Já pensou




                                                                                   LUSO
                    ...
2 Opinião                                                                                                                 ...
LusoJornal n°156 _ 28/02/2008                                                                                             ...
4 Municipais                                                                                                              ...
LusoJornal n°156 _ 28/02/2008                                                                                             ...
LUSO JORNAL – França – 28.02.2008
LUSO JORNAL – França – 28.02.2008
LUSO JORNAL – França – 28.02.2008
LUSO JORNAL – França – 28.02.2008
LUSO JORNAL – França – 28.02.2008
LUSO JORNAL – França – 28.02.2008
LUSO JORNAL – França – 28.02.2008
LUSO JORNAL – França – 28.02.2008
LUSO JORNAL – França – 28.02.2008
LUSO JORNAL – França – 28.02.2008
LUSO JORNAL – França – 28.02.2008
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

LUSO JORNAL – França – 28.02.2008

3,084

Published on

Versão integral da edição do “Luso Jornal”, jornal bilingue dos portugueses em França. 28.02.2008.

Para saber mais sobre a arte e as técnicas de titular na imprensa, assim como sobre a “Intertextualidade”, visite http://www.mediatico.com.pt/manchete/index.htm (necessita de ter instalado o Java Runtime Environment), e www.youtube.com/discover747

Visite outros sítios de Dinis Manuel Alves em www.mediatico.com.pt , www.slideshare.net/dmpa,
www.youtube.com/mediapolisxxi, www.youtube.com/fotographarte, www.youtube.com/tiremmedestefilme, www.youtube.com/discover747 ,
http://www.youtube.com/camarafixa, , http://videos.sapo.pt/lapisazul/playview/2 e em www.mogulus.com/otalcanal
Ainda: http://www.mediatico.com.pt/diasdecoimbra/ , http://www.mediatico.com.pt/redor/ ,
http://www.mediatico.com.pt/fe/ , http://www.mediatico.com.pt/fitas/ , http://www.mediatico.com.pt/redor2/, http://www.mediatico.com.pt/foto/yr2.htm ,
http://www.mediatico.com.pt/manchete/index.htm ,
http://www.mediatico.com.pt/foto/index.htm , http://www.mediatico.com.pt/luanda/ ,
http://www.biblioteca2.fcpages.com/nimas/intro.html

Published in: Technology, Travel
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
3,084
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
20
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

LUSO JORNAL – França – 28.02.2008

  1. 1. Já pensou LUSO em receber o LusoJornal em sua casa? Preencha e devolva o cupão no interior Le journal bilingue des Portugais de France GRATUIT N°156 - le 28 février 2008 P.3: Provedor Cimeira Franco-Portuguesa em Lisboa DR O Provedor de Justiça admite intervir se não forem criadas Permanências consulares em Versailles. P.3: Teresa Chopin com François Fillon e José Sócrates LusoJornal - José Lopes Salvou o filho das prisões tunininas, mas Omar aca- bou por falecer na Somália. P.9: Jorge Ferreira DR O cantor português radi- cado nos Estados Unidos, Lusa - Miguel A. Lopes faz mais uma digressão em França.
  2. 2. 2 Opinião LusoJornal n°156 _ 28/02/2008 Fiche technique Artigo de opinião Luso Jornal Os ex-militares e ex-combatentes emigrantes foram, Edité par : Aniki Communications Directeur : Carlos Pereira e continuam a ser, manipulados e enganados!... Apesar de me ter encontrado me- actual deve ser sempre a mesma... Commercial : LusoJornal (France), nos activo actualmente ao seio da Mas quero também salientar que Ana Durão (Portugal) ARMCPF [ndr: Associação dos a nossa Associação é única no Distribution : José Lopes, Reformados e dos ex-Militares/ex- mundo que possui três Conselhei- Esperança Patricio Combatentes portugueses de ros das comunidades e também Assistante de rédaction : Clara França] devido a problemas de de nada valeu!... Teixeira saúde, tenho todavia sido frequen- Em conjunto com a Comissão dos Photos : José Lopes temente solicitado por parte de ex-militares do Luxemburgo, foi certos camaradas ex-combaten- enviada uma carta aberta ao Se- Rédaction :Alfredo Cadete, Ma- tes, à procura de saber o ponto da nhor Primeiro-Ministro José Só- nuel Martins, Carla Catarino, lamentável situação actual, a pro- crates [ndr: devidamente divulga- mónica Fins, Eunice Martins, Eva pósito da contagem do tempo do da no LusoJornal], e até hoje a Pereira (Lyon), Maria Fernanda serviço militar para reforma, pro- única resposta que nos foi dada é Pinto, Natércia Gonçalves (Cler- metido várias vezes depois de al- que a carta tinha sido recebida!... mont-Ferrand), Jorge Campos guns anos pelos nossos