Luke artigo sobre_o_framework_petic- final
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Luke artigo sobre_o_framework_petic- final

on

  • 346 views

Artigo publicado na EATIS 2010 sobre a metodologia PETIC 2.0

Artigo publicado na EATIS 2010 sobre a metodologia PETIC 2.0

Statistics

Views

Total Views
346
Views on SlideShare
346
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
1
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Luke artigo sobre_o_framework_petic- final Document Transcript

  • 1. Suggestions for PETIC 2.0: New Framework, Maturity Levels and Strategic Aligment Propostas para o PETIC 2.0: Novo Framework, Níveis de Maturidade e Alinhamento Estratégico Lucas De Marchi Anderson Cassimiro Doutor Rogerio P. C. do Graduando da UFS Graduando da UFS Nascimento luke.marchi@hotmail.com anderson@cassimiro.com Professor Adjunto UFS rogerio@ufs.brAbstract Além disso, as TIC crescem a cada dia. Neste vasto universo asThis paper shows the improvements suggested for the second organizações precisam separar o que lhes é útil. Investimentosversion of the PETIC framework, Strategic Planning of desordenados em TIC podem se tornar um problema. Perca deInformation and Communications Technology. All suggested confiabilidade em sistemas que não apresentam a respostachanges were made to create a product in accordance with the esperada e recursos gastos aleatoriamente podem ameaçar oreality of small and medium-sized enterprises. The large areas of devido funcionamento da organização. A TIC que deveria darICT were reorganized to assist in the processes sorting. A suporte a empresa pode, dessa forma, acabar se tornando umworkflow has been set to guide the use of the PETIC in the empecilho.organizations. Also a model that includes maturity metrics and Assim, o PETIC [1] foi criado pelo Departamento de Computaçãoprocesses analysis to assist governance was set. Finally, it was (DCOMP) da Universidade Federal de Sergipe (UFS).Seudefined a way to align the PETIC with the goals of the objetivo é fornecer uma ferramenta de fácil utilização para serorganization. utilizada na definição da estratégia de TIC em qualquer empresa.Resumo O PETIC aborda cinco grandes áreas da TIC, a saber: (i) Dados,Este artigo mostra as melhorias sugeridas para a segunda versão (ii) Software, (iii) Hardware, (iv) Telecomunicações e (v) Pessoas.do framework PETIC, Planejamento Estratégico de Tecnologia da A primeira versão foi revisada tendo como objetivo suprir falhasInformação e Comunicação. Todas as mudanças sugeridas foram encontradas através de estudos de caso e englobar áreasfeitas para criar um produto de acordo com a realidade de importantes para um planejamento estratégico que porventura nãopequenas e médias empresas. As grandes áreas de TIC foram tinham sido incluídos nesta. Nesta segunda versão, foramreorganizadas para auxiliar a classificação dos processos. Um adicionados: (i) a definição de métricas de maturidade deworkflow foi definido para guiar a aplicação do PETIC nas processos, (ii) a elaboração de um workflow de atividades para aorganizações. Definiu-se um modelo que inclui métricas de composição de um documento PETIC, (iii) a análise de processosmaturidade e análise de processos para auxiliar a Governança. Por e (iv) o alinhamento organizacional. Da primeira versão dofim, definiu-se uma maneira de alinhar o PETIC com os objetivos PETIC, também foram revisados a (v) relação e o escopo dasda organização. cinco grandes áreas e a (vi) ordem de escrita e organização do documento PETIC.Categories and Subject Descriptors Todas as alterações foram concebidas e desenvolvidas de maneiraK.6.1 [ Project and People Management]: Strategic information modular e aberta, visando facilitar o seu uso por empresas desystems planning-process planning, maturity