Trecho Samba sem mim

  • 35 views
Uploaded on

Confira o trecho do livro Samba sem mim da editora Benvirá

Confira o trecho do livro Samba sem mim da editora Benvirá

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
35
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. 1. Alice O ideal europeu tinha Alice afogando-se nas bordas. Os ouvidos inchados com o som de catracas girando e dos malditos trens partindo em horários quebrados. Algo de muito doentio, um trem às 21h53. Como a impossibilidade de poesia, o preço de frutas fora da estação. Na esquina um acidente entre dois carros, e sobre o asfalto ela pisou macio em cacos de vidro. A sensação era boa, e os motoristas não deixaram de disputar a posse da razão. Mas Alice furiosa não conseguia se acalmar. Eram 21h55 quando ela atravessou a rua, e logo em seguida ouviram-se as sirenes da polícia. Depois do acidente ela achou melhor tentar esquecer. Afinal de contas, era como se nem sequer existisse – ou assim pretendiam os passantes no contrafluxo. A indiferença absoluta era a utopia europeia, que vendia um pacote-padrão aos países-membros para não precisar remendar guerras depois. E conversar. E colo- car a mão no ombro do país vizinho e perguntar se estava tudo bem. E ouvir a resposta. Alice não chegava a dominar, por mais que tentasse, o olhar. Era o olhar que a traía. No último instante ela piscava, ou não resistia e dava uma espiada em quem vinha na direção oposta, e pronto: uma não europeia. Cada vez que não continha o olhar, Alice sentia-se afegã. E as pessoas que olhavam para ela eram tão desdenhosas que em cada loja em cada vitrine em cada reflexo ela temia encontrar uma coroa de frutas na cabeça, um cacho de uvas escorregando um pouquinho sobre a orelha esquerda. A suspeita do cacho de uvas fazia com que se sentisse gosmenta na alma. E tinha também a questão das moedas, que eram muitas e abrangiam muitos valores e apenas um povo perturbadoramente educado seria capaz de administrar tanto troco. Alice estremecia diante da ideia de carregar uma niqueleira. Chegar no
  • 2. caixa e tirar a niqueleira do bolso e colocá-la na palma da mão para então abrir com a ponta do indicador e do dedão o pequeno zíper sempre defeituoso, trancando um pouco nas extremidades mal-acabadas do tecido e produzindo dali, daquele espetáculo civilizado, uma epifania no valor de sessenta e oito centavos. Porque alguém, esse povo, resistia com orgulho bélico à inocência de um arredondamento. E o que Alice deveria fazer com esses dois centavos de diferença? Acumulá-los em uma maleta e ao cabo de oito meses comprar pão e queijo e uma garrafa de vinho? E o operador do caixa contaria moeda a moeda? Assim, civilizadamente? Enquanto o seu trem – o último trem do dia – já alcançava a fronteira com o assento que era para ser seu vazio e a passagem que continuava sendo sua não reembolsável, e onde, isso ela gostaria de saber, onde os dois centavos de troco amenizariam sua dor? Encontrou consolo nos braços gelados de um banco de praça que não locali- zava em seu mapa. Alice boiando à deriva dos séculos de história e suas influên- cias na arquitetura. À beira das lágrimas e dos aplausos do outro lado da rua. Uma pequena multidão escoava pela porta de entrada, grande a ponto de comportar cavalos. As crinas dos homens que sorriam eram grisalhas, tapinhas nas costas e acenos no ar, um deles olhando duas vezes antes de atravessar a rua na direção de Alice. Sobre a porta, presa à fachada do prédio, uma faixa branca dizia em azul al- guma coisa alguma coisa Europa alguma coisa exclamação. Mesmo sem entender quase nada, Alice entendia o suficiente da vida para saber que a exclamação tinha estragado tudo. A Europa ali no meio. Aproximando-se o senhor, e a primeira reação de Alice foi fechar as pernas, como se isso sinalizasse o que isso sinalizava. Então tentou e não conseguiu do- brar e guardar o mapa, que ficou amassado e envergonhado sobre seu colo. Não bastasse já estar enviesada sobre o banco, a mochila às costas impedindo uma posição minimamente honrosa. Maldita