiça na terra” (Jr 23.5). 4- Haverá alegria: “Os resgatados do Senhor voltarão e virão a Sião com júbilo; alegria eterna haverá sobre a sua CAPÍTULO 14 0 Reino Milenial de Cristo
  • 244. 254 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 14 0 Reino Milenial de Cristo cabeça; gozo e alegria alcançarão, edeles fugirá a tristeza eo gemido” (Is 35.10; ver 51.11; 55.12; 61.10; Jr 31.12). 5. A terra será abençoada: “Farei descer a chuva a seu tempo, chuvas de bênção serão. E as árvores do campo darão o seu fruto, e a terra dará a sua novidade, e estarão seguras na sua terra” (Ez 34.26,27 - os pontos acima foram adaptados de Ernest Swing Williams, Systematic Theology, vol. 3, Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1953, págs. 235 e 236. O Milênio será um tempo glorioso. O mundo será purifi­ cado de sua atual poluição e será renovado para atingir um estado superioraodoÉden antes daqueda (Horton, Ultimate Victory, págs. 293-298; ver SI 2.8; 24.7,8; Is 9.7; 11.6-19; 35.1,2; 61.3; Ez 40-48; Dn 2.44; Os 1.10; 3.5; Am 9.11-15; Mq 4.1-8; Zc 8.1-9; Mt 8.11; 19.28; At 15.16-18; Ap 2.25- 28; 11.15). Entretanto, nossa esperança não está fixada somente no futuro. Temos encorajamento parao presente emAtos 3.19, onde Pedro fala sobre tempos de refrigério. O grego indica que sempre que as pessoas se arrependem (mudando seus corações, mentes e atitudes), seguem-se tempos de refrigé­ rio - até a volta de Jesus. Assim sendo, a bendita esperança deveriadespertar-nos abuscar agoramesmooreavivamento. PERGUNTAS PARA ESTUDO 1. Quais os propósitos da fase da revelação da segunda vinda de Cristo? 2. Cite algumas das passagens bíblicas que mostram que a Igreja Primitiva acreditava literalmente na segunda vinda? 3. O que produziu o soerguimento do pós-milenismo e do amilenismo? 4. Quais razões têm os pré-milenistas para não espiritualizarem o livro de Apocalipse, na mesma
  • 245. O Reino Milenial de Cristo 255 extensão em que o fazem os amilenistas e pós- milenistas? 5. Quando Satanás será amarrado? 6. Quais os perigos de algumas das mais recentes for­ mas do pós-milenismo? 7. O que acontecerá ao atual sistema mundial, quando Jesus retornar gloriosamente? 8. Quem mais se preocupa com o restabelecimento de Israel na Terra Prometida, com um novo coração, um novo espírito e o Espírito Santo dentro deles? Explique. 9. Quais serão as condições durante o Milênio? 10. Como podemos ter tempos de refrigério em nossos dias? CAPÍTULO 14 0 Reino Milenial de Cristo
  • 246. 15aVerdade Fundamental
  • 247. OJULGAMENTOFINAL Haverá umjulgamento final, no qual os ímpios ressuscitarão para serem julgados de conformidade com as suas obras. Quem não tiver o nome inscrito no Livro da Vida, será lançado, juntamente com o diabo e seus anjos, no lago que arde com fogo e enxofre, que é a segunda morte, onde já estarão a besta e o Falso Profeta (Mt 25.46; Mc 9.43-48; Ap 19,20; 20.11-15 e 21.8).
  • 248. 0 JulgamentoFinal O DESTINO DA RAÇA HUMANA No final desta vida, o que nos acontecerá? Eis uma das perguntas mais importantes que alguém pode fazer. Quão maravilhoso é saber que o Livro dos livros supre-nos com as informações necessárias acerca de nossa existência na eter­ nidade. Assim, não carecemos andar ansiosos nem frustra­ dos quanto ao nosso destino. Embora não tenhamos todos os detalhes acerca de nossa vida ao lado de Cristo, há luz suficiente para não andarmos em trevas. Que acontece por ocasião da morte? Ela é_a separação entre o corpo e alma (JoU.11,13; 2Co 5.1-9). Éo salário do pecado (Rm 6.23; 5.12). É a manifestação final do pecado (1 Co 15.26). No entanto, Cristo venceu amorte, anulando suas conseqüências através de seu triunfo na cruz (2 Tm 1.10). Apesar de lhe estarmos ainda sujeitos, ela já não tem mais poder sobre nós. Os que morreram em sua impiedade, porém, terão de enfrentar igualmente a segunda morte - a eterna separação de Deus (Ap 20.14). Na vidafutura, o serhumano não mais estará sujeito ao aniquilamento (Rm 2.7; 1Co 15.53,54). Em nosso caso,
  • 249. 260 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 15 0 Julgamento Final mesmo que a imortalidade seja uma condição além-túmulo, a vida eterna, a vida de Cristo em nós, já é um usufruto dessa bem-aventurada eternidade. Através do Espírito San- to, recebemos a primeira prestação de nossa herança: fomos selados e aceitos por Deus como seus filhos. Sim, o Cristo ressurreto vive dentro de nós (G1 2.20 e Ef 1.13,14)- Entre a morte e a ressurreição do corpo, há o estado intermediário. Para alguns teólogos, essa etapa nada mais representa do que o sono da morte: a pessoa morre e a alma simplesmente deixa de existir, até que seja novamente cha- mada à existência por ocasião da ressurreição do corpo. A Bíblia, no entanto, deixa bem claro que, no além-túmulo, há vida consciente. Quando Moisés e Elias apareceram com Jesus, no monte da Transfiguração, ambos continuavam sendo Moisés e Elias (não se haviam reencarnado em ne­ nhuma outra pessoa). Além do mais, sabiam o que estava prestes a acontecer (Lc 9.28-31). A narrativa do rico e Lázaro salienta a mesma doutrina (Lc 16.19-31). E, no Calvário, Jesus promete ao ladrão moribundo: “Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso” (Lc 23.43). O apóstolo Paulo, ao se referir à morte, indicou que o morrer significa apresentar-se imediatamente ao Senhor (Fp 1.21- 24). O significado do termo hebraico she’oljá foi exaustiva­ mente debatido. Para alguns significa sepulcro; para outros, éoperíodo intermediário que vai da morte àressurreição. E, para outros, ainda, significa tanto o sepulcro como o estado intermediário. Tendo em vista as diversas interpretações, precisamos tomar muito cuidado com o contexto no qual vem inserido este vocábulo. Em Salmos 9.17 e Provérbios 15.24, por exemplo, o destino dos ímpios é contrastado com o dos dos justos. Visto ter Jacó falado em ir ao seol, onde supostamente já se achava seu filhoJosé (Gn 37.35), alguns rabinos sugeriram que lá deveria haver dois compartimentos separados por um palmo, ou mesmo por um dedo. Entretan­ to, como Jacó “recusou ser consolado” (Gn 37.35), é possí-
  • 250. OJulgamento Final 261 vel também que ele fosse levado a pensar fosse o seol o julgamento divino tanto para siquanto paraJosé. No entan­ to, Lucas 16.26 declara que há um espaço intransponível entre as chamas do hades eo lugaronde Abraão eLázaro se encontravam. N No Novo Testamento, a palavra grega hades veio para substituir o vocábulo hebraico shejm. Hades é sempre um lugar de punição e tormentos; é, por conseguinte, um lugar de existência consciente (Lc 16.23). Para alguns estudio­ sos, gehenna pode ser tido como sinônimo do hades. A gehenna, que ficava no vale de Hinon, ao sul de Jerusalém, havia sido transformado pelo reiAcaz num centro de adora­ ção idoMtrica (2 Cr 28.3; 33.6; Jr 7.31; 32.35). Mas quando de sua reforma, o rei Josias ordenou fosse poluído o local, tramformando-o num lugar abominável. Jesus referiu-se a esóe monturo como um tipo da punição eterna (Mt 25.46; Mc 9i47,48; Ap 14.11). Como sevê, agehenna é um termo /mais Iapropriado para descrever o lago de fogo, que é a segun,da ^morte. 0J>íovq Testamento, pois, deixa claro que o inferno realmente existe. Para os gregos, o hades era um lugar de sombras. Mas Jesus referiu-se às suas chamas e aos seus tormentos (Lc 16.24,28). Por isso, esse é um assunto que /muitos procuram evitar. Quem há, porém, de lhe negar a realidade? Deus não poderia ser o Deus santo que é sem prover um lugar apropriado aos que se rebelam contra Ele. Assim como o inferno é real, o Céu também o é. E a habitação dos que são filhos de Deus (co-herdeiros com Jesus Cristo, e que já desfrutam da vida eterna). E um lugar na presença do próprio Deus. Paulo identificou o terceiro céu como o lugar onde se acha o trono divino. E aí que fica o paraíso conforme presenciou o apóstolo. “Paraíso” (no grego, paradeisos) vem de uma palavra persa que significa “parque cercado”. No Novo Testamento, é usado apenas como o lugar das bem-aventuranças no Céu. Como vivemos neste mundo não pela vista, mas pela fé, no Céu encontra­ CAPÍTULO 15 0 Julgamento Final
  • 251. 262 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 15 0 Julgamento Final remos a realidade de tudo quanto, por esta mesma fé, acei- tamos na terra. O estado intermediário será seguido pelas ressurreições e pelos julgamentos, resultando no destino final dos justos e dos ímpios. OS JULGAMENTOS Hebreus 9.27 refere-se ao tempo vindouro onde todos compareceremos diante doJusto Juiz para prestarmos conta de tudo quanto tivermos feito durante nossa vida terrena. “E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo, depois disso, o juízo...” Fica claro, pois, que após a morte não haverá segunda oportunidade, nem reencarna- ção. As Escrituras não ensinam, porém, que haverá apenas um único julgamento universal. Há passagens realmente que falam do julgamento de um modo genérico, sem se referir a qualquer intervalo entre eles. Mas assim como o Antigo Testamento pode falar da primeira vinda de Cristo num único versículo, eda segunda no versículo seguinte (Zc 9.9,10), de igual modo a Bíblia nem sempre determina o tempo que mediará entre as ressurreições e os julgamentos. Porém, há na Bíblia a questão da revelação progressiva, deixando evidente pelo menos quatro episódios específicos de julgamento nos estádios finais do programa que Deus estabeleceu à humanidade. O Tribunal de Cristo, por exemplo, visa apenas os cren­ tes. Não é um julgamento quanto ao pecado, pois este já foi julgado no Calvário. Ele decidirá, pois, quantos aos méritos dos serviços que prestamos ao Reino de Deus aqui na terra. Um sistema de galardões fazparte do ensino de Cristo sobre aoutra vida, recebendo elaborado tratamento em suas pará­ bolas. Esse mesmo princípio é claramente afirmado por Pau­ lo em Romanos 14.10 e 2 Coríntios 5.10. Em 1 Coríntios 3.11-15, Paulo salienta que todos os crentes encontram-se edificando um edifício. Uns usamouro, prata epedras preci­ osas; mas outros lançam mão da madeira, palha e feno.