models, metrics, qualquer tamanho. Dessa forma, o modelo do PETIC pode produzir resultados robustos e sob medida para cada organização.Keywords:PETIC 2.0, TIC, Planejamento Estratégico, A seguir, na seção 2 apresentam-se conceitos utilizados para oModelo e Métricas de Maturidade de Processos, Alinhamento desenvolvimento do PETIC 2.0 e algumas tecnologias de suporte.Estratégico. Na seção 3, são descritas e detalhadas as melhorias desta versão. E, na seção 4 são apresentadas conclusões e propostas de1. INTRODUÇÃO trabalhos futuros para o PETIC.Com a competição cada vez maior no mercado as organizaçõesprecisam ser cada vez mais eficazes. Um Planejamento estratégico 1.1 Trabalhos relacionados.é de grande importância para definir um plano de ação. Através Em análises e estudos de caso oriundos do PETIC e divulgadosdele a organização define como alocar seus recursos da melhor em [2] e [3], foram encontradas as seguintes dificuldades:maneira possível para atingir suas metas e objetivos em tempo ausência de métricas, utilização de texto corrido atrapalhando ahábil, sem pressões desnecessárias. localização de informações dentro do documento final, ausência de definição de prioridades nas atividades que devem ser elaboradas, difícil separação das atividades nas cinco grandes
  • 2. áreas de foco e o alto índice de variação entre os modelos de O BSC sugere ainda que a organização seja dividida em quatrodocumentos produzidos. perspectivas, sendo elas a financeira, de processos internos, deDurante a revisão da literatura foram encontrados outros trabalhos clientes e de inovação e aprendizado. Estas perspectivas podemconceitos como o PETI[4] . O qual aborda satisfatoriamente os ser customizadas de acordo com a área que o BSC está sendopré-requisitos e as ações que compõem a definição de um utilizado.O IT BSC [8] mostra um enfoque customizado do BSCplanejamento estratégico de TI. Uma das diferenças do trabalho é para a TI.que enquanto o PETI é focado em grandes empresas, o PETIC éum produto para pequenas e médias empresas. Outra é a ausência 2.4 PMBOK O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guiade um modelo de documento pelo PETI enquanto o PETIC PMBOK) [9] tem como objetivo fornecer uma visão geral do queapresenta esse modelo desde sua concepção. A principal diferença é amplamente reconhecido como boa prática dentro do conjuntodo PETIC é a inclusão da grande área Comunicações que aborda de conhecimentos em gerenciamento de projetos. Ostodas as preocupações inerentes . conhecimentos e práticas descritos nele são aplicáveis à maioria dos projetos na maior parte do tempo, existindo um consenso2. CONCEITOS E TECNOLOGIAS DE geral em relação aos valores e utilidades destes. A aplicaçãoSUPORTE correta destas habilidades, ferramentas e técnicas podem aumentarNesta seção, serão descritas tecnologias que suportam o as chances de sucesso em vários projetos diferentes. Este guiaplanejamento estratégico. também fornece um vocabulário comum para as práticas de gerenciamento de projetos.2.1 COBIT O PMBOK define nove áreas e 42 processos para seremO COBIT, Control Objectives for Information and related analisadas.Technology [5] é um framework para gestão de Tecnologia deInformação. Focado principalmente no negócio da organização enos processos de TI que dão suporte a ela. O COBIT é uma opção 3. INOVAÇÕES DO PETIC 2.0para maximizar o Retorno Sobre Investimento (ROI) de TI, uma Nas subseções a seguir serão descritas as principais inovaçõesvez que sua preocupação é fornecer uma métrica dos processos da sugeridas para o PETIC 2.0. Na subseção 3.1, a nova organizaçãoorganização. das áreas de TIC. Na 3.2, a criação de métricas de maturidade simplificadas. Na 3.3, será mostrado como ocorre a análise dosO COBIT apresenta quatro domínios onde se encontram 34 