Governos Caros compatriotas, (Lyon) sucessivos!... O combate pelos nossos direitos E para que não haja equívoco, re- e contra a desigualdade de que so- Collaborateurs : José Coelho pito mais uma vez, o que nós re- mos vítimas, vai continuar, mas in- (juridique), José Sarmento (Pim- clamamos não é uma esmola, mas felizmente e escandalosamente, polho), Esperança Patrício, Sylvie apenas poder contar para a re- parece-me que o Governo está à Crespo, Sandra Silva, José Rego forma, os anos que passámos na espera da nossa morte, até que só (Nice), Carlos da Silva (Compiè- tropa e na ‘Guerra’, para juntar cá fiquem meia dúzia deles, dos gne), Duarte Pereira, Manuel de àqueles trabalhados no país onde milhares que continuam à espera. Sousa Fonseca. nos encontramos... A comunicação social do nosso Na tropa não fomos nem andamos país, talvez impedida pela mão de Les auteurs d'articles d'opinion clandestinos. Reconheceram que Deus... também nos vai esque- prennent la responsabilité de tínhamos razão, daí uma lei foi cendo, não nos apoiando como leurs écrits. DR votada e aprovada (21/2004) mas ■ António Cerqueira já foi Presidente da ARMCPF anteriormente!... não regulamentada, e injustamen- É certo que pertencemos à classe Pagination: LusoJornal te depois de tanto tempo ainda vida, muitos estão numa situação Em 23 de Novembro de 2005 fo- baixa, estamos a ficar bastante ve- Agence de presse: Lusa não fomos inscritos na Segurança difícil, mas todos continuam a mos recebidos pelo Senhor Secre- lhos e com menos importância, Social... amar a nossa Pátria. tário de Estado das Comunidades mas somos todos filhos da mesma Siège social: 47, Bd Stalingrad Finalmente, olhando a esta atitude As perguntas são sempre as mes- Portuguesas, Dr.António Braga, na mãe, combatemos como os ou- 94400 Vitry sur Seine absurda e escandalosa, acabo por mas: quem sabe quando será regu- Embaixada em Paris, onde nos tros, e por isso merecemos a mes- 479 050 726 RCS Créteil dizer aquilo que muitos pensam: lamentada a lei votada em 2004? afirmou que o Governo apresen- ma igualdade e os mesmos direi- os Heróis foram aqueles que con- Estará para breve? Virá a tempo taria um diploma relativo aos ex- tos. Rédaction: seguiram escapar-se e não aceita- para mim? Caso contrário ficarei combatentes emigrantes até ao Depois destas poucas informa- 16 boulevard Vincent Auriol rem fazer essas miseráveis guer- com uma reforma bem pequena e final desse mesmo ano. Continua- ções, cada um que tire as suas 75013 Paris ras, porque estes há muito que vi- de miséria... etc. etc. mos ainda hoje à espera... conclusões. Continuemos o nosso Tel. 01 53 79 21 20 ram o seu problema resolvido! Temos sido enganados escandalo- Recentemente, e sempre da boca combate e vamos pedindo ajuda, No entanto, seja qual for a nossa samente com promessas sem ver- da mesma pessoa, foi dito que o nas boas ocasiões, àqueles que Fax 01 53 79 21 63 situação, merecemos o mesmo gonha, mentiras, mais mentiras, e problema estava a ser estudado! nos apoiam. E-mail: contact@lusojornal.com respeito e os mesmos direitos e a sempre mentiras... dizendo que O Senhor Secretário de Estado www.lusojornal.com mesma igualdade de tratamento. está quase pronto, para muito bre- das Comunidades só nos tem Emigrámos por necessidade e mi- ve, e até mesmo iminente!... mentido desde que entrou para o ■ António Cerqueira séria, outros para melhorar a sua Alguns exemplos: Governo, e claro que a intenção Membro da direcção ARMCPF 10.000 exemplaires Impression : Imprimerie Corelio (Belgique) Artigo de opinião LusoJornal est gratuit Hermano Sanches Ruivo não será o primeiro eleito em Paris Mais je peux le recevoir chez Uma mentira constantemente repe- Paris de António Costa, Presidente moi, par courrier, tranquillement. tida não deixa de ser mentira. Mas da Câmara de Lisboa, que aqui torna-se muitas vezes necessário re- esteve para tratar questões de tra- Pour cela, je retourne le coupon- por a verdade. É isso que vamos ten- balho relacionadas com experiên- réponse ci-dessous. tar fazer. cias urbanísticas e também para assi- Acabamos a semana com a visita a nalar o 10° aniversário do acordo de amizade Paris/Lisboa, tendo aprovei- tado o fim do dia de quinta-feira pa- Abonnement ra «dar uma mãozinha» na campa- nha de Hermano Sanches Ruivo. ❏ Oui, je veux recevoir chez moi, Até aqui tudo certo, tudo normal, tudo politicamente correcto. 