  • 252. OJulgamento Final 263 Como nossos feitos serão provados pelo fogo do juízo de Deus, precisamos agir com muito cuidado, principalmente quanto às intenções que os motivam (1 Co 13.3). Perante quem compareceremos nesse julgamento? Apocalipse 1.13'17 retrata a glória do Cristo triunfante; ante os seus olhos, coisa alguma se ocultará. Em face da responsabilidade que nos foi confiada, como mordomos de preciosas oportunidades, é necessário que, antes de mais nada, lhe sujeitemos nossas vidas para que não sejamos submetidos aos julgamentos posteriores (1 Co 11.31). Se nos mostrarmos sensíveis ao impulso do Espírito Santo, e permitirmos que Cristo viva diariamente através de nós, agiremos então como recomenda 1João 2.28: “Tenhamos confiança e não sejamos confundidos por ele na sua vinda”. Haverá também um julgamento para Israel. Lendo pro­ fecias como Isaías 43.5-10, e passagens como os capítulos 9 a 11 de Romanos, tornamo-nos conscientes de que o Esta­ do de Israel constitui-se, de fato, num milagre. Porém, antes de sua restauração milenial, virá um tempo de angústias para Jacó - a Grande Tribulação, que terá lugar entre o arrebatamento e a revelação de Cristo. Em meio a essas profundas dificuldades, Israel clamará ao Senhor, pedindo- lhe socorro (Zc 12.9 -13.1). Haverá igualmente ojulgamento dos anjos, mencionado em 1Coríntios 6.3. Quanto aesse julgamento, a única coisa que sabemos é que, quando ocorrer, já estaremos na compa­ nhia de Cristo. Afinal, o Pai lhe confiou todo o julgamento (Jo 5.22). Alguns eruditos interpretam a parábola registrada em Mateus 25.31-46 como o julgamento das nações, que terá lugar logo após abatalha de Armagedom no finalda Grande Tribulação. Há duas interpretações dessa parábola. Uma diz que haverá pessoas salvas durante a Grande Tribulação. Elesestarão entre osperdidosque tiveremsobrevividoàqueles dias. Mas o julgamento estabelecerá a separação entre am­ bos os grupos com base nas obras de amor e bondade em CAPÍTULO 15 0 Julgamento Final
  • 253. Doutrinas Bíblicas relação aos seguidores de Cristo, mui especialmente aos judeus convertidos (Gn 12.1-3; Is 10.12; 47.5,6). Uma outra interpretação, porém, diz que: (1) os atos de bondade são de indivíduos para indivíduos; (2) Jesus consi- derava seus discípulos como sua família (Mt 12.48-50); (3) seus discípulos são o “pequeno rebanho”que deve receber o reino (Lc 12.32); por conseguinte, são os “meus pequeninos irmãos” (Mt 25.40,45); e (4) a questão, nesse julgamento, não se resume à entrada no Milênio. Aos que estiverem à mão esquerda de Cristo, está reservada eterna punição no lago de fogo preparado ao diabo e seus anjos; mas aos que estiverem à suamão direita, será propiciada a entrada numa herança eterna, que lhes está reservada desde a criação do mundo. Esta visão também salienta que, tanto no Tribunal de Cristo, quanto no julgamento do grande trono branco, as obras serão julgadas. Nessa parábola, Jesus reuniu ambos os julgamentos num único quadro para reforçar a lição que Ele ministrava aos discípulos (ver James Oliver Buswell, A Systematic Theologyofthe Christian Religion, vol. 2, Grand Rapids: Zondervan Publishing House, 1962, págs. 417-423). Por conseguinte, Jesus não ensinou que os anos do Milê­ nio cabem nos dois julgamentos. De fato, esse período ainda não havia sido revelado. O intervalo entre esses julgamen­ tos só é conhecido a partir do capítulo 20 do Apocalipse. Nesta passagem, vê-se que, antes do julgamento do grande trono branco, Satanás liderará arebelião finalda humanida­ de contra Deus. A REBELIÃO FINAL DE SATANÁS Terminado oreino milenial de Cristo, Satanás será solto por um breve período. Deus assim agirá para mostrar quão reta é a sua justiça. Cabe ressaltar, aqui, que o lago de fogo jamais foipreparado aos seres humanos; ele foi destinado ao diabo e seus anjoi(25j4lX^Se as pessoas soubessem quão maravilhoso será o reino de Cristo, jamais se deixariam enganar por Satanás. Mas a soltura do adversário mostra-
  • 254. O Julgamento Final 265 nos que, mesmo depois de a humanidade haver desfrutado das bênçãos do Milênio, há de dar ouvidos ao mal. Como os tais pediram a Deus que os deixasse em paz, nada mais resta ao Senhor senão separá-los de sua presença para sempre. Em conseqüência da rebelião de Satanás, seus seguido­ res serão consumidos pelo fogo caído do céu. Ato contínuo, o próprio Satanás será lançado no lago do fogo para sempre. Imediatamente, será instaurado o grande trono branco. O GRANDE TRONO BRANCO Embora o trono de Deus seja o trono do julgamento, Jesus declarou: “E também o Pai a ninguém julga, mas deu ao Filho todo o juízo” (Jo 5.22). O único Mediador entre Deus e a humanidade tornar-se-á também o Mediador do julgamento. Por conseguinte, Jesus assentar-se-á sobre o trono. Etão grande será a sua majestade, que a terra eo céu “fugirão”, não havendo mais para eles “lugar, no plano de Deus”.Isto posto, abrir-se-á caminho para os novos céus e a nova terra. Eis os que comparecerão diante do grande trono branco: “os mortos, grandes e pequenos” (Ap 20.12). Quanto aos justos, por haverem participado da primeira ressurreição, já terão corpos imortais e incorruptíveis. Portanto, os mortos que estarão de pé, diante do grande trono branco, para serem julgados, serão “os outros mortos” (Ap 20.5) que não tomaram parte na primeira ressurreição por ocasião do arre- batamento. Esses serão os “mortos ímpios”,incluindo os que foram consumidos após o Milênio, por haverem seguido a Satanás. Dizem alguns que os que sobreviverem à Grande Tribu- lação e participarem do Milênio terão, juntamente com os que tiverem nascido neste período, a oportunidade de acei­ tar a Cristo. E, quando do julgamento do trono branco, apresentar-se-ão para receberem suas recompensas. A Bí­ blia, entretanto, não diz nada disso. Somente os “mortos” aparecerão na segunda ressurreição, que é a ressurreição CAPÍTULO 15 0 Julgamento Final
  • 255. 266 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 15 0 Julgamento Final para o julgamento (Jo 5.29). Os que forem salvos durante o Milênio, provavelmente receberão novos corpos antes dos mil anos se passarem - talvez após um período de provas. No julgamento do grande trono branco, livros serão abertos, para que os ímpios sejamjulgados de acordo com as suas obras. Então será aberto o Livro da Vida. Embora os ímpios venham a serjulgados por seus feitos, a salvação não é concedida por meio das obras. Estas servirão tão-somente para lhes evidenciar a incredulidade. Noutras palavras: o Livro da Vida será aberto como testemunha de que eles, de fato, não se acham entre os que, pela fé, receberam a Cristo Jesus como o seu Salvador, e devotaram-lhe inteira obedi­ ência. O julgamento do grande trono branco estabelecerá o destino final dos ímpios. O período entre a eternidade pas­ sada e a futura, a que chamamos tempo, é apenas um período de provação. Nesse tão curto intervalo, todos temos oportunidade para escolher entre o bem e o mal. Mas no mundo vindouro, não haverá mais qualquer oportunidade demudança.Asdecisõestomadasnestavidaserãoirreversíveis na eternidade. Precisamos tomar muito cuidado com o nosso destino eterno, pois as Escrituras não ensinam o aniquilamento dos ímpios, nem o estado destituído de mente no Nirvana con­ forme o querem os budistas. Sim, não haverá segunda opor­ tunidade! Eis a razão pela qual devemos nos dedicar à evangelização. Como embaixadores de Cristo, não podemos permitir que, os que se acham à nossa volta, pereçam no lago de fogo. LAGO DE FOGO Os que não tiverem osnomes inscritos no Livro da Vida, serão lançados no lago de fogo, que é a segunda morte. Na Bíblia, amorte com freqüência significaseparação. A segun­ da morte, pois, é a separação final entre a alma e Deus. Os ímpios perderão as glórias dos novos céus e da nova terra.
  • 256. O Julgamento Final 267 Jesus referiu-se à punição final dos ímpios como “trevas” (Mt 22.13). Isto implica, logicamente, na separação final de Deus, pois Deus “é luz, e não há nele treva nenhuma” (1 Jo 1.5). Apocalipse 22.15 indica igualmente que os ímpios estarão “fora” não somente da Nova Jerusalém mas tam­ bém dos novos céus e da nova terra. A morte e o hades também serão lançados no lago do fogo. Noutras palavras: não terão eles parte na nova cria­ ção: serãomergulhados na segundamorte, nas trevas exteri­ ores. Dessa maneira, o “último inimigo”, a morte, será para sempre destruído (1 Co 15.26). Nos novos céus e na nova terra, não haverá mais lágrimas, nem morte. No lago de fogo, porém, haverá lamentações e ranger de dentes (Mt 8.12; 13.49,50; Lc 13.28). Será um lugar pleno de remorso, amargura e frustração. Mesmo em todos esses tormentos, o pecador continuará pecador. Somente o sangue de Jesus poderá fazer do homem uma nova criatura. Hoje ainda há oportunidade. Os que forem lançados no lago do fogo “de dia e de noite serão atormentados para todo o sempre” (Ap 20.10). Judas 7 também fala da punição no fogo eterno. Todavia, há os que buscam dar outra interpretação à palavra “eterno”, dizendo que ela significa “duradoura como a nossa era”. Mas um pouco de conhecimento do grego resolve aquestão. O vocábulo grego aionios, traduzido por “eterno”ou “sem- piterno”, é usado nas expressões “vida eterna, “morte eter­ na”e “Deus eterno”.Estaríamos todos em dificuldades, pois, se Deus durasse apenas por uma era. Outrossim, a Bíblia descreve as chamas do julgamento eterno de maneira que não deixa qualquer dúvida. Por sua própria natureza, o fogo da segunda morte é inextinguível (Mt 3.12; Lc 3.17). E interminável; não tem fim. Também deveríamos observar que a promessa de vida, que Deus fez aos crentes fiéis, significa mais do que mera existência. O dom da vida eterna traz bênçãos e a comu­ nhão plena e eterna com Deus e com Cristo, bem como a CAPÍTULO 15 0 Julgamento Final
  • 257. 268 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 15 0 Julgamento Final PERGUNTAS PARA ESTUDO 1. Por que os crentes não precisam temer a morte? 2. Qual é a prova da existência consciente após a morte no estado intermediário? 3. Que esperança tinham os santos do Antigo Testa­ mento? 4. Que acontece ao ímpio por ocasião de sua morte? 5. Como podemos saber se o Céu é real? 6. Quem comparecerá diante do tribunalde Cristo, eo que podem aí esperar? 7. Por que será permitido a Satanás liderar a rebelião final após o Milênio? 8. Quem comparecerá diante do grande trono branco, e que tipo de julgamento terão? 9. No que consistirá a segunda morte? 10. Qual o propósito de Deus ao revelar,na Bíblia, os vindouros julgamentos do mundo? participação na glória vindoura. Portanto, a segunda morte, como penalidade, não significa logicamente a mera perda da existência. E a punição eterna e a separação perene de Deus. Não haverá mais ocasião àfé (incluindo aconfiança), à esperança (incluindo suas bênçãos contínuas) e ao amor. Este há de permanecer ininterruptamente com os que rece- beram a Cristo (1 Co 13.13). Não é da vontade de Deus que alguém pereça. Ele quer que todos cheguemos ao arrependimento (2 Pe 3.9). Visan­ do a salvação da humanidade, Deus providenciou-lhe salva­ ção segura e certa em Cristo Jesus. Mas cabe a cada um fazer a sua escolha.
  • 258. UreiNAS IBLICAS 1&Verdade Fundamental
  • 259. OSNOVOS CÉUS EANOVATERRA “Nós, porém, segundo a sua promessa, esperamos novos céus e nova terra, nos quais habita justiça” (2 Pe 3.13; Ap 21 e 22).
  • 260. OsNovosCéus eaNovaTerra O apóstolo Paulo relatou uma experiência, na qual foi arrebatado ao “terceiro céu” (também identificado como o “paraíso”, 2 Co 12.2,4). Sua idéia de três céus incluía: (1) Os céus atmosféricos que circundam o globo terrestre (Dn Os 2.18); (2) oscéus estelados (Gn 1.14-18); e (3) o terceiro céu, onde fica o trono de Deus, o que é a atual moradia de todos os que morreram em Cristo (2 Co 5.8; Fp 1.23). Mas a Bíblia não revela onde fica o terceiro céu em relação à criação natural de Deus. O NOVO SUBSTITUI O ANTIGO Tanto o Antigo quanto o Novo Testamento falam de novos céus e de uma nova terra (Is 65.17; 66.22; Ap 21.1). Estudiosos há que acreditam muito mais na renovação dos atuais céus e terra do que numa nova criação. Isto porque a Bíbliafaladas “colinas eternas” (Gn 49.26; Hb 3.6), da terra que “ele fundou para sempre” (SI 78.69; 104.5; 125.1,2), e que “a terra permanece para sempre” (Ec 1.4). Entretanto, examinemos o que Pedro escreveu: “Mas o Dia do Senhor virá como o ladrão de noite, no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se
  • 261. 272 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 16 OsNovos Céuse aNova Terra desfarão, e a terra e as obras que nela há se queimarão... aguardando e apressando-vos para a vinda do Dia de Deus, em que os céus, em fogo, se desfarão, e os elementos, ardendo, se fundirão” (2 Pe 3.10,12). A palavra grega, que em 2 Pedro 3.10 é traduzida por “passarão” (no grego, pareleusontai), algumas vezes signifi­ ca “passar por” ou “passar através”. Mas também significa “passar”,“chegar ao fim”ou “desaparecer”.Esseparece ser o seu claro sentido em Mateus 5.18; 24-35; Marcos 13.31; Lucas 16.17 e 21.33. A palavra traduzidapor “desfarão”(nogrego, luthesetai), significa algumas vezes “soltar”, “desatar”, “quebrar” (partir laços ou selos). Mas também é usada para indicar um navio que se choca com algo e é destruído (At 24.17); é usada igualmente com o sentido de derrubar um edifício, destruir as obras do diabo (1 Jo 3.8) e abolir as leis. Outros usos incluem a idéia de “repelir”, “chegar ao fim”. E ainda uma outra palavra grega, teketai, em 2Pedro 3.12, significa “des­ fazer”, indicando e confirmando que a terra, as estrelas e os planetas serão destruídos. A palavra “nova”, usada para indicar a nova terra, tam­ bém é utilizada para descrever a nova natureza do filho de Deus como uma nova criação (2 Co 5.17; G16.15; Ef4.24). Apesar da regeneração, mantemos nossa identidade e os traços que nos fazem que nos sintamos nós mesmos. Toda­ via, émais comumente usada para indicar algointeiramente novo, como odres novos (Mt 9.17; Mc 2.22), ou uma nova peça de fazenda (Mc 2.21). Também é usada para indicar coisas previamente desconhecidas, nunca ouvidas, inéditas - como o novo nome (Ap 2.17) ou a nova aliança, uma aliança inteiramente diferente daquela dada no monte Sinai (Jr 31.31; Lc 22.20; Hb 8.8). Essa palavra é usada igual­ mente para indicar a Nova Jerusalém, que já existe no Céu (G1 4.26), e que descerá para a nova terra. Portanto, torna- se claro que a atual Jerusalém não será renovada. Trata-se, antes de tudo, de uma Jerusalém inteiramente nova, e que virá a uma terra, de igual modo, inteiramente nova.
