Aps adm 2013
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Aps adm 2013

on

  • 416 views

 

Statistics

Views

Total Views
416
Slideshare-icon Views on SlideShare
416
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
3
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Aps adm 2013 Aps adm 2013 Document Transcript

    • UNIVERSIDADE PAULISTA – UNIP CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PENSAMENTO EM ADMINISTRAÇÃO: Teorias e Abordagens na Prática da Organização. MANAUS 2013
    • Celeste Nascimento de Nazaré – B94EAC-0 Eduardo Sérgio Botelho de Carvalho – B94093-0 Elizângela Siqueira Castro – B948GG-4 Isac Muller Gomes – B964JD-7 Jéssica Nunes Gomes – B934FB-5 Valério Adamis de S. Valdivino – B8245G-2 PENSAMENTO EM ADMINISTRAÇÃO: Teorias e Abordagens na Prática da Organização. Trabalho apresentado como requisito parcial para obtenção de aprovação da disciplina APS do curso de Administração da Universidade Paulista – UNIP. Orientador: Prof. Dr. Msc. César Augusto Silva Beheregaray MANAUS 2013
    • Resumo: O estudo realizado foi para conhecimento e aplicação do pensamento em administração, baseados nas suas abordagens, conceitos, métodos e princípios para resolução de problemas comuns no cotidiano das organizações, onde foi utilizada a técnica de pesquisa com questionário de vinte (20) perguntas fechadas e aplicadas de forma individual aos colaboradores da empresa Poliprint. Sendo que o objetivo foi alcançado na integra, pois o conflito dos serviços agendados para os fins de semana foram resolvido, sendo que os funcionários vão se comprometem em cumprir a programação de serviço e os diretores vão dar uma implantar programa de bolsa e premiação de cesta básica para premiar os cumpridores de meta, que será acompanhado pelos indicadores de produtividade e absenteísmo da empresa objeto da pesquisa. No sentido de prestar valorizar seus funcionários a empresa, também, se comprometeu em realizar melhorias nos ambientes internos como: refeitório, banheiros, jogos de salão para lazer dos colaboradores nas horas de folga e pósrefeição. Palavras chaves: administração, teorias, melhorias, organização.
    • 3 1 INTRODUÇÃO Esse trabalho propõe principalmente buscar nos conceitos do pensamento em administração o entendimento sobre as organizações do passado e, na medida do possível, compreender e que ocorre dentro das organizações e nos seus relacionamentos externos, assim como seus conflitos de relacionamento entre empresa e funcionário e entre os próprios funcionários. Embasado nas teorias administrativas e seguindo os métodos pesquisa nos questionamento realizados na empresa Poliprint Serviços e Impressões, onde através de visita técnica foi aplicado o questionário de perguntas fechadas com intuito de analisar o perfil dos trabalhadores, as lideranças e gestores, assim como, o ambiente interno como um todo a fim de detectar as possíveis distorções organizacionais que aqui será chamada de oportunidades de melhoria.
    • 4 1.1 PANORAMA GERAL SOBRE O TEMA Abordagem nas teorias de administração utilizando seus conceitos e métodos na busca de solução para resolução de problemas comuns dentro das organizações modernas ou atuais, aplicando desde os princípios e análises científicas de Taylor até ao estudo do sistema aberto, onde a ênfase é nos meios e na contínua interação com o ambiente. 1.2 JUSTIFICATIVA DA ESCOLHA DO ASSUNTO Tema importante para o decorrer do curso de administração e de forte contribuição nos dias atuais para as organizações e instituições de ensino. Para Sociedade Conhecer sobre o cotidiano das organizações e suas práticas administrativas e que ocorrem dentro das organizações. Para Universidade Estimular à pesquisa e busca de informação para obtenção do conhecimento. Para Empresa Identificar e equacionar sua problemática de maneira satisfatória, analisando seu ambiente interno com profissionalismo. Para Aluno Desenvolver seu potencial de pesquisa e aplicabilidade das técnicas absorvidas na criação de outros trabalhos acadêmicos. Garantir ao acadêmico uma perfeita compreensão do seu campo de formação e de futura atuação profissional. 1.3 SITUAÇÃO PROBLEMÁTICA Absenteísmo nos fins de semana, mais precisamente nos dias de sexta-feira e no sábado, para realização de serviços pré-agendados. 1.3.1 Hipótese: Baixo auto estima, falta de profissionalismo, falte de interesse no serviço, etc.