20 numéros de LusoJornal (20 euros) O problema aparece quando para 50 numéros de LusoJornal (50 euros). ✁ apresentar o candidato Hermano Participation aux frais Sanches, o Senhor António Costa afirmou que,e sublinho,se for eleito Mon nom et adresse complète (j’écris bien lisible) este candidato luso-descendente faz com que pela primeira vez, um por- DR tuguês luso-descendente é eleito ■ Mário Ribeiro diz que Bruno Fialho foi eleito de Paris, antes de Hermano Sanches Ruivo Nom Prénom por Paris. dades portuguesas conhecem os os trabalhos do Conselho das Comu- É falso e intolerável que um Presi- eleitos luso-descendentes, estão pu- nidades Portuguesas? Adresse: dente de Câmara,que para além des- blicados, distribuídos, analisados, Que o Senhor Delanoë apresente es- Code Ville tas, exerceu funções de grandes res- etc, então o Senhor António Costa ta candidatura como alguém com ponsabilidades governamentais, des- que foi Ministro da Administração convicções, muito bem. Mas que o Tel. : conheça que Paris tem no XVIII Interna, que há mais de 30 anos cir- Senhor António Costa esteja sem Ma date de naissance: bairro,o Bruno Fialho,vice-Presiden- cula nos Gabinetes Ministeriais, des- memória, possivelmente extensiva a te de Câmara, eleito há mais de 12 conhece isto? toda a governação, parece-nos evi- anos pela listas do PCF, com o pe- Será que desconhece que o Bruno dente. louro do desporto, que faz parte in- Fialho também foi eleito em Lista do Ainda bem que na emigração nem J’envois ce coupon-réponse avec un chèque à l’ordre de LusoJornal, à tegrante da maioria do Senhor De- Conselho das Comunidades Portu- todos comem gato por lebre. l’adresse suivante : lanoë, e que é ele também luso-des- guesas? Que foi ele quem na Assem- LusoJornal cendente. bleia da República em 1997, num ■ Mário Ribeiro 16 boulevard Vincent Auriol 75013 Paris Mais, todos sabemos que as autori- Governo do Partido Socialista, abriu PCP/Paris LusoJornal 156
  3. 3. LusoJornal n°156 _ 28/02/2008 Comunidade 3 Queixa por não publicação do despacho de encerramento foi rejeitada Primeiro Encontro Provedor da Justiça admite intervir mundial de pes- soas com deficiên- se não houver permanências consulares em Versailles cia das Comunida- O Provedor de Justiça já respondeu ções políticas, dentro do Governo e ao Colectivo de Defesa dos Con- entre este e os cidadãos afectados, des portuguesas sulados de Portugal, no seguimento admito como possível uma interven- da queixa apresentada por este ção minha que clarificasse as razões O primeiro Encontro mundial de grupo de cidadãos contra o encerra- desse procedimento que se invoca» pessoas com deficiência das Co- mento dos Consulados de Portugal escreve o provedor Nascimento munidades portuguesas vai ter em França. «Estamos surpreendidos Rodrigues. lugar entre os dias 3 e 11 de pela rapidez da resposta» disse ao Mas o provedor diz que «para já […] Maio, na Pousada da Juventude LusoJornal, António Fonseca, porta- parece-me prematura qualquer inter- de Almada. As inscrições estão voz do Colectivo. «Isso reconforta- venção da minha parte» isto porque abertas até ao dia 29 de Feve- nos porque mostra qua ainda há ins- o Consulado de Versailles apenas reiro e a ficha de inscrição está tituições que funcionam em Portu- encerrou há quinze dias. disponível no site internet da gal e por outro lado, mostra que fize- O Provedor considera que não se Secretaria de Estado das Comuni- mos bem em escrever ao Provedor». justifica a sua intervenção «se se dades Portuguesas. Os membros do Colectivo acusavam anunciasse um período intermédio, Esta iniciativa «pretende dar aos o Governo de estar a encerrar Con- curto, de ausência de presença con- jovens portugueses e luso-des- sulados sem que o Despacho de sular em Versailles. Por exemplo, po- cendentes portadores de defi- encerramento tivesse sido publicado deriam existir razões que justificas- ciência que residem no estran- no Diário da República, mas o Pro- sem essa ausência por uma ou duas geiro, a oportunidade de visitar vedor de Justiça, na carta enviada a semanas, o que de todo descon- DR Portugal» diz uma nota divulgada António Fonseca diz que «Ao contrá- ■ Reunião de defesa do Consulado de Versailles, em Montesson (foto de arquivo) heço». na semana passada pela Embai- rio do que V. Exa afirma, mas que conjunto de regras, dotadas de gene- de Maio, fazer «permanências consu- O Provedor aguarda agora, como xada de Portugal no Luxembur- pacificamente não está na norma ralidade e abstração. Não estão aqui lares semanais» nos postos encerra- solicitou, que os membros do go. legal citada, não é verdade que o incluídos os simples Despachos […] dos. Ora, no Consulado de Portugal Colectivo o informem, se continua- Segundo a mesma nota, serão de- Despacho que concretamente