Prof. Luiz Henrique - Cálculos interpretação de análise de solo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Prof. Luiz Henrique - Cálculos interpretação de análise de solo

on

  • 18,223 views

 

Statistics

Views

Total Views
18,223
Views on SlideShare
17,826
Embed Views
397

Actions

Likes
8
Downloads
871
Comments
0

3 Embeds 397

http://www.luizhenriquebs.com.br 235
http://luizhenriquebs.com.br 159
http://luizhenriquebs.blogspot.com 3

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

CC Attribution-NonCommercial-ShareAlike LicenseCC Attribution-NonCommercial-ShareAlike LicenseCC Attribution-NonCommercial-ShareAlike License

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Prof. Luiz Henrique - Cálculos interpretação de análise de solo Prof. Luiz Henrique - Cálculos interpretação de análise de solo Presentation Transcript

  • CÁLCULOSINTERPRETAÇÃO DE ANÁLISE DE SOLO PARTE 2Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Análise de fertilidade de solo (0 a 20 cm)Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Conversão das unidades antigas para as unidades do Sistema Internacional (SI)Fonte: iac.impulsahost.com.br/.../analisedosolo/interpretacaoanalise.php Raij et al. (1996).
  • Solo• Carbono, matéria orgânica e textura do solo (areia, silte e argila): % x 10 = g/dm3 = g/kg.• Fósforo, enxofre e micronutrientes: ppm x 1 = mg/kg = mg/dm3.• Cátions trocáveis (K, Ca, Mg, Al), Acidez potencial (H + Al), Soma de Bases (SB) e Capacidade de troca de cátions (CTC): meq/100 cm3 = 10 mmolc/dm3 = 1 cmolc/dm3.• Saturação de Bases (V%) e Saturação de Alumínio (m%): expressos em %.
  • Planta (folha) Macronutrientes: % x 10 = g kg-1. Micronutrientes: ppm = mg kg-1. 1 ppm = 1 µg ml-1 = 1 mg dm-31 cmolc dm-3 = 1 cmolc kg-1 = 1 meq 100 ml-1 = 1 meq 100 cm-3 = 10 mmolc/dm3 = 10mmolc/kg
  • Soma de bases = SB = Ca + Mg + K• K em mg/dm3: transformar 20 mg/dm3 em cmolc/dm3, para calcular a soma de bases e outros parâmetros. 20 mg K 1 dm3 de solo XgK 1 dm3 de solo (A)Tabela 6A: mg/dm3 g/dm3 = mg/dm3 x 0,001Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Fatores multiplicativos de transformação dos resultados de análise de solos (6A)Expressões g/100g g/kg mg/dm3 kg/ha t/ha a (%) (*) (**) (**)transformarg/100g (%) 1 10 10.000 20.000 20 g/kg 0,1 1 10 2.000 2mg/dm3 (*) 0,0001 0,001 1 2 0,002 kg/ha (**) 0,00005 0,0005 0,5 1 0,001 t/ha (**) 0,05 0,5 500 1.000 1(*) Considerando-se densidade aparente de 1,0 kg/dm 3 tem-se que 1 mg/dm3 = 1 ppm.(**) Considerando-se 1 ha de 2.000 t (20 cm de profundidade e densidade do solo: 1,0 kg/dm 3). Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Soma de bases = SB = Ca + Mg + K (0,001) 1 dm3 de solo x 20 mg de K X= = 1 dm3 de solo 0,02 g de K/dm3 de soloAdaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Soma de bases = SB = Ca + Mg + K• cmolc = peso atômico em g ÷ valência ÷ 100• 1 cmolc K = 39,102 ÷ 1 ÷ 100 = 0,39102 g K 1 cmolc K 0,39102 g K X cmolc K 0,02 g K (B)Tabela 7A: g K cmolc K = g x 2,5582Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Fatores de conversão entre as unidades de representação dos macronutrientes (7A)Elemento Unidade Centimol Forma Forma de Forma de Forma de conhecida de carga elementar óxido radical Sal K - cmol gK g K2O - - cmol 1 0,3909 0,4709 - - gK 2,5582 1 1,20258 - - g K2O 2,1236 0,83016 1 - -Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Soma de bases = SB = Ca + Mg + K x = 0,02 g K x 1 cmolc K = 0,05 cmolc K 0,39102 g K 20 mg/dm3 K = 0,05 cmolc K/dm3 SB = 0,4 + 0,1 + 0,05 = 0,55 cmol c/dm3Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • CTC