Rdi Aspectos PráTicos

2,752 views
2,608 views

Published on

Published in: Education, Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,752
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
22
Actions
Shares
0
Downloads
91
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Rdi Aspectos PráTicos

  1. 1. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO aspectos práticos Murilo Silveira
  2. 2. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos CONTEXTO NA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO Organização e Representação da Informação  Representação descritiva da informação;  Recuperação da informação;  Fontes de informação;  Tecnologia da informação.
  3. 3. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos AACR2 Anglo-American Cataloguing Rules, 2nd edition Código de Catalogação Anglo-Americano, 2. ed. Publicação que fixa norma relativas à descrição de itens bibliográficos, atribuindo uma ordem aos elementos descritivos. Facilitar o intercâmbio internacional de informação bibliográfica através da forma escrita convencional, ou legível por máquina.
  4. 4. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos AACR2 Buscou compatibilizar todas as descrições bibliográficas internacionais, também conhecida como ISBDs. As principais ISBDs são:  ISBD(G) – Descrição Bibliográfica Internacional Normalizada;  ISBD(M) – Descrição Bibliográfica Internacional Normalizada para Monografias;  ISBD(S) – Descrição Bibliográfica Internacional Normalizada para Publicações Seriadas;  ISBD(NBM) – Descrição Bibliográfica Internacional Normalizada para Materiais Não-Livro.
  5. 5. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES Descrição bibliográfica Etapa da catalogação que caracteriza um item, tornando-o único entre os demais em um acervo. Etapa que estabelece um padrão dos elementos de um item bibliográfico. O padrão é estabelecido através de oito grandes áreas de descrição, constituindo-se por um número determinado de elementos.
  6. 6. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES Descrição bibliográfica As oito áreas de descrição bibliográfica são:  Título e indicação de responsabilidade;  Edição;  Detalhes específicos do material;  Imprenta (ou colação);  Descrição física;  Série;  Notas;  Número normalizado e modalidades de aquisição.
  7. 7. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES Pontos de acesso Etapa da catalogação que particulariza e relaciona itens, através de seus elementos descritivos (autor, título uniforme, série e assunto). Etapa que define um nome, um termo ou um código sob o qual um item bibliográfico pode ser procurado e identificado. A definição desses elementos seguem um plano determinado, buscando determinar as entradas primárias e secundárias de um item bibliográfico.
  8. 8. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES Pontos de acesso Os elementos definidos para composição das entradas primárias e secundárias são:  Autores pessoais;  Nomes geográficos;  Entidades;  Títulos uniformes;  Remissivas.
  9. 9. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos ETAPAS DA CATALOGAÇÃO As etapas de descrição bibliográfica e pontos de acesso se complementam para representação de um item, como também se relacionam através de um elemento importante comum às duas etapas: INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE É a indicação do responsável ou responsáveis, pessoas ou entidades, que de alguma forma contribuíram na produção do conteúdo intelectual ou artístico de um item bibliográfico. AUTORIA PESSOAL ou COLETIVA
  10. 10. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Autoria Pessoal É a pessoa responsável pela criação do conteúdo intelectual e artístico de um item, como:  escritores de livros;  compositores de músicas;  cartógrafos;  fotógrafos;  pintores;  escultores;  compiladores de bibliografias;  entre outros.
  11. 11. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Autoria Pessoal Não se considera autor pessoal:  compilador (comp.);  coordenador e editor (coord.);  tradutor (trad.);  ilustrado (il.);  e outras designações conforme o AACR2. Compilador (não é considerado autor) Compilador de bibliografias (é considerado autor).
  12. 12. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Autoria Pessoal
  13. 13. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Autoria pessoal (Responsabilidade compartilhada)  item produzido pela colaboração de duas ou mais pessoas;  item resultante de um intercâmbio entre duas ou mais pessoas. Não se aplica a esta regra:  item gerado do trabalho de vários colaboradores sob a direção de um coordenador;  item formado por obras já existentes (coletâneas). O ponto de acesso é o primeiro autor citado na fonte principal de informação (ordem de precedência). Os outros autores são indicados na área conforme ordem de citação na fonte principal de informação.