extin- que apenas consubstanciam deci- em Versailles, recentemente encer- rem a não existir permanências con- batidos temas como o papel das ga postos consulares deva ser objec- sões administrativas, ou seja, indivi- rado, não se conhecem quaisquer sulares no Consulado de Portugal instituições de solidariedade so- to de publicação, designadamente duais e concretas». Por essa razão, o permanências consulares semanais. em Versailles. cial e o voluntariado nas Comuni- na II série do Diário da República». Provedor de Justiça conclui que «não Sobre esta queixa, o provedor de Para apurar as intenções do actual dades portuguesas, a acessibilida- A carta,à qual o LusoJornal teve aces- tem fundamento a alegação produ- Justiça diz que o Colectivo ainda não chefe de posto, o LusoJornal solici- de em várias cidades da Europa e so,fundamenta,sempre com recurso zida» pelo Colectivo de Defesa dos tem razões para concluir que não há tou uma entrevista ao Cônsul-Geral do resto do Mundo, a empregabi- à Constituição e às Leis portuguesas, Consulados. permanências consulares. «Embora de Portugal em Paris, que declinou o lidade e inserção profissional, os que «a norma legal só impõe a publi- O Colectivo também apresentou não se possa considerar que tal situa- convite. apoios técnicos e financeiros pa- cação dos despachos normativos queixa pelo facto do Governo ter ção, a verificar-se, tornaria ilícito o ra a prática do desporto, a reabi- dos membros do Governo, ou seja, prometido, na Resolução do Con- encerramento determinado, antes litação e os principais obstáculos aqueles actos que contenham um selho de Ministros n°66/2007, de 7 tudo se jogando no plano das rela- ■ Carlos Pereira sentidos por estas pessoas para que tenham uma participação Omar Chendli foi salvo das prisões tunisinas mas faleceu na Somália plena na sociedade. A Secretaria de Estado das Co- Teresa Quintas Chopin vai escrever livro sobre o filho munidades Portuguesas nunca envia informações, deste ou de A portuguesa Teresa Quintas Cho- bora dessa maneira, mas disse-me outro tipo, para os órgãos de co- pin, mãe de um suspeito de terro- que estava feliz e que iria regressar a municação social – menospre- rismo islâmico, está a preparar um França», disse, acrescentando que zando assim a sua existência – livro sobre a vida do seu filho,morto Omar começou a telefonar com re- mas desta vez, no momento em em 2007 na Somália, durante a inva- gularidade. que se fecha esta edição do são do país pela Etiópia, revelou à Depois do telefonema feito pelo Na- LusoJornal e a alguns dias do en- Lusa. tal, Teresa Quintas Chopin nunca cerramento das inscrições, a Em- Omar Chlendi, filho de pai tunisino mais teve notícias do filho até que baixada de Portugal em França e mãe portuguesa, morreu a 8 de em Julho de 2007, a Organização também não divulgou esta infor- Janeiro de 2007 na Somália, onde se Não-Governamental Human Rights mação. encontrava numa alegada missão Watch lhe comunicou que Omar ■ www.secomunidades.pt humanitária, quando a Etiópia inva- Chlendi tinha morrido. «Ele morreu diu aquele país e expulsou as milí- a 8 de Janeiro, mas só soubemos cias islâmicas que o governavam. muito mais tarde, quando umas pes- De acordo com Teresa Chopin, que soas que estavam presas na Etiópia e A FNAC vai abrir reside há mais de 30 anos em testemunharam tudo foram liberta- França, o filho foi vítima de «uma das. Parece que as forças etíopes ata- mais três lojas em bala perdida». caram a Somália, o grupo humanitá- Portugal «Quero escrever um livro a contar rio onde estava o meu filho fugiu, toda a história.Vai ser como uma te- mas ele levou com uma bala perdi- A FNAC vai abrir mais três lojas rapia para mim. Já tenho muito ma- da. Foi o único. Os outros atravessa- em Portugal até ao final deste terial e penso que pode ser útil tam- ram a fronteira para o Quénia, mas ano, uma das quais já em Abril, bém para outras pessoas», disse Te- ele não conseguiu», afirmou. em Viseu. As outras duas (em resa Quintas Chopin por telefone à «E a minha cólera torna-se ainda Lisboa e em Matosinhos) vão DR (Arquivo) Agência Lusa.A portuguesa garantiu mais intensa quando penso em abrir no segundo semestre de ainda que o seu filho não era o ter- Omar Chlendi que nos deixou na ■ Teresa Quintas Chopin com o filho Omar Chlendi quando este saiu da prisão tunisina 2008 e até 2011 a FNAC tenciona rorista que as autoridades tunisinas Somália e em todos os náufragos inaugurar mais cinco, elevando o acusaram de ser. «Nunca ninguém das sob tortura, foram a principal tros, para se encontrar», disse à Lusa. dos barcos da morte