0
Serviços de referência digital (SRD): ferramentas e perspectivas Leonardo Vasconcelos Renault CRB 6 – 2211 Mestre em Ciênc...
Serviços de referência digital (SRD): ferramentas e perspectivas <ul><li>Tópicos de abordagem </li></ul><ul><li>Conceito e...
1.0 - Conceito e surgimento dos serviços de referência em bibliotecas
Serviços de referência em bibliotecas Origem da palavra A expressão SERVIÇO DE REFERÊNCIA, foi tomada diretamente do inglê...
Serviços de referência em bibliotecas <ul><li>Contexto histórico </li></ul><ul><li>-  1876  – Primeira conferência da Amer...
Serviços de referência em bibliotecas <ul><li>Contexto histórico </li></ul><ul><li>-  2001  – Primeiro serviço on-line 24 ...
2.0 - Possibilidades tecnológicas centradas na segunda geração de serviços da internet (Web 2.0, Web 3.0)
Web 2.0
Teoria dos Sistemas Leonhard Euler - Teoria dos grafos Karl Ludwig von Bertalanffy – Teoria Sistêmica
Conceito de redes <ul><li>Abordagem matemática – computacional </li></ul><ul><li>Abordagem sociológica </li></ul>
Conceito de redes <ul><li>Uma figura interessante: </li></ul><ul><ul><li>Manuel Castells </li></ul></ul><ul><ul><li>&quot;...
O surgimento da Internet <ul><li>- O início </li></ul><ul><li>Objetivos militares </li></ul><ul><li>A popularização </li><...
Web 2.0 (COUTINHO; BOTTENTUIT JUNIOR, 2007, p.200)
Web 2.0 Web 2.0 é um termo criado por  Tim   O'Reilly   (2004) :  &quot;A web 2.0 é a mudança para uma Internet como plata...
Web 2.0 Outra definição, PRIMO (2007) :  “ A Web 2.0 é a segunda geração de serviços online e caracteriza-se por potencial...
Conteúdo 2.0 Oferta; Compartilhamento; Autonomia;  Descentralização; Convergência.
Web 3.0 ? Proposto por John Markoff em 2006, seria a terceira geração da Web e se caracteriza por uma Web mais inteligente...
A máquina somos nós http://www.youtube.com/watch?v= NJsacDCsiPg
3.0 - Serviços de referência digital (SRD)
Serviços de referência digital (SRD) De acordo com a Reference and User Services Association (2004, p. 9),  “ referência v...
Serviços de referência digital (SRD) <ul><li>Ferramentas </li></ul><ul><li>Correio eletrônico; </li></ul><ul><li>Chat; </l...
Serviços de referência digital (SRD) <ul><li>Ferramentas  </li></ul><ul><li>Videoconferência; </li></ul><ul><li>Projetos c...
Exemplos
Exemplos
Exemplos
Exemplos
Exemplos
Exemplos
Exemplos nacionais
Exemplos nacionais
Exemplos nacionais
4.0 - Imagens e imaginários (perspectivas)
Como estruturar um Serviço de Referência Digital (virtual)? <ul><li>Definir o tipo de comunicação:  </li></ul><ul><li>Assí...
Como estruturar um Serviço de Referência Digital (virtual)? De que recursos disponho?
Como estruturar um Serviço de Referência Digital (virtual)? <ul><li>Trace um plano de ação   </li></ul><ul><li>Qual o perf...
Criando o ambiente  <ul><li>Uma vez pensado o serviço, parte-se para a implementação, mas ainda restará uma parte fundamen...
Criando o ambiente  <ul><li>Basicamente pode-se trabalhar com três tipos de ferramentas: </li></ul><ul><li>Blog ( Blogger ...
Tecnologia móvel O uso dessas ferramentas possibilita o acesso por parte do usuário às informações da biblioteca/sistema d...
Sucesso?  (...)
Mundo novo
“ Novas” construções
Ou “novos” contextos ?  http://www.youtube.com/watch?v=tgtnNc1Zplc
OBRIGADO!
