UNIVERSIDADE PARANAENSE – UNIPAR
      Recon h ecid a p ela Por t ar ia - MEC N.º 1 5 8 0 , d e 0 9 / 1 1 / 9 3 – D.O.U.
 ...
REDES DE COMPUTADORES
                                     In tro du ção


    É Pr aticam en te im p os s ível h oje em d...
REDES DE COMPUTADORES
                                   In tro du ção


As re de s não s ão um a te cno lo gia no v a. El...
REDES DE COMPUTADORES
                                          In tro du ção


Po r qu e e s tar ligado a algu m tipo de ...
REDES DE COMPUTADORES
                                             In tro du ção


Tipo s de Re de s

     Tom an d o com ...
REDES DE COMPUTADORES
                                         In tro du ção


Re de s Po n to - a- Po n to
     Teor icam...
REDES DE COMPUTADORES
                                        In tro du ção


Re de s Po n to - a- Po n to
Nes te tip o d ...
REDES DE COMPUTADORES
                                         In tro du ção


Re de s Clie n te / Se rv ido r

  Usad a n...
REDES DE COMPUTADORES
                                        In tro du ção

Re de s Clie n te / Se rv ido r

 A r ed e cl...
REDES DE COMPUTADORES
                                          In tro du ção

Tip o d e Ser vid or es :
Se rv idor de arq...
REDES DE COMPUTADORES
                                          In tro du ção

Tip o d e Ser vid or es :

 Se rv idor de A...
REDES DE COMPUTADORES
                                           In tro du ção

Tip o d e Ser vid or es :
 Se rv idor de A...
REDES DE COMPUTADORES
                                            In tro du ção

Tip o d e Ser vid or es :
   Se rv idor d...
REDES DE COMPUTADORES
                                          In tro du ção

Tip o d e Ser vid or es :
Se rv idor de Co ...
REDES DE COMPUTADORES
                                           In tro du ção




Em s u m a p od em os con sid er ar q u...
REDES DE COMPUTADORES
                                                    In tro du ção


To po lo gia
  Além d a clas sif...
REDES DE COMPUTADORES
                                             In tro du ção


Re de s Lo cais
As r ed es locais , t a...
REDES DE COMPUTADORES
                                           In tro du ção


To po lo gia de LANs
                    ...
REDES DE COMPUTADORES
                                        In tro du ção

    Re de s Me tro po litan as

    Na ver d ...
REDES DE COMPUTADORES
                                       In tro du ção

Re de s Ge o graficam e n te Dis tribu ída
Es ...
REDES DE COMPUTADORES
                      In tro du ção




 Est r ela                                       Ár vor e
  ...
REDES DE COMPUTADORES
                                              In tro du ção

Re de s s e m Fio
  O s egm en to d e m...
REDES DE COMPUTADORES
                                     In tro du ção



Inte r- re de s

Exis tem m u itas r ed es n o...
REDES DE COMPUTADORES
                                              In tro du ção
Res u m o d a class ificação d e r ed es...
REDES DE COMPUTADORES
                                     In tro du ção
Com po ne nte s bás ico s de um a re de

Em u m a...
REDES DE COMPUTADORES
                                    In tro du ção

Com po ne nte s bás ico s de um a re de


 Se rv ...
REDES DE COMPUTADORES
                                   In tro du ção

Com po ne nte s bás ico s de um a re de

 Protocol...
REDES DE COMPUTADORES
                                     In tro du ção

Com po ne nte s bás ico s de um a re de

Placa d...
REDES DE COMPUTADORES
                                   In tro du ção

Com po ne nte s bás ico s de um a re de

 Hardw ar...
Redes - Introdução
Redes - Introdução
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Redes - Introdução

1,661

Published on

Slides de suporte da aula de Redes de Computadores - Continuar pesquisas nas bibliografias:

TANENBAUM, Andrew S. Redes de Computadores. Editora Campus, 4 Edição. 2003.