    • 5 1.4 OBJETIVOS 1.4.1 Geral Permitir o desenvolvimento do senso crítico, capacidade de contextualização, visão estratégia, orientação para resultados, desenvolvimento pessoal, comunicação e expressão e trabalho em equipe. 1.4.2 Específicos Apresentar e discutir com clareza e profundidade os conceitos teóricos desenvolvidos pela várias teorias de administração suas abordagens e sistemas. Contribuir para compreensão de quês as organizações , enquanto sistemas dinâmicos, necessitam da aplicação de conceitos adequados, advindos da evolução administrativa, para que sua sobrevivência seja garantida. 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A seguir é apresentada a fundamentação teórica, onde será exposto o histórico dos movimentos do pensamento de administração que ocorreram no final do século XIX e início do século XX, onde se destacaram administração científica, gestão administrativa, teoria da burocracia, teoria comportamental, teoria quantitativa, teoria contingencial e suas principais abordagens. 2.1 GENERALIDADES A Seguir é apresentada a fundamentação teórica enfocando suas principais escolas e abordagens, e onde serão expostos o histórico das abordagens da Administração Clássica, Gestão Administrativa, Teoria da Burocracia, Teoria Comportamental, Teoria Quantitativa e Teoria Contingencial. 2.2 ESCOLA CLÁSSICA DE ADMINISTRAÇÃO De acordo com Motta; Vasconcelos (2006) Escola Clássica da Administração é o conjunto de contribuições teóricas que buscaram identificar princípios racionais e universais de gestão que tornariam a organização mais eficiente. Com o advento do capitalismo, no século XIX, houve dois estágios de desenvolvimento industrial, o primeiro com o crescimento acelerado e limitado de produção, com uma força de trabalho desqualificada e barata, competição selvagem e condições precárias de trabalho, e num segundo momento a fase monopolista que
    • 6 propiciou o desenvolvimento organizacional estudando os aspectos fabris e instituindo os métodos e as padronizações que modelariam a administração no início do século XX e dando origem escola clássica de administração. O movimento de administração Científica com Taylor, a gestão administrativa com Fayol e a teoria da burocracia com Weber, formam a corrente que institucionalizaram as bases teóricas da administração e onde aconteceram os primeiros estudos da administração de forma estruturada. 2.2.1 Movimento da Administração Cientítica O movimento de administração científica como define Sobral; Alketa (2013) escola pioneira de pensamento administrativo que busca sintetizar um conjunto de princípios de gestão eficiente dos processos operacionais de trabalho, tendo por base a crença de que existe uma única maneira certa de desempenhar cada tarefa. Comenta Sobral, Alketa (2013) que o movimento de administração científica surge como uma resposta eficiente à questão da existência de uma nova força de trabalho, desqualificada e barata. O principal representante do movimento de administração científica, iniciado no começo do século XX, foi o engenheiro Frederick Winslow Taylor e provocou uma revolução no pensamento administrativo e no mundo industrial da época, o chão de fábrica era seu foco. A principal abordagem da administração científica é a ênfase nas tarefas, que são as atividades cotidianas do operário. E a tentativa de aplicação dos métodos da ciência para resolução dos problemas da Administração, com intuito de alcançar maior eficiência industrial, eliminando o desperdício e elevando os níveis de produtividade. O início da reflexão sobre vida social organizada é algo difícil de se precisar. Entretanto, há razoável grau de consenso em se afirmar que o ponto de partida da reflexão sistematizada sobre as organizações industriais pode ser atribuído a Taylor, na no final do século XIX e início do século XX. (Caravantes, 2005). A observação e mensuração foram os principais métodos científicos aplicáveis aos problemas comuns de administração. Em 1911 Taylor sintetiza publica seu livro Princípios de administração científica e conclui que a racionalização do trabalho do operário deve ser
    • 7 acompanhada de uma estruturação geral da empresa para tornar coerente a aplicação dos seus princípios. • Desenvolver Princípio do planejamento; • Princípio da preparação dos trabalhadores; • Princípio do controle; • Princípio da execução. A observação e mensuração foram os principais métodos científicos aplicáveis aos problemas comuns de administração. Racionalização das atividades O instrumento básico para se racionalizar o trabalho dos operários era o estudo dos tempos e movimentos. O trabalho é executado de melhor maneira e mais economicamente por meio da análise do trabalho, ou seja, a divisão e subdivisão de todos os movimentos necessários à execução de cada operação de uma tarefa. (Chiavenato, 2001). Com a administração científica, a