  14. 14. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Autoria pessoal (Responsabilidade compartilhada)
  15. 15. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Autoria pessoal (Responsabilidade compartilhada) Quando um item possui mais de três autores, o ponto de acesso deve ser o título. Depois, registra-se o primeiro autor seguido da expressão latina et al na área de indicação de responsabilidade, que vem logo após o título. E ainda, deve-se criar uma entrada secundária para o primeiro autor.
  16. 16. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Autoria pessoal (Responsabilidade compartilhada)
  17. 17. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Coletâneas e Itens sob direção editorial Regra aplicada à:  coleção de itens independentes de diferentes autores;  coleção de extratos de itens independentes de diferentes autores;  itens com contribuições de diferentes autores, coordenada por um editor. O ponto de acesso é o título do item bibliográfico, seguido da indicação dos responsáveis conforme aparecem na fonte principal de informação. Deve-se ainda criar entradas secundárias para todas as indicações de responsabilidade.
  18. 18. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Coletânea com título coletivo Regra aplicada à:  coleção de textos independentes de um ou de diferentes autores, reunidos em um item bibliográfico, designados por um título coletivo. O ponto de acesso é o título coletivo, seguido da indicação dos responsáveis conforme aparecem na fonte principal de informação. Deve-se ainda criar entradas secundárias para todas as indicações de responsabilidade e para os títulos dos textos independentes.
  19. 19. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Coletâneas e Itens sob direção editorial
  20. 20. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Coletânea sem título coletivo Regra aplicada à:  coleção de textos independentes de um ou de diferentes autores, reunidos em um item bibliográfico, que não foram designados por um título coletivo. O ponto de acesso é o título do texto que for parte predominante ou que for citado primeiro na fonte principal de informação. Em seguida, registra-se os responsáveis conforme aparecem no item. Deve-se ainda criar entradas secundárias para todas as indicações de responsabilidade e para os títulos dos textos independentes.
  21. 21. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Coletânea sem título coletivo
  22. 22. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Comunicações oficiais Regra aplicada à:  comunicação oficial de uma ou várias autoridades;  coleção de comunicados oficiais e outros itens de uma autoridade;  comunicações oficiais de várias autoridades de um mesmo grupo;  comunicações oficiais de chefes de governo, entidades internacionais intergovernamentais e outras entidades. Comunicação oficial é o documento emanado de autoridade no exercício oficial de um cargo: mensagens presidenciais, proclamações de reis, ordens, bulas e encíclicas papais, cartas pastorais, entre outras.
  23. 23. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Comunicações oficiais O ponto de acesso segue a seguinte ordem:  jurisdição governada;  designação do cargo em exercício;  datas inclusivas do mandato;  nome da autoridade. Entrada secundária É a indicação da nome da autoridade, sem as designações do cargo. No entanto, é importante salientar que essas indicações podem variar conforme as autoridades e as especificidades do item bibliográfico.
  24. 24. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Comunicações não oficiais Regra aplicada aos:  outros itens bibliográficos das mesmas autoridades da regra anterior. Autoridades: presidentes, governadores, prefeitos, ministros, secretários de estado, senadores, deputados, entre outros. Nesta lista incluem-se ainda: papas, bispos, cardeais e outras autoridades eclesiásticas.
  25. 25. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Comunicações não oficiais O ponto de acesso é o nome da autoridade conforme aparece no item, sem indicação de designação, estendendo-se para a indicação de responsabilidade após o título. Contudo, deve-se gerar uma remissiva da designação da autoridade para o ponto de acesso principal.
  26. 26. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Comunicações não oficiais
