Psicologia organizacional
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Psicologia organizacional

on

  • 7,266 views

Palestra Psicologia Organizacional, por Carla Carvalho

Palestra Psicologia Organizacional, por Carla Carvalho

Statistics

Views

Total Views
7,266
Views on SlideShare
7,266
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
215
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Psicologia organizacional Presentation Transcript

  • 1. Bom Dia!!!!
    • Sejam bem vindos(as) ao Almoço-Palestra - Eixo Capacitação .
  • 2. PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL
  • 3. PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL
    • A Psicologia Organizacional, inicialmente denominada como Psicologia Industrial, estuda os fenômenos psicológicos presentes nas organizações.
    • Mais especificamente, atua sobre os problemas organizacionais ligados à gestão de recursos humanos (ou gestão de pessoas).
  • 4.
    • A psicologia está muito ligada a empresas atualmente, seja ela no bem estar de cada um dos colaboradores, até mesmo nas emoções geradas num ambiente de trabalho.
  • 5.
    • Tradicionalmente, as principais áreas da psicologia organizacional são: recrutamento, seleção de pessoal, treinamento, diagnóstico organizacional...
  • 6. RH Operacional
    • É aquele típico RH burocrático, com visão umbilical e foco apenas em seus próprios processos.
    • O RH operacional não é somente o departamento de pessoal que atua na elaboração da folha de pagamento, cálculos trabalhistas, relações industriais e benefícios.
  • 7.
    • Mesmo os RHs que possuem ações estruturadas de treinamento, seleção, avaliação de desempenho e programas de gestão podem vir a ter foco estritamente operacional, fechando-se para o restante da empresa e preocupando-se exclusivamente com suas atividades, sem importar-se com os impactos de suas ações nos resultados e nas maiores metas da organização.
  • 8. RH Pirotécnico
    • Apesar da nomenclatura nada técnica, não foi possível encontrar palavra melhor para explicar o RH que tem a exclusiva missão de organizar festas e eventos.
  • 9.
    • Esse tipo de setor também ama enveredar-se por projetos da moda, com nomes sofisticados, implantando ferramentas modernas, porém, pouco aplicadas à realidade da empresa.
    • É muito barulho para pouco resultado. É comum percebermos a vocação desse RH quando participamos de um dos projetos organizados por ele.
  • 10.
    • Os treinamentos são sempre suntuosos, finamente decorados com faixas e balões coloridos, equipes ricamente uniformizadas para receber os participantes, dinâmicas de grupo que parecem ter saído do programa de TV “O Aprendiz” .
  • 11.
    • Ao término, todos os participantes se emocionam e aplaudem em pé a equipe do RH por tanto carinho e atenção aos detalhes.
    • Meses depois, ninguém se preocupa em medir os resultados, e quando o faz, descobre que quase deu em nada.
  • 12.
    • Esse é o típico departamento eficiente, mas não eficaz. Preocupa-se muito com a forma e pouco com os resultados.
    • Segundo Peter Drucker, eficiência consiste em fazer certo as coisas; eficácia, em fazer as coisas certas.
  • 13. O Abacaxi uma lição de gestão diferenciada
  • 14. João trabalhava em uma empresa há muitos anos. Funcionário sério, dedicado, cumpridor de suas obrigações e, por isso mesmo, já com seus 20 anos de casa.
  • 15. Um belo dia, ele procura o dono da empresa para fazer uma reclamação: - Patrão, tenho trabalhado durante estes 20 anos em sua empresa com toda a dedicação, só que me sinto um tanto injustiçado. O Juca, que está conosco há somente três anos, está ganhando mais do que eu.
  • 16. O patrão escutou atentamente e disse: - João, foi muito bom você vir aqui. - Antes de tocarmos nesse assunto, tenho um problema para resolver e gostaria da sua ajuda. Estou querendo dar frutas como sobremesa ao nosso pessoal após o almoço.
  • 17. Aqui na esquina tem uma quitanda. Por favor, vá até lá e verifique se eles têm abacaxi . João, meio sem jeito, saiu da sala e foi cumprir a missão. Em cinco minutos estava de volta.
  • 18. - E aí, João?
    • Verifiquei como o senhor mandou.
    • O moço tem abacaxi.
    - E quanto custa? - Isso eu não perguntei, não.
    • Eles têm quantidade suficiente para
    • atender a todos os funcionários?
    - Também não perguntei isso, não.
    • Há alguma outra fruta que
    • possa substituir o abacaxi?
    - Não sei, não...
  • 19. O patrão pegou o telefone e mandou chamar o Juca. Deu a ele a mesma orientação que dera a João: - Juca, estou querendo dar frutas como sobremesa ao nosso pessoal após o almoço. Aqui na esquina tem uma quitanda. Vá até lá e verifique se eles têm abacaxi, por favor. Em oito minutos o Juca voltou.
  • 20. - Eles têm abacaxi, sim, e em quantidade suficiente para todo o nosso pessoal; e se o senhor preferir, tem também laranja, banana e mamão. - Abacaxi é vendido a R$1,50 cada; a banana e o mamão a R$1,00 o quilo; melão R$ 1,20 a unidade e a laranja a R$ 20,00 o cento, já descascado.
