• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
DNJ 2013 - TEXTO BASE
 

DNJ 2013 - TEXTO BASE

on

  • 1,739 views

texto base e orientaçoes para realização do dia nacional da juventude 2013 pela pastoral da juventude do Brasil.

texto base e orientaçoes para realização do dia nacional da juventude 2013 pela pastoral da juventude do Brasil.

Statistics

Views

Total Views
1,739
Views on SlideShare
1,739
Embed Views
0

Actions

Likes
2
Downloads
32
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    DNJ 2013 - TEXTO BASE DNJ 2013 - TEXTO BASE Document Transcript

    • Dia Nacional da Juventude 2013 1ª Edição - 2013 Coordenação Editorial: Mons. Jamil Alves de Souza Coordenação: Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude Organização: Pe. Antonio Ramos do Prado, sdb Elaboração: Coordenação da Pastoral Juvenil Nacional da CNBB Coordenação de Revisão e Revisão: Fabíula Martins Ramalho Projeto Gráfico, Capa e Diagramação: Isabela Souza Ferreira Ilustração: Raul Benevides dos Santos Silva C748d Conferência Nacional dos Bispos do Brasil / Dia Nacional da Juventude 2013. Brasília, Edições CNBB. 2013. 48 p.: 11,5 x16 cm ISBN: 978-85-7972-248-6 1. Juventude – Formação; 2. Juventude – Movimentos; 3. Juventude – Missões; 4. Juventude – Organização – Igreja Católica.  CDU: 3-053.7 Nenhuma parte desta obra poderá ser reproduzida ou transmitida por qualquer forma e/ou quaisquer meios (eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia e gravação) ou arquivada em qualquer sistema ou banco de dados sem permissão da CNBB. Todos os direitos reservados © Edições CNBB SE/Sul Quadra 801 - Cj. B - CEP 70200-014 Fone: (61) 2193-3019 - Fax: (61) 2193-3001 E-mail: vendas@edicoescnbb.com.br www.edicoescnbb.com.br
    • Sumário Apresentação dos subsídios do dnj de 2013 5 INTRODUÇÃO 9 ENCONTRO 1 TRANSFORMAR OS CORAÇÕES PARA TRANSFORMAR O MUNDO 11 ENCONTRO 2 GRUPO DE JOVENS: COMUNIDADE MISSIONÁRIA 20 ENCONTRO 3 FRONTEIRAS NOVAS DE MISSÃO 27 Celebração Missionária 35
    • HISTÓRIA DO DNJ 41 Assessores da cepj da cnbb 45 Coordenação da pastoral juvenil nacional da cnbb 45
    • 5 ////////////////////////////////////////// Apresentação dos Subsídios do Dnj de 2013 2013estásendoumanoprivilegiadoeúnicoparanossajuven- tude.ACampanhadaFraternidade(CF),comotema “Fraternidade e Juventude” e o lema “Eis-me aqui, envia-me!” (Is6,8),convidatodasaspastorais,osmovimentos,ascongrega- çõeseasnovascomunidadesdasIgrejaslocaisarefletiremsobre oseupapelnoacompanhamentodosjovens.Aresponsabilidade pelaevangelizaçãodajuventudenãoéapenasdeumapessoa,um assessoradulto,umcoordenadorjovem,umcatequista,massim detodaacomunidade.Nãopodemosmaisficarnasarquibancadas criticandoaspoucaspessoasqueestãoassumindooministério deassessoriadosjovens.Temostodos(todaaIgreja)que“vestira camisa,entraremcampoejogarjuntos”. ODocumentodePueblaapresentaduasprioridades– duasopçõespreferenciais–paraIgrejadaAméricaLatina:os jovenseospobres.Ajuventudeéumgruposocialdegrandes potencialidadesparaarenovaçãodasociedadeedaIgreja.Há algunsanos,celebramosaalegriadecontemplarmostodasas
    • 6////////////////////////////////////////// forças vivas que trabalham com a Evangelização dos jovens, buscando trabalhar em comunhão: PJs, Movimentos Juvenis, Novas Comunidades, Congregações Religiosas, Pastoral Voca- cional, Catequese e outras instâncias têm buscado criar o Setor Juventude nas diversas Igrejas Locais. As metodologias e as espiritualidades podem ser diferentes, mas a visão é comum! Esta visão está melhor explicitada no Documento 85 da CNBB, intitulado “Evangelização da Juventude, Desafios e Perspectivas Pastorais”. A Jornada Mundial da Juventude, ocorrida no Rio de Janeiro, congregou milhares de jovens de quase todos os cantos do Brasil e de inúmeros países do mundo. Seu tema “Ide e fazei discípulos entre todas as nações” (Mt 28,19) pro- vocou a juventude brasileira a refletir sobre seu comprometi- mento missionário. Uma semana antes ocorreu em todas as Igrejas Locais do Brasil a “Semana Missionária” que ofereceu a oportunidade de apresentar nossa fé àqueles que estão afas- tados e, em algumas dioceses, partilhar nossa vivência cristã com jovens de outros países, sob a orientação de três eixos: experiência de solidariedade, experiência de fé e experiência cultural. Por ser em nível local, os jovens se mobilizaram para assumir sua missão de serem os apóstolos privilegiados de outros jovens, em especial com os estrangeiros, promovendo a fraternidade universal. “Portanto, não há diferença entre judeu
    • 7 ////////////////////////////////////////// e grego: todos têm o mesmo o Senhor, que é generoso para com todos os que o invocam” (Rm 10,12). A CNBB deixa claro que a Jornada é um evento impor- tante no processo de evangelização da juventude, mas não é o ponto de chegada. O grande desafio é o fortalecimento do pro- cesso de acompanhamento sistemático dos grupos e das equi- pes de coordenação para que haja garantia de continuidade, a fim de que os jovens possam se comprometer com a Pessoa e o projeto de Jesus. No mês de outubro, os jovens brasileiros são convoca- dos a realizar o Dia Nacional da Juventude (DNJ)com o tema “Juventude e Missão” e o lema “Jovem: levante-se, seja fermento!”. Este subsídio inspira-se na proposta missionária apresentada pelo Documento de Aparecida. O cartaz e os subsídios foram publicados antecipadamente para facilitar o trabalho de motivação e de organização da campanha. Alémdisso,nesteano,aComissãoEpiscopalPastoralparaa JuventuderetomaaparceriacomasPontifíciasObrasMissionárias (POM)paraarealizaçãodoDNJ.Estaéumaboanotíciaeuma retomadahistórica,poisnasprimeirasediçõesdoeventojáera assim,oqueinfluenciouinclusivenadecisãodesecelebraroDia Nacionalemoutubro(mêsdedicadoàsmissões).