  • 262. Os Novos Céus e a Nova Terra 273 O vocábulo “passaram”, em Apocalipse 21.1 (no grego, CAPITULO apelthan),também é usado com osentido de “ir-se embora” e de “passar de uma condição para outra”. E igualmente OsNOVOSCéuse usado para indicar o desaparecimento da lepra (Mc 1.42), aNova Terra ou um “ai” que está passando para que outros “ais” lhe tomem o lugar (Ap 9.12). Visto que o fogo é usado muitas vezes na Bíblia para significar limpeza ou purificação, é-nos facultado entender que os céus e a terra serão renovados e restaurados a um estado melhor como resultado deste processo. Não obstante, também é usado com o sentido de consumir algo a fogo. Habacuque 3.6 fala de colinas eternas ou “desgastadas pela idade”,parecendo significar que não eram tão perenes quanto se pensava. Em Eclesiastes 1.4, lemos: “Geração vai, e geração vem; mas a terra permanece para sempre”. O contraste que aqui se faz é entre as gerações dos filhos dos homens, que vão e vêm, e a terra que parece continuar indefinidamente. A expressão “permanece para sempre” (no hebraico, le’olam) indica tão-somente um passado distante em relação ao que fala. Mas isto não significa que não venha, eventualmente, a ter um fim. Em Eclesiastes 1.10, a mesma expressão é traduzida por “antes de nós”. E alguns estudiosos tomam Eclesiastes 1.4 para indicar que sempre haverá uma terra, embora seja a presente terra substituída por uma nova. O salmista faz um contraste similar entre a eternidade de Deus e a efemeridade da atual criação. A palavra “pere­ cerão”, usada para indicar os céus e a terra, em Salmos 102.26, foi empregada para descrever a planta de Jonas (Jn 4-10), quepereceu, bemcomooutras coisasquesãodestruídas ou mesmo anuladas. Lembremo-nos que, por ocasião do aparecimento do grande trono branco, os atuais céus e terra fugirão diante daquEle que está no trono, e “não se achou lugar para eles” (Ap 20.11). Na realidade, o sentido mais simples desta passagem é que eles não poderão mais ser achados em parte
  • 263. 274 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO 16 Os Novos Céus e a Nova Terra alguma, pois desaparecerão; serão aniquilados. Isaías 51.6 profetiza que “os céus desaparecerão como a fumaça, e a terra se envelhecerá como uma veste”. Salmos 102.25,26 dizem: “Desde a antiguidade fundaste a terra; e os céus são obra das tuas mãos. Eles perecerão, mas tu permanecerás; todos eles, como uma veste, envelhecerão; como roupa os mudarás, e ficarão mudados”.A figura de uma mudança de roupas implica em vestir um novo conjunto de roupas, indicando assim a criação de novos céus e de nova terra. Tudo isso fará parte do Dia do Senhor que haverá de culminar no julgamento final. Haverá um lampejo de ener- gia que produzirá um calor tremendo, e então... o nada. Deus assim agirá para os atuais céus e terra dêem lugar à nova criação, onde não haverá mais sol nem lua. Alguns eruditos perguntam se isso afetará a humanidade. Como os crentes já teremos corpos imortais eincorruptíveis, nenhum efeito sentiremos. Os mortos que se apresentarem diante do grande trono branco tambémjá terão recebido alguma espé­ cie de corpo indestrutível (Jo 5.29). Em sua visão, na ilha de Patmos, João mostrou que a nova terra será, de fato, diferente da atual. Não haverá mais o mar (Ap 21,1) que, algumas vezes, é apresentado como símbolo de desassossego, instabilidade eperigo (Is 57.20; Tg 1.6). Sua ausência é uma maneira de se enfatizar aperfeição e a paz na nova terra. Contudo, o mar nem sempre é referido num sentido negativo (Is 11.9; 48.18; Hb 2.14). Os oceanos cobrem a maior parte da terra atual. E os microorganismos, que neles existem, são necessários para substituir o oxigênio, e manter o equilíbrio na atmosfera. Conseqüentemente, sem o mar, o ambiente da nova terra será diferente. Todavia, nada sentiremos, pois os nossos corpos, à semelhança do corpo glorificado de Cristo, estarão plenamente preparados para avida tanto na terra quanto no céu. Não mais dependeremos do oxigênio ou de uma atmos­ fera pressurizada.
  • 264. Os Novos Céus e a Nova Terra 275 A NOVA JERUSALÉM Mais importante ainda é que a nova terra tornar-se-á o local da Nova Jerusalém que descerá do Céu, da parte de Deus. Suas dimensões (Ap 21.16) de cerca de 2.200 quilo- metros de altura, largura e comprimento descrevem um cubo semelhante ao lugar santíssimo do Tabernáculo e do Santo Templo. Isto indica que a nova terra será maior do que a atual. A menção inicial da Nova Jerusalém, em Apocalipse 21.2,3, cientifica-nos que os remidos estarão habitando com Deus. Eles serão o seu povo, e Ele será o seu Deus. Dessa maneira, o propósito divino, tanto para Israel quanto para a Igreja, será finalmente cumprido (Gn 17.7; Ex 19.5,6; Lv 11.45; 2Sm 7.14; 2Co 6.16,18; G13.29 e 1Pe 2.5,9,10). Os efeitos do pecado nunca mais serão sentidos. Os crentes desfrutarão a plenitude da herança que o Senhor lhes con­ quistou no Calvário. Lá, não haverá mais lágrimas e nem morte, pois esta é o salário do pecado (Rm 6.23). E, ainda, temos a promessa de que Deus “tragará a morte para sem­ pre” (Is 25.8), e a morte será “tragada” pela vitória (1 Co 15.54). Não haverá mais morte, nem qualquer outra coisa que cause tristeza, dor, lamentação ou senso de culpa. Coisa alguma haverá de prejudicar a comunhão que desfrutare­ mos com o Senhor e com os demais redimidos pelo sangue do Cordeiro. Que maravilhosa visão da Nova Jerusalém teve João! Embora o anjo lhe tenha prometido mostrar a Noiva (Ap 21.9), sua preocupação básica era com os habitantes da cidade, e não com a cidade em si. A Bíblia, com freqüência, identifica uma cidade com os seus habitantes (Mt 23.37). Nesta passagem, Jesus orou sobreJerusalém, tendo em men­ te seus habitantes. Por conseguinte, João teve a visão de uma cidade real: o lar dos salvos. João viu a cidade radiante e plena; era a glória divina. Uma glóriamuito maior do que apresenciada por Moisés no CAPÍTULO 16 OsNovos Céus e aNova Terra
  • 265. 276 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO monte Sinai (Êx 33.18-22), ou do que a manifestada no Santo dos Santos (Êx 40.34; 2 Cr 7.1). Suas muralhas cha- OsNOVOSCéuse mam a nossa atenção para o fato de que a cidade será de aNova Terra ^a t° r e a ^’ten<^° dimensões mensuráveis. Em seus portões, acham-se inscritos os nomes das 12 tribos de Israel. Suas portas, como encontram-se sempre abertas, permitem que os seus habitantes entrem e saiam dela sem qualquer cons­ trangimento. Já não haverá separação entre Israel e aIgreja. Os doze alicerces da cidade, com os nomes dos apóstolos, indicam que aNova Jerusalém é o lar final e a sede tanto de Israel como da Igreja. Internamente, a Nova Jerusalém será de puro ouro; um ouro transparente como cristal. O autor doApocalipse mos­ tra ser a linguagem humana inadequada para descrever o que o Senhor Jesus lhe mostrou em Patos. Hoje, ainda não temos ouro transparente como cristal. Pode-se afinar uma chapa de ouro até se obter ínfimas espessuras. Mesmo assim, não se lhe há de obter a transparência. Mas na nova criação, haverá substâncias jamais vistas ou sequer cogita­ das pelo homem. Mais importante ainda é o fato de que não haverá tem­ plo na Nova Jerusalém. Pois a cidade inteira estará cheia da glória e da presença de Deus. Ela será, pois, o quartel- general do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Nela, aTrinda­ de estará presente de modo especial. O trono de Deus estará ali. E espiritualmente todos os crentes hão de ser habitados pelo Espírito; serão conjuntamente “templo santo no Senhor... morada de Deus no Espírito” (Ef 2.21,22). Cristo será a “lâmpada”,afonte eo transmissor de luzna NovaJerusalém. Já não haverá mais necessidade do solnem da lua. Deus mesmo há de nos mediar a luz através do Cordeiro. Quanto a nós, continuaremos finitos e depen­ dentes. Mas à nossa disposição haverá a árvore da vida, cujas folhas servem à saúde das nações (Ap 22.2). Lá, não haverá mais enfermidade nem dor. Ele nos proverá a pleni-
  • 266. Os Novos Céus e a Nova Terra 1.11 tude da vida, da força e da alegria (SI 16.11). Ele será verdadeiramente nosso pastor: nada nos faltará. Quão admirável é essa esperança! A maldição já não existirá. Nossa adoração ao Senhor será inspiradora e mui linda. Dela, possuímos hoje uma prelibação através do Espí­ rito Santo, Mas como poderemos comparar nossas realida­ des com os bens futuros? Veremos ao Senhor. Estaremos permanentemente com Ele. Seremos identificados como sua propriedade peculiar (Ap 22.4). Deus, em seu infinito amor, faz-nos lembrar que o presente universo material, juntamente com tudo quanto um mundo não-regenerado valoriza, precisa ser destruído. Caso contrário: os novos céus e a nova terra jamais terão lugar na ordem futura. O propósito divino não émeramente satisfazer-nos a curiosidade quanto ao nosso brilhante e eterno futuro. Ele quer que compartilhemos destas bem- aventuranças a partir de agora. Por isto, insta-nos a beber das fontes da água da vida (Jo 4.14; 7.37-39). Permaneça­ mos, pois, agarrados ao Senhor Jesus. Mas os que lhe volta­ rem as costas por causa da incredulidade, concupiscência, ou orgulho, perderão tudo quanto o Pai tem reservado aos que aceitam a seu Filho como Salvador. Os que seguirem os falsos cultos e religiões também terminarão no lago do fogo. Como crentes que somos, Deus nos tornou co-herdeiros de Cristo (Rm 8.16,17). Agora, somos herdeiros de todas as coisas (SI 2.81 Hb 1.2). Por conseguinte, os que acreditam em Jesus e lhe prestam obediência, hão de herdar todas as coisas. A linguagem do Novo Testamento é apenas um pálido reflexo das riquezas e da glória que nos tem reservado o Pai Celeste. Sabemos que aNova Jerusalém será um lugar de imensa beleza e luz (Ap 21.23; 22.5). Nela, haverá plenitude do conhecimento (1 Co 13.12). Será um lugar de interessantes atividades; será um lugar de descanso e refrigério (Ap 14-13 e 21.4). Ali, prestaremos significativos serviços ao Senhor CAPÍTULO 16 Os Novos Céus e a Nova Terra
  • 267. 278 Doutrinas Bíblicas CAPÍTULO Jesus (Ap 7.15; 22.3). A Nova Jerusalém será repleta de alegria (Ap 21.4). Assim, iremos experimentar maravilhosa OsNovos Céusecomunhão (Jo 14.3; 2 Co 5.8; Fp 1.23; 1 Ts 4.13-18; Hb aNovaTerra 2 '2 2 ,2 ^ 'Não haverá mais dor, nem solidão, nem sofrimento al­ gum. Nossa bem-aventurança será eterna, porque o pecado - de uma vez por todas e para sempre - será desarraigado do Universo pelo Poderoso Conquistador! PERGUNTAS PARA ESTUDO 1. Que se deve entender por “terceiro céu”? 2. O que se entende por “nova terra”? 3. Quais os principais argumentos em prol de uma nova terra e de uma criação inédita? 4. Que efeito terá o julgamento da terra presente sobre a humanidade? 5. Por que a Bíblia alerta quanto ao futuro dos atuais céus e terra? 6. O que a Bíblia nos diz sobre a nova terra? 7. Quais as razões que nos permitem tomar a Nova Jerusalém como uma cidade real? 8. Quem habitará na Nova Jerusalém? 9. Por que não haverá templo na Nova Jerusalém? 10. Qual será a nossa relação com Cristo na Nova Jerusalém? 11. Qual opropósito de Deus em revelar-nos tais fatos sobre a Nova Jerusalém?
  • 268. APÊNDICE DECLARAÇÃODEVERDADES FUNDAMENTAISAPROVADAS PELO CONCÍLIOGERALDASASSEMBLÉIAS DEDEUSNOS ESTADOSUNIDOS, DE2A 7DEOUTUBRODE 1916 A Declaração de Verdades Fundamentais não tem por intui­ to servir de credo à Igreja, nem de base à comunhão dos fiéis. Ela visa tão-somente a unidade no ministério (isto é, pata que todos digamos uma mesma coisa, 1 Co 1.10 ; At 2.42). A fraseologia empregada nesta declaração, embora não seja inspirada, é indis­ pensável para se manter sempre pleno o ministério cristão. Ne­ nhuma reivindicação é aqui apresentada no sentido de que esta declaração contenha toda a verdade da Bíblia, pois o seu objetivo é cobrir as nossas necessidades quanto às questões fundamentais da fé cristã. 1. AS ESCRITURAS INSPIRADAS A Bíblia é a inspirada Palavra de Deus. Sendo a revelação de Deus ao homem, constitui-se ela na infalível regra de fé e conduta. Ê superior à consciência e à razão, mas não lhes é contrária (2 Tm 3.15; 1 Pe 2.2). 2. O DEUS ÚNICO EVERDADEIRO O Deus Único e Verdadeiro revelou-se como o eternamente, auto-existente e auto-revelado “Eu Sou”. Revelou-se ainda como aquEle que incorpora os princípios de relação e associação como Pai, Filho e Espírito Santo. (Dt 6.4; Mc 12.29; Is 43.10,11; Mt 28.19. 3. O HOMEM, SUA QUEDA EREDENÇÃO O homem foi criado bom e reto; pois Deus mesmo disse: “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa seme­ lhança”. Mas o homem, por transgressão voluntária, caiu, e agora sua única esperança de redenção está em Jesus Cristo, o Filho de Deus (Gn 1.26-31; 3.1-7; Rm 5.12-21).
