• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
O Centro - n.º 8 – 19.07.2006
 

O Centro - n.º 8 – 19.07.2006

on

  • 3,841 views

Versão integral da edição n.º 8 do quinzenário “O Centro”, que se publica em Coimbra. Director: Jorge Castilho. 19.07.2006. ...

Versão integral da edição n.º 8 do quinzenário “O Centro”, que se publica em Coimbra. Director: Jorge Castilho. 19.07.2006.

Não se esqueça de que pode ver o documento em ecrã inteiro, bastando para tal clicar na opção “full” que se encontra no canto inferior direito do ecrã onde visualiza os slides.
Também pode descarregar o documento original. Deve clicar em “Download file”. É necessário que se registe primeiro no slideshare. O registo é gratuito.

Para além de poderem ser úteis para o público em geral, estes documentos destinam-se a apoio dos alunos que frequentam as unidades curriculares de “Arte e Técnicas de Titular”, “Laboratório de Imprensa I” e “Laboratório de Imprensa II”, leccionadas por Dinis Manuel Alves no Instituto Superior Miguel Torga (www.ismt.pt).

Para saber mais sobre a arte e as técnicas de titular na imprensa, assim como sobre a “Intertextualidade”, visite http://www.mediatico.com.pt/manchete/index.htm (necessita de ter instalado o Java Runtime Environment), e www.youtube.com/discover747

Visite outros sítios de Dinis Manuel Alves em www.mediatico.com.pt , www.slideshare.net/dmpa,
www.youtube.com/mediapolisxxi, www.youtube.com/fotographarte, www.youtube.com/tiremmedestefilme, www.youtube.com/discover747 ,
http://www.youtube.com/camarafixa, , http://videos.sapo.pt/lapisazul/playview/2 e em www.mogulus.com/otalcanal
Ainda: http://www.mediatico.com.pt/diasdecoimbra/ , http://www.mediatico.com.pt/redor/ ,
http://www.mediatico.com.pt/fe/ , http://www.mediatico.com.pt/fitas/ , http://www.mediatico.com.pt/redor2/, http://www.mediatico.com.pt/foto/yr2.htm ,
http://www.mediatico.com.pt/manchete/index.htm ,
http://www.mediatico.com.pt/foto/index.htm , http://www.mediatico.com.pt/luanda/ ,
http://www.biblioteca2.fcpages.com/nimas/intro.html

Statistics

Views

Total Views
3,841
Views on SlideShare
3,837
Embed Views
4

Actions

Likes
0
Downloads
3
Comments
0

1 Embed 4

http://www.slideshare.net 4

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    O Centro - n.º 8 – 19.07.2006 O Centro - n.º 8 – 19.07.2006 Presentation Transcript

