Treinamento de questões abertas de literatura, 04

691 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
691
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
218
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Treinamento de questões abertas de literatura, 04

  1. 1. treinamento de questões abertas Literatura 04 Manoel Neves
  2. 2. INSTRUÇÃOtreinamento de questões abertas 04 Leia  os  fragmentos  a  seguir.  
  3. 3. FRAGMENTO 01 treinamento de questões abertas 04A  feição  deles  é  serem  pardos,  maneira  de  avermelhados,  de  bons  rostos  e  bons  narizes,  bem  feitos.  Andam  nus,  sem  cobertura  alguma.  Não  fazem  o  menor  caso  de  encobrir  ou  de  mostrar  suas  vergonhas;  e  nisso  têm  tanta  inocência  como  em  mostrar  o  rosto.  (...)     CAMINHA,  Pero  Vaz  de.  Carta.  Rio  de  Janeiro:  Agir,  1996.  
  4. 4. FRAGMENTO 02 treinamento de questões abertas 04Bastará  dizer-­‐vos  que  até  aqui,  como  quer  que  eles  um  pouco  se  amansassem,  logo  duma  mão  para   a   outra   se   esquivavam,   como   pardais,   do   cevadoiro.   Homem   não   lhes   ousa   falar   de   rijo  para  não  se  esquivarem  mais;  e  tudo  se  passa  como  eles  quem,  para  os  bem  amansar.  (...)     CAMINHA,  Pero  Vaz  de.  Carta.  Rio  de  Janeiro:  Agir,  1996.  
  5. 5. FRAGMENTO 03 treinamento de questões abertas 04E,  segundo  que  a  mim  e  a  todos  pareceu,  esta  gente  não  lhes  falece  outra  coisa  para  ser  toda  cristã,   senão   entender-­‐nos,   porque   assim   tomavam   aquilo   que   nos   viam   fazer,   como   nós  mesmos,  por  onde  nos  pareceu  a  todos  que  nenhuma  idolatria,  nem  adoração  têm.  E  bem  creio  que,  se  Vossa  Alteza  aqui  mandar  quem  entre  eles  mais  devagar  ande,  que  todos  serão  tornados  ao  desejo  de  Vossa  Alteza.   CAMINHA,  Pero  Vaz  de.  Carta.  Rio  de  Janeiro:  Agir,  1996.  
  6. 6. FRAGMENTO 04 treinamento de questões abertas 04Andavam  já  mais  mansos  e  seguros  entre  nós,  do  que  nós  andávamos  entre  eles.  (...)     CAMINHA,  Pero  Vaz  de.  Carta.  Rio  de  Janeiro:  Agir,  1996.  
  7. 7. FRAGMENTO 05 treinamento de questões abertas 04Eles  não  lavram,  nem  criam.  (...)     CAMINHA,  Pero  Vaz  de.  Carta.  Rio  de  Janeiro:  Agir,  1996.  
  8. 8. QUESTÃO 01 treinamento de questões abertas 04A   parUr   dos   fragmentos   da   Carta,   faça   um   texto   sobre   a   imagem   do   índio   construída   por  Caminha  ao  longo  de  sua  missiva.    
  9. 9. SOLUÇÃO COMENTADA treinamento de questões abertas 04 os fragmentos 01 etnocentrismo  [semelhanças  corporais  do  índio  com  o  europeu]   02 aponta-­‐se  o  índio  como  selvagem,  arredio   03 intenção  catequéUca  e  colonizadora   04 destaca-­‐se  a  falta  de  malícia  dos  silvícolas  [inocência]   05 análise  de  aspectos  culturais  e  da  organização  da  sociedade  do  íncola   uma análiseda  leitura  dos  fragmentos,  depreende-­‐se  a  intenção  predatória  do  colonizador,  que  pode  ser  comprovada  pela  intencionalidade  de  salvar  as  almas  dos  índios  e  de  trazê-­‐lo  para  a  cultura  ocidental;  o  reforço  dos  traços  fenoZpicos  semelhantes  aos  dos  portugueses,  a  constatação  da  inocência  do  índio  e  os  traços  animalescos  são  elementos  que  comprovam  que  o  europeu   deseja  criar  uma  nova  idenUdade  para  o  naUvo  das  terras  americanas.  