e em todos para vinte o número das suas provou a acusação de terrorismo, prova contra eles», denunciou a AI. De acordo com Teresa Quintas Cho- aqueles ceifados pelos campos de lojas em Portugal. tanto que o tiraram da prisão e ele Quando saiu da prisão, aos 23 anos, pin, desde que regressou a França, o treino militar sabe-se lá Deus onde» - A primeira loja da FNAC em não cumpriu os (13) anos a que foi regressou com a mãe para França, seu filho nunca se conseguiu adap- ainda hoje, o nome de Omar Chlen- Portugal abriu no dia 28 de condenado», sublinhou. mas nunca se conseguiu integrar. tar «à rotina de um jovem normal». di circula por blogs da Tunísia,como Fevereiro de 1998, em Lisboa, e Omar Chlendi foi acusado de incitar A portuguesa acredita que os três «Ele estava inscrito na faculdade, este astrubal.nawaat.org. desde então, apareceran mais a actos de terrorismo pela Internet e anos que o filho passou na cadeia fo- tinha um emprego, mas não se con- Os restos mortais de Omar Chlendi onze no país, desde Braga ao chegou a cumprir três anos de pri- ram os grandes responsáveis pelo seguia adaptar. De um dia para o ficaram na Somália, «enterrados nu- Funchal. são na Tunísia por esse crime. Se- seu destino porque «se não tivesse outro - a 1 de Novembro de 2006 - ma vala comum» porque Teresa Fundada em 1954 em França, a gundo o relatório de 2007 da Amnis- sido a prisão, ele teria sido uma pes- foi-se embora com a mão no bolso, Quintas Chopin abdicou de o levar FNAC está hoje presente numa tia Internacional (AI), Chlendi foi soa como as outras». sem saco, sem mala, sem se despe- para França. «Seis meses depois o dezena de países, incluindo o preso com mais cinco homens, to- «Foi a prisão que fez com que o meu dir», relatou a portuguesa que só que é que restava? O que me iriam Brasil, e assume-se como «líder dos originários da cidade de Zarzis, filho ficasse assim.Ele foi muito mar- duas semanas depois recebeu um dar eram ossos que nem saberia se europeu na distribuição de bens no sul da Tunísia e condenados por cado por aquele país. Não podia telefonema do filho a dizer que es- eram os do meu filho», explicou. culturais e de lazer». práticas terroristas «depois de um convencer-se de que a vida dele tava na Somália numa missão huma- julgamento injusto». seria normal, por isso, tinha de fazer nitária a «ajudar os pobres». «As confissões, alegadamente obti- qualquer coisa para ajudar os ou- «Pediu-me perdão por se ter ido em- ■
  4. 4. 4 Municipais LusoJornal n°156 _ 28/02/2008 Direitos Candidate sur une liste unique Humanos: França Nathalie Tomaz sure d’être reélue à Mondeville atribui prémio a La luso-descendante, Nathalie To- 28 ans, maman d’un petit garçon maz, fait partie de la liste PS à la qui comprend bien le portugais, rede moçambi- Mairie de Mondeville (14).Actuel- elle se rend au Portugal tous les cana contra abuso lement Conseillère Municipale, ans, pays auquel elle reste très elle s’occupe du secteur commu- attachée. Traductrice anglais-por- sexual de crianças nication. «Tout a démarré quand tugais-français, elle donne des j’avais à peine 21 ans, je me suis cours de portugais une fois par A Rede CAME, um organismo inscrite en 2001, j’étais une des semaine dans une association moçambicano que combate o plus jeunes de France et j’ai été multi-culturelle. «A la maison on a abuso sexual de menores, foi élue. J’avais déjà fait partie avant toujours parlé en portugais avec distinguida na terça-feira desta du Conseil municipal des jeunes. mes parents et depuis l’âge de 14 semana, com o Prémio Direi- Le Maire est venu alors me sollici- ans je voulais être traductrice», se tos do Homem da República ter pour que j’intègre sa liste souvient-elle en souriant. Francesa. pour ces élections, ce que j’ai aus- Pas toujours facile de conjuguer «A França atribui vários pré- sitôt accepté», explique la jeune sa vie privée avec son métier et la mios no âmbito dos Direitos femme. Mairie. «Cela me plaît, cela prend Humanos e o prémio da CAME Mais la particularité de ces élec- énormément de temps et par é o do encorajamento, para tions à Mondeville c’est sans dou- conséquent beaucoup d’organisa- fortalecer o trabalho que está te le fait d’avoir une seule liste. tion. J’ai la chance que mon mari desenvolvido», disse à Agência «La ville a toujours été de gauche, m’aide beaucoup et ma famille Lusa o adido de cooperação da cela s’explique un peu à cause me soulage aussi», confie-t-elle au Embaixada de França em Mo- d’une usine de métallurgie où il y LusoJornal. Nathalie Tomaz ne çambique, José da Costa. avaient beaucoup d’Italiens