Mediação da leitura em bibliotecas universitárias: encontros  e desencontros Expositor : Leonardo Vasconcelos Renault  [em...
Bibliotecas Universitárias <ul><li>Missão e possibilidades: </li></ul><ul><li>Acesso ao conhecimento </li></ul><ul><li>- S...
Letramento informacional Para ser competente em informação, uma pessoa deve ser capaz de reconhecer quando uma informação ...
Letramento acadêmico <ul><li>A possibilidade do letramento acadêmico pelo viés da informação: </li></ul><ul><ul><li>Atravé...
Letramento acadêmico Sabendo que vários processos e fatores estão envolvidos na construção de uma condição letrada, a inte...
Letramento acadêmico <ul><li>- O aprendizado é um processo contextualizado, com real envolvimento e diálogo contínuo entre...
Mediador Uma representação habitual do professor é a de mediador, mas o sentido do senso comum apagou os sentidos originai...
Pesquisa da biblioteca da UFBA COMPETÊNCIAS EM INFORMAÇÃO DOS ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO PARA A ELABORAÇÃO DOS TRABALHOS ACAD...
Pesquisa da biblioteca da UFBA
Pesquisa da biblioteca da UFBA
O Diálogo <ul><li>O bibliotecário por Edson Nery da Fonseca </li></ul><ul><li>O professor por Anísio Teixeira </li></ul>
Ser ou não ser bibliotecário
Ser ou não ser bibliotecário Ser bibliotecário para dispensar aos usuários da biblioteca universitária toda a atenção que ...
Ser ou não ser bibliotecário Ser bibliotecário para atuar &quot;como um filtro que se interpõe entre a torrente de livros ...
A visão do educador A condição essencial para a liberdade no estado moderno está, com efeito, acima de tudo, na independên...
De mão dadas Não serei o bibliotecário de um mundo caduco Também não me deixarei encantar pela biblioteconomia do futuro E...
De mão dadas Impressões por Edson Nery da Fonseca “ O seminário sobre bibliotecas universitárias, que vai agora realizar-s...
De mão dadas Citações por Etelvina Lima Sobre a missão das universidades “  (...)Trata-se de conservar o saber vivo e não ...
Propostas <ul><li>Repensar o papel da biblioteca universitária; </li></ul><ul><li>O serviço de referência como formador do...
Desafios/Questões <ul><li>Do ponto de vista da literatura científica ou dos conceitos: </li></ul><ul><ul><li>Em que consis...
Todo saber é uma &quot;experiência&quot; de saber. Tôda ciência é uma vitória da persuasão sôbre a fôrça. À medida que se ...
Referências <ul><li>-  ALA.  Report of the Presidential Committee on Information Literacy : Final Report. 1989. Disponível...
Referências <ul><li>KLEIMAN, Angela B. Professores e agentes de letramento: identidade e posicionamento social.  Revista F...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Letramento bibliotecas universitárias

1,027 views
904 views

Published on

Apresentado no Forum de leitura promovido pelo grupo Teia de Textos em 02/09/2011.

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,027
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
6
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Letramento bibliotecas universitárias