    • DIRECTOR J O R G E C A S T I L H O OPINIÃO Francisco Amaral João Caetano José d’Encarnação Mário Nunes PÁG. 12, 21 e 24 | Taxa Paga | Devesas – 4400 V. N. Gaia | Autorizado a circular em invólucro de plástico fechado ANO I N.º 8 (II série) De 19 de Julho a 1 de Agosto de 2006 € 1 euro (iva incluído) COMUNIDADE JUVENIL DE S. FRANCISCO DE ASSIS Muitas dezenas de crianças à espera de nova família PÁG. 6 e 7 MÁRIO NOGUEIRA CONTRA O PROJECTO DE REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE “A luta dos professores vai ser muito dura” PÁG. 4 e 5 EXEMPLAR INTEGRAÇÃO DE CIGANOS Solidariedade floresce no Bairro da Rosa PÁG. 8 ESPINHAL DESPORTO ASSINE O “CENTRO” E GANHE OBRA DE ARTE Assinantes Vila Académica do “Centro” assinalou e Naval com 10% cem anos preparam-se de desconto na compra de História para a Liga de livros PÁG. 11 PÁG. 14 e 15 PÁG. 2 e 3
    • 2 DE 19 DE JULHO A 1 DE AGOSTO DE 2006 EDITORIAL Procura-se família que adopte quatro irmãos mento quase sempre é inversamente pro- humanos que conseguem preocupar- -se de imenso conseguir enriquecer, em termos porcional aos anos que levam de vida atri- mais com os outros do que consigo pró- humanos, de um dia para o outro. bulada. prios. Deixou de ser “Madre” para se tornar Trata-se de quatro irmãos. Idades? O Destas instituições, umas funcionam Mãe de muitas dezenas de meninos e meni- mais velho tem 12, o mais novo 5, os do melhor do que outras. nas que, ao longo dos anos, no meio do in- meio 9 e 10 anos. Reincidente injustiça seria Nos últimos tempos, algumas têm sido fortúnio, têm a sorte de nela encontrar uma a separação, depois de terem crescido jun- Jorge Castilho objecto de desenvolvidas referências públi- inesgotável fonte de carinho, à frente de tos a partilhar sofrimento. jorge.castilho@zmail.pt cas, pelas piores razões. uma instituição original em muitos aspec- Movido pelo contagiante optimismo de Mas há as que raramente merecem a tos, que assim tenta suprir a falta das famí- Teresa Granado, atrevo-me a desejar que, A Vida é, muitas vezes, de uma extrema atenção dos meios de comunicação social, lias, destroçadas de múltiplas maneiras. entre os que fazem o favor de ler estas li- ironia, que não raro tem laivos de enorme apesar de nelas se desenvolver trabalho Entre mais de uma centena de crianças e nhas, esteja alguém que não queira desper- injustiça e de profunda crueldade! digno de elogios. jovens que a Comunidade alberga actual- diçar a possibilidade de um gesto que pode Aí está um exemplo: Entre elas, escolhemos hoje a Comu- mente (70 em Coimbra e 40 em Poiares), ser gratificante como nenhum outro. Enquanto há casais que durante anos vão nidade Juvenil de S. Francisco de Assis, que muitos estão à espera de que surja quem Se for o seu caso, pegue no telefone, tentando, infrutiferamente e muitas vezes há anos concretiza em Coimbra uma extraor- queira integrá-los numa família estruturada, ligue para o 239 826 351 e peça para falar com grandes sacrifícios, concretizar o anseio dinária obra, discreta mas exemplar – à se- seja através da adopção, seja por via do com a Madre Teresa. de ser pais, há muitas crianças que – pelas ra- melhança da sua fundadora e mentora, “apadrinhamento” – caminho bem mais Mas mesmo se achar que não tem condi- zões mais diversas, mas sempre muito infeli- Teresa Granado. simples e sem peias burocráticas, que pode ções para aumentar a família, de forma zes… – não conseguem ter uma família, um Como se refere na entrevista que publi- trazer imensa felicidade a quem acolhe e a assim tão substancial, súbita e inesperada, lar onde cresçam com o carinho e o apoio de camos nas páginas 6 e 7, Madre Teresa saiu quem é acolhido. ligue também! Marque uma visita à Co- uns pais, biológicos ou adoptivos. da Ordem religiosa onde professara, “para De tantas crianças e jovens que ali se en- munidade, conheça Teresa Granado, torne- Injusto seria não reconhecer que há insti- assim melhor poder servir a Deus”. contram, à espera que a Vida lhes conceda -se padrinho ou madrinha de um ou mais tuições que tentam combater esta paradoxal E se “servir a Deus” significar amar o agora o que antes lhes roubou, atrevo-me a daqueles seres humanos tão carentes. realidade, recebendo seres humanos que próximo, então Teresa Granado atingiu es- destacar um caso, na esperança de que al- Verá que a sua vida passa a ter um novo nunca sentiram o bafo da sorte e cujo sofri- se objectivo, só ao alcance de escassos seres guém queira aproveitar a oportunidade rara e reconfortante estímulo! “Estou arrependido!” Perante a enxurrada futebolística, come- titulou o desabafo do dito “incendiário”: arrependido, isso sim, de ter ido trabalhar no É exercício irresolúvel, especialmente se çou por passar quase despercebida a tragé- “Estou arrependido!”. Acrescentavam as fim-de-semana, exactamente na limpeza de ao enunciado se acrescentar que o detive- dia com que a vaga dos fogos florestais notícias que o jovem fora ouvido em tribu- mato para prevenir incêndios. Em vez de ir ram e levaram a Tribunal, enquanto ao País marcou a sua chegada a Portugal. nal e de lá saíra com uma medida de coac- divertir-se, optou pelo trabalho para amea- (e até ao Mundo, através das agências noti- Seis bombeiros mortos pelo fogo – ção: TIR (que em termos rodoviários é lhar uns euros. Na limpeza da mata, supervi- ciosas) era apresentado como incendiário, cinco profissionais chilenos e um jovem vo- grande camião, mas em sede judicial não sionada, mesmo a seu lado, pelo engenheiro insinuando-se que cometera um crime que luntário português que terá tentado ir so- passa da mais pequena das medidas cautela- agrónomo proprietário do terreno, o jovem custara a vida de seis pessoas. corrê-los. res, o Termo de Identidade e Residência). utilizava uma moto-serra. A dado momento Pena que alguns jornalistas pouco es- Depois, no refluxo da onda do pontapé A verdade é que quem lesse o desabafo em a máquina tocou numa pedra oculta pela ve- crupulosos, que para venderem jornais na bola, houve então tempo e espaço para letras tão grandes como negras, ficava com a getação, provocando chispas que terão esta- fazem o mesmo à consciência, não tenham dedicar à trágica ocorrência (chavão jorna- ideia de que o jovem “incendiário” confessava do na origem do incêndio. um assomo de justa lucidez e escrevam lístico quase obrigatório desde há décadas) arrependimento por ter usado “mão crimino- Tento imaginar o estado de espírito deste (mesmo que não fosse na mesma página e para ela se tentarem descobrir as causas. sa” (outro ingrediente quase obrigatório no jovem trabalhador (no sentido próprio do nem com o mesmo destaque): “Estou ar- De repente, começaram a circular as no- noticiário dos fogos estivais) para atear incên- termo, e não naqueloutro com que, não raro, rependido!”... tícias pelas rádios e televisões. Fora “identi- dio com tão horrível desfecho… dele abusam…) quando soube as terríveis Ficavam os leitores melhor esclarecidos, ficado e preso o incendiário”. E o diário O texto da notícia, contudo, esclarecia, e consequências das chamas que, de forma to- e esta nobre profissão de informar menos que se arroga “líder de audiências” no País afinal era coisa bem diversa: o jovem estava talmente involuntária, terá provocado. pervertida. Assinantes do “Centro” com 10% de desconto Director: Jorge Castilho (Carteira Profissional n.º 99) na compra de livros Propriedade: Audimprensa No sentido de proporcionar mais alguns to que proporcionamos aos assinantes do ligar para o 239 854 150 para fazer a sua Nif: 501 863 109 benefícios aos assinantes deste jornal, o “Centro” assume especial significado (isto assinatura, ou solicitá-la através do e-mail “Centro” acaba de estabelecer um acordo é, só com o que poupa por um filho fica centro.jornal@gmail.com. Sócios: Jorge Castilho e Irene Castilho com a livraria on line “livrosnet” (ver ro- pago o valor anual da assinatura). São apenas 20 euros por uma assinatura dapé na última página desta edição). Mas este desconto não se cinge aos anual – uma importância que certamente Inscrito na DGCS sob o n.º 120 930 Para além do desconto, o assinante do manuais escolares. Antes abrange todos os recuperará logo na primeira encomenda de Composição e montagem: Audimprensa - “Centro” pode ainda fazer a encomenda livros e produtos congéneres que estão à livros. Rua da Sofia, 95, 3.º dos livros de forma muito cómoda, sem disposição na livraria on line “livrosnet”. E, para além disso, como ao lado se in- 3000-390 Coimbra - Telefone: 239 854 150 sair de casa, e nada terá a pagar de custos de Aproveite esta oportunidade, se já é assi- dica, receberá ainda, de forma automática e Fax: 239 854 154 envio dos livros encomendados. nante do “Centro”. completamente gratuita, uma valiosa obra e-mail: centro.jornal@gmail.com Numa altura em que se aproxima o iní- Caso ainda não seja, preencha o boletim de arte de Zé Penicheiro – trabalho original Impressão: CIC - CORAZE cio de um novo ano lectivo, e em que as que publicamos na página seguinte e envie-o simbolizando os seis distritos da Região Oliveira de Azeméis famílias gastam, em média, 200 euros em para a morada que se indica. Centro, especialmente concebido para este Tiragem: 10.000 exemplares material escolar por cada filho, este descon- Se não quiser ter esse trabalho, bastará jornal pelo consagrado artista.
    • DE 19 DE JULHO A 1 DE AGOSTO DE 2006 3 CIMEIRA DA CPLP “Saúde em português” entre as organizações admitidas como observadoras A Cimeira da CPLP, que decorreu anteon- dade Lusófona de Humanidades e Tecnologia, agora era liderada pelo cabo-verdiano Manuel Em comunicado alusivo ao décimo aniver- tem (segunda-feira) em Bissau, aprovou a ade- Fundação pata o Desenvolvimento da Comu- Brito Semedo. sário da criação da CPLP, o Fórum Luso- são de 18 organizações, que terão, a partir de nidade, Associação das Universidades de Amélia Mingas, 60 anos, foi já directora do Asiático lembra que devido às anunciadas van- agora, o estatuto de quot;observador consultivoquot;, Língua Portuguesa e Comunidade Sindical dos Instituto Nacional de Línguas do Ministério da tagens da ligação preferencial aos países da co- enquanto dois Estados, Guiné Equatorial e Países de Língua Portuguesa. Cultura angolano e lecciona presentemente a munidade, o Governo português quot;abandonou ilhas Maurícias, ficam como quot;observadores as- Os estatutos de Observador Consultivo e de cadeira de Linguística Bantu no Instituto Supe- a vertente do relacionamento com a República sociadosquot;. A decisão foi ratificada na VI Observador Associado foram aprovados na X rior de Ciências de Educação da Universidade Popular da China, logo que resolvida diploma- Cimeira de Chefes de Estado e de Governo reunião do Conselho de Ministros da CPLP, que Agostinho Neto, em Luanda, onde já foi chefe ticamente a questão de Macau, o que se reflec- da Comunidade de Países de Língua decorreu em Luanda a 19 e 20 de Julho de 2005. do Sector de Língua Portuguesa. te numa balança comercial crescentemente ne- Portuguesa (CPLP), depois do Conselho de Na cimeira foram também ratificados pelos Amélia Mingas terá à sua disposição um or- gativa e desvantajosa para Portugalquot;. Ministros da comunidade ter já aprovado a chefes de Estado e de Governo lusófonos os çamento de 148.500 euros, dotação que é uma Nesse sentido, a nota, assinada pelo presi- proposta na reunião de domingo. nomes dos Embaixadores de Boa Vontade da contribuição obrigatória de todos os Estados dente do fórum, Arnaldo Gonçalves, refere tex- Segundo a resolução, obtiveram o estatuto CPLP, num total de sete, três antigos chefes de membros - Portugal e Brasil com 44.550 euros, tualmente que quot;Portugal distraiu-sequot;, já que quot;ou- de quot;observador consultivoquot; o Conselho Em- Estado: Jorge Sampaio (Portugal), José Sarney Angola com 22.275 euros, Cabo Verde com tros dentro da CPLP aproveitaram esta oportu- presarial da CPLP, Fórum da Juventude da (Brasil) e Joaquim Chissano (Moçambique). 11.880 euros e Guiné-Bissau, São Tomé e nidade para reforçarem o seu relacionamento CPLP, Fundação Calouste Gulbenkian, Um primeiro-ministro e um ministro, Fernan- Príncipe e Timor-Leste com 4.455 euros cada. com a China, tomando partido do manancial de Fundação Luso-Americana para o Desenvolvi- do Van-Dunen (Angola) e Albertino Bragança oportunidades que a 3.ª maior economia do mento (FLAD) e Associação dos Comités (São Tomé e Príncipe) constam também dessa Fórum Luso-Asiático mundo coloca no seu pujante crescimentoquot;. Olímpicos de Língua Portuguesa. lista, que inclui ainda o músico Martinho da quer clarificação de Portugal O Fórum Luso-Asiático adianta ainda que Entraram também a Fundação para a Vila (Brasil) e Gustavo Vaz da Conceição, pre- a CPLP foi quot;durante parte significativa da sua sobre comunidade Divulgação das Tecnologias de Informação, sidente da Federação Angolana de Basquetebol história um local de encontro, formal e regi- Fundação Bial, Assistência Médica Internacio- e membro do Comité Olímpico de Angola. O Fórum Luso-Asiático pediu a Portugal mentalquot; dos países que a integram, quot;mas rara- nal (AMI), Saúde em Português, Círculo de Aprovada também foi a nomeação de para clarificar o que espera da Comunidade mente foi o local onde se concertam estraté- Reflexão Lusófona, Fundação Luso-Brasileira Amélia Mingas, linguista angolana, como nova dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e dos gias de cooperação efectivas e vantajosas para e Academia Brasileira de Artes. presidente do Instituto Internacional de seus parceiros, tendo em conta os objectivos todas as partes, onde a vivacidade dos projec- As restantes cinco organizações são a Asso- Língua Portuguesa (IILP), entidade com sede anunciados na defesa do Programa do tos suplantasse as declarações de amizade de ciação das Misericórdias de Portugal, Universi- na Cidade da Praia (Cabo Verde) e que, até Governo. circunstânciaquot;. APENAS 20 EUROS POR UMA ASSINATURA ANUAL! Assine o jornal “Centro” Jornal “CENTRO” Rua da Sofia. 95 - 3.º 3000–390 COIMBRA e ganhe valiosa obra de arte Poderá também dirigir-nos o seu pedi- do de assinatura através de: telefone 239 854 156 fax 239 854 154 ou para o seguinte endereço Nesta campanha de lançamento do jor- nio arquitectónico, de deslumbrantes pai- terá sempre bem informado sobre o que de e-mail: nal “Centro” temos uma aliciante propos- sagens (desde as praias magníficas até às de mais importante vai acontecendo nesta centro.jornal@gmail.com ta para os nossos leitores. serras verdejantes) e, ainda, de gente hos- Região, no País e no Mundo. De facto, basta subscreverem uma assi- pitaleira e trabalhadora. Tudo isto, voltamos a sublinhá-lo, por Para além da obra de arte que desde já lhe natura anual, por apenas 20 euros, para au- Não perca, pois, a oportunidade de rece- APENAS 20 EUROS! oferecemos, estamos a preparar muitas ou- tomaticamente ganharem uma valiosa obra ber já, GRATUITAMENTE, esta magní- Não perca esta campanha promocional, tras regalias para os nossos assinantes, pelo de arte. fica obra de arte, que está reproduzida na e ASSINE JÁ o “Centro”. que os 20 euros da assinatura serão um ex- Trata-se de um belíssimo trabalho da primeira página, mas que tem dimensões Para tanto, basta cortar e preencher o celente investimento. autoria de Zé Penicheiro, expressamente bem maiores do que aquelas que ali apre- cupão que abaixo publicamos, e enviá-lo, O seu apoio é imprescindível para que o concebido para o jornal “Centro”, com o senta (mais exactamente 50 cm x 34 cm). acompanhado do valor de 20 euros (de “Centro” cresça e se desenvolva, dando cunho bem característico deste artista plás- Para além desta oferta, passará a receber preferência em cheque passado em nome voz a esta Região. tico – um dos mais prestigiados pintores directamente em sua casa (ou no local que de AUDIMPRENSA), para a seguinte portugueses, com reconhecimento mesmo nos indicar), o jornal “Centro”, que o man- morada: CONTAMOS CONSIGO! a nível internacional, estando representado em colecções espalhadas por vários pontos do Mundo. Neste trabalho, Zé Penicheiro, com o Desejo receber uma assinatura do jornal CENTRO (26 edições). seu traço peculiar e a inconfundível utiliza- ção de uma invulgar paleta de cores, criou Para tal envio: cheque vale de correio no valor de 20 euros. uma obra que alia grande qualidade artísti- ca a um profundo simbolismo. De facto, o artista, para representar a Nome: Região Centro, concebeu uma flor, com- posta pelos seis distritos que integram esta Morada: zona do País: Aveiro, Castelo Branco, Coimbra, Guarda, Leiria e Viseu. Localidade: Cód. Postal: Telefone: Cada um destes distritos é representado por um elemento (remetendo para respec- Profissão: e-mail: tivo património histórico, arquitectónico ou natural). A flor, assim composta desta forma tão Desejo receber recibo na volta do correio N.º de contribuinte: original, está a desabrochar, simbolizando o crescente desenvolvimento desta Região Assinatura: Centro de Portugal, tão rica de potenciali- dades, de História, de Cultura, de patrimó-