COMER, Douglas E. Interligação de Redes com TCP/IP, volume 1. Editora Campus, 5 Edição. 2006.


TORRES, Gabriel. Redes de Computadores Curso Completo. 1 ed. Editora Axcel Books. 2001.

Published in: Education, Technology, Business
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,661
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
163
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Redes - Introdução

  1. 1. UNIVERSIDADE PARANAENSE – UNIPAR Recon h ecid a p ela Por t ar ia - MEC N.º 1 5 8 0 , d e 0 9 / 1 1 / 9 3 – D.O.U. 10/ 11/ 93 Man t en ed o r a: As s o ciação Par an aen s e d e En s in o e Cu lt u r a – APEC REDES DE COMPUTADORES Sis t em a s d e In for m a çã o - 2.o / 20 0 3 Pro f. Lu iz Arthu r Fe ito s a do s San to s
  2. 2. REDES DE COMPUTADORES In tro du ção É Pr aticam en te im p os s ível h oje em d ia n ão p en s ar em r ed es q u an d o o as su n to é in for m ática (já q u e h oje a m aior ia d as p ess oas com p ram com p u t ad or es p ar a aces s ar a In ter n et). On d e es t ão p res en t es as red es d e com p u t ad ores ? o Caixas eletr ôn icos d e b an cos , o Su p er m er cad os (caixa r egis t rad or a), o Peq u en as , m éd ias e gr an d es em p r es as, o Pess oas fís icas, etc... e - m ail: luiz _arth ur@un ip ar.br
  3. 3. REDES DE COMPUTADORES In tro du ção As re de s não s ão um a te cno lo gia no v a. Elas exist em d esd e a ép oca d os p rim eir os com p u tad or es . Por em n ovas p ad r on iz ações e tecn ologias p er m item q u e com p u t ad or es p os s am s e in ter com u n icar d e for m a m ais eficien te e a u m cu s to m en or . Nos d ias atu ais é p r aticam en te im p os sível p en sar em u m am bien te d e tr abalh o q u e os m icr os exis ten tes n ão es tejam ligad os a algu m tip o d e r ed e. É p r ovável q u e em m ais algu n s an os ser á d o m esm o jeito im p os s ível im agin ar u m a cas a q u e n ão p os su a u m a r ed e (Já q u e es t a p r op or cion a in ú m eras facilid ad es ). e - m ail: luiz _arth ur@un ip ar.br
  4. 4. REDES DE COMPUTADORES In tro du ção Po r qu e e s tar ligado a algu m tipo de re de ? Van tagen s : Troca d e ar q u ivos e/ ou q u alq u er d ad os n o com p u t ad or ; Com p ar tilh am en t o d e p erifér icos (im p r ess or as, m od en s p ar a acess ar a In ter n et e as s im r ed u z ir cu s tos , etc...); Cor r eio eletr ôn ico e ou tr os ap licat ivos d e com u n icação; etc… A B C C In t er n et e - m ail: luiz _arth ur@un ip ar.br
  5. 5. REDES DE COMPUTADORES In tro du ção Tipo s de Re de s Tom an d o com o r efer en cia a m an eir a com o os d ad os s ão com p ar tilh ad os (d e for m a lógica) exis tem d ois t ip os b ás icos d e r ed es : Ponto- a- ponto e clie nte / s e rv ido r, n a q u al a p r im eir a é ger alm en te em p r egad a em r ed es p eq u en as , en q u an t o a s egu n d a é largam en t e u t iliz ad a em r ed es d e p eq u en o e gr an d e p or te. Es sa class ificação s e d á in d ep en d en te d a es tr u tu r a física u s ad a p ela r ed e, ist o é, com o a r ed e est á fis icam en t e m on tad a, m ais s im d a m an eira q u e ela est á con figu r ad a em softwar e. Clien t e Clien t e Clien t e Clien t e Servid or Clien t e Clien t e Clien t e Clien t e Clien t e Ser vid or Clien t e Clien t e e - m ail: luiz _arth ur@un ip ar.br