    • 8////////////////////////////////////////// O DNJ deste ano é uma oportunidade para fortalecer os processos de acompanhamento dos jovens e não deixar as coisas desanimarem com o encerramento da Jornada Mundial da Juventude, desafiando toda a Igreja Jovem do Brasil a assu- mir o compromisso missionário celebrado na JMJ. O DNJ segue uma tradição semelhante à da Campa- nha da Fraternidade, acentuando a dimensão social da fé, enfocando os problemas que afligem a juventude. A escolha do tema “Juventude e Missão” não contradiz esta tradição. No NovoTestamentohádoismodelosmissionáriosquesecom- plementam.Noprimeiromodelo,apresentadoemMt28,16-20, Jesus envia seus apóstolos para fortalecer a consciência missionária, saindo ao encontro daqueles que não creem em Cristo. No segundo modelo, de Lc 4,16-21, na sinagoga, Jesus fala da necessidade deresponderadequadamenteaosgrandes problemasdasociedadenaqualseestáinserido.Odesafioéde trabalharosdoismodelosdemaneiraquesecomplementem, evitando assim os reducionismos. FelizDNJparatodosetodasquesãojovensequeacreditam najuventudedenossopaís! Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude
    • 9 ////////////////////////////////////////// INTRODUÇÃO ODiaNacionaldaJuventude2013(DNJ),como tema“JuventudeeMissão”eolema“Jovem:levante-se,seja fermento!”,querproporumcaminhomissionárioparaosjovens daIgrejadoBrasil.Paraisto,apresentamosestesubsídiocomoum auxílioparanossosgrupos,pastorais,movimentos,comunidades novasecongregaçõesreligiosasquetrabalhamcomajuventude. Ostemasescolhidosparaosencontrosdestesubsídio seguemostrêseixosdamissão:pessoa,comunidade,sociedade: ›› Pessoa: apresentar o Evangelho como proposta que atinge o coração do jovem. A primeira expe- riência do Evangelho nasce no coração da pessoa. ›› Comunidade: a Igreja é a portadora do Evange- lhoe,aomesmotempo,vivedopróprioEvangelho, sendo convocada a anunciar a Palavra para criar comunidade. ›› Sociedade: A Igreja é chamada a levar o Evan- gelho a todos os cantos do mundo, em especial
    • 10////////////////////////////////////////// às fronteiras novas que se apresentam em nossa sociedade, sendo fermento na massa para o cres- cimento do Reino de Deus. ›› Como conclusão, apresentamos uma celebração missionária. Esperamos que este subsídio seja bem aproveitado por todos! Ele é apenas uma ajuda! Crie a reunião de seu grupo conforme a sua realidade! Só não deixe de aproveitar a opor- tunidade do DNJ para apresentar o Evangelho a todos os que ainda não conhecem a sua força transformadora!
    • 11 ////////////////////////////////////////// ENCONTRO 1 TRANSFORMAR OS CORAÇÕES PARA TRANSFORMAR O MUNDO Preparando o ambiente ›› Prepare o ambiente de forma aconchegante (se possível, com almofadas para sentar no chão ou um tapete), com música ambiente. Dispor pela sala os seguintes símbolos: Bíblia, velas e flores; Imagem do Sagrado Coração de Jesus; Imagens de pessoas que contribuíram e testemunharam o Evangelho; Instrumentos musicais (conforme a sua realidade); Fotos de jovens em:
    • 12////////////////////////////////////////// Missão; situações de risco; atividades cotidianas (estudo, trabalho, lazer etc.). Acolhida e Abertura Acolha os jovens com entusiasmo, com alegria, com aconchego e, se considerar importante, com uma música de boas-vindas. Combine com alguns jovens para permanecer na entrada da sala do encontro, entregando a cada participante um cartão em forma de coração, em branco, dos dois lados. Para começo de conversa A Igreja é, por excelência, missionária! Ela existe para fazer com que Jesus Cristo seja conhecido, amado e seguido! (...) A Igreja, para continuar esta missão de evangelização, conta também convosco. Queridos jovens, vós sois os pri- meiros missionários no meio dos jovens da vossa idade! Assim nos disse o Papa Emérito Bento XVI em sua Mensagem para a JMJ 2013. “ ”
    • 13 ////////////////////////////////////////// Oprimeiroâmbitodeevangelizaçãoéocoraçãohumano. Nossa primeira tarefa é atingir com a mensagem do Evangelho cada jovem, o íntimo do seu ser, apresentando-lhe a Pessoa de Jesus Cristo como o único capaz de lhe trazer o verdadeiro sentido de vida. “Os verdadeiros destinatários da atividade mis- sionária do povo de Deus não são só os povos não cristãos e das terras distantes, mas também nos campos socioculturais e, sobretudo, os corações” (Documento de Aparecida, n. 375). A principal missão em meio à juventude se dá de pessoa a pessoa, de coração para coração. De nada adianta a organi- zação de missões em massa se a Palavra de Deus não cair no coração de cada jovem, fazendo com que ele reflita sobre sua vida. Ao encontrar-se com Cristo, o jovem é convidado a deixar queoEvangelhotransformeseuProjetoPessoaldeVida,impul- sionando-o a comprometer-se com a defesa da vida e o amor aos demais em sua comunidade e na sociedade como um todo. “Amissãonãosereduzapenasatrazerosjovensparaasativida- des da Igreja, mas consiste também em despertar sua vocação e seu papel na sociedade” (CNBB, Evangelização da juventude: desafios e perspectivas pastorais - Doc. 85, n. 177). Neste encontro, portanto, somos desafiados a nos ques- tionar:“AlgumaveztiveacoragemdeproporoBatismoajovens queaindanãooreceberam?Convideialguémaseguirumcami- nho de descoberta da fé cristã? Queridos amigos, não tenhais ”
