0
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIEUniversidade Presbiteriana MackenzieFaculdade de Arquitetura e UrbanismoProje...
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIEEste manual tem por finalidade dar suporte técnico aos alunos da disciplina d...
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE1. Circulação e vagas para veículosAcesso:O acesso de veículos em lotes de es...
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIEAs rampas para automóveis e utilitários, em residências unifamiliares, terão ...
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE            Manual Técnico               C 05
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE            Manual Técnico               C 06
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE            Manual Técnico               C 07
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE            Manual Técnico               C 08
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE2. Equipamentos sanitáriosAs edificações destinadas a uso residencial unifami...
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE1 (uma) bacia, 1 (um) lavatório, 1 (um) chuveiro.Será obrigatória a previsão ...
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE            Manual Técnico                C 011
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE            Manual Técnico                C 012
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE            Manual Técnico                C 013
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE            Manual Técnico                C 014
Arquitetura e Urbanismo           Projeto VIMACKENZIE            Planta Baixa - Reservatório Inferior / Subsolo           ...
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE3.0 Aeração da edificaçãoA aeração da edificação será definida pela implantaç...
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE3.2 Exemplos práticosAbaixo exemplo de aplicação da faixa livre “A” em edifíc...
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE3.2 Exemplos práticosAbaixo exemplo de aplicação da faixa “A” em edifício sim...
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE3.3 Exemplos de cálculoSimulemos, para exemplificarmos, três situações:a. Um ...
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE4.0 Classificação dos volumesToda e qualquer edificação, seja vertical ou não...
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE            Manual Técnico                C 021
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE5.0 CirculaçõesDefinem-se como espaços para circulação, todos os espaços dest...
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIEa. Escadas enclausuradas (com antecâmara)                                    ...
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIEa. Escadas enclausuradas (com antecâmara)                                    ...
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIEc. Escada externaEsta tipologia tem limitação máxima de altura de 10,00 m; co...
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIEd. Saída de escape no pavimento térreoPara qualquer das soluções de escada de...
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE“12.H.3. - Sem prejuízo do dimensionamento dos espaços de circulação coletiva...
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE5.2 RampasÉ permitida a utilização de rampas para acesso vertical, desde que ...
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE            Manual Técnico                C 029
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE6.0 Circulação mecânicaSão chamadas de circulações mecânicas aquelas que se u...
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE6.1ElevadoresTodo e qualquer projeto de um edifício vertical, pressupõe a esp...
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIEb. disposiçãoA disposição dos elevadores deve ter como principal objetivo o b...
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIEc. Tipologiasc.1 Elevadores hidráulicosSão chamados de hidráulicos aqueles mo...
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE            Manual Técnico                C 034
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIEc.2 Elevadores mecânicosOs elevadores mecânicos operam basicamente com força ...
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE            Manual Técnico                C 036
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIEc.3 Elevadores de carga e monta-cargasEstes elevadores operam da mesma forma ...
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIEc.4 Elevadores panorâmicosSão definidos como panorâmicos os elevadores compos...
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE                     Tipo Encaixilhado     Tipo Externo                    Ma...
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE6.2 Escadas RolantesSão utilizadas em geral em áreas comerciais (Shopping cen...
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE            Manual Técnico                C 041
Arquitetura e Urbanismo   Projeto VIMACKENZIE6.3 Esteiras rolantesDa mesma forma que as escadas rolantes, as esteiras tamb...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Manual tecnico six sem

1,109

Published on

Semestre 6 fau Mackenzie: o prédio multifuncional requer muitos lembretes.