efetiva = t = SB + Al = Ca + Mg + K + Al t = 0,4 + 0,1 + 0,05 + 1,5 = 2,05 cmolc dm-3Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Percentagem de saturação por Al da CTC efetiva = m%= 100 x Al = 100 x Al SB + Al Ca + Mg + K + Al = 100 x 1,5 = 73,2 % ou 2,05 m% = 73,2Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Percentagem de saturação por bases da T = CTC a pH 7,0 (5,75 cmolc /dm3)V% = 100 x SB = 100 x SB T SB + (H + Al) = 100 x 0,55 = 5,75 = 9,6% ou V% = 9,6%Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Interpretação• Teores extremamente baixos dos nutrientes: Ca, Mg, K, P, B e Zn, acidez excessiva e toxidez de Al.• CTC efetiva de 2,05 cmolc / dm3 extremamente baixo: sob condições naturais ácidas, ocorre baixa capacidade de reter cátions, mesmo com 20 g kg-1 de matéria orgânica e 600 g kg-1 de argila.• Argilas de baixa atividade: provavelmente por caulinita e, ou, sesquióxidos de ferro e alumínio.Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Interpretação• Da CTC efetiva, 73,2% dos postos de troca são ocupados pelo Al: sérias limitações ao crescimento das principais culturas.• Baixa atividade das argilas: em função do valor da CTC a pH 7,0, com 5,75 cmolc /dm3 (mesmo em termos relativos à CTC efetiva, representando aumento de 180%).Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Interpretação• Forte potencial de perdas por lixiviação sob condições naturais (baixa CTC efetiva): apesar do solo apresentar 600 g kg-1 de argila.• Potencial de perdas pode ser sensivelmente reduzido: calagem adequada e consequente geração de cargas dependentes de pH.• Desenvolver: manejo adequado dos restos culturais, adubação verde, utilização de plantas de cobertura e rotação de culturas, para aumentar a CTC e retenção de umidade.Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Balanço teórico ideal para porcentagem de saturação de cátions da CTC a pH 7,0• Cálcio (60 - 70%), magnésio (10 - 20%), potássio (2 - 5%), hidrogênio (10 - 15%) e outros (2 - 4%) que incluem ferro, manganês, cobre, zinco e sódio.• Continuação dos cálculos: como se comporta este solo, sob condições naturais, em relação aos três primeiros parâmetros?Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Balanço teórico ideal para porcentagem de saturação de cátions da CTC a pH 7,0• CTC a pH 7,0 = 5,75 cmolc /dm3 % Saturação por Ca = 100 x 0,4 Ca/dm3 100 x cmolc Ca/dm3 = 5,75 cmolc /dm3 CTC a pH 7,0 6,9 % =Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Balanço teórico ideal para porcentagem de saturação de cátions da CTC a pH 7,0• CTC a pH 7,0 = 5,75 cmolc /dm3 % Saturação por Mg = 100 x 0,05 Mg/dm3 100 x cmolc Mg/dm3 = 5,75 cmolc /dm3 CTC a pH 7,0 0,9 % =Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Balanço teórico ideal para porcentagem de saturação de cátions da CTC a pH 7,0• CTC a pH 7,0 = 5,75 cmolc /dm3 % Saturação por K = 100 x 0,1 K/dm3 100 x cmolc K/dm3 = 5,75 cmolc /dm3 CTC a pH 7,0 1,7 % =Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Interpretação• Parâmetros Ca, Mg e K: desbalanceados• Teor de cálcio (0,4 cmolc/dm3) dividido pelo de magnésio (0,1 cmolc/dm3): Ca : Mg é de 4:1.• Calcário utilizado: próximo de 4 : 1.• Saturação de potássio baixa: necessidade da aplicação de adubação potássica corretiva (lanço em toda área).Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Cloreto de potássio (adubação corretiva) para ter 3% da CTC a pH 7,0 saturada com potássio• CTC a pH 7,0 = 5,75 cmolc /dm3 100% 5,75 cmolc/dm3 3% X cmolc/dm3 X = 3% x 5,75 meq/100 cm3 / 100% = 0,17 cmolc K/dm3Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Cloreto de potássio (adubação corretiva) para ter 3% da CTC a pH 7,0 saturada com potássio• Resultado da análise: 20 mg K/dm3 corresponde 0,05 cmolc K/dm3.