• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Case Alvis Corporation
 

Case Alvis Corporation

on

  • 1,275 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,275
Views on SlideShare
1,269
Embed Views
6

Actions

Likes
0
Downloads
15
Comments
0

5 Embeds 6

http://www.google.com.my 2
http://www.google.com.vn 1
http://translate.googleusercontent.com 1
http://www.google.com.tr 1
http://www.google.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Case Alvis Corporation Case Alvis Corporation Document Transcript

    • Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Mestrado em Comunicação nas Organizações Liderança, Gestão de Conflitos e Negociação Case: Alvis Corporation Magda Pimentel – 21000561 Ano Lectivo – 2010-2011 1
    • Case: Alvis Corporation Kevin McCarthy foi gerente no departamento de produção da Alvis Corporation, umaempresa que fabrica equipamentos de escritório. Depois de ter tirado um curso degestão, percebeu que o seu departamento seria beneficiado se os seus trabalhadoresestivessem envolvidos nas decisões. Como tal, convocou os seus trabalhadores parauma reunião, onde seriam discutidos os períodos de férias e as normas de produção.Com o propósito de garantir uma discussão mais ampla, deixou-os sozinhos. Os trabalhadores poderiam ter duas semanas de férias mas apenas dois trabalhadorespoderiam gozá-las em simultâneo. Kevin pedia-lhes que lhe indicassem as suas datas depreferência e depois analisava como as férias dos trabalhadores poderiam afectar otrabalho, de modo a garantir os recursos adequados para as operações essenciais dodepartamento. A empresa tinha instalado recentemente um novo equipamento para aumentar aprodutividade, que permitia ao departamento produzir mais com menos trabalhadores.A firma possuía um sistema de pagamento de incentivos, que dava uma taxa aostrabalhadores que produziam mais daquilo que fora estabelecido. Como tal, as normasde produção poderiam ser alteradas. Contudo, com a introdução do equipamento, osproblemas de qualidade em vez de terem melhorado pioraram. Quando Kevin tomou conhecimento das decisões dos seus trabalhadores ficousurpreendido ao verificar que pretendiam manter as normas de produção e que nãotinham chegado a nenhuma conclusão no que respeita às férias. Os trabalhadoresconsideravam que os pagamentos de incentivo não eram justos e que mereciam ter ummelhor pagamento. Relativamente às férias alguns trabalhadores pretendiam gozá-las nomesmo período, outros alegavam que quem tinha mais anos de serviço tinha prioridadee outros que se devia resolver a situação com base na produtividade. O grupo concluiuque deveria ser Kevin a resolver a disputa das férias. 2
    • Perguntas:1 – Foram as duas decisões mais adequadas para o grupo? Explique a sua respostacom base no modelo de estilos de decisão.2 – Quais foram os erros que Kevin cometeu ao utilizar um grupo de decisão paraescolher o que deveria fazer?3 – Quais foram as questões colocadas em causa e os prazos envolvidos na tomadade uma decisão? Descreva como Kevin deveria ter tomado cada decisão.4 – Avalie como essas decisões foram adequadas para a introdução de participaçãono departamento de Kevin. A decisão dos períodos de férias não foi a mais adequada para o grupo, ao contrárioda questão das normas de produção. O problema das datas de férias dos trabalhadoresdeveria apenas ter sido analisado pelo gerente do departamento de produção ou poralgum profissional superior hierarquicamente na empresa. Apesar de ser uma questãobastante importante para os funcionários, não é um problema com demasiado relevopara Kevin ou até mesmo para a própria firma. Não faz propriamente grande diferençase um funcionário quer tirar férias numa dada data ou se o período de férias é atribuídode acordo com os anos de serviço ou com a produtividade. Com base no modelo de estilos de decisão e, tendo em conta que se trata de umproblema pouco importante e cuja resolução é trivial e as soluções boas e óbvias, operíodo de férias pode ser analisado através de uma Decisão Autocrática (modelo 1,segundo a tabela). Na Decisão Autocrática o líder toma a decisão sozinho, nãorecorrendo às opiniões e sugestões dos seus subordinados ou do grupo. Após a decisão olíder comunica aos seus funcionários aquilo que tomou em consideração. Relativamente às normas de produtividade era essencial que fosse discutida eanalisada pelo grupo. Mas isso não significa que fosse uma questão resolvida oudecidida pelo mesmo, ou seja, o líder pede apenas a opinião dos seus subordinados enão lhes propõe resolver a situação. Trata-se de um assunto bastante importante tantopara os trabalhadores, como para Kevin ou para a empresa e como tal não é umaresolução garantida com uma decisão autocrática. Como o líder dispõe de toda ainformação essencial para chegar à melhor solução, consultou o grupo, pedindo-lhe 3
    • sugestões e ideias, tendo em conta o modelo de estilos de decisão, a melhor estratégia aser utilizada nesta situação seria a de consulta (modelo 4, segundo a tabela). NaConsulta o líder explica o problema aos subordinados ou ao grupo e pede-lhes as suassugestões e ideias. O líder pode consultá-los individualmente ou em grupo e a suadecisão final terá em conta as opiniões dos subordinados. Kevin, ao recorrer ao grupo como consulta para os problemas da empresa, incorreu avários erros. A questão das datas dos períodos de férias nunca deveria ter sido discutidapelos trabalhadores, apenas pelo gerente do departamento de produção. Kevin aorecorrer a uma Decisão Autocrática evitava conflitos e problemas de inferioridade ou dedesprezo por parte dos seus subordinados. Assim, seja qual for a sua decisão no querespeita à distribuição das datas de férias, com base na produtividade, nos anos deserviço ou em outro factor, os subordinados que não foram tomados em consideraçãopor uma dessas condições possivelmente vão sentir-se excluídos ou inferiorizados. Aresolução da situação do período das férias por parte do grupo em vez de melhorar asituação pode piorá-la, uma vez que o conhecimento das opiniões de todos por parte detodos os funcionários pode provocar desavenças no ambiente de trabalho. Embora Kevin tenha feito uma boa escolha ao consultar o grupo na discussão dasnormas de produtividade, se tiver em conta a opinião dos seus funcionários poderá levara empresa para uma situação arriscada. Se a firma pretende alterar as normas deprodução é porque essas não se ajustam à situação actual. O gerente do departamento deprodutividade se concordar com as ideias dos seus subordinados pode não estar a tomara melhor decisão para a empresa. De qualquer forma, Kevin deveria utilizar a experiência das decisões com os seustrabalhadores, desde que as situações fossem as mais adequadas para uma análise emgrupo. 4