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,109
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
47
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Manual tecnico six sem"

  1. 1. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIEUniversidade Presbiteriana MackenzieFaculdade de Arquitetura e UrbanismoProjeto de Arquitetura VI1º Semestre 2006 – Matutino / Vespertino- Estrutura do texto e seleção das imagens Arq. Augusto França Arq. Cristine Gallinaro- Projeto Gráfico - Diagramação Arq. Julio Cezar Bernardes PintoC. Manual Técnico Manual Técnico C 01
  2. 2. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIEEste manual tem por finalidade dar suporte técnico aos alunos da disciplina de Projeto VI, fornecendo-lhes os dados técnicos necessários à elaboração de projetos de edifícios verticais, enfatizando os aspectosrelativos às condições de abastecimento e segurança das edificações.Conteúdo:1. Circulação e vagas para veículos2. Equipamentos sanitários3. Aeração4. Classificação dos volumes5. Circulação - Escadas e rampas6. Circulação mecânica Manual Técnico C 02
  3. 3. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE1. Circulação e vagas para veículosAcesso:O acesso de veículos em lotes de esquina deverá distar, no mínimo, 6,00m (seis metros)do início do ponto de encontro do prolongamento dos alinhamentos dos logradouros,excetuadas as edificações residenciais unifamiliares.Circulação:As faixas de circulação de veículos deverão apresentar dimensões mínimas, para cadasentido de tráfego, de:a) 2,75m (dois metros e setenta e cinco centímetros) de largura e 2,30m (dois metros etrinta centímetros) de altura livre de passagem quando destinadas à circulação deautomóveis e utilitários.b) 3,50m (três metros e cinqüenta centímetros) de largura e 3,50m (três metros e cinqüentacentímetros) de altura livre de passagem quando destinadas à circulação de caminhões eônibus.Será admitida uma única faixa de circulação quando esta se destinar, no máximo, ao trânsitode 60 (sessenta) veículos em edificações de uso habitacional e 30 (trinta) veículos nosdemais usos.As rampas deverão apresentar:a) recuo de 4m do alinhamento dos logradouros para seu início;b) declividade máxima de 20% (vinte por cento) quando destinada à circulação deautomóveis e utilitários;c) declividade máxima de 12% (doze por cento) quando destinada à circulação de caminhõese ônibus. Manual Técnico C 03
  4. 4. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIEAs rampas para automóveis e utilitários, em residências unifamiliares, terão declividademáxima de 25% (vinte e cinco por cento) podendo iniciar no alinhamento.Espaços de manobra e estacionamento:A vaga, quando paralela à faixa de acesso (“baliza”) será acrescido 1,00m (um metro) nocomprimento e 0,25m (vinte e cinco centímetros) na largura para automóveis e utilitários,e 2,00m (dois metros) no comprimento e 1,00m (um metro) na largura para caminhões eônibus. Manual Técnico C 04
  5. 5. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE Manual Técnico C 05
  6. 6. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE Manual Técnico C 06
  7. 7. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE Manual Técnico C 07
  8. 8. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE Manual Técnico C 08
  9. 9. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE2. Equipamentos sanitáriosAs edificações destinadas a uso residencial unifamiliar e multifamiliar deverão dispor deinstalações sanitárias nas seguintes quantidades mínimas:a) casas e apartamentos: 1 (uma) bacia, 1 (um) lavatório e 1 (um) chuveiro;b) áreas de uso comum de edificações multifamiliares: 1 (uma) bacia, 1 (um) lavatório e 1(um) chuveiro, separados por sexo.As demais edificações deverão dispor de instalações sanitárias nas seguintes quantidadesmínimas:a) hospitais ou clínicas com internação, hotéis e similares: 1 (uma) bacia, 1 (um) lavatórioe 1 (um) chuveiro para cada 2 (duas) unidades de internação ou hospedagem, e 1 (uma)bacia e 1 (um) lavatório para cada 20 (vinte) pessoas nas demais áreas, descontadas destecálculo as áreas destinadas a internação ou hospedagem;b) locais de reunião: 1 (uma) bacia e 1 (um) lavatório para cada 50 pessoas;c) outras destinações: 1 (uma) bacia e 1 (um) lavatório para cada 20 pessoas.Quando o número de pessoas for superior a 20 (vinte) haverá, necessariamente, instalaçõessanitárias separadas por sexo.Nos sanitários masculinos, 50% (cinqüenta por cento) das bacias poderão ser substituídaspor mictórios.Toda edificação não residencial deverá dispor, no mínimo, de uma instalação sanitáriapor sexo, distante, no máximo 50m (cinqüenta metros) de percurso real de qualquer ponto,podendo se situar em andar contíguo ao considerado.As áreas de uso comum de edificações multifamiliares (prédios de apartamentos) excetoHIS, deverão dispor de dois conjuntos sanitários, destinados um a cada sexo, contendo: Manual Técnico C 09