    • 14////////////////////////////////////////// medo de propor aos jovens da vossa idade o encontro com Cristo” (Sumo Pontífice Emérito Bento XVI em sua Mensagem para a JMJ 2013). Que tal se, juntos, você e seu Grupo de Jovens conver- sassem sobre este questionamento do Sumo Pontífice Emérito Bento XVI? Vocês têm apresentado aos demais jovens aquilo em que vocês acreditam? Vocês têm a coragem de contar aos demais jovens o que vocês têm vivido com Jesus Cristo? Dinâmica Apresentamoscomopropostaestadinâmicaextraídadosite: Providencie: Uma caixa contendo os nomes dos que estão presentes no encontro; Caneta ou lápis suficiente para todos os presentes; Um cartão em forma de coração, em branco dos dois lados, para cada um dos participantes (entregue já no início do encontro). http://www.mundojovem.com.br/ dinamicas/amor/olhar-do-coracao
    • 15 ////////////////////////////////////////// 1. Passeacaixacomonomedaspessoaspresentesnareunião. Cada um retira um nome e tem a tarefa de escrever em um dos lados do coração a resposta à seguinte questão: “Todos podemos ser missionários porque em cada um de nós Cristoserevela!QualaspectodeJesusCristoestapessoame revela?”.Senãoconhecerbemapessoa,podepedirajuda. 2. Enquanto todos estiverem escrevendo, pode ser execu- tada uma música que fale de missão. 3. Após todos escreverem, peça a seu grupo para formar um círculo e entregar o cartão para o seu amigo (a), dizendo o que escreveu a respeito da outra pessoa e como ela tem sido missionária para os jovens do grupo. 4. Ao final, cada participante pode escrever no verso de seu cartão a frase do Evangelho que mais marca a sua vida e que ela deseja difundir a outros jovens. Em seguida, todos podem partilhar o que escreveram! 5. Finalize com um abraço da paz entre os participantes. Palavra de Deus (Jo 1,35-49) NoiníciodoEvangelhodeSãoJoão,osprimeirosdiscípu- los de Jesus descobriram n’Ele a verdade que liberta e salva! Ele cativou os seus corações de tal maneira que saíram contando
    • 16////////////////////////////////////////// aos seus amigos o que haviam descoberto. A missão aconteceu de pessoa a pessoa, de coração para coração! Leia esta passa- gem do Evangelho com seu grupo de jovens. Trocando ideias OEvangelholidoapresentadiversaspessoasencontrando- -se com Jesus por meio do testemunho de outros. Na verdade, o jovem é o melhor evangelizador de outro jovem. Converse com seugruposobreasseguintesquestões: 1. O que você gostaria de destacar deste texto bíblico? 2. Como você foi atraído para seguir Jesus Cristo? Quem o convidou? O que mais encantou o seu coração? 3. Quais desafios você encontra para anunciar o Evange- lho aos corações dos jovens que você conhece? Da sua família? Do seu trabalho? Dos seus amigos? 4. O que você tem feito para que Jesus Cristo e seu projeto sejam conhecidos e vivenciados por outros jovens? Preces Organize um momento especial de oração com seu Grupo de Jovens para inspirar e motivar nosso coração missionário.
    • 17 ////////////////////////////////////////// Jesus Ressuscitado nos convoca à Missão do Anúncio da Boa- -NovaedeixaacertezaqueElenosacompanhaemnossocaminho: 1. Providencie uma música para ajudar na preparação de um momento de reflexão. 2. Cada jovem pode apresentar, ao Sagrado Coração de Jesus, seu pedido ou prece para nos capacitar e nos encorajarcomoanunciadores(precesespontâneas).Res- posta:Senhor,escutaaprecequebrotadenossocoração! 3. Finalize este momento com uma canção missionária. Mãos na Massa Após a reflexão feita, o que nosso grupo pode organizar, duranteestasemana,paradesenvolveratividadesmissionáriasque atinjam os corações dos jovens de nossa realidade? Debata sobre istocomseugrupo,anoteeajude-osacumpriroseupropósito. Algo a mais 1. Você conhece a canção “Mestre, onde moras?” Ela pode ajudaremsuareuniãoSegueolinkcomovídeoeamúsica: h t t p : / / w w w . y o u t u b e . c o m / watch?v=CnxuGkQA1x8
    • 18////////////////////////////////////////// 2. Você pode assistir, com seu grupo, o conhecido filme “A missão”. No início, há a cena de conversão de um assassino que descobre em Jesus Cristo o caminho de mudança do seu coração. 3. DocumentosdaIgrejaquevocêpodelerparaaprofundar: a. Decreto Ad Gentes do Concílio Vaticano II sobre a Atividade Missionária da Igreja: http://www.vati- can.va/archive/hist_councils/ii_vatican_coun- cil/documents/vat-ii_decree_19651207_ad-gen- tes_po.html b. Documento de Aparecida: <http://www.tvaparecida. com.br/santuario/media/arq/DOCUMENTO%20 DE%20APARECIDA.pdf c. Documento 85 da CNBB – “Evangelização da Juventude, desafios e perspectivas pastorais”: http://www.jovensconectados.org.br/documen- tos/Documento_85_CNBB.pdf d. Mensagem do Papa Bento XVI para a Jornada Mundial da Juventude 2013: http://www.rio2013. com/pt/a-jornada/mensagem-do-papa
    • 19 ////////////////////////////////////////// Oração Final Senhor Jesus Cristo, Filho, Mestre e Nosso Irmão, que foste enviado ao mundo para nos comunicar a Verdade que liberta e salva – o Reino de vosso Pai – e que escolheste homens e mulheres para que anunciassem esta mesma verdade aos corações humanos, dá-nos a coragem, a ousadia e a rebeldia perante aqueles que destroem a vida da juventude. Ensina-nos a anunciar tua Palavra a todos os que estão sedentos dela. Faz de nós teus missionários e missionárias, em especial para os nossos irmãos jovens, a fim de que tenham vida, e vida em abundância. Tu que vives e reinas com o Pai e o Espírito Santo. Amém!
