Your SlideShare is downloading. ×
0
Critérios de validade
Critérios de validade
Critérios de validade
Critérios de validade
Critérios de validade
Critérios de validade
Critérios de validade
Critérios de validade
Critérios de validade
Critérios de validade
Critérios de validade
Critérios de validade
Critérios de validade
Critérios de validade
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Critérios de validade

145

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
145
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Critérios de validade
  • 2. Em educação, os investigadores não podemcontrolar os acontecimentos e quem age, mas oprocesso de investigação permite-nos ter uma basepara lidarmos com estas situações de uma formalógica e adequada.
  • 3. A validade de uma investigação é, normalmente,dividida em validade interna e externa. A primeira érelativa à coerência entre as conclusões de um estudoe a realidade. A segunda está ligada à generalizaçãodos resultados e à possibilidade de, a partir dasconclusões de um estudo, se poder aplicar a outrogrupo alvo.
  • 4. Segundo Tuckman (2012), “Um estudo temvalidade interna se o seu resultado se apresentamais em função do programa ou da abordagem atestar do que outras causas sistematicamenterelacionadas com esse estudo” (p.51).
  • 5. É a validade interna que dá ao investigador a certezade que os resultados podem ser aceites com base nodesign de investigação.Para um estudo ter validade externa é necessário queos seus resultados possam ser aplicados a outrosprogramas ou ações.
  • 6. A fiabilidade de um estudo garante-se através daobtenção dos mesmos resultados quando replicamosesse estudo. Mas uma das ameaças a essa fiabilidadeé a possibilidade de mudança de comportamentos dossujeitos em estudo, o que por vezes acontece emeducação.
  • 7. No design-based research é dada enfâse à interaçãoentre os envolvidos nas práticas pedagógicas (alunos,professores, auxiliares), à flexibilidade relativamenteàs alternativas de design e à contextualização aoconsiderar o ambiente, as necessidades e os objetivosde aprendizagem.
  • 8. Segundo afirma Nieveen (1999, citado por Nunes,2012) para se assegurar a validade destes estudos e aqualidade da intervenção é importante considerarquatro critérios gerais:i) relevância ou validade do conteúdo, implicaalicerçar os componentes da intervenção no estado daarte em que o conhecimento se encontra;
  • 9. ii) consistência ou validade do constructo, aintervenção é planeada de uma forma lógica, ondetodos os componentes se relacionam uns com osoutros;iii) praticabilidade, exige que os utilizadores finaisconsiderem a intervenção útil nos contextos em queos materiais ou as estratégias foram planeadas e
  • 10. desenvolvidas, e que seja compatível com asintenções de quem desenvolveu o estudo;iv) eficácia, implica que a intervenção seja efetiva e osresultados desejados sejam alcançados .Se a intervenção cumprir estes requisitos éconsiderada válida.
  • 11. Graus de importância dos critérios de validade nasdiferentes fases do estudo: Fases Critérios de Validade Descrição de atividades 1ª Fase Maior realce na validade do Revisão da literatura e de projetos Investigação preliminar conteúdo e não tanto na sua de investigação similares, as quais consistência e praticabilidade resultam em orientações para o enquadramento e o planeamento do 1º modelo de intervenção 2ª Fase Inicialmente a consistência Desenvolvimento de uma sequência Protótipo (validade de constructo) e a de protótipos que vão ser praticabilidade. experimentados e revistos com base Mais tarde será principalmente a em avaliações formativas. Os praticabilidade e gradualmente a protótipos podem ser apenas ideias atenção à eficácia cuja avaliação formativa acontece através das opiniões de especialistas 3ª Fase Praticabilidade e eficiência Avaliar se os objetivos dos Avaliação utilizadores funcionam na intervenção (praticabilidade) e se pode ser aplicado no seu ensino (relevância e sustentabilidade). Assim como se a intervenção é eficiente. (Plomp, 20120, p.26 citado por Nunes, 2012, p.163)
  • 12. ReferênciasNunes, C. (2012). Apoio a pais e docentes de alunos com multideficiência: Conceção e desenvolvimento de um ambiente virtual de aprendizagem. Manuscrito não publicado, Tese de doutoramento. Instituto de Educação da Universidade de Lisboa. Disponível em: http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/7702/1/ulsd064599_t
  • 13. Ricardo, L. (2011). Validade da investigação ação. Uma reflexão sobre a delimitação dos conceitos relacionados. Revista eletrónica para professores, formadores e educadores. Disponível em: http://revistaensinareaprender.blogspot.pt/2011/06/ac-valida
  • 14. Tuckman, B.W. (2012). Manual de investigação em educação. Metodologia para conceber e realizar o processo de investigação científica (4ª edição) Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

×