  • 269. 280 Doutrinas Bíblicas 4. A SALVAÇÃO DO HOMEM (a) Condições da Salvação A graça de Deus, que traz salvação a todos os homens, vem através da pregação do arrependimento para com Deus e da fé para comoSenhorJesusCristo. O homem, pois, ésalvomedian- te a lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo, derramado sobre ele ricamente através de Jesus Cristo, nosso Salvador. E, tendo sido justificado pela graça, através da fé, torna-se eleherdeiro deDeusde acordocomaesperançadavida eterna (Rm 10.13-15; Lc 24.47; Tt 2.11; 3.5-7). (b) Evidências da Salvação Para o crente, a evidência interior da salvação é o testemu­ nhodiretodoEspírito (Rm8.16). Aevidênciaexteriorconstitui- se numa vida de retidão e verdadeira santidade (Lc 1.73-75; Tt 2.12-14), na presença do fruto do Espírito (G15.22) e no amor fraternal 0o 13.35; Hb 13.1; 1Jo 3.14). 5. A PROMESSA DO PAI Todos osfilhos de Deus têmodireito a, edeveriamardente­ mente esperareintensamente buscar, apromessa doPai, que éo batismo no Espírito Santo e no fogo, de acordo com o manda­ mento de Nosso Senhor Jesus Cristo. Esta experiência era co­ mum a todos os crentes na Igreja Primitiva. Com o batismo no Espírito, vem a dotação de poder para a vida e o serviço, a distribuiçãodosdons espirituais eseuusono trabalho ministerial (Lc24.49;At.4,8; 1Co 12.1-31). 6. A PLENA CONSUMAÇÃO DO BATISMO NO ESPIRITO SANTO A evidênciainicial efísicadobatismono EspíritoSanto eno fogo é o falar noutras línguas, conforme o Espírito de Deus conceder (At 2.4). Esta maravilhosa experiência é distinta e subseqüenteadonovonascimento (At 10.44-46; 11.14-16; 15.8,9). 7. INTEIRA SANTIFICAÇÃO, O ALVO DE TODOS OS CRENTES As Escrituras exortam-nos a uma vida de santidade, sem a qual ninguém verá o Senhor. Pelo poder do Espírito Santo, somos capazes de obedecer ao mandamento que diz: “Sede san­ tos, porque eu sou santo”.A inteira santificação é a vontade de
  • 270. Apêndice 2 8 1 Deus para todos os crentes, e deve ser ansiosamente buscada paraqueandemos emobediênciaàPalavradeDeus (Hb 12.14; 1 Pe 1.15,16; 1Ts 5.23,24; 1Jo 2.6). 8. A IGREJAÉUM ORGANISMO VIVO AIgrejaéumorganismovivo; éumcorpovivo. Ela éocorpo de Cristo; a habitação de Deus por meio do Espírito. Sua tarefa primordial é cumprir aGrande Comissão. Cada assembléia local é parte integral da Assembléia Geral e Igreja dos primogênitos inscrita nos Céus (Ef 1.22,23; 2.22; Hb 12.23). 9. O MINISTÉRIO EO EVANGELISMO Umministériodivinamentechamadoebiblicamenteordena­ do, tendo emvista a evangelização do mundo, é omandamento do Senhor, bem como a principal preocupação da Igreja (Mc 16.15-20; Ef4.11-13). 10. A CEIA DO SENHOR A Ceia do Senhor, que consiste na distribuição do pão e do vinho, significa que já compartilhamos^da natureza divina de Nosso Senhor Jesus Cristo (2 Pe 1.4). E um memorial de seus sofrimentos e de sua morte (1 Co 11.26), e uma profecia de sua segunda vinda (1 Co 11.26). A Ceia do Senhor foi ordenada a todos os crentes “até que ele venha”. 11. BATISMO EMÁGUA A ordenança do batismo, simbolizando o sepultamento de Cristo, deve ser observada, conforme recomenda as Escrituras, por todos quantos se arrependem de seus pecados e aceitam a Cristo como o seu Salvador e Senhor. No batismo, tem o novo crente ocorpolavadoemáguapuracomosímbolodapurificação efetuada em seu interior pelo sangue de Cristo. Dessa maneira, ele declara aomundo que morreu comCristoetambémcomEle ressuscitou, para andar em novidade de vida (Mt 28.19; At 10.47,48; Rm6.4; At 20.21; Hb 10.22). 12. CURA DIVINA O livramento das enfermidades é provido na expiação de Cristo, eéprivilégio de todos os crentes (Is53.4,5; Mt 8.16,17). 13. OS PONTOS ESSENCIAIS DA DEIDADE
  • 271. 282 Doutrinas Bíblicas (a) Termos Explicados Os termos “trindade” e “pessoas”, no tocante à deidade, apesar de não serem encontrados nas Escrituras, são usados em harmonia com as Escrituras, mediante as quais podemos reafir­ mar e transmitir a nossa compreensão imediata sobre a doutrina de Cristo em relação a Deus, em distinção aos “muitos deuses e muitos senhores”. Portanto, podemos falar com propriedade de nosso Deus, o qual é o Senhor, como uma Trindade e como um Ser que subsiste em três pessoas, e, ainda assim, sermos absoluta­ mente bíblicos. (Mt 2.6; 8.16,17; At 15.15-18). (b) Distinções e Relações Dentro da Deidade Cristo ensinou a distinção entre as Pessoas na deidade, ex­ pressada por Ele em termos específicos de relações como Pai, Filho e Espírito Santo; e também ensinou que essa distinção e relação, quanto à sua existência, é um fato eterno, mas quanto a seu modo de ser é inescrutável e incompreensível, por não poder ser explicado (noutras palavras: não se explica como pode haver três Pessoas dentro da deidade, Lc 1.35; 1 Co 1.24; Mt 11.25-27; 28.19; 2 Co 13.14; 1 Jo 1.3,4). (c) Unidade do Único Ser do Pai, Filho e Espírito Santo De acordo com o exposto, há algo no Pai que o faz ser o Pai, e não o Filho; e há algo no Filho que o faz ser o Filho, e não o Pai; e há algo no Espírito Santo que o faz ser o Espírito Santo, e não o Pai ou o Filho. Assim sendo, o Pai é o Gerador; o Filho é o gerado; e o Espírito Santo é o que procede do Pai e do Filho. Como os três são pessoas eternamente distintas e relacionadas dentro da deidade, acham-se em estado de unidade: há um único Senhor Deus Todo-poderoso, e Seu nome é um só (Jo 1.18; 15.26; 17.11,21; Zc 14-9). (d) Identidade e Cooperação na Deidade O Pai, o Filho e o Espírito Santo nunca são idênticos quanto à pessoa; nem podem ser confundidos em suas relações; e nem ser divididos no tocante à deidade; e nem ainda estar em oposi­ ção quanto à cooperação. Quanto à relação, o Filho está no Pai e o Pai está no Filho. O Pai não é o Filho, mas o Filho vem do Pai, quanto à autoridade. O Espírito Santo vem do Pai e procede do Filho quanto à natureza, à relação, à cooperação e à autoridade. Portanto, nenhuma pessoa na deidade existe ou opera de forma separada ou independente das outras (Jo 5.17-30).
  • 272. Apêndice 283 (e) O Título, Senhor Jesus Cristo O apelativo “Senhor Jesus Cristo” é um nome próprio. Nun­ ca é aplicado, no Novo Testamento, ao Pai ou ao Espírito Santo. Portanto, pertence exclusivamente ao Filho de Deus (Rm 1.1- 3,7; 2 Jo 3). (f) O Senhor Jesus Cristo, Deus Conosco O Senhor Jesus Cristo, quanto à Sua natureza divina e eter­ na, é o único Filho gerado do Pai; mas, quanto à sua natureza humana, é o próprio Filho do Homem. Portanto, Ele é reconhe­ cido como Deus e homem; o qual, por ser Deus e homem é o “Emanuel”, o Deus conosco (Mt 1.23; 1 Jo 4-2,10,14; Ap 1.13- 17). (g) O Título, Filho de Deus Visto que o nome “Emanuel” abarca tanto a Deus quanto ao homem, numa única pessoa - nosso Senhor Jesus Cristo segue- se que o título “Filho de Deus” descreve sua deidade, ao passo que “Filho do Homem” descreve sua humanidade. Portanto, o título “Filho de Deus” pertence à ordem da eternidade, ao passo que o título “Filho do Homem” pertence à ordem temporal (Mt 1.23; 1 Jo 3.3; 2 Jo 3; Hb 7.3; 1.1-13). (h) Desvios da Doutrina de Cristo Por conseguinte, constitui-se num desvio à doutrina de Cris­ to afirmar que Jesus Cristo derivou-se do título “Filho de Deus”, ou de sua encarnação, ou ainda de seu relacionamento com o plano de redenção da humanidade. Logo, negar que o Pai seja real e eterno, e que o Filho seja real e eterno, eqüivale a anular a distinção e a relação no ser de Deus. Ou seja: a negação do Pai e do Filho, ignorando ao mesmo tempo o fato de Cristo ter vindo a este mundo em carne (2 Jo 9; Jo 1.1,2,14,18,29,49; 8.57,58; 1 Jo 2.22,23; 4.1-5; Hb 12.3,4). (i) Exaltação de Jesus Cristo como o Senhor O Filho de Deus, nosso Senhor Jesus Cristo, tendo por si mesmo expurgado os nossos pecados, sentou-se à mão direita da Majestade, nas alturas; e, agora, anjos e principados e poderes lhe estão sujeitos. E, tendo sido feito tanto Senhor como Cristo, enviou o Espírito Santo para que nós, em seu nome, dobremos os joelhos e confessemos que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai, até que, na consumação de todas as coisas, o Filho
  • 273. 284 Doutrinas Bíblicas tiver se sujeitado ao Pai para que o Pai seja tudo em todos (Hb 1.3; 1Pe 3.22; At 2.32-36; Rm 14.11; 1Co 15.24-28). (j) Honra igual ao Pai e ao Filho Visto que oPaientregou todo ojulgamento aoFilho, consti­ tui-nos indizível alegria, no Espírito Santo, atribuir ao Filho todos os atributos da deidade, e tributar-lhe toda ahonra e toda aglóriacontidas emtodos osnomes etítulos dadeidade, excetu­ ando osque expressamrelações eservempara identificar o Paie oEspíritoSanto (verosparágrafosb, ced).E, assim, honraremos o Filho tanto quanto honramos o Pai (Jo 5.22,23; 1Pe 1.8; Ap 5.6-14; Fp 2,9,8; Ap 7,9,10; 4.8-11). 14. A BENDITA ESPERANÇA A ressurreição dos que dormiram em Cristo, e o arrebata- mento dos crentes que estiverem vivos; enfim: a translação da verdadeira Igreja, constitui-se na bendita esperança de todos os crentes (lTs 4.16,17; Rm8.23 e Tt 2.13). 15. A VINDA IMINENTE EO REINO MILENIAL DE JESUS A vinda pré-milenial e iminente do Senhor Jesus para reco­ lher o seu povo a si mesmo, e julgar o mundo em retidão, bem como reinar sobre aterra pormil anos, é aexpectação daverda­ deira Igreja de Cristo. 16. O LAGO DO FOGO O diabo eseus anjos, abesta eoFalsoProfeta, etodo aquele cujo nome não for achado no Livro da Vida, bem como os tímidos eos incrédulos, os abomináveis, os assassinos, os adúlte­ ros efornicários, osfeiticeiros, os idólatras e todos os praticame amam a mentira, serão lançados no lago que arde com fogo e enxofre. Esta é a segunda morte. 17. OS NOVOS CÉUS EA NOVA TERRA Esperamos novos céus enova terra, onde habita ajustiça (2 Pe 3.13; Ap 21 e 22).
  • 274. GLOSSÁRIO Adoção —Ao aceitar a Cristo, o recém-convertido tomate parte da família dos santos. De agora em diante é filho de Deus (G1 4.5; Ef 1.5; 2.19). A adoção também inclui um aspecto futuro: quando os crentes receberem seus corpos novos, por ocasião da ressurreição e do arrebatamento, compartilharemos de todos os privilégios do trono de Cristo. Amilenismo - Doutrina segundo aqualnãohaveráqualquer reinodeCristona terra. Alguns estudiosos espiritualizamoMilê­ nio como se este fosse o atual reinado de Cristo no Céu. Anglicano - Pertencente à Igreja da Inglaterra (ou episco­ pal). Aniquilacionismo —Ensino de que osímpios deixamde exis­ tir por ocasião da morte, ou após umperíodo no lago do fogo. Anticristo —Falso cristo que aparecerá no fim da presente era. Ele tornar-se-á ditador mundial, e reivindicará adoração como se fora opróprio Deus. Anti-sobrenatural—Negaaexistênciaearealidadedosobre­ natural. Tenta explicar tudo sob aótica das leisnaturais. Apócrifos - Livros judaicos escritos entre Malaquias eJoão Batista. Os judeus não os incluíram na Bíblia hebraica. Igual procedimentofoiobservadopelosreformadoresprotestantes, que os consideravam livros não-inspirados ou não-canônicos.