  6. 6. REDES DE COMPUTADORES In tro du ção Re de s Po n to - a- Po n to Teor icam en te é o t ip o d e r ed e m ais s im p les d e s er m on tad o; Pr at icam en t e t od os os s is tem as op eracion ais , p os s u em su p or te a es te tip o d e r ed e(Win d ows 9.X/ NT/ XP/ 20 0 0 , Lin u x, et c); Us ad a em r ed es p eq u en as (ger alm en t e 10 m icr os ); Baixo cu st o; Fácil im p lem en t ação; Baixa segu r an ça; Sis tem a cab eam en t o m u ito s im p les ; Não Exis t e ad m in is t rad or d e r ed e; Não exis te s ervid or ; As r ed es t er ão p r ob lem as p ar a cr escer em d e tam an h o. Tod os os m icr os são com p letos tan t o n o tocan te a h ar d war e com o s oftwar e. e - m ail: luiz _arth ur@un ip ar.br
  7. 7. REDES DE COMPUTADORES In tro du ção Re de s Po n to - a- Po n to Nes te tip o d e r ed e n ão exis t e m u ita buro cracia, m u ito m en os h ier ar q u ia. Qu alq u er m icr o p od e facilm en t e ler e escr ever ar q u ivos ar m az en ad os em ou tr os m icr os d a r ed e bem com o u sar p er ifér icos q u e est ejam in st alad os em ou tr os PC’s. Mas tu d o iss o d ep en d e d a con figu r ação feita n os softwar es d e r ed e. Nest e t ip o d e r ed e a p rin cip al car acter ís tica é d e não e xis te um m icro “s e rv idor”, já q u e q u alq u er m icr o p od e as s u m ir es te p ap el a q u alq u er m om en t o. e - m ail: luiz _arth ur@un ip ar.br
  8. 8. REDES DE COMPUTADORES In tro du ção Re de s Clie n te / Se rv ido r Usad a n or m alm en te em r ed es com m ais d e 10 m icr os ou r ed es p eq u en as q u e n eces s itam d e u m alto gr au d e segu r an ça; Cu st o m aior q u e o d e r ed es p on t o- a- p on t o; Maior d esem p en h o; Mais d ifícil d e ser im p lem en tad a; Alt a s egu r an ça; Man u ten ção e con figu r ação d e r ed e é feit a d e m an eir a cen t r aliz ad a, p elo ad m in ist r ad or d a r ed e; Exis tên cia d e s er vid or es , q u e s ão m icr os ou eq u ip am en t os cap az es d e ofer ecer r ecu r sos aos d em ais m icr os d a r ed e, com o im p res s ão, ar m az en am en to d e ar q u ivos e en vio d e m en s agen s eletr ôn icas . Pos s ibilid ad e d e u s o d e ap licações clien te/ s er vid or , com o ban co d e d ad os . e - m ail: luiz _arth ur@un ip ar.br
  9. 9. REDES DE COMPUTADORES In tro du ção Re de s Clie n te / Se rv ido r A r ed e clien te ser vid or tem com o p r in cip al car act er íst ica à e xis tê ncia d e u m com p on en t e ch am ad o s e rv ido r, n or m alm en te é u m m icr o (m as p od e ser u m eq u ip am en to q u alq u er) q u e ge ra re curs o s p ar a os de m ais m icros da re de . O s er vid or é u m m icr o esp ecializ ad o e ger alm en te de dicado em u m s ó tip o d e tar efa (s ervid or d e ar q u ivos , cor r eio eletr ôn ico, im p r ess or as , et c), p r op or cion an d o as s im u m m elh or d es em p en h o d a tar efa a ser execu tad o p or ele, b em com o u m n ível m aior d e s egu r an ça. e - m ail: luiz _arth ur@un ip ar.br