preocupação básica era a racionalidade do trabalho do operário e, consequentemente, o desenho dos cargos mais simples e elementares. A ênfase sobre as tarefas a serem executadas levou os engenheiroa americanos a simplificarem os cargos no sentido de obter o máximo de especialização de cada trabalhador. Uma tarefa deve ser dividida ao maior número possível de subtarefas. Quanto menor e mais simples a tarefa, maior será a habilidade do operário em desempenhála. Ao realizar um movimento simples repetidas vezes, o funcionário ganha velocidade na sua atividade, aumenta o número de unidades produzidas e elevando seu salário de forma proporcional ao seu esforço. Treinamento Conforme os estudos de Taylor qualquer operário por meio de treinamento rápido e adequado, poderia executar uma tarefa no tempo exato concebido para a execução. Segundo Taylor apud Chiavento (2001) há sempre um método mais rápido e um instrumento mais adequado que os demais (the one best way) que pode ser encontrado e aperfeiçoado por meio de uma análise científica pessoal e um acurado estudo de tempos e movimentos, em vez de ficar a critério pessoal de cada operário.
    • 8 Esse método de observação e análise ainda hoje é utilizado nas indústrias, principalmente quando da introdução de novos produtos para tirar o tempo e quais movimentos serão necessários para execução da atividade e adaptação das posições na linha de montagem. Cooperação e Remuneração Refere-se ao trabalho em conjunto onde os interesses dos funcionários (altos salários) e da administração (baixo custo de produção) podem ser conciliados, através da busca do maior grau de eficiência e produtividade. Quando o trabalhador produzir muito, sua remuneração aumenta e a produtividade da empresa também. 2.2.2 GESTÃO ADMINISTRATIVA Segundo Sobral; Alketa (2013) gestão administrativa é uma escola de pensamento administrativo que conceituou a administração como um processo de cinco funções e que buscou identificar os princípios gerais de uma administração eficiente. Surgiu na França em 1916 e espalhou-se rapidamente pela Europa, onde a gestão administrativa se caracterizava pela ênfase na estrutura que a organização deve possuir para ser eficiente e também abordando os princípios gerais de administração, assim como a administração científica. Na condição do principal representante dessa corrente o engenheiro Jules Henri Fayol (1841 – 1925), no seu livro Administração industrial e geral resume suas principais ideias acerca da administração, disse Fayol apud Sobral; Alketa (2013) foram a base do seu sucesso gerencial. Fayol acreditava em princípios gerais de administração que poderiam ser identificados e analisados, como também que o sucesso de uma boa administração residia não em habilidades pessoais inatas do gestor, mas sim na utilização de métodos científicos aplicados à administração. PODC Os elementos básicos da administração, identificados por Fayol, consistem em: planejamento, organização, comando, coordenação e controle. Fayol apud Caravantes; Panno; Kloeckner (2005) Baseia-se nos aspectos diretivos de grandes organizações:
    • 9 Segundo Fayol, administrar é prever, organizar, comandar, coordenar e controlar. Prever é perscrutar o futuro e traçar o programa de ação. Organizar é construir o duplo organismo, material e social, da empresa. Comandar é dirigir o pessoal. Coordenar é ligar, unir e harmonizar todos os atos e esforços. Controlar é velar para que tudo ocorra de acordo com as regras estabelecidas e as ordens dadas. Grupos de Operações Fayol apud Chiavenato (2001) salienta que toda empresa apresenta seis funções, a saber: Funções técnicas: relacionadas com a produção de bens ou serviços da empresa. Funções comerciais: relacionadas com a compra, venda e permutação. Funções financeiras: relacionadas com a procura e gerências de capital. Funções de segurança: relacionadas com a proteção e preservação dos bens e das pessoas. Funções contábeis: relacionadas com controles, inventários, registros, balanços, custos e estatísticas. Funções administrativas: relacionadas com a integração de cúpula das outras cinco funções. As funções administrativas coordenam e sincronizam as demais funções da empresa, pairando sempre acima delas. 2.2.3 TEORIA DA BUROCRACIA Define Sobral; Alketa (2013)Teoria defendida pelo sociólogo Max Weber, sustenta que a burocracia, tendo por base princípios como a impessoalidade e a racionalidade técnica, é o modelo ideal de estruturação das organizações da sociedade capitalista. A teoria da burocracia se originou também da necessidade de organizações das empresas, que cresciam em tamanho e complexidade de operação. Era necessário um modelo de organização racional que abrangesse muitas variáveis envolvidas e também o comportamento dos participantes, aplicável não só a indústrias, mas todas as áreas e formas de atividades das empresas. Silva (2008).