et de connaît pas très bien la commu- De acordo com o adido, um Polonais. Avant il y avait deux lis- nauté portugaise de Mondeville. dos factores levados em consi- tes, le PS et le PC qui n’ont jamais «Je sais pas trop si il y a beaucoup deração para a atribuição des- été en opposition, seulement de Portugais ou non, tout ce que DR te prémio é o facto da CAME peut-être dans les années 70, mais je sais c’est qu’il en a 4 inscrits, ■ Nathalie Thomas, candidate à Mondeville dedicar o ano em curso à luta cette année les deux listes ont fu- aux dernières élections il y en contra o tráfico humano. «To- sionné», explique-t-elle. Pas de elle est originaire (côté mater- ding, plus de commerces, soute- avait que deux. Mais à Caen, les dos os anos, a Rede CAME tem surprise donc pour Nathalie To- nel). «Le jumelage est en cours de nir davantage les associations cul- Portugais ne sont guère plus temáticas e, este ano, uma de- maz «on perd un peu de légiti- négociation, cela prend du temps, turelles, la médicalisation du impliqués, ce qui est dommage». las é a questão do tráfico hu- mité, car on sait qu’on va être for- mais on a commencé les échan- foyer qui pourra alors accueillir Poursuivre le jumelage entre mano», disse José da Costa. cément élus. On aurait aimé une ges, l’année dernière un groupe des personnes âgées qui ont des Mondeville et la ville portugaise O adido de cooperação sublin- liste opposée, mais c’est comme de français est parti là-bas, cette traitements lourds, la rénovation fait partie de ses principaux pro- hou ainda que a CAME vai inci- ça». année c’est aux Portugais de du stade et du gymnase, tout cela jets. dir o seu trabalho sobretudo Nathalie Tomaz a pu mettre en venir nous rendre visite». fait partie des projets pour cer- no apoio psicológico às víti- place un jumelage entre Monde- Construire une médiathèque, des tains déjà amorcés. mas do tráfico humano, nos ville et Vila Velha de Ródão d’où logements sociaux et de stan- Nathalie Tomaz est née à Caen, à ■ Clara Teixeira cuidados de saúde e a retirar pessoas do tráfico. Depois de analisar o trabalho desenvolvi- Primeiro português candidato em ‘território’ de Nicolas Sarkozy do pela CAME, a «Secretária de Estado francesa com a pasta Carlos Filipe candidato em Neuilly-sur-Marne dos direitos humanos achou Carlos Filipe enveredou recente- na escrita, participou na criação e por bem entregar-lhe este pré- mente pela política. Emigrante há tradução do «Livro de Ouro do mio», indicou José da Costa. 20 anos, este português originá- Rolls-Royce», e mais recentemen- A CAME foi criada para res- rio de Torres Vedras, Lisboa, é can- te escreveu o livro «O Vértice do ponder às recomendações do I didato pela lista da UMP em Caractere», um livro de poesia, Congresso Mundial Contra a Neuilly-sur-Seine. editado pelas Edições Lanore que Exploração Sexual Comercial Convidado a integrar o partido saiu em Junho do ano passado, da Mulher e Criança, que se pelas mãos de David Martinon, co-escrito com Manuel de Sousa realizou em Estocolmo, em que recentemente afastou-se da Fonseca. 1996. A rede defende uma liderança da lista devido a seque- Aliciado por este novo papel polí- sociedade Moçambicana na las internas, Carlos Filipe é o pri- tico numa cidade como Neuilly- qual a criança participa no seu meiro candidato português a apa- sur-Seine, este português consi- desenvolvimento, livre de recer nas listas de Neuilly-sur-Sei- dera que integra já uma lista ven- qualquer forma de abuso. Por ne. cedora. «A priori a lista do UMP isso, pretende garantir o res- Este comercial de profissão, vive em Neuilly-sur-Seine será a vence- peito dos Direitos da Criança e intensamente as suas raízes e dora».Apesar de não ter verdadei- a rejeição de qualquer forma cedo se aproximou da Associação ramente ideais políticos de di- de discriminação. Cultural Portuguesa de Neuilly reita ou de esquerda, acredita na sur Seine, na qual já colabora há política «dos homens». «Conside- sensivelmente 10 anos. Esta asso- ro que o actual cabeça de lista, ciação, da qual Carlos Filipe é vi- Arnaud Teullé tem realizado um ce-Presidente, aposta essencial- bom trabalho na cidade, acredito 01.53.79.20.21 mente na cultura e no ensino do nos seus projectos, e por isso fico LusoJornal - José Lopes português. No decorrer deste ano contente em participar nesta lis- www.lusojornal.com já tiveram mais de 60 alunos. O passo seguinte é colocar o ensino do português nos colégios de ■ Carlos Filipe, candidato em Neuilly-sur-Seine ta». É de salientar que Arnaud Teullé foi o único candidato que apoiou durante mais de 20 