  1. 1. Mediação da leitura em bibliotecas universitárias: encontros e desencontros Expositor : Leonardo Vasconcelos Renault [email_address] Doutorando em Ciência da Informação Bibliotecário coordenador da Biblioteca da Faculdade de Ciências Econômicas da UFMG Debatedora: Maria da Conceição Carvalho [email_address] Professora Doutora da Escola de Ciência da Informação da UFMG
  2. 2. Bibliotecas Universitárias <ul><li>Missão e possibilidades: </li></ul><ul><li>Acesso ao conhecimento </li></ul><ul><li>- Suporte ao Ensino, Pesquisa e Extensão (administrativo ou intelectual?) </li></ul><ul><li>- Formação de leitores? </li></ul>
  3. 3. Letramento informacional Para ser competente em informação, uma pessoa deve ser capaz de reconhecer quando uma informação é necessária e deve ter a habilidade de localizar, avaliar e usar efetivamente a informação...Resumindo, as pessoas competentes em informação são aquelas que aprenderam a aprender. Elas sabem como aprender pois sabem como o conhecimento é organizado, como encontrar a informação e como usá-la de modo que outras pessoas aprendam a partir dela. (American Library Association - Presential Committee on Information Literacy, 1989, p.1)
  4. 4. Letramento acadêmico <ul><li>A possibilidade do letramento acadêmico pelo viés da informação: </li></ul><ul><ul><li>Através de resumos e resenhas </li></ul></ul><ul><ul><li>Identificação de fontes de informação </li></ul></ul><ul><ul><li>Busca e recuperação de informações </li></ul></ul><ul><ul><li>Qualificação da informação </li></ul></ul><ul><ul><li>Trocas ou mediações (informações, conhecimentos, saberes) </li></ul></ul>
  5. 5. Letramento acadêmico Sabendo que vários processos e fatores estão envolvidos na construção de uma condição letrada, a interlocução até aqui realizada conduz a considerar o letramento como a competência para a participação em determinada forma de discurso, com propriedade para “falar sobre o falar, sobre questões, sobre respostas, isto é, a competência de uma metalinguagem”. (GOULART, 2006, p. 451)
  6. 6. Letramento acadêmico <ul><li>- O aprendizado é um processo contextualizado, com real envolvimento e diálogo contínuo entre estudantes, docentes e bibliotecários; </li></ul><ul><li>- Cultiva-se uma relação cotidiana com a informação; </li></ul><ul><li>- O docente e o bibliotecário são facilitadores, mediadores e mesmo aprendizes; </li></ul><ul><li>- Reconhecendo-se a diversidade, pratica-se o respeito às opiniões e estabelece-se o diálogo, o debate construtivo; </li></ul><ul><li>O processo de avaliação torna-se parte do processo, sendo baseado no mesmo. </li></ul><ul><ul><ul><li>(DUDZIAK, 2011) </li></ul></ul></ul>
  7. 7. Mediador Uma representação habitual do professor é a de mediador, mas o sentido do senso comum apagou os sentidos originais do conceito, relativos à mediação semiótica na aprendizagem (Vygotsky [1930]1984) e passou a ver o mediador como aquele que está no meio, aquele que medeia, por exemplo, a interação entre autor e leitor, arbitrando sobre significados e interpretações. Daí termos argumentado em favor de uma outra representação, a de agente de letramento (Kleiman, 2006), cujas associações metonímicas com o conceito de agente (humano) trazem à mente a idéia de fazer coisas: um agente se engaja em ações autônomas de uma atividade determinada e é responsável por sua ação, em contraposição ao paciente, recipiente ou objeto, ou ao sujeito coagido. (KLEIMAN, 2006, p. 414)
  8. 8. Pesquisa da biblioteca da UFBA COMPETÊNCIAS EM INFORMAÇÃO DOS ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO PARA A ELABORAÇÃO DOS TRABALHOS ACADÊMICOS: A CONTRIBUIÇÃO DAS BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS DA UFBA
  9. 9. Pesquisa da biblioteca da UFBA
  10. 10. Pesquisa da biblioteca da UFBA
  11. 11. O Diálogo <ul><li>O bibliotecário por Edson Nery da Fonseca </li></ul><ul><li>O professor por Anísio Teixeira </li></ul>
  12. 12. Ser ou não ser bibliotecário
  13. 13. Ser ou não ser bibliotecário Ser bibliotecário para dispensar aos usuários da biblioteca universitária toda a atenção que merecem; não ser bibliotecário para preocupar-se apenas com a conservação de coleções.
  14. 14. Ser ou não ser bibliotecário Ser bibliotecário para atuar &quot;como um filtro que se interpõe entre a torrente de livros e o homem&quot;, como queria Ortega; não ser bibliotecário para deixar que os pesquisadores se percam na selva selvaggia de uma produção bibliográfica explosiva.
  15. 15. A visão do educador A condição essencial para a liberdade no estado moderno está, com efeito, acima de tudo, na independência das instituições que guardam, aplicam e promovem o saber humano, isto é, as profissões chamadas liberais e a universidade, em face do Estado, ao qual cabe velar por elas, mas jamais interferir em sua área de ação ou na consciência profissional dos seus agentes. (TEIXEIRA, 1953)
  16. 16. De mão dadas Não serei o bibliotecário de um mundo caduco Também não me deixarei encantar pela biblioteconomia do futuro Estou no balcão de referência e contemplo os leitores da minha biblioteca Seus estudos alimentam a minha esperança Mas considero, perplexo, o enorme universo dos livros Deste mundo tão grande somos apenas uma parte A tarefa é comum, trabalhemos de mãos dadas. Não serei o escravo de um código obsoleto e de um sistema ultrapassado Não direi que a biblioteca é hospital de almas e o livro um amigo silencioso que não falha O leitor é o meu objetivo: o leitor adulto, o leitor juvenil, o leitor infantil O aluno e o professor, o neoalfabetizado e o pesquisador científico. Para cada leitor, existe um livro e para cada livro encontrarei o seu leitor. Edson Nery da Fonseca