    • 10 Segundo Weber a burocracia é um modelo ideal descritivo cujas características nunca se encontram na sua forma pura na pratica. As organizações, na pratica, têm diferentes graus de burocratização. Weber identifica então os princípios básicos da burocracia, que são resumidos em: Divisão do trabalho, impessoalidade, hierarquia, profissionalismo, padronização e formalização, autoridade e separação de domínios publico e privados: Divisão do trabalho: As atividades são desmembradas em tarefas simples, de tal modo que qualquer pessoa, de qualquer organização, poderia se tornar especializada em um tempo mínimo; a especialização faz trabalho humano intercambiável, o que contribui grandemente para a eficiência organizacional. Impessoalidade: As regras e os procedimentos são aplicados de modo uniforme e imparcial; todos os funcionários são avaliados de acordo com regras objetivas, de tal modo que não se permita ao superior, considerações pessoais ou emocionais para “colorir” as avaliações. Hierarquia: Posições ou empregados são organizados de modo a formar hierarquia (cadeia de comando) na qual a organização esta estruturada. Cada posição nessa hierarquia contém responsabilidades e deveres específicos, bem como privilégios. Profissionalismo: Um esforço consciente e feito para adequar o desempenho do trabalho as qualificações de funcionários e/ ou candidato, independentemente das características de raça, sexo, religião ou classe social deste. O critério-guia deveria ser simplesmente o grau de adequação do potencial do empregado em termos de educação, treinamento, conhecimento e habilidade para desempenhar a atividade em uma organização. Padronização e Formalização: Existe um sistema de regras e procedimentos escrito, padronizado e formalizado. Autoridade: Segundo Weber, é sua teoria da autoridade (ou estrutura da autoridade), também conhecida como o sistema controle social, que faz parte dos estudos das organizações formais, não deixa de ser uma ponte determinada pela regra. Separação de Domínios - Público e Privado: Os membros do quadro administrativo devem estar completamente separados da propriedade dos meios de produção e administração. Paralelamente, existe completa separação entre o cargo de pessoa e sua vida privada.
    • 11 Varias práticas das organizações públicas e privadas são herança dos preceitos da teoria da burocracia. Weber apud Sobral; Alketa (2013) considerava que, em perspectiva puramente técnica, a burocracia é capaz de atingir o mais alto grau de eficiência e é, nesse sentido, o mais racional e conhecido meio de exercer dominação e controle sobre os trabalhadores. 2.2.4 ESCOLA COMPORTAMENTAL DE ADMINISTRAÇÃO Preocupa-se com a Organização e seus diferentes participantes. Passou a desenvolver modelos de motivação, liderança, comunicação, raciocínio, e tomada de decisão. Procurou administrar melhor os objetivos organizacionais e individuais. Foi uma extensão da Teoria das Relações Humanas. Normas de Funcionamento do Grupo A teoria das relações humanas (ações, atitudes) desenvolvidas a partir dos contatos entre pessoas e grupos, indivíduos com personalidade própria. O conteúdo e a natureza do trabalho têm influenciado sobre a moral e cargo do trabalho, ênfase nos aspectos emocionais. A teoria das Relações Humanas designa uma atenção especial à todos aspectos emocionais. O núcleo central da teoria de Lewin é o estudo dos pequenos grupos, enfatizando coesão grupal, padrões grupais, motivação, participação, processo decisório, produtividade, tensões, estilos de liderança e etc. O grupo é composto de um numero restrito de pessoas (geralmente menos de sete), que gozam de livre interação durante um período razoavelmente longo de tempo. Os elementos a considerar nos grupos assim formados são: solidariedade, continuidade e duração da associação; tamanho; papel e natureza das tarefas do grupo; objetivos e produção grupal; e autonomia e acomodação dentro da organização. Os fatores que determinam a formação de grupos se apóiam na idéia de consenso interpessoal, isto é, a base comum de concordância entre os membros do