  10. 10. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE1 (uma) bacia, 1 (um) lavatório, 1 (um) chuveiro.Será obrigatória a previsão de, no mínimo, uma bacia e um lavatório por sexo, junto a todocompartimento destinado a consumição de alimentos, situados no mesmo pavimento deste.Serão providas de antecâmara ou anteparo, as instalações sanitárias que derem acessodireto a compartimentos destinados a trabalho, refeitório ou consumição de alimentos.Quando, em razão da atividade desenvolvida, for prevista a instalação de chuveiros, estesserão calculados na proporção de um para cada 20 (vinte) usuários.Serão obrigatórias instalações sanitárias para pessoas portadoras de deficiências físicasna relação de 3% (três por cento) do total de sanitários estabelcidos no cálculo. Estaexigência refere-se aos seguintes usos:a) locais de reunião;b) qualquer outro uso com mais de 600 (seiscentas) pessoas.Os lavatórios e mictórios coletivos dispostos em cocho serão dimensionados à razão de0,60m (sessenta centímetros) por usuário. Manual Técnico C 010
  11. 11. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE Manual Técnico C 011
  12. 12. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE Manual Técnico C 012
  13. 13. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE Manual Técnico C 013
  14. 14. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE Manual Técnico C 014
  15. 15. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE Planta Baixa - Reservatório Inferior / Subsolo Corte Reservatório Inferior / Subsolo Manual Técnico C 015
  16. 16. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE3.0 Aeração da edificaçãoA aeração da edificação será definida pela implantação de uma faixa denominada de “faixaA”,, que deverá circundar toda a edificação, e cuja fórmula para seu cálculo é a seguinte: A = 3 + 0,35(N-14)Onde as variantes são as seguintes: A = dimensão da faixa A N = número de pavimentos da edificação.Portanto, a faixa A é diretamente proporcional à altura do edifício.Obs.: A fórmula pode ser aplicada pavimento por pavimento, o que poderia resultar emum edifício “escalonado”.3.1 AplicabilidadeNa página seguinte segue exemplo gráfico de como se deve aplicar a faixa livre “A” Manual Técnico C 016
  17. 17. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE3.2 Exemplos práticosAbaixo exemplo de aplicação da faixa livre “A” em edifício simulado: Manual Técnico C 017
  18. 18. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE3.2 Exemplos práticosAbaixo exemplo de aplicação da faixa “A” em edifício simulado Manual Técnico C 018
  19. 19. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE3.3 Exemplos de cálculoSimulemos, para exemplificarmos, três situações:a. Um edifício com térreo mais 9 pavimentos, o que perfaz um total de 10 pavimentos: Cálculo da faixa A= 3 + 0,35 (10-14) = 3 + 0,35 . -4 = 1,60 Neste caso adota-se o recúo mínimo de 3,00 m.b. Um edifício com térreo mais 13 pavimentos, o que perfaz um total de 14 pavimentos: Cálculo da faixa A= 3 + 0,35 (14-14) = 3,00 m.c. Um edifício com térreo mais 21 pavimentos, o que perfaz um total de 22 pavimentos: Cálculo da faixa A= 3 + 0,35 (22-14) = 5,80 m.E assim sucessivamente. Manual Técnico C 019
  20. 20. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE4.0 Classificação dos volumesToda e qualquer edificação, seja vertical ou não, terá por definição 3 (três) volumes:VOLUME ENTERRADO : VeVOLUME INFERIOR: ViVOLUME SUPERIOR: VsNa página seguinte, segue desenho ilustrativo* A aplicação da faixa livre “A” está subordinada à sua aplicação APENAS no volume superior da edificação.O volume inferior (Vi) pode conter até 3 (três) pavimentos, ou um máximo de 10 (dez) metros de altura,contados a partir do ponto médio da guia fronteiriça ao lote. Manual Técnico C 020
  21. 21. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE Manual Técnico C 021