Referências BERTALANFFY, Ludwig von.  Teoria geral dos sistemas.  Petropolis: 1973. 351p.  CASTELLS, Manuel.  A sociedade ...
Referências MARDERO ARELLANO, Miguel Angel. Serviços de referência virtual. Ciência da Informação, Brasília, v. 30, n. 2, ...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Srd

1,224

Published on

Palestra proferida na UFES a convite do CRB-6

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,224
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
31
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Srd"

  1. 1. Serviços de referência digital (SRD): ferramentas e perspectivas Leonardo Vasconcelos Renault CRB 6 – 2211 Mestre em Ciência da Informação [email_address] http://twitter.com/lvrenault
  2. 2. Serviços de referência digital (SRD): ferramentas e perspectivas <ul><li>Tópicos de abordagem </li></ul><ul><li>Conceito e surgimento dos serviços de referência em bibliotecas; </li></ul><ul><li>Possibilidades tecnológicas centradas na segunda geração de serviços da internet (Web 2.0); </li></ul><ul><li>Serviços de referência digital (SRD); </li></ul><ul><li>Imagens e imaginários (perspectivas). </li></ul>
  3. 3. 1.0 - Conceito e surgimento dos serviços de referência em bibliotecas
  4. 4. Serviços de referência em bibliotecas Origem da palavra A expressão SERVIÇO DE REFERÊNCIA, foi tomada diretamente do inglês &quot;REFERENCE WORK&quot;. Tem como raiz o verbo referir, do latim REFERRE, que significa: indicar, informar. Então teríamos: o trabalho (serviço) de informar. Temos uma expressão análoga em latim: Animus Consulendi que significa intenção de informar.
  5. 5. Serviços de referência em bibliotecas <ul><li>Contexto histórico </li></ul><ul><li>- 1876 – Primeira conferência da American Library Association onde foi mencionado a importância do auxílio ao leitor; </li></ul><ul><li>1930 – Primeiro manual escrito por James I. Wyer sobre serviços de referência; </li></ul><ul><li>1944 – Instituída a seção de referência na Biblioteca Nacional; </li></ul><ul><li>Década de 70 – Mudança do paradigma centrado no sistema para o paradigma centrado no usuário (também chamada de virada cognitivista); </li></ul><ul><li>Década de 80 – Surgimento dos primeiros serviços de referência virtual (notadamente os OPACs); </li></ul>
  6. 6. Serviços de referência em bibliotecas <ul><li>Contexto histórico </li></ul><ul><li>- 2001 – Primeiro serviço on-line 24 horas promovido pela North Carolina State University “Virtual Reference Service”, utilizando o Library Systems and Services (LSSI) Virtual Reference Desk ; </li></ul><ul><li>2004 – Criação do termo Web 2.0; </li></ul><ul><li>2004-2011 – Ampliação dos serviços de referência digital (SRD); </li></ul>
  7. 7. 2.0 - Possibilidades tecnológicas centradas na segunda geração de serviços da internet (Web 2.0, Web 3.0)
  8. 8. Web 2.0
  9. 9. Teoria dos Sistemas Leonhard Euler - Teoria dos grafos Karl Ludwig von Bertalanffy – Teoria Sistêmica
  10. 10. Conceito de redes <ul><li>Abordagem matemática – computacional </li></ul><ul><li>Abordagem sociológica </li></ul>
  11. 11. Conceito de redes <ul><li>Uma figura interessante: </li></ul><ul><ul><li>Manuel Castells </li></ul></ul><ul><ul><li>&quot;redes são estruturas abertas capazes de expandir de forma ilimitada, integrando novos nós desde que consigam comunicar-se dentro da rede, ou seja, desde que compartilhem os mesmos códigos de comunicação (por exemplo, valores ou objetivos de desempenho). Uma estrutura social com base em redes é um sistema aberto altamente dinâmico suscetível de inovação sem ameaças ao seu equilíbrio&quot; (CASTELLS, 1996, p. 499) </li></ul></ul><ul><ul><li>http://escoladeredes.ning.com/group/bibliotecamanuelcastells </li></ul></ul>