    • 4 ENTREVISTA DE 19 DE JULHO A 1 DE AGOSTO DE 2006 MÁRIO NOGUEIRA ERGUE A VOZ DOS PROFESSORES CONTRA O PROJECTO DE REVISÃO DO “A luta vai ser muito O Ministério da Educação pretende avançar com a revisão do Estatuo da Carreira Docente, firmemente defendida pela actual Ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues. Os professores “torcem o nariz” às propostas apresentadas e têm marcado posição através das diversas organizações sindicais representativas da classe. Uma das principais vozes que mais se tem feito ouvir é a de Mário Nogueira, Coordenador do Sindicato dos Professores da Região Centro. Em conversa com o nosso jornal voltou a manifestar-se contra o rumo que o Governo pretende dar à carreira dos professores António José Ferreira O Ministério da Educação pretende rever o Estatuto da Carreira Docente… O projecto de Estatuto da Carreira Docente que o Ministério da Educação apresenta não é, ao contrário do que tem sido dito pela Senhora Ministra, um docu- mento que vise promover a qualidade do ensino ou reconhecer o mérito dos profes- sores. Não tem nada a ver com isso. Trata- se, isso sim, de um documento que tem um único objectivo, que é o de tornar barato o sistema, com um número menor de profes- sores e com professores mais mal pagos e mais instáveis do ponto de vista dos seus vínculos laborais. seja, embora todos os professores de uma de serviço lhe seja cortado. Por exemplo, nada. Como lhe paga pouco, pode ficar o determinada escola possam ter um desem- chegando a extremos, se uma professora resto da vida nessas circunstâncias. Se qui- Quais os principais pontos que con- penho suficientemente positivo para que tiver um filho não é avaliada nesse ano, por- ser entrar no quadro tem que fazer um testam nas propostas apresentadas? lhe seja atribuída classificação elevada, o que está de licença de maternidade, e no prova nacional de competência, como se O documento que nos é apresentado Ministério diz que não pode ser assim e que ano seguinte a avaliação conta para os dois não existisse um curso anterior; tem que se prevê que mais de 80% dos professores, ao apenas alguns vão poder ser classificados anos. Sabendo nós que, muitas vezes, no sujeitar a uma entrevista, não se sabe ainda fim de doze anos de serviço (e hoje são pre- dessa forma. Em suma, administrativamen- primeiro ano de vida dos filhos, as profes- muito bem feita por quem embora se parta cisos 40 para se chegar à aposentação) atin- do princípio que haja um conjunto de ava- ja um patamar que é cerca de metade do ac- liadores; a seguir entra no quadro e faz um tual topo da carreira docente, onde ficarão “…é muito importante irmos à discussão pública com outras período probatório de um ano, no fim es- quase toda a sua vida, ou seja cerca de 28 entidades, nomeadamente com o Ministério da Educação, tabiliza se obtiver a classificação de “regu- anos sem qualquer perspectiva de desenvol- vimento de carreira. Prevê um sistema de porque não temos dúvida nenhuma que quando todos lar”, que corresponde a obter entre 5 e 6,9, numa escala de 1 a 10. Caso contrário é avaliação anual que, com a complexidade derem a cara e confrontarem posições, olhos nos olhos, imediatamente exonerado e não pode con- com que o Ministério o apresenta, irá colo- será fácil desmontar estas propostas do Ministério” tinuar na profissão. Portanto a precarieda- car as nossas escolas de “pantanas”. de é uma tónica marcante neste projecto Imagine-se o que significa, todos os anos, de estatuto, a dificuldade para entrar na entre Maio e Julho, ainda por cima num te condiciona-se o acesso às classificações soras acabam por ter que faltar um pouco profissão é evidente e os mecanismos ad- momento em que os professores têm for- mais elevadas. Por fim, tem outros aspectos mais do que é normal, sujeitando-se assim a ministrativos para avaliar negativamente çosamente que estar mais concentrados no que nada têm a ver com o desempenho, obter avaliação negativa em dois anos con- os professores estão em tudo o que é sítio, período final do ano a nas avaliações, ter- todos rejeitáveis, uma vez que de uma secutivos, arriscando-se neste caso à expul- com especial incidência nos impedimentos mos cerca de 150 mil professores a serem forma meramente administrativa se preten- são da profissão. É este o projecto de revi- para se chegar aos escalões mais elevados avaliados, com exigências que necessaria- de fazer com que os professores percam são que o Ministério nos apresenta… da carreira, isto para além daquilo que já mente farão com que se perca muita da tempo de serviço. Como exemplo, aquilo estava negativo, nomeadamente as ques- atenção e exigência fundamentais para o que o Ministério nos propõe é que um pro- Como se enquadram os novos profes- tões da aposentação e que apenas reafir- trabalho que desenvolvem com os seus alu- fessor por todos reconhecido como exce- sores na proposta do Governo? mam o que já hoje existe que é a obrigação nos. Embora a Senhora Ministra diga que lente profissional e que tenha um desempe- É um projecto medonho igualmente de os professores trabalharem até aos 65 os professores não são bons, que não são nho muito bom mas que por qualquer cir- para quem quer entrar na profissão. Um anos, com 40 anos de vida contributiva e atenciosos para os alunos, que não são cunstância da sua vida, um acidente ou jovem tira o seu curso, que lhe dá a profis- com pensões calculadas através de uma competentes até, o próprio Governo sabe outra, fique mais do que cinco dias em casa, sionalização, faz o seu estágio, exigente, e fórmula que fará com que sejam extrema- que não é assim e então criou um sistema com faltas justificadas, tem imediatamente a seguir vem para a profissão. Se quiser ser mente baixas. Tudo isto está a indignar de avaliação do desempenho por cotas. Ou uma avaliação que vai implicar que o tempo só contratado, o Ministério não lhe exige muito a classe.
    • DE 19 DE JULHO A 1 DE AGOSTO DE 2006 ENTREVISTA 5 ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE APRESENTADO PELO GOVERNO dura” De que forma os professores vão Admito que sim. Quando há greve nos Mas o Ministério da Educação tem uma via profissão. E portanto neste momento, para mostrar a discordância em relação ao transportes prejudicam-se os utentes, quan- muito simples de evitar que haja greves, que nós, é muito importante irmos à discussão projecto de revisão proposto? do há greve na saúde prejudicam-se os do- é flexibilizar as suas posições e avançar com pública com outras entidades, nomeada- Foi criado na opinião pública um clima entes, quando há greve na Educação é na- outra revisão do Estatuto da Carreira mente com o Ministério da Educação, por- favorável a que estas propostas fossem tural que se prejudiquem os alunos. Mas a Docente. Porque nós não somos contra a que não temos dúvida nenhuma que quan- apresentadas. Também propositadamente, responsabilidade de uma greve nunca é revisão. Somos contra esta revisão. Nós do todos derem a cara e confrontarem po- o Ministério da Educação apenas fez a en- apenas de uma parte. Ou seja, se o poder próprios apresentámos propostas, quer sições, olhos nos olhos, será fácil desmon- trega destes documentos no dia 29 de Maio tar as propostas do Ministério. (quando o deveria ter feito em Fevereiro), numa altura em que os professores já “…a responsabilidade de uma greve nunca é apenas de uma Espera que haja abertura do Minis- andam no encerramento do ano lectivo, parte. Ou seja, se o poder for dialogante, avançar por tério para esse debate que o Sindicato nos exames, etc, antes de irem de férias. É este o calendário do Ministério, apresenta- processos negociais sérios e efectivos e se não quiser impor propõe? Acho difícil. Gostava que houvesse essa do em férias, com a tentativa de anular três apenas as suas propostas, é evidente que não há greves” abertura, mas acho muito difícil. Só quem meses de negociação e procurar precipitá-la não conhece as pessoas que hoje ocupam as depois em cerca de mês e meio, até final de cadeiras do Ministério da Educação é que Outubro. Claro que vamos contestar esta for dialogante, avançar por processos nego- para a avaliação, quer para a carreira, quer poderia ter alguma expectativa que algum forma de trabalhar e já fizemos plenários, ciais sérios e efectivos e se não quiser impor para a vinculação, quer para a contratação, dia pudesse haver algum debate. A Senhora reuniões, já tivemos uma greve e uma mani- apenas as suas propostas, é evidente que quer para a aposentação, portanto sobre Ministra e o Secretário de Estado Valter festação enorme de professores no dia 14 não há greves. Os professores quando todas as matérias. Lemos são dois políticos que convivem de Junho. Posso dizer que a FENPROF fazem greves fazem-no com um grau de muito mal com a democracia e que enten- aprovou já no Conselho Nacional um plano consciência de tal maneira elevado, que só Têm previstas acções que tendam dem que aquilo que eles acham que deve ser de acção e de lutas que passa por iniciativas raramente as fazem. Porque uma greve não para a informação e sensibilização da feito é para ser feito. Sabem que existem várias, desde o luto na primeira semana de é algo que os professores façam de ânimo opinião pública? leis e regras democráticas de debate e nego- aulas; a afixação de faixas nas zonas das pa- leve ou por “dá cá aquela palha“. Porque Temos tido um conjunto de iniciativas ciação e então simulam processos que rais, para que os professores, ainda que de uma greve significa prescindir do salário e junto da população, das associações de pais, podem dar ideia de que essas regras, pelo férias, vão lembrando o que os espera quan- para quem não os tem muito elevados, dos alunos, de modo a fazermos o contra- menos do ponto de vista meramente demo- do regressarem; uma marcha nacional de como é o caso dos professores, é natural ponto em relação à propaganda feita pelo crático, estão a ser respeitadas. Mas de facto professores e educadores marcada para o que não seja fácil fazê-lo. Portanto quando Governo. No final do mês passado enviá- assim não acontece. De Educação não têm dia 5 de Outubro (Dia Mundial dos se chega a uma greve é porque é a forma úl- mos uma carta a todas as escolas e a todos grande conhecimento, nem capacidade para Professores), que é feriado em Portugal e tima de demonstrar o descontentamento os meios de Comunicação Social, disponi- resolver os problemas, mas sabem o que no qual vamos dizer à Senhora Ministra que ou de exigir a alteração do rumo que o bilizando o Sindicato para participarmos estão lá a fazer. Têm como objectivos des- os professores até nos feriados lutam con- outro lado pretende traçar. Veja que este em debates, em reflexões, em discussões, valorizar os profissionais da Educação e de- tra as políticas que estão a ser levadas a ano desenvolvemos um conjunto muito fosse com quem fosse. Pensamos que esta é gradar as respostas educativas da escola pú- cabo; e certamente teremos um conjunto grande de iniciativas, desde abaixo-assina- a melhor forma de se poder mostrar o quão blica e, principalmente, tornar barato o sis- grande de greves e de outras acções fortes, dos, concentrações, vigílias, etc, e greves fi- injusto tem sido o discurso do Ministério e tema. Admito que há questões do ponto de que neste momento estão a unir todas as zeram-se duas, isto apesar do ataque siste- quão negativas são as propostas apresenta- vista da gestão de recursos que podem ser organizações sindicais. A luta vai ser extre- mático com que temos vindo a ser confron- das. E não são só os professores que se vão melhoradas, mas o embaratecimento do sis- mamente dura. tados. Greves que fizemos acompanhar de defrontar com elas, uma vez que vão segu- tema que está a ser feito não é a esse nível duas grandes manifestações em Lisboa, de ramente ter reflexos no próprio ensino pelo mas sim da liquidação de respostas, impor- Quando os professores fazem greve é modo a que não se pensasse que os profes- facto de termos professores com muito tantíssimas, que as escolas dão às popula- comum ouvir-se dizer que estão a preju- sores estavam a fazer greve com o objecti- maior precariedade e instabilidade e com ções e muito especialmente às crianças e dicar os alunos… vo de não trabalharem aqueles dois dias. piores condições para o exercício da sua aos jovens. MÁRIO NOGUEIRA LANÇA DESAFIO AOS ALUNOS “Sejam exigentes” No termo da entrevista lançámos a Mário Pais: “Os pais são parceiros importantís- res queixam-se de que os pais vão pouco às uma posição conhecida da FENPROF que a Nogueira o desafio de dirigir breves palavras simos e imprescindíveis no sistema educati- escolas. É importante que participem mais, Senhora Ministra devia demitir-se e deixar a aos diversos intervenientes no processo da vo. Em muitos casos os alunos são ainda porque são parceiros insubstituíveis”. Educação para aqueles que sabem o que é a Educação. muito jovens e os pais têm um papel funda- Professores: “Que se mantenham muito Educação e que têm alguma coisa de positi- Alunos: “Os alunos são a razão de ser da mental a desempenhar nas escolas. E devem unidos e que continuem a ser um exemplo vo a dizer e a fazer em relação à Educação. nossa profissão. É costume dizer-se que se fazê-lo, naqueles que são os níveis de inter- de profissionalismo, através do seu empe- A Senhora Ministra não tem nada”. não houver professores não há escola, mas venção em que devem estar envolvidos, no- nhamento e da sua dedicação à escola. Não Primeiro-Ministro: “O Senhor Primeiro- se não houver alunos também não. As medi- meadamente nas decisões sobre questões de vou dizer que todos os professores são exce- Ministro é o responsável político do Governo das negativas que foram aprovadas em rela- funcionamento das escolas, da forma como a lentes profissionais, mas a esmagadora mai- e muitas das medidas que hoje são tomadas ção aos professores têm reflexo essencial- própria escola se organiza, das respostas so- oria são-no com toda a certeza. E portanto na Educação decorrem de decisões políticas mente nos alunos. E os professores, se exis- ciais que as escolas devem ter. Outra coisa é o que apelo é para que todos continuem a superiores, tomadas a nível do Governo e do tem, é exactamente porque têm alunos e aquilo que o Ministério da Educação quer mostrar que, neste país, no que diz respeito à seu Conselho de Ministros. O Senhor para conseguir que estes possam, na escola, fazer dos pais, que é fiscais dos professores. Educação, são os professores que têm razão Primeiro-Ministro deveria estar mais atento e adquirir conhecimentos mas também com- Penso que os próprios pais já perceberam e não a Ministra da Educação”. ser conhecedor daqueles que são os grandes petências para a sua vida. E portanto o que que não é esse o seu papel e que não é isso Ministra da Educação: “Que vá para o problemas da Educação e, principalmente, ter tenho a dizer aos alunos é que devem ser exi- que querem. O apelo que faço aos pais é para sítio de onde veio. Provavelmente lá era boa a capacidade democrática de ouvir aqueles gentes em relação à qualidade do ensino, que venham à escola. É comum dizer-se que profissional, admito que sim, e portanto se que mais se envolvem no processo educativo. fundamental para o seu futuro enquanto ci- os professores não querem os pais nas esco- estava a fazer bem onde estava não venha Que não são apenas os professores. Mas são dadãos”. la. Isto é mentira! Pelo contrário, os professo- destruir mais para o mundo da Educação. É também, sem dúvida, os professores”.
    • 6 REPORTAGEM DE 19 DE JULHO A 1 DE AGOSTO DE 2006 COMUNIDADE JUVENIL DE S. FRANCISCO DE ASSIS É “A FAMÍLIA” PARA MAIS E é tão fácil dar ajuda A Comunidade Juvenil de S. Francisco de Assis é uma das mais notáveis obras do País no que toca ao apoio a crianças e jovens desfavorecidos. Apesar disso, é talvez mais conhecida no estrangeiro do que em Portugal, e luta com grandes dificuldades para conseguir proporcionar uma vida digna a mais de uma centena de crianças e jovens que ali foram parar pelas razões mais diversas, mas que lá encontraram um lar, uma família, uma Mãe. Chama-se Teresa Granado, durante muitos anos pertenceu a uma ordem religiosa, e por isso há quem continue a chamar-lhe Madre Teresa. A sua vida é um exemplo de amor ao próximo, de coragem para enfrentar as adversidades com optimismo, sempre com um sorriso de esperança. O jornal “Centro” foi ouvi-la e aqui deixa, para além de um testemunho comovente, um pedido de auxílio que bem merece ter resposta adequada. Márcia Arzileiro Teresa Granado: o sorriso da esperança Centro (C) – Quantas crianças e jo- ele veio para cá muito doente. Não movia as C – Como estão eles agora? TG – De início sim. Aparecem uma, vens estão alojados na Comunidade de mãos, tinha-as hirtas. Andou em médicos, TG – São crianças muito debilitadas emo- duas, três vezes. Mas com o passar do S. Francisco de Assis? fez exames, andou em hospitais, mas nunca cionalmente. Mas com uma enorme capaci- tempo não voltam a aparecer. Teresa Granado (TG) – Aqui em lhe diagnosticaram nada. Ninguém sabia o dade de perdoar. Ainda ontem o pequenito Coimbra temos 70; na Comunidade de Vila que ele tinha. De um dia para o outro ficou me disse: “Pensas que a minha mãe não me Nova de Poiares temos 40. Estamos no li- bom! É um rapaz muito inteligente. vem buscar? Ela vem!”. Eu respondi-lhe: MUITAS CRIANÇAS mite, infelizmente não temos condições O mais novo tem 5 anos. Apareceu aqui “Tenho a certeza que a tua mãe está a pensar PARA ADOPTAR para receber mais ninguém. de madrugada, acompanhado da polícia e em ti neste momento”. Apesar do que sofreu, OU APADRINHAR C – E qual é a variação de idades? dos 3 irmãos. Vinham todos negros nas ainda consegue amar e perdoar a mãe. C – E essas crianças, uma vez que os TG – O mais velho tem 22 anos, mora pernas. Eram agredidos pelo padrasto, em C – Os pais das crianças costumam pais acabam por as abandonar definiti- aqui desde pequenino. É engraçado, porque frente da mãe. vir visitá-las? vamente, podem ser adoptadas? Uma vida dedicada aos outros Maria Teresa Granado nasceu na Covilhã, a numa casa, com um marido e dois ou três fi- seis anos), concretizou um sonho antigo. Sem- da Comunidade de S. Francisco de Assis, 29 de Março de 1929. lhos. pre teve paixão pela cultura chinesa. Abriu a es- onde está até hoje. Filha de pai médico e de mãe que toca piano Chegou a confessar à mãe que se não casas- cola de enfermagem e humanizou a prisão de Uma vida dedicada a ajudar os outros, a ser- e harpa, vivia sem dificuldades, em casa nada se queria ter “doze filhos, vezes doze, vezes Macau. vir a Deus com uma dedicação tão forte que se lhe faltava. doze...” A prisão em Macau era um sítio muito duro, viu obrigada a largar a vida na Instituição Mas os seus pais sempre a educaram no Por isso, aos 21 anos, já com o curso de e a Madre Teresa sentiu necessidade de dar aos Religiosa. sentido da solidariedade, da entreajuda, da par- Assistente Social, entregou-se à vida religiosa, reclusos um aspecto de ser humano com dig- Porque andar na rua a pedir para os pobres, tilha. passou a servir a Deus a aos outros. nidade. Assim, ensinou-os a fazer a barba, a vaguear até altas horas pela rua com os pobres, No terceiro ano do liceu abandonou a terra Fez trabalho missionário em França du- tomar banho regularmente, a cortar as unhas – não era visto com bons olhos pela Igreja. natal para prosseguir os estudos em Lisboa. rante dois anos, onde entrou para a congre- enfim, a sentirem-se melhor consigo próprios Mas Teresa Granado nunca perdeu de vista Concluiu o antigo 7.º ano (actual 12º). Mais gação das Franciscanas missionárias de e com os outros. os seus objectivos. Oficialmente deixou de ser tarde tirou o curso de Assistente Social em Maria. Em 1962 regressa a Portugal como Madre, mas continuou a ser Mãe de muitas de- Coimbra. De seguida rumou para Itália, onde perma- Directora do Instituto de Serviço Social, onde zenas de filhos – uma prole que aumenta cada Foi uma adolescente normal, namorou, so- neceu dois anos, trabalhando nos bairros po- esteve doze anos. ano que passa. nhou casar, ter filhos. bres de Roma. Mais tarde ajuda os filhos dos emigran- Enfim, saiu da Igreja para melhor poder Mas não se conseguia imaginar fechada Mais tarde, em Macau (onde permaneceu tes a estudar. E é aí que surge o projecto servir a Deus e amar o próximo.