    • 20////////////////////////////////////////// ENCONTRO 2 GRUPO DE JOVENS: COMUNIDADE MISSIONÁRIA Preparando o Ambiente ›› Preparar o ambiente da reunião com velas, panos coloridos, Bíblia, papel e caneta hidrocor ou lápis coloridos. Acolhida e Abertura ›› Acolher os participantes com um abraço e um canto de boas-vindas. (Sugestão: “Missão de todos nós” – Zé Vicente) Para começo de Conversa Os bispos da América Latina e do Caribe, no Documento de Aparecida,propõemumaradicalmudançadosistemaeclesial.
    • 21 ////////////////////////////////////////// Durante séculos, a Igreja se concentrava na conservação da herança do passado. Agora propõe que tudo na Igreja deve ser orientadoparaamissão.Aparóquiadeveser“menosinstituição e mais comunidade”, portanto, “comunidade de comunidades”, incentivando a formação das pequenas células da vida cristã. Dentro das culturas modernas e pós-modernas, a juven- tude é a nova terra de missão. Os jovens de nossos grupos e as suas equipes de coordenação são missionários privilegiados. É importante debater nossas questões internas, mas de maneira que nos prepare melhor para sair em missão. Para isso, precisa- mos conhecer esta nova terra de missão. Quando falamos de jovens, nos referimos aos quarenta e sete milhões de brasileiros (cf. Censo do IBGE, 2010) de 15 a 29 anos. As estatísticas revelam que, nós jovens, temos acesso restrito à educação de qualidade, dificuldades de inserção no mundo do trabalho, somos vítimas de mortes por causas exter- nas (homicídios, trânsito e suicídio), sofremos em função do envolvimento das drogas, gravidez na adolescência e temos pouco acesso às atividades esportivas, lúdicas e culturais. Temos “medo de sobrar” em relação ao desemprego e a qualificação profissional, temos “medo de morrer” precoce- mente, em função da crescente violência de que somos alvo. Ainda sim, vivemos conectados por meio da internet (E-mails,
    • 22////////////////////////////////////////// Facebook, Youtube, Twitter, Sites, Blogs etc.) e dos celulares. Estamos aprendendo a utilizar a internet como uma ferra- menta de construção de novos tipos de relações e de mobiliza- ções. Somos a primeira geração digital. Comojovens,somosumdosgruposmaismarginalizados pelosmecanismosdeexclusãosocial.Mas,também,detentores deumacapacidadeespecialdearticulação,demobilizaçãoede trabalho com outros/as jovens e adultos. Gostamos de traba- lhar em grupos, porque a vivência da coletividade e da dimen- sãocomunitáriacontribuiparaonossocrescimento.Comparti- lhamosasmesmaslinguagens,culturas,meiosdecomunicação e, algumas vezes, por sermos jovens, temos mais credibilidade diante dos outros jovens do que os adultos em geral. E neste contexto somos chamados a sermos discípulos missionários. Nossa missão prioritária é para este universo de quarentaesetemilhõesdejovensparaosquaisvamosserapós- tolos de outros jovens, trabalhando lado a lado, tentando ser “sementes na construção do Reino de Deus”. “A Igreja não cresce por proselitismo, a Igreja cresce por atração”, disse o Sumo Pontífice Emérito Bento XVI, em Apa- recida (maio de 2007). “Vejam como se amam!”, diz o livro dos Atos dos Apóstolos, sobre as comunidades cristãs. Esse é o impacto que deve acontecer na vida daqueles que estão ao nosso redor, a partir do nosso testemunho de vida feliz e
    • 23 ////////////////////////////////////////// de realização no seguimento de Cristo. João Paulo II dizia: “A Igreja tem muito a dizer aos jovens, e os jovens tem muito a dizer à Igreja”. Portanto, os jovens com seu dinamismo, sua criatividade e seu entusiasmo, como também com seu anseio porumacoerênciaentreféevida,temmuitoacontribuirpara a dinamização da vida missionária da sua comunidade local. Comomeugrupotemsecomportadodiantedatarefade ser comunidade missionária? Dinâmica Ogrupopoderetomaramúsicadaacolhida,ouvindocom calma e partilhando o que chamou mais atenção na letra. Após a partilha,cadaparticipanteéconvidadoaescrever,empedaçosde papel, quais são os desafios e os sonhos que cada um carrega em siquandosecolocaaserviçodooutrocomomissionário. Palavra de Deus Dois jovens, um rapaz e uma moça, fazem a leitura dos dois textos: 1º Modelo de missão – Mt 28,16-20 2º Modelo de missão – Lc 4, 16-21
    • 24////////////////////////////////////////// O Evangelho ilumina nossa missão a esta nova terra que é o mundo juvenil. As duas passagens bíblicas a seguir nosapresentamdoismodelosdemissão.Noprimeiromodelo, em Mt 28,16-20, Jesus envia seus apóstolos para fortalecer a consciência missionária, saindo ao encontro daqueles que não creem em Cristo. No segundo modelo, em Lc 4,16-21, na sina- goga, Jesus fala da necessidade de responder adequadamente aos grandes problemas da sociedade na qual está inserida. Os dois modelos se complementam. Trocando ideias Considerando as reflexões apresentadas durante o encontro e a partir das leituras bíblicas apresentadas, debata com o seu grupo: 1. O que você gostaria de destacar dos textos do Evange- lho que acabamos de ler? 2. Partilhe com seu grupo experiências de missão que você ou conhecidos seus tenham participado. 3. O Evangelho apresenta duas maneiras de fazer missão que secomplementam:aevangelizaçãoeatransformaçãosocial. Comoestasduasdimensõesacontecememsuacomunidade esecomplementam?Seugrupoestáenvolvido?