  12. 12. O surgimento da Internet <ul><li>- O início </li></ul><ul><li>Objetivos militares </li></ul><ul><li>A popularização </li></ul><ul><li>World Wide Web – Tim Bernes-Lee </li></ul><ul><li>Redes sociais – com maior intensidade a partir de 2006 </li></ul><ul><li>http://www.slideshare.net/danielbittencourt/surgimento-da-internet </li></ul>
  13. 13. Web 2.0 (COUTINHO; BOTTENTUIT JUNIOR, 2007, p.200)
  14. 14. Web 2.0 Web 2.0 é um termo criado por Tim O'Reilly (2004) : &quot;A web 2.0 é a mudança para uma Internet como plataforma, e um entendimento das regras para obter sucesso nesta nova plataforma. Entre outras, a regra mais importante é desenvolver aplicativos que aproveitem os efeitos de rede para se tornarem melhores quanto mais são usados pelas pessoas, aproveitando a inteligência colectiva.“ http://oreilly.com/web2/index.html
  15. 15. Web 2.0 Outra definição, PRIMO (2007) : “ A Web 2.0 é a segunda geração de serviços online e caracteriza-se por potencializar as formas de publicação, compartilhamento e organização de informações, além de ampliar os espaços para a interação entre os participantes do processo. A Web 2.0 refere-se não apenas a uma combinação de técnicas informáticas (serviços Web, linguagem Ajax, Web syndication, etc.), mas também a um determinado período tecnológico, a um conjunto de novas estratégias mercadológicas e a processos de comunicação mediados pelo computador .”
  16. 16. Conteúdo 2.0 Oferta; Compartilhamento; Autonomia; Descentralização; Convergência.
  17. 17. Web 3.0 ? Proposto por John Markoff em 2006, seria a terceira geração da Web e se caracteriza por uma Web mais inteligente, que produz resultados mais personalizados e precisos, seria uma web semântica. http://www.cortex-intelligence.com/engine/
  18. 18. A máquina somos nós http://www.youtube.com/watch?v= NJsacDCsiPg
  19. 19. 3.0 - Serviços de referência digital (SRD)
  20. 20. Serviços de referência digital (SRD) De acordo com a Reference and User Services Association (2004, p. 9), “ referência virtual é um serviço de referência iniciado eletronicamente, freqüentemente em tempo real, onde usuários utilizam computadores ou outra tecnologia da Internet para se comunicarem com a equipe de referência sem estar fisicamente presente”. http://www.ala.org/ala/mgrps/divs/rusa/communications/index.cfm
  21. 21. Serviços de referência digital (SRD) <ul><li>Ferramentas </li></ul><ul><li>Correio eletrônico; </li></ul><ul><li>Chat; </li></ul><ul><ul><li>Softwares de mensagens instantâneas (messenger por exemplo) </li></ul></ul><ul><ul><li>Salas de bate-papo </li></ul></ul><ul><ul><li>Softwares de chat específicos para o serviço de referência </li></ul></ul><ul><li>Web contact centers softwares (semelhantes aos sotwares de chat, mas permitem maior interatividade entre o bibliotecário e o usuário. Por exemplo pode-se ver a tela do computador do usuário e o bibliotecário pode interferir com maior precisão); </li></ul>
  22. 22. Serviços de referência digital (SRD) <ul><li>Ferramentas </li></ul><ul><li>Videoconferência; </li></ul><ul><li>Projetos colaborativos de referência virtual (digital), por exemplo: </li></ul><ul><ul><li>Question point cooperative reference e 24/7 reference </li></ul></ul>
  23. 23. Exemplos
  24. 24. Exemplos
  25. 25. Exemplos
  26. 26. Exemplos
  27. 27. Exemplos
  28. 28. Exemplos
  29. 29. Exemplos nacionais
  30. 30. Exemplos nacionais
  31. 31. Exemplos nacionais
  32. 32. 4.0 - Imagens e imaginários (perspectivas)
  33. 33. Como estruturar um Serviço de Referência Digital (virtual)? <ul><li>Definir o tipo de comunicação: </li></ul><ul><li>Assíncrona (e-mail, formulário web); </li></ul><ul><li>Síncrona (Videoconferência, chat). </li></ul>
  34. 34. Como estruturar um Serviço de Referência Digital (virtual)? De que recursos disponho?