  • 275. 286 Doutrinas Bíblicas Apostasia - Deliberado e total abandono de Cristo e seus ensinamentos. Apóstolo - Alguém “enviado” para cumprir uma missão; embaixador. Especificamente, os que foram escolhidos pessoal- mente por Jesus para serem as testemunhas de sua ressurreição e arautos de seus ensinos (Mt 10.2-42; At 1.21,22; 1 Co 9.1). Arca da Aliança - Caixa recoberta de ouro por dentro e por fora, e que servia de receptáculo às tábuas dos Dez Mandamen­ tos, recebidas por Moisés no monte Sinai. Armagedom- “O monte de Megido”. Local da batalha final entre Cristo e o Anticristo (Ap 16.16). Arminianos- Seguidores de Tiago Armínio (1560 - 1609), o qual ensinava haver Deus escolhido salvar todos quantos cres- sem em Cristo. Eis outros de seus ensinos: é possível ao homem resistir à graça divina, e é possível aos verdadeiros crentes caírem e perderem a sua salvação. Arrebatamento - Rapto sobrenatural dos crentes fiéis por ocasião da vinda de Cristo. Arrependimento - No grego, metanoia, “mudança de men­ te”. Ou seja, uma mudança nas atitudes fundamentais para com Deus e para com Cristo, que envolve viver segundo a regra e a justiça de Deus. Ascensão —O retorno físico de Cristo aos Céus, quarenta dias após a sua ressurreição (At 1.3,9; Ef 1.20,21). Atributos de Deus - Características especiais, ou qualidades de Deus, que constituem sua natureza e seu ser. Autógrafos —Manuscritos originais produzidos pelos autores humanos das Escrituras. Tais manuscritos circularam e foram copiados por tantas vezes que se desgastaram. Atualmente, ne­ nhum desses autógrafos existe. As cópias que hoje possuímos, foram produzidas pela época em que os autógrafos vieram à luz. Bárbaro —Nos tempos do Novo Testamento, era o termo empregado para designar aquele que não talava grego. Bispo- Significa “superintendente”ou “supervisor”.No Novo Testamento é sinônimo de “ancião”. Era o presidente da congre­ gação. Na história posterior, tornou-se o título do principal pas­ tor da igreja local. Bodas do Cordeiro - Grande celebração da união entre Cris­
  • 276. Glossário 287 to eaSua Igreja. Terá lugar imediatamente antes deJesusvoltar triunfalmenteparadestruirosexércitosdoAnticristo, eestabele- cer oreino milenial. Calvário- Tradução latina doaramaico Golgotha edogrego kranion, “crânio”. Uma antiga tradução diz que o lugar assim chamado por estar lá, supostamente, o crânio de Adão. Calvino,João- Reformador (1509-1564), cujadoutrinacen- tralizava-se na soberania absoluta de Deus e na absoluta predestinação dos que herdariam a salvação e dos que estavam irremediavelmente perdidos. Elefalhou emver que Deus ésobe- rano sobre simesmo e, por conseguinte, é capaz de dar aos seres humanos oinstituto do livre-arbítrio. Cânon —Lista de livros aceitos pela Igreja como Escrituras inspiradas pelo Espírito Santo. Canônico - Livro aceito como parte do cânon da Bíblia. Carismático—Relacionadoaosdonsespirituais. O movimen- to carismáticoveio àexistência através da ênfase sobre aprática dos dons concedidos pelo Espírito Santo. Circuncisão - Retirada do prepúcio do pênis. Era o sinal do pacto deDeus comAbraão (Gn 17.9-14), eque setornou osinal característico dojudeu. Cita - Tribos guerreiras indo-arianas que se moviam pela Àsia Central, invadindo constantemente o Oriente Médio. Pelo ano 100 a.C., começaram a se estabelecer na Criméia, perto do mar Negro. Clero —Conjunto daqueles que foram ordenados pela Igreja para exercerem funções pastorais. Coletivismo —Teoria que advogaumcontrole coletivosobre aprodução e distribuição de mercadorias e serviços. Comunhões —Grupos de crentes que compartilhamde cren­ çascomuns, e que estão emcomunhão comCristo e uns comos outros. Concilio Eclesiástico —Reunião de representantes de igrejas locais convocada para discutir questões de doutrina eprática. Consagração —Separação de uma pessoa ou coisa para ouso ou serviço do Senhor. A palavra também é usada para indicar a busca por uma vida cristã mais rica emais profunda, totalmente entregue a Deus.
  • 277. 288 Doutrinas Bíblicas Conversão—Meia-volta em relação ao pecado para uma vida de serviço inteiramente dedicada a Cristo. Envolve o arrependi- mento, o abandono do pecado e a inteira confiança em Cristo. Convicção —Indica o trabalho do Espírito Santo ao conven­ cer o pecador a receber a Cristo como o único e suficiente Salvador. Corpo Laico —Originalmente, o povo de Deus como um todo. Posteriormente, começou a ser usado para designar os obreiros cristãos que não eram formalmente ordenados como ministros. Crença Fácil - Idéia de que a pessoa pode exprimir uma crença mental no Evangelho e em Jesus, sem qualquer arrependi­ mento genuíno. Cristo —No grego, Xristos, “ungido”. Título de Jesus como Profeta, Sacerdote e Rei ungido de Deus. Esse termo é a tradução do vocábulo hebraico Mashiach, “Messias”, que também signifi­ ca “ungido”. Deidade - Possuir a natureza de Deus. Demônios—Seres espirituais, algumas vezes chamados espíri­ tos imundos, os quais trabalham sob as ordens de Satanás. Al­ guns acreditam que eles sejam anjos caídos. Denominação- Grupo de igrejas com nome particular, orga­ nizado em torno de crenças e práticas comuns. Depravação - Corrupção, ou polução moral e espiritual. Desvio - Diminuição da dedicação do crente à vontade de Deus. Diabo - “Acusador” (no grego, diaholos). Chefe dos maus espíritos, também conhecido como Satanás. Diácono —Palavra que tem o sentido de “servo”, “ajudante”. Ofício na igreja local. Tanto homens quanto mulheres serviam como diáconos e diaconisas na Igreja Primitiva (Rm 16.1; 1 Tm 3.8-13). Dia da Expiação —Décimo dia do sétimo mês (setembro e outubro) do calendário hebraico. Nesse dia, o sumo sacerdote oferecia sacrifícios para fazer expiação pelos pecados de todo o povo de Israel (Lv 16). Domínio - Autoridade, soberania.
  • 278. Glossário 289 Doutrina - Ensino, especialmente ensino sobre as verdades bíblicas. Edificação —Ato de fortalecer os crentes emsua fé. Eficaz —Aquilo que atinge oque Deus quer. Encarnação —Ato mediante o qual o eterno Filho de Deus tornou-se humano semdeixar de ser divino. Era Apostólica —Período entre a ascensão de Cristo e a morte doapóstoloJoão, jáperto dofimdoprimeiroséculodaera cristã. EradaIgreja- Período entre aressurreição de Cristo e asua segunda vinda. Espiritualizar —Dar um sentido espiritual a uma passagem, que deveria ser tomada de forma literal. Evangelicalismo - Afirma a inspiração e a autoridade da Bíbliaeaverdade de seusensinamentos, dando ênfase ànecessi­ dade da conversão pessoal eda regeneraçãopor obra doEspírito Santo. Faculdade —Habilidade, poder, capacidade de agir ou de fazer; aptidão natural. Falar em Outras Línguas - Enunciar palavras numa língua desconhecida outorgada pelo Espírito Santo. Fé —Crença em Deus e em Cristo. Expressa obediência e confiança irresoluta emDeus. A fébíblica é sempre mais do que crer que algoseja verdade. Tem sempre Deus eCristo como seu objeto. Folclore —Costumes, histórias e declarações passadas oral­ mente de geração emgeração. Fundamentalista —Evangélico conservador que enfatiza a inerrância e a interpretação literal da Bíblia, e toma posição contra o liberalismo anti-sobrenatural. Gnósticos —Os que, a começar pelo século II , ensinavam que a salvação vem através de um conhecimento superior. Al­ guns deles ensinavam ainda que a matéria é má. A maioria dos gnósticos negava a humanidade de Cristo. Graça - As riquezas de Deus às expensas de Cristo; sua generosidade para coma humanidade. Grande Comissão - A ordem do Senhor para a Igreja espa­ lhar o evangelho pelo mundo inteiro. Grande Tribulação - Período do derramamento da ira de
  • 279. 290 Doutrinas Bíblicas Deus sobre o sistema deste mundo ímpio. Heresia - Opinião ou maneira de pensar que contradiz os ensinamentos da Bíblia. Hierárquico - Refere-se ao sistema de governo eclesiástico composto de vários níveis, onde o fluxo de autoridade vem de cima para baixo. Hieróglifos - Escrita ideográfica usada no antigo Egito. Humanismo- Filosofia que assevera a auto-suficiência do ser humano, ao mesmo tempo que rejeita o sobrenatural. O humanismo faz da razão um deus. Idolatria- Adoração de qualquer outra coisa que não seja o verdadeiro Deus. Imersão—Batismo que consiste em submergir o indivíduo na água. Iminente —Prestes a acontecer, ou tendo o potencial de acontecer a qualquer momento. Imortal —Não sujeito à morte e à decadência; que vive para sempre. Impenitente - Que se recusa a arrepender-se ou a mudar de atitude para com o pecado e para com o Evangelho. Informes Empíricos - Informes recebidos através dos (cinco) sentidos físicos. Intercessão - Oração em favor de outrem. Intuitivamente - Percebido ou conhecido diretamente, sem qualquer raciocínio. Investimento - Palavra derivada do grego enduo, “revestir”. Usada para indicar o recebimento do poder do Espírito Santo. Irracionalmente—Maneira de pensar que desconfia da razão; falta de clareza e coerência. Itinerante —Que viaja de lugar para lugar. Judaísmo —Religião e cultura que se desenvolveram a partir do farisaísmo, depois da destruição do Santo Templo em Jerusa­ lém no ano 70 d. C. Justificação - Ato pelo qual Deus declara justo o pecador mediante os méritos de Cristo Jesus. A partir de então o pecador passa a ser tratado por Deus como se jamais tivesse cometido
  • 280. Glossário qualquer transgressão. Julgamento do Grande Trono Branco - Pronunciamento finalcontra osímpios, como resultado dojulgamentoinstaurado por Deus (Ap 20.11-14). Justiça Imputada —E a retidão de Cristo lançada na conta daqueles que confiamemCristo, eque aceitam odom da salva­ ção. Ato contínuo, Deus passa a tratar o crente como se o este nunca tivesse cometido pecado. Lago do Fogo - Lugar da eterna punição de Satanás, seus demônios e dos ímpios. Leigo- Membro do corpo laico (não consagrado ao ministé­ rio). Liberalismo- Movimentoquenegaosobrenatural, eredefine osensinos easpráticas cristãs de acordo comasfilosofiassecula­ res. LivrodaVida- LivroquebánoCéu, equecontémosnomes dosque sãocrentes regenerados (Lc 10.20; Fp4.3; Hb 12.23; Ap 21.27), eque, por issomesmo, são“concidadãos dos santos”eda “família de Deus” (Ef2.19). Lutero, Martinho (1483 —1546) - Líder da reforma protes­ tante na Europa. Enfatizou ajustificação exclusivamente pelafé. Maniqueus - Seguidores de Mani (cerca de 216 a 276 d.C.), um persa que ensinou existir um conflito interminável entre o reino da luz e o reino das trevas. Ele enfatizava a negação aos desejos corporais como meio de salvação. Manifestações Sobrenaturais- Dons distribuídospeloEspíri­ to Santo, e exercidos para oenriquecimento espiritual do Reino de Deus. Manuscrito- Livroescrito àmão. Antes do ano 100d. C; os manuscritos tinham oformato de rolos. Depois éque assumiram oformato dos livros atuais. Materialismo- Ensinaque amatéria esuasleissãoarealida­ de última efinaldavidahumana. O termo tambéméusadopara realçar o valor do bem-estar material e a aquisição de bens terrestres. Mediador- Alguémque seposta entre doispartidos afimde reconciliá-los. Jesus éoúnico Mediador entre Deus eoshomens (1 Tm 2.5). Meditação Transcendental - Prática religiosa hindu, cujo
  • 281. 292 Doutrinas Bíblicas objetivo é alcançar a felicidade. Messias - “Ungido”.Ver “Cristo”. Milagre- Ato deintervenção divina, onde opoderdeDeusé maior e ultrapassa quaisquer forças naturais que estejampresen­ tes. Ministério —Serviço prestado a Deus e a outros. Deus tem umministério para cada crente. Missionário—O que ministra aoutras culturas, ecomunica o Evangelho em outras linhas culturais. Modernismo —Liberalismo teológico protestan-te, com sua abordagem crítica da Bíblia e a disposição em aceitar as atuais teorias científicas, mesmo que elas pareçam contradizer aBíblia. Monarquianos- MovimentodosséculosIIeIII quesalienta­ va a unidade de Deus. Alguns faziamdeJesus ummero homem. Outros ensinavamque, algumasvezes, Deus aparece comooPai, algumas vezes como o Filho e algumas vezes ainda como o Espírito Santo. Monte das Oliveiras - Colina com830 metros de elevação a leste da área do templo deJerusalém. Movimento de Discipulado e Submissão - Ensina que o crente deveria escolher opróprio pastor (sempre homem) e sub- meter-se aele. Também chamado movimento do pastor. Movimento Holiness- Movimento originadono séculoXIX, cuja ênfase recai sobre oensino deJoão Wesley quanto àperfei­ ção cristã. Não-regenerado - Não nascido de novo; semvida espiritual. Nascimento Virginal—O nascimento deJesus Cristo, produ­ zido pelo ato criativo de Deus, através do Espírito Santo, de tal modo que Maria tornou-se sua mãe, sem que Ele houvesse tido umpai terreno. Noivo, O—JesusCristoéassimdescritoporhaver, através de suamorte, resgatado aIgrejacomo suaNoiva. A união completa dar-se-á quando do arrebatamento. Novo Pacto —Pacto prometido emJeremias 31.31, efirmado pela morte deJesus (Hb 8.6; 9.15-17). Normativo- Que temautoridadebíblicaconcernente aoque os cristãos devem crer e fazer.