  10. 10. INSTRUÇÃOtreinamento de questões abertas 04 Leia  os  fragmentos  a  seguir.  
  11. 11. FRAGMENTO 01 treinamento de questões abertas 04 O  maldito  macumbeiro   Soube  seu  plano  formar   Bem  na  frente  do  palácio   Começou  ele  a  gritar   Quem  é  que  tem  lâmpada  velha   Para  por  nova  trocar?  PATATIVA  DO  ASSARÉ.  Aladim  e  a  lâmpada  maravilhosa.  In.:  Cordel.  São  Paulo:  Hedra,  2000.  
  12. 12. FRAGMENTO 02 treinamento de questões abertas 04 Vendo  o  flagelo  horroroso   Vendo  o  grande  desacato   Infiel  e  impiedoso   Aquele  ingrato  patrão   Como  quem  declara  guerra   Expulsa  da  sua  terra   Seu  morador  camponês   O  coitado  flagelado   Seu  inditoso  agregado   Que  tanto  favor  lhe  fez    PATATIVA  DO  ASSARÉ.  Emigração  e  as  consequências.  In.:  Cordel.  São  Paulo:  Hedra,  2000.  
  13. 13. FRAGMENTO 03 treinamento de questões abertas 04 Com  grande  necessidade   Sem  rancor  e  sem  malícia   Entra  a  turma  na  cidade   E  sem  temer  a  polícia   Vai  falar  com  o  prefeito   E  se  este  não  der  jeito   Agora  o  jeito  que  tem   É  os  coitados  famintos   Invadirem  os  recintos   Da  feira  e  do  armazém.  PATATIVA  DO  ASSARÉ.  Emigração  e  as  consequências.  In.:  Cordel.  São  Paulo:  Hedra,  2000.  
  14. 14. QUESTÃO 02 treinamento de questões abertas 04Com   base   na   leitura   dos   trechos,   redija   um   texto,   DISCUTINDO   o   maniqueísmo   presente   na  poesia  de  PataUva  do  Assaré.    
  15. 15. SOLUÇÃO COMENTADA treinamento de questões abertas 04 o maniqueísmo rígida  oposição  entre  bem  e  mal   recursos linguísticos os  recursos  por  intermédio  dos  quais  se  manifesta  o  maniqueísmo  são  a  anZtese  e  a  adjeUvação   como aparece em Patativa do Assaréos  valores  morais  e  culturais  que  o  locutor  intenta  criUcar  aparecem  referenciados  negaUvamente   [maldito  macumbeiro,  flagelo  horroroso,  ingrato  patrão,  coitados  famintos,  inditoso  agregado]   por  inferência,  percebe-­‐se  que  o  locutor  defende  a  religião  cristã,  os  pobres  e  a  chuva;   implicações do maniqueísmo o  discurso  maniqueísta  revela-­‐se  engajado  na  defesa  de  alguns  valores  morais  e  ideológicos;  por  operar  através  da  anZtese,  as  imagens  que  cria  são  bastante  níUdas  e  de  fácil  compreensão;  apesar de  ideologizado,  promove  grande  empaUa  no  leitor  menos  exigente  e  nas  camadas  populares.  
  16. 16. INSTRUÇÃOtreinamento de questões abertas 04 Leia  os  fragmentos  abaixo.  
  17. 17. LITERATURA E SOCIEDADE Antonio CandidoNo   RomanUsmo,   a   ideia   de   pátria   se   vinculava   estreitamente   à   de   natureza   e   em   parte   dela  extraía  sua  jusUficaUva.  Ambas  conduziam  a  uma  literatura  que  compensava  o  atraso  material  e  a  debilidade  das  insUtuições  por  meio  da  supervalorização  dos  aspectos  regionais,  fazendo  do  exoUsmo  razão  de  oUmismo  social.   CANDIDO,  Antonio.  Literatura  e  sociedade.  Disponível  em:  hip://manoelneves.com  
  18. 18. CANÇÃO DO EXÍLIO Gonçalves Dias Nosso  céu  tem  mais  estrelas,   Nossas  várzeas  têm  mais  flores   Nossos  bosques  têm  mais  vida,   Nossa  vida  mais  amores.    GARBUGLIO,  José  Carlos.  Melhores  poemas  de  Gonçalves  Dias.  Rio  de  Janeiro:  Global,  2010.    