  10. 10. REDES DE COMPUTADORES In tro du ção Tip o d e Ser vid or es : Se rv idor de arquiv os : É r es p on s ável p elo ar m az en am en to d e ar q u ivos d e d ad os – tal com o ar q u ivo d e t exto, p lan ilh as e gr áficos – q u e n ecess itam s er com p ar tilh ad os com u s u ár ios d a r ed e. Nes te tip o d e s er vid or os ar q u ivos são p r oces sad os/ execu tad os p elos clien tes. Algu n s exem p los d e ser vid or es d e ar q u ivos são (Sam b a, NFS, etc...). Ped e arq u ivo “t ext o.d oc” En t rega arq u ivo “t ext o.d oc” e - m ail: luiz _arth ur@un ip ar.br
  11. 11. REDES DE COMPUTADORES In tro du ção Tip o d e Ser vid or es : Se rv idor de Aplicação : Est e t ip o d e s er vid or execu t a ap licações t íp icas d e clien te/ s er vid or (ex. MySQL, Or acle, t er m in ais vir t u ais , etc), tal com o, ban co d e d ad os , u m a car acter íst ica m ar can te d est e s er vid or é q u e ele execu t a o p ed id o d o clien t e n o p r óp r io s er vid or . Com is s o é p os s ível q u e vár ios u s u ár ios aces sem e m an ip u lem ao m es m o tem p o u m a ú n ica ap licação, faz en d o com q u e tod os os d ad os fiq u em sin cr on iz ad os . Ou t r o p on to a favor d es te t ip o d e s ervid or é q u e com o os ap licativos s ão p r oces sad os n o s er vid or , is so p os s ib ilit a q u e os t er m in ais s ejam m icr os m e nos po te nte s , já q u e n ão ser á n eces s ár io q u e es te p r oces s em as in for m ações. e - m ail: luiz _arth ur@un ip ar.br
  12. 12. REDES DE COMPUTADORES In tro du ção Tip o d e Ser vid or es : Se rv idor de Aplicação : Serv idor Faz con s u lt a Execu t a Te rm inal “burro ” Res u lt ad o d a Con s u lt con s u lt a a Em cas os ext r em os é p os sível q u e os ter m in ais p os su am ap en as eq u ip am en t os b ás icos (p laca m ãe, p r oces s ad or , m em ór ia, p laca d e r ed e, m on itor , teclad o, m ou s e), ap en as p ara in iciar o s is tem a e ap licação, s en d o en t ão d is p en s ável o u so d e p er ifér icos , p or exem p lo, d is co r ígid o. Ess e fat or ir a d im in u ir o cu s to d os eq u ip am en t os , e tais t er m in ais s ão com u m en t e d en om in ad os term in a is bu rros. e - m ail: luiz _arth ur@un ip ar.br
  13. 13. REDES DE COMPUTADORES In tro du ção Tip o d e Ser vid or es : Se rv idor de Im pre s s ão : Res p on s ável p or p r ocess ar os p ed id os d e im p r ess ão s olicit ad os p elos m icr os d a r ed e e en via- los p ar a as im p r ess or as d is p on íveis n a r ed e. Nes te tip o d e s er vid or p od e ser a feit o fila d e im p r es s ões , on d e os d ocu m en tos são gu ard ad os es p eran d o o r ecu r s o s er liber ad o, ou r esp on d en d o a algu m a or d em d e p r ior id ad e. Exem p los d e ser vid or es d e im p r es s ão s ão: LDP, CUPS, etc... En viar d ocu m en t o p ara im p res s ora e - m ail: luiz _arth ur@un ip ar.br
  14. 14. REDES DE COMPUTADORES In tro du ção Tip o d e Ser vid or es : Se rv idor de Co rre io Ele trô nico : Es te s er vid or é en car r egad o p elo p r oces s am en to e p ela en t r ega d e m en s agen s elet r ôn icas . Se rv idor de Co m unicação : Usad o n a com u n icação en t r e a s u a red e e ou t r as r ed es (u m a ou m ais ), com o a In ter n et. En via m en s agem In ter n et Receb e m en s agem É p os s ível t em vários s ervid ores em u m s ó m icrocom p u t ad or e - m ail: luiz _arth ur@un ip ar.br