    • DE 19 DE JULHO A 1 DE AGOSTO DE 2006 REPORTAGEM 7 DE CEM CRIANÇAS E JOVENS a esta obra exemplar! TG – Todas as crianças chegam aqui jovens praticam natação nas Piscinas jovens da comunidade. O pão é outro ali- C – Neste período de Verão, onde através de ordem do tribunal. E só vão para Municipais; conseguimos isso através da mento essencial. Há uns tempos atrás passam as crianças as férias? a adopção se também houver ordem do tri- Câmara Municipal de Coimbra. Mas, para enchi-me de coragem e fui pedir ajuda às TG – Em anos anteriores já aconteceu bunal. É um processo difícil. Podem ter fa- além do desporto há outras actividades, grandes pastelarias de Coimbra, como a algumas empresas oferecerem viagens. Um mília que os queira adoptar, o tribunal pode como a música. Há um grupo de alunas que Vénus e a Vasco da Gama. Agora fazem en- grupo de jovens foi à Suiça, numa experiên- achar que os pais biológicos possam vir a aprende a tocar instrumentos de sopro no trega directa de pão, todos os dias, e com o cia muito enriquecedora - conheceram uma reunir condições para os voltar a educar. Bairro da Rosa; outro grupo aprende a pão acabam por vir os bolos do dia anteri- outra cultura, diferentes costumes, outras Existem vários factores para a adopção. tocar cavaquinho em Santa Clara. Fora as or. É uma grande ajuda. línguas. Todos os anos um grupo de espa- C – Existem aqui crianças para adop- actividades escolares que são muitas. O es- nhois vem apara a comunidade em Agosto ção neste momento? tudo ocupa-os muito tempo. e leva um grupo de jovens de férias, para TG – Sim. Temos quatro crianças para C - Os jovens aqui na comunidade colónias. E também há famílias que levam É MUITO FÁCIL FAZER adopção. São irmãos. Mas para eles não vai têm aproveitamento escolar? algumas das nossas crianças quando vão de CHEGAR AS AJUDAS ser fácil. Já são crescidos. Têm doze, dez, TG – Sim. Cerca de 94% deles tem bom C – Quem quiser ajudar, como pode férias. nove e cinco anos. É muito difícil surgirem aproveitamento. Todos estudam, seja em fazer chegar apoios à Fundação? C – A concluir, quer deixar algum famílias que queiram adoptar estas crianças. escolas gerais ou profissionais. TG – Qualquer pessoa pode vir entregar apelo especial em prol da Comunidade As pessoas procuram crianças pequeninas, o que quiser aqui à Comunidade. Para além de S. Francisco de Assis? de preferência bebés. disso, podem tornar-se sócios e pagar a TG – O meu apelo vai para o Estado. Os C – Existe alguma medida para que quota anual. Quem quiser ajudar financeira- jovens que estão nesta instituição são uns HÁ MUITAS FORMAS as crianças mais velhas consigam vir a mente, nós fornecemos o número da nossa heróis. São corajosos, enfrentaram as agru- DE APOIAR ESTA FAMÍLIA ter uma família? conta para que façam os depósitos. Basta ras da vida e venceram. Estudam, muitos TÃO NUMEROSA TG – Penso que está para ser aprovada C – De que apoios dispõe para man- que nos telefonem para o número 239 826 chegam a concluir licenciaturas, mas depois uma lei que permitirá que qualquer família ter a Comunidade? 351. Ou seja, existem muitas formas de aju- não encontram trabalho. Contudo, estes jo- possa dar um lar a uma criança. No entan- TG – O Estado dá 350 euros mensais dar e nós, em nome das crianças, todas vens que vieram do nada, sem ninguém, to não são adoptadas, são acolhidas por por cada criança. Desse dinheiro pagamos agradecemos. com carências afectivas, emocionais e soci- essa família a tempo inteiro. a todo o nosso pessoal, incluindo os psicó- C - Existem voluntários a trabalhar ais, não se entregaram à fraqueza, não dei- C – Em que consiste essa lei? logos. Temos duas psicólogas; uma a na Instituição? xaram de lutar. Por isso, estes jovens devi- TG – Esta é uma forma de combater as tempo inteiro e outra apenas uma vez por TG – Sim. E de várias nacionalidades. am ter tanto ou mais apoio que os toxico- carências afectivas e emocionais dos jovens. semana. Temos cerca de 20 pessoas a tra- Neste momento temos 3 portugueses que dependentes. Não se pense que estou con- O Estado está a pensar dar cerca de 400- balhar aqui na Fundação. E estamos a pre- se ocupam com actividades lúdicas com os tra a ajuda dada aos toxicodependentes. 450 euros às famílias que acolherem crian- cisar de mais; pelo menos uns dois ou três jovens. Uma italiana, que está a fazer um Mas entendo que estes jovens também po- ças em casa. É claro que se for aprovada a animadores sócio-culturais. Mas não temos livro com histórias escritas pelas crianças. diam ter escolhido esse caminho, pois a lei, vamos precisar de tomar muita atenção dinheiro para os contratar. Aliás, depois de Temos ainda um grupo de espanholas e em vida deles não foi fácil. Mas eles não se en- a esta medida. As famílias têm de ser muito pagarmos ao pessoal pouco dinheiro sobre Setembro vêm duas alemãs. Mas todas as tregaram. Lutaram e venceram! Mereciam bem estudadas, porque a oferta de dinheiro para tudo o resto, que é muita coisa: água, pessoas que quiserem ajudar serão aqui ter mais apoios na integração no mundo do pode trazer interesses apenas materiais, e o luz, gás. Tudo o que se faz numa casa nor- acolhidas com alegria. trabalho e na vida social. que interessa aqui é o interesse afectivo pela mal. Só que nesta casa vivem mais de 70 criança. pessoas! C – Mas para além do que vem do Estado, a Comunidade não recebe BONS RESULTADOS ESCOLARES ONDE SABER OUVIR É UMA REGRA outro tipo de auxílios? TG – Sim. Temos cerca de 150 sócios que pagam uma quota anual de 5 euros, Levar liberdade C – Como se integram os Jovens aqui na Comunidade? Têm muitas dificulda- des de integração? TG – A escola é o maior factor de inte- podem dar mais se quiserem e puderem. Geralmente quem ajuda são os da classe média e da pobre. Ajudam no que podem: em roupa, brinquedos, livros, comida, etc. às prisões gração. Convivem com outras crianças, é o C – As ajudas recebidas não são, por- Desde criança que a Madre Teresa O que a chamou para passar para além momento em que são iguais, ou que estão tanto, suficientes… (como muitos continuam a tratá-la) tem das grades foi um português que estava numa situação de igualdade. Mas é sempre TG – Dá para viver... Mas era muito im- um fascínio pelas prisões. preso, desanimado, sem coragem e com complicada a fase da adaptação. Mesmo portante sensibilizar as pessoas para que Sendo uma pessoa que preza a liberda- vontade de morrer. A Madre começou a vi- sendo mal tratados e violentados, não é ajudassem mais, para serem solidárias. Eu de, fazia-lhe impressão ver os homens sitá-lo, tentou encontrar maneiras de ele se fácil fazer rupturas, mesmo que seja para apelo principalmente às pessoas mais abas- presos. ocupar e ganhar de novo entusiasmo pela melhor. Não é fácil abandonar os amigos, tadas para que ajudem estas crianças. Quando tinha sete anos de idade, pas- vida. Descobriu que ele tinha muito jeito os colegas de escola, os vizinhos. De repen- Podem fazer o lugar de padrinhos, de ami- sava pela cadeia a caminho da escola, co- para escultura. Conseguiu autorização para te estão sem ninguém, tudo é novo e desco- gos; podem estabelecer uma relação que se meço a parar junto às grades e a cantar levar madeira e um canivete para dentro da nhecido para eles. não limite ao apoio financeiro. É funda- para os presos. cela. E o português começou a fazer Cristos C – Existe alguma forma especial mental que as crianças sintam que alguém, Este gesto tornou-se tão repetitivo perfeitos em madeira. Esperou 12 anos por para lidar com essa situação? fora da Instituição, pensa nelas, se preocu- que passaram a permitir que a pequenita um julgamento, em que viria a ser absolvido. TG – Nós também os integramos aqui pa com elas. Eu apelo a quem pode para visitasse os presos. Ainda na cadeia de Macau, a Madre na Comunidade. Saber ouvir é fundamen- apadrinhar uma criança. Pode, por exem- Eles contavam-lhe histórias e ela ten- conseguiu tirar os presos da cela para as- tal. É mais importante do que saber falar. plo, dar uma bolsa mensal para a ajuda nos tava animá-los. sistirem a filmes numa grande sala. E, Nós precisamos de os ouvir. Para além dos estudos. Mas também telefonar para saber Até que, certo dia, um colega do pai a como noutro local se refere, conseguiu laços afectivos que eles precisam, o despor- como correm as coisas; estabelecer um viu e foi contar aos pais que a filha anda- que neles despertasse a auto-estima, no- to é algo integrante. Temos aqui várias acti- contacto de proximidade que é fundamen- va de volta dos presos. meadamente através dos hábitos de higi- vidades lúdicas e desportivas. Temos um tal para os jovens. Os pais não lhe ralharam. Explicaram ene pessoal. Pequenos pormenores, mas grupo de dança; um brasileiro que ensina C – Quais são as maiores carências? que nem todas as pessoas eram tão boas que ali fizeram toda a diferença. capoeira de 15 em 15 dias. Temos um con- TG – A comunidade precisa de coisas como ela pensava. O segredo para uma amizade tão rica tador de histórias. Joga-se futebol, basque- básicas. O leite, por exemplo, é um bem es- A partir desse dia deixou de ir à cadeia. era simples: nunca perguntava por que te. sencial, toda a ajuda de leite é muito agrade- Mas, e porque mais cedo ou mais tarde estavam ali, nunca pretendeu julgar os C – A Comunidade tem algum proto- cida. O Continente fornece leite para Vila os sonhos se cruzam com a vida, a Madre seus actos. colo com clubes desportivos? Nova de Poiares, o Jumbo e a Makro tam- voltou à cadeia enquanto esteve em Apenas quis ajudá-los. E até os piores TG - Sim. Temos um grupo de alunos bém ajudam a Fundação. O ano passado o Macau. criminosos se mostraram reconhecidos! que joga futebol na Académica. Todos os Jumbo ofereceu uma piscina às crianças e
    • 8 REPORTAGEM DE 19 DE JULHO A 1 DE AGOSTO DE 2006 Solidariedade floresce EXEMPLAR EXPERIÊNCIA DE ENSINO E INTEGRAÇÃO DE FAMÍLIAS CIGANAS no Bairro da Rosa Márcia Arzileiro grupo de alunos adultos que conseguiram concluir agora o 6.º ano. Recentemente, uma festa multicultural, E este desejo de saber mais está a passar no Bairro da Rosa, em Coimbra, marcou o de pais para filhos, já que estes alunos adul- encerramento do ano lectivo recorrente. tos mostram vontade de que os seus des- Esta festa foi um projecto conjunto dos cendentes prossigam os estudos. “Eu não professores e alunos, maioritariamente de consigo ir mais longe, mas os meus filhos etnia cigana. vão. Os meus filhos vão ser doutores!” - Foram exibidas danças ciganas, levadas a afirma António, um cigano encantado com palco por meninas da etnia; muita música a descoberta do mundo escolar. cigana cantada ao vivo por ciganos adultos Como dissemos atrás, o povo cigano que agora terminaram o 6º ano de escolari- está aberto a novas experiências e a novas dade, no Centro Comunitário de S. José, no culturas. Nesta festa, para além da apresen- Bairro da Rosa. tação de espectáculos tradicionais da etnia, De salientar este exemplo de abertura o fado de Lisboa saiu à rua pela voz de cultural do povo cigano à cultura não ciga- Severa, uma menina de etnia cigana. E mui- na. tas outras adolescentes dançaram ao som De facto, a cultura cigana, de uma forma de Shakira e de outros ritmos quentes. geral, não privilegia a educação escolar. Mas O entusiasmo dos finalistas era bem evi- este é um costume que está a mudar no seio dente, embora alguns lamentassem já, com desta comunidade, pois os ciganos já não alguma tristeza, ter chegado o fim das aulas. querem só aprender a ler e a escrever o mí- A isso não será alheio o facto de a rela- nimo e essencial, querem mais. ção professor-aluno ir mais além do ensinar A prova do querer saber mais está no letras, fazer contas ou ensinar a História de Portugal. Esta relação inclui amizade, felici- Jorge Gouveia Monteiro deixou votos de felicidade para os finalistas dade e gratidão de ambas as partes, como demonstra esta eloquente afirmação de vezes sem razão, porque são pessoas tão dade” – um interessante projecto realizado uma professora dos adultos: “Não fui só eu pacíficas como quaisquer outras. pelos alunos adultos e pelas professoras. que ensinei, vocês também me ensinaram Gouveia Monteiro, Vereador da Câmara Ficou no ar a vontade de continuar com muitas coisas!”. Municipal de Coimbra, esteve presente este projecto, em que crianças e adultos fo- nesta festa. ram alunos interessados e em que professo- UMA CONVIVÊNCIA O vereador tem desenvolvido trabalho res ensinaram empenhadamente e tiveram a NEM SEMPRE FÁCIL rigoroso neste Bairro Social, com diversas humildade de também saber aprender. iniciativas que têm sido muito bem aceites, Um exemplo de que a convivência é pos- principalmente pelos ciganos. sível e de que nunca é tarde para aprender. Deve dizer-se que a convivência entre ci- O projecto de aulas para adultos foi im- No fundo, há esperança de que se aceitem ganos e não ciganos raramente é fácil, nor- plementado por ele e aceite pela comuni- as diferenças e que se respeitem as tradições. malmente com culpas para ambas as partes. dade. Como escreveu o poeta cigano Vittorio A verdade é que os ciganos, por serem Gouveia Monteiro deixou alguns votos Mayer Pasqualle Spatzo: uma minoria com usos e costumes muito de felicidade aos finalistas, e a vontade de próprios, normalmente têm de travar uma fazer mais e melhor: “Nós vamos fazer “Nasce-se cigano. batalha para serem bem aceites no mundo tudo para que consigam continuar os vos- Agrada-nos caminhar sobre as estrelas. dos não ciganos. sos estudos. E para que tenham pleno êxito Contam-se estranhas histórias sobre ciganos. Muitos ciganos revoltam-se por não os no vosso futuro”, afirmou o vereador. Diz-se que lemos nas estrelas e que olharem de frente como a outro qualquer A festa terminou com professores e alu- possuímos o filtro do amor. cidadão. nos a dançar ao ritmo da salsa, merengue, As pessoas não acreditam nas coisas que não E isto aplica-se a quase todos os aspec- tango e milonga. sabem explicar. tos da vida social, seja na escola, seja na rua, Entretanto, foi distribuído por todos os Nós, pelo contrário, não procuramos explicar onde quase sempre são temidos e muitas presentes um exemplar do Jornal “A Liber- as coisas em que acreditamos.”
    • DE 19 DE JULHO A 1 DE AGOSTO DE 2006 REGIÃO CENTRO 9 Pela afirmação PAULO JÚLIO DIVULGOU PROJECTOS DE PROMOÇÃO DO CONCELHO PROGRAMA de Penela Sexta-feira (28/07) • Jantar da Juventude de Penela • Concerto - Squeeze Theeze Pleeze: grupo que está em “tour” de promoção do novo álbum, intitulado “Flatline”, edita- do em 31 de Outubro de 2005. Neste momento o single “HiHello (my name is Joe)” é um dos temas com maior rotação na telenovela “Morangos com Açúcar”, bem como na Antena 3 e Best Rock FM. O vídeo-clip do single roda com alguma fre- quência no MTV Portugal, tendo entrado directamente para a 3ª posição dos vídeos mais pedidos. • Dj Miguel Assumpção (Rock Mix): começou em 1992 como Dj da discoteca Down’s, no Estoril. Em 2004 foi nomea- do para o Melhor Dj Pop/Rock, pela Portugalnight. De entre as dezenas de casas por onde passou sobressaem Locomia (Algarve), Kadoc (Algarve), Coconuts (Cascais), Dock’s (Lisboa), Queens (Lisboa), Rock Line (Lisboa), SnooBar (São Pedro de Muel) e Kremlin (Lisboa). Sábado (29/07) • Actividades Culturais: exposições • Actividades Radicais: escalada, rapel e canyonning • Actividades para crianças: workshop de pintura (pinta a tua t-shirt) e contos infantis • Luca Ricci (Itália): Dj e produtor italiano, é um talento a ser observado. O seu som e estilo fazem dele uma preferência nos clubs de todo o mundo. A sua música leva o público numa via- gem que liga o espírito ao corpo, tendo por guia as batidas fortes. • Lady B (Espanha): é uma das mais respeitadas dj’s espanho- las. Com uma forma muito própria de tocar, que muitos consi- deram quente e envolvente, procura sempre mostrar sonoridades novas e futuristas. Actualmente tem residências nas casas Vip Space e Bliss, em Vigo. Volta a Portugal para mais uma sessão a não perder, desta vez em Penela. Emídio Domingues, Paulo Canha, Paulo Júlio e Hugo Paula presidiram à cerimónia • Jiggy: tem no techno e no house a sua base de trabalho, mis- turando inteligentemente as novas influências dos demais estilos Foi um concelho jovem, toda a região”. De imediato passou a No pequeno filme lá estão, de facto, as musicais que vão surgindo. Habituado a tocar nas multidões, em virado para o futuro, que palavra ao edil de Penela, que retribu- pessoas, nomeadamente a juventude, cenários como castelos e conventos, esta vai ser, com certeza, se apresentou aos jornalistas iu os agradecimentos e elogiou a bem como os principais pontos de mais uma noite trepidante. • Tozé Diogo: é um dos mais carismáticos divulgadores das na Sala VIP do Estádio Direcção da ACIC por “trazer o cer- atracção e actividades das gentes da regi- mais modernas expressões da música de dança no nosso país. O Cidade de Coimbra. tame para o Estádio Cidade de ão e que bem fazem jus ao lema “Um Coimbra” e sobretudo “por transfor- destino… de portas abertas“: os cam- seu nome significa sempre busca pela novidade, não impondo li- Em causa estava a apresentação má-lo numa feira de todo o distrito e pos, a flora, a feira medieval, a vila roma- mites aos seus sets que, além de serem caracterizados pela elegân- do DVD promocional não apenas de Coimbra”. na, o castelo, o queijo, o mel, os vinhos, cia, nunca perdem o sentido do espaço onde são inseridos. do Município de Penela O Presidente da Câmara Municipal etc; depois, a apresentação do Fim-de- • Augustto: desde muito novo se sentiu atraído pela Dance e do Fim-de-semana de Penela centrou-se de seguida nos semana da Juventude, que Penela vai re- Scene, tendo trocado em 2002 as pistas de dança pela cabine, ac- da Juventude dois principais assuntos que motivaram ceber de 28 a 30 do mês corrente, con- tuando desde então como freelancer. Possuidor de um estilo elec- a Conferência de Imprensa. Primeiro a forme programa que apresentamos trónico muito próprio, onde predominam os grooves envolven- apresentação do DVD promocional do nesta mesma página. Organizado em tes e fortes basslines, tem vindo a adquirir um gosto musical mais António José Ferreira Município, iniciativa que assenta no es- parceria pela Câmara Municipal e pela requintado e inovador. forço da autarquia para a promoção e empresa Alliance Productions, este • Hugo Barbosa (Vj): pioneiro no movimento Vj português, Paulo Canha foi o primeiro a usar afirmação de Penela no contexto regio- evento está orçado em cerca de 20.000 realizou diversas apresentações e instalações vídeo e trabalhou da palavra, agradecendo a Penela e ao nal e nacional e que pretende realçar euros e vai ser promovido em todo o com músicos, coreógrafos, actores, realizadores e artistas visuais. presidente Paulo Júlio e frisando que todo o património histórico e natural e, país, esperando-se que atraia a Penela Desde 1999 tem mantido uma presença residente no Club “a CIC é uma mostra económica de principalmente, as pessoas do concelho. cerca de dois milhares de jovens. Luxfragil, em Lisboa, um dos mais destacados Vision Bar do mundo, onde teve o privilégio de trabalhar com alguns dos mai- ores nomes da arte do Djing nacional. • Johnny Def (Mc): já com mais de 12 anos de carreira, este artista foi pioneiro e único nas funções que desempenha, sendo considerado por muitos como uma lenda das nossas pistas de dança. Do seu currículo constam dezenas de Dj’s e artistas de topo a nível mundial, sendo a qualidade do seu trabalho inegável e inquestionável. • Animação Kings e Queens: contando já com alguns anos de experiência, estes animadores levam às festas um espírito de di- versão sem igual e preenchem as noites com momentos inesque- cíveis. Um grupo sem fronteiras que já marcou presença em grandes eventos como a festa de encerramento da Expo 98, o Yorn Sound System, Atlantic Beats, Dance in Douro e Elektro Parade, entre muitos outros. • Animação Mató le Freak • Special Decor Domingo (30/07) • Actividades Culturais: exposições • Actividades Radicais: escalada e rapel • Actividades para crianças: caça ao tesouro no castelo Paulo Júlio brindou os convidados com vinhos da região de Penela