  17. 17. De mão dadas Impressões por Edson Nery da Fonseca “ O seminário sobre bibliotecas universitárias, que vai agora realizar-se no Estado de Illinois, foi proposto pelo Dr. Anísio, um dos poucos educadores brasileiros que dão à biblioteca o relevo que ela deve ter no sistema educacional.” A respeito do Seminário Inter-Americano ocorrido em 1961 e idealizado por Anísio Teixeira do qual Edson Nery da Fonseca foi o representante brasileiro
  18. 18. De mão dadas Citações por Etelvina Lima Sobre a missão das universidades “ (...)Trata-se de conservar o saber vivo e não morto, nos livros ou no empirismo das práticas intelectualizadas.” “ A universidade é em essência, a reunião entre os que sabem e os que desejam saber”. Sobre a missão das bibliotecas “ Entre professor e aluno há um gentleman’s agreement de que nada pode perguntar que não tenha sido ensinado, significando ensinado o que tenha dito em sala de aula.” Etelvina conclui que dessa forma a biblioteca perdia sua razão de ser, transformando-se em coleção de “bom gosto” e elegendo uma visão única e arbitrária do conhecimento. Retirado da separata: A biblioteca no ensino superior de Etelvina Lima que foi um trabalho apresentado no VIII Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação realizado em Brasília no ano de 1975.
  19. 19. Propostas <ul><li>Repensar o papel da biblioteca universitária; </li></ul><ul><li>O serviço de referência como formador do pesquisador e do cidadão pensante; </li></ul><ul><li>Questionarmos: quem é o nosso usuário-leitor? </li></ul>
  20. 20. Desafios/Questões <ul><li>Do ponto de vista da literatura científica ou dos conceitos: </li></ul><ul><ul><li>Em que consiste a mediação da leitura no contexto universitário? Qual o papel da biblioteca universitária neste contexto? </li></ul></ul><ul><ul><li>Como trabalhar a dimensão da autonomia e ao mesmo formar um leitor/pesquisador maduro? </li></ul></ul><ul><ul><li>Existe ainda espaço para a volta do erudito? Como formá-lo? </li></ul></ul>
  21. 21. Todo saber é uma &quot;experiência&quot; de saber. Tôda ciência é uma vitória da persuasão sôbre a fôrça. À medida que se estende a área do conhecimento racional e relativo, nesta medida se amplia a área de tolerância e de respeito pelo homem, e cresce a reverência pela sua missão de estender e desenvolver a aventura da vida sob o sol. O imenso poder que a sua pequena razão já lhe pôs nas mãos jovens não poderá ser lançado contra si próprio. A mestra da moderação e da tolerância, que é a mesma razão empreendedora, há de ser também a mestra da paz entre os homens. A guardiã dessa razão humana, origem e instrumento do saber, é a universidade, em cujo seio deve palpitar essa suprema esperança humana. (TEIXEIRA, 1953)
  22. 22. Referências <ul><li>- ALA. Report of the Presidential Committee on Information Literacy : Final Report. 1989. Disponível em:<http://www.ala.org/acrl/nili/ilit1st.html > Acesso em: Aug. 2000. </li></ul><ul><li>DUDZIAK, Elisabeth Adriana. Information literacy education : integração pedagógica entre bibliotecários e docentes visando a competência em informação e o aprendizado ao longo da vida. Disponível em: < http://www.sibi.ufrj.br/snbu/snbu2002/oralpdf/47.a.pdf >. Acesso em: 15 mar. 2011. </li></ul><ul><li>- FONSECA, Edson Nery da. Martirio e restauração de uma universidade . São Paulo: Fonseca, 1972. </li></ul><ul><li>- FONSECA, Edson Nery da. Ser ou não ser bibliotecario e outros manifestos contra a rotina . Brasilia: Associação dos Bibliotecarios do Distrito Federal, 1988. </li></ul><ul><li>- FONSECA, Edson Nery da. Universidades, bibliotecas e museus : diario de uma viagem aos Estados Unidos. Rio de Janeiro: 1964 </li></ul><ul><li>GOULART, Cecília. Letramento e modos de ser letrado: discutindo a base teórico-metodológica de um estudo. Revista Brasileira de Educação , Rio de Janeiro, v. 11, n. 33, p. 450- 462, set./dez. 2006. </li></ul>
  23. 23. Referências <ul><li>KLEIMAN, Angela B. Professores e agentes de letramento: identidade e posicionamento social. Revista Filologia e Lingüística Portuguesa , n. 08, p.409-424. 2006. </li></ul><ul><li>- LIMA, Etelvina. A biblioteca no ensino superior. Revista de Biblioteconomia de Brasilia , Brasilia, v. 5, n. 2, p. 847-861, jul./dez. 1977. </li></ul><ul><li>LORGUS, Alexandra Luiza. O TCC como reflexo do letramento acadêmico dos alunos de graduação em design da universidade Regional de blumenau . Blumenau: FURB, 2009. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Ciências da Educação, Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, 2009. Disponível em: <http://proxy.furb.br/tede/tde_arquivos/4/TDE-2009-05-04T082320Z-469/Publico/Diss%20Alexandra%20Luiza%20Lorgus.PDF>. Acesso em: 14 abr. 2011. </li></ul><ul><li>SILVA, Lúcia Vera da; GOMES, Henriette Ferreira. Competências em informação dos estudantes de graduação para a elaboração dos trabalhos acadêmicos: a contribuição das bibliotecas universitárias da UFBA. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA DA ANCIB, 10., 2009, João Pessoa. Anais ... João Pessoa: ANCIB, 2009. </li></ul><ul><li>- TEIXEIRA, Anísio. A universidade e a liberdade humana. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos , Rio de Janeiro, v.20, n.51, p.3-22, jul./set. 1953. </li></ul>

×