ApresentaçãO Mapas HistóRicos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

ApresentaçãO Mapas HistóRicos

on

  • 3,437 views

 

Statistics

Views

Total Views
3,437
Views on SlideShare
3,408
Embed Views
29

Actions

Likes
0
Downloads
8
Comments
0

3 Embeds 29

http://www.slideshare.net 18
http://www17.jimdo.com 7
http://port7keditfundamental.jimdo.com 4

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

ApresentaçãO Mapas HistóRicos ApresentaçãO Mapas HistóRicos Presentation Transcript

  • Os mapas foram símbolos complexos que representaram visões muito bem definidas. Resultantes mais dos exercícios de teologia e literatura do que de geografia, diferentes tipos de mapa-múndi coexistiram durante vários séculos. Antes de menosprezar os mapas medievais, devemos não só recordar de que naquela sociedade tudo estava voltado para o objetivo religioso mas que a estrutura dos mapas era controlada pelas autoridades do passado (Padres da Igreja) e elaborada pela elite letrada religiosa. Assim podemos relativizá-los se os comparamos com os mapas árabes da mesma época (Idrisi), que também tinha uma interpretação religiosa e se refletia nestas e noutras representações. Porém as dificuldades de acesso às imagens e representações destas visões de mundo cartografadas puderam ser dribladas através dos recursos do espaço virtual da WEB.
  • A consulta às imagens através do monitor de vídeo foi mais democrática e rápida do que o deslocamento e os pedidos de consulta aos manuscritos tão raros em bibliotecas de vários países, caso as consultas fossem permitidas. Mais do que isso, a forma de transmissão da pesquisa assume outras formas além do texto impresso. E mesmo nesta forma criada no século XVI, com a imprensa democratizando o acesso às informações, o autor tem a possibilidade de levar ao seu leitor os endereços onde estão as imagens referidas, além da tradicional bibliografia impressa em papel. Superam-se também as dificuldades de impressão de textos com imagens coloridas, fator encarecedor das edições. Esta nova dimensão de tempo e de relações com o espaço geográfico que a Web possibilita e cria abre uma nova dimensão para trabalhos deste tipo, uma busca na direção da Geografia Pré-moderna, porém com uma tecnologia pós-moderna. Podem ser indicados muitos endereços nesta grande rede, que pode ser comparada aos oceanos desconhecidos onde existem muitas ilhas a serem descobertas.
  • Figura 1. Mapa de Hereford.
    • Fonte: The Hereford Map. Em: http://www.dac.neu.edu/english/kakelly/med/hereford.html
  • 3. O Mapa do Salmo (ou do Saltério) De tamanho pequenino, com nove centímetros apenas, o Mapa do Salmo (Figura 2) é na verdade uma iluminura de um livro de salmos produzido provavelmente na década de 1260 em Londres. Figura 2. Mapa do Salmo. Fonte: The British Library. http://www.bl.uk/whatson/exhibitions/mapmaker.html#psalter
  • Náutica Portuguesa
    • Quando as forças de D. Afonso Henriques conseguiram entrar na praça de Lisboa, aprisionando os navios que aí se encontravam e apoderando-se do respectivo porto, criaram-se as condições para o desenvolvimento de uma intensa actividade marítima, na costa ocidental da Península Ibérica. É seguro que nessa altura já o mar era sulcado por navios portugueses, em diversas direcções, e a conquista da barra do Tejo reforçou esta capacidade. No entanto não será antes do reinado de D. Dinis que se organiza e consolida o trato de comércio na costa portuguesa, protegido por uma esquadra permanente, que resulta do contrato efectuado entre a coroa e o marinheiro genovês, Manuel Pessanha, através do qual este se via obrigado a manter vinte homens de Génova, “sabedores do mar”, para servirem como alcaides das galés portuguesas. Nesta altura os navios portugueses já navegavam pela costa e até aos locais habituais do trato próprio da época, mas é normal que o incremento institucional da organização naval tenha concorrido para um aumento do número de práticos nessa arte, e, sobretudo, que a presença dos italianos tenha levado à divulgação de uma técnica náutica típica do Mediterrâneo, que se aceita como sendo a matriz dos conhecimentos desenvolvidos posteriormente, durante os séculos XV e XVI.
  • Regimento do Norte, Livro de Marinharia de João de Lisboa                               
    • Medindo a altura de uma estrela com o quadrante
    • Medindo a altura de uma estrela com um astrolábio. Desenho de Sous
                                                        
  • Ponto de esquadria para rumos a menos de 45º do meridiano inicial Ponto de esquadria para rumos a menos de 45º do meridiano inicial                                             
  • Ponto de esquadria para rumos a 45º do meridiano inicial                                             
  • Ponto de esquadria para rumos a mais de 45º do meridiano inicial