  15. 15. REDES DE COMPUTADORES In tro du ção Em s u m a p od em os con sid er ar q u e o m od elo clie nte / s e rv idor é um tipo de re de ponto a po nto com ap en as algu m as caracter ís ticas d ifer en tes , d es ta for m a n ão tem os u m a t axon om ia n a q u al r ed es d e com p u tad or es p od em s e en caixar p er feitam en te. As red es p on t o- a- p on t o con s is t em d e m u itas con exões en tr e p ar es in d ivid u ais d e m aq u in as . E r ar a ir d a or igem ao d es tin o, t alvez u m “p acote” d es se t ip o d e r ed e t en h a d e visit ar u m a ou m ais m aq u in as in ter m ed iár ias Com o em ger al é p os s ível ter d ifer en t es r otas com d ifer en t es tam an h os , os algor itm os d e “rotea m en to” d es em p en h am u m im p or t an te p ap el n as r ed es p on to- a- p on to. e - m ail: luiz _arth ur@un ip ar.br
  16. 16. REDES DE COMPUTADORES In tro du ção To po lo gia Além d a clas sificação lógica (clien te- s er vid or e p on to- a- p on t o), ou tr o tip o d e clas s ificação q u e p od em os d ar a u m a r ed e é a p or es calas ou d is t ribu ição fís ica: Proce s s adore s Dis tância do Lo caliz ados nos Exe m plos Inte rpro ce s s ado r m e s m os 0 ,1 m Placas de Máquinas de fluxo de dados – Multiproces s ador circuitos Multicom putador (clus te r) 1 m Sis te m a 10 m Sala 100 m Pré dio Re de Local - LAN 1 km Cam pus 1 0 km Cidade Re de Me tropolitana - MAN 1 0 0 km País Re de Ge ograficam e nte Dis tribuidas - WAN 1 .0 0 0 km Co ntine nte 1 0 .0 0 0 km Plane ta A inte r- re de - Inte rne t e - m ail: luiz _arth ur@un ip ar.br
  17. 17. REDES DE COMPUTADORES In tro du ção Re de s Lo cais As r ed es locais , t am b ém d en om in ad a LANs , s ão r ed es p r ivad as con tid as em u m p r éd io ou em u m cam p u s u n iver s itár io q u e tem algu n s q u ilôm et r os d e exten s ão. Elas são as m ais com u m en t e en con tr ad as p ara ligar com p u t ad or es p es s oais e es tações d e t r ab alh o, p er m itin d o o com p ar tilh am en to d e r ecu r s os e a tr oca d e in for m ações. Ess e tip o d e r ed e p os s u i t r ês car act er ís t icas m ar can tes : Tam an h o Tecn ologia d e tr an s m is s ão Top ologia Ger alm en te n es t e t ip o d e red e é p os sível s ab er a os lim ites d a r ed e (velocid ad e, s egu r an ça, etc), p oss ib ilitan d o o m elh or ger en ciam en t o d a r ed e. As LANs ger alm en t e p oss u em u m a velocid ad e d e 10 a 10 0 Mb p s, tem baixo r etard o e con tem p ou q u íss im os er r os. e - m ail: luiz _arth ur@un ip ar.br
  18. 18. REDES DE COMPUTADORES In tro du ção To po lo gia de LANs An el Hu b/ Sw itch e s Token Rin g d a IBM Es t rela Barram en t o Cad a m áq u in a p od e en viar “p acot es” in d ep en d en t em en t e, p or iss o p od e ocor r er d e d u as m áq u in as ten t ar em en viar p acot es ao m es m o t em p o, faz en d o s e n eces s ár io m ecan is m os q u e con t r olem iss o (ex: Eth er n et). Dep en d en d o d o m od o em q u e o can al é alocad o as r ed es p od em s er d ivid id as em es tát ico e d in âm ico. e - m ail: luiz _arth ur@un ip ar.br
