Aula 4

693 views
583 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
693
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
245
Actions
Shares
0
Downloads
41
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aula 4

  1. 1. GEOPROCESSAMENTOe fotointerpretaçãoProf. Maigon Pontuschka2013Aula 4:Interpretação de imagens
  2. 2. Agenda• Interpretação de imagens• Elementos e chaves de interpretação de imagens• Seleção de Imagens de Satélite
  3. 3. Agenda• Interpretação de imagens• Elementos e chaves de interpretação de imagens• Seleção de Imagens de Satélite
  4. 4. Interpretação de imagensPodemos considerar as imagensobtidas por satélites como dados que, paraserem transformados em informação,necessitam ser analisados e interpretados.
  5. 5. Interpretação de imagensO QUE É?•Significa identificar objetos nelas representados e darum significado para eles.•Identificamos e traçamos elementos como:•Estadas•Rios•Represas•Mancha urbana
  6. 6. Interpretação de imagens• Quanto maior a resolução e mais adequada aescala, mais direta e fácil é a identificação.• Quanto maior a experiência do intérprete e o seuconhecimento (temático/sensoriamento remotoe da área geográfica) maior é o potencial dasinformações que pode extrair da imagem.
  7. 7. Interpretação de imagens• O conhecimento sobre o objeto (ou tema) deestudo (relevo, vegetação, área urbana, etc) éfundamental.• Exemplo: Um Engenheiro Florestal podeconseguir extrair mais informações sobre umafloresta por imagem de satélite do que umapessoa com outra formação.
  8. 8. Com relação ao sensoriamento remotoé importante conhecer:• Tipo de satélite: órbita, altitude, horário etc;• Características do sensor utilizado: resolução,faixa espectral, ângulo de visada, etc;• Interação da energia eletromagnética com osobjetos;• Fatores de interferência: período do ano,horário, condições atmosféricas, umidade etc.
  9. 9. O conhecimento prévio de uma áreageográfica facilita o processo de interpretação eaumenta o potencial de leitura de uma imagem.Exemplo: caso do Seringueiros do Estado do Acre,que, a partir de um ponto de referência conhecido,identificam demais elementos da imagem comfacilidade.Interpretação de imagens
  10. 10. • Levantar em livros, mapas e internetinformações prévias sobre a área.UNIR, Campus de Presidente Médici – Estação de Piscicultura Carlos MatiazeInterpretação de imagens
  11. 11. • O trabalho de campo é indispensável para aconfiabilidade do resultado da interpretação.UNIR, Campus de Presidente Médici.
  12. 12. Interpretação de imagens:possíveis falhasImagem da superfície de Marte daárea denominada Cydonia –Sonda Viking ,1976Mesma área em 2001
  13. 13. Sonda Mars ExpressRegião da Cidônia.22 de julho de 2006Interpretação de imagens:possíveis falhas
  14. 14. • Existem objetos mais facilmente visíveis eidentificáveis numa imagem, em geral, relevo,vegetação e espelhos d’água• Mas há coisas que não são diretamente visíveis,mas que podem ser estabelecida através daanálise da drenagem, de feições e formas derelevo, destacadas da imagem, é possívelinterpretar a geologia, os solos e os processosrelacionados.Interpretação de imagens:
  15. 15. Mas há coisas que não são diretamente visíveis,mas que podem ser estabelecida através daanálise da drenagem, de feições e formas derelevo, destacadas da imagem, é possívelinterpretar a geologia, os solos e os processosrelacionados.Interpretação de imagens:
  16. 16. • Na maioria das vezes, o resultado dainterpretação de uma imagem obtida por sensorremoto é apresentado em forma de mapa• Muitas vezes a própria imagem é utilizada comomapa na qual assinalamos limites e objetos deinteresse como estradas, rios etc.Interpretação de imagens:
  17. 17. • A delimitação de objetospode ser realizada pormeio de um cursor. Com ouso de um SIG, os limitesdas classes sãoarmazenados em umplano de informação e,posteriormente, o mapa égerado.Segmentação
  18. 18. • Na interpretação de uma imagem impressa ostraços e delimitações são realizados em papelvegetal, e não diretamente na imagem.Segmentação manual
  19. 19. • Existem softwares de segmentação eclassificação automática de imagens, contudo oconhecimento em interpretação de imagens éfundamental para avaliar o resultado de umainterpretação automática de imagem.Segmentação automática
  20. 20. • Exemplo de interpretação de uma imagem digital TM-Landsat-5 na telado computador (a) e o resultado dessa interpretação (b). Em (a)podemos observar as classes delimitadas em polígonos amarelo comajuda de um cursor. Em (b), o resultado da interpretação, com as classesde vegetação em verde, e desmatamento, em amarelo.
