Your SlideShare is downloading. ×
Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões
Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões
Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões
Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões
Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões
Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões
Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões
Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões
Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões
Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões
Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões
Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões
Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões
Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões
Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões
Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões

864

Published on

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
864
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
13
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Viisiitta de Esttudo:: Fundação Eça Queiirrós,, Mostteiirro de Ancede,, PalláciioV s a de Es udo Fundação Eça Que ós Mos e o de Ancede Pa ác o da Bollsa,, Museu Soarres dos Reiis e Porrtto de Leiixões da Bo sa Museu Soa es dos Re s e Po o de Le xões “Mal o trem parou ambos saltámos alegremente… E o Grilo e as bagagens?… Grande arrelia, caramba! – murmurava o Pimenta impressionado. – E agora? - Agora – exclamei – é trepar para a quinta, à pata… ” Eça de Queiroz, A Cidade e as Serras. Projetos: “A leitura e as Ciências"/"Ler e escrever? Com o computador!" Ano: 10º - Turmas C, D e F 11º - Turmas E e G Professores: Mª Manuela Silva Orlanda Moreira Alzira Figueiredo Cândida Pombo Regina Babo Mª dos Anjos Poeira José Emídio Sérgio Martins
  • 2. Visita de Estudo a Tormes, Porto e Porto de Leixões ITINERÁRIO DA VISITA 10 e 11 de maio de 2012Itinerário:10 de maioSeia – Castro Daire – Tormes – Ancede – Porto.11 de maioPorto – Porto de Leixões – Seia.Saída da Escola às 06:00 horas (10 de maio)Chegada à Escola às 20:00 horas (11 de maio) AVALIAÇÃO DA VISITA:  Ficha de autoavaliação  Especificamente para as diferentes disciplinas, o professor indicará o tipo de trabalho final 2
  • 3. Visita de Estudo a Tormes, Porto e Porto de Leixões MAPA DO ITINERÁRIO 1º dia – 10 de maio 2º dia – 11 de maio 3
  • 4. Visita de Estudo a Tormes, Porto e Porto de LeixõesObjectivos da Visita de Estudo  Proporcionar aos alunos um contacto direto com o espaço físico percorrido pela personagem Jacinto de “A cidade e as serras” de Eça de Queirós.  Motivar os alunos para a leitura.  Contribuir para o enriquecimento cultural dos alunos.  Avaliar a importância dos lugares visitados, no contexto dos conteúdos em estudo.  Desenvolver e/ou aprofundar a consciência cívica dos alu- nos.  Alertar os alunos para a importância da participação cívica responsável.  Proporcionar o contacto direto com os estilos arquitetónicos e escultóricos dos locais visitados.  Proporcionar contextos de aprendizagem diversificados.  Fomentar a observação e a análise crítica.  Promover a troca de saberes e experiências.  Desenvolver o espírito de criatividade na formulação de questões relacionadas com os conteúdos abordados nas aulas.  Extrair conclusões pertinentes que reforcem e aprofundem a aprendizagem dos conteúdos abordados.  Reforçar a relação Professor/Aluno/Aluno.  Fomentar o espírito de cooperação.  Promover um horizonte escolar amplo. 4