    • 25 ////////////////////////////////////////// Preces Asprecespodemserespontâneas.Aofinaldecadaprece, o grupo pode responder com o seguinte refrão: “É missão de todos nós, Deus chama, eu quero ouvir a sua voz!”. Mãos na Massa Façam um levantamento dos grupos que realizam diver- sos tipos de missão no seu bairro, na sua cidade, e convide para participar das reuniões de seu grupo um representante de cada um deles com o objetivo de falar um pouco das experiências que eles vivem. Lembrem-se de convidar outras pessoas da comunidade que se interessem pela temática. O grupo pode se organizar para realizar outras ações que estejam em sintonia com a proposta da reunião. Algo a mais 1. Oração da Missão Continental: http://www.dom- bosco.net/resources/multimidia/files/ane- xos/1275952170_1%20(4).pdf 2. Site Missão Jovem: http://www.missaojovem.org/ 3. Pontifícias Obras Missionárias: http://www.pom.org.br 4. Site Mundo e Missão: http://www.mundomissao.com.br
    • 26////////////////////////////////////////// 5. VídeodaMissãoemMaringá(10ºENPJ)–SitedaPastoral: http://www.youtube.com/watch?v=ASsLBMmukuU 6. Site da Missão Jesus no Litoral, do Ministério da RCC Brasil: http://www.jesusnolitoral.com.br Oração Final OraçãodaMissãoContinental Fica, Senhor, com aqueles a quem, em nossa sociedade, é negada a justiça e a liberdade; fica com os pobres e os humildes, com os anciãos e os enfermos. Fortalece nossa fé de discípulos sempre atentos à tua voz de Bom Pastor. Envia-nos como teus alegres missionários para que nossos povos, em Ti, adorem ao Pai, pelo Espírito Santo. A Maria, tua Mãe e nossa Mãe, Senhora de Guadalupe, Mulher vestida de Sol, confiamos o Povo de Deus peregrino neste início do terceiro milênio cristão. Amém! (Papa Bento XVI, Aparecida, maio de 2007).1 1 CONSELHO EPISCOPAL LATINO-AMERICANO. Documento de Aparecida – Texto conclusivo da V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe. 5. ed. São Paulo: Edições CNBB, Paulinas, Paulus, 2008.
    • 27 ////////////////////////////////////////// ENCONTRO 3 FRONTEIRAS NOVAS DE MISSÃO Preparando o ambiente ›› Paradeixaroambientemaisconvidativo,seugrupo podearrumarnocentrodasala,demaneiraharmo- niosa,osseguintessímbolos: Cruz; Cajado; Globo terrestre ou mapa-múndi; Sandálias; Cantil e/ou Mochila; Velas para todos os participantes; Uma pequena tigela com sal.
    • 28////////////////////////////////////////// Recortar folhas, em formatos de pés, e escrever lugares em que poderiam ocorrer experiências de missão. Colar com fita adesiva, embaixo das cadeiras, antes das pessoas entrarem na sala, porque serão utilizadas no momento da dinâmica. Acolhida e abertura ›› Paraaacolhida,um(a)jovemseguraumapequena tigela com sal e oferece a cada um para que prove um pouco. ›› Nascadeiras,osparticipantesdeverãoencontrarvelas queserãoutilizadas,aofinaldoencontro,naoração. Para começo de conversa Só existe Igreja porque existe missão. Anunciar o Evangelho a todos os povos não é opção, e sim o compromisso de todos que receberam o sacramento do Batismo (cf. Manual de Instru- ção da Semana Missionária, 2011).2 Quais os tipos de missão que se faz na Igreja? 2 COMISSÃO EPISCOPAL PASTORAL PARA A JUVENTUDE. Manual de Instrução da Semana Missionária. Brasília: Edições CNBB, 2011.
    • 29 ////////////////////////////////////////// 1. Missão Ad Gentes (universal) – o batizado está apto para ser enviado para outros povos e países; 2. Missão nos lugares de fronteira – nos lugares de exclusão, ondeavidaestásendoameaçada.Éumapresençamissio- náriaquevaiajudaragerarvida.Tiposdefronteiras: Fronteira geográfica (temos países que quase não possuem a presença de Igreja); Fronteira social: metrópoles, círculos de pobreza, migrantes, povo de rua, juven- tude...; Fronteiras culturais: MCS, universidades, academias, pesquisa científica, fóruns internacionais, política, economia... Nesteslugaresdefronteira,aIgrejaéchamadaaserhóspede na casa dos outros, não a ser dona. Daí decorre novas atitudes da Igreja ao entrar nestes lugares: tirar as sandálias, respeitar a casa quesevaivisitaroufrequentar.AIgrejaéparatodos,principalmente para aqueles que não a querem. O desafio dela é ser significativa paraaspessoasquenãoaconhecemounãoaquerem.Nestesluga- res, a Igreja tem que aprender a aprimorar a sua proximidade, pois láseencontracomominoria,emdiáspora.Nãopodeseapresentar como“donadaverdade”,mascomoamigadaspessoas.