  19. 19. CANTO DO GUERREIRO Gonçalves Dias Valente  na  guerra   Quem  há,  como  eu  sou?   Quem  vibra  o  tacape   Com  mais  valenUa?   Quem  golpes  daria   Fatais,  como  eu  dou?   –  Guerreiros,  ouvi-­‐me;   –  Quem  há,  como  eu  sou?    GARBUGLIO,  José  Carlos.  Melhores  poemas  de  Gonçalves  Dias.  Rio  de  Janeiro:  Global,  2010.    
  20. 20. QUESTÃO 03 treinamento de questões abertas 0404)   Tomando   por   base   a   visão   de   “país   novo”,   desenvolvida   nas   obras   dos   escritores   do  RomanUsmo   Brasileiro,   e   analisada   pelo   críUco   literário   Antonio   Candido   em   seu   ensaio  “Literatura   e   sociedade”,   redija   um   texto,   relacionando   os   fragmentos   citados   e   explicando   a  visão  que  Gonçalves  Dias  possui  da  natureza  e  do  homem  brasileiros.  
  21. 21. SOLUÇÃO COMENTADA treinamento de questões abertas 04 os fragmentos 01 naUvismo/atraso  material/debilidade  de  insUtuições  x  regional/exoUsmo/oUmismo 02 idealização  de  aspectos  regionais  [a  natureza  é  exuberante/exóUca  =  pátria  melhor] 03 idealização  do  índio  [ser  diferente/exóUco  =  ser  melhor]   uma análise no  romanUsmo,  inconscientemente,  os  autores  forjam  uma  ideia  de  nação;  na  construção  desse  ideal,  merecem  destaque  os  elementos  que  singularizam  o  Brasil  em  relação  à  Europa;  atentando  a  essa  perspecUva,  a  tendência  da  literatura  então  produzida  será  reforçar  as  marcas  de  diferença  da  gente  e  da  terra  nova;  como  se  trata  de  uma  imagem  ideal,  é  esperado  o  uso  de  recursos  como   a  idealização  [da  pátria  e  do  índio];  dentro  desse  contexto  ideológico,  naUvismo,  indianismo  e  ufanismo  são  elementos  que  atendem  à  intencionalidade  dos  escritores  do  romanUsmo  brasileiro   de  forjar  uma  idenUdade  nova  para  um  povo  e  um  país  que  acabaram  de  nascer.  
  22. 22. INSTRUÇÃOtreinamento de questões abertas 04 Leia  o  trecho  a  seguir.  
  23. 23. SERMÃO DA SEXAGÉSIMA Padre Antônio VieraSe  de  uma  parte  há  de  estar  branco,  da  outra  há  de  estar  negro;  se  de  uma  parte  dizem  luz,  da  outra  hão  de  dizer  sombra;  se  de  uma  parte  dizem  desceu,  da  outra  hão  de  dizer  subiu.  Basta  que   não   havemos   de   ver   num   sermão   duas   palavras   em   paz?   Todas   hão   de   estar   sempre   em  fronteira   com   o   seu   contrário?   Aprendamos   do   céu   o   esUlo   da   disposição,   e   também   o   das  palavras.   As   estrelas   são   muito   disUntas   e   muito   claras.   Assim   há   de   ser   o   esUlo   da   pregação;  muito   disUnto   e   muito   claro.   E   nem   por   isso   temais   que   pareça   o   esUlo   baixo;   as   estrelas   são  muito   disUntas   e   muito   claras,   e   alZssimas.   O   esUlo   pode   ser   muito   claro   e   muito   alto;   tão   claro  que  o  entendam  os  que  não  sabem  e  tão  alto  que  tenham  muito  que  entender  os  que  sabem.   VIEIRA,  Padre  Antônio.  Sermão  da  sexagésima.  Disponível  em:  hip://manoelneves.com.    
  24. 24. QUESTÃO 04 treinamento de questões abertas 04Considerando  ser  o  Sermão  da  sexagésima  um  sermão  metalinguísUco,  redija  um  breve  texto,  analisando    como  o  texto  de  Vieira  dialoga  com  os  esUlos  culUsta  e  concepUsta.  