  • 5. Visita de Estudo a Tormes, Porto e Porto de LeixõesLOCAIS A OBSERVAR OU VISITAR Peso da Régua/Alto Douro VinhateiroPeso da Régua, vulgarmente designada por “Régua”, éconhecido por ser a capital da região demarcada que produz ovinho do Porto. Localiza-se em Trás-os- Montes, no distrito de Vila Real, junto ao Rio Douro.O Douro, no nordeste de Portugal, ficarodeado pelas serras do Marão e deMontemuro.A cultura da vinha faz-se em socalcos,nas encostas dos vales do Douro e seusafluentes. Os solos são essencialmente de xisto, difíceis de trabalhar, mas bené- ficos para a longevi- dade das vinhas. Esta cultura começa a desenvolver-se quando, em 1756, o Marquês de Pombalcriou a Real Companhia Geral da Agricultura das Vinhas doAlto Douro e instituiu a 1ª região demarcada da produção viti-vinícola a nível mundial. Na Régua constroem-se os armazénsda Companhia e realizam-se as primeiras “feiras dos vinhos”. 5
  • 6. Visita de Estudo a Tormes, Porto e Porto de LeixõesDaqui partiam os típicos barcos rabelos, aventurando-se peloDouro, transportando osbarris de vinho até VilaNova de Gaia, onde eraenvelhecido nas caves.As paisagens naturais sãolindíssimas e especiaistendo, por isso, sido classi-ficadas, pela UNESCO, em2001, como Património daHumanidade. Caminho de JacintoDe acordo com o relato do romance “A Cidade e as Serras”, oCaminho de Jacinto tem início na Estação de Tormes (Arê-gos), prolongando-se serra acimapor caminhos de natureza até aovelho solar. A estação é um doselementos fundamentais do itine-rário, pois é neste cenário que aexpetativa urbana se confundecom a rusticidade do lugar, ondea curiosidade sobranceira deJacinto se verga perante a gra-ciosidade acolhedora da pequenainfraestrutura instalada entre aserra omnipresente e a calmariadas águas do rio.Todo o genuíno deslumbramento que Eça exprime no episódioda subida até Tormes, e que em Jacinto assume o relevo deser um autentico choque civilizacional, permitiu ao escritorescrever algumas daquelas que por muitos são consideradas 6
  • 7. Visita de Estudo a Tormes, Porto e Porto de Leixõesas suas melhores páginas. É claro que hoje o lugar de Cedo-feita pouco terá de parecido com os «dez ou doze casebres,sumidos entre figueiras, onde se esgaçava, fugindo do lar pelatelha vã, o fumo branco e cheiroso das pinhas» - que o escri-tor descreve antes de avistar pela primeira vez a casa. Noentanto, esta é a melhor aproximação visual a esse momento,sem dúvida marcante, tanto para Jacinto como para Eça… 7
  • 8. Visita de Estudo a Tormes, Porto e Porto de Leixões Quinta de TormesA Quinta de Vila Nova, em Stª Cruz do Douro, pertenceu aEmília de Castro, mulher de Eça de Queirós, depois de areceber em herança de sua mãe, a Condessa de Resende.Lugar imortalizado no romance «A Cidade e as Serras», comoa Quinta de Tormes, aonde Jacinto "regressa", depois desempre ter vivido no nº 202 dos Campos Elísios, em Paris, afim de assistir à trasladação dos ossos dos antepassados paraa Capela de Família. Uma vez chegado à estação de cami-nho-de-ferro que servia o local, o dono da Quinta teve de subira serra numa égua, seguido pelo amigo José Fernandes, mon-tado num jumento, por um caminho "íngreme e alpestre"; mas,em breve, os seus males "esqueceram ante a incomparávelbeleza daquela serra bendita", onde "para os vales, podero-samente cavados, desciam bandos de arvoredos, tão copadose redondos, de um verde tão moço"; "Jacinto, adiante, na suaégua ruça, murmurava: - Que beleza!" e José Fernandes, " 8