  22. 22. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE5.0 CirculaçõesDefinem-se como espaços para circulação, todos os espaços destinados à circulação depedestres, ou seja, mais precisamente rampas, corredores e escadas.5.1 EscadasToda e qualquer edificação que tenha mais de um pavimento, deverá conter uma escadapara acesso aos pisos inferiores e/ou superiores, sendo que acima de 2 pavimentos a seremacessados, a mesma deverá ser de segurança.É denominada de escada de segurança o elemento construtivo que tem como finalidade afuga dos usuários de uma edificação em caso de pânico, e portanto, dispõe de um desenhopróprio para tanto (ver ilustração abaixo).Toda escada de segurança deve conter os seguintes elementos:a. Portas corta-fogo, com abertura no sentido da fuga.b. Uma ante-câmara, a ser dimensionada de acordo com a ilustração seguinte.c. Um duto de ventilação, a ser localizado na ante-câmara.d. É vedada a execução de degraus em leque.e. O dimensionamento dos degraus deve respeitar os seguintes parâmetros mínimos: 0,17 m para os espelhos. 0,27 m para os pisos.f. É obrigatória a execução de corrimãos.g. Quando houver ventilação permanente na ante-câmara , sua área não deverá ultrapassar 0,70 m2.h. Quando houver ventilação natural na caixa da escada , sua área não deverá ultrapassar 0,50 m2. Manual Técnico C 022
  23. 23. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIEa. Escadas enclausuradas (com antecâmara) Manual Técnico C 023
  24. 24. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIEa. Escadas enclausuradas (com antecâmara) Manual Técnico C 024
  25. 25. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIEc. Escada externaEsta tipologia tem limitação máxima de altura de 10,00 m; contada do a partir do pavimentotérreo até o último piso de acesso. Manual Técnico C 025
  26. 26. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIEd. Saída de escape no pavimento térreoPara qualquer das soluções de escada de segurança a ser adotada, a saída deverá serobrigatoriamente pelo pavimento TÉRREO, bem como a escada que liga o(s) sub-solos(s),conforme o desenho abaixo: Planta Térreo Planta tipo Manual Técnico C 026
  27. 27. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE“12.H.3. - Sem prejuízo do dimensionamento dos espaços de circulação coletiva calculadosconforme Seção 12.7 do COE, as edificações deverão dispor, no mínimo, das escadasconstantes na seguinte tebela:”“Nota: ‘Ho’ entre a cota do pavimento de saída e a cota do último pavimento, excluído oático”. Manual Técnico C 027
  28. 28. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE5.2 RampasÉ permitida a utilização de rampas para acesso vertical, desde que se respeite os seguintesparâmetros: Largura mínima de 1,20 m para acesso a locais cuja lotação não exceda a 100 pessoas para um único local de reunião ou a qualquer pavimento que não detenha um uso com mais de 600 pessoas. Qualquer dimensionamento que venha a exceder este número, será necessário que se proceda ao cálculo de lotação, onde a largura da rampa deve ser projetada em função do cálculo de escoamento (ver Seção 12-F do Decreto 32.329 de 23/09/92, o Código de Obras e Edificações) A declividade da rampa não deve ultrapassar 10 (dez) por cento e acima de 6 (seis) por cento, a mesma deverá ser revestida em seu piso com material anti-derrapante.(ver tabela página seguinte)5.3 CorrredoresOs corredores para circulação interna das edificações deverão obedecer às seguintesdimensões: 1,50 m de fronte aos elevadores. 1,20 m como largura padrão mínima para todo e qualquer edifício onde haja circulação semi-pública (edifícios em geral, sejam de apartamentos, escritórios, comerciais, etc.) 0,90 m para as denominadas de circulações privativas: mezaninos de lojas modulares, acessos internos de escritórios, residências unifamiliares, etc.). Manual Técnico C 028
  29. 29. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE Manual Técnico C 029
  30. 30. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE6.0 Circulação mecânicaSão chamadas de circulações mecânicas aquelas que se utilizam de equipamentos mecânicospara a locomoção, tanto de usuários quanto de cargas, macas (no caso de hospitais), autose similares, etc.As chamadas circulações verticais podem ser sub-divididas em 3 famílias:Elevadores: Hidráulicos Mecânicos de passageiros. Mecânicos de carga e monta cargas.Escadas rolantesEsteiras rolantes Manual Técnico C 030
  31. 31. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE6.1ElevadoresTodo e qualquer projeto de um edifício vertical, pressupõe a especificação de 2 ou maiselevadores. No entanto, a localização dos mesmos deve seguir alguns critérios para que sefaça a especificação correta. São eles:a. dimensionamentoO dimensionamento da cabine* deve seguir sempre o cálculo da lotação da edificação, ouseja, o número de viagens a ser considerado é função direta do número de pessoas queacessam o edifício na mesma hora. Manual Técnico C 031