  25. 25. SOLUÇÃO COMENTADA treinamento de questões abertas 04 cultismo jogos  de  palavras,  uso  reiterado  de  figuras  formais,  tais  como  paralelismos  e  anZtese   conceptismo jogos  de  ideias,  preferência  por  figuras  semânUcas  e  raciocínios  ousados  e  bem  construídos   o “Sermão da sexagésima” no  Sermão  da  sexagésima,  Vieira  criUca  os  pregadores  que,  querendo  impressionar  o  ouvinte,  lançam  mão  de  uma  linguagem  com  alto  grau  de  elaboração,  mas  deixam  de  lado  o  principal,  que   é  a  doutrinação  e  o  arrebanhar  as  almas  para  Cristo   cultismo, conceptismo e o fragmento transcrito o  trecho  citado  criUca  veementemente  o  culUsmo  [basta...]  e  defende  que,  na  pregação,  seja   uUlizado  um  esUlo  simples  e  claro  [assim  há  de  ser...];  paradoxalmente,  há,  no  fragmento  em   análise  uma  profusão  de  jogos  de  palavras  [anZtese,  paralelismos  e  disseminação  e  recolha]  
  26. 26. INSTRUÇÃOtreinamento de questões abertas 04 Leia  os  fragmentos  a  seguir.  
  27. 27. FRAGMENTO 01 Raul Bopp –  Mexa  com  o  corpo  velho   trance  pernas  com  a  moça,  compadre   –  Balancê,  Traversê   –  Com  sus  pares  contraro   –  Vorver  pela  direita   –  Mudar  de  posição    BOPP,  Raul.  Cobra  Norato.  Rio  de  Janeiro:  Nova  Fronteira,  2005.  
  28. 28. FRAGMENTO 02 treinamento de questões abertas 04 Pica-­‐pau  bate  que  bate   já  bateu  meu  coração   Bateu  bico  toda  noite   Urumutum  urumutum  BOPP,  Raul.  Cobra  Norato.  Rio  de  Janeiro:  Nova  Fronteira,  2005.  
  29. 29. QUESTÃO 05 treinamento de questões abertas 04A  parUr  da  leitura  dos  fragmentos  acima,  redija  um  breve  texto,  explicando  como  a  poesia  de  Raul  Bopp  dialoga  com  a  cultura  popular.    
  30. 30. SOLUÇÃO COMENTADA treinamento de questões abertas 04 elementos da cultura popular seleção  lexical  [compadre,  contraro]   alusão  a  canUgas  de  roda  [pirulito  que  bate  bate]  e  a  fesUvidades  [quadrilha]   menção  à  cultura  indígena  [urumutum]   musicalidade  [uso  da  redondilha  maior]   cultismo, conceptismo e o fragmento transcritoa  incorporação  de  elementos  da  fala  e  da  cultura  populares  na  poesia  atende  ao  intento  dos  modernistas  da  primeira  geração  de  criar  uma  arte  simples,  de  fácil  compreensão,  de  apelo   popular  e  genuinamente  nacional  
  31. 31. INSTRUÇÃOtreinamento de questões abertas 04 Leia  os  fragmentos  a  seguir.  
  32. 32. A GENTE DAS CALÇADAS João Cabral de Melo Neto “–  Se  já  está  morto.  Se  não  dorme.   Sua  cela  é  escura  como  um  poço.   –  Pintada  de  negro,  de  alcatrão:   está  cego  e  surdo  como  morto.   –  Não  está  morto.  Terá  sonhos.   Não  há  alcatrão  dentro  do  corpo.   –  Não  há  cela  de  negro  alcatrão   há  luz  dos  ossos  em  depósito.   -­‐  Veio  do  século  das  luzes,   para  um  luz  de  branco  de  osso.”  MELO  NETO,  João  Cabral.  Auto  do  frade.  Rio  de  Janeiro:  Nova  Fronteira,  1999.  