Europa por todos os lugares. “Perdida?” Sua resposta, um yes-no assustado, fez o homem rir e limpar uma caspa ima- ginária do paletó. “Sou um filósofo”, disse, pleiteando inocência. Alice ficou pensando em Sar- tre, que era tarado e feio. Estava ministrando uma conferência – ou ao menos era isso que ela tinha entendido, ministrando. Dominava o inglês até que bem, porém sempre tropeçava em sotaques menos canônicos. Japoneses se arriscando no inglês, por exemplo, deixavam-na tão perturbada quanto dois minutos depois, ao descobrir que eram chineses e ela ficara puxando assunto sobre Tóquio. E ela pouco se lixava para a maldita Tóquio. “Look”, ela disse, porque em inglês, para prestarem atenção, é preciso começar com um look ou um listen ou um see ou uma coisa simples assim, de fácil assimi-
  • 3. lação pelos olhos ou pelos ouvidos, “eu não faço isso”, e por isso ela queria dizer it, e por it ela queria dizer sexo. O velho riu outra vez e constrangido cobriu o rosto com uma das mãos. Ele não queria o sexo que Alice tinha insinuado por trás do it. Ele era um filósofo e vinha proferir (eis a palavra utilizada) uma palestra sobre alguma coisa alguma coisa Europa alguma coisa exclamação. “Nesse caso”, respondeu Alice, “In this case we can have a cup of coffee.” O café, um produto do submundo, custava exatos e redondos e indulgentes dois euros. O filósofo pagou os quatro. Alice ainda não estava pronta para se prostituir por uma bebida quente, mas aceitou a gentileza por via das dúvidas. “Sobre o que sua palestra?” “Sobre a possibilidade de uma Europa unida.” “Que bobagem”, riu ela pelo nariz. “E por que seria uma bobagem?” “Me admira um filósofo se envolver nisso.” “Você não crê numa Europa unida?” Ela encolheu os ombros. Queria dizer que seja eterno enquanto dure, mas não sabia traduzir. Depois quis dizer que se foda, mas achou inadequado, e ainda havia a possibilidade de o filósofo pagar-lhe um sanduíche. “Está aqui há muito tempo?” “Nem sei mais. Perdi o trem para voltar.” “Mas ao menos deu para ver a cidade?” “É, mas não gostei daqui. Tudo muito falso.” “Falso?” “É. Parece cidade cenográfica, sabe? Tudo bonitinho certinho no lugar. Tudo artificial. Enchi o saco.” O filósofo riu – sempre um espetáculo à parte, contrariando o impulso filoso- fante da mão no queixo e dos imperativos categóricos. “É extremamente peculiar”, ele começou, um sorriso nos lábios, as palavras sem pressa, “que uma jovem da sua geração ache isso daqui” – fez um gesto que envolvia a mesa onde estavam sentados, simbolizando bairro cidade talvez país continente – “falso.” Alice piscou os olhos. “A sua geração cresceu cercada de computadores, televisores. Você, provavel- mente, se porta com grande naturalidade em realidades virtuais muito abstratas – muito artificiais. Mas, por algum motivo, é este mundo concreto aqui ” – bateu com a ponta da unha sobre a mesa – “que te parece cenográfico.” Alice agarrando-se às margens, Alice. “Do you understand?”
  • 4. Ela fez que sim, rememorando pisar sobre os cacos de vidro, o tranquilizante som de esmagá-los no asfalto europeu. “Eu preciso de um lugar para dormir. E um sanduíche.” E para tanto ela se prostituiu. O sexo não foi a coisa mais repelente do mundo, ou não tanto quanto susten- tar o olhar desesperado de um velho em sua última transa mais ou menos legítima com uma garota com idade para ser sua neta. Alice fechou os olhos e pensou no som dos pedaços de vidro indo de pequenos a menores a minúsculos, até serem absorvidos pelo cimento. Integrados à paisagem. Também ela agora manchada de sêmen na virilha havia se integrado à Europa. O pensamento filosófico europeu pós-metafísico escorria-lhe pelas pernas. Alice acordou num salto, o filósofo estirado nu e flácido à sua esquerda, o sol rasgando um pedaço da cortina. Do chão recolheu a calça dele, a carteira dele, o dinheiro de uma Europa una e da longa prateleira que conduzia até a porta principal um livro qualquer, para ler à sombra de uma civilização cenográfica. E correu pelas bordas do asfalto, atrasada para o próximo trem.