  19. 19. REDES DE COMPUTADORES In tro du ção Re de s Me tro po litan as Na ver d ad e é u m a ver são am p liad a d a LAN, p ois b as icam en te os d ois t ip os d e red e u t iliz am t ecn ologias s em elh an t es . Um a MAN p od e abr an ger u m gr u p o d e escr itór ios viz in h os ou u m a cid ad e in t eir a, p od e s er p r ivad a ou p u blica. Ess e t ip o d e r ed e é cap az d e t ran sp or tar d ad os e voz , p od en d o in clu s ive s er ass ociad o à r ed e d e televis ão a cab o local. A p rin cip al r az ão p ar a s e t r atar às r ed es m etr op olit an as com o categor ia d e r ed e esp ecial é q u e elas t êm e u tiliz am u m p ad r ão es p ecial, d en om in ad o DQDB (Distribu ted Qu eu e Du a l Bu s) ou p elo p ad r ão IEEE o 802.6. Es s e p ad r ão con sist e em d ois b ar r am en tos (cab os ) aos q u ais tod os os com p u tad or es s ão con ectad os . Barram en t o A Head - en d Barram en t o B e - m ail: luiz _arth ur@un ip ar.br
  20. 20. REDES DE COMPUTADORES In tro du ção Re de s Ge o graficam e n te Dis tribu ída Es te tip o d e r ed e tam b ém é d en om in ad a d e WAN, e abr an ge u m a am pla áre a ge ográfica, com fr eq ü ên cia u m p aís ou con tin en t e. Es s e tip o d e r ed e con tem u m a in fin id ad e d e m áq u in as n as q u ais es t as n or m alm en te s ão ch am ad as d e h ost, ess es h osts p od em for m ar su b - r ed es , n or m alm en te a su b r ed e é for m ad o p or lin h as d e tr an sm is s ão e elem en tos d e com u tação, as lin h as d e t r an s m iss ão tam b ém ch am ad os d e can ais ou t r on cos , tr an s p or t am os bits en tr e as m áq u in as . Os elem en tos d e com u tação s ão com p u tad or es es p ecializ ad os u s ad os p ar a con ect ar d u as ou m ais lin h as d e com u n icação, es s es com p u tad or es s ão ch am ad os d e r ot ead or es. Na m aior ia d as WANs , a red e con tém n u m er osos cab os ou lin h as telefôn icas, tod os con ectad os a u m p ar d e r otead or es . Um a WAN tam bém p od e es t ar in t er ligad a atr avés d e u m s is tem a d e r ad io t er r es tr e ou via sat élite. e - m ail: luiz _arth ur@un ip ar.br
  21. 21. REDES DE COMPUTADORES In tro du ção Est r ela Ár vor e An el Com p leta An éis in ter s ect ad os Irr egu lar e - m ail: luiz _arth ur@un ip ar.br
  22. 22. REDES DE COMPUTADORES In tro du ção Re de s s e m Fio O s egm en to d e m er cad o m ais cr es cen te d a in d u s tr ia d e com p u tad or es é a d os com p u tad or es m oveis , com o os n otebook s e os PDAs (Person al Digital A ssistan ts). Pos s u i m u itos u s os , es cr itór io p or tátil, am bu lân cias e car r os d a p olicia, op er ações m ilitar es , etc. Pod em os t er t am b ém u m a r ed e h íb r id a, veja tab ela ab aixo. Se m Móv e l Aplicaçõ e s fio Não Não Es t açõ es d e t rabalh o fixas em es crit órios Não Sim Ut iliz ação d e u m p ort át il em u m h ot el Sim Não LANs em p réd ios m ais an t igos , s em fiação Sim Sim Es crit ó rio Port át il, PDA p ara es t oqu e d e loja Ger alm en t e LANs sem fio são fáceis d e in st alar , m as tam bém p os s u em d es van tagen s , tais com o velocid ad e in fer ior d as r ed es com fio, t axas d e er ros cost u m am ser m ais alt as e as t ran s m iss ões d e ou tr os com p u tad or es p od em p r ovocar in terfer ên cia. e - m ail: luiz _arth ur@un ip ar.br