  32. 32. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIEb. disposiçãoA disposição dos elevadores deve ter como principal objetivo o bom direcionamento dofluxo das pessoas. Abaixo seguem alguns exemplos de situações que devem ser evitadas: Manual Técnico C 032
  33. 33. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIEc. Tipologiasc.1 Elevadores hidráulicosSão chamados de hidráulicos aqueles movidos por energia gerada através de um pistãohidráulico, localizado na casa de máquinas que, via de regra, deve ser localizada em umpoço a ser edificado no sub-solo, ou no nível imediatamente inferior ao da primeira parada.Os elevadores hidráulicos apesar de se mostrarem mais onerosos que os mecânicos, sãomais silenciosos e mais suaves. Alguns shoppings centers como o Market Place, o D&D e oSerra Azul utilizam este tipo de elevador.Na página seguinte estão os desenhos que ilustram as condições técnicas para que se executeuma instalação para elevadores hidráulicos: Manual Técnico C 033
  34. 34. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE Manual Técnico C 034
  35. 35. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIEc.2 Elevadores mecânicosOs elevadores mecânicos operam basicamente com força mecânica, gerada por um motorque aciona a cabine, que por sua vez em conjunto com um contrapeso, constituem umsistema equilibrado.Via de regra as cabines são dimensionadas de acordo com a tabela apresentada na página seguinte:Para sua operação, são necessários os seguintes elementos: Casa de máquinas, onde serão localizados os motores, o quadro de força, o quadro de comando, o quadro elétrico e as roldanas. (ilustração na página seguinte) Uma cabine para acolhimento dos usuários, que deverá ser dimensionada de acordo com a tabela anterior e cujo desenho está representado abaixo: Um conjunto de alçapões (ver corte) Um poço a ser localizado abaixo do pavimento de última parada (ver corte) Manual Técnico C 035
  36. 36. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE Manual Técnico C 036
  37. 37. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIEc.3 Elevadores de carga e monta-cargasEstes elevadores operam da mesma forma que o mecânico de passageiros, porém tanto omotor quanto o sistema de freios e o contrapeso, são proporcionais à capacidade doelevador.Enquanto os monta-cargas oferecem cabines de 1,20 x 1,20 m em média, os de carga chegama 2,00 x 2,40 m. O dimensionamento é sempre elaborado em função do tipo de carga a sertrasnportada. Manual Técnico C 037
  38. 38. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIEc.4 Elevadores panorâmicosSão definidos como panorâmicos os elevadores compostos por um ou mais caixilhosenvidraçados.Podem ser de dois tipos:. Totalmente externos.Encaixilhados, onde a cabine além de conter um ou mais fechamentos laterias em vidro,estão enclausurados em um caixilho do edifício. Tipo Externo Manual Técnico C 038
  39. 39. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE Tipo Encaixilhado Tipo Externo Manual Técnico C 039
  40. 40. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE6.2 Escadas RolantesSão utilizadas em geral em áreas comerciais (Shopping centers) ou em áreas públicas comgrande fluxo de pessoas, que venham a justificar a sua utilização.São movidas por força mecânica, assim como os elevadores, e requerem um grade cuidadoao serem especificadas, pois solicitam um grande esforço ao se apoiarem na estrutura doedifício, uma vez que seu peso próprio é bastente considerável.Na página seguinte segue o dimensionamento exemplificado: Manual Técnico C 040
  41. 41. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE Manual Técnico C 041
  42. 42. Arquitetura e Urbanismo Projeto VIMACKENZIE6.3 Esteiras rolantesDa mesma forma que as escadas rolantes, as esteiras também requerem um certo cuidadocom relação ao seu apoio à estrutura do edifício.Por ser uma rampa, necessita de uma inclinação máxima de 15 (quinze) por cento . Porémaconselha-se a utilização de uma inclinação de 10 (dez) por cento.A sua utilização não é muito pouco frequente, pois é dispendiosa e também por necessitarde espaço para a sua implantação. Por exemplo, uma escada para acessar um desnível de 3metros com inclinação de 15%, terá que ter aproximadamente 20 metros de comprimento.Em geral, as esteiras rolantes são utilizadas somente em Hiper e Super mercados, porfacilitarem a locomoção de seus usuários com os carrinhos. Manual Técnico C 042
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×