anos Neuilly-sur-Seine, proposta que nesta cidade o actual Presidente deverá estar concluída já no pró- anos correspondente do jornal passou pelo Jornal «Encontro das da República Nicolas Sarkozy, e ximo ano lectivo. Nas suas ambi- desportivo «A Bola» em França, Comunidades Portuguesas».Ainda que conseguiu aumentar os ade- ções pessoais e associativas, está rentes de 350 a 3.800 na lista o sonho de criar um Instituto de UMP desta cidade. Língua Portuguesa. «Gostaria mui- to de conseguir realizar este so- nho de poder construir um Ins- Candidatos Carlos Filipe conclui «na lista da UMP em Neuilly-sur-Seine existe uma abertura política de esquer- tituto de Língua Portuguesa, mas O LusoJornal está à procura dos candidatos portugueses da e de direita que é bem explí- isso passa por questões governa- e luso-descendentes às eleições municipais de 2008. cita, tal e qual a representativi- mentais, e por um sistema buro- dade do Governo de Sarkozy». crático que não é fácil de desen- Diga-nos quem são os candidatos portugueses volver». da cidade onde reside. Carlos Filipe nunca deixou de es- tabelecer um contacto assíduo Tel.: 01.53.79.20.21 com Portugal. Foi durante 11 ■ Mónica Fins
  5. 5. LusoJornal n°156 _ 28/02/2008 Municipais 5 Encontro com a Comunidade portuguesa no dia 29 de Fevereiro Luso Planet quer Paulo Marques candidato a ‘Maire-Adjoint’ em Aulnay criar a lista dos Paulo Marques oficializou na pou nas campanhas para a elei- candidatos portu- semana passada a sua candidatura ção dos Presidentes Jacques para a vice-presidência da Chirac e Nicolas Sarkozy, foi can- gueses às eleições Câmara municipal de Aulnay-sous- didato em Paris para as regionais municipais Bois. O autarca candidata-se pela de 2004 e quatro vezes à mairie quarta vez, tendo sido candidato de Aulnay-sous-Bois. Desta vez dá O site internet Luso Planet to- em 1989 com apenas 19 anos. encontro aos portugueses de mou a iniciativa criar a lista de Com 13 anos de experiência Aulnay-sous-Bois na próxima todos os candidatos portugueses como Deputado municipal, Paulo sexta-feira, dia 29 de Fevereiro, na e luso-descendentes para as pró- Marques terá, com a sua eleição, sede de campanha de Gérard ximas eleições municipais de tarefas acrescidas no executivo Gaudron. Nesta recepção aos por- Março de 2008 em França. da edilidade. «Apresentei um pro- tugueses vai estar acompanhado Segundo um comunicado emiti- jecto de modernização adminis- pelo Deputado-Maire e pelo do pelos administradores do site, trativa dos serviços camarários. outro candidato português, José a lista será classificada pelo de- Com 81.000 habitantes parece- Correia.Também está anunciada a partamento, terá o nome e os nos importante deslocalizar os presença do Deputado e ex- contactos do candidato. serviços, aproximando-nos dos Secretário de Estado, Carlos «Para que a lista seja o mais munícipes. Aproveitei para real- Gonçalves, amigo pessoal de exaustiva possível, fazemos apelo çar a forte presença europeia no Paulo Marques. a associações, medias, particula- nosso território (mais de 20% de Paulo Marques quer vencer estas res, profissionais, políticos, e a europeus e 8.000 portugueses) eleições «para que a Comunidade todos os que poderão fazer che- para apresentar o ‘Guichet portuguesa, os europeus e os gar a existência desta lista aos Administrativo Europeu’ para res- munícipes em geral, possam candidatos portugueses e luso- pondermos aos problemas admi- entrar numa nova era». Segundo a descendentes às próximas elei- LusoJornal - José Lopes nistrativos dos europeus sem revista francesa «capital», Aulnay- ções municipais em França» diz nacionalidade francesa» explica sous-Bois foi considerada uma das uma nota distribuída às redac- Paulo Marques. «Esta delegação melhores Câmaras municipais em ções. de competências é nova na inter- termos de gestão financeira. Para tal, a Luso Planet pede aos venção executiva em Aulnay-sous- ■ Paulo Marques, candidato em Aulnay-sous-Bois candidatos, o nome da cidade e Bois. No entanto, tenho fé que respectivo código postal, nome e vamos agradar com esta resposta Confesso que já tenho grande autarca. apelido do candidato, telefone fi- às dificuldades administrativas parte do projecto preparado em Paulo Marques já está habituado xo e telemóvel, e-mail, website, dos europeus e dos portugueses. quatro fases distintas», disse o às campanhas eleitorais: partici- ■ partido político da lista, nome do cabeça de lista e pede também uma fotografia do candidato. «A Luso Planet compromete-se a Inês Silvestre candidata pela lista UMP a Versalhes realizar uma campanha