• Adicionar: 0,17 cmolc K/dm3 – 0,05 cmolc K/dm3 = 0,12 cmolc K/dm3 de solo,• Para ter: 3% da CTC a pH 7,0 (0,17 cmolc/dm3) ocupada por K.Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Cloreto de potássio (adubação corretiva) para ter 3% da CTC a pH 7,0 saturada com potássio• 1 cmolc K/dm3 0,39102 g K/dm3• 0,12 cmolc K/dm3 X g K/dm3• Tabela 7A: cmolc K/dm3 g K/dm3 = cmolc K/dm3 x 0,3909Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Cloreto de potássio (adubação corretiva) para ter 3% da CTC a pH 7,0 saturada com potássio X = 0,12 cmolc K/dm3 x 0,39102 g K/dm3 1 cmolc K/dm3 = 0,047 g K/dm3Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Cloreto de potássio (adubação corretiva) para ter 3% da CTC a pH 7,0 saturada com potássio• Transformar em g ha-1: profundidade de 20 cm e densidade do solo = 1,0 kg/dm3 0,047 g K 1 dm 3 XgK 2.000.000 dm3Tabela 6A: g K/dm3 kg K/ha = g K/dm3 x 2.000Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Cloreto de potássio (adubação corretiva) para ter 3% da CTC a pH 7,0 saturada com potássio X = 2.000.000 dm3 x 0,047 g K 1 dm3 = 94.000 g K ha-1 ou 94 kg K ha-1Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Cloreto de potássio (adubação corretiva) para ter 3% da CTC a pH 7,0 saturada com potássio• Transformar em kg K2O ha-1 e em kg KCl ha-1: pesos atômicos potássio = 39,102 e oxigênio = 15,999, obtém-se: K2 K2O (39,102 x 2) (39,102 x 2) + 15,999 78,204 kg K 94,203 kg de K2O 94 kg K/ha X kg K2O/haAdaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Cloreto de potássio (adubação corretiva) para ter 3% da CTC a pH 7,0 saturada com potássio• Tabela 7A: kg K/ha kg K2O ha-1 = kg K/ha x 1,20458 X = 94 kg K/ha x 94,203 kg K2O 78,204 kg K = 113,2 kg K2O ha-1Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Cloreto de potássio (adubação corretiva) para ter 3% da CTC a pH 7,0 saturada com potássio• Porcentagem de K2O no Cloreto de Potássio (KCl) = 58%: 100 kg de KCl 58 kg de K 2O X kg de KCl 113,2 kg de K2O X = 113,2 kg K2O x 100 kg KCl 58 kg K2O = 195,2 kg KCl ha-1Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Matéria orgânica• Elevar teor: para 30 g kg-1.• Esterco de curral = 35% de matéria orgânica.• Quantas toneladas devem ser incorporadas na camada de 0 a 20 cm?• Passar de 20 g/kg de M.O. para 30 g/kg = aumentar 10 g/kg.• 10 g/kg = 10 g/1.000g = 10 kg/1.000kg = 10 t/1.000 tAdaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Matéria orgânica• Tabela 6A: g/kg t/ha = g/kg x 2• 1 ha na camada de 0 a 20 cm = 10.000 m 2 x 0,20 m = 2.000 m3• Densidade do solo = 1,0: então, 1 ha na camada de 0 a 20 cm = 2.000 m3 x 1 = 2.000 t.• 10 t de M.O. 1.000 t de solo• X t de M.O. 2.000 t de soloAdaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Matéria orgânica X = 2.000 t de solo x 10 t de M.O. 1.000 t de solo X = 20 t de matéria orgânicaAdaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Matéria orgânica• Esterco de curral: 35% de M. O. 100 t de esterco 35 t de M.O. X t de esterco 20 t de M. O. X = 57,1 t de esterco de curralAdaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Calagem (cálcio)• Calcário calcítico (55% CaO).• Dolomita calcinada (27% CaO e 19% MgO), a 300 km.• Qual a combinação ideal destes produtos para que esta área, após a calagem, mantenha a relação original de Ca : Mg de 4:1, em cmolc/dm3.• Qual a melhor opção sob aspectos técnicos e econômicos?Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Calagem (cálcio)• Volume de 2.000 m3 (camada 0 a 20 cm e área 10.000 m2).• Para cada 1% de CaO no produto: quantos cmolc de Ca corresponde a aplicação de 1 tonelada?• 1% CaO 1 kg de CaO/100 kg de calcário 10 kg de CaO/1.000 kg de calcário.Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Fatores de conversão entre as unidades de representação dos macronutrientes (7A)Elemento Unidade Centimol Forma Forma de Forma de Forma de conhecida de elementar óxido radical sal carga cmolc Ca - g Ca g CaO - g CaCO3 cmol 1 0,2004 0,2804 - - g Ca 4,9900 1 1,39920 - 2,49726 g CaO 3,5663 0,71470 1 - 1,78477 g CaCO3 1,9984 0,40044 0,56023 - 1Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Calagem (cálcio)• Transformar: CaO Ca• Tabela 7A: kg CaO kg Ca = kg CaO x 0,7147• Pesos atômicos: 40,08 + 15,999 40,08 56,079 kg CaO 40,08 kg Ca. 10,00 kg CaO X kg Ca.Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Calagem (cálcio) X = 40,08 kg Ca x 10,00 kg CaO = 56,079 kg CaO = 7,14706 kg Ca ou 7.147,0603 g CaAdaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Calagem (cálcio) 1 cmolc Ca = peso atômico (g) ÷ valência ÷ 100 = 40,08 ÷ 2 ÷ 100 1 cmolc Ca 0,2004 g Ca X cmolc Ca 7.147,0603 g CaTabela 7A: g Ca cmolc Ca = g Ca x 4,9900Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Calagem (cálcio) X = 7,147,0603 g Ca x 1 cmolc Ca = 0,02004 g Ca = 35.663,973 cmolc Ca• Para cada 1% de CaO em um calcário: aplicação de 1 t ha-1 corresponde a 35.663,973 cmolc Ca ha-1.Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Fatores de conversão entre as unidades de representação dos macronutrientes (7A)Elemento Unidade Centimol Forma Forma de Forma de Forma de conhecida de carga elementar óxido radical sal Mg - cmolc g Mg g MgO - g MgCO3 cmol 1 0,1215 0,2015 - 0,4216 g Mg 8,2304 1 1,65807 - 3,46829 g MgO 4,9628 0,60311 1 - 2,09100 gMgCO3 2,3719 0,28833 0,47807 - -Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Calagem (magnésio)• Tabela 7A: kg MgO kg Mg = kg MgO x 0,60311 X = 24,312 kg Mg x 10,00 kg MgO 40,311 kg Mg = 6,031108 kg Mg ou 6.031,108 g MgAdaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Calagem (magnésio)• 1% MgO 1 kg de MgO/100 kg de calcário 10 kg de MgO/1.000 kg de calcário.Transformar: MgO Mg: 24,312 + 15,999 24,312 40,311 kg MgO 24,312 kg Mg 10,00 kg MgO X kg MgAdaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Calagem (magnésio) 1 cmolc Mg = peso atômico (g) ÷ valência ÷ 100 24,312 ÷ 2 ÷ 100 1 cmolc Mg 0,012156 g Mg X cmolc Mg 6.031.108 g Mg Tabela 7A: g Mg cmolc Mg = g Mg x 8,2304Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Calagem (magnésio) X = 6.031,108 g Mg x 1 cmolc Mg 0,12156 g Mg = 49.142,48 cmolc Mg ha-1• Para cada 1% de MgO em um calcário: aplicação de 1 t ha-1 corresponde a 49.614,248 cmolc Mg ha-1.Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Calagem• Calcário calcítico = 55% de CaO: aplicação de 1.000 kg do mesmo corresponde a fornecer 35.663,973 cmol c Ca x 55 = 1.961.518,515 cmolc Ca ha-1.• 1 hectare, na camada de 0 a 20 cm: corresponde a 2.000.000 dm3, obtém-se por dm3 o seguinte:Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Calagem 1.961.518,515 cmolc Ca 2.000.000 dm3 (1 ha) X cmolc Ca 1 dm3 X = 100 cm3 x 1.961.518,515 cmolc Ca 2.000.000 dm3 = 0,98 cmolc Ca/dm3• Aplicação de 1 t deste calcário fornecerá 0,98 cmolc Ca/dm3.Adaptado de: LOPES, A. S. e GUIDOLIN, J.A. Interpretação de Análise de Solo – Boletim Técnico 2/ ANDA/Associação Nacional para Difusão de Adubos, 1989.