  21. 21. Agenda• Interpretação de imagens• Elementos e chaves de interpretação de imagens• Seleção de Imagens de Satélite
  22. 22. Elementos de interpretação de imagens• Todas as imagens obtidas por sensores remotosregistram a energia proveniente dos objetos dasuperfície observada.• Independente de resolução e escala, as imagensfornecem elementos básicos de análise einterpretação, a partir dos quais se extraeminformações de objetos, áreas, fenômenos, etc.
  23. 23. • Tonalidade/cor• Textura• Tamanho• Forma• Sombra• Altura• Padrão• LocalizaçãoElementos (ou variáveis) deinterpretação de imagens
  24. 24. • A tonalidade cinza: variações deenergia eletromagnética refletidarepresentadas por variações nostons de cinza.• Quanto mais energia refletir, maiorserá a representação na cor branca;• Quanto menos energia refletir, arepresentação tende ao preto.Tonalidade
  25. 25. • A tonalidade cinza: variações deenergia eletromagnética refletidarepresentadas por variações nostons de cinza.• Quanto mais energia refletir, maiorserá a representação na cor branca;• Quanto menos energia refletir, arepresentação tende ao preto.Tonalidade
  26. 26. • Utilizada na interpretação de imagens coloridas,nas quais as variações de energias refletidas ouemitidas pela superfície são representadas pordiferentes cores.É mais fácil interpretar imagens coloridas do queem preto e branco por conta das diferentes corescaptadas pelo olho humano.Cor
  27. 27. Cor
  28. 28. Textura• Refere-se ao aspecto liso ou rugoso dedeterminado objeto de uma imagem, sendoimportante na identificação de unidades derelevo.• Textura lisa – indica relevos planos• Textura rugosa – indica relevos acidentados
  29. 29. Relevos
  30. 30. TamanhoÉ um parâmetroimportante que estáatrelado à escala.Na imagem acima, é possível distinguir o estágio emfunção do tamanho.
  31. 31. • Mirny, na Sibéria - Rússia. O maior buraco do mundo, que é na verdade umamina de diamantes. O buraco tem 525 metros de profundidade e 1,25 km dediâmetro. Na foto a seta aponta um caminhão.
  32. 32. Formas• De modo geral, estão divididas em:• Irregulares – indicam objetos naturais (matas,pântanos, florestas etc);• Regulares – Indicam objetos artificiais,construídos pelo homem (casas, campos defutebol, áreas de reflorestamentos, áreasagrícolas etc).
  33. 33. Formas
  34. 34. Imagem Goes, Furacão Erin10/9/2001
  35. 35. CBERS 4/11/2000 – Vulcões no norte do Chile
  36. 36. SombrasDisponibilidade de fotos ou imagens 3D facilitamo processo de interpretação permitindo obterinformação sobre a altura de objetos.Pela forma da sombra é possível identificarobjetos como pontes, chaminés, árvores, prédios efeições do relevo.
  37. 37. Em imagens 2D a altura dealguns objetos pode serestimada pela sombra.
  38. 38. • Imagem Landsat-5, da regiãode Cruzeiro e CachoeiraPaulista, no Vale do Paraíba.
  39. 39. PadrãoÉ o arranjo, ou layout deobjetos em uma superfície. CNES/SPOT Aquicultura no município deCujubim, Rondônia – Google Maps
  40. 40. Localização Geográfica• O conhecimento das características do local dedeterminado objeto pode ajudar no processo deidentificação e interpretação.Exemplo:• Áreas urbanas podem ser identificadas por suaproximidade de rodovias, rios e litorais.• Conhecimento sobre o tipo de clima da regiãoevita confundir tipos de vegetação:Cerrado X Caatinga
  41. 41. Chaves – Modelos de interpretaçãoSão modelos de interpretação elaborados a partirde elementos que descrevem e caracterizamdeterminado objeto.Sistematizam e orientam o processo de análise einterpretação de imagens.São utilizadas como guia e ajudam naidentificação correta de objetos e feiçõesrepresentados em imagens.
  42. 42. Agenda• Interpretação de imagens• Elementos chaves de interpretação de imagens• Seleção de Imagens de Satélite
  43. 43. Seleção de Imagens de Satélite• O tipo da imagem (resolução, banda,composição colorida, data) deve ser selecionadoconsiderando os objetivos (clima, texturatopográfica, uso do solo) e as características dasáreas de estudo. Exemplo: Estudo da expansãourbana de determinado local.
  44. 44. Mapeamento de corpos d’água(exemplo)• Na delimitação – Infravermelho próximo e demicro-ondas;• Qualidade da água – Região do visível;• Manchas de óleo no mar – Micro-ondas são asmelhores;• Rede de drenagem – medida indiretamente,através do mapeamento da mata ciliar.
  45. 45. ReferênciasFLORENZANO, T.G. Iniciação em Sensoriamento Remoto. 3. ed. São Paulo:Oficina de Textos, 2011. 128p.

×