    • 12 grupo, sobre os objetivos e sobre os meios de alcançá-los, resultando daí a solidariedade grupal. Partindo desse consenso, encontram-se os seguintes determinantes: Interação: relacionamento com outras pessoas a fim de resolver problemas, alcançar objetivos; Localização: proximidade necessária para que as pessoas possam interagir; Interesses comuns: elementos que constituem a força motivadora na coesão grupal; Tamanho: quantidade de pessoas que possibilita a interação e a estabilidade (as experiências de Lewin apontam cinco como o número mais adequado); Comunicação: processo de informações fundamental para a interação e para o consenso; seus aspectos têm a ver com a redução de tensões entre indivíduos, a fim de resolver problemas da natureza dos objetivos ou da ambiguidade na situação social. Assim, não obstante as vantagens constatadas no trabalho de grupo convêm não perder de vista que a coesão grupal pode funcionar em sentido oposto ao desejado pela administração da empresa. Estrutura Formal <–> Informal Toda empresa possui dois tipos de estrutura: Formal e Informal; Estrutura Formal: é a estrutura que todas as empresas possuem, é a estrutura deliberadamente planejada, e formalmente representada em organogramas. Estrutura Informal: essas estruturas são identificadas com a interação social estabelecidas entre as pessoas, desse modo, progride espontaneamente no momento que as pessoas se reúnem. Traduz as relações que habitualmente não surgem no organograma. São comportamentos sociais que não são documentados e reconhecidos oficialmente os membros organizacionais, aparecendo inevitavelmente em decorrência das necessidades pessoais e grupais dos empregados. Vantagens: Proporciona maior rapidez no processo, completamente a estrutura formal, reduz a carga de comunicação dos chefes, motiva e integra as pessoas na empresa.
    • 13 Desvantagens: Desconhecimento das chefias, dificuldade de controle, possibilidade de atritos entre pessoas. Condicionantes facilitadores: Interesses comuns, falhas nas estruturas formais, “pontos de lazer”, disputa pelo poder. 2.2.5 ESCOLA QUANTITATIVA Segundo Oliveira (2012) foi a escola quantitativa que resgatou e aplicou vários assuntos de engenharia no campo de administração das organizações e teve um papel muito importante no pensamento administrativo. A escola quantitativa teve na sua principal contribuição a introdução de complexos modelos matemáticos para análise de problemas organizacionais que tinham finalidade de auxiliar os administradores na tomada de decisão. Utilidade da Análise Quantitativa A escola quantitativa teve sua utilidade na segunda guerra mundial, em momentos críticos militares precisam tomar decisões rápidas e eficazes, nas questões de produção de armas nos locais de combate, movimentação das tropas, locomoção dos feridos entre outras. Oliveira (2012), portanto a escola quantitativa começava a auxiliar no processo decisório, ainda de que forma específica e pontual. Análise da decisão, otimização e simulação, teoria dos jogos, cenários, modelagem, matemática, gestão de projetos. Alguns estudiosos de administração, perceberão que a técnica quantitativa usada na segunda guerra mundial poderia ser otimizada no processo decisório das organizações, sendo de extrema importância para decisões eficientes e eficazes para o crescimento da empresa. Teoria dos Jogos Segundo Fernando (2010) é o estudo das tomadas das decisões entre indivíduos quando o resultado de cada um depende das decisões do outro numa interdependência simular do jogo.