  33. 33. MARÍLIA DE DIRCEU Tomás Antônio Gonzaga Eu  sou,  genUl  Marília,  eu  sou  caUvo;   Porém  não  me  venceu  a  mão  armada   De  ferro,  e  furor:   Uma  alma  sobre  todas  elevada   Não  cede  a  outra  força,  que  não  seja   A  tenra  mão  do  Amor.   Arrastem  pois  os  outros  muito  embora   Cadeias  nas  bigornas  trabalhadas   Com  pesados  martelos:   Eu  tenho  as  minhas  mãos  ao  carro  atadas   Com  duros  ferros  não,  com  fios  douro,   Que  são  só  teus  cabelos.  GONZAGA,  Tomás  Antônio.  Marília  de  Dirceu.  São  Paulo:  ÁUca,  2001.  
  34. 34. QUESTÃO 06 treinamento de questões abertas 04(UFJF)   Ambos   textos   falam   de   liberdade   e   prisão.   Comente   o   tratamento   dado   ao   tema   pelos  dois  autores.    
  35. 35. SOLUÇÃO COMENTADA treinamento de questões abertas 04 analisando a questão intenciona-­‐se  mensurar  a  percepção  dos  níveis  denotaUvo  e  conotaUvo   lendo o texto 01 no  texto  01,  a  prisão  aparece  em  seu  senUdo  denotaUvo,  real,  significando  encarceramento;  do   mesmo  modo,  pode-­‐se  ler  a  palavra  liberdade  –  se  se  está  preso,  está-­‐se  privado  da  liberdade  de     dispor  de  si  como  bem  aprouver.   lendo o texto 02 no  texto  02,  a  prisão  é  figurada,  conotaUva  e  representa  a  ligação  afeUvo-­‐amorosa  a  alguém;   se  se  ama,  o  que  encarcera  é  o  senUmento  que  se  tem  em  relação  ao  outro;  diferentemente  do  que  ocorre  em  01,  as  condições  do  sujeito  poéUco  são  amenas,  agradáveis,  o  que  leva  a  supor  que   ele  não  deseja  se  libertar  daquilo  que  o  agrilhoa.  
  36. 36. INSTRUÇÃOtreinamento de questões abertas 04 Leia  o  poema  a  seguir.  
  37. 37. QUADRILHA Carlos Drummond de Andrade João  amava  Teresa  que  amava  Raimundo   que  amava  Maria  que  amava  Joaquim  que  amava  Lili   que  não  amava  ninguém.   João  foi  para  os  Estados  Unidos,  Teresa  para  o  convento   Raimundo  morreu  de  desastre,  Maria  ficou  para  Ua,   Joaquim  suicidou-­‐se  e  Lili  casou  com  J.  Pinto  Fernandes   que  não  Unha  entrado  na  história.  ANDRADE,  Carlos  Drummond  de.  Alguma  poesia.  Rio  de  Janeiro:  Nova  Fronteira,  1994.  
  38. 38. QUESTÃO 07 treinamento de questões abertas 04(UFJF)  Com  base  na  leitura  do  poema,  discuta  a  concepção  do  amor  em  Drummond.    
  39. 39. SOLUÇÃO COMENTADA treinamento de questões abertas 04 analisando “”Quadrilha” textualmente,  o  locutor  fala  que  o  laço  que  une  as  personagens  é  o  amor  [amava  ...  que  amava];  da  leitura  do  poema,  depreende-­‐se,  no  entanto,  que  quem  ama  não  é  correspondido;  a  figura  que   não  amava  ninguém  é    a  única  que  se  casa...  isso  permite  afirmar  que  o  discurso  por  intermédio   do  qual  se  arUcula  o  poema  é  irônico   lendo o discurso irônico pode-­‐se  afirmar  que  o  discurso  presente  no  poema  é  irônico,  pois,  se  a  temáUca  é  o  amor,  a   abordagem  dada  a  ele  é  a  da  incompreensão  e  a  da  incompletude  –  as  personagens  amam  e  não   são  correspondidas;  todas  têm  um  fim  trágico,  com  exceção  daquela  que  não  amava  ninguém;   da  leitura  do  discurso  irônico,  depreende-­‐se  que  o  amor  é  desencontro  e  interesse:   o  desencontro  já  foi  explicado  anteriormente;  o  interesse  se  jusUfica  pelas  conotações  eróUcas   e  financeiras  conUdas  no  nome  de  seu  par  –  J.  Pinto  Fernandes.  