    • 30////////////////////////////////////////// O Documento de Aparecida, no número 491, e outros documentos da Igreja apontam a necessidade de evangelizar nos “novos areó­pagos”. O apóstolo Paulo pregou no areópago em Atenas (cf. At 17,16-34) que era um local próprio da cultura hele­ nística, onde se reuniam as pessoas para ouvir oradores e discutir assuntos de interesse da ci­dade. Quais seriam para nós, hoje, os modernosareópagosounossasnovasfronteiras?Poderíamosdizer quealgunsdelessão:osmeiosdecomunicação,acultura,aciência. Sãolugaresondeseformamospensadores,osambientesdosescri- toresedosartistas.Tambémpodemoscitaromundodolazer,dos esportes,daindústriaedocomércio,osmigrantesetantosoutros. AssimcomoPauloteveaousadiadepre­garnoAreópago, em Atenas, nós também somos chamados, no poder do Espí- rito, a levarmos a Palavra de Deus a essas realidades, evangeli- zando por palavras e obras. Converse com o seu grupo tentando responder à per- gunta: quais são as nossas novas fronteiras de missão? Dinâmica ›› Pedirqueaspessoasretiremospéscoladosembaixo da cadeira e meditem enquanto escutam uma (cf. http://www.capuchinhosrs.org.br/ index.php?ir=PaginaPersonalizada&id_ pagina=56&link=77&link_ pai=219&sublink=199)
    • 31 ////////////////////////////////////////// música missionária. Após a meditação, partilhar sobreoquepoderiaserfeitonoslugaresdemissão. Palavra de Deus (At 16,9-15) São Paulo tem a visão de um Macedônio – um estran- geiro vestido como estrangeiro – que lhe chama para ajudá-lo. O Apóstolo e sua comunidade não temem em atravessar o mar e ir ao encontro daquele povo que ainda não conhecia a fé. Em nosso mundo há diversas realidades que gritam por ajuda, que clamam por vida, por novas fronteiras da missão eclesial. Trocando ideias Assim como fez com Paulo e tantos outros personagens da História da Salvação, Deus também nos chama, hoje, a ir além daquilo que estamos acostumados a fazer: quer que seja- mos “missionários”, evangelizando jovens fora do nosso grupo, da nossa comunidade. Desta maneira, ser missionário em novas fronteiraséfazerumaopçãoradicalporJesusCristoeanunciá-lo atodosospovos,sendotestemunhasdoEvangelhoeummodelo napalavra,naconduta,noamor,nafé,napureza(cf.1Tm4,12). 1. O que chamou a minha atenção no texto bíblico? 2. Eujápenseialgumavezemsermissionárionumoutropaís?
    • 32////////////////////////////////////////// 3. Combasenasnovasfronteirasdemissão,emquelocais nosso grupo pode ser missionário? Preces O coração missionário se fortifica na ora- ção e na fé. Assim como os apóstolos que aceitaram o desafio de anunciar a Cristo, precisamos estar em sintonia com Deus e com nosso próximo. Convide seu grupo a fazer orações espontâneas e preces. Após cada pedido ou intenção, cantar (responder): “Senhor, nós, missioná- rios, Te pedimos”. Concluir as preces com esta oração: “Deus de infinita misericórdia, Senhor dos vivos e dos mortos, fazei de nós instru- mentos de Vossa paz e enviai-nos para que possamos ser portadores do Vosso amor.PorCristo,NossoSenhor”.Amém! Mãos na Massa Organize com o seu grupo um Projeto de “Missão Jovem” para o mês de outubro:
    • 33 ////////////////////////////////////////// ›› Defina o lugar de missão (consulte as dicas para a realização de missão que estão em anexo); ›› Mapeie o lugar de missão: quantidade de pessoas, situação socioeconômica, quais culturas existem nesse local missionário, hábito das pessoas etc. ›› Marque uma reunião para partilhar e elaborar o projeto missionário que será realizado. Algo a Mais Documento de Aparecida, V Conferên- cia Geral do Episcopado Latino- Ame- ricano e do Caribe. Sobre a reflexão e caminhos a serem seguidos pela Igreja Latino-americana e do Caribe, onde a missionariedade tem papel especial: http://www.tvaparecida.com.br/santua- rio/media/arq/DOCUMENTO%20DE%20 APARECIDA.pdf Livro: CELAM. Civilización del amor: Proyecto y misíon. Orientaciones para una Pastoral Juvenil Latinoamericana. Documentos CELAM 173. Colombia: ImprentaSalesiana,2012.
    • 34////////////////////////////////////////// Filme: Paulo de Tarso – que traz a narrativa da conversão e vida missio- nária de São Paulo de Tarso, apóstolo que vive a sua missionariedade em plenitude: http://www.youtube.com/ watch?v=EUfTfSJNa_c ORAÇÃO FINAL ›› Neste momento de conclusão, os jovens podem novamente provar o sal e acender a vela recebida na acolhida para a Oração Final. Sugerimos que os jovens estejam abraçados e, ao final da oração, rezem um Pai-Nosso. Deus de bondade, que tocaste meus lábios com o sal do Teu amor, incendeia minha vida com a Luz do Espírito Santo para que “onde houver desespero, eu leve a esperança; onde houver trevas, eu leve a Luz; onde houver tristeza, eu leve alegria”. E, assim, os jovens tenham vida em abundância. Por Cristo, Nosso Senhor. Amém!
