Critérios de validade
Em educação, os investigadores não podemcontrolar os acontecimentos e quem age, mas oprocesso de investigação permite-nos ...
A validade de uma investigação é, normalmente,dividida em validade interna e externa. A primeira érelativa à coerência ent...
Segundo Tuckman (2012), “Um estudo temvalidade interna se o seu resultado se apresentamais em função do programa ou da abo...
É a validade interna que dá ao investigador a certezade que os resultados podem ser aceites com base nodesign de investiga...
A fiabilidade de um estudo garante-se através daobtenção dos mesmos resultados quando replicamosesse estudo. Mas uma das a...
No design-based research é dada enfâse à interaçãoentre os envolvidos nas práticas pedagógicas (alunos,professores, auxili...
Segundo afirma Nieveen (1999, citado por Nunes,2012) para se assegurar a validade destes estudos e aqualidade da intervenç...
ii) consistência ou validade do constructo, aintervenção é planeada de uma forma lógica, ondetodos os componentes se relac...
desenvolvidas, e que seja compatível com asintenções de quem desenvolveu o estudo;iv) eficácia, implica que a intervenção ...
Graus de importância dos critérios de validade nasdiferentes fases do estudo:Fases Critérios de Validade Descrição de ativ...
ReferênciasNunes, C. (2012). Apoio a pais e docentes de alunos commultideficiência: Conceção e desenvolvimento de umambien...
Ricardo, L. (2011). Validade da investigação ação. Umareflexão sobre a delimitação dos conceitos relacionados.Revista elet...
Tuckman, B.W. (2012). Manual de investigação em educação.Metodologia para conceber e realizar o processo deinvestigação ci...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Critérios de validade

78

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
78
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Critérios de validade"

  1. 1. Critérios de validade
  2. 2. Em educação, os investigadores não podemcontrolar os acontecimentos e quem age, mas oprocesso de investigação permite-nos ter uma basepara lidarmos com estas situações de uma formalógica e adequada.
  3. 3. A validade de uma investigação é, normalmente,dividida em validade interna e externa. A primeira érelativa à coerência entre as conclusões de um estudoe a realidade. A segunda está ligada à generalizaçãodos resultados e à possibilidade de, a partir dasconclusões de um estudo, se poder aplicar a outrogrupo alvo.
  4. 4. Segundo Tuckman (2012), “Um estudo temvalidade interna se o seu resultado se apresentamais em função do programa ou da abordagem atestar do que outras causas sistematicamenterelacionadas com esse estudo” (p.51).
  5. 5. É a validade interna que dá ao investigador a certezade que os resultados podem ser aceites com base nodesign de investigação.Para um estudo ter validade externa é necessário queos seus resultados possam ser aplicados a outrosprogramas ou ações.
  6. 6. A fiabilidade de um estudo garante-se através daobtenção dos mesmos resultados quando replicamosesse estudo. Mas uma das ameaças a essa fiabilidadeé a possibilidade de mudança de comportamentos dossujeitos em estudo, o que por vezes acontece emeducação.
  7. 7. No design-based research é dada enfâse à interaçãoentre os envolvidos nas práticas pedagógicas (alunos,professores, auxiliares), à flexibilidade relativamenteàs alternativas de design e à contextualização aoconsiderar o ambiente, as necessidades e os objetivosde aprendizagem.
  8. 8. Segundo afirma Nieveen (1999, citado por Nunes,2012) para se assegurar a validade destes estudos e aqualidade da intervenção é importante considerarquatro critérios gerais:i) relevância ou validade do conteúdo, implicaalicerçar os componentes da intervenção no estado daarte em que o conhecimento se encontra;
  9. 9. ii) consistência ou validade do constructo, aintervenção é planeada de uma forma lógica, ondetodos os componentes se relacionam uns com osoutros;iii) praticabilidade, exige que os utilizadores finaisconsiderem a intervenção útil nos contextos em queos materiais ou as estratégias foram planeadas e
  10. 10. desenvolvidas, e que seja compatível com asintenções de quem desenvolveu o estudo;iv) eficácia, implica que a intervenção seja efetiva e osresultados desejados sejam alcançados .Se a intervenção cumprir estes requisitos éconsiderada válida.
  11. 11. Graus de importância dos critérios de validade nasdiferentes fases do estudo:Fases Critérios de Validade Descrição de atividades1ª FaseInvestigação preliminarMaior realce na validade doconteúdo e não tanto na suaconsistência e praticabilidadeRevisão da literatura e de projetosde investigação similares, as quaisresultam em orientações para oenquadramento e o planeamento do1º modelo de intervenção2ª FaseProtótipoInicialmente a consistência(validade de constructo) e apraticabilidade.Mais tarde será principalmente apraticabilidade e gradualmente aatenção à eficáciaDesenvolvimento de uma sequênciade protótipos que vão serexperimentados e revistos com baseem avaliações formativas. Osprotótipos podem ser apenas ideiascuja avaliação formativa aconteceatravés das opiniões de especialistas3ª FaseAvaliaçãoPraticabilidade e eficiência Avaliar se os objetivos dosutilizadores funcionam naintervenção (praticabilidade) e sepode ser aplicado no seu ensino(relevância e sustentabilidade).Assim como se a intervenção éeficiente.(Plomp, 20120, p.26 citado por Nunes, 2012, p.163)
  12. 12. ReferênciasNunes, C. (2012). Apoio a pais e docentes de alunos commultideficiência: Conceção e desenvolvimento de umambiente virtual de aprendizagem. Manuscrito nãopublicado, Tese de doutoramento. Instituto de Educação daUniversidade de Lisboa. Disponível em:http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/7702/1/ulsd064599_t
  13. 13. Ricardo, L. (2011). Validade da investigação ação. Umareflexão sobre a delimitação dos conceitos relacionados.Revista eletrónica para professores, formadores eeducadores. Disponível em:http://revistaensinareaprender.blogspot.pt/2011/06/ac-valida
  14. 14. Tuckman, B.W. (2012). Manual de investigação em educação.Metodologia para conceber e realizar o processo deinvestigação científica (4ª edição) Lisboa: FundaçãoCalouste Gulbenkian.
  1. Gostou de algum slide específico?

    Recortar slides é uma maneira fácil de colecionar informações para acessar mais tarde.

×