  • 9. Visita de Estudo a Tormes, Porto e Porto de Leixõesatrás, no burro de Sancho, murmurava: - que beleza!". De talforma que o "Príncipe da Civilização" irá trocar definitivamentea Cidade Cosmopolita pelo "Castelo da Grã-Ventura", que éafinal a Serra do Douro, depois de uma primeira impressãonegativa, quando encontrou um casarão "inabitável", o que fazcom que logo manifeste vontade de partir para Lisboa no pri-meiro comboio. É esta mesma impressão que Eça faz chegara sua mulher, numa carta endereçada da Quinta de Vila Nova,aquando de uma segunda visita, em 1898, após lá ter ido coma cunhada Benedita, seis anos antes, e ter afirmado o quãomaravilhoso era o caminho percorrido a cavalo: achava agoraa serra " um pouco banal e mesquinha", mas tratava-se, tam-bém aqui, de "impressão pouco duradoura", tendo bastadodois ou três passeios para o fazer experimentar "lanciencharme". Mosteiro de Santo André de AncedeAs origens do Mosteiro de Santo André de Ancede remontamao século XII, e a mais antiga referência conhecida, de 1120,é respeitante à sua ligaçãoaos Cónegos Regrantes deSanto Agostinho. Durantevários séculos este mosteirodeteve um considerávelpatrimónio fundiário ligado àprodução vinícola, que lhepermitiu beneficiar de gran-de poder económico. Toda-via, em meados do séculoXVI, pouco restava já dessa época áurea e o mosteiro entrounum período de decadência, com as dependências degrada-das e um número muito reduzido de religiosos. Em 1560, pas-sou a depender de São Domingos de Lisboa e, a partir de 9
  • 10. Visita de Estudo a Tormes, Porto e Porto de Leixõesentão, foram executadas várias campanhas de obras com oobjetivo de recuperar o conjunto arquitetónico.Centro Interpretativo da Vinha e do VinhoLocalizado nas antigas adegas do Mosteiro de Santo André deAncede, o Centro Interpretativo do Vinho e da Vinha foi inau-gurado em 2007 com o objetivo de dar a conhecer aos visitan-tes o ciclo da vinha edo vinho, os seusinstrumento e práticasassociadas.Desde os inícios doséculo XII, altura emque o Mosteiro deSanto André deAncede foi fundado,que a sua história seencontra intimamenterelacionada com a produção e comercialização de vinho. Des-de a época medieval que o vinho produzido no seu couto eracanalizado para a cidade do Porto, integrando os circuitoscomerciais do rio Douro. Com os lucros das exportações do vinho, o Mosteiro foi-se ampliando e dignifican- do através da aquisição de obras de arte e das sucessivas reformula- ções arquitetónicas, a ponto de, no século XVIII, se ter construído o grandioso edifício dosceleiros e da adega que, juntamente com o lagar, formam hojeo espaço do Centro Interpretativo da Vinha e do Vinho. 10
  • 11. Visita de Estudo a Tormes, Porto e Porto de Leixões Palácio da BolsaA Associação Comercial do Porto iniciou, em 1842, a constru-ção do Palácio da Bolsa, sua sede e propriedade. Ao longo detrês gerações, muitos mestres e artífices trabalharam para aedificação desta joia arqui-tetónica do séc. XIX, emestilo neoclássico.Grandes nomes da arqui-tetura, da pintura, daescultura e das artes deco-rativas contribuíram paraeste espólio e patrimónioúnicos. Está classificadocomo Monumento Nacio-nal, sendo um dos principais ex-libris e polos de atracão daCidade e da Região.O Palácio é um espaço vivo e ativo, aberto à comunidade,onde se dá continuidade aos objetivos e razões que presidi-ram à sua edificação: ser um ponto de encontro, uma sala devisitas, local onde se trocam impressões, onde se promovemnegócios, onde se realizam eventos, onde se forma opinião ousimplesmente se convive. Centro Cultural e de Confe- rências, o Palácio da Bolsa é um espaço com condições únicas para a realização de concertos, palestras, apre- sentações, assembleias gerais, receções, congres- sos, incentivos, conferên- cias, mostras comerciais, leilões, exposições da maisvariada índole, passagens de modelos e outros eventos demédio porte, espaço a ser utilizado por iniciativas que tenhama excelência por atributo. 11