  • 282. Glossário 293 Oculto - Conhecimento secreto de supostas forças ou agên­ cias sobrenaturais, especialmente o espiritismo, a feitiçaria e a astrologia. São perigosas aventuras no território de Satanás. Onipresente —Deus está presente em toda parte e coisa alguma lhe é oculta. Ontológico - Relacionado ao ser, à existência. Ordenado- PublicamentereconhecidopelaIgrejacomotendo sido umministério realmente conferido por Deus. Ordenança - Prática ordenada porJesus econtinuada como memorial em obediência a Ele. As duas ordenanças específicas são obatismo em águas e aCeia do Senhor. Ordenação - Reconhecimento público, pela Igreja, de um ministério conferido por Deus a alguém. Ortodoxo - Do grego, orthos, “reto”, “direito”, “correto”, “verdadeiro”e dokeo, “pensar”, “acreditar”. Refere-se aos ensi­ noscorretos eàspráticas conforme sãoestabelecidaspelaIgreja. As igrejas orientais adotaram o nome “ortodoxo” a partir do cisma ocidental. Pacto —Acordo solene e obrigatório. Os pactos divinos são acordos pormeio dos quais Elesecompromete a abençoar àque­ les que, por sua vez, observamos termos dos referidos pactos. Pagãos —Adoradores de deuses falsos. Panteísmo —Crença de que Deus e anatureza, ou oUniver­ so, são um só: “Deus é tudo, tudo é Deus”. Páscoa- Cerimônia anualpara relembrar aos judeus olivra­ mento da morte do primogênito, e a décima praga que Deus trouxe do Egito a fimde livrá-los de Faraó (Ex 12.1-32). Pós-milenismo—Ensinodeque oMilênio éaeradaIgrejaou uma extensão da era da Igreja, com Cristo governando através dos santos. Pentecoste - “Qüinquagésimo”. Nome da festa da colheita, que ocorriacinqüenta dias após aPáscoa. No primeiropentecos- tes, após a ressurreição de Jesus, o Espírito Santo foi derramado sobre os 120crentes queseachavamno cenáculo, paracapacitá- los a cumprir os requisitos da Grande Comissão. Pentecostal - Movimento que começou em 1901, e que enfatizaaatualidade dobatismono EspíritoSantocomaevidên­ cia do falar em outras línguas, e dos demais dons do Espírito
  • 283. 294 Doutrinas Bíblicas Santo. Predestinação—Ensino de que Deus escolhe, de antemão, os que serão salvos e os que serão condenados. Esta doutrina nada tem a ver com a Bíblia, não passando de filosofia calvinista. Pré-milenismo —Doutrina de que Jesus retornará pessoal­ mente no fim da era da Igreja, e estabelecerá seu reino na terra por mil.anos. Enfatiza a interpretação literal da Bíblia. Primícias- A primeira parte da colheita que era dada a Deus anualmente. Isso veio a incluir o significado de “o melhor”. Profanação —Tratar algo que é santo com irreverência e desprezo, geralmente de forma ultrajante. Profeta- O que fala por Deus. No Antigo Testamento, Deus usou profetas para entregar sua mensagem ao povo e ao mundo. Eles eram “previsores” e não meros “anunciadores”. Os profetas do Novo Testamento são dotados pelo Espírito Santo para anun- ciarem mensagens de encorajamento (At 15.32; 1 Co 14.3). Provação - Ensino que nossa vida presente é preparada para a vida futura. Providencial - Que envolve o cuidado e a orientação de Deus. Punição Etema —Castigo final e interminável dos ímpios no lago do fogo. Puritanos- Movimento do século XVI, na Inglaterra que, na tentativa de purificar a igreja, introduziu outras reformas calvinistas, juntamente com a simplicidade na adoração. Queda do Homem- Ato inicial de desobediência de Adão e Eva, mediante o qual vieram a perder sua relação íntima com Deus. Reavivamento —Obra do Espírito Santo, cujo objetivo é revitalizar a vida espiritual dos indivíduos e das igrejas. O verda­ deiro reavivamento faz com que a evangelização se torne a prio­ ridade máxima da Igreja de Cristo. Reconciliação—Refere-se ao pagamento pela pena de nossos pecados efetuado por Cristo Jesus no Calvário. Foi dessa forma que Ele reatou a nossa comunhão com o Pai. Redenção —Redimir, resgatar. Redentor - Jesus Cristo, o único capaz de libertar-nos do pecado.
  • 284. Glossário 295 Reforma—Movimento do séculoXVI lideradopor Martinho Lutero, com o objetivo de reconduzir a Igreja de Cristo aos princípios verdadeiramente bíblicos. Regeneração - Obra do Espírito Santo que consiste em dar nova vida ao pecador que recebe aCristoJesus. Regenerado - Nascido do alto. Trata-se de um nascimento espiritual para uma nova vida de obediência a Cristo Jesus (Jo 3.3). Eevidenciado pelo desejo sincero de agradar a Deus. •Reino de Deus - Reino, governo epoder de Deus manifesta- dos nos corações do crente, na Igreja e no mundo, e, eventual­ mente, no reino milenial aser instaurado por Cristo na terra. Reino Eterno - Estado final dos salvos nos novos céus e na nova terra, com aNova Jerusalém como seu lar e quartel-gene­ ral. ReinoMilenial—MilanosdegovernodeCristosobreaterra, que terão início no final da Grande Tribulação. Relativismo - Ensina que qualquer conceito, significado ou verdade, muda de acordo com as pessoas ou circunstâncias. Noutras palavras: não há verdades absolutas. Retidão - Correta relação com Deus dentro de seu pacto, onde o crente alinha-se com os padrões da justiça e da verdade que Deus revela na Bíblia. Ritualista - Quando as formas e liturgias tornam-se mais importantes que overdadeiro culto a Deus. Reunião de Acampamento - Nas fronteiras norte-america­ nas, milhares de pessoas armavamsuas tendas emredor de uma clareira para realizar reuniões de reavivamento. Posteriormente, tendas maiores, ou auditórios simples, foram erguidos para aco­ modar os fiéis. Revelação de Cristo—Retorno poderoso eglorioso de Cristo para destruir as forças do Anticristo, e estabelecer o seu reino milenial. Sabelianos - Seguidores de Sabélio (século III), os quais ensinavamque DeuséumaPessoaque serevelouemtrêsformas ou modos, de maneira sucessiva. Sacramental- Posiçãodoutrinária, segundo aqual agraça é dispensada através de ritos religiosos, chamados sacramentos. Salvação - Inclui tudo quanto Deus tem feito e fará pelo
  • 285. 296 Doutrinas Bíblicas crente: alibertaçãodopoderdopecadoedamorte, arestauração da comunhão divina, bem como a eternidade ao lado de Cristo na NovaJerusalém. Santidade - Separação do pecado, e dedicação integral ao serviço do Senhor. Santificação —Trabalho do Espírito Santo que separa os crentes do pecado edomal, dedicando-os àadoração e aoservi­ ço do Senhor. Há umato inicial da santificaçãono momento da conversão, eo processocontinuaaocooperarmoscomoEspírito Santo, amortecendo os desejos pecaminosos da carne. Santificar - “Separar para Deus”, “tornar santo”. Santo - Traduz o termo grego hagios. No Novo Testamento todos os crentes são santos, não por terem atingido a perfeição, mas porque voltaram as costas ao mundo para seguirem aJesus. Santo - Deus é supremamente santo e separado de todo pecado e de todo mal, de maneira completa e absoluta. Ele tambémdedica-se, numsentidopositivo, aexecutar suavontade e seu plano. Quanto a nós, somos santos na proporção em que nos parecemos comEle Santuário —“Lugar santo”. Satanás. Nome hebraico para o diabo, que significa “acusa­ dor”, “adversário”.Ele opõe-se a Deus e a todos os crentes. Secularismo - Vida e pensamento que ignoram a Deus e à religião. Segunda Morte - A punição eterna no lago do fogo. Selo - Marca ou impressão estampada em alguma coisa. Era usado para autenticar ou identificar documentos e objetos. Em termos espirituais, identifica oque pertence aCristo. Seminário —Instituição de educação superior para o treina­ mento de ministros emissionários cristãos. . Senhor - Mes­ tre, proprietário. Termo usadoparaindicarDeus, representando- lhe o nome pessoal (Yahweh) no Antigo Testamento. E usado ainda para identificar aJesus Cristo. Septuaginta - Tradução do Antigo Testamento hebraico para ogrego terminada 200 anos antes de Cristo. Há uma tradi­ ção posterior que diz ter sido feita por 72 sábios hebreus que moravam emAlexandria. Daí o seu nome.
  • 286. Glossário 297 Soberano - Dotado de suprema autoridade e governo. A soberania de Deus inclui seu direito de escolher, que se acha baseada emsua natureza evontade. Sobrenatural - Além do terreno ou das atividades humanas ounaturais.Termousadopeloscrentesparadescreverasativida­ des de Deus que ultrapassam os eventos ordinários da natureza. Teleológico - Argumentobaseadono desígnio, oupropósito, emprol da existência de Deus. Teologia da Esperança - Construção teológica de Theodore Moltmann, baseada na esperança eno futuro glorioso da huma­ nidade. Testamento —“Pacto”. Usado para designar as duas princi­ pais divisões da Bíblia. Tipologia- Estudodas pessoas ou eventos doAntigo Testa­ mento que prefiguravam ou antecipavam alguma verdade neo- testamentária, especialmente com relação aJesus Cristo. Totalitarismo - Centralização da autoridade do Estado, e supressão dos direitos e garantias básicas dos cidadãos. Tribulação - No grego, thlipsis, “pressão”, “opressão”, “afli­ ção”, “angústia provocada pelas circunstâncias”.Esta também é palavrausadapara indicarofimdaeraimediatamente anterior à vinda gloriosa de Cristo. Transfiguração —Experiência de Jesus num dos montes da Galiléia, durante a qual sua glória interior foi revelada, resplan­ decendo de maneira singular. Transgressão - Tradução da palavra hebraica pesha’, “rebe­ lião”, e do termo grego parabasis, “violação”, “passo a mais”. Descreve o pecado que se recusa a conformar-se aos limites ou padrões estabelecidos por Deus. Translação de Pessoas —Arrebatamento ao Céu, sem que para isto seja necessário passarpela morte. Unção - No Antigo Testamento, refere-se aumato de dedi­ caçãointegral aoserviçode Deus. O atoconsisteemsederramar azeite na cabeça do escolhido. No Novo Testamento, porém, refere-seaumadotaçãoespecialdepoderproveniente doEspírito Santo, visando a expansão do Reino de Deus. Vencedores - “Vitoriosos”;todos oscrentes quemantêm sua féem Cristo (Rm8.37; 1Jo 5.4).
  • 287. 298 Doutrinas Bíblicas Vicário - Totalmente em favor do benefício de outrem, ou como substituto por outrem.. Virtude - No português, tradução do vocábulo grego arete, “excelência moral” (2 Pe 1.3). Visão —Palavra que, algumas vezes, é usada para indicar um sonho. Outras vezes, é usada pára indicar uma aparição sobrena- tural, trazendo alguma revelação divina. Vocação —Chamada de Deus para uma vida de fé e obediên- cia, ou a um ministério em particular. Testemunhas —Os que testificam de suas experiências e conhecimento do Evangelho, com o intuito de levar outras pes- soas a Jesus. Zoroastrianos —Seguidores do persa Zaratustra (século VI a.C.), o qual ensinava haver dois deuses, um bom e outro mau, que conservam a humanidade em conflito constante. O deus bom, Ahura Mazda, requer boas obras. Versão —Uma tradução da Bíblia.
  • 288. BIBLIOGRAFIA Anderson, Christopher, The Annals of the English Bible. Abreviado e continuado por S. I. Prime, Nova Iorque: Robert Carter &Brothers, 1849. Archer, Gleason L. Jr. A Survey of Old Testament Introduction. Edição revisada. Chicago: Moody Press, 1981. Bauer, Walter, WilliamF. Arndt, F. Wilbur Gingrich, edito- res, A Greek Lexicon of the New Testament. Traduzido por FrederickW. Danker. Chicago: TheUniversityofChicagoPress, 1971. Bicket, Zenas. “TheHolySpirit-OurSanctifier”.Paraclete2, n°3 (verão de 1968), págs. 3-6. Boyd, Frank M. The Spirit Works Today. Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1970. Broughton, Hugh. A Censure of the Late Translation for Our Churches, cerca de 1612. S. T. C. 3847. Brumback,Carl.LikeaRiver:TheEarlyYearsoftheAssemblies ofGod. Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1977. ________________ Suddenly From Heaven. Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1961. Buswell,JamesOliver.A Systematic TheologyoftheChristian Religion. 2volumes.GrandRapids: ZondervanPublishingHouse, 1962.
  • 289. 300 Doutrinas Bíblicas Cairns, Earle E. Christianity Through the Centuries. Grand Rapids: Zondervan Publishing House, 1981. Dalton, Robert C. Tongues Like asofFire. Springfield, Mo.: Gospel PuglishingHouse, 1945. Erickson,MillardJ., editor. Christian Theology.GrandRapids: Baker Book House, 1986. Finegan, Jack. Light From the Ancient Past. 2aedição. Princeton, J.J.: Princeton University Press, 1959. Fjordbak, Everitt M. Sanctification. Dallas: Wisdom House Publishers, n. d. Frodsham, Stanley H. With Signs Following. Edição revisa- da, Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1946. Gee, Donald. Spiritual Gifgs in the Work of the Ministry Today. Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1963. Geisler, Norman L. Inerrancy. Grand Rapids: Zondervan Publishing House, 1980. General Council ofthe Assemblies ofGod. General Council Minutes, 1a 7de outubro de 1916. The General Concil ofthe Assemblies ofGod Statement of FundamentalTruths.Revisado.Springfield,Mo.:GospelPublishing House, 1983. Gish, Duane T. Evolution: The Fossils Say No! 2aedição. San Diego: ICR Publishing Co., 1973. Haley, John W. Alleged Discrepancies of the Bible. Grand Rapids: Baker Book House, 1977. Harris, Ralph W. Our Faith and Fellowship. Springfield, Mo.: Gospel PublishingHouse, 1963. Harrison, Everett F. Introduction fo the New Testament. Grand Rapids: Wm. B. Eerdmans, Pub. Co., 1982. Harrison, R. K. Bruce K. Waltke, Donald Guthrie, Gordon D. Fee. BiblicalCríticism:Flistorical, LiteraryandTextual.Grand Rapids: Zondervan Publishing House, 1980. Harrison, Thomas F. Christology, 2* edição. Revisada. Springfield, Mo.: Publicado pelo autor, 1985. _______________Soteriology. 2aedição. Revisada. Springfield, Mo.: Publicado pelo autor, 1986.
