• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva
 

Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva

on

  • 539 views

 

Statistics

Views

Total Views
539
Views on SlideShare
538
Embed Views
1

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

1 Embed 1

http://lurdesilvabeco.blogspot.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva Auto AvaliaçãO Da Be Lurdes Silva Presentation Transcript

    • “A ligação entre a biblioteca, a escola e o sucesso educativo é hoje um facto assumido por Organizações e Associações Internacionais que a definem como núcleo de trabalho e aprendizagem ao serviço da escola.” (in Texto da Sessão)
    • “Está comprovado que quando os bibliotecários e os professores trabalham em conjunto, os alunos atingem níveis mais elevados de literacia, de leitura, de aprendizagem, de resolução de problemas e competências no domínio das tecnologias de informação e comunicação.” Manifesto das Bibliotecas Escolares da IFLA/UNESCO (1999) “… a biblioteca escolar (BE) constitui um contributo essencial para o sucesso educativo, sendo um recurso fundamental para o ensino e para a aprendizagem.” Modelo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar, RBE (2009)
    • Avaliação da BE :  processo que deverá conduzir à reflexão e deverá originar mudanças concretas na prática.  abordagem qualitativa orientada para uma análise dos processos e resultados, numa perspectiva formativa, permitindo identificar as necessidades e fragilidades com vista à melhoria.
    • Permite:  a afirmação e reconhecimento do seu valor/papel ;  determinar o grau de consecução da sua missão e objectivos;  conhecer o grau de eficiência e de eficácia dos serviços prestados e de satisfação dos utilizadores;  identificar pontos fortes (de sucesso) que deverão continuar e pontos fracos a melhorar;  Ajustar continuamente as práticas com vista à melhoria dos resultados;  Conhecer o impacto no processo de ensino e aprendizagem;  Incorporar a auto-avaliação da BE no processo de auto- avaliação da escola, dada a sua relação estreita com a sua missão e objectivos.
    •  Níveis de colaboração entre o PB e os restantes docentes na identificação de recursos e no desenvolvimento de actividades conjuntas orientadas para o sucesso do aluno;  Acessibilidade e qualidade dos serviços prestados;  Adequação da colecção e dos recursos tecnológicos.
    • •Apoio ao desenvolvimento Curricular A •A1- Articulação Curricular da BE com as estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica e os docentes •A.2 - Promoção das literacias da informação, tecnológica e digital B •Leitura e Literacias •Projectos, Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à C Comunidade •C.1 – Apoio a actividades livres, extra-curriculares e de enriquecimento curricular •C.2 – Projectos e parcerias •Gestão da Biblioteca Escolar D •D.1 – Articulação da BE com a Escola/Agrupamento. Acesso e serviços prestados pela BE •D.2 – Condições humanas e materiais para a prestação dos serviços •C.2 – Gestão da colecção / da informação
    • Cada domínio inclui: apontam para as zonas nucleares de intervenção em cada domínio e permitem a aplicação de elementos de medição que irão possibilitar uma apreciação sobre a qualidade da BE . exemplos de situações, ocorrências e acções que operacionalizam o respectivo indicador. mostra os aspectos positivos que devemos realçar, ou aspectos menos positivos que nos podem obrigar a repensar formas de gestão e maneiras de funcionamento. caracterizam o que se espera da BE, face aos 4 domínios analisados.
    • Nível 4 - A BE é muito forte neste domínio. O trabalho desenvolvido é de grande qualidade e com um impacto bastante positivo. Nível 3 – A BE desenvolve um trabalho de qualidade neste domínio mas ainda é possível melhorar alguns aspectos. Nível 2 – A BE começou a desenvolver trabalho neste domínio, sendo necessário melhorar o desempenho para que o seu impacto seja mais efectivo. Nível 1 – A BE desenvolve pouco ou nenhum trabalho neste domínio, o seu impacto é bastante reduzido, sendo necessário intervir com urgência.
    •  Selecção do domínio a avaliar e sua fundamentação (um domínio por ano lectivo);  Adequação do modelo à realidade da escola;  Divulgação da aplicação do modelo à comunidade;  Calendarização do processo;  Escolha do tipo de evidências a privilegiar, dos instrumentos a utilizar e da amostra;  Recolha de evidências (em que/quantos momentos?)
    •  Análise dos dados recolhidos;  Determinação dos perfis de desempenho para cada domínio/subdomínio;  Elaboração do relatório, no qual se inclui um plano de melhoria;  Discussão dos resultados do Relatório de Auto-avaliação em Conselho Pedagógico;  Divulgação pública dos resultados (na plataforma moodle), incluindo comunicação à RBE (relatório e produto de discussão em CP).