processos. Na 3.4, veremos como o PETIC se alinha com osprocessos. Cada um desses processos pode ser analisado objetivos organizacionais. Por fim, na subseção 3.5, o workflowprimordialmente de três maneiras: (i) Indicadores Chave de proposto para a elaboração de um Documento PETIC.Desempenho, (ii) Indicadores Chave Objetivo ou de Sucesso e(iii) Fatores Críticos de Sucesso. Esses indicadores servem como 3.1 Reorganização das grandes áreas de TICmétricas para definição de metas a serem atingidas. Cada um Um dos problemas encontrados na revisão de planejamentosapresenta uma abordagem diferente para a situação. estratégicos utilizando TIC é como as grandes áreas são vistas. Pela simbiose que as TIC têm entre suas áreas muitos consultores2.2 CMM relatam problemas para definir a que área um determinadoO Capability Maturity Model [6] pode ser descrito como um processo pertence. Isto se deve à organização piramidal das áreasconjunto de práticas para a melhoria de processos existentes que foi previamente proposta.dentro de uma organização.A maior contribuição direta do CMM para este trabalho são osconceitos sobre os níveis de maturidade. No CMM são definidoscinco níveis de maturidade: (i) inicial, (ii) repetível, (iii) definido,(iv) gerenciado e (v) otimizado. O CMM explica como definir onível em que cada processo se encontra.Outra abordagem interessante é a definição de processos modelos.Estes servem como referência para e melhoria dos processos daorganização.2.3 BSCBalanced Scorecard [7] é uma metodologia de gerenciamento dedesempenho organizacional. Visa dar suporte à estratégia e àvisão organizacional. O principal objetivo do BSC é oalinhamento do planejamento estratégico com os processosexistentes na organização. Esse objetivo é atingido a partir de 4ações: (i) Esclarecer e traduzir a visão e a estratégia, (ii)Comunicar e associar objetivos e medidas estratégicos, (iii) Figura 1. Nova abordagem.Planejar, estabelecer metas e alinhar iniciativas estratégicas e (iv)Melhorar o feedback e o aprendizado estratégico. A Figura 1 apresentab uma relação de igualdade e interoperabilidade entre as áreas. Porém,é normal que umOs componentes do BSC mais relevantes para esse trabalho são: processo chave de uma área possa depender de outra área. Por(i) Objetivo estratégico, (ii) Metas e (iii) Planos de ação.
  • 3. exemplo, o processo de Comunicação por Voz pertencente à área dos processos existentes são algumas das atividades previstas nade Telecomunicação depende de um Software e de uma elaboração do PETIC 2.0.infraestrutura de Hardware. Assim, o PETIC 2.0 define que, emuma situação como esta, deve-se manter o processo na sua área de 3.4 Alinhamento Organizacionalfoco e realizar requisições às outras áreas relacionadas para Um ponto importante percebido no framework do PETIC originalviabilizar a sua existência. é que ele era insipiente em relação ao alinhamento com os objetivos da organização. Por isso, foi visualizado um modelo de3.2 Definição de Métricas de Maturidade alinhamento estratégico para o PETIC 2.0 no qual a primeiraDurante a revisão da literatura outro problema encontrado foi atividade a ser realizada é definir quais são os objetivos dacomo apresentar de maneira clara a situação atual da TIC dentro organização como um todo.da organização. O primeiro PETIC sugeria que se fosse descrito Assim, baseado no BSC, foi idealizado uma maneira de alinhardetalhadamente a situação de cada grande área. Esta abordagem se atividades com os objetivos da organização. Por outro lado, amostrou muito textual, dificultando a aquisição rápida das partir do estudo do COBIT, também foi verificado que o ROIinformações pelos responsáveis da empresa. precisa ser maximizado, principalmente para pequenas e médiasPara resolver esta falha foi definido que o PETIC 2.0 