  • 290. Bibliografia 301 Holdcroft, L. Thomas, “Is the Kingdom Now?” Pentecostal Minister (outono de 1988), págs. 15-17. Horton, Stanley M. The Book of Acts. Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1981. _______________“CountedWorthytoEscape”,Pentecos- talEvangel, 15 de agosto de 1976, págs. 6e 7. _______________“I Believe in the Pre-Tribulation Raputure”, PentecostalEvangel, 2de julho de 1989, págs. 8,9. _______________“7t’s Getting Late. Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1975. _______________“One is taken; one is left”. Pentecostal Evangel, 16de setembro de 1973, pág. 6. _______________“Paraclete”. Paraclete 1, n° 1 (inverno de 1967), págs. 5-8. _______________“The Pentecostal Perspective”, em Eive ViwsonSanctification.MelvinE.Dieter.GrandRapids:Zondervan Publishing House, 1987. _______________“PerspectiveonThoseNewTranslations”. PentecostalEvangel, 11 de julho de 1971, págs. 6-8. _______________ReadyAlways. Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1974. _______________The Ultimate Victory:An Exposition of theBookofRevelation.Springfield,Mo.:GospelPublishingHouse, 1991. ---------------------- What the Bible Says About the Holy Spirít. Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1976. _______________“Why The Bible is Reliable”, Pentecos­ talEvangel, 14de janeiro de 1973, págs. 8-11. Hoy, Albert L. “Sanctification”, Paraclete 15, n° 4 (outono de 1981). In theLastDays:An EarlyHistoryoftheAssembliesofGod. Springfield, Mo.: Assemblies ofGod, 1962. Jeter,Hugh. ByHisStrípes.Springfield,Mo.:GospelPublishing House, 1977. Kendrik, Klaude. The Promise Fulfilled. Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1961.
  • 291. 302 Doutrinas Bíblicas Kenyon, Sir Frederic. OurBible andtheAncientManuscripts. 5aedição. Revisada. Londres: Eyre & Spottiswood, 1958. __________________ The Story ofthe Bible. 2aedição. Grand Rapids: Wm. B. Eerdmans Pub. Co., 1964. Lewis, Jack, P. The English Bible From KJV to NIV: A HistoryandEvaluation. Grand Rapids: Baker Book House, 1981. Lim, David. Spiritual Gifts: A Fresh Look. Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1991. McFarlane, K. B. John Wycliffe. Londres: The English Universities Press, 1952. McGee, Gary B. “A Brief History of the Modern Pentecostal Outpouring”, Paraclete 18, n° 2 (primavera de 1984), págs. 18- 23. Menzies, William W. Anointed to Serve: The Story of the Assemblies of God. Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1971. Morrison, Frank. Who Moved the Stonei1Londres: Faber & Faber, 1930. Nelson, P. C. Bible Doctrines. Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1948. The New Testament Greek-English Dictionary: Springfield, Mo.: The Complete Biblical Libary, 1990. Niebuhr, Reinhold. Moral Man and Immoral Society. Nova Iorque: Charles Scribner’s sons, 1932. Palma, Anthony D., “Baptism by the Spirit”. Advance (ju­ nho de 1980), págs. 214-216. __________________ The Spirit. Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1974. Pearlman, Myer. Knowing the Doctrines of the Bible. Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 6aedição, 1945. Pinnock, Clark H. The Grace ot God and the Will ofMan. Grand Rapids: Zondervan Publishing House, 1989. Pohle, Joseph. The Sacraments, vol. 4- Editor Arthur Preuss. St. Louis: B. Herder Book Co., 1945. Pun, Pattle T. T. Evolution, Nature andScripturein Conflict1 Grand Rapids: Zondervan Publishing House, 1982.
  • 292. Bibliografia Reddin, Opal L., editor. Power Encounter: A Pentecostal Perspective. Springfield, Mo.: Central Bible College Press, 1989. Rogerson, John e Philip Davies. The Old Testament World. Englewood Cliffs, N. J.: Prentice-Hall, 1989. TheRoleofWomeninMinistryasDescribedinHolyScripture. PositionpapersoftheAssembliesofGod. Springfield, Mo: Gospel Publishing House, 1990. Ryrie, Charles Caldwell. Biblical Theology of the New Testament. Chicago: The Moody Press, 1972. _______________What You Should Know About Inerrancy. Chicago: The Moody Press, 1981. Spittler, R. P. “Glossolalia”.InDictionaryofPentecostaland CharísmaticMovements,editoresS.M.BurgessandG.B.McGee. RegencyReferenceLibrary.GrandRapids: ZondervanPublishing House, 1988. Stamps, Donald C., editor. The FullLife StudyBible. Grand Rapids: Zondervan Bible Publishers, 1990. Stronstad Roger. The Charísmatic Theology of St. Luke. Peabody, Mass.: Hendrickson, Publishers, 1984. Tenney, Merrill C. The Reality of the Resurrection. Nova Iorque: Harper and Row, 1963. Thiele, Edwin R. The Mysteríous Numbers of the Hebrew Kings. Grand Rapids: Zondervan PublishingHouse, 1983. Thiessen, Henry C. Introductory Lectures in Systematic Theology. Grand Rapids: Wm. B. Eerdmans Pub. Co., 1949. Utsey, J. Dalton, “Romans 7 and Sanctification”, Paraclete 18, n°2 (primavera de 1984), págs. 3-6. Vermes, Geza. The Dead Sea Scrolls in English. 2aedição. Harmonsdsworth, Middlexex, Inglaterra: Penguin Books, Ltd., 1975. Where WeStand. Springfield,Mo.: GospelPublishingHouse, 1990. Wigglesworth, Smith. Ever Increasing Faith. Edição revisa- da. Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1970. Wiley, H. Orton, Chrístian Theology. Kansas City, Mo.: Beacon Hill Press, 1952.
  • 293. 3 0 4 Doutrinas Bíblicas Williams, Ernest Swing. Systematic Theology, 3 volumes. Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1953. Williams, J. Rodman. Renewal Theology, 3 volumes. Grand Rapids: Zondervan Publishing House, 1990, 1992. Wright, Gordon. In QuestofHealing. Springfield, Mo.: Gospel Publishing House, 1984- Wycoff, John Wesley. The Doctríne of Sanctification As Taught By the Assemblies of God. Tese não-publicada, 1972.
  • 294. INDICE de assuntos Abominação da Desola­ ção, 235 Adão e Eva, 84 Administração, 179 Adoção, 112 Adoração dos crentes, 122, 132, 154, 155, 176, 180 razões para, 52,57,176 recebida por Cristo, 61, 62 responsabilidade pela, 64, 126, 193 Agostinho, 175 Aionios, 267 Alma, 20, 85, 86, 204, 210 purificada pelo Espíri­ to, 158 Amilenismo, 247,248 Amor, 89, 157. Ver tam- bém Deus, amor de o de Cristo ilustrado, 171 como fruto do Espírito, 136, 181 Anciãos, 191, 213 Aniquilamento, 259, 260 Anjo do Senhor, 62, 63 Anjos, 50, 79, 91, 229, 263 Anticristo, 235, 247,248. Ver também Besta Apostasia, 160 Apóstolos. Ver também Discípulos após a morte de Jesus, 69,70 autoridade dos, 187,188 ministério dos, 189,190, 211,212 e as línguas, 142-144 os Doze, 189, 231,246, 253, 276 e as Escrituras, 24, 27,28, 33, 37,38 Arca da Aliança, 207,208 Arianismo, 54-57 Armagedom, 231, 235 Arminianos, 108 Arrebatamento da Igre­ ja, 210, 229-232, 233, 238-239, 243,265 Arrependimento, 67, 108,109,119,159,169, 237, 254 Assembléia, 125,167,168 Atanásio, 33 Batismo em Âguas, 118- 122, 174, 190, 281 fórmula para o, 121 por imersão, 121 de infantes, 120 de Jesus, 56 como testemunho e compromisso, 119 Batismo Infantil. Ver Ba­ tismo em Àguas (de in­ fantes) Batismo no Espírito San­ to, 280 continuidade (até hoje), 125,126 uma experiência distin­ ta, 135,136 poder para o serviço, 129-131 evidência do, 141-149 como portal para os dons, 132,133 recebimento, 136,137 como um selo, 134, 135 Bênçãos, 208 de Abraão, 35, 251 derivadas da expiação, 210 mediante a ascensão e exaltação de Cristo, 73 da justificação, 111 derivadas da Ceia do Senhor, 126 mileniais, 253, 254 recebimento, 212, 213, 219
  • 295. 306 Doutrinas Bíblicas Besta, 235,244,245.Ver também Anticristo Bíblia alegadas discrepâncias na, 25-31 cânon da, 32-34 inerrância da, 29 inspiração da, 24-28, 279 tradução (versões) da, 35-38 Bispo ofício do, 191, 198, 199 de Roma, 247 Bodas do Cordeiro, 124, 231 Calvário, obra de Cristo no, 106, 207-211, 228, 275 antigo pacto abolido no, 130, 168, 169 Calvino, João, 29 Canon, 24, 32-35 Casamento, 171 Ceia do Senhor, 122-126, 281 Céu, 51, 196, 261 Cristo agora reina no, 68 cidadãos do, 168 Deus, o soberano do, 207 Reino do, 172, 197 novo, 52, 265, 271 terceiro, 271 Ciência, 19, 20, 31, 46 e a criação, 80-S4 limitações da, 20 Clero, 196, 197 Compaixão, 136, 158, 159, 180 Comunhão com os crentes, 54, 125, 133, 167,168,275,278, com Deus e Cristo, 89, 97, 124, 133, 168, 267, 275 da Trindade, 54 Comunhão com Cristo, 160, 171 Comunicação com Deus, 21,22, 88, 213 Confissão, de pecados, 73, 159, 160, 213 que Jesus é o Senhor, 44 Conhecimento, 146, 156, 177. Ver também Deus, conhecimento de Consagração, 154, 155, 157 Consciência, 22, 23, 92, 93, 119, 159, 160 Conversão, 107,108, 111, 169 Cordeiro de Deus, 68 Corpo de Cristo. Ver Igreja Criação, 23, 32, 49, 50, 53, 62, 80-89 Culpa, 92, 101 totalmente removida, 106, 110,111 Curas, 205-207, 210-212, 217-220, 281 Dedicação, 154, 155, 157 de infantes, 120 Demônios, 215, 216 Desvio, 159 Deus atributos de, 50-52 compaixão de, 110 existência de, 45, 46 fidelidade de, 51, 81, 206, 251 conhecimento prévio de, 51, 101 perdão, dado por, 110, 126, 206 liberdade de, 50 santidade de, 52, 103, 154, 251 imagem de, 81, 87-89 justiça de, 52, 104, 264 Reino de, 119, 120, 172, 173,178,196, 236, 247 conhecimento a respei­ to de, 22 conhecimento de, 51, 53 amor de, 32, 49, 51, 52, 54, 89, 103, 104, 206, 207, 219, 277 m isericórdia de, 51, 110, 208 nomes de, 47,48 onipotência de, 50 onipresença de, 50, 170 onisciência de, 51 poder de, 23, 47, 50, 178, 206,218,244, 245 transcendência de, 49 Dia da Expiação, 207, 208 Dia do Senhor, 237, 238 Diabo, 204, 216, 248. Ver também Satanás Diáconos, 179, 192, 198 Dicotomistas, 85 Disciplina, 86, 193 Discipulado, 196 Discípulos, 71, 168,169, 196, 211, 264- Ver tam­ bém Apóstolos Ditado, Teoria do, 24 Dons Carismáticos. Ver Dons do Espírito Dons do Espírito, 131, 175, 176-180, 181. Ver também Adm inistra­ ção; Interpretação; Pro­ fecia Dons Espirituais. Ver Dons do Espírito Dualismo, 89 Edificação, 146-148, 176- 178, 188, 190, 194 Ekklesia, 167, 169 ‘Elohim, 47, 48 Encarnação. Ver Jesus Cristo, encarnação de Enchimento com o Espí­ rito, 131, 133, 136, 137, 142, 144, 169, 173 Era da Igreja, 28 Escrituras. Ver Bíblia Esperança, 112, 153,154, 161,171, 214, 225, 254, 277