  • 21. - Mas como eu disse que a compra seria em grande quantidade, eles darão um desconto de 15%. Aí aproveitei e já deixei reservado. - Conforme o senhor decidir, volto lá e confirmo - explicou Juca.
  • 22. Agradecendo as informações, o patrão dispensou-o para retornar ao trabalho. Voltou-se para o João, que permanecia sentado ao lado, e perguntou-lhe: - João, o que foi mesmo que você estava me dizendo?
  • 23. RH Estratégico
    • Esse é o RH ideal. É articulado e conhecedor da estratégia da empresa. Tem foco em resultados mensuráveis e consegue agregar valor ao negócio e às pessoas. Tem assento nas mesas de discussões estratégicas para traduzi-las aos funcionários e também para o fluxo inverso, entendendo as necessidades deles e levando à direção. Sua visão vai além das atividades e processos de Recursos Humanos.
    •  
  • 24.
    • Deve ser elo entre a estratégia da empresa e das pessoas de forma equilibrada.
    • Sem o equilíbrio entre estratégia e pessoas, corre-se o risco do RH focar somente as políticas da empresa e criar regras para controlar as ações dos funcionários.
    • Se aproximar da estratégia e distanciar das pessoas perde o senso de realidade, correndo o risco de implantar algo sem sentido, além de ser visto como arrogante.
    • Se aproximar das pessoas e distanciar da estratégia, passa a ter boa receptividade das pessoas, mas as ações perdem em resultado.
  • 25.
    • Muitos especialistas explicam que tudo começa com o tipo de profissional que se encaminha para os departamentos de recursos humanos.
    • Em geral, psicólogos, assistentes sociais e pedagogos. São excelentes profissionais e sabem lidar com pessoas como ninguém.
    • O problema é que não foram treinados para entender de negócios, não conhecem o setor em que sua empresa atua e muitas vezes nem sabem o que a equipe precisa para produzir mais.
  • 26.
    • O RH estratégico é aquele que agrupa o melhor dos dois focos e consegue manter o equilíbrio entre ação e resultado.
    • Em outras palavras, deve influenciar o negócio com o objetivo de alcançar o sucesso da empresa, e isso passa, sem dúvidas, por pessoas felizes, desenvolvidas e produtivas.
  • 27.
    • Quando o RH passa a olhar para a estratégia do negócio é inevitável que a alta direção passe a enxergá-lo com outros olhos, assimilando a importância de uma gestão de pessoas estratégica.
  • 28. Os RHs que são notadamente estratégicos apresentam algumas características, que nos ajudam a percebê-los:
    • Entendimento de negócio - Conhecem o mercado, cenário econômico e processos da empresa.
    • Foco em resultado - São efetivos, ou seja, eficientes e também eficazes.
    • Objetivos e Metas - Não atuam ao sabor dos ventos, mas sim, sabem onde querem chegar.
    • Visão Sistêmica - Conhecem a empresa como um todo e tomam decisões pensando nos impactos que podem ser gerados na empresa.
  • 29.
    • Métricas de RH­ - Faz uma gestão baseada em fatos e usa indicadores para diagnosticar oportunidades e avaliar resultados.
    • Cadeira ao lado do presidente - As grandes decisões não são tomadas sem a participação do RH.
    • Projetos Proativos - Implantam projetos e programas que surgem a partir de suas próprias percepções.
    • Confiança das pessoas e dos gestores – As pessoas e os gestores da empresa confiam nas ações do RH porque sabem que proporcionam resultados positivos.
  • 30. Liderança
    • “ Liderança é a habilidade de influenciar pessoas para trabalharem entusiasticamente visando atingir aos objetivos identificados como sendo para o bem comum. (James Hunter)
    • Habilidade / Influência
  • 31. Onde pessoas e processos se encontram Liderança Pessoas Gerenciamento Processos Você gerencia “coisas” e lidera “pessoas”
  • 32.
    • Nos tempos atuais, organizações ainda sofrem com um grande problema: elas
    • não têm líderes, tem CHEFES.
    • Qual a diferença?
  • 33. CHEFES x LÍDERES
    • - Conduz as pessoas; - Aconselha-as
    • - Inspira medo - Inspira entusiasmo
    • - Diz: EU - Diz: NÓS
    • - Preocupa-se com coisas - Preocupa-se com pessoas
    • - Colhe os louros - Distribui os louros
    • - Enxerga o hoje - Contempla o amanhã
  • 34.
    • Poder
    • “ É a faculdade de forçar ou coagir alguém a fazer sua vontade, por causa da sua posição ou força, mesmo que a pessoa preferisse não o fazer”.
    • Autoridade
    • “ A habilidade de levar as pessoas a fazerem de boa vontade o que você quer por causa de sua influência pessoal”.
  • 35.
    • “ Pessoas apóiam objetivos que ajudaram a criar”.
  • 36.
    • A LIDERANÇA começa com a VONTADE.
    • É preciso VONTADE para escolhermos AMAR ,isto é, sentir as reais necessidades e “não” os desejos daqueles que lideramos…
    • Para atender estas necessidades é preciso nos dispor a SERVIR e até mesmo a nos SACRIFICAR…
    • E quando SERVIMOS exercemos AUTORIDADE ou INFLUÊNCIA – A Lei da colheita…
  • 37.
    • Quando exercemos AUTORIDADE com as pessoas, ganhamos o direito de sermos chamados de LÍDERES .
            • ( James Hunter)
  • 38.
    • [email_address]
    • (51) 9295 - 8210