de divul- gação desta lista dos candidatos Inês Silvestre é portuguesa origi- les das proximidades que acabam portugueses e luso-descenden- nária de Mirandela residente em por viajar de autocarro e que uti- tes, junto dos médias da Comu- Versalhes desde Julho de 1976. lizam os serviços das duas agên- nidade mas também junto dos Esta portuguesa de 50 anos inte- cias de transportes da cidade. O medias nacionais franceses e ou- grou a lista do UMP local, do objectivo é arranjar um local mais tros organismos e particulares, único candidato do partido na ci- digno e mais seguro para efectuar permitindo assim manter uma dade, nomeadamente Bertrand os estacionamentos para chega- boa visibilidade da lista durante Devys. das e partidas de todos os viajan- toda a campanha». As suas convicções políticas sem- tes. A nossa política, única portu- Os responsáveis pelo site inter- pre foram as mesmas e é com guesa da lista, tem já uma alterna- net Luso Planet prometem que agrado que diz, «votei pela pri- tiva «um pouco mais adiante têm «nesta lista consta apenas as in- meira vez em Portugal quando fiz um parque de estacionamento na formações acima indicadas, não 18 anos, um pouco antes de ter Av. de Sceaux, que daria um belo havendo nenhum texto ou direi- vindo para França e me instalar local». to de expressão do candidato. A definitivamente em Versalhes, já Para além disso, tem uma ideia de ideia é de informar a nossa Co- nessa altura votei na direita». representar a comunidade portu- munidade da existência de um Aderiu ao partido UMP Versalhes guesa e fazer de elo de ligação candidato português ou luso-des- em 2000, mas foi só no ano pas- com o Consulado português de cendente no local ou perto do sado, « com as fascinantes e atri- Paris. «Gostaria de ser porta-voz local onde reside». E anuncia tam- buladas eleições presidenciais» da comunidade portuguesa da- bém que, depois das eleições, a que Inês Silvestre tomou «o gos- qui, pois, desde que o Consulado lista incluirá os devidos resulta- to» pela política. Nessa altura de Versalhes fechou, a cidade dos de cada candidato. construiu-se um grupo de ami- ficou desamparada e precisamos gos, «com o qual se conviveu e de um elemento que possa coor- trocamos ideias e muitas impres- denar e manter as relações admi- sões, e que originou hoje eu estar nistrativas e sociais com o Con- nestas listas municipais». sulado. O fecho do Consulado de A Mirandelense é amiga de Valé- Versalhes é uma acção que nos rie Pécresse, ‘Ministre de l'ensei- preocupa a todos». Neste sentido gnement supérieur et de la re- a política pretende fazer um refe- DR cherche’ o que alimentou ainda rendo para consolidar as suas ■ Inês Silvestre, candidata em Versailles mais este gosto político.A relação ideias. de amizade entre as duas mulhe- tes e outra departamental gueses de Versalhes conseguiu Inês Silvestre, conhecida em res nasceu inicialmente por ques- «ADAME», com 250 aderentes. uma reunião com o candidato de Versalhes como educadora de in- tões políticas e posteriormente Ambas as associações têm por lista sábado passado, e que o Lu- fância, tem orgulho nas suas ori- «pela força de ambas acreditarem objectivo a revalorização e a soli- soJornal teve acesso, uma peque- gens, e luta por elas neste mo- nas mesmas ideologias. Sucinta- dificação da profissão de educa- na troca de ideias em que a co- mento. mente, posso dizer que a primei- dora de infância. munidade portuguesa pode-se ex- ra vez que encontrei Valérie Pé- Considera que esta campanha lhe primir e opinar sobre aquilo que cresse foi no âmbito de um pro- deu a oportunidade de conhecer gostaria de ver realizado para me- jecto político de reagrupar duas melhor a população portuguesa lhorar algumas condições, sobre- ou três educadoras de infância da sua cidade, pois não negando tudo a nível lúdico, nomeada- noutras habitações maternais que as suas raízes, não tinha um gran- mente arranjar espaços para exer- não sejam as habituais». de envolvimento com estes. Tem cer e praticar o rancho folclórico Educadoras de infância de forma- ção, é actualmente Presidente de duas associações: uma municipal «Arc en Ciel 78», com 84 aderen- alguns projectos políticos como a formação de «micro-creches», evi- dentemente ligado à sua forma- ção profissional. Para os portu- pelas três associações folclóricas da cidade.A outra grande questão que teve a ver com os portugue- ses de Versalhes e por todos aque- ■ Mónica Fins www.lusojornal.com
  1. Gostou de algum slide específico?

    Recortar slides é uma maneira fácil de colecionar informações para acessar mais tarde.

×