  • 296. índice de Assuntos bendita, 223-239 ressurreição de Cristo, base da, 204, 223 no Antigo Testamento, 260 Espírito Santo, 53,54, 65, 228, 263 batismo no. Ver Batis­ mo no Espírito Santo no ministério dos cren­ tes, 127, 193,194 trazendo nova vida, 87, 154 no ministério de Cris­ to, 69 e a convicção de peca­ do, 107 na criação, 54 como uma garantia, 134,135 fruto do, 181,182 dons do. Ver Dons do Espírito dará a vitória, 97, 106, 157,158 Inspiração dos escrito­ res pelo, 21, 24, 27, 28, 36 dado por medida, 168 poder do, 175 selados com o, 135,136, 260 como o Espírito da ado­ ção, 112 templos do, 170,171 obra do, 133, 154 na adoração, 176 Eterna definição de, 267, 268 vida, 88, 107,260, 261, 267 punição, 23, 96, 103, 106,259, 260, 264, 266- 268 Evangelho, 97, 109, 143, 175, 210 sinais e maravilhas como confirmação, 218 Evangelicalismo, 12, 225 Evangelismo, 181. Ver também Igreja, respon­ sável pelo evangelismo; Grande Comissão Evangelistas, 190 Evangelização do Mun­ do, 193 Evolução, 81-84 Experiência, 108, 133, 149, 219 Expiação, 68, 70,104-106 curas na, 207,213 simbolizada pela Ceia do Senhor, 123 Fariseus, 119 Fé, 104, 108-110, 214, 219 ressurreição de Cristo, base da, 224 dom da, 177,178 Espírito Santo, recebi­ do pela, 136, 143 oração da, 212 santificação pela, 156, 158 escudo da, 248 Fidelidade, 109,171,236 como fruto do Espírito, 181 recompensada, 195,250 Fundamentalistas, 12 Geena. Ver Lago de Fogo, Gentios, 23, 142, 143, 231 Glorificação, Doutrina da, 160 Gnósticos, 89 Graça, 51, 102, 106, 154, 207, 243 era da (Era da Igreja), 234 todos os dons de Deus recebidos pela, 212 crescimento na, 160, 181,182 justificação, o dom da, 110 salvação pela, 37, 135, 173 falar em línguas, uma provisão da, 149 Espírito da, 97 trono da, 197 Grande Comissão, 124, 227, 236, 237, 281 Grande Tribulação, 229- 234, 239, 244, 263, 264, 265 Anticristo, líder da, 235 em distinção às tribu- lações gerais, 232-234 duração da, 234 Grande Trono Branco. Ver Julgamento do Grande trono Branco Guerra, 95 Hades, 261, 267. Ver também Inferno Herança, 134, 260, 264, 275, 277 Espírito Santo, garan­ tia da, 54 recebida quando Jesus voltar, 112 Herdeiros de Deus, 112. Ver também Herança Heresias, 54, 55 Idolatria, 81 Igreja. Ver também Igre­ ja Apostólica; Assem­ bléia como aNoiva, 171,227, 231, 275 Cristo, Cabeça da, 68, 187 erosão da, 11 fundamento da, 170 como um corpo com­ pactuado, 130, 168 padrões normativos para a, 28, 141, 144 predestinada a ser san­ ta, 182 em relação ao Reino, 172, 173 responsável pelo evan­ gelismo, 174, 175, 193, 266 como uma comunhão espiritual, 172, 195
  • 297. 308 Doutrinas Bíblicas Igreja Apostólica, 141, 187-193, 212, 218 Imersão. Ver Batismo em águas Imortalidade, 112, 211, 224, 260, 265, 274 Impenitência, 233 Incredulidade evidenciada pelas obras, 266 humanística, 29 volta de Israel em, 251, 252 elemento chave no pe­ cado, 94 Inerrãncia. Ver Bíblia, inerrância da Inferno, 24, 51, 68, 261. Ver também Hadcs Iniqüidade. Ver Pecado Inspiração. Ver Bíblia, inspiração da Interpretação, Dom de, 143, 144, 146, 179 Ira de Deus, 52, 93, 230, 244, 245 crentes preservados da, 232, 233 sobre Cristo por nossa causa, 103, 104, 208, 223 como ser salvos da, 106 Jerônimo, 36 Jerusalém, 129, 130, 169, 244, 246, 252 igreja em, 174, 193, 198 Nova, 48, 272,275-278 Jesus Cristo. Ver também Cordeiro de Deus; Mes­ sias ascensão de, 69, 7 3, 173, 227, 244 deidade de, 44, 61-66 encarnação de, 22, 24, 44, 62, 65, 68, 72, 168 como o único Media­ dor, 62, 66, 192, 196, 265 atual intercessão de, 73 auto-esvaziamento de, 68 João Batista, 119, 135 Judaísmo, 32 Judeus, 53, 71, 135, 167, 231 Julgamento, 118, 250. Ver também Julgamento do Grande Trono Branco do Anticristo, 235 Julgamento do Grande Trono Branco, 264, 265, 266, 274 Justiça. Ver Deus, justi­ ça de Justificação, 110, 111, 119, 156, 223 Kenosis, 68 Lago de Fogo, 107, 245, 266, 267, 277, 284. Ver também Segunda Mor­ te Lei, 96, 155, 217 adicionada à promessa, 252 perdão sob a, 102 pena para a rejeição da, 97 Liberalismo, 25 Liberdade, 50, 51, 88, 91, 92 Línguas como evidência, 12, 135, 141-145 dom de, 145, 177, 179 nas devoções pessoais, 143, 145, 149 Livramento, 211, 219 de demônios, 190, 215 do pecado, 65, 106, 196 Louvor, 175, 176, 179, 194 Lutero, Martinho, 29, 37, 148 Mal, 51, 90,91, 123, 136, 156,157, 228 Maniqueus, 89 Messias, 132, 218, 234 Milagres e o evangelismo, 119, 190 dom de, 178, 179 de curas, 217-219 da ressurreição, 70-73 Milênio, 238, 243-254, 264-266. Ver também Reino Ministério apostólico, 189 dos crentes, 170, 177, 179, 188, 190 de Cristo, 55, 66-68, 73,74, 173, 210, 211 funções do, 193-195 do Espírito Santo, 54, 129,155, 157,172, 176 recebido de Cristo, 169 Missões, 12, 13, 36, 175, 190 Monarquianos, 42 Monte das Oliveiras, 73, 229, 244 Morte, 259, 260. Ver também Segunda Mor­ te autor da, 204, 206 de Cristo, 21, 32, 68- 70, 101,102, 105,106, 111, 118, 130,211,275 temor da, 223 forças da, quebradas por Cristo, 68 estado intermediário da, 260,261 como o último inimigo, 211 não há segunda chance após a, 265,266 espiritual, 96, 106, 111 como o salário do pe­ cado, 96, 102, 111,203, 207 Mulheres, 119, 129, 192, 230 Mundanismo, 154 Nascimento Virginal, 28, 31, 65
  • 298. índice de Assuntos 309 Natureza Humana, 85, 86, 93 Nicéia, Concilio de, 54 Noiva de Cristo, 171, 227,231,275. VerIgre­ ja Nova Jerusalém, 48, 275- 278 Novo Nascimento, 112, 119, 148 Novos Céus e Nova Ter­ ra, 266, 271-274, 284 Obediência, 109, 155, 180, 194 Ofícios na Igreja Apostólica, 188-193 de Cristo, 66-68 Onipotência, 50 Onipresença, 50,51 Onisciência, 51 Oração, 53, 133, 143, 157, 198 da fé, 212 em línguas, 145, 147, 179 Ordenação, 197 Ordenanças da Igreja, 117-126 Palavra de Deus, 25, 91, 155 como instrumento do Espírito, 107, 172 como nome de Cristo, 61, 62, 245 Panteísmo, 49 Papiros do Mar Morto, 34,35 Páscoa, 122 Pastores, 190-193 Pecado, 70, 89-92, 103, 105-111,123,158, 203, 209-211, 278 conseqüências do, 92- 97, 101,259 convicção de, pelo Espí­ rito, 106,107,159,178 original, 85, 93 origem do, 88-92 Pentecoste, 131-133,136, 141,142 Perdão, 96, 119, 210 através do sacrifício de Cristo, 68, 118 através dos sacrifícios do Antigo Testamento, 68, 102 Período Apostólico, 26, 27, 146 Poder. Ver também Deus, poder de do diabo, 204 dons de, 177 do Espírito Santo, 54, 69, 131, 172, 175 para resistir ao diabo, 216 para o serviço, 129,130, 133 do pecado, 70, 106 da Palavra, 252 como preparação para recebimento do batismo no Espírito Santo, Pós-milenismo, 246-249 Preconceito, 142 Predestinação, 51, 182 Pregação, 191, 194, 223 confirmada por sinais, 218 para encorajar a fé, 220 de Jesus, 67, 173, 211 Pré-milenismo, 251, 253. Ver também Quiliastas Príncipe deste Mundo, 107 Profecia acerca de Israel, 247, 251-254 de Daniel, 235 cumprida em Cristo, 28, 66-68 dom da, 143, 146, 175, 177 inspiração da, 26, 27 Profeta Cristo como, 66, 67 falso, 244, 245, 249 no Novo Testamento, 143,146,175,177,178, 190, 193, 274 no Antigo Testamento, 22, 25, 26, 130, 273 Provação, 160, 266 Punição, 23, 103, 111, 261, 264, 267. Ver tam­ bém Lago de fogo Purificação, 155, 227 Queda do Homem, 92- 94, 95, 101, 203, 204 Quiliastas, 246. Ver tam­ bém Pré-milenismo Raça Humana, 84 Reavivamento, 131, 148 Reavivamento Pentecos- tal, 11,12, 131,132 para hoje, 142-145,173, 176 Rebelião, 94,95,160. Ver também Pecado; Sata­ nás, rebelião final de Reconciliação, 104, 219 Redenção aplicada pelo Espírito Santo, 107 disponível a todos, 105, 106 do corpo, 214, 238 completada por Cristo, 70, 73, 104, 105, 123, 207 de infantes e crianças, 120 Redentor, 32, 48, 54 Reforma, a, 29, 37, 147, 196, 247 Regeneração, 111, 154 Reino. Ver também Deus, Reino de; Milê­ nio apóstolos julgarão Isra­ el no, 246 trazido por Cristo, 225, 246 Relações dentro da deidade, 42- 44, 54, 61 entre Deus e Cristo, 80, 93, 108, 124, 160, 171, 176, 206,213,227,231
  • 299. 310 Doutrinas Bíblicas concedida aos gentios, 142 do espírito humano com o mundo espiritual, 86, 133 quanto ao batismo in­ fantil, 120 Resgate, 105, 198, 207 Ressurreição dos crentes, 70, 72, 86, 204, 205,211,214,219, 223-225, 265, 284 de Cristo, 28, 62, 70- 73, 118, 123, 173, 205, 219, 248 dos ímpios, 259, 265, 274 Restauração de Israel, 121,246, 247, 251-254 milenial, 254, 263 da imagem moral, 89 Retidão de Deus e de Cristo, 52, 68, 253, 264 provida para os cren­ tes, 47, 88, 104, 111, 123, 156 Revelação, 262 do anticristo, 238 de Cristo, 227, 232, 236, 238, 243-245, 263 geral, 22-24 dons de, 177 Reverência, 64, 154 Sabelianismo, 54 Sacerdócio, 192 de todos os crentes, 171, 182, 196, 197, 246 de Cristo, 66, 67, 207 no Antigo Testamento, 102, 130, 154, 207,217 Sacerdotes, 102, 192, 207, 217 Sacramentalismo, 117, 197, 212 Sacrifício, 101, 102 de Cristo, 68, 101-105, 118, 122, 123, 125,207 no Antigo Testamento, 67, 102, 104, 207 Sacrifício Vicário, 103 Salvação segurança na, 134, 159 Sangue de Jesus, 102, 97, 123 justificados por, 118, 119 purifica de todos os pe­ cados, 159 Santidade, 89, 101, 124, 129, 154-161 Santificação, 130, 148, 153-161, 280 Santos, 130, 154, 156, 180, 195, 244 Santuário. Ver Templo Satanás rebelião final de, 264, 265 Secularismo, 180 Segunda Morte, 96, 106, 231, 259, 266-268. Ver também Lago de Fogo Segunda Vinda de Cris­ to, 31, 160, 225-229, 235-239, 243-245, 262 Semana da Paixão, 69 Septuaginta, 36, 167, 208 Serviço, 133, 154, 277 dons de, 179 estimulado pela doutri­ na das Setenta Sema­ nas, 234 Serviço Ungido, 130 Servo crentes como ministros, 172 Cristo como o, 67, 210 Sofrimento, 160, 204, 210, 211, 278 causado pelo pecado, 95, 96, 103 de Cristo, 63, 106 compaixão de Cristo pelo, 218 na Grande Tribulacão, 232, 233 por causa do Evange­ lho, 213 Submissão, 64, 109 a Jesus como Senhor, 64 Sucessão Apostólica, 20, 21 Supervisores, 191, 198 T emplo crentes como, 170, 216 a Igreja como, 170,171, 173 de Jerusalém, 154, 235 Tentação, 92, 96, 148 vitória sobre a, 157, 158 Teoria Dinâmica, 25 Transfiguração de Cris­ to, 69, 260 Tricotomistas, 85 Trindade, 42, 52-57, 146, 282-284 Tipologia, 102, 154 Última Ceia, 122,123 Unidade, Doutrina da, 42, 55 Unitarianismo, 55 Vencedores, 231, 232 Vida Espiritual, 111, 117, 187 edificada pela oração em línguas, 145 desenvolvida pela santificação, 154 Visões, 26, 67, 68, 252, 274, 275 Vitória de Cristo, 70, 223, 235 sobre a morte, 70, 219, 224, 275 sobre o pecado, 97, 123, 157-159, 232 Vocação, 107, 195 Wycliffe, 37 Yahweh, 47, 64, 205, 207 Zoroastrianos, 89
  • 300. ▼ T W t t J H R O T l V Í 4 C ? WilliamW. Menzies [ J I R j b H C I f v l A Stanky M. Horton Como diferençar o certo do errado? Você sabia que um erro doutrinário pode afetar a sua fé e até mesmo a sua eternidade com Deus? Foi para responder a essas e outras perguntas, que William Menzies e Stanley M. Horton escreveram este livro. Estudando- o cuidadosamente, você terá condições de discernir entre a verdadeira doutrina e os artifícios diabólicos. Pastores, professores, seminaristas e alunos da Escola Dominical. Nesta obra, todos encontrarão instrução e orientação segura acerca das questões fundamentais da fé cristã. Em Doutrinas Bíblicas: Uma Perspectiva Pentecostal, você entrará em contato com as seguintes verdades: ■0 Único Deus Verdadeiro ’ A Queda do Homem 10 Batismo no Espírito Santo 1A Cura Divina >Julgamento Final t IS ! W • A Inspiração das Escrituras • A Deidade do Senhor Jesus Cristo H • A Salvação • A Santificação X * 0 Arrebatamento da Igreja # • Os Novos Céus e Nova Terra Ç Autores 4 } William W. Menzies é presidente do Asia Pacific Theological 4 } Seminary em Baguio, Filipinas. Seu currículo inclui dois bacharelados ♦ do Central Bible College e um do Wheaton College, onde também ▼ obteve um M.A., e um Ph.D., da Universidade de Iowa. £ Stanley M. Horton é um destacado professor da Bíblia e teólogo ^ emérito do Assemblies of God Theological Seminary. Eis alguns de 4 seus títulos acadêmicos: S.T.M. da Universidade de Harvard e Th.D. 4 do Central Baptist Theological Seminary. ISBN 85-263-0.055-$