  • 12. Visita de Estudo a Tormes, Porto e Porto de LeixõesO Palácio da Bolsa foi um dos fundadores dos Historic Confe-rence Centres of Europe, rede que reúne, a nível europeu,Palácios, Monumentos ou Edifícios Históricos, que funcionamcomo Centros de Conferências. Museu Nacional Soares dos ReisO Museu Nacional de Soares dos Reis é o primeiro museupúblico de arte do país, tendo sido fundado em 1833 sob aégide do liberalismo. Desti-nou-se a recolher os bensconfiscados aos conventosabandonados do Porto eaos extintos de fora do Por-to (mosteiros de S. Martinhode Tibães e de Santa Cruzde Coimbra).Em 1839, o acervo doMuseu transitou para adireção da Academia Portuense de Belas-Artes, o que levou aum fortalecimento da relação entre o museu e o ensino artísti-co no século XIX.A instalação no Palácio dos Carrancas, em 1940, faz parte dopercurso recente do Museu. A inauguração da exposição A Obra de Soares dos Reis cele- celebrou o início de uma etapa importante na história do museu que situava a cultura do Porto num lugarde relevo.Dos anos 60 até à atualidade têm vindo a registar-se esforçosno sentido do incremento das relações com o público. 12
  • 13. Visita de Estudo a Tormes, Porto e Porto de LeixõesA vertente educativa desenvolveu-se sob a direção de Manuelde Figueiredo, em que o Museu viu emergir o Serviço deExtensão Escolar, alargando-se, gradualmente, a todos osgraus de ensino.A última década do século XX,na sequência da criação do Ins-tituto Português de Museus,assinala o projeto de remodela-ção do Museu Nacional de Soa-res dos Reis da autoria doarquiteto portuense FernandoTávora. Visou melhorar a expo-sição permanente e o alarga-mento dos espaços de reserva, a criação de áreas de exposi-ções temporárias, auditório, zonas de lazer e serviços. A pre-servação e o estudo das coleções, a divulgação cultural e aatividade do serviço de educação, com apoio de uma salamultimédia, configuram um enquadramento novo em matériada salvaguarda do património e ação educativa do Museu. Porto de LeixõesO Porto de Leixões fica situado no Norte de Portugal, aNoroeste da Península Ibérica, nas proximidades da cidade doPorto, sendo enquadrado pelas povoações de Leça da Pal- meira, a Norte, e Matosinhos, a Sul. Situa-se numa zona de grande densidade populacio- nal e industrial na confluên- cia de importantes rotas internacionais tendo, por isso, forte acessibilidade, quer rodoviária, quer ferro- viária, marítima e aérea. 13
  • 14. Visita de Estudo a Tormes, Porto e Porto de LeixõesO Porto de Leixões é a maior infraestrutura portuária doNorte de Portugal e uma das mais importantes do País.Dispõe de modernos equipamentos e avançados siste-mas informáticos de gestão de navios.Representando25% do ComércioExterno Portu-guês por viamarítima e movi-mentando 15milhões de tone-ladas de merca-dorias por ano,Leixões é um dosportos mais competitivos e polivalentes a nível nacional,já que passam por Leixões cerca de 3 mil navios por ano,e todo o tipo de cargas, das quais se destacam: Têxteis,Granitos; Vinhos; Madeira; Automóveis; Cereais; Conten-tores; Sucata; Ferro e Aço; Álcool; Aguardente; Açuca-res; Óleos; Melaços; Produtos Petrolíferos e ainda Pas-sageiros de Navios de Cruzeiro. Beneficiando de uma localização estratégica, de um hinterland rico em Indústria e Comér- cio, o Porto de Lei- xões tem uma posição privilegia- da no contexto do sistema portuárioeuropeu. Opera 365 dias por ano, com altos níveis de 14
  • 15. Visita de Estudo a Tormes, Porto e Porto de Leixõesprodutividade e com reduzido tempo de permanência dosnavios no cais, usufruindo de uma barra permanente-mente aberta ao tráfego portuário, sem restrições deacesso por efeito das marés. 15
  • 16. Visita de Estudo a Tormes, Porto e Porto de LeixõesAPONTAMENTOS DA VIAGEM:_____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ 16

×