precisa empresas.incorporar uma ferramenta que permita mostrar a situação atual Para isto, cada processo previamente definido passou a receberdas TIC. Baseados nos níveis de maturidade do CMM, e, um peso, de acordo com os objetivos da organização a que eleparticularmente, na pirâmide de prioridades humanas de Maslow, está alinhado. Dessa maneira, o PETIC 2.0 auxilia a definição de[10] foram idealizados os níveis de maturidade de processos. atividades importantes dentro do tempo estabelecido para a sua execução. Esta nova propriedade do PETIC 2.0 é bastante importante quando se consideram pequenas empresas que não possuem condições financeiras de realizar todas as atividades de TIC desejadas. 3.5 Workflow de Atividades. Tanto os níveis de maturidade como a reorganização das áreas do PETIC 2.0 têm como objetivo servir de base para uma implantação ágil do mesmo. Foi definido um modo de desenvolvimento que levou em consideração duas variáveis de estresse analisadas em outros trabalhos (i) o prazo comumente Figura 2. Níveis de Maturidade. curto estabelecido para se definir um planejamento tão importanteNa figura 2 são vistos os níveis de maturidade e seus escopos e (ii) a elaboração do trabalho praticamente sem guia.adotados pelo PETIC 2.0. Os processos podem receber uma nota Na Figura 3, a seguir, são mostrados os passos que compõem aque vai de zero a quatro e que, significam, respectivamente: 0- elaboração de um Documento PETIC 2.0. O primeiro passo, aInexistente, 1-Mínimo, 2-Seguro, 3-Satisfatório e 4-Estado Ideal Análise dos Processos é um levantamento de todos os processosdo Processo. A definição do nível do processo passa por um da organização. Os passos seguintes, Níveis de Maturidade,questionário genérico conforme a legenda de cada nível. Relevância dos Processos e a Definição do Estado Ideal, servemOutra vantagem na definição dos níveis de maturidade é permitir para diagnosticar a situação atual, medir a sua importância eque metas e medidas de desempenho sejam definidas para auxiliar definir aonde o processo deve chegar. Os Gráficos de Importânciana execução do Planejamento Estratégico (PE). Estas medidas x Custo e Diagramas de Gannt servem para definir prioridades eauxiliam também o consultor a definir quais atividades devem ser metas. Este workflow visa resolver problemas de escrita querealizadas acerca de cada processo. comumente apareciam na antiga elaboração do PETIC. Foram, então, definidos passos e etapas a serem seguidas. O PETIC 2.0,3.3 Análise de Processos agora, passa a ser escrito de forma modular. Com isso, cadaUm dos pontos adicionados à versão 2.0 foi a Análise de grande área pode ser escrita por uma equipe ou um consultor adProcessos. Influenciado pela organização de áreas e processos do hoc. Dessa forma, caso o prazo seja emergencial, bastaria definirPMBOK, a Análise dos Processos possibilita que cada grande uma equipe maior e utilizar os protocolos de interação definidos.área passe a ser composta por subprocessos. Assim, o custo não se altera significantemente, pois apesar de aumentar o efetivo, a carga horária de trabalho é diminuída.A Análise dos Processos ocorre de maneira modularizada. Oconsultor realiza um levantamento de todos os processosexistentes em cada grande área e seu respectivo nível dematuridade. Durante essa etapa é possível descobrir a necessidadede processos ainda inexistentes, estes devem ser idealizadosconforme a realidade da organização. Estes processos são parte dofoco de trabalho do PETIC 2.0. Identificar a qual grande área oprocesso pertence, definir seu nível de maturidade e estado idealalém de planejar as atividades a serem realizadas para modificação