  40. 40. INSTRUÇÃOtreinamento de questões abertas 04 Leia  o  poema  a  seguir.  
  41. 41. A EDUCAÇÃO PELA PEDRA João Cabral de Melo Neto Uma  educação  pela  pedra:  por  lições;   para  aprender  da  pedra,  frequentá-­‐la;   captar  sua  voz  inenfáUca,  impessoal   (pela  de  dicção  ela  começa  as  aulas).   A  lição  de  moral,  sua  resistência  fria   ao  que  flui  e  a  fluir,  a  ser  maleada;   a  de  poéUca,  sua  carnadura  concreta;   a  de  economia,  seu  adensar-­‐se  compacta:   lições  da  pedra  (de  fora  para  dentro,   carUlha  muda),  para  quem  soletrá-­‐la.   Outra  educação  pela  pedra:  no  Sertão   (de  dentro  para  fora,  e  pré-­‐didáUca).   No  Sertão  a  pedra  não  sabe  lecionar,   e,  se  lecionasse,  não  ensinaria  nada;   lá  não  se  aprende  a  pedra:  lá  a  pedra,   uma  pedra  de  nascença,  entranha  a  alma.  MELO  NETO,  João  Cabral  de.  Educação  pela  pedra.  Rio  de  Janeiro:  Nova  Fronteira,  1999.  
  42. 42. QUESTÃO 08 treinamento de questões abertas 04(UFOP) Em A educação pela pedra, na dedicatória de João Cabral de Melo Neto aManuel Bandeira, o poeta refere-se à obra como “antilira” – uma alusão à sua poéticade oposição à tradição lírica. Explique o termo “antilira” empregado pelo autor, tendocomo base argumentativa os aspectos temáticos e formais do lido anteriormente.  
  43. 43. SOLUÇÃO COMENTADA treinamento de questões abertas 04 antilira, aspectos formais ausência  de  métrica  e  de  rima;   estrofação  irregular;   uso  de  arUculadores  discursivos  [conjunção  e  preposição]  que  afastam  o  poema  do  discurso   poéUco  tradicional  e  o  aproximam  do  discurso  conZnuo  e  arUculado  da  prosa     antilira, aspectos temáticosprosaísmo  [afastamento  dos  temas  convencionalmente  poéUcos  –  amor,  beleza,  senUmentos]   defesa  de  uma  poesia  impassível,  conUda  e  densa  
  44. 44. INSTRUÇÃOtreinamento de questões abertas 04 Leia  o  poema  que  se  segue.  
  45. 45. VERSOS ÍNTIMOS Augusto dos Anjos Vês?  Ninguém  assisUu  ao  formidável   Enterro  de  tua  úlUma  quimera.   Somente  a  IngraUdão  –  esta  pantera  –   Foi  tua  companheira  inseparável!   Acostuma-­‐te  à  lama  que  te  espera!   O  Homem,  que,  nesta  terra  miserável,   Mora,  entre  feras,  sente  inevitável   Necessidade  de  também  ser  fera.   Toma  um  fósforo.  Acende  teu  cigarro!   O  beijo,  amigo,  é  a  véspera  do  escarro,   A  mão  que  afaga  é  a  mesma  que  apedreja.   Se  a  alguém  causa  inda  pena  a  tua  chaga,   Apedreja  esta  mão  vil  que  te  afaga,   Escarra  nesta  boca  que  te  beija!  ANJOS,  Augusto  dos.  Eu:  poesias.  Porto  Alegre:  Mercado  Aberto,  1998.  
  46. 46. QUESTÃO 09 treinamento de questões abertas 04(UFOP)   Usando   elementos   do   texto   acima,   jus:fique   a   seguinte   afirmaUva:   “A   poesia   [de  Augusto   dos   Anjos]   é   (...)   deliberadamente   desconcertante,   que   de   um   modo   ou   de   outro  contraria  a  normalidade  do  discurso”.  (GULLAR,  Ferreira.  “Augusto  dos  Anjos  ou  Vida  e  morte  nordesUna”.  In:  ANJOS,  Augusto  dos.  Toda  a  poesia.  Rio  de  Janeiro:  Paz  e  Terra,  1976.  p.  32).  