    •  Registos estatísticos produzidos pela BE;  Trabalhos realizados pelos alunos;  Planificações e Projectos Curriculares de Turma;  Materiais produzidos pela BE ou em colaboração com os docentes;  Instrumentos produzidos para recolher informação: questionários, entrevistas, registos de observação…;  Documentos já existentes e que regulam a actividade da escola (PE, PCA, PAA…) ou da BE (Plano de actividades, Regimento,…;  Actas de reuniões, relatos de actividades.
    • A amostra deve abranger :  a diversidade de alunos da/s escola/s: os vários anos e/ou ciclos de escolaridade, as várias origens/nacionalidades; rapazes e raparigas; alunos com necessidades educativas, outros.  a diversidade de docentes da/s escola/s, aplicando os questionários aos diferentes departamentos, nos domínios em que se justifica, a docentes mais antigos na escola e a docentes recém-chegados, outros. 20% do número total de professores e 10% do número total de alunos; aplicação em 2 momentos, pare verificar evidência de progressos.
    • O processo de auto-avaliação é feito com e para toda a comunidade escolar: PB e equipa Órgão de Professores Gestão Auto- avaliação da BE Conselho Pedagógico Alunos Encarregados de Educação
    •  Professores Bibliotecários e equipa: liderança e desenvolvimento do processo, mobilizando toda a comunidade escolar no sentido de promover uma cultura de avaliação.  Docentes, alunos e Encarregados de Educação: resposta a questionários, entrevistas e grelhas de observação.  Conselho Pedagógico: discussão dos resultados apresentados no relatório de auto-avaliação; recomendações a incluir no plano de desenvolvimento.  Órgão de Gestão: líder coadjuvante do processo.
    • A avaliação não constitui um fim em si mesmo. Espera-se que:  Produza mudanças concretas na prática;  Contribuapara a elaboração de um novo plano de desenvolvimento com vista à melhoria;  Sejaintegrada nas práticas da BE de forma sistemática;  Melhore o desempenho da BE.
    • Apresentação e discussão dos resultados: Junto dos órgãos de decisão pedagógica (Relatório Final); Divulgação a toda a comunidade escolar através dos Coordenadores de Departamento e da publicação na plataforma moodle; Integração de uma síntese no Relatório de Avaliação da Escola, permitindo à equipa de avaliação externa a avaliação do impacto da BE na escola.
    •  A avaliação é um instrumento de melhoria da qualidade.  Os resultados obtidos no processo de auto-avaliação devem ser objecto de análise colectiva e de reflexão na escola/agrupamento e originar a implementação de medidas adequadas aos resultados obtidos.  Esta análise deve identificar os pontos fortes e os pontos fracos do trabalho realizado em cada um dos domínios de funcionamento da BE.
    •  Dá uma visão holística do funcionamento da BE .  Assume-se como instrumento de sistematização e de difusão de resultados a ser apresentado junto dos órgãos de gestão e de decisão pedagógica.  Origina uma súmula a incorporar no relatório de auto- avaliação da escola.  Orienta o professor bibliotecário na entrevista a realizar pela Inspecção-Geral de Educação.
    • “Convém sublinhar que a avaliação não constitui um fim, devendo ser entendida como um processo que deverá conduzir à reflexão e deverá originar mudanças concretas na prática. A auto-avaliação deverá contribuir para a elaboração do novo plano de desenvolvimento, ao possibilitar a identificação mais clara dos pontos fracos e fortes, o que orientará o estabelecimento de objectivos e prioridades, de acordo com uma perspectiva realista face à BE e ao contexto em que esta se insere. Esse plano deve instituir-se como um compromisso da escola, na sua globalidade, já que um melhor desempenho da biblioteca irá beneficiar o trabalho de todos, docentes e alunos.” Modelo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar, RBE (2009)
    •  IFLA/UNESCO, Manifesto das Bibliotecas Escolares, (1994)  Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares , Modelo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar (2009)  Texto da Sessão : “O Modelo de Auto-Avaliação no contexto da Escola/Agrupamento” (disponibilizado na plataforma)  Scott, Elspeth (2002) “How good is your school library resource centre? An introduction to performance measurement”. 68th IFLA Council and General Conference August. <http://www.ifla.org/IV/ifla68/papers/028-097e.pdf> [14/10/2009]  McNicol, Sarah (2004) Incorporating library provision in school self-evaluation. Educational Review, 56 (3), 287-296. (Disponível na plataforma)  Johnson, Doug (2005) “Getting the Most from Your School Library Media Program”, Principal. Jan/Feb 2005 <http://www.doug-johnson.com/dougwri/getting-the-most-from-your- school-library-media-program-1.html> [14/10/2009] A Formanda: Lurdes Silva 20/11/2009