    • 10 REGIÃO CENTRO DE 19 DE JULHO A 1 DE AGOSTO DE 2006 JORGE PEREIRA DESTACA QUALIDADE DE VIDA NA VILA DO ESPINHAL “Não podemos crescer” Jorge Pereira recebeu o “Centro” em termos de transferências ficámos pratica- os jovens da vila não são esqueci- nosso posto médico serve cerca no edifício-sede da Junta mente na mesma. Apenas nos aumentaram 900 dos. O desporto não abunda, mas de 700 utentes, em especial gen- de Freguesia do Espinhal, euros. Dizem que somos a Junta mais rica, por- a Junta procura apoiar outras acti- tes da serra que já têm alguma di- no qual funcionam igualmente que de facto temos um património muito ele- vidades igualmente viradas para a ficuldade em se deslocar, e se for os Correios e o Posto Médico. vado e que nos dá alguma independência. Só juventude, desenvolvendo parce- fechado vão ter que ir para para se ter uma ideia posso dizer que temos um rias com a Associação de Jovens, Penela para o Centro de Saúde; O Presidente da autarquia orçamento de cerca de 200.000 euros, sendo com a Associação de Moradores a requalificação da estrada 347, congratulou-se pelo centenário cerca de 47% gerados pela própria Junta. As Quinta da Cerca e com o Grupo que faz a ligação a Castanheira da vila e chamou a atenção para transferências do Estado e da Câmara repre- de Teatro: “Dentro das nossas limi- de Pêra, é uma obra extrema- alguns dos problemas que o seu sentam pouco mais de metade do total”. tações e possibilidades apoiamos mente importante; finalmente executivo pretende resolver Os problemas e dificuldades são os nor- todas as actividades. Os jovens do gostaríamos de ter mais de uma Junta de Freguesia, elegendo Espinhal só não têm mais da Junta por- melhores Jorge Pereira “as limitações que o PDM está a que também não têm mais iniciativas. trans- António José Ferreira impor à construção. Neste momento não Há alguns sempre prontos a por- temos zonas de expansão. Não podemos cres- novos projectos e ideias, tes Quatro anos como Secretário da Câmara cer, apesar de o Espinhal poder proporcionar mas a maior parte Municipal de Penela e outros tantos da Junta excelente qualidade de vida. Os únicos terre- estão mais no seu de Freguesia do Espinhal, deram a Jorge nos disponíveis para construção são algumas ‘canto’ e não se Pereira o traquejo necessário para o trabalho quintas brasonadas, que as famílias natural- preocupam que hoje desenvolve no comando da autar- mente não vendem para esse fim”. Como ex- muito quia. Trata-se de um desafio que aceitou por- celente exemplo da forma como o Espinhal com que “a ligação à terra é muito forte”, embora poderia atrair novos habitantes, através da reconheça ser “muito complicado” gerir todas construção, Jorge Pereira aponta “a Quinta da as situações que vão surgindo e que procura Cerca. Foi um êxito! Vivem cá pessoas oriun- conciliar com a vida profissional. “A nossa das do Porto, de Chaves, de Coimbra, etc, que área de intervenção é muito grande, com mui- aqui fixaram habitação, mas já não há um tos lugares espalhados pela freguesia“, infor- único lote para ser vendido e não temos outras mou, frisando que o trabalho se torna possível zonas onde possam ser construídas novas ur- a comunidade. pú- porque é desenvolvido com igual empenha- banizações. É um dos graves problemas que Ao nível da cultura, blicos mento por todo o elenco da Junta de temos”. Além de não poder atrair novos habi- por exemplo, temos de- pois a Freguesia e porque existe um bom relaciona- tantes, o Espinhal debate-se com “a desertifi- senvolvido diversas ini- actual mento institucional com a Câmara Municipal cação dos lugares da Serra, que têm tendência ciativas, mas são quase oferta de car- de Penela. a desaparecer. A população é muito idosa e sempre os mesmos que reiras deixa muito Neste momento a Junta de Freguesia do nos últimos anos fomos das freguesias que aparecem”. a desejar”. Problemas que uma Junta não pode Espinhal tem seis funcionários, o que “nos so- mais gente perdeu“. A terminar, Jorge Pereira chamou a atenção resolver por si só, apenas “chamar a atenção. brecarrega um pouco em termos de despesa. E Em contraponto dos idosos, que procura re- para três questões prementes para a população Estamos sempre do lado da população mas há não somos a Junta que mais recebe de FEF. solver através de uma relação muito próxima do Espinhal: “Estou preocupado porque estão a questões que não podemos ser nós a resolver di- Foram-nos atribuídas mais competências mas com os habitantes, Jorge Pereira dá conta de que ser encerradas algumas unidades de saúde. O rectamente“, concluiu Jorge Pereira. Vila centenária e rica em património Cascata da Pedra da Ferida Piscinas naturais da Louçainha A vila do Espinhal tem cerca de 1400 ha- visitar as Piscinas Naturais da Louçainha, o paisagísticos, que manterá os traços originais A festa alta da vila, em honra de Nossa bitantes. Região acolhedora, tem nas poten- S. João do Deserto, a Cascata da Pedra da no que respeita a carreiros, moinhos, etc), a Senhora da Piedade, está marcada para 26 cialidades turísticas um dos principais moti- Ferida (que vai ser alvo de um projecto de Igreja Matriz e vários solares brasonados de Agosto, prolongando-se na semana se- vos de atracção. Entre outros, são locais a requalificação, elaborado por arquitectos (que acolhem exposições, conferências, etc). guinte com a Feira do Mel.
    • DE 19 DE JULHO A 1 DE AGOSTO DE 2006 REGIÃO CENTRO 11 ESPINHAL COMEMOROU CENTENÁRIO DE ELEVAÇÃO A VILA Cem anos de história O grupo de espinhalenses que fez a recriação da entrega do foral AJF “Cem anos de história, de passado, de pessoas, de sentimentos, de emoções. E de futuro”. Esta frase de Paulo Júlio, presidente da Câmara Municipal de Penela, define bem a vila do Espinhal e o vasto programa comemorativo do centenário. Entre outros momentos, merecem destaque a sessão Jaime Gama presidiu à cerimónia Paulo Júlio no uso da palavra Oliveira Gonçalves abriu os discursos solene, presidida por Jaime Gama, Presidente da Assembleia da República, o lançamento do livro comemorativo do centenário, da autoria de Mário Nunes, a recriação da entrega do foral, interpretada pelas gentes da região, o jantar do centenário, que juntou espinhalenses e convidados, a inauguração da iluminação do calvário e a actuação do grupo de fados da Associação Menina e Moça. Fernando Antunes no meio da assistência presente na sessão solene Jorge Pereira discursou sobre o futuro Mário Nunes e Fernando Antunes A Associação Menina e Moça cantou os parabéns à vila do Espinhal
    • 12 REGIÃO CENTRO DE 19 DE JULHO A 1 DE AGOSTO DE 2006 Vila do Espinhal: vila centenária Mário Nunes Imperador Júlio César utilizou, e que passava Ilustres personalidades se fixaram na terra, concede-lhe, em 16 de Julho de 1906, o tí- no Espinhal, bem como a passagem de exér- das famílias Velásquez, Sarmentos, Abreus, tulo de Vila. Comemoram-se 100 anos da elevação do citos, de monarcas e de outras personalidades Bacelares, Colaços, Arnauts, Quintanilhas, O progresso acentuou-se através do patri- Espinhal a Vila. Um acontecimento importan- pela Vila desde a ocupação romana do País, Sousas, Meneses e Barretos. mónio, do comércio, das artes e das letras. te para os espinhalenses, para uma Vila com podemos sonhar da existência da localidade O património monumental instala-se com a Vieram a electricidade, os Correios, os tran- 800 anos de História. há mais séculos. Igreja Matriz, a maior do concelho, as capelas, sportes, os médicos, os jardins-de-infância, o A data regista um momento de bairrismo Depois da investigação ao documento de as ermidas e as fontes. Filhos das ilustres famí- saneamento, a água ao domicílio, a filarmóni- porque permite conciliar à sua volta todos 1219, outros se seguiram nos séculos seguin- lias vão ocupar altos cargos religiosos, políticos, ca engrandeceu-se, as festas e romarias, as es- aqueles que nutrem pela Vila do Espinhal um tes, testemunho de que o aglomerado se ex- sociais, médicos, universitários, da justiça, quer tradas, os edifícios culturais, a Casa de sentimento de orgulho, um factor de vaidade pandiu e aumentou a população. O factor re- no País, quer no estrangeiro e colónias. Beneficência, os bairros e a conservação do e uma afirmação de identidade cultural. ligioso, o comércio, a nobreza e a vertente A população aumentou para 422 fogos e centro histórico e de outras áreas do progres- Permite olhar o passado e reconhecer que em militar afirmaram o Espinhal como uma das mais de mil habitantes em 1798. so, sem esquecer o património natural tão 100 anos muito se alterou na Vila e na fregue- melhores localidades do concelho e da regi- D. Maria I vincou a importância cultural e bem descrito por Eugénio de Castro: “sempre sia. Por isso, auscultar a história, memorizar as ão. social, ao criar a escola de ler, escrever e con- que vejo a paisagem do Espinhal, sinto que vidas dos nossos antepassados, reconhecer o O Conde de Andeiro, D. João I, de Castela, tar e nomeou um professor de gramática lati- está aqui o coração de Portugal”. A Vila do empenho e dedicação de centenas e tributar D. Nuno Álvares Pereira, D. João I, as Ordens na. Este benefício possibilitou o ensino a mui- Espinhal dimensionou-se a lugar de destaque gratidão àqueles que nos permitem, hoje, viver Religiosas e outros acontecimentos de notória tas crianças, e delas saiu uma das primeiras no panorama concelhio, regional e nacional. e comemorar a data, corresponde fazer uma valia, levaram ao adágio, do século XV: três al- mulheres portuguesas a frequentar a Universi- As comemorações da elevação a Vila, gran- profunda reflexão e continuar a efeméride, ca- deias tem Portugal, Fundão, Condeixa e dade de Coimbra, D. Palmira Filipe. diosas, iniciaram-se em 23 de Junho e prolon- minhando, sonhando com uma Vila maior, Espinhal. Também a riqueza mineral fez criar As invasões francesas fizeram os seus garam-se até 16 do corrente, com um progra- mais próspera, deveras solidária, intensamente a manufactura de fundição, em 1527, por D. estragos com alguns generais a fixarem ali ma rico e diversificado, estruturado na cultura, cultural e repleta da qualidade de vida que o Manuel I, para alimentar as actividades da os seus exércitos e a ocupar os palácios no- no social, no recreativo e na inauguração de al- homem deseja e exige. Coroa na campanha dos Descobrimentos. A bres e a queimar, matar e destruir. Voltou a guns empreendimentos, exemplo, da ilumina- Terra antiga, possui o primeiro documento dimensão do Espinhal ampliou-se tanto que, paz. E as figuras gradas da Nação voltaram ção do complexo do Calvário – escadaria, de autenticidade como povoação datado de em 1644, a “aldeia parece Vila”. O comércio a frequentar a terra, exemplo do Duque de largo e capela. 1219, logo com 800 anos de História. atinge tal grandeza que se criou o mercado se- Saldanha, Gonçalves Crespo, Maria Amália A Vila do Espinhal está em festa e orgulha- Contudo, analisando à luz da realidade os ves- manal, que atrai as gentes das serranias e luga- Vaz de Carvalho, D. Fernando II, D. João se de comemorar, em grandeza e dignidade, tígios romanos encontrados, a estrada para res vizinhos e de Penela e os soldados da guar- VI e outras altas individualidades. E, desta um acontecimento que consolidou o seu pres- Bobadela e norte da Península, a estrada que o nição das praças da Beira. presença surge a proposta ao Rei, e este tígio e ancestralidade. JUNTA DE FREGUESIA DO ESPINHAL O prazer da natureza
    • DE 19 DE JULHO A 1 DE AGOSTO DE 2006 PUBLICIDADE 13
    • 14 DESPORTO DE 19 DE JULHO A 1 DE AGOSTO DE 2006 Com os olhos na Europa FUTEBOL ACADÉMICA APRESENTOU-SE À CIDADE NO CENTRO COMERCIAL DOLCE VITA O Centro Comercial Dolce Vita, avizinha. E que faz pensar em caminhos (Corinthians Alagoano), Hélder Barbosa contíguo ao Estádio Cidade bem mais ambiciosos em relação aos que (Porto), Raul Estevez (Boca Juniors) e Paulo de Coimbra, foi o palco escolhido têm vindo a ser trilhados pelos “pardalitos Sérgio (Moreirense); e finalmente o avançado para a apresentação da equipa do Choupal” nas temporadas anteriores. O Nestor Alvarez (Dínamo Tolima). de futebol sénior da Associação optimismo é tal que o presidente José Académica de Coimbra/ Eduardo Simões aponta para a conquista de Jogos de preparação um título nacional entre 2007 e 2009, con- /Organismo Autónomo fessando que gostaria de voltar a ver o em- Para já, a Académica tem previstos doze de Futebol, versão 2006/2007. blema dos estudantes a lutar por uma final jogos de preparação, destacando-se os dois Nove reforços e um treinador da Taça de Portugal. que vão decorrer no Estádio Cidade de ambicioso fazem ter esperança Manuel Machado, coadjuvado por José Coimbra, frente à Real Sociedad (dia 8 de numa época que não termine Augusto, Zé Nando e Goran Zivanovic, vai Agosto, às 21 horas) e ao Boavista (dia 16 ter à disposição um plantel igualmente ambi- de Agosto, às 20 horas). Outros encontros em “aflição”, como tem cioso, mesclando experiência e juventude, e particulares: com o Beira Mar, hoje, às 18 acontecido nos últimos anos que dá garantias de discussão da vitória do- horas, em Avanca; com o Paços de Ferreira, mingo após domingo. Da época passada tran- dia 22/07, às 18 horas, em Tábua; com o Nos clubes onde tem vindo a trabalhar, o sitam os guarda-redes Eduardo e Pedro Leixões, dia 26/07, às 18 horas, em treinador Manuel Machado tem alcançado Roma; os defesas Danilo, Vítor Vinha e Nuno Quiaios; com o Penafiel, dia 29/07, às sempre bons resultados, nos dois últimos Luís; os médios Roberto Brum, Filipe 20h30, em Penafiel; com o Nacional, dia deixando Vitória de Guimarães e Nacional Teixeira, Dionattan, Fernando, Sarmento, Ito, 2/08, às 18 horas, em Rio Maior; com o da Madeira com presença garantida nas Nuno Piloto e N’Doye; e os avançados Feirense, dia 5/08, às 18 horas, em Vila da competições europeias. Foi esse percurso vi- Gelson e Fausto. Reforçam o conjunto o guar- Feira; com a Naval, dia 9/08, às 21 horas, torioso, precisamente, bem como o bom tra- da-redes Douglas (Coritiba); os defesas Kaká em Gouveia; participação num torneio tri- balho realizado, aos mais diversos níveis, que (Grémio Jaciara), Gonçalo (Tourizense), angular em Alcobaça, no dia 12 de Agosto; levou a Direcção da AAC/OAF a dar-lhe o Medeiros (Guimarães), Lino (Juventude de finalmente com o Tourizense, no dia comando da equipa para a temporada que se Caxias) e Litos (Málaga); os médios Alexandre 19/08, às 18 horas, em Touriz. Manuel Machado LIGA BWIN.COM 1.ª (27/08) Jornada 16.ª (28/01) 2.ª (10/09) Jornada 17.ª (04/02) 3.ª (17/09) Jornada 18.ª 18/02) 4.ª (24/09) Jornada 19.ª (25/02) 5.ª (01/10) Jornada 20.ª (04/03) 6.ª (15/10) Jornada 21.ª (11/03) 7.ª (22/10) Jornada 22.ª (18/03) V. Setúbal - Académica Académica - Naval Académica - Gil Vicente Gil Vicente - Naval Gil Vicente - Boavista Boavista - Naval Boavista - Nacional Benfica - Gil Vicente Gil Vicente - V. Setúbal V. Setúbal - Boavista Boavista - Académica Académica - Nacional Nacional - Gil Vicente Gil Vicente - P. ferreira Época Sporting - Boavista Boavista - Benfica Benfica - Nacional Nacional - V. Setúbal V. Setúbal - P. Ferreira P. Ferreira - Académica Académica - Aves Marítimo - Nacional Nacional - Sporting Sporting - P. Ferreira P. Ferreira - Benfica Benfica - Aves Aves - V. Setúbal V. Setúbal - U. Leiria 2006/2007 Sp. Braga - P. Ferreira P. Ferreira - Marítimo Marítimo - Aves Aves - Sporting Sporting - U. Leiria U. Leiria - Benfica Benfica - E. Amadora Beira Mar - Aves Aves - Sp. Braga Sp. Braga - U. Leiria U. Leiria - Marítimo Marítimo - E. Amadora E. Amadora - Sporting Sporting - Porto Porto - U. Leiria U. Leiria - Beira Mar Beira Mar - E. Amadora E. Amadora - Sp. Braga Sp. Braga - Porto Porto - Marítimo Marítimo - Beira Mar Naval - E. Amadora E. Amadora - Porto Naval - Porto Porto - Beira Mar Naval - Beira Mar Beira Mar - Sp. Braga Naval - Sp. Braga
    • DE 19 DE JULHO A 1 DE AGOSTO DE 2006 DESPORTO 15 Plantel para a tranquilidade NAVAL NÃO QUER SOFRER COMO NA ÉPOCA PASSADA A Naval 1º de Maio apresentou-se reforços para posições importantes para a reforços e poucos jogadores terem saído do com nove caras novas, que visam evolução da equipa, procurando torná-la clube elevaram para trinta o número de at- o reforço do grupo de trabalho mais equilibrada e competitiva (que chegam letas à disposição de Rogério Gonçalves, si- para encarar a nova época ao clube juntamente com Pesquina, que es- tuação que obrigou a ajustes no grupo de com mais tranquilidade tava emprestado ao Sporting de Pombal). trabalho. Assim, por decisão conjunta da Da época passada transitam Taborda, Fer- equipa técnica e da Direcção, que agora em relação à anterior. nando, China, Carlitos, Gilmar, Bruno Fo- tenta encontrar solução para o futuro dos O comando técnico continua gaça, Sufrim, Lito, Fajardo, Tiago Fraga, atletas, Rui Miguel, João Mendes, Aurélio e entregue a Rogério Gonçalves Cazarine, Wilson Júnior, Saulo, Solimar, Éder Richartz não seguiram para o estágio Pedro Santos e Léo Guerra. São reforços que está a decorrer em Nelas. A situação do Tal como a Académica, também a Naval João Cardoso, Mário Sérgio, Éder Silva, Ores- brasileiro Saulo também estava ainda inde- vai “atacar” a próxima temporada com o tes, Banjai, Tony, Pimenta, Pesquina e Nei. finida, no dia da apresentação do plantel, principal objectivo de garantir atempada- Na apresentação da equipa, realizada na mas foi entretanto regularizada numa reuni- mente a manutenção, de modo a não “so- semana passada nas instalações do Casino ão realizada entre o jogador e presidente. frer” como no campeonato que terminou Figueira, treinador e presidente da Naval há cerca de dois meses (recorde-se que os deram conta do optimismo com que enca- Pedro Falcão de saída figueirenses estavam despromovidos a ram o campeonato que se avizinha, estando cerca de oito minutos do fim do jogo der- ambos a trabalhar no sentido de promover De saída está Pedro Falcão, até há pouco radeiro, disputado em Penafiel). As princi- o reforço do plantel com mais dois jogado- tempo Director Desportivo da Naval. pais apostas para atingir tal desiderato pas- res, que deverão vir do Brasil. Sobre este assunto, o “homem-forte” do sam pela continuidade de Rogério Gon- futebol navalista, Aprígio Santos, frisou que çalves, treinador querido pelas gentes da Ajustes no plantel “ninguém tem lugar vitalício na Naval. Naval, pelos feitos que tem conseguido ao Existem coisas estruturadas neste clube que serviço do clube, nomeadamente a subida Curiosamente, apesar de os responsáveis devem ser cumpridas. Vamos reflectir sobre de divisão, há dois anos, e a manutenção, na navalistas estarem ainda a ultimar o reforço essa situação durante o estágio e depois to- época passada, e pela contratação de oito do plantel, o facto de terem chegado nove maremos uma atitude”. Rogério Gonçalves 8.ª (29/10) Jornada 23.ª (01/04) 9.ª (05/11) Jornada 24.ª (07/04) 10ª (19/11) Jornada 25.ª (15/04) 11.ª (26/11) Jornada 26.ª (22/04) 12.ª (03/12) Jornada 27.ª (29/04) 13.ª (10/12) Jornada 28.ª (06/05) 14.ª (17/12) Jornada 29.ª (13/05) 15.ª (14/01) Jornada 30.ª (20/05) Nacional - Naval Nacional - P. Ferreira P. Ferreira - Naval P. Ferreira - Aves Aves - Naval Aves - U. Leiria Naval - U. Leiria U. Leiria - E. Amadora P. Ferreira - Boavista Boavista - Aves Aves - Nacional Nacional - U. Leiria U. Leiria - P. Ferreira P. Ferreira - E. Amadora E. Amadora - Aves Aves - Porto Aves - Gil Vicente Gil Vicente - U. Leiria U. Leiria - Boavista Boavista - E. Amadora E. Amadora - Nacional Nacional - Porto Porto - P. Ferreira P. Ferreira - Beira Mar U. Leiria - Académica Académica - E. Amadora E. Amadora - Gil Vicente Gil Vicente - Porto Porto - Boavista Boavista - Beira Mar Beira Mar - Nacional Nacional - Sp. Braga E. Amadora - V. Setúbal V. Setúbal - Porto Porto - Académica Académica - Beira Mar Beira Mar - Gil Vicente Gil Vicente - Sp. Braga Sp. Braga - Boavista Boavista - Marítimo Porto - Benfica Benfica - Beira Mar Beira Mar - V. Setúbal V. Setúbal - Sp. Braga Sp. Braga - Académica Académica - Marítimo Marítimo - Gil Vicente Gil Vicente - Sporting Beira Mar - Sporting Sporting - Sp. Braga Sp. Braga - Benfica Benfica - Marítimo Marítimo - V. Setúbal V. Setúbal - Sporting Sporting - Académica Académica - Benfica Sp. Braga - Marítimo Naval - Marítimo Marítimo - Sporting Naval - Sporting Sporting - Benfica Naval - Benfica Benfica - V. Setúbal V. Setúbal - Naval