  35. 35. Como estruturar um Serviço de Referência Digital (virtual)? <ul><li>Trace um plano de ação </li></ul><ul><li>Qual o perfil do usuário da biblioteca/Sistema de informação onde trabalho? </li></ul><ul><li>Como posso atendê-lo melhor? </li></ul><ul><li>A implantação do SRD vai melhorar a comunicação com o usuário? Ou ainda os serviços prestados pela biblioteca se tornarão mais eficazes? </li></ul>
  36. 36. Criando o ambiente <ul><li>Uma vez pensado o serviço, parte-se para a implementação, mas ainda restará uma parte fundamental para o sucesso do projeto: a divulgação. </li></ul><ul><li>Dessa forma, surge a oportunidade de trabalhar com as redes sociais. </li></ul>
  37. 37. Criando o ambiente <ul><li>Basicamente pode-se trabalhar com três tipos de ferramentas: </li></ul><ul><li>Blog ( Blogger , Wordpress ); </li></ul><ul><li>Microblog ( Twitter ); </li></ul><ul><li>Redes de relacionamento ( Facebook , Linkedin ). </li></ul><ul><li>http://www.lablogatorios.com.br/index.php?pagename=quemsomos-index </li></ul>
  38. 38. Tecnologia móvel O uso dessas ferramentas possibilita o acesso por parte do usuário às informações da biblioteca/sistema de informação através de dispositivos móveis (celulares com acesso à web, Ipod, Ipad, Tablets, etc).
  39. 39. Sucesso? (...)
  40. 40. Mundo novo
  41. 41. “ Novas” construções
  42. 42. Ou “novos” contextos ? http://www.youtube.com/watch?v=tgtnNc1Zplc
  43. 43. OBRIGADO!
  44. 44. Referências BERTALANFFY, Ludwig von. Teoria geral dos sistemas. Petropolis: 1973. 351p. CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1996. 617p. (A era da informação : economia, sociedade e cultura; 1) COUTINHO, Clara Pereira; BOTTENTUIT JUNIOR, João Batista. Blog e Wiki : os futuros professores e as ferramentas da Web 2.0. In: Simpósio Internacional de Educação do IPP, 9. 14 -16 nov. 2007. Disponível em: repositorium . sdum .uminho. pt / bitstream /1822/7358/1/Com%20SIIE. pdf Acesso em: 01 mai. 2010. FIGUEIREDO, N. Evolução e avaliação do serviço de referência. In: __ . As origens dos serviços de informação em bibliotecas. São Paulo: Polis, 1992. cap. 1, p. 11-16. FOSKETT, D.J. As origens dos serviços de informação em bibliotecas. In: __ . Serviços de informação em bibliotecas. São Paulo: Polígono, 1969. cap. 1, p. 15-17. GROGAN, D. A prática do serviço de referência. Brasília: Brinquet de Lemos, 1995.
  45. 45. Referências MARDERO ARELLANO, Miguel Angel. Serviços de referência virtual. Ciência da Informação, Brasília, v. 30, n. 2, p. 7-15, maio/ago. 2001. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ci/v30n2/6206.pdf>. Acesso em: 01 março 2011. PESSOA, Patricia; CUNHA, Murilo Bastos da. Perspectivas dos Serviços de Referência Digital. Informação & Sociedade, João Pessoa, v.17, n.3, p.69-82, set./dez. 2007. Disponível em:< http://www.ies.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/836/1587>. Acesso em: 08 março 2011. PRIMO, Alex. O aspecto relacional das interações na Web 2.0 . Disponível em: www6. ufrgs . br / limc / PDFs /web2.pdf . Acesso em: 15 mai. 2010. RECUERO, Raquel . Redes Sociais na Internet: Considerações Iniciais. E Compós , v. 2, 2005. REFERENCE and User Services Association. Guidelines for implementing and maintaining virtual reference services. Reference & User Services Quartely , v.44, n.1, p. 9-13, fall 2004.
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×