  • Classes de interpretação de fertilidade do solo para matéria orgânica e complexo de troca catiônicaCaracterística Unidade Classificação Muito Baixo Médio Bom Muito Baixo Bom Matéria Dag.kg-1 ≤ 0,70 0,71-2,00 2,01-4,00 4,01-7,00 > 7,00 Orgânica Cálcio cmolcdm-3 ≤ 0,40 0,41-1,20 1,21-2,40 2,41-4,00 > 4,00 Trocável (Ca+2)2 Magnésio cmolcdm-3 ≤ 0,15 0,16-0,45 0,46-0,90 0,91-1,50 Trocável (Mg+2) Acidez cmolcdm-3 ≤ 0,20 0,21-0,50 0,51-1,00 1,01-2,003 > 2,003Trocável (Al+3)Soma de Bases cmolcdm-3 ≤ 0,60 0,61-1,80 1,81-3,60 3,61-6,00 > 6,00 (SB)1 Método Walker e Black; 2Método KCl 1 mol L-1; 3A interpretação destas classes deve ser alta e muita alta em lugar debom e muito bom. Fonte: RIBEIRO et al, 1999.
  • Classes de interpretação de fertilidade do solo para matéria orgânica e complexo de troca catiônica Característica Unidade Classificação Baixo Médio Bom Acidez cmolcdm-3 ≤ 1,00 1,01-2,50 2,51-5,00 5,01-9,003 > 9,003 Potencial (H+Al) CTC Efetiva cmolcdm-3 ≤ 0,80 0,81-2,30 2,31-4,60 4,61-8,00 > 8,00 (t) Saturação por 2 % ≤ 15,0 15,1-30,0 30,1-50,0 50,1-75,03 > 75,03Método Walker e Black; Método KCl 1 mol L ; A interpretação destas classes deve ser alta e muita alta em lugar de bom e1 -1 3 Al+3 (m)muito bom. Fonte: RIBEIRO et al, 1999. 3 3
  • Interpretação de análise de solo para P (Mehlich), deacordo com teor de argila (recomendação em sistemas de sequeiro com culturas anuais)Teor de Teor de P no soloArgila Muito Baixo Médio Adequado Alto Baixo % -------------------------------------- mg/dm3 ------------------------------------- ≤ 15 0 a 0,6 6,1 a 12,0 12,1 a 18,0 18,1 a 25,0 > 25,016 a 35 0 a 0,5 5,1 a 10,0 10,1 a 15,0 15,1 a 20,0 > 20,036 a 60 0 a 0,3 3,1 a 5,0 5,1 a 8,0 8,1 a 12,0 > 60 0 a 2,0 2,1 a 3,0 3,1 a 4,0 4,1 a 6,0 > 6,00 Adaptado de SOUZA et al. (1987). Fonte: SOUZA e LOBATO, 2004.
  • Interpretação de análise de solo para P (Mehlich), deacordo com teor de argila (recomendação em sistemas irrigados com culturas anuais)Teor de Teor de P no soloArgila Muito Baixo Médio Adequado Alto Baixo % -------------------------------------- mg/dm 3 ------------------------------------- ≤ 15 0 a 12,0 12,1 a 25,0 18,1 a 18,0 25,1 a 40,0 > 40,016 a 35 0 a 10,0 10,1 a 15,0 15,1 a 20,0 20,1 a 35,0 > 35,036 a 60 0 a 5,0 5,1 a 8,0 8,1 a 12,0 12,1 a 18,0 > 18,0 > 60 0 a 3,0 3,1 a 4,0 6,1 a 9,0 > 9,00 Adaptado de SOUZA et al. (1987). Fonte: SOUZA e LOBATO, 2004.
  • Interpretação de análise de solo para culturas anuais em solos de cerrado CTC a pH 7,0 menor que 4,0 cmolc /dm3 Teor de K Baixo Médio Adequado Alto--------------------------------------- mg/kg ------------------------------------ ≤ 15 16 a 30 31 a 40 > 40 CTC a pH 7,0 igual ou maior que 4,0 cmolc /dm3 Teor de K Baixo Médio Adequado--------------------------------------- mg/kg ------------------------------------- ≤ 25 26 a 50 > 80 Adaptado de SOUZA et al. (1996). Fonte: SOUSA e LOBATO, 2004.
  • Estes slides são concedidos sob uma Licença CreativeCommons sob as seguintes condições de Atribuição, Uso Não-Comercial e Compartilhamento pela mesma Licença, comrestrições adicionais: • Se você é estudante, você não está autorizado a utilizar estes slides (total ou parcialmente) em uma apresentação na qual você esteja sendo avaliado, a não ser que o professor que está lhe avaliando: a) lhe peça explicitamente para utilizar estes slides; b) ou seja informado explicitamente da origem destes slides e concorde com o seu uso.Mais detalhes sobre a referida licença Creative Commons vejano link: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/2.5/br/Autor: Professor Luiz HenriqueFonte: www.luizhenriquebs.com.br