  • 4. 6. AGRADECIMENTOS Este trabalho foi realizado graças à Fundação de Apoio à Pesquisa e à Inovação Tecnológica do Estado de Sergipe (FAPITEC/SE), financiadora de uma bolsa de trabalho do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (PIBITI). Ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), agência de fomento de pesquisa uma financiadora bolsa do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC). 7. REFERENCES [1] AMARAL, W e NASCIMENTO, R. P. C. do. PETIC: conceitos, fundamentos, guia e sua aplicação na Universidade Federal de Sergipe. Trabalho de Conclusão de Curso. Departamento de Computação. Universidade Federal de Sergipe. São Cristóvão. Julho 2009. [2] MARTINS, D. NERI, L Et All. PETIC SSP-SE 2010/2012 Disponíivel em <http://www.slideshare.net/diego.aju/petic- ssp-2010-2012-1646693> acessado em 14/03/2010 [3] PINA, E. PALMEIRA, J. C. Planejamento Estratégico de TIC: Estudo de Caso do CPD da UFS e TRE/SE. Figura 3. Workflow do PETIC 2.0. Monografia de Especialização em Gestão de Projetos de TI, Universidade Federal de Sergipe. 2010 [4] GARCIA, W. J. Modelo de Planejamento Estratégico de4. Conclusões Tecnologia da Informação em Empresas Globais. 291 f.O PETIC 2.0 está mais robusto e fácil de utilizar. Mais próximo Dissertação (Mestrado) - Curso de Engenharia de Produção,à realidade de desenvolvimento e planejamentos estratégicos Universidade de Santa Catarina, Florianópolis. 2005.das organizações atuais. Quanto mais abrangente e objetivo [5] COBIT, Control Objectives for Information and relatedele se torna, o espaço para improvisações é menor. Utilizando Technology. Disponível em:um pensamento de desenvolvimento aberto e modular, ele <http://www.isaca.org/Template.cfm?Section=COBIT6&Tetambém se torna um guia para qualquer tamanho de mplate=/TaggedPage/TaggedPageDisplay.cfm&TPLID=55&organização. ContentID=31519> acessado em 28/01/2010Neste trabalho, foram descritas as principais contribuições [6] CMM, Software Engineering Institute. Disponível emestudadas para a nova versão do PETIC, a saber: (i) Revisão <http://www.sei.cmu.edu/cmmi/> acessado em 10/12/2009das grandes áreas de TIC, (ii) Definição de métricas de [7] Balanced Score Card Institute, Balanced Scorecard Basics.maturidade, (iii) Analise de processos, (iv) Alinhamento Disponível emorganizacional e (v) Introdução de um workflow de <http://www.balancedscorecard.org/BSCResources/Abouttheatividades. BalancedScorecard/tabid/55/Default.aspx> acessado em4.1 Trabalhos Futuros 04/04/2010Está programada a utilização in loco do PETIC 2.0 no universo de [8] ISM Journal. Aligning IT to Organizational Strategy.algumas pequenas e médias empresas dos estados de Sergipe e Disponível em <http://www.ism-Amazonas, no Brasil. Especificamente, já se iniciou o trabalho journal.com/ITToday/AU2621_CH04.pdf> acessado emnuma empresa privada de médio porte, cujo foco principal do 14/03/2010negocio é a TI. Estes estudos de caso darão ao PETIC 2.0 uma [9] Project Management Institute. Um Guia do Conjunto deoportunidade de provar a utilidade de seus novos recursos e de Conhecimentos em Gerenciamento de Projetos (Guiaalinhar a teoria definida com a realidade pratica das empresas PMBOK®). Quarta edição, Four Campus Boulevard,brasileiras. Durante esse estudo, também serão extraídas novas Newtown Square, PA 19073-3299 EUA, 2008.ideias para a escrita de um novo Guia PETIC 2.0. [10] MASLOW, A. H. Introdução à Psicologia do Ser. 2. ed.5. RESULTADOS PRELIMINARES Rio de Janeiro: Eldorado, s/d.A analise parcial do trabalho realizado na primeira empresapermitiu validar alguns dos pontos previamente propostos. A [11] Este artigo será publicado na EATIS 2010 - Euro-Americanrelação entre horas trabalhadas e produtividade cresceu. Um novo Conference on Telematics and Information Systems, de 22 aFramework de elaboração também será proposto para guiar 24 de Setembro de 2010 na Cidade do Panamá, Panamá.melhor a sequencia das atividades.