  27. 27. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Itens de responsabilidade mista Regra aplicada à:  itens modificados como: - adaptações; - revisões, ampliações, resumos; - obras comentadas, interpretadas; - entrevistas e debates; - comunicações espíritas; - traduções.
  28. 28. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Itens de responsabilidade mista É aquele item que tem duas ou mais pessoas responsáveis pela sua produção. O ponto de acesso é o autor do item bibliográfico. Na indicação de responsabilidade são registrados os outros responsáveis conforme aparecem na fonte principal de informação. É importante observar a regra de responsabilidade compartilhada, em caso de dúvidas.
  29. 29. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Itens de responsabilidade mista
  30. 30. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Publicações legais Regra aplicada à:  leis que governam uma jurisdição;  decretos de gestores públicos;  leis que governam mais de uma jurisdição;  projetos e anteprojetos de lei;  regulamentos administrativos;  constituições, cartas constitucionais e suas emendas;  regulamentos e outras publicações de tribunais;  tratados e acordos intergovernamentais.
  31. 31. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Publicações legais O ponto de acesso segue a seguinte ordem:  jurisdição governada ou entidade legislativa;  título uniforme apropriado (conforme a publicação);  datas inclusivas da publicação. Entrada secundária A indicação de jurisdições, títulos uniforme e outros casos devem ser realizados segundo regras específicas, conforme indica o AACR2.
  32. 32. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Publicações legais
  33. 33. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Autor coletivo É o autor que se caracteriza como entidade, ou seja, uma organização ou assembléia de pessoas conhecidas por um nome corporativo ou coletivo como:  associações e sociedades;  instituições públicas ou privadas;  partidos políticos;  exposições e expedições;  eventos científicos;  entre outros.
  34. 34. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Autor coletivo
  35. 35. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Autor coletivo
  36. 36. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Autor coletivo Só se considera a autoria coletiva nos seguintes casos:  documentos que retratam o pensamento e a atividade coletiva de uma instituição Relatórios, atas de congresso, anais de evento, declarações oficiais, etc.;  documentos que abordam a natureza administrativa de uma entidade Procedimentos, manuais de serviços, catálogos, inventários e outros documentos que se refiram à sua política interna.;
  37. 37. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Autor coletivo Só se considera a autoria coletiva nos seguintes casos:  documentos legais, de governo ou de caráter religioso Leis, decretos, constituições, resoluções, regulamentos, projetos, portarias, documentos legislativos, leis religiosas, obras litúrgicas, etc.;  filmes, discos e materiais cartográficos
  38. 38. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos INDICAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Caso Particular: Autoria Pessoal versus Autoria Coletiva Deve-se privilegiar a autoria pessoal, no caso da dúvida da responsabilidade principal. A autoria que não foi escolhida para ponto de acesso deve ser elemento de uma entrada secundária.
  39. 39. REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: aspectos práticos REFERÊNCIAS BARBOSA, A. P. Novos rumos da catalogação. Rio de Janeiro: BNG; Brasilart, 1978. CAVALCANTI, C. R. Catalogação simplificada. Brasília: Ed. Universitária da UnB, 1970. CÓDIGO de catalogação anglo-americano. 2. ed. São Paulo: FEBAB, 1985. 2v. CRUZ, A. da C.; CORRÊA, R. M. R.; COSTA, V. M. G. Catalogação descritiva: área de título e das indicações de responsabilidade, área de edição e área de publicação, distribuição etc. Niterói: EdUFF, 1998. CUNHA, M. B. da. Para saber mais: fontes de informação em ciência e tecnologia. Brasília: Briquet de Lemos, 2001. MEY, E. S. A. Catalogação e descrição bibliográfica: contribuições a uma teoria. Brasília: ABDF, 1987. MEY, E. S. A. Introdução à catalogação. Brasília: Briquet de Lemos, 1995. RIBEIRO, A. M. de C. M. Catalogação de recursos bibliográficos pelo AACR2R 2002. 2. ed. rev. e acrescida de índice. Brasília: Ed. do autor, 2004. VIEIRA, E. P. Entidade coletiva como entrada principal na representação descritiva de documentos. Niterói: EdUFF, 1996.

×