  23. 23. REDES DE COMPUTADORES In tro du ção Inte r- re de s Exis tem m u itas r ed es n o m u n d o, fr eq ü en tem en te com h ar d war es e s oftwar es esp ecíficos . Nor m alm en te, as p es s oas con ect ad as a d ifer en t es r ed es p r ecis am s e com u n icar en tr e si. Cas o se d es eje ist o é n eces s ár io est abelecer con exões en tr es es tas , ess a p on te se d á atr avés d e eq u ip am en tos ch am ad os g a tew a y s. En tão u m con ju n to d e r ed es in t ercon ectad as é ch am ad a d e ligação in ter - r ed e. Est a p od e s er u m con ju n to d e LANs con ectad as p or u m a WAN. A Inte rne t é u m a in t er - r ed e m u n d ial. e - m ail: luiz _arth ur@un ip ar.br
  24. 24. REDES DE COMPUTADORES In tro du ção Res u m o d a class ificação d e r ed es: Clas s ificação fís ica: Tip o de re de Abran gê n cia Ge o gráfica LAN (Local Á rea Netw ork ) Sa la, p réd io ou con ju n to d e p r éd io s . MAN (Metropolitan Á rea Netw ork ) Cid ad e ou Macro- região WAN (Wide Á rea Netw ork) Var ias Cid ad es , es tad os , p aises e co n tin en tes. Clas s ificação Lógica: Re de Co m pu tado r Van tage n s De s v an tag e n s es Clie n te / Se rv id - Servid or es - Cen tr aliz ação d os recu r s os e - Maio r cu st o . or - Es tações d ad os . - Melh or ger en cia e s egu r an ça. - Melh or d es em p en h o. Po n to - a- p o n to - Es tações - Baixo cu s t o - Descen t r aliz ação q u e p od em - Não u t iliz a u m com p u t ad or d os r ecu rs o s e d ad o s t am bém atu ar exclu s ivo com o ser vid or - Men o r n ível d e com o - Fácil Im p lem en t ação. s egu r an ça e ger en cia s er vid or es - Micr o tem d e s er co m p let o s e - m ail: luiz _arth ur@un ip ar.br
  25. 25. REDES DE COMPUTADORES In tro du ção Com po ne nte s bás ico s de um a re de Em u m a r ed e ir em os en con tr ar d iver s os com p on en t es d e h ard w are e softw are. Ess es com p on en t es in ter agem en t r e s i p oss ibilit an d o as s im a com u n icação en t r e os vários com p u tad or es d a r ed e. Parece ób vio q u e u m a r ed e local é u m cir cu it o p ar a a con exão d e com p u tad or es , e en volve p elo m en os , com p u tad or es e cabos , m as ela é com p ost a t am b ém p or ou t r os eq u ip am en tos b ás icos q u e s er ão vis tos ab aixo: Hard ware d e Red e Clien t e Hu b Recu rs o Im p res s ora Placa d e Red e Clien t e Recu rs o Dis co Rigid o Servid or e - m ail: luiz _arth ur@un ip ar.br
  26. 26. REDES DE COMPUTADORES In tro du ção Com po ne nte s bás ico s de um a re de Se rv idor é u m m icr o ou d is p os it ivo cap az d e ofer ecer u m recu rso p ar a a r ed e; Clie nte é u m m icr o ou d isp os itivo q u e aces s a os r ecu r s os ofer ecid os p ela r ed e; Re curs o: Qu alq u er cois a q u e p oss a s er oferecid a e u s ad a p elos clien tes d e r ed e, com o im p r es s or as , ar q u ivos , u n id ad es d e d isco, aces so a In ter n et, etc. e - m ail: luiz _arth ur@un ip ar.br