    • 16 DESPORTO DE 19 DE JULHO A 1 DE AGOSTO DE 2006 Cantanhede aposta fortemente BASQUETEBOL DESPORTO E EDUCAÇÃO COMPLEMENTAM-SE Reconhecer o interesse do desporto na vida quotidiana das pessoas é hoje uma constante. Afinal, são muitas as vantagens da sua prática continuada, como o poderiam afirmar diversos especialistas na área da saúde. Poucas são, no entanto, as pessoas que passam das palavras aos actos e optam por fazer da prática desportiva uma actividade habitual. Por falta de tempo, de meios ou por mero sedentarismo. Em Cantanhede, porém, tem-se trabalhado no sentido de contrariar esta tendência. O município desenvolve uma considerável acção no desenvolvimento do desporto e, particularmente, do basquetebol Flávia Diniz O fomento do basquetebol é uma das mais actuais apostas do concelho de Can- tanhede na área do desporto, tendo sido as- sinado, em Março último, um protocolo Diogo Amoroso Lopes entre o município, a Federação Portuguesa de Basquetebol (FPB) e a Associação de qualquer dos intervenientes “retém bene- Também Raul Cruz, presidente do clube 7 clubes para 10, criando 3 novas colectivi- Basquetebol de Coimbra (ABC), com vista fícios”. CDCPAS de Venda Nova, considera que “a dades nas freguesias de Ançã, Tocha e à concretização desse mesmo objectivo. No Diogo Lopes tem 63 anos e joga basque- iniciativa do município é de louvar”, acrescen- Vilamar. documento ficou estabelecida a implemen- tebol desde os 10. Reformado aquando da tando que “deve continuar”, pois “se a De acordo com o coordenador técnico, tação do Projecto de Desenvolvimento do idealização do projecto Basquetebol para Câmara não apoiar os clubes de basquetebol, o balanço do projecto é, até agora, positivo, Basquetebol do Concelho de Cantanhede, Todos – Cantanhede/2000, foi convidado estes não têm meios e acabam por desapare- pelo que o trabalho vai continuar: “Todos no âmbito do qual se têm realizado diversas pelo município para o integrar e dinamizar. cer, restando apenas o futebol”. Uma opinião nós, quando abraçamos um projecto, pro- actividades, das quais se destacam o V Tor- É o que tem feito desde então. Tendo sido com a qual Diogo Lopes decerto concordaria. curamos dar o nosso melhor”. Fá-lo, pois, neio Internacional de Minibasquete e um designado pelo autarca João Moura como a Recorde-se que a Câmara Municipal de não só como uma ocupação do seu tempo Clinic Internacional, ou acção de formação “alma mater” do projecto, Amoroso Lopes Cantanhede equipou as freguesias com as livre, mas porque gosta e acredita poder para treinadores da modalidade. Realizados prefere atribuir o mérito da iniciativa à infra-estruturas necessárias à realização do atingir os seus objectivos. no final do passado mês de Junho, ambos Câmara Municipal de Cantanhede, sua projecto, disponibilizando instalações des- Como ele, também os treinadores, mui- os eventos tiveram uma expressão significa- mentora: “Eu só tive de o encaminhar, com portivas e material. tos ainda jovens, estudando na Preparatória tiva, levando à cidade 16 equipas de basque- a minha experiência, da maneira que achei A FPB, por sua vez, tem a cargo o inves- ou na Secundária, dão aulas por gosto pes- tebol – um número quatro vezes superior melhor”. “Inicialmente, fiz o levantamento timento na formação dos técnicos locais, soal, sem receber nenhuma recompensa fi- ao de edições anteriores –, e alguns dos da situação desportiva do concelho e, pos- garantindo o enquadramento técnico dos nanceira em troca. mais reputados especialistas nacionais e in- teriormente, em função dos elementos re- núcleos de minibasquete e dos clubes do ternacionais da modalidade. colhidos, dei formação” – conta. Como concelho de Cantanhede. O desporto enquanto De acordo com Diogo Amoroso factor catalisador do sucesso do projecto, Na autarquia existem já 7 clubes. Não instrumento pedagógico Lopes, coordenador técnico de basquete- há ainda a mencionar as colectividades, que, obstante, Diogo Amoroso Lopes quer con- bol do município, este protocolo “é im- na sua opinião, a ele aderiram com recepti- tinuar a criar núcleos, tendo estabelecido Desporto e educação parecem, afinal, portante para todos”, na medida em que vidade. três metas para o ano que vem: aumentar os estar interligados, confrontados os testemu-
    • DE 19 DE JULHO A 1 DE AGOSTO DE 2006 DESPORTO 17 no basquetebol BREVES CNAC em destaque Maria Miguel Veloso foi a grande vencedora do Campeonato Regional de Verão de Infantis, em Natação. A nada- dora do CNAC/Matobra sagrou-se campeã nas oito provas em que partici- pou. Em termos colectivos o CNAC/ /Matobra foi o clube com mais campe- ões regionais (28), logo seguido da Sociedade Columbófila de Cantanhede (9), Académica de Coimbra (7), Ginásio Figueirense (6), Gouveia (3), Norton de Matos (2) e Paião (1). Três títulos nacionais Decorreu em Montemor-o-Velho o Campeonato de Verão de Veteranos, em Remo. Em prova estiveram 256 atletas de 17 clubes de todo o país, entre os quais Académica, Ginásio e Naval. Foi no double scull que as formações do distrito de Coimbra alcançaram os me- lhores resultados, conseguindo três títu- los nacionais, por Pedro Oliveira e nhos de quem trabalha directamente com António Neves, da Associação Acadé- as crianças. Com efeito, a prática desportiva ajuda a desenvolver não só a capacidade fí- mica de Coimbra, e pela dupla Rute Cos- sica e motora, mas também a social e cog- ta e Teresa Cardoso, do Ginásio Fi- nitiva, como afirma Diogo Amoroso gueirense. Lopes: “O basquetebol aumenta o poder de concentração e obriga os miúdos a organi- Costa e Nora eleito zarem-se, a se auto-disciplinarem”. Foram recentemente eleitos os novos Também Rui Ferreira, treinador e pro- fessor de Educação Física, garante que dirigentes da Secção de Basquetebol da quando começou a trabalhar com as crian- Associação Académica de Coimbra: ças, elas “não tinham regras de socialização, Direcção - Joaquim Costa e Nora (Pre- mas depois adquiriram-nas”. De citar ainda sidente); Sónia Freitas (Tesoureira); Ma- Raul Cruz, que, como Presidente de uma ria José Ferreira (Secretária); Mário Associação de Pais, diz que “os pais, hoje Costa (Vogal Administrativo); Jorge em dia, não têm muito tempo para educar Martins (Vogal para a Formação Mas- as crianças”, pelo que a prática de um des- culina); Maria do Carmo Rebelo (Vogal porto colectivo as ajuda na aquisição de re- para a Formação Feminina); José Al- gras de comportamento. Por seu lado, Dalila Salvador, professora berto Francisco (Vogal para a Com- primária, corrobora esta ideia, contando a petição); Ana Paula Amaro, Maria de história de um aluno seu que tinha muitas Fátima Coimbra e Daniela Diogo (Vo- dificuldades e que, depois de se integrar gais); Andreia Marques, José Gonçalves, numa equipa de basquetebol, se tornou Joana Serôdio, João Moreira e Fernando “mais disciplinado, aberto e sociável”. Sousa (Vogais Universitários). Mesa do Ainda neste contexto, Diogo Amoroso Plenário - Lino Gonçalves (Presidente); Lopes aproveita para sublinhar o facto de o José Luís Gonçalves e Jorge Manuel principal intuito da sua formação de bas- Baptista (Secretários). quetebol não ser apenas competir, no senti- do material e egoísta do termo, mas apren- der a jogar com desportivismo e “fair play”. Três reforços Por fim, diz sentir-se motivado pelos co- Apesar de alguma indefinição, que re- mentários satisfeitos dos pais relativamente sulta dos problemas financeiros que se à sua “filosofia do desporto”. debatem sobre o clube, os responsáveis pelo União de Coimbra procuram “ar- rumar a casa” e, paulatinamente, vão construindo o plantel que vai “atacar” o “Nacional” da 3ª Divisão na temporada 2006/2007. Para já estão certos três re- forços, que estarão a partir de 31 de Julho, data do início dos trabalhos, às ordens do treinador António Cortesão: os guarda-redes Mikael (ex. Anadia) e Márcio (ex. Ançã) e o médio direito David Costa (ex. Tourizense). A apresentação aos sócios está mar- cada para o dia 23 de Agosto, no Estádio Municipal Sérgio Conceição, sendo a equipa sénior do União de Coimbra apadrinhada pela congénere do Sporting de Pombal.
    • 18 DESPORTO DE 19 DE JULHO A 1 DE AGOSTO DE 2006 BASQUETEBOL 2.º CAMPO DE TREINO DA ABC FOI UM ÊXITO Treinadores Isabel Lemos (Directora Técnica Regional), Basquetebol João Pedro Gonçalves Coordenador Té- cnico), João Pedro Lourenço, Leonor Silva, Filipe Rama, Renata Guisantes, Tiago Sá, Teresa Cadete, João Matos, Ricardo Aires, Rafaela Santos e Nuno Marques e diversão Um êxito! Duas palavras lho que desenvolvemos em ambiente de jogo”. Apoio Logístico Lara Lemos Paulo Cordeiro e Sr. Artur Caetano sobejamente utilizadas pelos Trabalhar com cerca de 70 atletas não estava participantes para definir previsto, mas “acabámos por acolher todos Apoios Câmara Municipal de Coimbra, Federação o 2º Campo de Treino aqueles que mostraram interesse em participar. Portuguesa de Basquetebol, Desporto Es- da Associação de Basquetebol Isto é sobretudo para eles e tudo o que poder- colar, Sportzone, Espectro, Compal, Longa mos fazer é positivo. Requer mais organização e Vida, Dan Cake, Ourivesaria Catarino, de Coimbra. Segundo algum esforço extra por parte dos treinadores, Escola Alice Gouveia, Escola Sec. Avelar os responsáveis, trata-se mas tudo foi superado e correu muito bem”. Brotero, CASPAE nº10. de uma experiência a repetir “Já vamos no segundo ano, vê-se que as pes- soas estão a aderir cada vez mais, o que nos dá António José Ferreira força para continuar”, conclui João Pedro PRÉMIOS Gonçalves. João Pedro Gonçalves O Coordenador Técnico do 2º Campo de Two Ball Treino da Associação de Basquetebol de Manuel Maurício e Joana Santos Coimbra, João Pedro Gonçalves, disse em con- Madalena Alves e Vasco Silva versa com o “Centro” que “os principais objec- Henrique Branco e Laura Mendes tivos foram cumpridos. Baseavam-se em conci- liar o trabalho técnico e táctico, complementan- 1x1 do o que é feito nos clubes e conjugando-o com Diogo Gaspar a vertente social”. O técnico figueirense lembra Jaime Fernandes que “nesta altura da época já existe algum des- João Costa gaste e os ’miúdos’ estão um pouco cansados mas, mesmo assim, conseguimos, numa sema- 3x3 na, realizar quase o equivalente a um mês de tra- Marta Fernandes, Ana Carvalhal, Manuel balho nos clubes, acrescentando assim mais al- Maurício, João Ferrer; guns treinos aos participantes”. Para o trabalho Teresa Maia, Nuno Bóia, João Nunes, realizado em muito contribuiu “o ambiente Maria João; entre treinadores e atletas, que é impecável, bem Joana Ferreira, Francisco Mendes, João como todas as condições desejáveis para a reali- Dionísio, Guilherme Sequeira. zação do Campo”. Os aspectos da motivação, que por vezes se perdem ao longo de uma época, estiveram em alta ao longo dos cinco dias O grupo de treinadores responsáveis pelo Campo de Treino Controlo e Manejo de Bola Jaime Fernandes do evento, para o que contribuíram, por exem- João Nunes plo, as “visitas“ feitas por Joana Santos, José Francisco Mendes Costa e Elvis Évora, muito apreciadas pelos jo- vens atletas. Segundo João Pedro Gonçalves, a “vertente social e de diversão foi fundamental Torneio 4x4 Beatriz Rodrigues, Maria Santos, Vasco Sil- para esse aspecto. Por vezes, nos clubes, por va, João Costa, Joana almeida, Roy Silva, pressão dos pais, dos directores e dos treinado- Ana Machado, Susana Moreira, João Nu- res, tende-se para uma estrutura muito competi- nes, Sofia Lemos, Telmo Carvalho, Hen- tiva. Aqui optamos por um trabalho mais rela- rique Branco xado, com alguma brincadeira, embora clara- mente se trabalhe basquete a sério”. Em termos técnicos, a Direcção do Campo Melhor jogador optou “por manter a filosofia do programa Ana Teresa Maia ‘Passo a Passo’ e do trabalho das Selecções João Ferrer Distritais, que reside mais na leitura de jogo e em João Dionísio enquadrar todos os elementos técnicos traba- lhados em situações de jogo. Daí termos uma Melhor colega grande parte do Campo em competição de 1x1, Nuno Bóia 3x3, 4x4 e de lançamentos em competição, de Ana Machado modo a enquadrar o máximo possível o traba- A visita de José Costa foi muito apreciada pelos participantes Francisco Mendes Convívio giro Nota máxima Muito produtivo “Foi um bocado cansativo “Gostei do trabalho que fi- “Correu tudo bem e foi porque tivemos quatro horas zemos, diferente em relação muito produtivo. Foi o pri- de treino por dia. Aprendi al- ao que estamos habituados. meiro ano que vim e adorei. gumas coisas novas, por Houve algumas lesões, entre Para o ano, se houver, estou exemplo lançar de gancho. E as quais a minha, que me im- cá outra vez. Os treinadores aperfeiçoei o lançamento. Foi pediu de continuar a treinar. são espectaculares e criamos a primeira vez que estive Outro ponto negativo foi ter- muitas amizades, até com num campo. O convívio é gi- mos que trabalhar cinco horas pessoas em relação às quais ro e fiz alguns amigos. Quero por dia, o que se torna um não tínhamos uma opinião vir mais vezes”. Catarina Amaro pouco cansativo. O convívio é Bernardo Meneses muito boa. A nível técnico e Joana Santos Académica muito bom. Se pudesse avaliar Académica táctico melhorámos muito” PT Coimbra o campo dava nota máxima”.
    • DE 19 DE JULHO A 1 DE AGOSTO DE 2006 OPINIÃO 19 gestas matérias, a escola em Portugal tem como podia ter ganho Portugal. Ou, se qui- É por isso digna de registo a transposi- vindo a ser insensatamente destruída.” serem, e dado que o futebol é um sadio ção da fatigada proposta para as relações Vasco Graça Moura jogo tribal, ganharam os gauleses, como das sociedades civis, cada vez mais acentu- DN 12/JUL/06 podiam ter triunfado os lusitanos.” adamente transfronteiriças e transnacionais, Nuno Rogeiro uma iniciativa que parece guiada pela débil PRÉMIOS E ISENÇÕES I JN 07JUL/06 luz que, no fundo do túnel, anuncia a espe- itações “Era sabido que consoante a classifica- rança de conseguir uma nova dinâmica de ção das selecções a FIFA pagaria valores VENHA O REFERENDO reorganização da governança mundial. avultados em dinheiro aos principais prota- “Todos os que, à esquerda e à direita, se Entre as muitas causas desta movimentação gonistas do Mundial. Em minha modesta opõem à criminalização das mulheres que de várias entidades representativas e legiti- opinião, a FIFA não fez mais do que a sua abortam só podem defender à alteração à madas pela liberdade responsável dos priva- obrigação. Organiza um Mundial de futebol lei. Bem ou mal, houve um referendo e vai dos, o terrorismo global avulta como peri- profissional, obtém réditos elevadíssimos haver outro, não obstante os anteriores tro- go cimeiro.” nas bilheteiras dos estádios, nos direitos te- peções presidenciais. A prioridade só pode Adriano Moreira levisivos e publicitários inerentes, mal anda- ser a efectiva e duradoura alteração à lei. E DN 11/JUL/06 ríamos se os biliões angariados não rever- mais nenhuma outra. PROCESSO tessem também para os ‘artistas’ que estive- Estas mulheres abortaram em 1997 e JOGO DE MÁSCARAS DE IMBECILIZAÇÃO ram no palco a garantir o espectáculo. foram condenadas agora. Tivesse esta ques- “Não creio que valha a pena aprofundar “A escola que temos não exige a muitos Assim, a Federação Portuguesa de Futebol tão sido resolvida, como já deveria ter sido, e agora o jogo de máscaras que levou Freitas jovens qualquer aproveitamento útil ou veio para casa com os bolsos cheios e o que estes processos fundamentalistas teriam sido do Amaral ao Governo do PS presidido por qualquer respeito da disciplina. Passa o lhe compete fazer é obviamente dividir uma evitados. Mais um que seja, é de mais. Venha José Sócrates. Como declarei na altura, o tempo a pôr-lhes pó de talco e a mudar-lhes parte dessa receita com os jogadores e o referendo, mesmo que seja já tão tarde.” facto de ter assumido a pasta dos Estran- as fraldas até aos 17 anos. todos os profissionais que integraram a Joana Amaral Dias geiros prefigurava um movimento para ser Entretanto mostra-lhes com toda a soli- Selecção. Mas, meus senhores, não há ne- DN 10 JUL06 candidatável à presidência da República no citude que eles não precisam de aprender nhuma razão que justifique o pedido de espaço do centro-esquerda. E afirmei ao nada, enquanto a televisão e outros entrete- isenção fiscal apresentado pela Federação. TERRORISMO GLOBAL Jornal de Notícias, em Março de 2005, que nimentos tratam de submetê-los a um pro- Diz a Federação que os art.os 5.º e 12.