    • 35 ////////////////////////////////////////// Celebração Missionária Ambientação ›› Prepararoambientecomosmateriaisproduzidos nos encontros anteriores, fotos de missões, Bíblia, pão para a partilha, sandálias, bornal, chapéu, bandeiras, imagens de santos jovens e missioná- rios e materiais de estudos dos grupos. Acolhida ›› Comalegria,acolhemososjovensdiscípulosmissio- nários que aqui se encontram. Sejamos todos bem- -vindos à festa do encontro com Cristo, por meio do encontro com os irmãos. Juntos, podemos con- tribuir para que a presença de Deus permeie todas as realidades onde estamos inseridos ou devemos nos inserir. Aqui, também, estamos para celebrar a alegriadesermosescolhidoseenviadosemmissão. Canto de abertura ›› Hino da Campanha da Fraternidade 2013.
    • 36////////////////////////////////////////// Recordação da vida Amissão deve ser sempre carregada pela memória. Ir ao encontro do outro, conhecendo sua história, nos ajuda a perceber os sinais do Reino de Deus em sua vida. O dia de hoje deve ser para nós de muita festa. Festa da vida da juventude, festa da Missão, festa da memória. Vamos relembrar os fatos de nossa vida que neste mês nos impulsionaram ainda mais ao encontro, à missão de anunciar o Evangelho e assim construir um novo mundo, justo e solidário, para a juventude brasileira. Salmo 144 —ÓSenhor,vossosamigosanunciem vossoReinoglorioso! 1. Que vossas obras, ó Senhor, vos glorifiquem, e os vossos santos com louvores vos bendigam! Narrem a glória e o esplendordovossoreinoesaibamproclamarvossopoder! 2. Para espalhar vossos prodígios entre os homens e o ful- gor de vosso reino esplendoroso. O vosso reino é um reino para sempre, vosso poder, de geração em geração. 3. É justo o Senhor em seus caminhos, é Santo em toda obra que ele faz. Ele está perto da pessoa que o invoca, de todo aquele que o invoca lealmente.
    • 37 ////////////////////////////////////////// Canto de Aclamação ›› (Conforme escolha do grupo) Palavra de Deus ›› Lc 10,1-9. Preces: Iluminados pelo Evangelho, façamos as nossas preces: 1. PortodaavossaIgrejaespalhadanomundointeiro,afimde que ela seja um sinal vivo e eloquente do Reino, e cada que cadaumdeseusmembrossejamautênticosdiscípulospara quesejamfecundosmissionários.Tepedimos,Senhor. Senhor,envia-nosemmissão! 2. Por todos os jovens que se encontram marginalizados, para que sejam alcançados pela presença cristã e pela força do Evangelho que transforma integralmente a vida humana. Te pedimos, Senhor. 3. Por cada um de nós que estamos aqui reunidos, para que possamos ser desinstalados pela força do Seu Espí- rito, para que não fiquemos fechados em nós mesmos,
    • 38////////////////////////////////////////// mas saíamos ao encontro dos outros jovens para lhes comunicar o dom e a alegria da fé. Te pedimos, Senhor. 4. Que nesse Ano da fé e da Juventude, possamos colher muitos frutos da JMJ que se realizou em nossa nação. Que os jovens possam assumir o seu protagonismo e o seu testemunho cristão no mundo. Te pedimos, Senhor. ›› (Outras preces espontâneas) Pai-nosso Partilhadopão Fazer festa é partilhar das alegrias vividas por nós. A partilha deve ser a centralidade de nossa missão. A Eucaristia, Cristo feito pão, quer nos dizer da importância de partilhar aquilo que é mais sagrado para nós. Vamos partilhar o pão, resultado do trabalho do povo pelo qual nós damos nossas vidas em missão. Bênção e Envio “A missão é feita com os pés dos que partem, com os joelhos dos que rezam e as mãos daqueles que ajudam”.
    • 39 ////////////////////////////////////////// Deus nosso Pai, nós te louvamos e te bendizemos pela animação missionária que realizamos por meio de teu filho Jesus; Caminho certo a seguir, Verdade que liberta e Vida que salva. Nossa Senhora Aparecida, Santa Terezinha do Menino Jesus e São Francisco Xavier nos protejam sempre e em todos os lugares por onde andares! O Senhor te escolheu, te consagra, te envia, vai! Abençoe-nos, Deus que é Pai, Filho e Espírito Santo! Amém! Canto Final “Alma Missionária” (Paulo Roberto) - Senhor, toma a minha vida nova, antes que a espera, desgaste anos em mim. Estou disposto ao que queiras, não importa o que sejas, Tu chamas-me a servir. Leva-me aonde os homens necessitam Tua Palavra, necessitam mais força de viver. Onde falte a esperança, onde todos sejam tristes, simplesmente, por não saber de Ti.
    • 40////////////////////////////////////////// - Te dou meu coração sincero para gritar sem medo, formoso é Teu amor. Senhor, tenho alma missionária, conduza-me à terra, que tenha sede de Ti. - E assim eu partirei cantando, por terras anunciando, Tua grandeza, Senhor. Terei meus braços sem cansaço, Tua história em meus lábios e a força na oração.
    • 41 ////////////////////////////////////////// HISTÓRIA DO DNJ No ano de 1985, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) escolheu o quarto domingo do mês de outubro para celebrar o Dia Nacional da Juventude. As pastorais da juventude eram as únicas organizadas nacionalmente. Dessa forma, a CNBB confiou-lhes o protagonismo dessa celebração. Nas últimas décadas têm crescido visivelmente outras expressões de juventude em nossa Igreja. Assim, a partir do ano de 2011, com a criação de uma Coordenação Nacional de Jovens, o DNJ passa a ser organizado por elas. Queremos agra- decer profundamente as pastorais da juventude que, ao longo de vinte e cinco anos, com muito brilho, contribuíram com a Evangelização e a formação da juventude do Brasil preparando o DNJ. Vejamos os DNJs: 1985 DNJ:Construindo uma nova Sociedade. 1986 DNJ:Juventude eTerra - Rumo à terra prometida.