  27. 27. REDES DE COMPUTADORES In tro du ção Com po ne nte s bás ico s de um a re de Protocolo : Par a q u e t od os os d isp os itivos d a r ed e p oss am s e en t en d er , in d ep en d en t e d o p r ogr am a u s ad o ou d o fab r ican t e d os com p on en tes, eles p recis am con vers ar u s an d o u m a m es m a lin gu agem . Es s a lin gu agem é gen ericam en te ch am ad a p r otocolo. En tão d ad os d e u m a r ed e s ão tr ocad os d e acor d o com u m p r otocolo, com o p or exem p lo, o fam os o TCP/ IP. Me ios de Ligação : Além d os com p u t ad or es d a r ed e, o com p on en t e q u e p ar ece m ais ób vio é aq u ele q u e faz a ligação en t r e es ses com p u t ad or es . São e s s e s que trans m ite m o s dado s que s e rão trocados e ntre os div e rs os dis po s itiv o s que co m põ e m a re de . Ess es com p on en t es p od em b as ear - s e em cabeam en to ou n ão. Os cab os p od em s er d e cobr e ou d e fibr a ót ica, en q u an t o q u e os m eios sem fio ger alm en te s ão on d as d e r ád io, m icr oon d as ou in fr aver m elh o. Os m eios d e ligação tam b ém p od em s er ch am ad os d e m ídia. e - m ail: luiz _arth ur@un ip ar.br
  28. 28. REDES DE COMPUTADORES In tro du ção Com po ne nte s bás ico s de um a re de Placa de Re de : A p laca d e r ed e, tam b ém ch am ad a d e NIC (Netw ork In terfa ce Ca rd), p er m ite q u e PCs con s igam s er con ect ad os em r ed e, já q u e in t er n am en te os PCs u s am u m sis tem a d e com u n icação totalm en t e d ifer en t e d o u tiliz ad o em r ed es . A p r in cip al d ifer en ça a s er com p en sad a n a com u n icação in t er n a d o com p u tad or com a r ed e é a tr an s m is s ão d e d ad os , on d e n o in t er ior d o com p u tad or est a é feit a em p ar alelo, e n a r ed e ess a p r ecisa ser feit a d e for m a s erial (é tr an s m it id o u m bit p or vez , ap en as ). En t ão o NIC é u m a p laca d e cir cu it os , con ectad a à p laca m ãe d o com p u t ad or (at r avés d os b ar r am en tos , PCI, ISA, VESA, etc), q u e fu n cion a com o in terfa ce fís ica en t re o com p u t ad or e a m íd ia u t iliz ad a. O fu n cion am en t o d a p laca d e r ed e é ger en ciad o p or s oftwar e p od en d o tam bém s er ger en ciad o p or h ar d war e, d ep en d en d o d a com p lexid ad e d a p laca ad q u ir id a. e - m ail: luiz _arth ur@un ip ar.br
  29. 29. REDES DE COMPUTADORES In tro du ção Com po ne nte s bás ico s de um a re de Hardw are de re de : Even tu alm en te p od er á ser n ecess ár io o u s o d e p er iféricos (h u bs, Sw itch es e r ot ead or es) p ar a efet u ar ou m elh or ar a com u n icação d a r ed e. Sis te m a Ope racio nal da Re de : Tam b ém con h ecid o com o SOR ou NOS (Netw ork Op era tin g Sy stem ), é u m d os p rin cip ais com p on en t e d e r ed e. É es s e s oftwar e q u e ir á geren ciar o com p ar t ilh am en t o d os r ecu r s os e p er m itir q u e o ad m in is tr ad or d a r ed e faça ess e ger en ciam en t o com facilid ad e, flexib ilid ad e e segu r an ça. e - m ail: luiz _arth ur@un ip ar.br
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×