º do “O desânimo das sociedades civis em rela- a vontade reformadora que o catedrático de cesso contínuo de imbecilização. Código do IRS prevêem a concessão de be- ção à eficácia das lideranças e das políticas pú- Direito Administrativo invocava para justi- Se, na adolescência, se habituam a drogar- nefícios fiscais aos atletas que alcancem luga- blicas nos espaços ocidentais parece não con- ficar a sua entrada num executivo do PS se, a roubar, a agredir ou a cometer outros res de destaque em grandes provas. Julgo que sentir muita atenção esperançada nos pedidos seria mais utilmente aplicadas noutra pastas crimes, o sistema trata-os com a benignidade o legislador e portanto o espírito da lei se re- de consenso entre os responsáveis pelas deci- mais carecidas desse élan. Antevia a mano- que a brandura dos nossos costumes consi- ferem às chamadas modalidades pobres sões. Modelações semânticas são ensaiadas bra das presidenciais, é certo, mas também dera adequadas à sua idade e lava-lhes ternu- como o atletismo e outras onde às vezes os no sentido de provocar algum movimento sabia que Freitas do Amaral já não caberia rentamente o rabinho com água de colónia. atletas têm quase de pagar para participarem das águas paradas, governos e oposições ape- nas Necessidades, 25 anos depois de por lá Ficam cientes de que podem fazer tudo nos certames internacionais. Acho que a ex- lam ocasionalmente a responsabilidades ter passado a primeira vez.” o que lhes der na real gana na mais gloriosa tensão ao futebol constitui uma situação in- transversais, mas o efeito na mudança dos pa- José Medeiros Ferreira das impunidades. compreensível. Os jogadores devem receber radigmas não é sensível na vida habitual. DN 11 JUL 06 Não são enquadrados por autoridade de ne- os seus prémios e deduzir o IRS correspon- nhuma espécie na família, nem na escola, nem na dente porque o tempo das isenções sem sociedade, e assim atingem a maioridade. razão de ser e das fugas aos impostos já pas- Deixou de haver serviço militar obriga- sou. Um dia, os próprios jogadores vão tirar tório, o que também concorre para que benefícios deste exercício de cidadania. Esta cheguem à idade adulta sem qualquer espé- lógica do ‘salve-se enquanto é tempo’, que cie de aprendizagem disciplinada ou de paira em muitos espíritos, tem de acabar por- noção cívica. que Portugal já não é um País para caçadores Vão para a universidade mal sabendo ler furtivos e oportunistas.” e escrever e muitas vezes sem sequer co- Emídio Rangel nhecerem as quatro operações. Saem dela CM 15/JUL/06 sem proveito palpável. Entretanto, habituam-se a passar a noite PRÉMIOS E ISENÇÕES II em discotecas e noutros proficientes locais “O pedido da FPF para que se isente os de aquisição interdisciplinar do conheci- jogadores da Selecção de pagarem IRS sobre mento, até às cinco ou seis da manhã. o prémio que receberam pela participação no Como não aprenderam nada digno desse Mundial tem cobertura legal. Exige a lei a nome e não têm referências identitárias, classificação relevante numa prova de reco- nem capacidade de elaboração intelectual, nhecido prestígio. Mesmo figuras como nem competência profissional, a sua contri- Lobo Xavier e Jorge Coelho interpretaram buição visível para o progresso do país con- mal a lei fiscal. Será que o Campeonato do siste no suculento gáudio de colocarem Mundo não é uma prova de reconhecido Portugal no fim de todas as tabelas.” prestígio? E o que dizer das frequentes isen- Vasco Graça Moura ções que o Estado confere à Banca?” DN 05/JUL/06 Rui Rangel (juiz e irmão de Emídio Rangel) MÁQUINA TRITURADORA CM 16/JUL/06 “Um terceiro ponto, a meu ver o princi- pal, tem a ver com a educação. O PSD já GAULESES E LUSITANOS começou a abordá-lo mas há-de ir muito “Há quem diga que, no futebol, há escor- mais longe. Não obstante os méritos que regadelas freudianas, onde pessoas e países ninguém nega à ministra da pasta, os vícios dizem o que verdadeiramente pensam uns da máquina trituradora do sistema de ensi- sobre os outros. A ser assim, há já quem de- no são tão obstinadamente recorrentes que seje repetir os ajustes de contas de Paiva o empenhamento dela acabará por soço- Couceiro com a Imprensa britânica, antes brar nesses obstáculos. O PSD, que partilha em Moçambique, agora algures, e outros com o PS graves responsabilidades políticas que queiram tirar desforço de um longo rol pela situação degradadíssima a que se che- de humilhações, com Junot, Soult, Massena, gou, terá de propor já reformas sérias, pro- e agora os analistas da bola do hexágono. fundas e urgentes. Será essa a melhor forma Sob hinos semelhantes, pesados, guerrei- de se redimir das culpas em que incorreu ros (anti-alemão, no caso francês, anti-in- no passado e de contribuir para erradicar o glês, no caso de “A Portuguesa”), as selec- “eduquês”, o politicamente correcto e as ções alinharam com estilos de jogo seme- mais patetices cretinas com que, em nome lhantes, e um largo tributo às diásporas, ex- das ciências da educação e de outras indi- colónias e miscigenação. Ganhou a França,
    • 20 REPORTAGEM DE 19 DE JULHO A 1 DE AGOSTO DE 2006 EXPOFACIC CONSOLIDA-SE COMO A MAIOR FEIRA DA REGIÃO CENTRO Cantanhede é uma festa É já depois de amanhã junto ao Mercado Municipal, de maneira a (sexta-feira, dia 21) que abre levar as pessoas a passar pela zona industrial a XVI edição da Expofacic e agrícola – este ano com um espaço verde - Feira Agrícola, Comercial –, e a secretaria adoptou nova localização. O e Industrial de Cantanhede. objectivo é fazer com que as pessoas “não fi- quem apenas direccionadas para a zona das Consolidando a sua posição tasquinhas”, explicou António Alves. de maior Feira da Região Centro, Em frente ao Parque Expo-desportivo, e uma das maiores do País, serão colocadas as bandeiras representati- a Expofacic, que se prolonga vas das 19 freguesias do concelho, uma vez até ao próximo dia 30, engloba que todas elas participam no evento. mais de meio milhar de “stands”, De realçar ainda um circuito interno de televisão, através do qual vão ser exibidas e conta com um programa entrevistas, em directo e de forma contínua, de animação de invulgar qualidade, a expositores, a visitantes e à própria orga- dando assim forte contributo nização. para que Cantanhede seja uma Os visitantes serão também convidados a festa a atrair muitos milhares preencher um breve inquérito, criado com o de pessoas. Entre as diversas intuito de “ouvir opiniões, recolher suges- tões e avaliar”, pois, segundo António Alves, atracções do cartaz contam-se, as pessoas são “a parte mais importante da vindos do estrangeiro, Ivete feira e o seu contributo é fundamental”. Sangalo e os Simple Minds, Considerada como o maior evento eco- e dos portugueses nomes tão nómico e festivo da Região Centro e um famosos como os Xutos dos maiores do país, estatuto que imprime e Pontapés, Rui Veloso, “uma grande responsabilidade” à comissão organizativa, a Expofacic ocupa uma área Marco Paulo e vários outros, total de 7 hectares e exibe 517 stands (mais para satisfazer todos os gostos seis do que no ano anterior). António Alves estima que o orçamento ronde cerca de um Flávia Diniz milhão e 100 mil euros. Faltam apenas dois dias para o início da XVI Expofacic, que decorrerá, tal como nos & Pontapés, os Santos & Pecadores, os rada, bem como os vinhos de Cantanhede. BILHETES COM SAÍDA anos anteriores, no Parque Expo-desportivo D’Zrt, Tony Carreira, Boss AC, Marco Pau- Haverá ainda espaço para uma Feira Popular De acordo com o presidente da INOVA, de S. Mateus, em Cantanhede. Ali se ultimam lo e Rui Veloso. e uma área infanto-juvenil. os bilhetes “estão a vender-se em bom os preparativos para que a feira corra de Mas a XVI Feira Agrícola, Comercial e ritmo”. “Esperamos ter casa cheia”, conti- acordo com as expectativas criadas. Numa Industrial de Cantanhede não se limita aos nua, “como, aliás, é normal na Expofacic”. visita guiada ao recinto do certame, na pas- concertos. Organizado pela Câmara Muni- Os ingressos podem ser obtidos nos pos- MODIFICAÇÕES sada segunda-feira, dia 10, dedicada somen- cipal e INOVA-Empresa Municipal, o tos de turismo do Concelho de Cantanhede, E NOVIDADES te à comunicação social, o Presidente da evento conta também com a participação Como novidades da edição deste ano, Coimbra, Aveiro, Águeda, Estarreja, Ílhavo, Comissão Executiva da Expofacic, António dos principais agentes económicos e sócio- destacam-se os espectáculos de karaoke no Oliveira de Azeméis, Oliveira do Bairro e Pinheiro, afirmou estar “tudo a postos”, gra- culturais do concelho, e ainda com um palco II, junto das tasquinhas, algo que “irá Costa Nova, nas lojas FNAC de Lisboa, ças a “uma equipa com larga experiência no grande número de empresas nacionais. criar alguma atractividade naquela zona”, Porto e Coimbra, na INOVA-EM e, ainda, trabalho”. Optimista, a referida Comissão Com efeito, à semelhança de anos anterio- conforme explica António Alves, nas lojas do Intermarché de Cantanhede, pretende “ultrapassar os valores do ano pas- res, a XVI Expofacic terá um espaço dedica- Presidente do Conselho de Administração Mealhada e Oliveira do Bairro. sado”, em que a feira recebeu cerca de 350 do ao comércio, indústria e serviços, com a da INOVA-EM. A entrada diária tem um preço social de mil visitantes, e “projectar-se no futuro”. presença de empresas de referência; um sec- Na visita dos jornalistas, fez referência 2,5 euros, com excepção de 21 e 29 de Apresentando uma programação diversi- tor dedicado ao automóvel e um sector agrí- também a alterações logísticas, que “vão re- Julho, dias em que actuam Ivete Sangalo e ficada, com vista a satisfazer os diferentes cola. Estarão também presentes as escolas, as sultar”, garante. A título de exemplo, logo na os Simple Minds, respectivamente. Nestas públicos, a Expofacic exibe este ano, como 19 freguesias do concelho e expositores de entrada os visitantes terão oportunidade de datas o bilhete custará 10 euros. cabeças de cartaz, a brasileira Ivete Sangalo artesanato nacionais e internacionais, assim ter uma visão mais alargada do certame, algo Os que pretendem visitar a XVI Expo- e os britânicos Simple Minds, para além de como as tasquinhas com gastronomia regio- que não acontecia em edições anteriores de- facic durante os 10 dias da feira, devem outros artistas do panorama musical portu- nal, onde se poderão apreciar alguns dos me- vido a uma espécie de “tampão” que ali exis- optar por adquirir um bilhete único por 35 guês, nomeadamente os The Gift, os Xutos lhores pratos típicos da Gândara e da Bair- tia. Foi também criada uma nova bilheteira euros. Cabeças de cartaz dão que fazer à organização da Expofacic Três litros de água de coco natural não in- pratos que transbordam excentricidade. dustrializada, uma bandeja com 60 unidades Amoras frescas, uma selecção de diversos de salgados, passas, castanhas, amêndoas, aperitivos (amêndoas, nozes, castanhas de entre outros aperitivos, foram os pedidos (algo caju, entre outros), uma bandeja cheia de caprichosos) efectuados por Ivete Sangalo à sandes vegetarianas e, para acabar em comissão organizativa da Expofacic. grande, uma refeição japonesa quente no Mas se a extravagância da cantora brasi- final do espectáculo. leira apela já aos sentidos dos mais humil- Petiscos à parte, a banda solicitou ainda des, o que fará a dos Simple Minds. O à organização dois grupos de geradores de grupo britânico não poupou nas exigên- 200 KDA, para completar a sua aparelha- cias, elaborando com ousadia uma lista de gem de som.
    • DE 19 DE JULHO A 1 DE AGOSTO DE 2006 OPINIÃO 21 FILATELICAMENTE Agustina e o estado do tempo João Paulo Simões facto de me referir ao que Agustina Bessa- nem tanto…), se anuncie, repetidamente, o Luís disse em 2006, não em 1996, o que dá fraco crescimento das economias e as bai- ao seu argumento, desde logo pela sua ou- xas expectativas dos agentes económicos? Notas Técnicas sadia, muito maior força. Como compreender as variações de análise Cunho – Designa-se por cunho a peça Na sua famosa História da Literatura das entidades de supervisão e de regulação geralmente gravada, que se destina à im- Portuguesa, Óscar Lopes escreveu o se- dos mercados económicos e financeiros, pressão de um selo. João Caetano guinte sobre Agustina Bessa-Luís: “A voca- que chegam a confessar a sua incapacidade Para os selos de relevo do Continente, relvaocaetano@yahoo.com ção de facto excepcional de Agustina de previsão? Como compreender que, de elevada tiragem, foi necessário abrir Bessa-Luís não é a do romance como figu- tendo os governos percebido o que se exige mais do que um cunho da mesma taxa. As Durante a campanha para as eleições le- ração de um mundo social, psíquica ou es- fazer, com a perfeita contrição do medo a diferenças entre esses cunhos, reconheci- gislativas portuguesas de 2005, quando per- teticamente coeso, mas a de colher momen- testemunhar o enlace social, a execução das das nos selos por eles impressos, revestem- guntaram a Agustina Bessa-Luís as razões tos de surpreendente microrrigor e irradia- políticas fique aquém das expectativas? se da maior importância para os coleccio- que a levavam a apoiar publicamente o ção instrutiva, quer em percepções objecti- Será que a mudança do clima é alarde ou nadores, aos quais se abre, por esta via, vas- Partido Social-Democrata, ela respondeu vas, quer em vivências interpessoais, quer propaganda? Não me estou a desviar de tíssimo campo para estudo, especialização que se tratava não apenas de um apoio pes- em formas de sabedoria ancestral que, pre- Agustina, ao contrário do que se poderia das suas colecções, muitas das vezes pela soal ao “candidato” a primeiro-ministro cisamente, ponham em causa qualquer julgar. E nem sequer estou a falar do clima aquisição apenas de exemplares a preços Pedro Santana Lopes (e, só depois, de um forma de ordem ou inteligibilidade aceite; na sua acepção ambiental, social ou moral. reduzidos. apoio institucional ao partido), como tam- tudo nela aponta para um “amor” que é Estou a falar de meteorologia, do tempo Goma – Têm-se usado várias quantida- bém, em reconhecimento da novidade dos transcendente a valores ou a evidências que faz todos os dias. Parece que o mau des de goma nos selos de Portugal e ex- tempos, do apoio a uma pessoa comum. consagradas, e que parece um dom peculiar tempo acontece porque tem de acontecer, Colónias. A actual fobia que se está a veri- Sem pôr em causa a Constituição portugue- de gineceu ou de intimidade feminina”. Por ao mesmo tempo que o défice das contas ficar por parte de certos coleccionadores sa, Agustina Bessa-Luís aceitou, indirecta- seu turno, Silvina Rodrigues Lopes escre- públicas é o que não teria sido, se não esti- em adquirir selos novos sem charneira, tem mente, a coexistência de uma nova prática veu o seguinte em Aprendizagem do Incer- vesse a ser feito o que ainda não se conclu- feito aparecer no mercado inúmeras séries constitucional com o aparecimento inédito, to: “Toda a obra de Agustina Bessa-Luís é iu. A verdade é que, salvo o que informam melhor ou pior regomadas. Recomenda-se, no palco político português, do paradigma animada por um movimento de resistência alguns contos fantásticos e algumas históri- por isso, o maior cuidado na verificação das do homem comum. à dissolução da singularidade do indivíduo as infantis, ainda não se descobriu a máqui- características da cola de cada selo, nomea- Estando fora da política partidária, numa humanidade cinzenta, mecânica, sem na do tempo, capaz de fazer sol na festa damente a sua cor, espessura, uniformida- Agustina Bessa-Luís percorreu sempre a segredos nem expectativas. Daí que um dos anual da cidade e de fazer chover sobre os de, estalados naturais, etc. política com a intuição de quem antes de seus motivos recorrentes seja o da comuni- fogos, também eles anuais. Denteado – Os denteados mais cor- mais se liga às pessoas. Essa é a razão por cação e informação objectivantes que fazem Quando hoje vejo as pessoas a acotove- rentes são de três tipos: de linha, de pente que a autora de A Sibila, em trinta anos de parte de uma vertigem da nossa época pela larem-se para aplaudirem o chefe e melhor ou de grade. Os de linha são feitos por fer- democracia portuguesa, apoiou, em elei- qual (…) todas as coisas e nós próprios nau- se servirem e este a dizer que só ele é que ramenta constituída por uma única fiada de ções sucessivas, independentemente da na- fragamos num estado de indiferença. É sabe, apetece-me tirar a gravata em sinal de cortante – linha – que vai picotando uma a tureza destas, personalidades de diversos numa recusa da instrumentalização da lin- protesto. Em Portugal, o totalitarismo ab- uma, todas as linhas e colunas de selos que quadrantes ideológicos, desde Ramalho guagem que se originam, portanto, nos ro- soluto do Estado partidário criou sempre constituem a folha, deixando cortados irre- Eanes e Sá Carneiro, em 1980, numa altura mances de Agustina Bessa-Luís, relações es- um país silencioso, sem influência na vida gularmente os cantos de cada selo. Isto não em que ambos se digladiavam politicamen- pecíficas entre o dizer do pensamento e o social e pública. Receio que seja para aí que acontece com os outros dois tipos, em que te e defendiam projectos constitucionais di- dizer da arte que, morando nas montanhas caminhamos, porque pensar pela própria os quatro cantos ficam sempre cortados de ferentes para Portugal, até Cavaco Silva, em mais separadas, infinitamente se encontram”. cabeça não está na moda. Um dia disse maneira idêntica. Com efeito, a ferramenta 2006, passando por Freitas do Amaral, em Que movimentos inspirados conduzem Agustina de si própria: “Eu não sou justa, de pente tem, para além de uma fiada de 1986, e Jorge Sampaio, em 1996, neste últi- hoje a Europa, no campo das relações polí- ajuízo as coisas. Eu e a justiça somos pura cortantes, um conjunto de outras dispostas mo caso expressamente contra Cavaco ticas, sociais e económicas? Por que se fala coincidência; o facto de isto se repetir faz perpendicularmente – pente – que perfu- Silva, por não ter concordado com a forma tanto de espaços cinzentos e por que razão talvez o prodígio, mas não a certeza”. Eu ram uma carreira de selos em três dos seus como este então geriu, em relação aos seus as notícias são cinzentas? Como compreen- também não tenho a certeza de que ama- lados. Descendo sucessivamente de carrei- correligionários de partido, a apresentação der que, na passagem das estações do ano, nhã não vai fazer muito calor e de que não ra em carreira, fica toda a folha picotada. A da sua candidatura presidencial. Noto o em contra-maré com o clima (ou talvez voltarei a tirar a gravata. ferramenta mais completa é constituída por uma quadrícula de cortantes – grade – que numa só descida perfura toda a folha. Estabeleceu-se internacionalmente que POIS... Desabafava a Inês, briosa professora do ensino básico, num sms: «Estuporada esta profissão, de profes- começou a esmorecer. Veio pesada neblina das bandas da 5 de Outubro. De gente que, se calhar, nunca esteve diante de uma a medida de um denteado se exprime pelo número de dentes existentes num compri- mento de dois centímetros. Assim, quando sor!». turma. se diz que o denteado de um selo é 12, é 12 de Julho do ano da graça de 2006. E o país viu a reportagem televisiva dos porque tem 12 dentes por cada 2 cm de Briosa, a Inês. De uma dedicação ex- professores achincalhados até mais não. comprimento. Assim, D. 12 indica que o trema aos seus estudantes. Nenhuma falta Impotentes. Da 5 de Outubro parece que selo tem a medida igual nos quatro lados. de respeito, porque gosta do que está a lec- garantiram tratar-se de excepções. Raras. D. 12 x 11 ½ , o selo é denteado 12 no topo José cionar, transmite entusiasmo, tem brilho O país sabe que não. e na base e 11 ½ em ambos os lados. D. 12 d’Encarnação nos olhos. Cai, pesada, a neblina pelas bandas da 5 a 14, os selos têm várias medidas de dente- De há uns meses a esta parte, o brilho de Outubro… ado compreendidas entre 12 e 14. (In: Catálogo de selos postais 2004 pág. 8)