    • 42////////////////////////////////////////// 1987 DNJ:Juventude e Participação - Juventude,Presença e Participação. 1988 DNJ:Juventude,Libertação na Luta do Povo - Mulher,Negro, Índio e Eleições. 1989 DNJ:Juventude e Educação - Juventude,cadê a Educação? 1990 DNJ:Juventude eTrabalho - Juventude:do nosso suor, a riqueza de quem? 1991 DNJ:JuventudeeAméricaLatina-Latino-americanos, porquenão? 1992 DNJ:Juventude e Ecologia - Ouça o ECO (logia) daVida. 1993 DNJ:Juventude e AIDS - Um grito por solidariedade. 1994 DNJ:Juventude e Cultura – Nossa cara,Nossa Cultura. 1995 DNJ:Juventude e Cidadania – Construindo aVida. 1996 DNJ:Juventude e Cidadania – Quero ver o novo no poder.
    • 43 ////////////////////////////////////////// 1997 DNJ:Juventude e Direitos Humanos - A vida floresce quando a liberdade acontece. 1998 DNJ:Juventude e Direitos Humanos - Nas asas da esperança gestamos a mudança. 1999 DNJ:Juventude e Dívidas Sociais -Vida em Plenitude,Trabalho pra Juventude. 2000 DNJ:Juventude e Dívidas Sociais - Jubileu daTerra,um Sopro de Vida. 2001 DNJ:Políticas Públicas para a Juventude - Paz,Dom de Deus! Direito da Juventude. 2002 DNJ:Políticas Públicas para a Juventude - A vida se tece de sonhos. 2003 DNJ:Políticas Públicas para a Juventude - Lancemos as redes em águas mais profundas. 2004 DNJ:Políticas Públicas para a Juventude - A gente quer fazer valer nosso suor...A gente quer do bom e do melhor.
    • 44////////////////////////////////////////// 2005 DNJ:Políticas Públicas para a Juventude - Juventude vamos lutar! Chegou a hora do nosso sonho realizar. 2006 DNJ:Políticas Públicas para a Juventude - Juventude que ousa sonhar constrói um Brasil popular. 2007 DNJ:Juventude e Meio Ambiente - É Missão de todos nós. Deus chama:eu quero ouvir a tua voz. 2008 DNJ:Juventude e os Meios de Comunicação - Queremos pautar as razões de nosso viver. 2009 DNJ:Contra o extermínio da juventude,na luta pela vida - Juventude em marcha contra a violência. 2010 Tema:DNJ 25 anos:celebrando a memória e transformando a história - Juventude:muita reza,muita luta,muita festa,em marcha contra a violência. 2011 DNJ:Juventude e Protagonismo Feminino - Jovens mulheres tecendo relações de vida. 2012 DNJ:Juventude eVida - Que vida vale a pena ser vivida?
    • 45 ////////////////////////////////////////// Assessores da cepj da cnbb Pe.AntônioRamosdoPrado,sdb–e-mail:juventude2@cnbb.org.br Pe. Carlos Sávio da C. Ribeiro – e-mail: juventude@cnbb.org.br Fone CNBB: (61) 21038384 – (central) Coordenação da pastoral juvenil nacional da cnbb Essa coordenação é o espaço de união, de partilha, de respeito e de caminhada conjunta das expressões da juventude do Brasil. Participam dessa coordenação jovens das PJs, dos Movimentos, das Novas Comunidades e das Congregações. Eles organizam-se como Igreja a partir das suas realidades e seus carismas. A coordenação tem como missão organizar a ação evangelizadora a partir das orien- tações da Igreja. Jovem evangelizando jovem. Ela reafirma a opção preferencial pelos jovens em busca da sonhada Civilização do Amor. Membros da Coordenação Adriano Gonçalves (Canção Nova) Representante das Novas Comunidades que trabalham com a juventude no Brasil adriano@geracaophn.com
    • 46////////////////////////////////////////// Alex Sandro Bastos Ferreira (JUFRA) JuventudeFranciscana RepresentantedasCongregaçõesquetrabalhamcomajuventude noBrasil alexjufra@ig.com.br Antônio Laécio Vieira Secretário da Pastoral da Juventude Rural (PJR) oilaeciovieira@gmail.com Daniely Barros Barbosa Secretária da Pastoral da Juventude do Meio Popular (PJMP) danyeletrica@hotmail.com Diogo Victor Rocha (Shalom) Representante das Novas Comunidades que trabalham com a juventude no Brasil diogorochashalom.jmj@comshalom.org Everson Donizete de Araujo Lima (MEJ) Movimento Eucarístico Jovem Representante dos Movimentos que trabalham com a juven- tude no Brasil eversonlima@globo.com ; everson.lima@aomej.org.br
    • 47 ////////////////////////////////////////// Felix Fernando Siriani (AJS) Articulação da Juventude Salesiana RepresentantedasCongregaçõesquetrabalhamcomajuventude noBrasil felixsiriani@gmail.com Fernando dos Santos Gomes (RCC) Ministério Jovem da Renovação Carismática Representante dos Movimentos que trabalham com a juventude no Brasil nandosantosgomes@hotmail.com Francisco Antonio Crisóstomo de Oliveira Secretário da Pastoral da Juventude (PJ) secretarianacional@pj.org.br ; thiesco@gmail.com Sarah Almeida de Oliveira Secretária da Pastoral da Juventude Estudantil (PJE) secretaria@pjebr.org ; sarahpje@gmail.com