    • 14 2.2.6 ESCOLA CONTINGENCIAL A escola contingencial surgiu na segunda metade do século XX influenciada pelo impacto do ambiente externo nas organizações no período após a Segunda Guerra Mundial. Tendo na teoria dos sistemas e no enfoque contingencial os seus principais desenvolvimentos teóricos. E como principal contribuição dessa corrente ao pensamento administrativo, destaca-se o biólogo alemão Ludwig von Bertalanffy (1901 – 1972) que consolidou a perspectiva sistêmica ao propor uma teoria geral dos sistemas. Foi o primeiro autor a conceber o modelo de sistema aberto como um complexo de elementos em interação e intercâmbio contínuo com o ambiente. Sistema Aberto/ Interdependência O pensamento sistêmico surge como um movimento contra a excessiva especialização das diferentes disciplinas científicas, que via nessa especialização uma forma de isolamento dessas áreas. Os elementos que formam um sistema são vistos como um todo, não sendo possível estudá-los separadamente, numa perspectiva integrada de forma a envolver todas as suas interdependências, por isso o movimento contrário à especialização das disciplinas nos estudos Conforme Caravantes; Panno; Kloeckner (2005) a teoria geral dos sistemas é o divisor de águas, pelo grau de relevância que ela apresenta para uma melhor compreensão do fenômeno organizacional. Afirma Caravantes; Panno; Kloeckner (2005) que todas as teorias organizacionais relevantes surgidas após a teoria geral dos sistemas nela buscam embasamento seja explícita ou implicitamente. A fase sistêmica tem ênfase nos meios e não nas partes como em outras teorias, como forma de segmentar coisas e tratá-las de maneira minuciosa. Os componentes do ambiente, mesmo que pequenos, são importantes, porém recebem atenção de acordo com sua relação com o todo. A interdependência entre países tornou-se mais visível com a Segunda Grande Mundial, pois acontecimentos ocorridos em uma nação causavam impactos em diversas outras passaram a não ser mais vistas como nações fechadas. Interdependência de uns com os outros, os países passaram a não ser mais vistos como nações fechadas Organizações foram criadas smos foram criados baseados nessa condição de que ode Baseado nessa relação O biólogo alemão
    • 15 Ludwig von Bertalanffy (1901 – 1972) consolidou a perspectiva sistêmica ao propor uma teoria geral dos sistemas, onde as organizações eram influenciadas pelo ambiente interno e externo, ou seja, havia uma interdependência que poderia causar impactos. Contínua Interação com o Ambiente Nova forma de interpretar as organizações, que passam a ser vistas como um sistema aberto em contínua relação com o ambiente que está inserido, sendo ele próprio um sistema complexo composto por diversos subsistemas sejam eles técnicos, estrutural, psicossocial etc, em contínua interação. 2.3 METODOLOGIA Foi utilizado o tipo de pesquisa quantitativa. No processo de coleta de dados foi utilizado questionários sobre vários aspectos da organização (padronização de atividades, local de trabalho, insalubridade, higiene, benefícios, supervisão, treinamento, transporte). A pesquisa foi desenvolvida na empresa do ramo comercial de razão social M. M. C. Comércio e Serviços de Impressões Ltda., e reconhecida comercialmente PoliPrint Comércio e Serviços de Impressões Ltda., para aplicação dos questionários. Foi aplicado um questionário quantitativo elaborado com 20 perguntas fechadas sendo o mesmo aplicado a cada funcionário da empresa pesquisada. 2.4 RESULTADO DA PESQUISA Resultado satisfatório para a empresa, os funcionários e o grupo de pesquisa que teve nessa oportunidade a chance de conviver, preocupar-se e buscar solução que fossem de encontro com ambos os interesses. O universo e amostra foram de 30 (trinta) funcionários distribuídos nos diversos setores da empresa. Após aplicação do questionário a diretoria comprometeu-se em realizar algumas melhorias que foram apontadas na pesquisa e os colaboradores também farão sua parte para melhoria dos resultados da organização.
    • 16 REFERÊNCIAS: SOBRAL, Felipe; ALKETA, Peci. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro. 2ª ed., São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2013. SILVA, Reinaldo O. da. Teorias da Administração. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2008. CARAVANTES, Geraldo R.; PANNO, Cláudia C.; KLOECKNER, Mônica C. Administração: teorias e processos. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005. KWASNICKA, Eunice Laçava. Teoria geral da administração: uma síntese. 3ª ed., 2ª REIMPR., São Paulo: Atlas, 2006. CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria geral da gestão. 4ª Edição, Ed. Makron Books. CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria geral da gestão. 6ª Edição, Ed. Campus CHIAVENATO, Idalberto. Teoria geral da administração. Vol. 1. 6ª ed. ver. E atualizada, Rio de Janeiro, 2001.