    • 22 MÚSICA DE 19 DE JULHO A 1 DE AGOSTO DE 2006 Os She Wants Revenge fazem a sua es- Musical Express”), os Dirty Pretty Things bretudo pelo punk rock, os Strokes são os Distorções treia em palcos portugueses depois de terem “aquecido” as audiências da digres- são a mais recente “coqueluche” do rock britânico, acabando de editar o seu registo principais responsáveis pelo renascimento do rock n’roll conjugando influências do movi- de estreia, “Waterloo to Anywhere”, que mento punk, naquilo que muitos designaram tem sido muito elogiado pela crítica. O pri- de movimento “pós punk”. meiro “single” retirado deste álbum, “Bang Um dos temas que mais tenho ouvido Bang You´re Dead”, chegou mesmo a rele- nos últimos tempos é a “cover” dos Vita- gar os Franz Ferdinand para o segundo minsforyou para “No Cars Go” dos cana- José Miguel Nora posto dos top’s de vendas. dianos Arcade Fire, alterando por comple- josemiguelnora@gmail.com Desde a edição do seu disco de estreia, “Is to a sua estrutura original, conseguindo um This It” em 2001, que os Strokes eram a “produto” marcadamente electrónico que, É já no próximo sábado, dia 22 de Julho, banda que eu mais ansiava ver ao vivo. Essa quanto a mim, suplanta o original. que vai ter lugar a edição 2006 do “Festival She Wants Revenge vontade ganhou consistência com a edição de Lisboa Soundz”. Depois de no ano passado “Room On Fire” no final do ano de 2003. nos ter brindado com bandas como os Franz são americana dos Depeche Mode. Estes Mas é na digressão de promoção do seu mais PARA SABER MAIS: - http://www.musicanocoracao.com Ferdinand e os Mogwai, este ano apresenta rapazes de Los Angeles fizeram uso do seu recente trabalho de originais, “First Impres- um cartaz verdadeiramente “arrasador”, em passado musical, em que o vocalista e gui- - http://www.thestrokes.com/ tarrista, Justin Warfield, era “rapper” e o - http://www.dirtyprettythingsband.com baixista e teclista, Adam “12” Bravin, era - http://www.shewantsrevenge.com um conhecido dj, assíduo nas festas das - The Strokes - “Is This It” (Rough Trade) maiores estrelas da NBA e de Puff Daddy. - The Strokes – “Room on Fire” (Rough De todo este “cocktail sonoro” resulta uma sonoridade em que os finais dos anos 70 e Trade) 80 e bandas como os Joy Division assumem - The Strokes – “First Impressions of um papel preponderante. Earth” (Rough Trade) Nascidos das “cinzas” dos Libertines, - Dirty Pretty Things – “Waterloo to Dirty Pretty Things mas sem Pete Doherty (que, após a mal su- The Strokes Anywhere” (Mercury) cedida experiência com os Babyshambles se - She Wants Revenge – “She Wants que se destacam: os She Wants Revenge, os encontra em Portugal na fase final de um sions of Earth”, que a banda liderada por Dirty Pretty Things e os The Strokes - assu- tratamento de desintoxicação e a iniciar a Julian Casablancas vem finalmente a Portugal. Revenge” (Geffen) mindo-se assim este cartaz como sério candi- gravação do seu primeiro trabalho a solo, Claramente influenciados por Buddy Holly, - Vitaminsforyou – “Desolé Monsieur dato ao melhor deste Verão em Portugal. como noticiou o semanário britânico “New Television e os Velvet Underground, mas so- Soleil” NOVO DISCO SAI ESTA SEMANA SEXTA-FEIRA À NOITE NA FNAC José Cid regressa com baladas “Trio Mediterrain” actua em Coimbra José Cid está de volta à edição discográfi- O Trio Mediterrain, um agrupamento ca com “Baladas da minha vida”, editado de câmara de que faz parte o violoncelista pela Farol, após cinco anos de ausência e português Bruno Borralhinho, apresenta numa altura de “redescoberta pelos mais jo- entre os dias 20 e 22 em Portugal o seu vens”, como disse à Lusa o cantor. CD de estreia, com obras de João Pedro O álbum, no mercado esta semana, inclui Oliveira, Nuno Corte-Real, Vasco Men- dois inéditos - “O melhor tempo da minha donça e Sérgio Azevedo. vida” e “Café contigo” - e revisita êxitos, As obras gravadas serão executadas como “Balada para Dona Inês”, “Na cabana pelo Trio em estreia absoluta, e na presen- junto à praia”, “20 anos” ou “Ontem, hoje e ça dos quatro compositores, em apresen- amanhã”. tações agendadas para as FNAC de “Não gravava um disco só meu há mais Lisboa (Colombo,dia 20, às 19:30), de cinco anos, o último foi em 2001 com os Coimbra (dia 21, às 18.30), Vila Nova de Quinta do Bill, o Paulo de Carvalho, Gaia (dia 22, às 16:00) e Porto (dia 22, Vitorino e o Waldemar Bastos, um disco que 18:00). passou despercebido”, disse o cantor. Como assinalou à Lusa Bruno Bor- “Baladas da minha vida” foi gravado o ralhinho, o disco, edição da etiqueta austrí- ano passado “de forma acústica e sem recur- aca CCR (Classic Concert Records), este- so a computadores, com a minha voz que é ve para ser gravado em Portugal, mas, a de sempre, mas diferente de onde a colo- porque “os apoios não surgiram a tem- cava nos anos 1970 e 1980”, explicou. po”, acabou por o ser em Berlim, em Cid afirmou que foi “redescoberto” pelos Maio. mais novos, e que hoje “até se podem diver- O Trio, composto, além do violoncelis- tir” com a sua música, “mas ouvem-na”. ta português, pela clarinetista catalã Laura O cantor recusou recentemente participar Ruiz Ferreres e pela pianista francesa Kim no Festival Sudoeste, “pois não garantia as Barber, conta com apoios de instituições condições para que apreciassem” a sua mú- como o Instituto Camões, embaixada sica. portuguesa na Alemanha, Fundação Ca- “Se fossem outras as condições teria acei- louste Gulbenkian e Caixa Geral de De- tado, num final de tarde e que estivesse em pósitos. palco com outros músicos”, disse. A viver na Alemanha há seis anos, Os dois espectáculos realizados no Borralhinho é violoncelista da Ópera esta- Maxime, em Abril, esgotaram. Aliás a corri- tal de Berlim mas, “a partir de Setembro”, da aos ingressos do primeiro obrigou aquela José Cid, 63 anos, está de volta com as ba- banda, “em várias localidades do país, com transitará para a Orquestra filarmónica de casa nocturna lisboeta a realizar um segundo ladas que mais gosta, a selecção das canções um registo de público diferente do Festival Dresden. espectáculo. foi sua, aguardando com “expectativa” o Sudoeste, mas também vibrante e jovem”. Laura Ferreres é primeira clarinetista da A imprensa salientou que Cid “conseguiu acolhimento do público. O álbum reúne 19 temas, gravados de Komischeoper (Ópera cómica) de Berlim arrastar um mar de gente eufórica a um O cantor popular afirma-se “ciente” do novo, entre eles, “São salvador do mundo”, e Kim Barber actua associada a diversas velho cabaré da Praça da Alegria”. que faz e não esquece que há cerca de 30 “Sonhador”, “O poeta, o pintor, o músico”, formações musicais. As críticas do cantor vão para “as rádios anos levou de vencida Elton John no uma homenagem a Federico García Lorca, O Trio realizou concertos e participou que não passam a música portuguesa” já que Festival de Tóquio. ou “Verdes trigais em flor”, mas não a can- em festivais de música em Portugal, Ale- “a crítica musical evaporou-se e hoje é ine- Para este Verão, José Cid tem agendado ção com que venceu o Festival RTP de 1980, manha, Itália e Brasil, entre outros países. xistente”. um conjunto de espectáculos com a sua “Um grande, grande amor”.
    • DE 19 DE JULHO A 1 DE AGOSTO DE 2006 INTERNET 23 IDEIAS DIGITAIS Imprensa Nacional – Casa da Moeda e a página terá valor jurídico e oficial idêntico à versão em papel. EINSTEIN ARCHOVES ONLINE Links relacionados: http://www.sta.mj.pt/ – Supremo Tribunal Administrativo http://www.snripd.pt/ - Secretariado Nacional para a Inês Amaral Reabilitação e Integração das Pessoas com Deficiência Docente do Instituto http://www.incm.pt/ - Imprensa Nacional – Casa da Superior Miguel Torga Moeda Diário da República electrónico endereço: http://www.dre.pt | categoria: serviço público FLICKR WORDS WITHOUT BORDERS O site permite o acesso gratuito a vários manuscritos que compõem os arquivos de Albert Einstein, depositados na Universidade Hebraica de Jerusalém. Em Einstein Archives Online os utilizadores podem navegar por docu- mentos que descrevem algumas das teorias postuladas pelo físico, como a teoria da relatividade – pela qual recebeu em 1921 o Prémio Nobel. A página contém uma base de dados de mais de três mil documentos manuscritos digitalizados e classificados. São artigos (alguns publicados, outros inéditos), rascunhos e A plataforma Flickr é um serviço de partilha de imagens cadernos com anotações científicas. Estão também dispo- que permite aos utilizadores criar fotoblogs (weblog cujo níveis diários de viagens e documentos pessoais, textos po- conteúdo principal são fotografias), apresentando algumas líticos que colocam em evidência a sua luta pela causa ju- ferramentas de edição das imagens, sistema de comentá- daíca e a sua actividade política. Há também uma galeria de rios, apontamento de notas directamente nas imagens, ca- O Words Without Borders propõe uma viagem pelo imagens, vídeos e documentos multimédia. O site disponi- tegorização de fotografias, tagging das imagens, estatísticas, mundo através da literatura dos quatro cantos do planeta. biliza ainda um mapa do site, com a apresentação de todo grupos de discussão. No site estão disponíveis excertos e obras completas de di- o material disponível e uma área de pesquisa pelos arquivos Apesar da ideia não ser nova e de existirem vários servi- versos autores internacionais, traduzidas para inglês por de Einstein. ços semelhantes na rede, o Flickr destaca-se pela positiva: uma equipa de escritores, tradutores e editores. oferece contas gratuitas, serviços pagos e uma interactivi- As obras disponibilizadas normalmente não são traduzi- Einstein Archives Online dade exemplar na Internet. A plataforma, que foi compra- das para inglês e estão divididas por continente e por géne- endereço: http://www.alberteinstein.info/ | categoria: da pelo Yahoo em 2005, destaca-se também pela quantida- ro. O Worlds Without Borders materializa a metáfora da ciência de e variedade de grupos de discussão. “aldeia global” dando a conhecer na rede outros mundos, culturas e pensamentos. Flickr HOW STUFF WORKS endereço: http://www.flickr.com | categoria: comuni- Words Without Borders dades virtuais, fotografia endereço: http://www.wordswithoutborders.org/ | categoria: literatura DIÁRIO DA REPÚBLICA ELECTRÓNICO BOLAS DE BERLIM Como é que as “coisas” funcionam? Este site explica tudo. Objectos, processos e mecanismos das mais diversas áreas são explicados neste site, até os fenómenos naturais. Desde o início de Julho que o Diário da República (DR) «Um blogue sobre quem fica e quem parte, sobre as saudades Por exemplo, no How Stuff Works podemos ficar a saber está online. A nova versão foi inaugurada pelo Governo que se sentem e as decisões que se tomam, sobre Berlim e Lisboa, como é que funciona o ar condicionado ou o que provoca com vista à desburocratização do Estado e enquadra-se no Lisboa em Berlim, Berlim em Lisboa. Das bolas de Berlim em si um tremor de terra. âmbito do Programa Legislar Melhor, com o propósito de pouco se fala. As de cá não prestam e o Muro caiu a 9 de O site é bastante interactivo, estando dividido por sec- permitir que cidadãos e empresas acedam aos seus conteú- Novembro de 1989.» É assim o weblog Bolas de Berlim, assina- ções e oferecendo fóruns de variadíssimos temas. Há ainda dos gratuitamente. A partir de 2007, o DR existirá em ex- do por Polliejean a partir da capital alemã. Há dois anos na rede, sondagens e destaques para os artigos e as pesquisas mais clusivo na web, já que a versão em papel vai desaparecer no o Bolas de Berlim é um blog sobre a vida de todos os dias da au- populares, factos e citações do dia. Nos últimos dias, sob a final deste ano. tora em terras germânicas. Polliejean mantém também um fotob- categoria “Good Will” e o tema “How the United Nations O site do DR permite pesquisar, consultar os arquivos, log, em alemão e português, com imagens de Berlim. Works”, o site pergunta aos seus utilizadores o que devem fazer cópias de edições, aceder aos contratos públicos e aos fazer os Estados Unidos para ajudar a resolver a crise no acórdãos do Supremo Tribunal Administrativo. Na página Links relacionados: Médio Oriente com a guerra declarada entre Israel e há ainda uma ligação para cidadãos com necessidades espe- http://www.dreiviertel-acht.blogspot.com/– dreiviertel Líbano. ciais. No entanto, para beneficiarem do acesso gratuito, acht devem contactar previamente o Secretariado Nacional para Bolas de Berlim How Stuff Works a Reabilitação e Integração das Pessoas com Deficiência. A endereço: http://bloguiejean.blogspot.com | categoria: endereço: http://www.howstuffworks.com/ | catego- gestão do site do Diário da República está a cargo da weblogs ria: gadgets
    • 24 T E L E V I S ÃO DE 19 DE JULHO A 1 DE AGOSTO DE 2006 PÚBLICA FRACÇÃO dirigiu durante largos anos no canal 2. Após a chegada do governo de Durão Barroso e pelo menos, um espaço de atenção à Cultura. Assim nasceu “Câmara clara”, na cima alternativo? Ou um canal de serviço público ainda mal definido para quem os das polémicas à volta da política para o sec- pior noite da semana para quem tem por mapas de audiências contam muito? tor audiovisual do Estado, o fim do hábito frequentar espectáculos e outros Inclino-me para esta segunda hipótese, se “Acontece” está ligado à célebre afirmação eventos culturais – a de sexta-feira. do então ministro Morais Sarmento: “O di- Ora “Câmara clara” optou, já agora para nheiro que a RTP gasta com o Acontece, marcar a diferença em relação aos seus an- Francisco Amaral dava para proporcionar uma volta ao tecessores, por um registo completamente Docente da ESEC mundo a todos os seus espectadores.” diferente. Desde logo pelo estilo de apre- O recado estava dado: o programa é sentação. Paula Moura Pinheiro, ausente Câmara clara muito caro e é visto por pouca gente. A po- dos écrans há um bom par de anos, acumu- O título de um livro de Roland Barthes – lémica arrastou-se durante umas semanas, la o cargo de sub-directora da Dois: com a “Câmara clara” – é agora utilizado para se mas o Acontece acabou mesmo. Depois, o de apresentadora de “Câmara clara”. Em designar o recente magazine da Dois: sobre noticiário cultural diário da Dois: passou a vez da postura sóbria de Anabela Mota a actividade cultural, os seus actores e pro- Magazine apresentado por Anabela Mota Ribeiro ou do cabotinismo mal disfarçado tagonistas, os acontecimentos e os projec- Ribeiro. Saltou de horário em horário, não de Carlos Pinto Coelho, Paula surge esfuzi- tos. se fixou e daí não se ter imposto. O querer ante, agitada, numa verdadeira mensagem obter resultados rápidos com programas próxima do “estão a ver como um progra- deste tipo é uma expectativa sempre falha- ma sobre Cultura pode não ser aborreci- não, o que estariam a fazer Marta Crawford, da. É preciso tempo e Anabela Mota do?”. “estrela do ABCSexo” da TVI, Pedro Ribeiro saltou tantas vezes de “sítio”, que Lá que “Câmara clara” tem um conjunto Ramos, em descarada publicidade à sua ca- os interessados acabaram por não saber de colaboradores brilhantes (em especial deia de bares “Amo.te”, mais uma daquelas onde encontrá-la. Ricardo Saló), é inegável. Que possui meios modelos-actizes (Liliana?) que nada diz de Fosse como fosse, e houve erros eviden- em estúdio que vão muito para além do ha- jeito, todos juntos na “Revolta dos pastéis tes como marcar dias da semana para cada bitual (incluindo público), também é verda- de nata”? área de expressão, o Magazine era sóbrio, de. Resta porém uma dolorosa dúvida: será equilibrado, procurando noticiar o que se que o programa convida quem convida por Diversos vai fazendo por todo o país. Claro que a os seus responsáveis julgarem esses convi- maioria das peças apresentadas se referiam dados como os mais interessantes para fala- Desta vez vai de férias, mas anunciou o a eventos em Lisboa ou, quanto muito, no regresso logo para a primeira semana de Porto, mas este é um problema mais vasto Setembro. Ao contrário do ano passado, para as possibilidades do Magazine. “O eixo do mal” da SIC-Notícias, tem ga- Um programa semanal (sextas-feiras às O Magazine terminou o seu percurso na rantida a “rentrée”. Embora revelem cansa- 22.30, com repetição aos sábados depois Dois: remetido para um horário que muitas ço e alguma falta de inspiração nos últimos das duas da tarde), que veio substituir o vezes ultrapassava a uma da manhã. Um programas, os “maus” já conquistaram um Magazine que, diariamente, garantia a infor- programa quase minimalista em estúdio, público certo e a SIC não facilita. mação sobre essa coisa incómoda para os sentia-se mal amado. Ainda a SIC-Notícias, seguindo a fórmu- media que é a actividade cultural. Com a entrada do novo director da la de captação de audiências, num dos últi- Estes programas de informação cultural Dois:, o noticiário cultural passou a desen- mos Jornais de Sábado, entregou, certeiros, na RTP, estão marcados indelevelmente volver-se num pequeno período do final do 20 minutos consecutivos de desgraças, aci- pelo “Acontece” que Carlos Pinto Coelho Jornal das 22. Mas era necessário manter, dentes, catástrofes e até de meros faits-di- vers sociais, como a fuga de uma casa de acolhimento (em regime aberto!) de uma jovem adolescente. TROPA DE SOUSA rem sobre o assunto em debate, ou aqueles Por fim, está na altura de se observar Clínica Geral convidados estão a ser utilizados para cha- com mais cuidado os espaços de opinião Medicina Estética mar audiências? No último programa, das televisões portuguesas. Cada um dá a Acupuntura sobre “o riso”, Ricardo Araújo Pereira e opinião que entender. Resta saber se todos Ana Bola foram os convidados. Ricardo é, os sectores de opinião têm o mesmo trata- VIRGÍLIO CARDOSO Ginecologia / Obstetrícia sem dúvida, o expoente máximo do “riso mento. Eu adianto a resposta: não têm. Laser Yag Vascular (Varizes) CRISTINA FERREIRA português” actual. Ana Bola, que para além Embora seja um território incómodo por GINECOLOGIA / OBSTETRÍCIA LUÍSA MARTINS da série “A mulher do sr. Ministro”, tem vi- onde passar, tentarei aqui, proximamente, Laser de Depilação definitiva Kromoterapia vido na sombra de Herman José, está longe sem detector, mostrar onde estão as minas PEDRO SERRA Laser de Luz Pulsada (Trat. Estética) PODOLOGISTA Florais de Bach de ser uma comediante de topo, embora se e várias armadilhas. RENATA MARGALHO lhe reconheça uma louvável atitude de jogar Endermologia (LPG) MARIA TERESA PAIS Psicologia Clínica bem com os equívocos do mainstream. Pressoterapia MEDICINA DENTÁRIA Há qualquer coisa de falso em “Câmara LUÍS MIGUEL PIRES clara”. Pelo meio das conversas leves à Ozonoterapia (Trat. por Ozono) TÂNIA SOUSA Terapia Ocupacional mesa do estúdio, os responsáveis sentem a ESTETICISTA Osteopatia Dermo Abrasão (Limpeza de Pele) necessidade de introduzir peças “sérias”. PAULO SOUSA NUNO CARVALHO Por exemplo, no programa sobre o “riso”, Mesoterapia MASSAGISTA Hipnoterapeuta Luísa Costa Gomes foi chamada a intervir Implantes para Rugas (Biopolímeros) para falar sobre o “riso” na literatura FERNANDO KUNZ JOÃO CALHAU “séria” portuguesa. Tratamentos por Esteticista Nutricionista OPERADOR LASER Assim, a “Câmara” está ainda pouco clara. Urbanização da Quinta das Lágrimas, lote 24 R/C As interrogações sobre os caminhos da Santa Clara, 3020-092 Coimbra Dois: mantêm-se. O que está em causa? Telf. 239 440 395-Fax. 239 440 396 Telm. 919 992 020 / 964 566 954 / 933 573 579 Um canal de serviço público e ainda por