Metamorfismo

15,879
-1

Published on

0 Comments
7 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
15,879
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
7
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Metamorfismo

  1. 1. Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  2. 2. Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  3. 3. <ul><li>Reagem deformando-se e/ou metamorfizando-se, originando, neste caso, rochas metamórficas . </li></ul><ul><li>Metamorfismo é uma palavra de etimologia grega, baseada nos termos meta e morphe que significam, respectivamente, mudança e forma </li></ul><ul><li>Metamorfismo = mudança de forma </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  4. 4. <ul><li>A diagénese e o magmatismo constituem processos extremos de formação de rochas sedimentares e magmáticas, respectivamente. </li></ul><ul><li>Entre estes dois ambientes de formação de rochas, existe um ambiente intermédio – o ambiente metamórfico . </li></ul><ul><li>Ultrapassadas as condições de pressão e de temperatura que definem o final da diagénese, inicia-se o metamorfismo . </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  5. 5. <ul><li>Caracteriza-se pelo conjunto de adaptações mineralógicas e texturais que as rochas pré-existentes sofrem, quando sujeitas a condições de pressão e temperatura diferentes das que presidiram à sua formação. </li></ul><ul><li>De uma maneira geral, estas adaptações mineralógicas e texturais ocorrem no estado sólido, isto é, sem que ocorra a fusão da rocha pré - existente. </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  6. 6. Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  7. 7. Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  8. 8. <ul><li>A metamorfização de rochas pré-existentes, por alteração da sua composição mineralógica e/ou textura, depende do tipo e da intensidade de certos factores – factores de metamorfismo – que determinam o grau de instabilidade dessas rochas. </li></ul><ul><li>Os processos metamórficos são controlados por diversos factores, dos quais destacamos a tensão , a temperatura (calor), os fluidos e o tempo ( atendendo a que os fenómenos relacionados com o metamorfismo são extremamente lentos ) . </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  9. 9. <ul><li>Quando a um objecto são aplicadas forças, diz-se que esse objecto está sob tensão . </li></ul><ul><li>É a força exercida por unidade de área. </li></ul><ul><li>Como exemplo destas forças geradoras de tensão, no interior da Terra, podemos referir a pressão . </li></ul><ul><li>No interior da Terra, as rochas estão sujeitas a dois tipos de tensão: litostática e não litostática . </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  10. 10. <ul><li>Sendo o metamorfismo um processo que ocorre na litosfera, as alterações a que uma rocha é sujeita ocorrem sob a influência, pelo menos, da tensão litostática. </li></ul><ul><li>Este tipo de tensão resulta do peso da massa rochosa suprajacente. </li></ul><ul><li>Para profundidades superiores a 3Km, a tensão litostática exerce-se igualmente em todas as direcções. </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  11. 11. <ul><li>A tensão litostática faz diminuir o volume da rocha durante a metamorfização. </li></ul><ul><li>Assim, nas rochas sujeitas a um aumento progressivo da tensão litostática, os minerais tendem a ocupar menos espaço, pelo que os minerais metamórficos são mais densos , dado os seus átomos e os seus iões ficarem mais próximos na malha cristalina . </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  12. 12. <ul><li>Quando as forças em actuação não são iguais em todas as direcções. </li></ul><ul><li>Forças associadas aos movimentos tectónicos - compressivas, distensivas ou de cisalhamento – definem diferentes estados de tensão não litostática ou dirigida. </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  13. 13. <ul><li>A tensão dirigida influencia a textura das rochas metamórficas porque alinha paralelamente os minerais que as constituem. </li></ul><ul><li>Assim, quando uma rocha apresenta estruturas planares , em resultado do alinhamento paralelo dos seus minerais , por acção de tensões dirigidas, diz-se que é uma rocha com textura foliada . </li></ul><ul><li>Foliação – palavra de etimologia latina, derivada do termo folium = folha (de planta, de livro, …) </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  14. 14. Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  15. 15. Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  16. 16. <ul><li>A clivagem ardosífera ou xistenta é uma estrutura típica de rochas de baixo grau de metamorfismo. </li></ul><ul><li>A xistosidade e o bandado gnáissico associam-se a rochas de médio e elevado grau de metamorfismo. </li></ul><ul><li>Outro tipo de textura que pode ocorrer é a não foliada (granoblástica); as rochas são constituídas, essencialmente, por minerais com dimensões semelhantes a grânulos  resultam de um tipo de metamorfismo em que a deformação está ausente ou a sua influência é pequena. </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  17. 17. <ul><li>O calor interno da Terra tem uma importante acção sobre a composição mineralógica e sobre a textura das rochas. </li></ul><ul><li>Pela acção do calor, as ligações químicas que definem a estrutura cristalina dos minerais podem ser alteradas ou quebradas. </li></ul><ul><li>À medida que a rocha se ajusta à temperatura a que foi submetida, os seus átomos ou iões recristalizam segundo novos arranjos, originando minerais estáveis na novas condições. </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  18. 18. Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  19. 19. <ul><li>Quando submetidas a temperaturas superiores a 200ºC, as rochas iniciam processos de metamorfismo. </li></ul><ul><li>Temperaturas desta ordem são atingidas, sensivelmente a 10Km de profundidade. </li></ul><ul><li>Em níveis mais próximos da superfície podem ser atingidas temperaturas superiores a 200ºC  em contacto com intrusões magmáticas, por exemplo. </li></ul><ul><li>Quando as temperaturas rondam os 800ºC, inicia-se a transição do metamorfismo para o magmatismo. </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  20. 20. <ul><li>A composição química e, por consequência, mineralógica das rochas pode ser alterada , significativamente, pela introdução ou remoção de componentes químicos . </li></ul><ul><li>Os fluidos libertados pelo magma podem transportar iões de sódio, potássio, silício, cobre, zinco e, em solução, outros elementos solúveis em água quentes sob pressão. </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  21. 21. <ul><li>A circulação destes fluidos no interior das rochas (intra-rochosa) permite a troca de átomos e iões entre as rochas e o fluido </li></ul><ul><li> desta reacção resulta a metamorfização da rocha, por alteração da sua composição química e mineralógica. </li></ul><ul><li> por vezes, ocorre a substituição completa de um mineral por outro, sem que se verifique uma alteração da textura da rocha. </li></ul><ul><li>No decurso do próprio metamorfismo, também se podem formar fluidos </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  22. 22. Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  23. 23. <ul><li>DIAS, A.G et al. (2004). Geologia 11 . Porto: Areal Editores </li></ul><ul><li>SILVA, A.D et al. (2004). Terra, Universo de Vida, 2ª parte, Geologia . Porto: Porto Editora </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.

×