  47. 47. SOLUÇÃO COMENTADA treinamento de questões abertas 04 qual a normalidade e qual o discurso? O  CONTEXTO   início  do  século  XX,  República  Velha,  Belle  Époque  brasileira   O  DISCURSO   parnasiano-­‐posiUvista   O  DISCURSO  PARNASIANO-­‐POSITIVISTA  visão  eufórica  da  realidade  expressa  em  textos  que  falam  do  belo,  do  puro  e  do  sublime;   crença  no  progresso  e  nos  bene}cios  oriundos  do  conhecimento  cienZfico;   a poesia de Augusto dos Anjos niilismo:  visão  pessimista  do  homem  e  do  mundo;   paródia  do  discurso  que  apregoa  a  crença  no  progresso,  na  beleza  e  na  arte;   voz  dissonante  na  Belle  Époque  brasileira;   expressão  daqueles  que  não  têm  vez  numa  sociedade  eliUsta  e  excludente.  
  48. 48. INSTRUÇÃOtreinamento de questões abertas 04 Leia  os  fragmentos  a  seguir.  
  49. 49. NEGRINHA Monteiro LobatoNegrinha   era   uma   pobre   órfã   de   sete   anos.   Preta?   Não;   fusca,   mulaUnha   escura,   de   cabelos  ruços  e  olhos  assustados.  Nascera   na   senzala,   de   mãe   escrava,   e   seus   primeiros   anos   vivera-­‐os   pelos   cantos   escuros   da  cozinha,  sobre  velha  esteira  e  trapos  imundos.  Sempre  escondida,  que  a  patroa  não  gostava  de  crianças.  O  corpo  de  Negrinha  era  tatuado  de  sinais,  cicatrizes,  vergões.  BaUam  nele  os  da  casa  todos  os  dias,  houvesse  ou  não  houvesse  moUvo.   LOBATO.  Monteiro.  Negrinha.  Disponível  em:  hip://www.releituras.com.br    
  50. 50. A ESCRAVA ISAURA Bernardo Guimarães−  Não  gosto  que  a  cantes,  não,  Isaura.  Hão  de  pensar  que  és  maltratada,  que  és  uma  escrava  infeliz,  víUma  de  senhores  bárbaros  e  cruéis.  Entretanto  passas  aqui  uma  vida,  que  faria  inveja  a  muita   gente   livre.   Gozas   da   esUma   de   teus   senhores.   Deram-­‐te   uma   educação,   como   não  Uveram  muitas  ricas  e  ilustres  damas,  que  eu  conheço.”   GUIMARÃES, Bernardo. A  escrava  Isaura. São Paulo: Ática, 2001.
  51. 51. QUESTÃO 10 treinamento de questões abertas 04(UFU)  Os  dois  textos  estão  ligados  ao  tema  da  escravidão.  Compare-­‐os  para  falar  da  importância  de   Monteiro   Lobato   na   literatura   que   antecipa   o   Modernismo,   organizando   sua   resposta   da  seguinte  forma:  a)  a  visão  românUca  sobre  o  negro.  b)  a  visão  pré-­‐modernista  de  Monteiro  Lobato  sobre  o  negro.  
  52. 52. SOLUÇÃO COMENTADA treinamento de questões abertas 04 a visão do romantismoencena  ideologia,  estereóUpos  e  aUtudes  da  estéUca  branca  dominante  [negro  objeto  do  discurso] visão  distanciada  [literatura  sobre  o  negro]   não  quesUona  a  injusUça  da  escravidão;   escravo  fiel  ao  senhor;   não  merece  respeito  dos  amos;   é  injusto  escravizar  uma  escrava  tão  boa  [prendada,  poliglota  e  branca]   a visão do modernismo presença  de  estereóUpos  posiUvos  e  negaUvos  do  negro;   posiUvos:  defesa  dos  valores  da  negritude  [sujeito  do  discurso];   negaUvos:  negro  que  encarna  os  valores  ideológicos  do  branco  [objeto  do  discurso]   os  padrões  comportamentais  do  escravo  românUco  devem  ser  combaUdos.  

×